Cartilha: Dossie Mata Atlântica

59 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD
Cursos Online - Cursos 24 Horas
Cursos Online - Cursos 24 Horas
59 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD

dossi? MATA ATL´NTICA 2001 Projeto Monitoramento Participativo da Mata Atlântica

A Rede de ONGs da Mata Atlântica (RMA) é uma articulação nacional de organizações não governamentais criada em 1992, durante a Rio-92, que visa a conservação e recuperação da Mata Atlântica, através da mobilização social Congregando atualmente 195 entidades dos 17 estados brasileiros inseridos no Domínio da Mata Atlântica, a RMA promove de forma permanente o intercâmbio de informações e de experiências entre as ONGs; a divulgação de informações sobre a Mata Atlântica e das ações da Rede e de suas filiadas para o público em geral; o acompanhamento e interferência nas políticas públicas em nível federal, estadual e municipal, voltadas para a preservação e recuperação do Bioma; e o fortalecimento das ONGs filiadas e do seu coletivo através do estímulo de ações regionais e nacionais.

Coordenação Nacional (biênio 2000 -2002): Gambá – Grupo Ambientalista da Bahia (BA), Coordenador Geral e Secretário Executiva da Rede; Amda – Associação Minera para a Defesa do Ambiente (MG) – Vice-Coordenadora; Apremavi – Associação de Preservação do Meio Ambiente do Alto Vale do Itajaí (SC); SNE – Sociedade Nordestina de Ecologia (PE); Fundação SOS Mata Atlântica (SP); Ecoa e Conservation International (MS); Instituto Ambiental de Estudos e Assessoria (CE); Os Verdes (RJ) e Secretaria Executiva: Amda – Associação Mineira de Defesa do Ambiente Av. Álvares Cabral, 1600 – 11º andar – Santo Agostinho 30170-001 Salvador – BA – Brasil amda.bhz@zaz.com.br Escritório em Brasília: SCLN 210, bloco C, sala 215 70863-530 Brasília – DF – BR tel: 55 61 349-9162 redematlantica@tba.com.br

dossi? MATA ATL´NTICA 2001 © ISA Organizador: João Paulo R. Capobianco Coordenação de produção: Marussia Whately Texto da publicação: João Paulo R. Capobianco Cartografia: Alícia Rolla, Cícero Cardoso Augusto, Edna Amorim dos Santos, Fernando Frizeira Paternost, Mônica T. Shimabukuro, Rosimeire Rurico Sacó, Viviane Mazin Fotos: João Paulo R. Capobianco Design/editoração eletrônica da publicação: Vera Feitosa Textos CD: João Paulo R. Capobianco, Marussia Whately, André Lima, Fany Pantaleoni Ricardo e Maurício Mercadante Design/editoração eletrônica do CD/ROM: Ana Beatriz Miranda e Murilo de Andrade Lima Lisboa Fotolito e Impressão: Ipsis Gráfica e Editora Tiragem desta edição: 2.500 exemplares ISBN 85-85994-11-8 O Instituto Socioambiental (ISA) é uma associação civil, sem fins lucrativos, fundada em 1994 para propor soluções, de maneira O ISA tem como objetivo defender bens e direitos sociais, coletivos e difusos, relativos ao meio ambiente, ao patrimônio cultural, aos direitos humanos e dos povos. Produz estudos, pesquisas, projetos e programas que promovam a sustentabilidade socioambiental, Para saber mais sobre o ISA, consulte www.socioambiental.org Conselho Diretor: Neide Esterci (presidente), Enrique Svirsky (vice-presidente), Juliana Santilli, Leão Serva, Márcio Santilli Secretários Executivos: Nilto Tatto (geral), Sérgio Mauro Santos Filho Coordenadores: Adriana Ramos, Alicia Rolla, Ana Valéria Araújo, André Villas Bôas, Angela Maria Ribeiro Galvão, Carlos Alberto Ricardo, Carlos Macedo, Fany Ricardo, João Paulo R. Capobianco, Maria Inês Zanchetta, Marina Kahn, Nurit Rachel Bensusan, Rodolfo Marinceck Neto, Rubens Mendonça Av. Higienópolis, 901 01238-001 São Paulo – SP – Brasil tel: 55 11 3825-5544 / fax: 55 11 3825-7861 isa@socioambiental.org Brasília SCLN 210, bloco C, sala 112 70862-530 Brasília – DF – Brasil tel: 55 61 349-5114 / fax: 55 61 274-7608 isadf@tba.com.br Rio Negro Rua Projetada, 70 – Centro Caixa Postal 21 96750-000 São Gabriel da Cachoeira – AM – Brasil tel/fax: 55 92 471-1156

Realização: Rede de ONGs da Mata Atlântica Instituto Socioambiental Sociedade Nordestina de Ecologia Apoio: NAPMA – Núcleo Assessor de Planejamento da Mata Atlântica Ministério do Meio Ambiente/Governo Federal PNF – Programa Nacional de Florestas SBF – Secretaria de Biodiversidade e Florestas Comissão Européia ICCO – Organização Intereclesiástica para a Cooperação ao Desenvolvimento (Holanda)

INTRODUÇÃO ………………………………………………………………………………………………………….9

I – Conceito, abrangência e área original…………………………………………………………11

II – Síntese da Legislação de Proteção……………………………………………………………..14

III – A degradação…………………………………………………………………………………………………..18

IV – A importância da sua conservação e recuperação ………………………………..23

V – Referências bibliográficas…………………………………………………………………………….27

UCs no Domínio da Mata Atlântica ………………………………………………………………….31

UCs no Estado de Alagoas………………………………………………………………………………32

UCs no Estado da Bahia………………………………………………………………………………….33

UCs no Estado do Ceará………………………………………………………………………………….35

UCs no Estado do Espírito Santo ……………………………………………………………………36

UCs no Estado de Minas Gerais ………………………………………………………………………37

UCs no Estado do Mato Grosso do Sul…………………………………………………………….39

UCs no Estado da Paraíba……………………………………………………………………………….40

UCs no Estado de Pernambuco……………………………………………………………………….42

UCs no Estado de Piauí…………………………………………………………………………………..43

UCs no Estado do Paraná……………………………………………………… ……………………….44

UCs no Estado do Rio de Janeiro…………………………………………………………………….46

UCs no Estado do Rio Grande do Norte……………………………………………………………48

UCs no Estado do Rio Grande do Sul………………………………………………………………49

UCs no Estado de Santa Catarina……………………………………………………………………50

UCs no Estado de Sergipe……………………………………………………………………………….51

UCs no Estado do São Paulo…………………………………………………………………………..52

UCs Interestaduais………………………………………………………………………………………….55

TIs no Domínio da Mata Atlântica…………………………………………………………………..56

TIs no Estado de Alagoas………………………………………………………………………………..57

TIs no Estado da Bahia ……………………………………………………………………………………58

TIs no Estado do Espírito Santo ……………………………………………………………………..59

TIs no Estado de Minas Gerais………………………………………………………………………..60

TIs no Estado do Mato Grosso do Sul……………………………………………………………..61

TIs no Estado da Paraíba…………………………………………………………………………………63

TIs no Estado do Paraná………………………………………………………………………………….64

TIs no Estado do Rio de Janeiro………………………………………………………………………65

TIs no Estado do Rio Grande do Sul………………………………………………………………..66

TIs no Estado de Santa Catarina………………………………………………………………………67

TIs no Estado do São Paulo…………………………………………………………………………….68

Municípios no Domínio da Mata Atlântica ………………………………………………………..69

Municípios no Estado de Alagoas………………………………………………………………….. 70

Municípios no Estado da Bahia………………………………………………………………………..72

Municípios no Estado do Ceará……………………………………………………………………… 80

Municípios no Estado do Espírito Santo ………………………………………………………….82

Municípios no Estado de Goiás……………………………………………………………………….84

Municípios no Estado de Minas Gerais…………………………………………………………….85

Municípios no Estado do Mato Grosso do Sul………………………………………………..101

Municípios no Estado da Paraíba…………………………………………………………………..103

Municípios no Estado de Pernambuco……………………………………………………………105

Municípios no Estado do Piauí……………………………………………………………………….108

Municípios no Estado do Paraná………………………………………………………………….. 109

Municípios no Estado do Rio de Janeiro………………………………………………………..119

Municípios no Estado do Rio Grande do Norte……………………………………………….122

Municípios no Estado do Rio Grande do Sul…………………………………………………..123

Municípios no Estado de Santa Catarina ……………………………………………………… .134

Municípios no Estado de Sergipe………………………………………………………………….. 141

Municípios no Estado do São Paulo……………………………………………………………….143

LEGISLAÇÃO EM VIGOR…………………………………………………………………….159

I – Quadro resumo da legislação………………………………………………………….160

Decreto Federal nº 750/93 ………………………………………………………………………………………….. 162

Resolução Conama nº 10/93 ……………………………………………………………………………………….165

Resolução Conama nº 12/94 ……………………………………………………………………………………….169

Resolução Conama nº 3/96………………………………………………………………………………………..172

Resolução Conama nº 9/96………………………………………………………………………………………….173

Resolução Conama nº 249/99……………………………………………………………………………………..174

Medida Provisória nº 2.080 -59/01………………………………………………………………………………… 175

Resolução Conama nº 28/94 ……………………………………………………………………………………….181

Resolução Conama nº 5/94…………………………………………………………………………………………184

Resolução Conama nº 240/98………………………………………………………………………………………187

Resolução Conama nº 248/99……………………………………………………………………………………..188

Resolução Conama nº 25/94 ………………………………………………………………………………………..191

Resolução Conama nº 29/94 ……………………………………………………………………………………….193

Resolução Conama nº 30/94 ……………………………………………………………………………………….196

Resolução Conama nº 2/94………………………………………………………………………………………..199

Resolução Conama nº 31/94 ………………………………………………………………………………………..201

Res olução Conama nº 26/94……………………………………………………………………………………….203

Resolução Conama nº 6/94………………………………………………………………………………………..205

Resolução Conama nº 32/94 ………………………………………………………………………………………..208

Resolução Conama nº 33/94 …………………………………… …………………………………………………..211

Resolução Conama nº 4/94…………………………………………………………………………………………213

Resolução Conama nº 261/99………………………………………………………………………………………216

Resolução Conama nº 1/94………………………………………………………………………………………….228

Resolução Conjunta SMA/SP – Ibama nº 002/94……………………………………………………………231

Resolução Conama nº 7/96………………………………………………………………………………………….235

Resolução Conjunta SMA/SP-Ibama nº 5/96…………………………………………………………………247

Deliberação Consema/SP nº 18/97 ………………………………………………………………………………249

Resolução Conama nº 34/94 ………………………………………………………………………………………..255

Projeto de Lei nº 3.285, de 1992 (Dep. Fabio Feldmann) …………………………..257

Substitutivo do Dep. Paulo Bornhausen, aprovado na Comissão de Minas e Energia, em outubro de 1997.

Projeto de Lei nº 285, de 1999 (Dep. Jacques Wagner) …………………………..263

Substitutivo do Dep. Luciano Pizzatto, aprovado na Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias, em novembro de 1999.

Título I – das definições, objetivos e princípios do regime jurídico dos ecossistemas atlânticos Capítulo I – das definições Capítulo II – dos objetivos e princípios do regime jurídico dos ecossistemas atlânticos Título II – do regime jurídico geral dos ecossistemas atlânticos Título III – do regime jurídico especial dos ecossistemas atlânticos Capítulo I – da proteção da vegetação primária Capítulo II – da proteção da vegetação secundária em estágio avançado de regeneração Capítulo III – da proteção da vegetação secundária em estágio médio de regeneração Capítulo IV – da proteção da vegetação secundária em estágio inicial de regeneração Capítulo V – da exploração seletiva de vegetação secundária em estágios avançado e médio de regeneração Capítulo VI – da proteção dos ecossistemas atlânticos nas áreas urbanas e regiões metropolitanas Título IV – dos incentivos econômicos Capítulo I – do fundo de restauração dos ecossistemas atlânticos Capítulo II – da servidão ambiental Capítulo III – dos incentivos tributários Seção I – da não incidência de imposto sobre a propriedade territorial rural Seção II – da dedução de imposto sobre a renda de doador ambiental Capítulo IV – dos incentivos creditícios Capítulo V – do selo ambiental para produtos ou serviços procedentes dos ecossistemas atlânticos Capítulo VI – das fazendas florestais

ATLÂNTICA NO CONGRESSO NACIONAL …………………………………………………….276

1992 Agosto Setembro 1993 Janeiro Fevereiro 1995 Fevereiro Março Junho Agosto Setembro 1997 Outubro Novembro Dezembro 1998 Junho 1999 Fevereiro Abril Junho Agosto Dezembro 2000 Abril Maio 2001 Janeiro

Sumário………………………………………………………………………………………………………………..282

Apresentação……………………………………………………………………………………………………….283

I – Introdução ……………………………………………………………………………………………………….286

II – Contexto…………………………………………………………………………………………………………..287

III – Marco Referencial ………………………………………………………………………………………..288

IV – Conceitos ………………………………………………………………………………………………………289

V – Evolução dos Instrumentos Legais ………………………………………………………….291

VI – Princípios ………………………………………………………………………………………………………293

VII – Objetivo ………………………………………………………………………………………………………..294

VI II – Estratégia…………………………………………………………………………………………………… 295

IX – Diretrizes e Linhas Programáticas…………………………………………………………..296

X – Instrumentos de Implementação ………………………………………………………………301

XI – Referências Bibliográficas ………………………………………………………………………..305

SUBPROGRAMA MATA ATLÂNTICA – PPG7…………………………………………………306

I – Apresentação…………………………………………………………………………………………………..309

II – Introdução……………………………………………………………………………………………………….310

Área Geográfica de Abrangência do Subprograma. ………………………………………………….310

Programa Avança Brasil………………………………………………………………………………………………310

PNMA II – Programa Nacional do Meio Ambiente II …………………………………………………………311

PNF – Programa Nacional de Florestas – DIFLOR/MMA…………………………………………………311

PPG7 – Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil………………………312

FNMA – Fundo Nacional do Meio Ambiente……………………………………………………………………312

Programa de Conservação da Biodiversidade – Probio……………………………………………………312

FUNBIO – Fundo Brasileiro para a Biodiversidade ………………………………………………………….313

Governo Federal ……………………………………………………………………………………………………..315

III – Subprograma Mata Atlântica ……………………………………………………………………..316

Antecedentes e o Processo de preparação do Subprograma Mata Atlântica………………316

Diretrizes Gerais ……………………………………………………………………………………………………….317

Objetivos …………………………………………………………………………………………………………………317

Áreas e Linhas Programáticas…………………………………………………………………………………..318

Resultados esperados ………………………………………………………………………………………………319

Vantagens comparativas…………………………………………………………………………………………..319

As Especificidades Institucionais e Conjunturais do Bioma……………………………………….320

VI – Descrição do Subprograma Mata Atlântica…………………………………………….320

Estratégia de Implantação do Subprograma………………………………………………………………320

Figura 1 – Organização estrutural do Subprograma Mata Atlântica – PPG7……………..322

Figura 2 – Fluxograma de projetos do Subprograma Mata Atlântica ………………………323

Relevância ambiental………………………………………………………………………………………325

Grau de Inter-institucionalidade…………………………………………………………………………325

Contrapartida…………………………………………………………………………………………………325

Pré-condições…………………………………………………………………………………………………326

Modalidades de Apoio………………………………………………………………………………………………326

Demanda Induzida…………………………………………………………………………………………..327

Exemplos de linhas temáticas para Demanda Espontânea…………………………………..327

Anexos ANEXO 1 – Legislação de Proteção da Mata Atlântica (Ver Capítulo I – A MATA ATLÂNTICA, Item II – Síntese da Legislação de Proteção,) ANEXO 2 – Mapas de Áreas Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica. (Ver Capítulo III, item Áreas e Ações Prioritárias para Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica) ANEXO 3 – Ações e Áreas Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica. (Ver Capítulo III, item Áreas e Ações Prioritárias para Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica) ATLAS DA EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO PERÍODO 1990-1995

I – Apresentação………………………………………………………………………………………………….331

II – Introdução ………………………………………………………………………………………………………331

III – Metodologia…………………………………………………………………………………………………..333

Base cartográfica………………………………………………………………………………………………………..333

Legenda adotada………………………………………………………………………………………………………..336

Produtos de sensoriamento remoto utilizados…………………………………………. …………………… 338

Interpretação visual das imagens………………………………………………………………………………….339

Digitalização dos “overlays”………………………………………………………………………………………….341

Exatidão de classificação……………………………………………………………………………………………. 342

Confecção dos mapas temáticos…………………………………………………………………………………. 342

Parecer técnico e avaliação ……………………………………………………………………………………………….343

IV – Resultados por estado………………………………………………………………………………..344

Espírito Santo…………………………………………………………………………………………………………….345

Goiás………………………………………………… ……………………………………………………………………..348

Mato Grosso do Sul…………………………………………………………………………………………………….349

Minas Gerais………………….. …………………………………………………………………………………………351

Paraná………………………………………………………………………………………………………………………353

Rio d e Janeiro……………………………………………………………………………………………………………356

Rio Grande do Sul………………………………………………………………………………………………………358

Santa Catarina……………………………………………………………………………………………………………361

São Paulo………………………………………………………………………………………………………………….364

V – Quadro resumo………………………………………………………………………………………………367

VI – Incrementos por carta 1:250.000……………………………………………………………….368

Resumo………………………………………………………………………………………………………………….371

Mapa de Áreas prioritárias para a Conservação da Mata Atlântica………….373

Atlântica………………………………………………………………………………………………………………..374

INTRODUÇÃO A Mata Atlântica, um dos mais ricos conjuntos de ecossistemas em termos de diversidade biológica do Planeta é diretamente responsável pela qualidade de vida de milhares de brasileiros. Nas cidades, áreas rurais, comunidades caiçaras e indígenas, ela regula o fluxo dos mananciais hídricos, assegura a fertilidade do solo, controla o clima e protege escarpas e encostas das serras, além de preservar um patrimônio histórico e cultural imenso.

