Areias de Fundição

15 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD
Ferrari Red Power Masculino Baner Horizontal(728x90)
Ferrari Red Power Masculino Baner Horizontal(728x90)
15 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD

Areias de Fundi?º?úo

Nas areias utilizadas como molde, um fator essencial ?® o pH que sempre tem de ser monitorado. A granulometria m?®dia ?® de 0,05 mm a 2 mm (peneiras 10 a 270).

Os tipos de areia existentes s?úo: s?¡lica, cromita, zirconita, olivina, chamote e cerabeads.

Tipos de areias:

S?¡lica (??xido de sil?¡cio ÔÇô SiO2)

Cromita (FeOCr2O3) ÔÇô alta condutividade t?®rmica (ideal para pe?ºas pequenas)

Zirconita (silicato de zirc??nio ÔÇô ZrO2SiO2) densidade: 4,7

Baixa molhabilidade no Fe

Areia base olivina

Forsterita (2MgO. SiO2) e faialita (2FeO. SiO2).

Areia base Chamote

Quadro Geral das caracter?¡sticas da Areia

Composi?º?úo Qu?¡mica/caracter?¡sticas

S?¡lica

Cromita

Zirconita

Olivina

Chamote

SiO2 (%)

99,02

1 a 2

30 a 34

40 a 43

52 a 60

Al2O3 (%)

0,049

12 a 25

0,5 a 1

1 a 2

43 a 45

Cr2O3 (%)

36 a 50

MgO (%)

0,031

13 a 18

ZrO3 (%)

64 a 68

FeO3 (%)

0,019

15 a 25

1 a 2

FeO (%)

5 a 7

Caracter?¡sticas f?¡sicas

Densidade real (g/cm3)

2,2 a 2,65

4,45 a 4,65

4,6 a 4,7

3,25 a 3,4

2,6 a 2,7

Densidade aparente (g/cm3)

1,7

2,7 a 2,9

3 a 3,1

2,1 a 2,3

1,35

Dilata?º?úo m?®dia at?® 1000??C (%)

1,5

0,9

0,4

1,1

0,6

Tf (??C)

1750

2200

2550

1800

1840

Ts (??C)

1350 a 1450

1350 a 1500

140

1250 a 1600

Dureza (Mohs)

6 a 6,5

5,5 a 7

7 a 7,5

6,5 a 7

Expans?úo T?®rmica a 871??C(mm/mm)

0,457

0,127

0,076

0,203

Faixa de m??dulo (AFS)

25 ÔÇô 180

50 ÔÇô 90

95 ÔÇô 160

40 ÔÇô 160

Rea?º?úo qu?¡mica ?á alta temperatura

?ücida – Neutra

B?ísica – Neutra

?ücida – Neutra

B?ísica

Areia-base cereabeads ÔÇô sinteriza?º?úo da mulita (3Al2O3-2SiO2) + alumina e Kaolin (61% de Al2O3 e 37% de SiO2)

– Ts ÔÇô 1650??C

– m??dulo de finura: 15 ÔÇô 130 AFS

– Alta refratariedade

-Ligas

Ferro fundido

Alum?¡nio

A?ºos

Quadro comparativo entre cerabeads e outras areia

Cerabeads

Zirconita

Cromita

S?¡lica

Densidade (g/cm3)

1,69

2,99

2,81

1,58

Refratariedade (??C)

1825

1825

1880

1730

Expans?úo T?®rmica (%)

Tra?ºos

0,18

0,47

1,39

Vantagens

Desvantagens

– elevada fluidez;

– alta temperatura de sinteriza?º?úo;

– alta dureza do gr?úo;

– boa resist?¬ncia ao choque t?®rmico;

– composi?º?úo qu?¡mica est?ível;

– boa resist?¬ncia ?á abras?úo;

– alta estabilidade t?®rmica a elevadas temperaturas.

– elevado pre?ºo;

– baixa condutividade t?®rmica;

– alto calor espec?¡fico, que significa a dificuldade que a areia tem de se aquecer e maior ainda em se resfriar.