Embora recente, a luta pela conservação da Mata Atlântica cresceu de forma exponencial nos últimos quinze anos. Hoje, milhares de organizações não governamentais, órgãos públicos e grupos de cidadãos espalhados pelo País, desenvolvem ações de conservação, recuperação e uso sustentável do Bioma. Este trabalho tem levado ao aumento da consciência por parte da sociedade sobre a urgência de se reverter seu processo de degradação, iniciado há quinhentos anos e que, embora em declínio, persiste até a atualidade.

A mobilização da população em defesa da Mata Atlântica já começa a mostrar resultados concretos. Em muitos estados o ritmo de desmatamento vem caindo significativamente ano após ano. Ao mesmo tempo, áreas significativas de florestas começam a reocupar locais antes degradados, demonstr ando a viabilidade da regeneração natural.

Mas os desafios são ainda muito grandes. O processo de fragmentação da Mata Atlântica atingiu níveis críticos em muitas regiões do País. Por outro lado, a extração predatória de madeira, plantas ornamentais e outros produtos florestais e a caça, constituem, ainda, ameaças permanentes.

Se até recentemente a luta pela Mata Atlântica se baseava quase que exclusivamente na denúncia e na sensibilização da opinião pública, agora ela começa a exigir maior capacidade de organização, planejamento e avaliação de resultados.

Com o objetivo de aprimorar a ação de proteção do Bioma, a Rede de ONGs da Mata Atlântica elaborou o projeto “Monitoramento Participativo da Mata Atlântica”. Trata-se de um conjunto de atividades de produção, organização e disseminação de informações de qualidade e de capacitação de organizações não governamentais para o desenvolvimento de ações integradas.

A presente publicação é parte deste projeto. Desenvolvida pelo Instituto Socioambiental, por s olicitação da Rede de ONGs da Mata Atlântica, contém os seguintes materiais: Mapa-pôster, com a área de abrangência do Domínio da Mata Atlântica, conforme definido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama, em 1992; os remanescentes florestais no ano de 1990; e tabelas com informações sobre os municípios, unidades de conservação, terras indígenas grupos de vegetação e remanescentes florestais. Constam, ainda, do mapa-pôster, fotografias ilustrativas das principais fitofisionomias que compõem o Domínio da Mata Atlântica.

CD-ROM com o maior conjunto de informações qualificadas já reunidas e disponibilizadas sobre a Mata Atlântica: · Textos com definições gerais, referências bibliográficas e a legislação completa · Listagens completas de municípios, unidades de conservação e terras indígenas na · Íntegra do Atlas da Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados da Mata Atlântica no Período 1990-95, elaborado pela SOS Mata Atlântica, · Mapa síntese e listagem completa das áreas prioritárias para a biodiversidade da Mapa Atlântica (Workshop Mata Atlântica e Campos Sulinos, Pronabio/MMA);

· Base de dados digital completa contendo: limites municipais; sedes municipais; rios; estradas; Remanescentes Florestais 1985-1990; Remanescentes 1990-1995; Remanescentes do Nordeste; Fitofisionomias vegetais; Domínio da Mata Atlântica; Unidades de Conservação; Terras Indígenas; Áreas Prioritárias para Conservação da Biodiversidade; Reserva da Biosfera da Mata Atlântica; Corredores Ecológicos · Programa ArcExplorer com manual de uso para manuseio da base de dados digital, permitindo elaboração e i mpressão de mapas adaptados ao interesse dos usuários.

Esperamos que estes materiais cumpram com seu objetivo de levar a todas as organizações e cidadãos comprometidos com a conservação da Mata Atlântica, informações qualificadas que sirvam de subsídio ao aprimoramento de suas atividades.

Capítulo I – A Mata Atlântica A MATA ATLÂNTICA* Quando os europeus iniciaram a colonização do território que posteriormente daria origem ao Brasil, encontraram duas grandes florestas, constituídas por verdadeiros mosaicos de diferentes fisionomias vegetais.

A maior dessas florestas, que ainda permanece muito preservada, se estendia pela bacia hidrográfica do Rio Amazonas, ocupando toda a região norte do Brasil e significativas porções dos países vizinhos. A esse complexo e diversificado conjunto de formações vegetais contínuas se convencionou chamar de Floresta Amazônica.

A outra, menor, porém de grandes dimensões, ocorria ao longo da costa, do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul e se estendia por centenas de quilômetros, continente adentro, nas regiões Sul e Sudeste, chegando a Argentina e Paraguai.

Apesar de diversificada e originalmente contínua como a Floresta Amazônica, até recentemente havia diferentes denominações para essa floresta, baseadas em considerações fitofisionômicas e florísticas definidas por diferentes pesquisadores, que agrupavam suas formações vegetais de acordo com critérios próprios. Para alguns autores, a Mata Atlântica se restringiria a floresta densa que ocorre ao longo do litoral brasileiro. Entretanto, estudiosos como AB’SABER (1977), RIZZINI (1979), EITEN (1983), entre outros, desenvolveram trabalhos onde apresentavam um conceito mais amplo da formação original da Mata Atlântica, embora com áreas de abrangência e terminologias diferentes.

Se até recentemente a conceituação científica da Mata Atlântica era exclusivamente um assunto de interesse acadêmico, a partir da promulgação da Constituição Federal de 1988, ela se tornou uma questão legal. Isto porque, ao conferir à Mata Atlântica o status de “patrimônio nacional”, a definição de sua área de abrangência passou a ser um imperativo para a regulamentação de seu uso e conservação, nos termos restritivos definidos pelos deputa dos constituintes.

A primeira iniciativa para buscar uma definição científica consensual para a Mata Atlântica ocorreu em 1990, quando a Fundação SOS Mata Atlântica reuniu os mais importantes pesquisadores especializados neste complexo vegetacional durante um seminário de quatro dias ocorrido na cidade de Atibaia, São Paulo. Baseados em critérios botânicos e fitofisionômicos, cruzados com considerações de natureza geológica e geográfica e, considerando ainda, as questões relativas a conservação ambiental, chegou-se a uma definição ampla que englobava a floresta litorânea, as matas de araucária, as florestas deciduais e semideciduais interioranas e ecossistemas associados como restingas, manguezais, florestas costeiras, campos de altitude e encraves de campos, brejos de altitude e cerrados.

Esta definição foi posteriormente aprimorada e submetida ao Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama, que a aprovou em 1992, estabelecendo o conceito de Domínio da Mata Atlântica. Desta forma, passou a ter a denominação genérica de Mata Atlântica as áreas primitivamente ocupadas pelas seguintes formações vegetais constantes do Mapa de Vegetação do Brasil (IBGE, 1993) que, a exceção dos encraves no Nordeste, formavam originalmente uma cobertura florestal praticamente contínua nas regiões sul, sudeste e parcialmente nordeste e centro-oeste: Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Estacional Decidual, manguezais, restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste.

Segundo este conceito, que foi posteriormente incorporado à legislação ambiental brasileira com a edição do Decreto Federal no 750, de fevereiro de 1993, a Mata Atlântica se espalhava

* João Paulo Capobianco, biólogo, coordenador do Instituto Socioambiental

Capítulo I – A Mata Atlântica por área de apr oximadamente 1.306 mil quilômetros quadrados, equivalente a cerca de 15% do território brasileiro. Sua região de ocorrência original abrangia integralmente ou parcialmente atuais 17 Estados da Federação: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo (tabela 1).

Tabela 1 – Área original da Mata Atlântica segundo definição do Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama UF Área UF Área Original (DMA) km km2 % Alagoas 27.933 14.529 52,01 Bahia Ceará 567.295 146.348 177.924 4.878 31,36 3,33 Espírito Santo 46.184 46.184 100,00 Goiás 341.290 10.687 3,13 Mato Grosso do Sul 358.159 51.536 14,39 Minas Gerais 588.384 281.311 47,81 Paraíba 56.585 6.743 11,92 Pernambuco 98.938 17.811 18,00 Piauí 252.379 22.907 9,08 Paraná 199.709 193.011 96,65 Rio de Janeiro 43.910 43.291 98,59 Rio Grande do Norte 53.307 3.298 6,19 Rio Grande do Sul 282.062 132.070 46,82 Santa Catarina 95.443 95.265 99,81 Sergipe 22.050 7.155 32,45 São Paulo 248.809 197.823 79,51 Total 3.428.783 1.306.421 38,10 2 (1) (2) (3)

(1) IBGE, 1999 (2) Instituto Socioambiental – ISA, 1999 (3) Sobre a área da UF DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992) É importante destacar que, para alguns autores, estes números estariam subestimados para a região do Nordeste, devido ao fato da região já se encontrar intensamente degradada quando foram realizados os levantamentos do Projeto RADAM, que subsidiaram o Mapa de Vegetação do Brasil elaborado pelo IBGE. Para GONZADA DE CAMPOS (1912), mais de 35% da região Nordeste era originalmente ocupada por formações florestais. No mesmo sentido, COIMBRA e CÂMARA (1996), em recente trabalho intitulado “Os limites Originais da Mata Atlântica na Região Nordeste do Brasil”, trazem inúmeras evidências baseadas em ampla pesquisa bibliográfica, consultas e visitas de campo que sustentam a tese da existência de florestas em regiões hoje classificadas como semi-árido. Caso adotássemos os números de Gonzaga de Campos, teríamos uma área original de Mata Atlântica no País de 1.480.400, ou 17 % do território brasileiro.

Capítulo I – A Mata Atlântica Mapa 1 – Domínio da Mata Atlântica

Capítulo I – A Mata Atlântica Síntese da Legislação de Proteção

Apesar de ter sido o primeiro conjunto de ecossistemas brasileiro a sofrer o impacto da exploração irracional de seus recursos naturais, até muito recentemente a legislação de proteção à Ma ta Atlântica praticamente se restringia ao estabelecido no Código Florestal, que embora avançado para sua época, não oferece mecanismos suficientes para uma efetiva proteção da biodiversidade existente nas florestas.

Lei Federal no 4.771/65 (Código Florestal) O Código Florestal, instituído pela Lei Federal nº 4.771/65, limitou o exercício do direito da propriedade referente às formações vegetais nativas existentes em todo o território nacional. Qualificou as florestas como bens de interesse comum a todos os habitantes do país, subordinando a exploração de tais recursos naturais ao interesse da população. Na época de sua edição, este conceito limitava-se à proteção do solo, das encostas, dos cursos d’água e da manutenção de um estoque de madeira, sem haver preocupação direta com a conservação da biodiversidade, nos moldes hoje existentes.

A Constituição Federal de 1988 Somente no final da década de 80, após quase cinco séculos de destruição, que a Mata Atlântica recebeu o reconhecimento de sua importância ambiental e social na legislação brasileira, através do § 4º, do Artigo 225 da Constituição Federal, onde se lê: “A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais”.

Posteriormente, seguindo a orientação da Constituição Federal, diversos Estados reforçaram este dispos itivo constitucional, inserindo em suas Constituições, dispositivos transformando seus remanescentes de Mata Atlântica em áreas especialmente protegidas, sendo que alguns Municípios criaram dispositivos específicos em suas Leis Orgânicas.

O Decreto Federal nº 99.547/90 A primeira iniciativa do Governo Federal no sentido de regulamentar a Constituição Federal, definindo instrumentos legais específicos para a Mata Atlântica foi a edição do Decreto nº 99.547 que dispunha sobre “a vedação do corte, e da respectiva exploração, da vegetação nativa da Mata Atlântica, e dá outras providências” , assinado no dia 25 de setembro de 1990 por Itamar Franco, que ocupava interinamente a Presidência da República.

Concebido pelo então Secretário Nacional do Meio Ambiente, José Lutzenberger, o texto estabeleceu, pela primeira vez na legislação brasileira, a intocabilidade absoluta de um conjunto de ecossistemas, através da proibição total do corte e da utilização da vegetação.

Apesar de bem intencionado, o Decreto, que era de questionável constitucionalidade, uma vez que o § 4º, do art. 225 da CF/88 permite expressamente a utilização da Mata Atlântica, foi elaborado sem nenhuma participação dos governos dos Estados que possuem Mata Atlântica e das entidades não governamentais. Este processo fechado implicou na definição de um texto com graves lacunas e sem respaldo dos órgãos responsáveis pela sua aplicação, o que praticamente inviabilizou sua efetiva contribuição para a preservação ambiental.

Capítulo I – A Mata Atlântica As diretrizes para conservação da Mata Atlântica aprovado pelo Conama A partir de 1991, o Conselho Nacional do Meio Ambiente, órgão superior e normativo do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA), passou a receber propostas de textos alternativos ao Decreto 99.547/90.

Em abril de 1992, após meses de negociações, o Conama aprovou uma minuta de decreto para ser encaminhada à Presidência da República como alternativa ao Decreto 99.547. A nova proposta trazia inúmeras inovações entre as quais se destacam a delimitação precisa da área de abrangência da Mata Atlântica e a proteção dos estágios sucessionais de regeneração das formações vegetais do Bioma.

Desta forma, passaram a ter a denominação genérica de Mata Atlântica as áreas primitivamente ocupadas pelas seguintes formações vegeta is constantes do Mapa de Vegetação do Brasil (IBGE, 1993) que, a exceção dos encraves no Nordeste, formavam originalmente uma cobertura florestal praticamente contínua nas regiões sul, sudeste e parcialmente nordeste e centro-oeste: Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Estacional Decidual. Incluiu, ainda, no âmbito da proteção legal, manguezais, restingas, campos de altitude e brejos interioranos do Nordeste, como ecossistemas associados.

Com relação aos estágios sucessionais da Mata Atlântica, o Conama estendeu a proteção para além das formações vegetais em estágio primário, incluindo também as áreas degradadas onde está em curso a regeneração natural. Desta forma, defini u a proteção da vegetação secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração. Este conceito é um enorme avanço em termos de conservação ambiental para o Bioma, que já assistiu a destruição de mais de 90% de sua área original.

As diretrizes aprovadas pelo Conama, consideradas um marco na luta pela conservação da Mata Atlântica, foram integralmente incorporadas ao Projeto de Lei 3.285, apresentado ao Congresso Nacional pelo Deputado Federal Fábio Feldmann, em outubro de 92. Também constituíram a base para o Decreto Federal no 750, assinado pelo Presidente Itamar Franco, em 10 de fevereiro de 1993.

O Decreto 750/93 Resultado de um amplo processo de discussão nacional, que contou, inclusive, com várias audiências públicas, o Decreto 750 tem como premissa básica o conceito de que a melhor forma de proteger o meio ambiente não é dizer o que não se pode fazer, mas sim, definir o que pode ser feito, orientando as ações e criando instrumentos de controle eficazes, que contem com a participação efetiva da sociedade, a maior interessada na conservação.

Neste sentido, o Decreto 750 reconhece o óbvio: na área do Domínio da Mata Atlântica vivem mais de sessenta por cento da população brasileira e seus remanescentes florestais não estão em regiões inexpugnáveis, mas sim nos estados mais desenvolvidos do país, próximos às grandes cidades brasileiras, onde a complexidade das situações é enorme. Exatamente por isso, estabelece mecanismos para enfrentar os conflitos entre conservação e desenvolvimento, encarando-os de frente e não os ignorando, como fazia o Decreto 99.547/90.

O Decreto 750/93 estende a proteção a todas as formações florestais tropicais e subtropicais das regiões Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste e Sul e seus ecossistemas associados como manguezais, restingas e campos de altitude. Protege, ainda, os brejos interioranos e os preciosos encraves florestais do Nordeste. Esta medida abre perspectivas para a real proteção da biodiversidade da Mata Atlântica, dando o mesmo status de áreas especialmente protegidas para todos os seus remanescentes, litorâneos e de interior.

A conservação da biodiversidade da Mata Atlântica, derivada da diversificação ambiental que a caracteriza, depende fundamentalmente da adoção de medidas que protejam suas diferentes fisionomias vegetais. Nesse sentido, não se pode admitir a compartimentação artificial de seus ambientes e a adoção de graus diferenciados de restrições à degradação.

Capítulo I – A Mata Atlântica A definição aprovada pelo Conama e adotada pelo Decreto Federal nº 750/93, reflete, com acerto, a preocupação do legislador constituinte que, ao estender o conceito de Patrimônio Nacional à Mata Atlântica, à Zona Costeira e à Serra do Mar, procurou resguardar toda biodiversidade existente no Domínio da Mata Atlântica, incluído aí as florestas interioranas, além da Floresta Ombrófila Densa, que cobre a região costeira.

Quanto è exploração de recursos naturais da Mata Atlântica, o Decreto 750/93 estabelece diretrizes objetivas para uma maior fiscalização, possibilitando o controle do diâmetro e da idade do material explorado, das condições de trabalho dos empregados envolvidos, da higiene com que a exploração de produtos comestíveis (como o palmito) é realizada e, principalmente, da procedência do material, hoje retirado ilegalmente de unidades de conservação.

Quanto à questão urbana, o novo texto normatiza de forma rígida e objetiva os casos em que poderá haver supressão de vegetação de Mata Atlântica secundária (não permite para vegetação primária). Ademais, propicia uma compatibilização das normas de proteção da vegetação com os planos diretores e demais leis de uso e ocupação do solo ou de proteção ambiental municipais.

Para os casos de obras de utilidade pública ou interesse social, onde se fará necessário o desmatamento de áreas de Mata Atlântica, o Decreto 750/93 estabelece várias concidionalidades: (i) exige decisão motivada do órgão estadual competente responsável pelo licenciamento ambiental do empreendimento; (ii) a aprovação pelo órgão estadual deverá ser precedida de anuência prévia do Ibama e informação ao Conama; (iii) é exigido, em todos os casos, estudos de impacto ambiental.

Há inúmeros outros dispositivos inovadores no Decreto 750/93 que mereceriam destaque. O objetivo aqui, no entanto, é o de apenas apontar alguns aspectos deste instrumento legal de grande influência sobre a região de interesse do presente trabalho. É preciso salientar, entretanto, que o Decreto 750/93 surgiu de um processo participativo o que lhe confere um alto potencial para a efetiva conservação da Mata Atlântica, o conjunto de ecossistemas mais ameaçado do país. Seus efeitos, entretanto, dependerão da atuação das entidades ecológicas seja exigindo pressa e qualidade na sua regulamentação, cobrando os compromissos assumidos pelo Ibama e órgãos estaduais, seja contestando a utilidade pública de muitas obras e a confiabilidade dos projetos de explotação de espécies da flora.

Desde sua edição, o Decreto 750 foi regulamentado através de 17 resoluções Conama e inúmeras portarias conjuntas do Ibama com órgãos ambientais estaduais, estabelecendo critérios e parâmetros precisos para sua aplicação em quase todos os estados inseridos na Mata Atlântica.

Diretrizes para a política de conservação e desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica O documento “Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica”, também chamado de Política da Mata Atlântica, aprovado pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente em dezembro de 1998, resultou de um amplo processo de discussão entre todos os setores da sociedade interessados na conservação e uso sustentável do Bioma.

Sua elaboração demandou mais de um ano de debates, com várias reuniões em diversas localidades do País, divulgação de versões preliminares através da internet e discussão final em sessão Plenária do Conama.

Princípios: 1. Utilização da Mata Atlântica em condições que assegurem a preservação do meio 2. Proteção da diversidade biológica com base na conservação e no manejo sustentável;

Capítulo I – A Mata Atlântica 3. Recuperação das áreas degradadas e recomposição das formações florestais; 4. Valorização das iniciativas que promovam o desenvolvimento social em bases 5. Ação governamental integrada de modo a promover a gestão descentralizada e 6. Definição e fortalecimento de instrumentos para a conservação e desenvolvimento sustentável dos recursos naturais Diretrizes: 1. Proteção da diversidade biológica associada aos ecossistemas da Mata Atlântica 2. Desenvolvimento sustentável dos recursos naturais da Mata Atlântica 3. Recuperação de áreas degradadas na Mata Atlântica – RAD 4. Compatibilização das políticas setoriais com vistas à conservação e ao desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica Objetivo Geral: Delinear ações integradas que promovam a conservação e o desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica Objetivos Específicos: 1. Proteger todos os remanescentes e a diversidade biológica através da ampliação do sistema de UCs; integração dos instrumentos de gestão; criação de novas UCs públicas e privadas; reforço das UCs já existentes; promoção da regularização fundiária e de novas 2. Adequar o uso dos recursos naturais ao objetivo de obter a conservação dos remanescentes. O conjunto de instrumentos de implementação deve considerar a necessidade de recuperar o papel da floresta para as populações tradicionais, reformular o conceito de uso da terra, estabelecer o manejo sustentável e proteger a fauna e 3. Recuperar a estrutura fitogeográfica, contribuindo para a proteção da diversidade biológica, conservação dos solos e garantia da integridade dos ecossistemas naturais 4. Compatibilizar as políticas ambientais e as políticas setoriais para assegurar a conservação dos recursos naturais e seu uso em bases ecologicamente sustentáveis

Capítulo I – A Mata Atlântica A degradação O início da destruição da Mata Atlântica data da chegada dos portugueses em 1500. Embora ocupada por grupos indígenas tupis relativamente numerosos, como os Tupinambás, que já praticavam a agricultura, os relatos dos viajantes e estudiosos do século XVI não registram qualquer sinal de destruição da cobertura florestal. Ao contrário, segundo HOLAN DA (1995), as descrições são de uma floresta intocada, de enorme riqueza natural e que levaram muitos dos que aqui chegaram no início da colonização a “acreditarem seriamente estar nas Américas o paraíso terrestre”.

A relação do colonizador com a floresta e seus recursos foi, desde sua origem, predatória. A falta de percepção da importância dos benefícios ambientais proporcionados pela cobertura florestal nativa e a valorização exclusiva da madeira em detrimento de produtos não madeireiros, levou à supressão de enormes áreas para expansão de lavouras e assentamentos urbanos e a adoção de práticas de exploração seletiva e exaustiva de espécies.

Antes mesmo da exploração do ouro e das pedras preciosas, que tanto aguçavam o interesse dos colonizadores, a existência de grandes quantidades de pau-brasil nas costas do “novo mundo”, conforme relatou Américo Vespúcio, integrante da expedição comandada por Gaspar Lemos em 1501, foi a primeira boa notícia para os portugueses, ansiosos por conhecer em detalhes as fantásticas riquezas que poderiam explorar.

Imediatamente colocada sob o monopólio da Coroa, a exploração do “ibitapitanga” ou “arabutan”, como era conhecido em Tupi, foi arrendada a comerciantes a partir de 1502. O primeiro “contrato do pau-brasil” foi realizado com mercadores portugueses e italianos, liderado por Fernando de Noronha. Nestes contratos, o Estado português se comprometia a não mais importar das Índias o pigmento similar, então largamente utilizado na Europa e os arrendatários assumiam a exploração anual de 300 léguas do litoral, o envio de navios às costas brasileiras e a manutenção de uma fortaleza, tudo isso sem prejuízo dos direitos a serem pagos à Coroa.

O monopólio da exploração do pau-brasil só terminou em 1859, quando a Coroa já registrava que o volume contrabandeado era superior ao das vendas oficias e surgiram os corantes produzidos a partir do alcatrão mineral. Foram mais de três séculos de extração predatória sem que sequer o processamento da madeira para extração do corante tivesse sido desenvolvido na colônia, agregando algum valor ao produto ou gerando postos de trabalho.

“Terra Brasilis”, como ficou conhecida a nova colônia de Portugal, teve a origem de seu nome diretamente ligada à exploração do pau -brasil e, portanto, ao início da destruição da Mata Atlântica.

Mas a exploração predatória não se limitou ao pau-brasil. Outras madeiras de alto valor para a construção naval, edificações, móveis e outros usos nobres como tapinhoã, sucupira, canela, canjarana, jacarandá, araribá, pequi, jenipaparana, peroba, urucurana e vinhático, foram intensamente exploradas. Segundo relatórios da época da virada do século XIX, em Iguape, cidade do litoral sul do estado de São Paulo, não havia mais destas árvores num raio de sessenta quilômetros de seu entorno. O mesmo se repetiu em praticamente toda a faixa de florestas costeiras do Brasil. A maioria das matas consideradas “primárias” e hoje colocadas sob a proteção das unidades de conservação, foram desfalcadas já há dois séculos (DEAN, 1996).

Embora a Coroa não tenha investido ou incentivado o conhecimento das potencialidades da Mata Atlântica, algumas espécies não madeireiras também foram exploradas em diferentes épocas, como a salsaparrilha, ceras e bálsamos. Dentre elas, uma das mais importantes foi a ipecacuanha ou poaia (Psychotria ipecacuanha), planta medicinal que chegou a ser exportada na quantia de 25 toneladas por ano no final dos anos de 1860 e foi praticamente extinta no Rio de Janeiro (DEAN, 1996). A retirada de epífitas como bromélias, cactos e orquídeas também teve períodos de grande intensidade, sendo responsável pela destruição grandes áreas de florestas, cujas árvores eram simplesmente derrubadas para facilitar a extração destas plantas.

Capítulo I – A Mata Atlântica Além da exploração de recursos florestais, houve na época um significativo comércio exportador de couros e peles de onça (que chegou ao valor de 6 mil réis, o equivalente ao preço de um boi na época), veado, lontra, cutia, paca, cobras, jacarés, anta, outros e outros animais, de penas e plumas e carapaças de tartarugas (DEAN, 1996).

A este modelo predatório de exploração dos recursos da flora e da fauna somou-se o sistema de concessão de sesmarias, originando uma combinação altamente destrutiva para a Mata Atlântica. Os relatos da época são impressionantes. A terra praticamente não tinha valor. O proprietário recebia gratuitamente uma sesmaria que, após consumida toda a mata e explorada suas potencialidades, passava adiante por um valor irrisório e solicitava outra ao governo, ou simplesmente invadia uma outra terra pública. Firmava-se na época o conceito de que o solo era um recurso descartável, pois não fazia sentido manter uma propriedade e zelar por suas condições naturais e sua fertilidade, já que poderia ser substituída por outra sem custo. Destruir, passar a propriedade adiante e receber outra era um excelente negócio.

Este modelo instituído pela Coroa persistiu por séculos e, de certa forma foi reeditado em período recente quando, para estimular a ocupação da região Amazônica, o governo militar passou a ceder grandes propriedades para empresas que se comprometessem a abrir a fronteira. A consequência foi a “década da destruição”, como são chamados os anos de 1980, quando se destruiu uma média de 20 mil quilômetros quadrados por ano na Amazônia.

A literatura brasileira registra a manifestação de revolta e protesto de diversas personagens diante do processo de destruição ambiental, comprovando que a preocupação com as consequências do modelo predatório não são recentes no Brasil. José Bonifácio de Andrada e Silva, Joaquim Nabuco e Euclides da Cunha são alguns exemplos de personalidades de nossa história que, desde o início do século XVIII já alertava a sociedade para as consequências da destruição irracional que se processava no território brasileiro.

O modelo predatório, entretanto, não foi um privilégio do período colonial. Com a independência, o cenário não de alterou e persistiram as práticas destrutivas. Em 1928 F. C. Hoehne, então assistente chefe da seção de botânica e agronomia do Instituto Biológico de Defesa Agrícola e Animal do Estado de São Paulo, liderou uma expedição que percorreu a região das matas de araucária, nos estados de Paraná e Santa Catarina. Partindo de São Paulo, a equipe de Hoehne percorreu alguns milhares de quilômetros por trem chegando a Joinville, passando pelas regiões de Curitiba, Ponta Grossa, Rio Negro, Mafra, São Francisco do Sul, Porto União, além de outras cidades menores. Em todo o trajeto, foram registrados com detalhes a beleza da paisagem, a diversidade da flora, a presença humana e a destruição promovida pela exploração madeireira irracional e pela expansão de pastagens e agricultura sem nenhum cuidado com o meio ambiente.

Em Três Barras, a caminho de Porto União, Hoehne descreve com intensa revolta a enorme degradação promovida pela empresa South Brazilian Lumber and Colonisation Comp. Ltda., que recebera a concessão para explorar milhares de hectares de florestas ricas em araucárias e embuias. Diz ele: “Que lucro advirá ao nosso paiz, ou ao Estado de Sta. Catharina ou Paraná, das concessões feitas as empresas estrangeiras, para a exploração de nossas florestas mais uteis e mais faceis de explorar?! Ao nosso vêr, nenhum. É possivel que particulares tirem proventos pecuniários temporarios desse negocio. Mas o paiz fica, incontestavelmente, enormemente prejudicado com ellas”.(HOEHNE, 1930).

A exploração madeireira da Mata Atlântica, que teve importância econômica em nível nacional até muito recentemente. Segundo dados do IBGE, em meados de 1970 a Mata Atl ântica ainda contribuía com 47% de toda a produção de madeira em tora no país, com um total de 15 milhões de m3. Produção drasticamente reduzida para menos da metade (7,9 milhões de m3) em 1988, dado o esgotamento dos recursos devido a exploração não sustentável. Atualmente a indústria madeireira dependente de espécies da Mata Atlântica possui importância apenas regional, especificamente nos estados do Paraná e Santa Catarina, onde as indústrias moveleira e de madeiramento para construções continuam a exploração predatória do pinheiro do paraná.

Capítulo I – A Mata Atlântica Atualmente, a Mata Atlântica sobrevive em menos de 100 mil km2(1). Seus principais remanescentes concentram-se nos estados das regiões Sul e Sudeste, recobrindo parte da Serra do Mar e da Serra da Mantiqueira, onde o processo de ocupação foi dificultado pelo Tabela 2- Remanescentes florestais no DMA em 1995 UF Área original DMA(1) Remanescentes florestais km2 km2 % sobre a área do DMA na UF % sobre área total da UF AL 14.529 877 (2) 6,04 3,14 BA 177.924 12.674 (3) 7,12 2,23 CE 4.878 2.743 56,23 1,87 ES 46.184 3.873 8,39 8,39 GO 10.687 65 0,61 0,02 MS 51.536 396 0,77 0,11 MG 281.311 11.251 4,00 1,91 PB 6.743 584 8,66 1,03 PE PI 17.811 22.907 1.524 24 (2) 8,56 0,10 1,54 0,01 PR 193.011 17.305 (4) 8,97 8,67 RJ 43.291 9.289 21,46 21,15 RN 3.298 840 25,46 1,58 RS 132.070 5.065 3,83 1,80 SC 95.265 16.662 17,49 17,46 SE 7.155 1.367 19,11 6,20 SP 197.823 17.916 9,06 7,20 Total 1.306.421 102.455 7,84 2,99 (2) (4) (4) (4) (4) (4) (4)

(4) (2) (4) (4) (2) (4) (1) ISA, 1999 (2) Sociedade Nordestina de Ecologia (3) Fundação SOS Mata Atlântica, INPE (dados de 1990) (4) Fundação SOS Mata Atlântica, INPE, ISA (dados de 1995) DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992)

Segundo os resultados do mais recente estudo realizado pela Fundação SOS Mata Atlântica, em parceria com o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e o Instituto Socioambiental, publicado em 1998, entre os anos de 1990 e 1995 mais de meio milhão de hectares de florestas foram destruídos em nove estados nas regiões sul, sudeste e centro- oeste, que concentram aproximadamente 90% do que resta da Mata Atlântica no País. Um valor equivalente a mais de 714 mil campos de futebol literalmente eliminados do mapa em apenas cinco anos, a uma velocidade de um campo de futebol derrubado a cada quatro minutos. Uma destruição proporcionalmente três maior do que a verificada na Amazônia no mesmo período.

Somando-se estes números aos do estudo anterior, referente ao período 85-90, chega-se à cifra de 11% de Mata Atlântica destruída nos últimos 10 anos nestes estados, provocando uma queda de 8,3 para 7,6 na estimativa de mata primária e secundária em estágio avançado de regeneração, remanescentes em todo o País. Mantida esta situação, em cinquenta anos será eliminado completamente o que sobrou dela fora dos parques e outras categorias de unidades de conservação ambientais.

Os números impressionantes da destruição da Mata Atlântica demonstram a inexistência de políticas de conservação ambiental no País e a absoluta falência do sistema de fiscalização dos órgãos públicos. É bom lembrar que estes desmatamentos não estão ocorrendo em regiões distantes e de difícil acesso, ao contrário, derruba-se enormes áreas de florestas (1) Sociedade Nordestina de Ecologia, Fundação SOS Mata Atlântica, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e Instituto Socioambiental

Capítulo I – A Mata Atlântica impunemente a poucos quilômetros de cidades como São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

Capítulo I – A Mata Atlântica Mapa 2 – Remanescentes florestais no Domínio da Mata Atlântica em 1990

Capítulo I – A Mata Atlântica A importância da sua conservação e recuperação A Mata Atlântica é considerada atualmente como um dos mais ricos conjuntos de ecossistemas em termos de diversidade biológica do Planeta. Distribuída ao longo de mais de 23 graus de latitude sul, esse Bioma é composto de uma série de fitofisionomias bastante diversificadas (tabela 3), o que propiciou uma significativa diversificação ambiental e, como consequência, a evolução de um complexo biótico de natureza vegetal e animal altamente rico. Tabela 3 – Fisionomias vegetais inseridas no Domínio da Mata Atlântica – DMA (1) Fitofisionomias (2) km2 (3) %(4) Formações Florestais 1.041.998 79,76 Ombrófilas 406.446 31,11 Densa 218.790 16,75 Aberta 18.740 1,43 Mista 168.916 12,93 Estacionais 635.552 48,65 Semidecidual 486.500 37,24 Decidual Zonas de Tensão Ecológica 149.052 157.747 11,41 12,07 Encraves 65.468 5,01 Refúgio Ecológico 103 0,01 Formações Pioneiras 41.105 3,15 Total DMA 1.306.421 100,00(1) Conforme CONAMA, 1992 (2) Mapa de vegetação do Brasil. IBGE, 1993 (3) ISA, 1999 (4) Sobre a área total do DMA DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992) Não há dados precisos sobre a diversidade total de plantas da Mata Atlântica. Considerando-se apenas o grupo das angiospermas, acredita -se que o Brasil possua entre 55.000 e 60.000 espécies, ou seja, de 22 a 24% do total que se estima existir no Planeta. Deste total, as projeções são de que a Mata Atlântica possua cerca de 20.000 espécies, ou seja, entre 33 e 36% das existentes no País.

Para se ter uma idéia da grandeza que significam esses números, basta compara-los às estimativas de diversidade de angiospermas de alguns continentes,: 17.000 espécies na América do Norte, 12.500 na Europa e entre 40.000 e 45.000 na África.

Somente no Estado de São Paulo, que possuía cerca de 80% de seu território originalmente ocupado por Mata Atlântica, estima-se existirem 9.000 espécies de fanerógamas, 16% do total existente no País e cerca de 3,6% do que se estima existir em todo o mundo. No caso das pteridófitas, como samambaias e outras plantas menos conhecidas, as estimativas apontam para uma diversidade entre 800 e 950 espécies, 73% do Brasil e 8% do mundo.(JOLY & BICUDO, 1999).

Estudos desenvolvidos por pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo e da UNESP, campus de Rio Claro, SP, publicados pelo Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão (no 7, dezembro de 1997), identificaram a ocorrência de 443 espécies arbóreas em uma área de 1,02 hectares de Floresta Ombrófila Densa, presente na estação Biológica de Santa Luzia, município de Santa Teresa, região serrana do Espírito Santo.

Posteriormente, equipe formada por especialistas do Jardim Botânico de Nova Iorque e da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC), encontrou 454 espécies de

Capítulo I – A Mata Atlântica árvores numa área de um hectare do Parque Estadual da Serra do Conduru, localizado no sul da Bahia.

Ambas descobertas superaram o recorde anterior registrado em 1986 na Amazônia Peruana, que incluía 300 espécies por hectare, e revelam que a Mata Atlântica pode possuir a maior diversidade de árvores do mundo.

Some-se a alta diversidade, o fato de que pelo menos 50% das plantas vasculares conhecidas da Mata Atlântica são endêmicas. O nível de endemismo cresce significativamente quando separamos as espécies da flora em grupos, atingindo 53,5% para espécies arbóreas, 64% para as palmeiras e 74,4% para as bromélias.

Dentro da riquíssima fauna existente na Mata Atlântica, algumas espécies possuem ampla distribuição, podendo ser encontradas em outras regiões, como são os casos da onça pintada, onça parda, gatos-do-mato, anta, cateto, queixada, alguns papagaios, corujas, gaviões e muitos outros. O que mais impressiona, no entanto, é a enorme quantidade de espécies endêmicas, ou seja, que não podem ser encontradas em nenhum outro lugar do planeta. São os casos das 73 espécies de mamíferos, entre elas 21 espécies e subespécies de primatas e das 160 espécies de aves. Entre os anfíbios o número é ainda mais surpreendente, das 183 espécies catalogadas, 91,8% são consideradas endêmicas.

Comparada com a floresta amazônica a Mata Atlântica apresenta, proporcionalmente, maior diversidade biológica. No caso dos mamíferos, por exemplo, estão catalogadas 215 espécies na Mata Atlântica, contra 353 na Amazônia, apesar desta ser quatro vezes maior do que a área original da primeira.

Uma análise comparativa entre a diversidade de espécies de vertebrados no mundo, no Brasil e no Estado de São Paulo que, como já mencionado possuía cerca de 80% de seu território originalmente ocupado pela Mata Atlântica, permite uma visão aproximada da riqueza do Bioma. Na tabela 4, é possível verificar índices muito altos de espécies, ultrapassando, na maioria dos casos, a cifra de 40% do total existente no País.

Apesar desta grande biodiversidade, a situação é extremamente grave, pois das 202 espécies de animais consideradas oficialmente ameaçadas de extinção no Brasil (IBAMA, Portaria no 1.522 de 19/12/89) 171 são da Mata Atlântica. Este número tende a crescer rapidamente. No caso das aves, por exemplo, estudo recente, publicado na prestigiada revista britânica “Nature”, aponta que pelo menos 88 espécies de aves endêmicas da Mata Atlântica estão ameaçadas. Os cientistas acreditam que quatro espécies estejam completamente extintas e pelo menos outras 60 estejam ameaçadas de extinção no curto prazo.

A verdade é que em um país onde a biodiversidade é pouco conhecida como o nosso, há espécies que podem ter sido extintas antes mes mos de serem catalogadas pelos cientistas e outras que, ao serem descobertas entram imediatamente para a trágica lista das ameaçadas de extinção. São os casos, por exemplo, do mico-leão-da-cara-preta (Leontopithecus caissara) e do pássaro bicudinho-do-brejo (Stymphalornis acutirostris) ambos recentemente encontrados por pesquisadores no litoral paranaense, a menos de 200 quilômetros da cidade de São Paulo, a maior metrópole da América do Sul.

Mesmo reduzida e muito fragmentada, a Mata Atlântica possui um a importância enorme, pois exerce influência direta na vida de mais de 80% da população brasileira que vive em seu domínio. Nas cidades, áreas rurais, comunidades caiçaras e indígenas ela regula o fluxo dos mananciais hídricos, assegura a fertilidade do solo, controla o clima e protege escarpas e encostas das serras, além de preservar um patrimônio histórico e cultural imenso.

Na Mata Atlântica nascem diversos rios que abastecem as cidades e metrópoles brasileiras, beneficiando mais de 100 milhões de pessoas. Além de milhares de pequenos cursos d’água que afloram em seus remanescentes, sua região é cortada por rios grandes como o Paraná, o Tietê, o São Francisco, o Doce, o Paraíba do Sul, o Paranapanema e o Ribeira de Iguape, importantíssimos na agricultura, na pecuária e em todo o processo de urbanização do país.

Capítulo I – A Mata Atlântica A Mata Atlântica significa também abrigo para várias populações tradicionais e garantia de abastecimento de água para mais de 120 milhões de pessoas. Parte significativa de seus remanescentes está hoje localizada em encostas de grande declividade. Sua proteção é a maior garantia para a estabilidade física dessas áreas, evitando assim as grandes catástrofes que já ocorreram onde a floresta foi suprimida, com conseqüências econômicas e sociais extrem amente graves. Esta região abriga ainda belíssimas paisagens, verdadeiros paraísos Tabela 4 – Diversidade de Vertebrados mundo espécies Peixes 24.618 Brasil São Paulo espécies 2.657 % 10,79 espécies 773 % 3,14 % 29,09 Anfíbios 4.000 600 15,00 180 4,50 30,00 Repteis 6.000 465 7,75 186 3,10 40,00 Aves 9.700 1.677 17,29 738 7,61 44,01 Mamíferos 4.650 502 10,80 194 4,17 38,65 (1)

(2) (2) (3) (1) JOLY, C.A.; BICUDO, C.E.M.; orgs. Biodiversidade do Estado de São Paulo, Brasil: síntese do conhecimento ao final do século XX, volume 6: vertebrados / (2) Em relação à diversidade de vertebrados no mundo (3) Em relação à diversidade de vertebra dos no Brasil

Capítulo I – A Mata Atlântica Mapa 3 – Fitofisionomias do Domínio da Mata Atlântica

Capítulo I – A Mata Atlântica Referências bibliográficas AB’SABER, A. N. O Ribeira de Iguape: uma setorização endereçada ao planejamento regional. Boletim Técnico da Superintendênci a do Desenvolvimento do Litoral Paulista, São Paulo, nº 1, p. 1-13, jan., 1985. _________________ O Tombamento da Serra do Mar do Estado de São Paulo. Revista do Patrimônio Histórico e AB’SABER, A. N. & BESNARD, W. Sambaquis da Região Lagunar de Cananéia. Boletim do Instituto Paulista de ARAÚJO, D. S. D. de & LACERDA, L. D. de. A natureza das restingas. Ciência Hoje . Rio de Janeiro, v.6, n.32, BEHR, M. F. von. Homem e ambiente em “Guarakessaba”: passado, presente e futuro. Curitiba, Pontifícia BERNARDES, A.T; MACHADO, A.B.M. & RYLANDS, A.B Fauna brasileira ameaçada de extinção . Belo Horizonte, Fundação Biodiversitas para a Conservação da Diversidade Biológica, 1990 BESNARD, W. Considerações gerais em torno da Região Lagunar de Cananéia- Iguape. Boletim do Instituto BORN, G. C. C.; FAVERO, O. A. & ROSSI, L. Ethnopharmacological and ethnobotanic research in the “Cachoeira do Guilherme” and part of the “Rio Comprido” communities at the Juréia – Itatins Ecological Station, Brazil . São Paulo, VITAE CIVILIS/Instituto de Botânica da Secretaria Estadual do Meio Ambiente de São Paulo, BRANCO, S. M. & ROCA, A. A. Poluição, proteção e uso múltiplos de represas. São Paulo, Edgar Blücher/Cetesb, BRITEZ, R. M.; SILVA, S. M. & SOUZA, W. e S. de. Levantamento florístico da Ilha do Mel, PR. Curitiba, BULL, D. & NATHAWAY, D. Pragas e venenos agrotóxicos no Brasil e no Terceiro Mundo. Petrópolis, CÂMARA, I.G. Plano de Ação para a Mata Atlântica. São Paulo, Fundação SOS Mata Atlântica/Editora Interação, CANALI, N. E. coord. Levantamentos físico-geográficos da Área Especial de Interesse Turístico do Marumbi, Serra do Mar, PR. Curitiba, Departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná, 1987. CAPOBIANCO, J. P. Análise da aplicabilidade do Princípio da Precaução no processo de licenciamento ambiental da UHE Tijuco Alto no Rio Ribeira de Iguape. Campinas, Instituto de Economia, Unicamp, 2000 (paper). _______________. Simulação do impacto direto e indireto da construção de barragens no Rio Ribeira de Iguape sobre onze comunidades remanescentes de quilombos da porção paulista do Vale do Ribeira. __________________. A Mata Atlântica e sua Legislação Protetora. Dano Ambiental: prevenção, reparação e ___________________. A Mata Atlântica. Meio Ambiente e Desenvolvimento: Uma visão das ONGs e dos Movimentos Sociais Brasileiros. Rio de Janeiro, Fórum de ONGs Brasileiras Preparatório para a Conferência da Sociedade Civil sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, p. 96-102, 1992. __________________. A Questão das Florestas: Tendências pós Rio 92. Tempo e Presença, São Paulo, CEDI, ___________________. Estação Ecológica de Juréia-Itatins: preservação através da educação ambiental. Brasília, ____________________. Mata Atlântica. São Paulo, Secretaria da Agricultura e Abastecimento, s.d. (Folheto __________________. Unidades de Conservação do Vale do Ribeira. São Paulo, Secretaria da Educação do CAPOBIANCO, J. P. & LIMA, A. R. Mata Atlântica: Avanços Legais e Institucionais para sua Conservação. CARVALHO, A. M. N. de Comunidades isoladas. São Paulo, Secretaria de Serviços e Obras Públicas, Serviço do CARVALHO, C.T. Dicionário dos Mamíferos do Brasil. Fundação Parque Zoológico de São Paulo. São Paulo, COIMBRA, A. & CÂMARA, I. B. Os limites originais da Mata Atlântica na região Nordeste do Brasil. Fundação Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental/Cetesb. Avaliação dos níveis de contaminação por metais pesados e pesticidas organoclorados na água, ictiofauna e outros organismos aquáticos do Complexo __________________. Qualidade das águas interiores do Estado de São Paulo. São Paulo, 1985. Conselho Estadual do Meio Ambiente/Consema. Relatório da Comissão Especial do Consema para a consolidação das propostas de utilização múltipla dos recursos hídricos do Vale do Ribeira. São Paulo, 17p., fev. 1994.

Capítulo I – A Mata Atlântica CORREA, M. F. M. et al. Produtividade pesqueira para a região de Guaraqueçaba, PR. Curitiba, Sociedade de CUNHA, L. H. de O. coord. Comunidades litorâneas e Unidades de Proteção Ambiental: convivência e conflitos; o caso de Guaraqueçaba (Paraná). São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Departamento de Águas e Energia Elétrica/DAEE. Estudos de aproveitamento agrícola na planície aluvional do ____________________. Plano de Desenvolvimento do Vale do Ribeira e Litoral Sul. São Paulo, Brasconsult, Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental/DAIA. Parecer técnico referente à analise do estudo de impacto ambiental da UHE de Tijuco Alto no rio Ribeira de Iguape . São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente, 1994. Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica/DNAEE. Bacia do Rio Ribeira de Iguape: caracterização dos usos e das disponibilidades hídricas. Brasília, Ministério das Minas e Energia, jun., 1984. DEPRN Departamento Estadual de Proteção aos Recursos Naturais. Programa Olho Verde Mapas em escala 1:50:000. São Paulo, 1988 DIEGUES, A. C. S. A pesca artesanal no litoral brasileiro: cenário de estratégia e de sobrevivência. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade de ____________________. Comunidades litorâneas e os manguezais no Brazil. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade de São Paulo/NUPAUB- ____________________. Conservação e desenvolvimento sustentado de ecossistemas litorâneos no Brasil. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade _____________________. Diversidade biológica e culturas tradicionais litorâneas: o caso das comunidades caiçaras. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – _____________________. Management of wetlands: the Iguape-Cananéia-Paranaguá Estuary (Brazil): a case study. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – ____________________. Mitos e realidades sobre pescadores artesanais. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade de São Paulo/NUPAUB -USP, 1988. ____________________. Planejamento e gerenciamento costeiro: alguns aspectos metodológicos. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade de _____________________. Sustainable development and people’s participation wetland ecosystems conservation in Brazil: two comparative studies. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e _____________________. The role of cultural diversity and comunal participation in wetland management in Brazil. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – DIEGUES, A. C. S. coord. A caixeta no Vale do Ribeira (SP): estudo socio-econômico da população vinculada à extração e desdobro da caixeta. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e DRUMMOND, J. A. Devastação e preservação ambiental – Os Parques Nacionais do Estado do Rio de Janeiro. EITEN, G. A vegetação do Estado de São Paulo. Boletim do Instituto de Botânica, no 7, jan/1970. FERRI, M. G. Ecologia e poluição . São Paulo, Melhoramentos, série Prisma, 1976. FRANÇA, S. C. A ocupação das matas primitivas do Vale do Ribeira: desmatamento e desenvolvimento. Jaboticabal, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, UNESP, 52p., il., 1984 (paper). FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA Dossiê Mata Atlântica 1992. São Paulo, 1992. __________________. Análise de Uso e Ocupação do Solo no Lagamar: relatório 1993. São Paulo, 1993. ____________________. Atlas da Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no Período 1985-1990. São Paulo, Fundação SOS Mata Atlântica/Instituto ____________________. Banco de Dados da Mata Atlântica. São Paulo, n.1, 1993. ___________ ________. Diagnóstico Preliminar do Parque Estadual da Ilha do Cardoso. São Paulo, Fundação ___________________. Diagnóstico Preliminar da Área de Proteção Ambiental da Ilha Comprida. São Paulo, __________________. Diagnóstico Preliminar do Parque Estadual do Jacupiranga. São Paulo, Fundação SOS GEVERTZ, R. et al. Em busca do pensamento ecológico. São Paulo, Edgard Blücher, 110p., il., 1983. HOEHNE, F. C. Araucarilândia. São Paulo, Companhia Melhoramentos de São Paulo, 1930. __________________. Observações gerais e contribuições ao estudo da flora e fitofisionomia do Brasil: o litoral do Brasil Meridional . São Paulo, Departamento de Botânica do Estado, 1940. HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. – 26. ed. – São Paulo, Companhia das Letras, 1995.

Capítulo I – A Mata Atlântica HUECK, K. Plantas e formação organogênica das dunas do litoral paulista: parte I. São Paulo, Instituto de Botânica, IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Populacional. Rio de Janeiro, 1981 ____________________. Cadastro de Áreas Especiais. Rio de Janeiro, 1990 ____________________. Mapa de Vegetação do Brasil. Rio de Janeiro, 1989 ____________________. Censo Populacional. Rio de Janeiro, 1991 IHERING, R. Da vida de nossos animais: fauna do Brasil. São Leopoldo, Rotermund, 320p., 1963. INOUE, M.T.; RODERJAN, C.V.; KUNIYOSHI, Y.S. Projeto Madeira do Paraná. Curitiba, 1984 INSTITUTO DE SAÚDE. Projeto de vigilância epidemiológica de intoxicações exógenas no Vale do Ribeira: relato de experiências. São Paulo, Secretaria da Saúde, Coordenadoria de Serviços Técnicos Especializados, INSTITUTO FLORESTAL. Plano de ação emergencial para implantação e manejo de unidades de conservação . INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOACIAL/IPARDES. APA de Guaraqueçaba: caracterização socio-econômica dos pescadores artesanais e pequenos produtores rurais. ___________________. Macrozoneamento da Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba, PR. Curitiba, ______________________. Secretaria de Estado do Planejamento. Coordenação Geral de Zoneamento da Região do Litoral Paranaense Curitiba, IPARDES/Fundação Édison Vieira, 175 p.,1989. __________________. Secretaria de Estado do Planejamento Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba: Concretização socio-econômica dos pescadores artesanais e pequenos produtores rurais. Curitiba, 1989 _____________________. Secretaria de Estado do Planejamento Macrozoneamento da Área de Proteção ITCF Instituto de Terras, Cartografia e Florestas. Secretaria do Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná. Atlas do Estado do Paraná. Curitiba, Universidade Federal do Paraná/Secretaria de Estado da JANZEN, D. H. Ecologia vegetal nos trópicos. São Paulo, EPU/EDUSP, 79p., il., 1980. JOLY, A. B. Conheça a vegetação brasileira. São Paulo, EDUSP/Polígono, 181p., il., 1970. JOLY, C. A. & BICUDO, C.E. M., orgs. Biodiversidade do Estado de São Paulo, Brasil: síntese do conhecimento ao KLEIN, R. Mata fitogeográfico do Estado de Santa Catarina . Itajaí, Santa Catarina, Hebráico. ”Barbosa Rodrigues”, 1978 LACERDA, L. D. de Manguezais, florestas a beira-mar. Ciência Hoje. Rio de Janeiro, SBPC, v.3, n.13, p.63-70, il., LEIS, H. R. “A Modernidade Insustentável: as críticas do ambientalismo à sociedade contemporânea”. Petrópolis, RJ : Vozes ; Santa Catarina : UFSC, 1999 LEME, E. M. C. Bromélias. Ciência Hoje. Rio de Janeiro, SBPC, v.3, n.14, p.66-72, il., 1984. MAGNANINI, A. Aspectos Fitogeográficos do Brasil: Áreas e características no passado e no presente. Revista MARTUSCELLI, P. & RODRIGUES, M. G. Novas populações da espécie Leontopithecus caissara no litoral sul do Estado de São Paulo. Anais do 2º Congresso Nacional sobre Essências Nativas. São Paulo, Instituto Ministério da Educação. Atlas da fauna brasileira . São Paulo, MEC, FENAME e Melhoram entos, 128p., il., 1978. MOURÃO, F. A. A. Os pescadores do litoral sul do estado de São Paulo: um estudo de sociologia diferencial. São OLIVEIRA, K. L. de & PEREIRA, L. C. M. Censo de primatas na Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba, PR. Curitiba, Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental, 1990. PARANÁ, Secretaria de Estado do Planejamento. Zoneamento do Litoral Paranaense. Curitiba, Instituto PETRONE, P. A Baixada do Ribeira. Boletim da Faculdade de Geografia da USP , São Paulo, n.14, 1983. QUEIROZ, M. I. P. Vale do Ribeira: pesquisas sociológicas, as enchentes, o centro pesqueiro. São Paulo, Secretaria de Serviços e Obras Públicas, Serviço do Vale do Ribeira/USP, Convênio USP/DAEE, 1969. RAMON, N. & GUIMARAES, S. Estudo para caracterização da Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba, PR. Curitiba, Superintendência dos Recursos Hídricos e Meio Ambiente do Paraná/SUREHMA, 1988. RODRIGUES, M. G., KATSUYAMA, S. & RODRIGUES, C. A. G. Estratégias para conservação do mico-leão caiçara, Leontopithecus caissara. Análise da situação econômico-social da comunidade do Ariri – Parte I. Anais do 2º Congresso Nacional sobre Essências Nativas. São Paulo, Instituto Florestal, Secretaria do ROMEIRO, A. R. “Desenvolvimento sustentável e mudança institucional: notas preliminares”. – Campinas, SP: UNICAMP. IE, 1999. 25p. (Texto para Discussão. IE/UNICAMP, n.68). 1999. RONGENLLE, M. D. Pesca artesanal, tradição e modernidade: pescas artesanais em Guaraqueçaba. São Paulo, Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental, 1989.

Capítulo I – A Mata Atlântica RUBGE, E. F. & outros. Impacto dos agrotóxicos. São Paulo, Editora Ícome, 1986. SANTOS, E. Pássaros do Brasil. Belo Horizonte, Editora Itatiaia, 1985 SCHERER NETO, P. Aves do Estado do Paraná. Rio de Janeiro, Zoo-Bot. M. Nordelli, 1980. SILVA, L. A., OLIVEIRA, C. & outros. Programa de Educação Ambiental do Vale do Ribeira. São Paulo, Secretaria SILVEIRA, J. D. da Baixadas litorâneas quentes e úmidas. Boletim da Faculdade de Geografia da USP , São SOCIEDADE DE BOTÂNICA DO BRASIL Centuria Plantarum Brasiliensium Exstintionis Minitata. Rio de Janeiro, STRUFFALDI DE VUOVO, Y. Estudos ecológicos básicos em áreas preservadas do bioma de Mata Atlântica no Parque Estadual da Ilha do Cardoso. São Paulo, Instituto de Botânica da Secretaria Estadual do Meio SUDELPA Superintendência do Desenvolvimento do Litoral Paulista. Plano Integrado de Manejo Agro -ambiental ____________________. Plano Básico de Desenvolvimento Auto-Sustentado para a Região Lagunar de Iguape- VICTOR, M. A. e M. A devastação florestal. Sociedade Brasileira de Silvicultura. São Paulo, 1975. 49p. WETTSTEIN, R. R. Plantas do Brasil: aspectos da vegetação do sul do Brasil. São Paulo : Editora Edgard Blücher WINTHER, J.; PENNAFIRME, R. E. & MARICONDI, M. I. Projeto “Terras de Pescador”: laudo de ocupação da comunidade de Tibicanga, Ilha das Peças, Guaraqueçaba, PR. São Paulo, Instituto de Antropologia e Meio Ambiente/IAMA, 1990.

Capítulo I – A Mata Atlântica Relação das unidades de conservação na Mata Atlântica

Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica UF Categoria de Uso Direto Indireto Total AL 7 13 20 BA 39 39 78 CE 6 6 12 ES 12 29 41 MG 14 72 86 MS – 1 1 PB 1 13 14 PE 17 45 62 PI – 1 1 PR 38 43 81 RJ 20 55 75 RN 4 5 9 RS 8 30 38 SC 15 30 45 SE – 4 4 SP 45 87 132 Sub-Total 226 473 699 Interestaduais 6 7 13 Total 232 480 712 Administração Federal Estadual Municipal Privada 5 7 – 8 13 45 4 16 3 5 – 4 8 25 3 5 10 48 1 27 1 – – – 4 5 – 5 9 53 – – 1 – – – 8 70 – 3 14 33 4 24 2 6 – 1 8 24 – 6 16 18 1 10 2 – – 2 14 104 1 13 118 443 14 124 13 – – – 131 443 14 124 Áreas Tombadas – – – – 5 – – – – 1 3 1 – – – 38 48 – 48Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, Banco de Dados de Unidades de Conservação da Mata Atlântica – São Paulo, 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Alagoas (20 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Bacia do Rio Pratagi APA Direto Estadual 18/04/1978 – Bosque e Argilas Belas RPPN Indireto Privada 30/03/1982 – Camurupia RPPN Indireto Privada 19/06/1986 – Catolé e de Fernão Velho APA Direto Estadual 27/05/1992 – Costa dos Corais APA Direto Federal 23/10/1997 413.563 Fazenda Rosa do Sol RPPN Indireto Privada 01/11/1994 16 Fazenda São Luiz RPPN Indireto Privada – Fazenda São Pedro RPPN Indireto Privada 08/02/1995 50 Fazenda Vera Cruz RPPN Indireto Privada 25/06/1992 115 Foz do São Francisco ESEC Indireto Federal 5.322 Imóvel de Propriedade do IBAMA APP Indireto Federal 14/10/1954 – Manguezais da Lagoa do Roteiro RESEC Indireto Estadual 03/06/1987 743 Marituba do Peixe APA Direto Estadual 13/01/1988 10.900 Murici REPAR Direto Privada – Orla MarinhaPraia do Peba ASPE Indireto Federal 11/07/1986 2.778 Piaçabuçu APA Direto Federal 21/06/1983 8.600 Praia do Peba REBIO Indireto Estadual – Saco da Pedra RESEC Indireto Estadual 05/06/1985 150 Santa Rita APA Direto Estadual 19/12/1984 8.800 Vera Cruz RPPN Indireto Privada 08/04/1985 248As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado da Bahia (78 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Araçari RPPN Indireto Privada 02/10/1998 110 Bacia do Rio de Janeiro APA Direto Estadual 07/06/1993 26.341 Bacia Hidrográfica do Joanes I APA Direto Estadual 04/06/1991 5.022 Bacia UHE Ipitanga II e III APA Direto Estadual – Buriti zais ASPE Indireto Federal 11/07/1986 – Cachoeira de Pancada Grande APA Direto Estadual 50 Cachoeira do Pau RESEC Indireto Municipal 27/06/1997 – Canavieiras RESEX Direto Estadual 500 Candengo APA Direto Estadual 7.000 Canudos PES Indireto Estadual – Canyon ASPE Indireto Federal 11/07/1986 7.500 Caraíva/Trancoso APA Direto Estadual 14/06/1993 31.900 Chapada Diamantina PARNA Indireto Federal 17/09/1985 152.000 Cocorobó ARIE Indireto Federal 7.500 Coroa Vermelha APA Direto Estadual 07/06/1993 4.100 Coroa Vermelha RESES Indireto Estadual 28/02/1975 – Costa de Itacaré/Serra Grande APA Direto Estadual 07/06/1993 14.925 Descobrimento PARNA Indireto Federal 20/04/1999 21.129 Dunas de Abrantes PM Indireto Municipal 01/03/1977 – Dunas e Veredas do Baixo-Médio São Francisco APA Direto Estadual 18/07/1997 1.131.440 Fazenda Água Branca RPPN Indireto Privada 11/02/1999 97 Fazenda Arte Verde RPPN Indireto Privada 14/08/1998 10 Fazenda Avai RPPN Indireto Privada 10/05/1990 469 Fazenda Coqueiros RPPN Indireto Privada 09/11/1990 87 Fazenda Itacira RPPN Indireto Privada 26/03/1991 100 Fazenda Kaybi RPPN Indireto Privada 26/10/1994 5 Fazenda Lontra/Saudade RPPN Indireto Privada 25/10/1996 1.377 Fazenda Morrinhos Fazenda Pé de Serra RPPN RPPN Indireto Indireto Privada Privada 03/05/1990 26/05/1992 726 1.259 Fazenda Prainhas RPPN Indireto Privada 150 Fazenda Sossego RPPN Indireto Privada 11/02/1999 5 Garcia D’Ávila RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 700 Gregório Bondar RESEX Direto Estadual 350 Gruta dos Brejões/Vereda do Romão Gramacho APA Direto Estadual 30/10/1985 11.900 Guaibim APA Direto Estadual 11/05/1992 2.000 Iguape RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 90 Ilha dos Frades RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 910 Ilhas de Tinharé e Boipeba APA Direto Estadual 05/06/1992 43.300 Ilhéus RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 – Itaparica PAF Direto Estadual 28/02/1975 – Juliana RESEC Indireto Municipal 29/04/1997 – Lago de Pedra do Cavalo APA Direto Estadual 18/07/1997 30.156 Lagoa e Dunas do Abaeté PM Indireto Municipal 06/08/1980 10.000 Lagoa Encantada APA Direto Estadual 14/06/1993 1.800 Lagoa Itaparica APA Direto Estadual 18/07/1997 78.450 Lagoas de Guarajuba APA Direto Estadual 27/02/1991 – Lagoas de Mabassu PAF Direto Estadual 28/02/1975 –

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado da Bahia (78 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Lagoas e Dunas do Abaeté APA Direto Estadual 22/09/1987 1.800 Lemos Maia Litoral Norte do Estado da Bahia ESEX APA Direto Direto Federal Estadual 17/03/1992 170 – Mangue Seco APA Direto Estadual 06/11/1991 3.395 Maracas REF Direto Estadual – Marimbus/Iraquara APA Direto Estadual 14/06/1993 102.000 Marinho dos Abrolhos PARNA Indireto Federal 06/04/1983 91.235 Metropolitana de Pituaçu PEC Direto Estadual 04/09/1973 – Metropolitano de Ipitanga I PEC Direto Estadual 06/02/1986 667 Monte Pascoal PARNA Indireto Federal 29/11/1961 22.500 Morro Cururupe RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 – Morro do Chapéu PES Indireto Estadual 12/10/1973 6.000 Museu Aberto do Descobrimento MUSEU Direto Federal 22/04/1996 – Núcleo Landulfo Alves Pau Brasil REF REPAR Direto Direto Estadual Privada – 1.140 Pau Brasil ESEC Indireto Federal 11/12/1979 – Pau Brasil PARNA Indireto Federal 20/04/1999 11.538 Ponta da Baleia/Abrolhos APA Direto Estadual 14/06/1993 34.600 Porto Seguro REF Direto Estadual 28/02/1975 – Raso da Catarina RESEC Indireto Federal 03/01/1984 99.772 Reserva Estação Veracruz RPPN Indireto Privada 05/11/1998 6.069 Reserva Vale do Rio Doce REPAR Direto Privada – Rio Capivara APA Direto Estadual 14/06/1993 1.800 Rio Capivara PAF Direto Estadual 28/02/1975 5.000 Santo Antônio APA Direto Estadual 31/08/1994 2.300 Sapiranga Serra do Barbado RPPN APA Indireto Direto Privada Estadual 06/02/1984 07/06/1993 600 – Serra do Conduru PES Indireto Estadual 21/02/1997 7.000 Una REBIO Indireto Federal 10/12/1980 11.400 Wenceslau Guimarães ESEC Indireto Estadual 21/02/1997 1.939 Wenceslau Guimarães REF Direto Estadual 30/11/1973 1.200As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Ceará (12 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Aiuaba ESEC Indireto Federal 16/01/1978 11.525 Arajara Park RPPN Indireto Privada 23/02/1999 28 Fazenda Olho D’Água do Uruçu RPPN Indireto Privada 26/03/1991 2.610 Garamiranga PEC Direto Estadual 20/02/1979 – Jericoacoara APA Direto Federal 29/10/1984 6.800 Lagoa da Fazenda PEC Direto Estadual 11/03/1991 – Lagoa de Maraponga PEC Direto Estadual 03/05/1991 – Rio Cocó PEC Direto Estadual 05/09/1989 – Serra de Baturité APA Direto Estadual 10/09/1990 3.269 Sítio Ameixas – Poço Velho RPPN Indireto Privada 28/01/1994 464 Sítio Mercês Sabiaguaba e Nazário RPPN Indireto Privada 25/10/1993 50 Ubajara PARNA Indireto Federal 19/07/1973 563As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Espírito Santo (41 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Augusto Ruschi REBIO Indireto Federal 20/09/1982 4.000 Cachoeira da Fumaça PES Indireto Estadual 21/09/1990 27 Campo Grande RESFLO Direto Estadual – Comboios REBIO Indireto Federal 25/09/1984 833 Córrego do Arroz APP Indireto Estadual 20/09/1982 50 Córrego do Veado REBIO Indireto Federal 20/09/1982 2.392 Córrego Grande REBIO Indireto Federal 12/04/1989 1.504 Duas Bocas REBIO Indireto Estadual 12/02/1965 2.910 Fazenda Bananal do Norte APP Indireto Estadual 30/09/1985 388 Fazenda Boa Esperança RPPN Indireto Privada 19/05/1998 517 Fazenda Cafundó RPPN Indireto Privada 22/04/1999 1.538 Fazenda Goitacazes APP Indireto Estadual 30/09/1985 1.000 Fazenda Santa Cristina RPPN Indireto Privada 26/11/1998 29 Fonte Grande PES Indireto Estadual 31/07/1986 260 Forno Grande PAF Direto Estadual 21/09/1990 – Forno Grande PES Indireto Estadual 31/10/1970 659 Ilha das Flores PES Indireto Estadual 17 Ilha Depla APA Direto Estadual 16/09/1993 – Ilha do Lameirão ESEC Indireto Municipal 27/05/1986 – Itaúnas PES Indireto Estadual 08/11/1991 3.150 Lagoa de Guanandy APA Direto Estadual 12/08/1994 5.242 Lagoa de Jabaeté APP Indireto Estadual 27/06/1988 256 Linhares REPAR Direto Privada 12/04/1991 21.787 Mata das Flores PES Indireto Estadual 08/01/1986 800 Mestre Álvaro APA Direto Estadual 09/08/1976 3.470 Morro da Concha APP Indireto Estadual – Morro da Mantegueira PM Indireto Municipal 14/10/1966 – Mosteiro Zen- Morro da Vargem ESEC Indireto Municipal 30/09/1985 90 Paulo Cesar Vinha PES Indireto Estadual 05/06/1990 1.500 Pedra Azul PES Indireto Estadual 31/10/1970 1.240 Pedra Redonda, Pedra Partida e Chapéu de Bispo RPPN Indireto Privada – Pico do Goiapaba-Açu APA Direto Estadual 27/12/1994 3.740 Praia Mole APA Direto Estadual 29/12/1994 400 Região Leste PBIO Indireto Estadual 22/06/1953 – Riacho Doce RESFLO Direto Estadual – Rio Doce RESFLO Direto Estadual – Rio Preto FLONA Direto Federal 17/01/1990 2.831 Santa Lúcia ESBIO Indireto Federal – São Lourenço ESBIO Indireto Federal – Sooretama Três Ilhas REBIO APA Indireto Direto Federal Estadual 20/09/1982 12/09/1994 24.000 12.960 As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Minas Gerais (86UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Anhumas PES Indireto Estadual 02/02/1983 21 Bacia Hidrográfica Córrego Barreiro APP Indireto Estadual 08/06/1982 1.327 Bacia Hidrográfica Córrego Mutuca APP Indireto Estadual 01/07/1981 – Bacia Hidrográfica do Rio Manso APP Indireto Estadual 15/03/1988 – Bacia Hidrográfica Ribeirão do Veríssimo APP Indireto Estadual 05/05/1982 2.000 Bacia Hidrográfica Ribeirão Serra Azul APP Indireto Estadual 08/09/1980 2.560 Bacia Hidrográfica Ribeirão Urubu APP Indireto Estadual 28/04/1981 – Bacia Hidrográfica Vargem das Flôres APP Indireto Estadual 08/09/1980 – Balgia PES Indireto Estadual 14/07/1944 – Bálsamo APP Indireto Estadual 14/06/1982 – Cachoeira das Andorinhas APA Direto Estadual 16/10/1989 18.700 Camanducaia e Jaguari APA Direto Estadual – Carmo da Mata REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 86 Carste de Lagoa Santa APA Direto Federal 25/01/1990 35.600 Cataguases PES Indireto Estadual 14/11/1923 – Cavernas do Peruaçu Caxambu APA PES Direto Indireto Federal Estadual 26/09/1989 150.000 – Clube de Caça e Pesca Itororó RPPN Indireto Privada 07/08/1992 127 Córrego do Taboão APP Indireto Estadual 14/06/1982 – Estação Serra Azul RPPN Indireto Privada 13/09/1999 22 Fazenda Alto da Boa Vista RPPN Indireto Privada 17/08/1995 96 Fazenda Alto da Boa Vista RPPN Indireto Privada 11/02/1999 55 Fazenda Barra do Pirapetinga RPPN Indireto Privada 13/09/1999 22 Fazenda Caetano RPPN Indireto Privada 30/12/1992 1.421 Fazenda Caetano- Lugar Santo Agostinho RPPN Indireto Privada 30/12/1992 1.184 Fazenda Catingueiro I RPPN Indireto Privada 29/09/1993 50 Fazenda Catingueiro II RPPN Indireto Privada 29/09/1993 39 Fazenda Cruzeiro RPPN Indireto Privada 01/02/1999 180 Fazenda João Pereira- Poço Fundo RPPN Indireto Privada 02/06/1995 337 Fazenda Lageado RPPN Indireto Privada 14/03/1990 12.550 Fazenda Lapinha REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 369 Fazenda Macedônia RPPN Indireto Privada 14/10/1994 560 Fazenda Pedra Bonita RPPN Indireto Privada 27/04/1992 33 Fazenda Samoinho RPPN Indireto Privada 22/08/1995 13 Fazenda Vereda Grande RPPN Indireto Privada 03/05/1990 2.995 Gruta da Igrejinha APP Indireto Estadual 09/12/1986 – Guilman Amorim RPPN Indireto Privada 22/05/1998 254 Ibitipoca PES Indireto Estadual 04/07/1973 – Itabiruçu REPAR Direto Privada 29/07/1975 – Itacolomi PES Indireto Estadual 14/06/1967 – Jaiba PES Indireto Estadual 04/07/1973 – Jaíba FLONA Direto Federal 26/05/1959 200.000 Lajinha REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 368 Mar de Espanha ESEC Indireto Estadual 23/09/1974 187 Mata de Acauã REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 5.195 Mata do Jambreiro REBIO Indireto Estadual 10/07/1977 – Mata dos Ausentes REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 745

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Minas Gerais (86 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Morro da Pedreira APA Direto Federal 26/01/1990 66.200 Nova Baden Panga PES RESEC Indireto Indireto Estadual Federal 23/09/1974 214 404 Papagaio ESEC Indireto Estadual 30/04/1992 – Paraopeba ESFLO Direto Federal 10/08/1950 200 Passa Quatro FLONA Direto Federal 20/02/1968 348 Peti RPPN Indireto Privada 22/09/1983 – Pico do Ibituruna ASPE Indireto Estadual 14/01/1985 – Pinheiro Grosso REBIO Indireto Municipal 30/11/1987 467 Pirapitinga ESEC Indireto Federal 20/07/1987 1.090 Presidente Wenceslau Brás PES Indireto Estadual – Propriedade no Município de Mariana APA Direto Estadual 11/05/1984 – Região Gruta Rei do Mato APA Direto Estadual 27/09/1989 – Reserva Mata Monlevade Rio Doce RPPN PES Indireto Indireto Privada Estadual 19/04/1993 14/07/1944 519 – Ritápolis FLONA Direto Federal 29/03/1984 89 Santa Rita REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 – Santuário Caraça RPPN Indireto Privada 30/03/1994 10.188 São Mateus REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 – São Sebastião Paraiso REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 248 São Sebastião Paraiso II REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 – São Sebastião Paraiso III REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 – Serra de São José APA Direto Estadual 16/02/1990 – Serra de São José (APP) APP Indireto Estadual 19/05/1981 100 Serra do Brigadeiro PES Indireto Estadual 20/07/1988 13.210 Serra do Cipó Sítio Cerro das Acácias PARNA RPPN Indireto Indireto Federal Privada 25/09/1984 13/09/1999 33.800 – Sítio Grimpas RPPN Indireto Privada 27/12/1995 2 Sítio Raio Solar RPPN Indireto Privada 13/09/1999 29 Sítio São Domingos/Agartha RPPN Indireto Privada 23/05/1994 2 Sítio São Francisco RPPN Indireto Privada 13/11/1998 8 Sub-Bacia do Córrego dos Fechos APP Indireto Estadual 03/09/1982 476 Sul RMBH APA Direto Estadual 08/06/1994 – Sumidoro PES Indireto Estadual 04/06/1980 – Todos os Santos ASPE Indireto Estadual 06/06/1989 – Tripui ESEC Indireto Estadual 05/06/1981 392 Unidade de Conservação de Galheiros RPPN Indireto Privada 06/09/1995 2.695 Vau-Açu Veredas do Peruaçu RESEC PES Indireto Indireto Estadual Estadual 02/10/1994 96 30.702 As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Mato Grosso do Sul (1 UC) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Serra da Bodoquena PARNA Indireto Federal 22/07/2000 76.481As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado da Paraíba (14 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Barra do Rio Mamanguape APA Direto Federal 10/09/1993 14.640 Buraquinho REBIO Indireto Estadual 24/02/1955 – Engenho Garjau RPPN Indireto Privada 14/06/1994 1.059 Fazenda Almas RPPN Indireto Privada 01/08/1990 3.505 Fazenda Pacatuba RPPN Indireto Privada 28/12/1995 267 Fazenda Pedra d’Água RPPN Indireto Privada 15/07/1999 170 Fazenda Santa Clara RPPN Indireto Privada 01/08/1990 750 Guaribas REBIO Indireto Federal 25/01/1990 4.321 Manguezais da Foz do Rio Mamanguape ARIE Indireto Federal 05/11/1985 5.721 Mata do Buraquinho APP Indireto Federal 26/09/1989 471 Mata do Pau Ferro RESEC Indireto Estadual 19/10/1992 600 Mata do Rio Vermelho RESEC Indireto Estadual 31/01/1984 1.500 Pico do Jabre PES Indireto Estadual 19/10/1992 500 Ponta do Cabo Branco PES Indireto Estadual 13/05/1982 379As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Pernambuco (62 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Amparo RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 172 Área Estuarina do Canal de Santa Cruz APA Direto Estadual 11/12/1986 1.255 Área Estuarina do Rio Beberibe APA Direto Estadual 11/12/1986 Área Estuarina do Rio Capibaribe Área Estuarina do Rio Carro Quebrado APA APA Direto Direto Estadual Estadual 11/12/1986 11/12/1986 – 402 Área Estuarina do Rio Formoso APA Direto Estadual 11/12/1986 2.724 Área Estuarina do Rio Itapessoca APA Direto Estadual 11/12/1986 3.998 Área Estuarina do Rio Jaguaribe APA Direto Estadual 11/12/1986 212 Área Estuarina do Rio Paratibe APA Direto Estadual 11/12/1986 – Área Estuarina do Rio Timbó APA Direto Estadual 11/12/1986 1.397 Área Estuarina do Rio Una APA Direto Estadual 11/12/1986 553 Área Estuarina dos Rios Goiana e Megaó APA Direto Estadual 11/12/1986 4.776 Área Estuarina dos Rios Jaboatão e Pirapama APA Direto Estadual 11/12/1986 1.285 Área Estuarina dos Rios Sirinhaem e Maracaipe APA Direto Estadual 11/12/1986 3.335 Costa dos Corais APA Direto Federal 23/10/1997 413.563 Fernando de Noronha/ Rocas/ São Pedro e São Paulo APA Direto Federal 05/06/1986 2.700 Marinho de Fernando de Noronha PARNA Indireto Federal 07/04/1989 11.270 Mata Bom Jardim RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 245 Mata Camucim RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 40 Mata Caraúna RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 169 Mata Contra-Açude RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 115 Mata da Serra Cumaru Mata da Serra do Cotovelo RESEC RESEC Indireto Indireto Estadual Estadual 13/01/1987 13/01/1987 357 978 Mata da Usina São José RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 299 Mata de Caetés RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 150 Mata de Camaçari RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 223 Mata de Dois Irmãos RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 389 Mata de Jaguarana RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 332 Mata de Jangadinha RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 85 Mata de Manassú RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 264 Mata de Miritiba RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 273 Mata de Mussaíba RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 272 Mata de Quizanga RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 229 Mata de Santa Cruz Mata de São Bento RESEC RESEC Indireto Indireto Estadual Estadual 13/01/1987 13/01/1987 – 110 Mata do Amparo RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 172 Mata do Curado RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 103 Mata do Engenho Macaxeira RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 61 Mata do Engenho Moreninho RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 66 Mata do Engenho Salgadinho RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 257 Mata do Engenho São João RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 34 Mata do Engenho Tapacurá RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 316 Mata do Engenho Uchôa RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 20 Mata do Jaguaribe RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 107 Mata do Janga RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 132

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Pernambuco (62 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Mata do Passarinho RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 13 Mata do Sistema Gurjaú Mata do Toró RESEC RESEC Indireto Indireto Federal Estadual 13/01/1987 13/01/1987 1.077 81 Mata do Zumbi RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 292 Mata Dois Unidos RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 38 Mata Duas Lagoas RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 140 Mata Jardim Botânico RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 11 Mata Lanço dos Cações RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 50 Mata Outeiro do Pedro RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 51 Mata São João da Várzea RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 65 Mata Tapacurá RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 101 Mata Uruçu RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 515 Nacional dos Guararapes PAHI Direto Federal 11/09/1997 – Professor Vasconcelos Sobrinho Saltinho PEC REBIO Direto Indireto Federal Federal 07/06/1983 21/09/1983 – 548 Serra Negra REBIO Indireto Federal 20/09/1982 1.100 Tapacurá ESEC Indireto Federal 776As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dadose arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Piauí (1 UC) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Serra das Confusões PARNA Indireto Federal 02/10/1999 502.411As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Paraná (81 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Amaporã PAF Direto Estadual 30/04/1962 – Amaporã REF Direto Estadual 25/01/1956 204 Boguaçu Buriti PES ARIE Indireto Indireto Estadual Estadual 27/11/1990 – 84 Cabeça de Cachorro REF Direto Estadual 30/06/1982 – Cabeça do Cachorro ARIE Indireto Estadual 27/11/1990 61 Caiuá ESEC Indireto Estadual 21/11/1994 1.427 Campinhos PES Indireto Estadual 23/02/1979 208 Caxambu PES Indireto Estadual 23/02/1979 1.040 Cerrado PES Indireto Estadual 27/03/1992 420 Córrego da Biquinha FES Direto Estadual 21/11/1994 23.272 Córrego da Biquinha REF Direto Estadual 04/08/1989 25 Córrego Maria Flora PAF Direto Estadual 08/10/1982 49 Córrego Mario REF Direto Estadual 07/10/1982 – Diamante do Norte Escarpa Devoniana PES APA Indireto Direto Estadual Estadual 27/03/1992 – 392.363 Faixa Port. Amb. de Itaipu APA Direto Federal 01/03/1979 – Fazenda Alegrete RPPN Indireto Privada 07/06/1994 153 Fazenda Barra Mansa RPPN Indireto Pri vada 28/10/1991 900 Figueira REF Direto Estadual 23/02/1979 5 Geraldo Russo HORTO Indireto Estadual 16/11/1965 – Graciosa PES Indireto Estadual 24/09/1990 1.189 Guaraguaçu ESEC Indireto Estadual 27/03/1992 1.150 Guaraguaçu REBIO Indireto Estadual 04/08/1989 – Guaraqueçaba ESEC Indireto Federal 31/05/1982 13.654 Guaraqueçaba APA Direto Estadual 27/03/1992 191.595 Guaraqueçaba Guaratuba APA APA Direto Direto Federal Estadual 31/01/1985 27/03/1992 291.500 199.597 Guaterlá PES Indireto Estadual 23/03/1992 4.389 Ibicatu PAF Direto Estadual 15/02/1982 57 Ibiporã PAF Direto Estadual 30/04/1980 74 Iguaçu PARNA Indireto Federal 14/06/1944 170.086 Ilha do Mel ESEC Indireto Estadual 21/09/1982 2.241 Ilha Grande ESEC Indireto Estadual 26/12/1994 28.367 Ilhas Pinheiro e Pinheirinho ARIE Indireto Federal 05/11/1985 109 Imbaú HORTO Indireto Estadual 16/11/1965 75 Imbau (parte II) FES Direto Estadual – Independência PAF Direto Estadual 04/08/1989 84 Irati Jacarezinho FLONA HORTO Direto Indireto Federal Estadual 25/10/1968 23/02/1979 3.495 96 João Paulo II PES Indireto Estadual – Lauráceas PES Indireto Estadual 04/06/1979 27.524 Mandaguari HORTO Indireto Estadual 23/02/1979 21 Marumbi AESIT Indireto Estadual 22/10/1984 66.733 Marumbi I PES Indireto Estadual 30/11/1981 66.733 Mata dos Godoy PES Indireto Estadual 05/06/1989 676 Mata São Francisco PES Indireto Estadual 05/12/1994 833 Metropolitana FES Direto Estadual 13/12/1988 455

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Paraná (81 UCS – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Mina Velha e Arco da Gruta PES Indireto Estadual 27/03/1982 – Monge Palmas PES PES Indireto Indireto Estadual Estadual 23/02/1979 04/08/1989 362 180 Palmito FES Direto Estadual – Passa Dois FES Direto Estadual 23/02/1990 276 Passaúna APA Direto Estadual 05/06/1991 16.020 Pau-Oco PES Indireto Estadual 21/11/1994 906 Pico do Marumbi PES Indireto Estadual 24/09/1990 1.975 Pinhão REF Direto Estadual 18/01/1983 197 Piraquara APA Direto Estadual 8.881 Rio da Onça PAF Direto Estadual 04/06/1981 119 Rio Iraí APA Direto Estadual 11.536 Rio Pequeno APA Direto Estadual 6.200 Rio Piraquara Roberto Ribas Lange APA PES Direto Indireto Estadual Estadual 21/11/1994 – 2.699 Saltinho REF Direto Estadual 07/12/1983 – Saltinho I REF Direto Estadual 10/02/1988 – Salto Morato RPPN Indireto Privada 07/12/1994 861 Santana REF Direto Estadual 04/08/1989 – Santana FES Direto Estadual 21/11/1994 61 Santa na (HORTO) HORTO Indireto Estadual 60 São Camilo REBIO Indireto Estadual 22/02/1990 385 São Domingos ARIE Indireto Estadual 27/11/1990 164 Seção Figueira REF Direto Estadual 10/02/1988 – Serra da Esperança APA Direto Federal 27/01/1992 206.556 Serra do Tigre Superagüi ARIE PARNA Indireto Indireto Estadual Federal 27/11/1990 25/04/1989 33 21.400 Tibagi PAF Direto Estadual – Turena REF Direto Estadual 30/04/1962 – Vila Rica A. E. Andrade REF Direto Estadual 17/06/1955 – Vila Rica do Espírito Santo PES Indireto Estadual 17/06/1955 – Vila Rica do Espírito Santo REF Direto Estadual – Vila Velha PES Indireto Estadual 12/10/1953 – As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro (75 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Alcobaça APP Indireto Federal 05/05/1989 200 Araras REBIO Indireto Estadual 22/06/1977 2.068 Araras RESEC Indireto Estadual 20/11/1950 – Arariboia ESEC Indireto Estadual – Arqueológica Guaratiba REBIO Indireto Estadual 31/03/1982 2.800 Bairro de Grumari APA Direto Municipal 30/12/1986 – Barra da Tijuca APA Direto Municipal 68 Cairuçu APA Direto Federal 27/12/1983 33.800 Costabella Empreendimentos Imobiliários Ltda. RPPN Indireto Privada 4 Desengano APA Direto Estadual 28/12/1983 22.400 Desengano PES Indireto Estadual 13/04/1970 22.400 El Nagual RPPN Indireto Privada 15/10/1999 17 Fazenda Arco-Iris RPPN Indireto Privada 29/09/1994 46 Fazenda Bom Retiro RPPN Indireto Privada 15/04/1993 472 Fazenda Cachoeirinha RPPN Indireto Privada 23/02/1999 650 Fazenda Córrego da Luz Fazenda Goiabal RPPN RPPN Indireto Indireto Privada Privada 19/02/1993 20 1.305 Fazenda Limeira RPPN Indireto Privada 19 Fazenda Roça Grande RPPN Indireto Privada 04/03/1991 64 Fazenda Suspiro RPPN Indireto Privada 01/02/1999 18 Floresta da Cicuta ARIE Indireto Federal 09/01/1985 131 Floresta do Jacarandá APA Direto Estadual 23/07/1985 2.700 Frades APA Direto Estadual 27/11/1990 7.500 Gericinó/Mendanha APA Direto Estadual 12/07/1988 10.500 Gleba o Saquinho de Itapirapuã RPPN Indireto Privada 09/10/1996 398 Goethea REBIO Indireto Municipal – Grajaú RESFLO Direto Estadual 22/06/1978 55 Granja Redenção Guapi-Mirim RPPN APA Indireto Direto Privada Federal 05/09/1996 25/09/1984 – 14.340 Ilha Grande APP Indireto Estadual 25/08/1978 – Ilha Grande PES Indireto Estadual 28/06/1971 15.000 Ilha Grande REBIO Indireto Estadual 06/03/1987 – Ilha Grande (APP) RESEC Indireto Estadual – Jacarandá REBIO Indireto Estadual 2.700 Jacarepiá RESEC Indireto Estadual 15/12/1986 1.267 Jornalista Antenor Novaes RPPN Indireto Privada 11/03/1999 125 Juatinga RESEC Indireto Estadual 30/01/1992 1.680 Macaé de Cima REBIO Indireto Municipal 03/01/1990 7.000 Mangaratiba APA Direto Estadual 12/03/1987 22.936 Maria Francisca Guimarães Maricá RPPN APA Indireto Direto Privada Estadual 07/12/1998 23/04/1984 1 1.000 Marinha do Arraial do Cabo RESEX Direto Federal 03/01/1997 – Marinho do Aventureiro PES Indireto Estadual 1.312 Mário Xavier FLONA Direto Federal 08/10/1986 493 Massambaba APA Direto Estadual 15/12/1986 7.630 Massambaba RESEC Indireto Estadual 15/12/1986 1.680 Município de Teresópolis APA Direto Estadual 30/11/1987 – Nascentes dos rios São João e Macaé PES Indireto Estadual –

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro (75 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Paraíso ESEC Indireto Estadual 12/03/1987 4.920 Pedra Branca Pedra dos Amarilis PES RPPN Indireto Indireto Estadual Privada 28/06/1974 02/02/1993 12.500 40 Piraí ESEC Indireto Federal 08/03/1983 4.000 Poço das Antas REBIO Indireto Federal 03/11/1975 5.000 Praia do Sul REBIO Indireto Estadual 02/12/1981 3.600 Querência RPPN Indireto Privada 01/02/1999 6 Região Serrana de Petrópolis APA Direto Estadual 13/09/1982 59.049 Reserva Ceflusme (Centro Eclético Fluente Luz Un.) RPPN Indireto Privada 05/06/1992 3 Reserva Ecológica Rio das Pedras RPPN Indireto Privada 13/03/1996 – Restinga de Jurubatiba PARNA Indireto Federal 29/04/1998 14.860 Santuário da Vida Silvestre da Forquilha RPPN Indireto Privada 82 Serra Cachoeiras do Macacu APA Direto Estadual 16/10/1987 – Serra da Tiririca PES Indireto Estadual 29/11/1991 – Serra de Madureira APA Direto Estadual 25/01/1975 – Serra de Sapiatiba APA Direto Estadual 20/07/1990 6.000 Serra dos Órgãos Sítio Angaba e Sítio Poranga PARNA RPPN Indireto Indireto Federal Privada 30/11/1939 07/04/1992 11.800 63 Sítio Fim da Picada RPPN Indireto Privada 24/02/1997 21 Sítio Granja São Jorge RPPN Indireto Privada 15/10/1999 3 Sítio Santa Fé RPPN Indireto Privada 29/11/1996 14 Sítio Santa Isabel RPPN Indireto Privada 23/01/1996 525 Tamoios ESEC Indireto Federal 23/01/1990 8.450 Tamoios APA Direto Estadual 05/12/1986 26.200 Tijuca PARNA Indireto Federal 23/02/1972 3.200 Tinguá REBIO Indireto Federal 23/05/1989 26.000 União REBIO Indireto Federal 22/04/1998 3.126As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemosa comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Norte (9 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Atol das Rocas REBIO Indireto Federal 05/06/1986 36.249 Bonfim/Guaraíra APA Direto Estadual 22/03/1999 – Cabuti PEC Direto Estadual 30/08/1989 – Dunas de Natal PES Indireto Estadual 22/11/1977 1.173 Fazenda Salobro RPPN Indireto Privada 20/05/1994 756 Florêncio Luciano PES Indireto Estadual 10/08/1988 – Genipabu APA Direto Estadual 17/05/1995 – Piquiri-Una APA Direto Estadual 06/06/1990 – Seridó ESEC Indireto Federal 31/05/1982 1.166As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Sul (38 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Aracuri-Esmeralda ESEC Indireto Federal 07/03/1977 272 Bento Gonçalves da Silva PES Indireto Estadual 12/03/1975 350 Bosque de Canela RPPN Indireto Privada 21/08/1998 – Camaquã PES Indireto Estadual 12/03/1975 7.993 Canela FLONA Direto Federal 25/10/1968 517 Caracol PES Indireto Estadual 01/08/1973 100 Delta do Jacui PES Indireto Estadual 16/01/1979 17.245 Espigão Alto PES Indireto Estadual 10/03/1949 1.319 Espinilho PES Indireto Estadual 12/03/1975 300 Estância Santa Rita RPPN Indireto Privada 21/12/1998 340 Fazenda Espora de Ouro RPPN Indireto Privada 08/02/1999 29 Fazenda Rodeio Bonito RPPN Indireto Privada 07/02/1992 2.761 Guarita PEC Direto Estadual 11/08/1965 350 Horto FZB/RS REBIO Indireto Estadual – Ibicui Mirim REBIO Indireto Estadual 12/11/1982 – Ibirapuitã APA Direto Federal 20/05/1992 318.000 Ibitiria PES Indireto Estadual 12/03/1975 415 Ilha dos Lobos RESEC Indireto Federal 04/07/1983 2 Irai PAF Direto Estadual 20/06/1979 362 Itapuã PES Indireto Estadual 1.535 Lagoa do Peixe PARNA Indireto Federal 06/11/1986 34.400 Mal. Manuel Luiz Osório PAHI Direto Estadual – Mato Dentro REBIO Indireto Estadual 12/03/1975 – Mato Grande REBIO Indireto Estadual 12/03/1975 – Nonoai PES Indireto Estadual 10/03/1949 17.498 Passo Fundo FLONA Direto Federal 25/10/1968 1.321 Podocarpus PES Indireto Estadual 12/03/1975 364 Reserva Particular Schuster RPPN Indireto Privada 04/02/1992 4 Rondinha PAF Direto Estadual 22/04/1982 1.000 São Donato REBIO Indireto Estadual 12/03/1975 – São Francisco de Paula FLONA Direto Federal 25/10/1968 1.607 Scharlau REBIO Indireto Estadual 12/03/1975 50 Serra Geral REBIO Indireto Estadual 27/07/1982 1.700 Sítio Porto da Capela RPPN Indireto Privada 10/01/1996 14 Taim ESEC Indireto Federal 33.995 Tainhas PES Indireto Estadual 12/03/1975 4.924 Torres PES Indireto Estadual – Turvo PES Indireto Estadual 11/03/1947 17.491As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Santa Catarina (45 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Aguai REBIO Indireto Estadual 01/07/1983 767 Anhatomirim APA Direto Federal 20/05/1992 3.000 Babitonga ESEC Indireto Federal – Barra do Rio do Meio RPPN Indireto Privada 23/02/1999 10 Buttner PAF Direto Estadual 467 Caçador FLONA Direto Federal 25/10/1968 850 Caçador ESEX Direto Estadual – Canasvieiras HORTO Indireto Estadual 170 Canela Preta REBIO Indireto Estadual 20/06/1980 1.844 Carijós ESEC Indireto Federal 20/07/1987 712 Chapecó FLONA Direto Federal 25/10/1968 1.686 Escola Agrícola de Araquari RESEC Indireto Federal 270 Fazenda Bom Retiro APP Indireto Estadual 05/06/1980 453 Hernesto G. Hoffmann RPPN Indireto Privada – Ibirama (FLONA) FLONA Direto Federal 11/03/1988 570 Ilhas e Mangues HORTO Indireto Federal – Irineópolis REBIO Indireto Estadual 133 Joaçaba REF Direto Federal 302 Laguna HORTO Indireto Federal – Lanchares RPPN Indireto Privada – Marinha do Arvoredo REBIO Indireto Federal 12/05/1990 17.600 Marinha do Pirajubaé RESEX Direto Federal 20/05/1992 1.444 Morro do Bau PES Indireto Estadual 20/06/1980 600 Morro Spitzkopk RPPN Indireto Privada – Palmital RPPN Indireto Privada 05/06/1992 590 Parque Botânico do Morro do Bau PANA Direto Estadual – Parque Ecológico Artex RPPN Indireto Privada 30/12/1992 5.296 Parque Florestal Companhia Hering PANA Direto Estadual – Pinheiral de São José do Cerrito RESEC Indireto Estadual 278 Refúgio PAF Direto Estadual 220 Reserva Bugerkopf RPPN Indireto Privada 30/12/1992 82 Reserva da R.F.F. REF Direto Federal 1.000 Reserva do Caraguatá I e II RPPN Indireto Privada 03/05/1990 2.435 Reserva Volta Velha RPPN Indireto Privada 05/06/1992 – Rio do Castro PAROD Direto Estadual – Rio Turvo RPPN Indireto Privada – Rio Vermelho PES Indireto Estadual 21/09/1962 1.100 São Joaquim PARNA Indireto Federal 06/07/1961 49.300 Sassafrás REBIO Indireto Estadual 04/02/1977 3.488 Serra da Abelha ARIE Indireto Federal 28/05/1996 4.604 Serra do Tabuleiro PES Indireto Estadual 01/11/1975 90.000 Serra Dona Francisca APA Direto Municipal 15/03/1997 – Serra Furada PES Indireto Estadual 20/06/1980 1.329 Três Barras FLONA Direto Federal 25/10/1968 4.458 Usina Hidroelétrica de Bracinho e Pirai ESEC Indireto Estadual 16/07/1984 4.606As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Sergipe (4 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Fazenda Castro RPPN Indireto Privada 14/08/1989 700 Fonte da Bica Itabaiana RPPN ESEC Indireto Indireto Privada Federal 13/09/1999 20/07/1987 13 289 Santa Isabel REBIO Indireto Federal 02/04/1986 2.766As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de São Paulo (132 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Águas da Prata REF Direto Estadual 04/08/1952 48 Alberto Lofgren PES Indireto Estadual 26/10/1970 – Alta Sorocabana REF Direto Estadual 08/05/1957 – Andradina REBIO Indireto Estadual 17/12/1969 – Angatuba ESEC Indireto Estadual 13/08/1985 1.394 Ara PES Indireto Estadual 04/06/1969 – Áreas entre Ruas Coroa e 12 de Setembro APA Direto Estadual 28/11/1988 – Assis ESEC Indireto Estadual 21/09/1992 1.312 Avaré I FES Direto Estadual 01/08/1945 95 Avaré II FES Direto Estadual 28/11/1958 484 Bairro da Usina APA Direto Estadual 04/09/1986 – Bananal ESEC Indireto Estadual 03/04/1964 884 Bauru ESEC Indireto Estadual 06/05/1961 288 Botucatu FES Direto Estadual 04/05/1966 34 Buriti de Vassununga ARIE Indireto Federal 06/06/1990 149 Cabreúva Caetetus APA ESEC Direto Indireto Estadual Estadual 22/05/1984 09/08/1976 26.100 2.178 Cajamar APA Direto Estadual 04/06/1984 13.400 Cajuru FES Direto Estadual 06/11/1962 1.910 Campina do Encantado PES Indireto Estadual 16/08/1994 2.359 Campos do Jordão APA Direto Estadual 03/06/1983 26.900 Campos do Jordão PES Indireto Estadual 27/05/1941 8.172 Cananéia – Iguape – Peruíbe APA Direto Federal 23/10/1984 202.832 Cantareira RESES Indireto Estadual – Capão Bonito FLONA Direto Federal 25/10/1968 4.347 Carlos Botelho PES Indireto Estadual 29/10/1941 37.644 CEBIMAR ASPE Indireto Estadual 02/10/1987 – Centro Latino Americano de Aquicultura ESEX Direto Federal – Cerrado Pé de Gigante ARIE Indireto Federal 06/06/1990 1.060 Chácara da Baronesa ASPE Indireto Estadual 05/03/1987 34 Chauás ESEC Indireto Estadual 26/09/1978 2.700 Corumbatai RESEC Indireto Estadual – Corumbatai, Botucatu e Tejupá APA Direto Estadual 08/06/1983 642.600 Costão da Boissucanga ASPE Indireto Estadual 11/02/1987 – Costão do Navio ASPE Indireto Estadual 10/02/1987 – Estação Experimental de Pindorama REBIO Indireto Estadual 06/01/1986 – Fazenda Experimental de Sertãozinho REBIO Indireto Estadual 17/04/1985 – Fazenda San Michele RPPN Indireto Privada 13/07/1998 85 Fazenda Santa Genebra REF Direto Estadual – Fazenda São Carlos RPPN Indireto Privada 17 Fazenda Voturuna II RPPN Indireto Privada 14/11/1994 124 Fazenda Voturuna V RPPN Indireto Privada 21/10/1994 64 Fontes do Ipiranga PES Indireto Estadual 12/08/1969 549 Furnas do Bom Jesus PES Indireto Estadual 12/10/1989 1.404 Granja Icarai RPPN Indireto Privada 24/05/1990 – Guarapiranga PEC Direto Estadual 20/09/1989 330 Haras São Bernardo APA Direto Estadual 10/07/1987 34