Aglomerantes ÔÇô resinas:

Sistema aglomerante: 2 resinas e 1 agente de cura

Aglomerante ?® composto de 2 partes

Resina parte 1 ÔÇô tipo fen??lica

Resina parte 2 ÔÇô tipo org?ónico

A mistura de parte 1 com parte 2 origina um sistema uret?ónico

Resina parte 1 ?® a parte reativa, baixa viscosidade que facilita o recobrimento dos gr?úos de areia e a mistura com parte 2 do sistema aglorante (poliisocianato). Na cura grupos hidroxilas de P1 reagem com grupos isocianatos de P2 na presen?ºa de amina.

Agente de cura

O agente de cura utilizado para a cat?ílise do processo s?úo as aminas terci?írias com alto grau de vaporiza?º?úo (vol?íteis). Os principais usados para caixa-fria s?úo:

TEA (trietilamina);

DMEA (dimetiletilamina);

TMA (trimetilamina);

DMIA (dimetil-isopropilamina).

A utiliza?º?úo do TEA requer sete a oito vezes mais g?ís inerte ou ar que o DMEA para a cura.

Compara?º?úo TEA e DMEA

TEA

DMEA

– mais utilizado no Brasil;

– menor custo;

– menor odor;

– pode ser aquecido at?® 75??C, no m?íximo.

– utilizado na Europa;

– maior custo;

– maior odor;

– menor tempo de cura;

– dispensa aquecimento;

– maior produtividade.

O DMEA requer maior press?úo de vapor e maior solubilidade no g?ís de transporte, mas ?® mais caro e irritante que o TEA.

HOÔÇôR1ÔÇôOH + OH + OCNÔÇôR2ÔÇôNCO => OR1ÔÇôOOCNHÔÇôR2ÔÇôNH

Parte 1 Parte 2 TEA

Os teores de parte 1 e parte 2 variam entre 0,5% e 1% de cada, normalmente em teores iguais, ou uma diferen?ºa de 10%. O agente de cura varia de 5% a 7% sobre o peso das duas partes juntas.

Dado pr?ítico: utilizar de 1 a 1,5 cm3 de agente de cura gaseificado para cada quilo de areia misturada.

Adensamento da areia

M?®todo

Caracter?¡sticas

Pontos Limitantes

Sopro

– elevada produtividade

– necessita maquin?írio

– projeto especial de vents e tubula?º?úo de sopro

Adensamento Manual

– pequenos lotes de produ?º?úo

– elevada densidade de compacta?º?úo

– dificuldade em obter adensamento uniforme

– baixa produtividade

– dificuldade em adensar areia em cavidades profundas

Adensamento mec?ónico

– moldes e machos grandes

– possibilidade de adensamento n?úo uniforme

temperatura de gasagem pode estar correlacionado com:

utiliza?º?úo de areia muito fina;

press?úo de sopro alta;

teores elevados em parte 1 e 2;

teores elevados de parte 2 em rela?º?úo ?á parte 1;

insufici?¬ncia de vents;

mistura insuficiente de ar (transporte) e agente de cura;

mistura cm temperatura muito baixa.

Ap??s mistura a areia possui vida ??til de 4 h, mas ?® recomendado 2 h. N?úo utilizar antes de 10 a 15 min.

Vantagens

Desvantagens

– elevada resist?¬ncia mec?ónica dos moldes e machos logo ap??s a gasagem;

– baixa evolu?º?úo de gases;

– excelente colapsabilidade;

– elevada precis?úo dimensional;

– elevada produtividade;

– elevada fluidez da mistura;

– excelente acabamento superficial;

– baixa press?úo de compacta?º?úo;

– ferramental em v?írios materiais;

– dispensa arma?º?Áes met?ílicas;

– n?úo utiliza estufagem;

– utiliza?º?úo imediata ap??s a extra?º?úo o ferramental;

– possibilidade de obter machos de geometrias complexas;

– forma?º?úo de carbono v?¡treo, podendo dispensar pinturas.

– custo elevado das resinas e agentes de cura;

– necessidade de uma areia de elevada qualidade;

– controle necess?írio da temperatura de areia;

– ambiente de trabalho necessita ser arejado e com exaust?úo;

– tempo de estocagem de machos moldes pela elevada higroscopicidade;

– sistema de gasagem caro;

– a baixa viscosidade de aglomerante pode ocasionar colagem de partes do macho ferramental. Compacta?º?úo muito favorece o aparecimento de trincas ou veiamentos.