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de São Paulo (132 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Ibicatu ESEC Indireto Estadual 29/07/1958 76 Ibitinga Ilha Anchieta APA PES Direto Indireto Estadual Estadual 20/01/1987 29/03/1977 69.600 1.000 Ilha Comprida APA Direto Estadual 11/03/1987 20.000 Ilha Comprida (ARIE) ARIE Indireto Estadual 11/03/1987 – Ilha do Ameixal ARIE Indireto Federal 05/11/1985 400 Ilha do Cardoso PES Indireto Estadual 07/07/1962 22.500 Ilha Queimada Pequena e Ilha Queimada Grande ARIE Indireto Federal 05/11/1985 33 Ilhabela PES Indireto Estadual 27/11/1958 27.025 Intervales PES Indireto Estadual 08/06/1995 46.086 Ipanema FLONA Direto Federal 20/05/1992 5.180 Itaberá ESEC Indireto Estadual 11/10/1957 180 Itapeti ESEC Indireto Estadual 29/04/1952 89 Itapeva ESEC Indireto Estadual 13/08/1985 106 Itariru FES Direto Estadual 28/01/1963 – Itatinga ASPE Indireto Estadual 19/11/1986 635 Itirapina ESEC Indireto Estadual 07/06/1984 2.300 Jacupiranga PES Indireto Estadual 08/08/1969 150.000 Jaraguá PES Indireto Estadual 30/12/1939 489 Jataí “Conde Joaquim Augusto Ribeiro do Valle” ESEC Indireto Estadual 15/06/1982 4.532 Jundiaí APA Direto Estadual 12/06/1984 43.200 Juquery PES Indireto Estadual 05/06/1993 1.927 Juréia ASPE Indireto Estadual 11/07/1986 – Juréia-Itatins ESEC Indireto Estadual 20/01/1986 79.270 Jurupara PES Indireto Estadual 30/08/1978 23.900 Lagoa São Paulo REF Direto Estadual 06/11/1949 13.343 Mananciais de Campos do Jordão PES Indireto Estadual 27/09/1993 502 Manduri FES Direto Estadual 06/11/1962 220 Marinho da Laje de Santos Mata do Iguatemi PES APA Indireto Direto Estadual Estadual 27/09/1993 02/04/1993 5.000 – Matão de Cosmópolis ARIE Indireto Federal 09/01/1985 173 Mogi-Guassu REBIO Indireto Estadual 07/01/1942 5 Moji-Guaçu ESEC Indireto Estadual 07/06/1984 981 Monsenhor Emilio José Salim PEC Direto Estadual 08/06/1987 89 Morro de São Bento APA Direto Estadual 27/05/1987 2 Morro do Curussu Mirim RPPN Indireto Privada 15/10/1999 23 Morro do Diabo PES Indireto Estadual 04/06/1986 33.845 Morro do Espial PAF Direto Municipal – Morro Grande REF Direto Estadual 04/04/1979 10.700 Nascentes do Tietê PES Indireto Estadual 11/11/1988 – Noroeste Paulista Paranapanema ESEC ESEC Indireto Indireto Estadual Estadual 05/06/1993 27/09/1993 268 635 Paranapanema FES Direto Estadual 06/11/1982 – Parque e Fazenda do Carmo APA Direto Estadual 05/04/1989 – Paulo de Faria ESEC Indireto Estadual 23/09/1981 436 Pedra Branca ARIE Indireto Estadual 06/02/1987 635 Piraju FES Direto Estadual 09/03/1945 847 Porto Ferreira PES Indireto Estadual 06/11/1962 611

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de São Paulo (132 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Propriedades do Estado de SP APP Indireto Federal 04/10/1985 – Reserva Particular da Carbocloro Ribeirão Preto RPPN ESEC Indireto Indireto Privada Estadual 30/12/1992 13/09/1984 1 154 Rios Piracicaba e Juqueri-Mirim APA Direto Estadual 11/03/1987 390.000 Roseira Velha ASPE Indireto Federal 06/03/1987 84 Salesópolis e Outros APA Direto Estadual 06/02/1987 6.500 Santa Bárbara ESEC Indireto Estadual 07/06/1984 4.371 Santa Bárbara do Rio Pardo FES Direto Estadual 30/12/1964 4.372 Santa Genebra ARIE Indireto Federal 05/11/1985 252 Santa Maria ESEC Indireto Estadual 13/08/1985 113 Santo Antônio do Pinhal APA Direto Estadual 08/06/1983 – São Carlos ESEC Indireto Estadual 25/08/1961 75 São José dos Campos APA Direto Estadual – Sapucaí-Mirim Serra de Paranapiacaba APA REBIO Direto Indireto Estadual Estadual 09/11/1938 – 8.192 Serra do Mar PES Indireto Estadual 30/08/1977 315.000 Serra do Mar APA Direto Estadual 21/07/1984 400.000 Serra dos Itatins REF Direto Estadual – Silveiras APA Direto Estadual 03/06/1983 42.700 Sistema Cantareira APA Direto Estadual 04/12/1998 – Sítio Curucutu RPPN Indireto Privada 20/12/1995 11 Sítio do Cantaneiro RPPN Indireto Privada 26/10/1994 9 Sítio Laranjal RPPN Indireto Privada 12/09/1996 42 Sítio Pithon RPPN Indireto Privada 24/02/1997 26 Sítio Ryan RPPN Indireto Pri vada 19 Sítio Sibiuna Tietê RPPN APA Indireto Direto Privada Estadual 22/08/1995 08/06/1983 50 45.100 Tietê PEC Direto Estadual 30/04/1976 1.400 Tupinambás ESEC Indireto Federal 20/07/1987 28 Tupiniquins ESEC Indireto Federal 21/07/1986 43 Turístico da Cantareira PES Indireto Estadual 24/09/1968 5.647 Turístico do Alto Ribeira PES Indireto Estadual 19/05/1958 35.712 Vale do Paraíba APP Indireto Estadual 06/05/1968 – Valinhos ESEC Indireto Estadual 28/01/1966 17 Vassununga PES Indireto Estadual 26/10/1970 1.484 Xitué ESEC Indireto Estadual 27/11/1956 3.095 Xixova-Japui PES Indireto Estadual 27/09/1993 901As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentaise não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica em mais de um estado (13 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Chapada do Araripe (PE, PI e CE) APA Direto Federal 04/08/1997 Araripe-Apodi (CE, PE,PI e RN) Serra Geral (RS,SC) FLONA PARNA Direto Indireto Federal Federal 02/05/1946 20/05/1992 38.262 18.000 Mananciais do Vale do Paraíba do Sul (MG, RJ e SP) APA Direto Federal 04/02/1971 367.000 Serra da Bocaina (RJ, SP) PARNA Indireto Federal 04/02/1971 100.000 Pedra Talhada (AL e PE) REBIO Indireto Federal 13/12/1989 4.469 Aparados da Serra (RS e SC) PARNA Indireto Federal 01/01/1957 10.250 Serra da Mantiqueira (MG, RJ e SP) APA Direto Federal 13/09/1982 402.517 Caparaó (ES e MG) PARNA Indireto Federal 24/05/1961 26.000 Serra da Ibiapaba (CE e PI) APA Direto Federal 26/11/1996 1.592.550 Ilha Grande (MS e PR) PARNA Indireto Federal 30/09/1997 78.875 Ilhas e Várzeas do Rio Paraná (MS e PR) APA Direto Federal 30/09/1997 1.003.059 Itatiaia (MG e RJ) PARNA Indireto Federal 14/06/1937 30.000 As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Relação das terras indígenas inseridas no Domínio da Mata Atlântica

Terras Indígenas no Domínio da Mata Atlântica UF AL BA CE ES MG MS PB PE PI PR RJ RN RS SC SE SP Total Situação jurídica Total por UF A identificar Em identificação Identificada/ aprovada Declarada/ delimitada Homologada e/ou registrada reservada – – – 1 2 – 3 2 1 – – 9 2 14 – – – – – – – – – – – 3 – 3 – – – 1 4 1 6 – – – 2 15 5 22 – – – – 2 – 2 – – – – 0 – – – – – – 0 – – – – – – 15 1 16 – – – – 3 – 3 – – – – 0 – – – 3 2 4 11 1 21 1 2 3 1 4 11 – – – – – – – – – – 1 12 – 13 3 6 5 10 80 10 114

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Alagoas Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Tingui-Botó Tingui Boto Feira Grande Dominial indígena/ 122 registrada 180 Funai: 91 Wassu-Cocal Wassu Joaquim Gomes Homologada/ 2758 registrada 1220 Funai: 94 Karapotó Karapoto São Sebastião Declarada 1810 1050 Funai: 94Fonte: Instituto Socioam biental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado da Bahia Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Barra Atikum; Kiriri Barra Adquirida 37 Demarcada 32 Funai: 93 Fazenda Bahiana Pataxo Ha Há Hae Camamu Homologada. 304 216 Funai: 90 Ibotirama Tuxa Ibotirama Homologada. 2019 479 Funai:92 Trevo do Parque Pataxó Tamaraju A identificar. Funai:89 Paraguassu/Car amuru Pataxo Ha Ha Hae Pau Brasil, Itaju do Colônia, Camaca Reservada/SPI 36000 1449 Funai: 94 Imbiriba Pataxó Porto Seguro Registrada. 398 120 Funai:90 Barra Velha Pataxó Porto Seguro Homologada/ 8627 Registrada 1082 Funai:84 Corumbauzinho Pataxó Prado Interditada. 1145 Águas Belas Pataxó Prado Homologada. 1189 235 Funai: 95 Vargem Alegre Pankaru Serra Ramalho Homologada/ 981 Registrada 74 Anai/Ba:92 Mata Medonha Pataxó Sta Cruz Cabralia Homologada/ 549 Registrada 255 Funai:91 Coroa Vermelha Pataxó Sta Cruz Cabralia Homologada. 1493 693 Funai: 95 Coroa Vermelha Pataxó Sta Cruz Cabralia Homologada. 1493 693 Funai: 95 Olivença Geren Ilhéus A identificar 528 Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Espírito Santo Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Comboios Tupiniquim Aracruz Homologada. 2983 287 Funai: 97 Pau-Brasil Tupiniquim Aracruz Homologada. 1579 229 Funai: 97 Caieiras Velha Tupiniquim Aracruz Homologada. 2997 870 Funai: 97Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Minas Gerais Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Maxacali Maxakali Bertópolis Homologada/ 5305 Registrada 802 Funasa: 97 Fazenda Guarani

Xakriabá Krenak; Pataxó Xakriaba Carmesia, Dores de Guanhães, Senhora do Porto Itacarambi Homologada/ 3270 Registrada

Homologada/ 46415 Registrada 194 5093 Funasa: 97

Funasa: 97 Krenak Krenak Resplendor Reservada/SPI/ 3983 Registrada 115 Funasa: 97 Riachão Xakriaba Rio Pardo Dominial indígena/ 9709 Registrada 3 Funai:89 Xakriabá Rancharia Xakriaba São João das Missões Declarada em 6660 demarcação 528 Funai: 96Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Mato Grosso do Sul Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Jaguari Guarani Guarani Nandeva Amambaí Homologada/ 405 Registrada 140 CIMI: 93 Amambai Guarani Guarani Nandeva Amambaí Homologada/ 2429 Registrada 4544 CIMI: 93 Aldeia Limão Verde Guarani Kaiowa Amambaí Reservada/SPI/ 660 Registrada 390 CIMI: 93 Taquaperi Guarani Kaiowa Amambaí Reservada/SPI/ 1886 Registrada 1886 CIMI: 93 Guasuti Guarani Kaiowa Aral Moreira Homologada/ 930 Registrada. 155 CIMI: 93 Caarapó Guarani Kaiowa Guarani Nandeva Caarapó Homologada/ 3594 Registrada 2346 CIMI: 93 Sete Cerros Guarani Guarani Nandeva Cel. Sapucaia Homologada 8584 230 CIMI: 93 Panambizinho Guarani Kaiowa Douradina Declarada em 1240 demarcação 241 Funai: 95 Panambi Guarani Kaiowa Dourados Reservada/SPI 2037 470 CIMI: 93 Dourados Guarani Guarani Terena Dourados Reservada/SPI/ 3475 Registrada 8987 CIMI: 93 Cerrito Guarani Guarani Nandeva Eldorado Homologada/ 2040 Registrada 180 CIMI: 93 Jarara Guarani Guarani Nandeva Juti Homologada 479 250 CIMI: 93 Maracaju/Sucuri Guarani Kaiowa Maracajú Homologada. 535 42 Funai: 95 Porto Lindo Guarani Nandeva Mundo Novo Homologada/ 1649 Registrada 1600 CIMI 93 Takuaraty/Yvyku arusu Guarani Kaiowa Paranhos Homologada 2609 293 CIMI: 93 Potrero Guaçu Guarani Nandeva Paranhos Declarada em 4025 demarcação 620 Funai: 98 Rancho Jacaré Guarani Kaiowa Ponta Porá Homologada/ 778 Registrada 257 CIMI: 93 Guaimbé Guarani Kaiowa Ponta Porá Homologada/ 717 Registrada 295 CIMI: 93

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Mato Grosso do Sul (continuação) Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Sassoró Guarani Guarani Nandeva Ponta Porá Reservada/SPI/ 1923 Registrada 1480 CIMI: 93 Kadiwéu Porto Murtinho

Pirajuí Sete Quedas Jaguapiré Chamacoco Guarani Nandeva Guarani Kaiowa Jaguapiré Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Dossiê Mata Atlântica 2001 Homologada/ 538536 Registrada 1592 Funai: 98

Homologada/ Registrada Homologada 2349 200

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado da Paraíba Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Potiguara Potiguara Baia da Traição, Rio Tinto Homologada/ 21238 Registrada 5928 Funai:89 Jacaré de São Domingos Potiguara Rio Tinto Homologada/ 5032 Registrada 192 Funai:90 Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado do Paraná Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Faxinal Kaingang Cândido de Abreu Homologada/ 2043 Registrada 183 Funai:89 Tekohá Añetete Guarani Nandeva Diamante d’Oeste Homologada 1774 160 Funai: 97 Marrecas Kaingang Guarapuava, Turvo, Prudentópolis Homologada/ 16839 Registrada 517 Funai: 93 Rio Areia Rio das Cobras Guarani M’Bya Kaingang Inácio Martins Laranjeiras do Sul, Quedas do Iguaçu Homologada/ 1352 Registrada Homologada/ 18682 Registrada 79 1596 Funai:95 Funai:89 Apucarana Kaingang Londrina Reservada/SPI/ 5574 Registrada 690 C.Helm 95 Mangueirinha Kaingang Mangueirinha Dominial indígena/ 16375 Registrada 1420 C.Helm 95 Tibagy Kaingang Ortigueira Homologada/ 859 Registrada 78 Funai:89 Queimadas Kaingang Ortigueira Homologada/ 3077 Registrada 365 Cecília Helm: 95 Ilha da Cotinga Guarani M’Bya Paranaguá Homologada/ 1701 Registrada 165 Funai: 98 Ivaí Guarani Nadeva Kaingang Pitanga Homologada/ 7306 Registrada 707 Funai:89 Barão de Antonina I Guarani Kaingang S. Jerônimo da Serra Homologada/ 3751 Registrada 460 Cecília Helm: 95 São Jerônimo da Serra Guarani Kaingang S. Jerônimo da Serra Homologada/ 1339 Registrada 380 Prof.Indige nas 98 Avá Guarani Guarani Nadeva S. Miguel do Iguaçú Dominial indígena/ 251 Registrada 215 Funai/Bsb 93 Laranjinha Guarani Kaingang Sta. Amélia Homologada/ 284 Registrada 207 Funai:89 Pinhalzinho Guarani Nadeva Tomazina Dominial indígena/ 593 registrada 80 Funai:89Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado do Rio de Janeiro Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Guarani do Bracuí Guarani M’Bya Angra dos Reis Homologada/ 2127 Registrada 208 Funai:94 Parati-Mirim Guarani M’Bya Parati Homologada/ 79 Registrada 120 Funai: 98 Guarani Araponga Guarani M’Bya Parati Homologada/ 213 Registrada 7 Funai: 94 Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado do Rio Grande do Sul Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Carreteiro Kaingang Água Santa Homologada/ 602 Registrada 167 Funai: 93 Guarani de Águas Brancas Guarani M’Bya Arambé Declarada 230 39 Funai: 94 Votouro Kaingang Benjamin Constant do Sul Homologada. 3041 1009 Funai: 93 Cacique Doble

Pacheca Guarani Kaingang Guarani M’Bya Cacique Doble Camaqua Homologada/ 4426 Registrada

Homologada 1852 569 10 Funai :93 Funai: 94 Borboleta Kaingang Espumoso Em identificacao. 0 400 Funai: 98 Monte Caseiro Kaingang Ibiraiaras, Moliterno Homologada 1112 70 Funai 94 Kaingang de Iraí Kaingang Iraí Homologada/ 280 Registrada 334 