Confec?º?úo do Ferramental

para baixas s?®ries:pl?ístico, cujo problema ?® ser atacado por agentes de limpeza e de desmoldagem, que diminuem a sua vida ??til, e resina ep??xi ou madeira;

para m?®dias s?®ries: ligas de alum?¡nio, ligas de cobre;

para grandes s?®ries: ferro fundido, a?ºo e alum?¡nio.

Pintura

melhorar acabamento superficial dos machos confeccionados e das pe?ºas fundidas;

preven?º?úo de defeitos de rea?º?úo entre liga vazada e a areia do macho ou sinteriza?º?úo;

para caixa fria ?® recomendado revestimento a base de ?ílcool ou ?ígua.

base de ?ígua: pode utilizar cargas refratarias de zirconita, grafita, s?¡lica, cromita, chamote ou alumina;

base de ?ílcool: pode utilizar cargas refratarias de magnezita, grafita, s?¡lica, cromita, zirconita, chamote ou alumina.

sua utiliza?º?úo ?® recomendada na possibilidade de:

defeitos provenientes da expans?úo da s?¡lica;

friabilidade do macho;

acabamento superficial ruim.

alguns cuidados para serem tomados durante a utiliza?º?úo de tintas:

escolher a carga refrat?íria compat?¡vel com partes do macho pintadas antes da secagem;

manter uma camada fina e uniforme de tinta;

tintas ?á base de ?ígua devem ser aplicadas respeitando-se um intervalo de dez minutos ap??s a confec?º?úo do macho;

tintas ?á base de ?ílcool devem esperar 30 min ap??s a confec?º?úo do macho para a aplica?º?úo;

controlar a densidade da tinta

a secagem pode ocorrer atrav?®s de chama, ma?ºarico ou estufa;

s?? ?® empregada quando n?úo h?í mais possibilidades de evitar defeitos, pois enfraquece superf?¡cie do macho ou molde.

Defeitos caracter?¡sticos do processo

Veiamento

– Causas poss?¡veis:

alta densidade de compacta?º?úo devido ?á fluidez da mistura;

dilata?º?úo da s?¡lica;

amolecimento da liga?º?úo uret?ónica.

– Solu?º?Áes:

uso de aditivos (oxido de ferro Fe3O4 em teores de at?® 6%) e tintas;

redu?º?úo do tempo e da temperatura de vazamento;

modifica?º?úo no sistema de canais;

uso de areia mais grossa.

Inclus?Áes de carbono v?¡treo

– Causas poss?¡veis:

teor elevado em aglomerantes e decomposi?º?úo dos mesmos;

tempo de vazamento longo e temperatura de vazamento baixa;

turbul?¬ncia do metal.

– Solu?º?Áes:

reduzir o teor total de aglomerantes;

elevar a temperatura e aumentar a velocidade de vazamento;

utilizar aditivos, ??xidos de ferro em teores de 1% a 3% e tintas;

modificar sistema de canais.

Escamas (chagas)

– Causas poss?¡veis:

redu?º?úo da resist?¬ncia superficial do molde ou macho;

exposi?º?úo de partes do molde a elevadas temperaturas (irradia?º?úo de calor);

macho ÔÇô molde danificado.

– Solu?º?Áes:

aumentar o teor de aglomerante;

reduzir o tempo e a temperatura de vazamento;

n?úo utilizar machos recuperados;

controlar tempo de mistura.

Pinholes (cavidades profundas na superf?¡cie da pe?ºa) +Fe ligas

H2O + 2 RÔÇôN=C=O => RÔÇôNHÔÇôC

– Causa poss?¡vel:

presen?ºa de ?ígua no sistema.

– Solu?º?Áes:

utilizar aditivos (Fe3O4 em teores de at?® 6%);

reduzir o teor em parte 2;

diminuir o teor de ?ígua no sistema.

Ader?¬ncia no ferramental

– Causas poss?¡veis:

falta de desmoldante;

elevado teor em aglomerante;

falhas de projeto;

superf?¡cie irregular do ferramental;

press?úo elevada do sopro.

– Solu?º?Áes:

utilizar desmoldante adequado;

reduzir o teor em aglomerante;

verificar a superf?¡cie do ferramental;

controlar a press?úo de gasagem.

15 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD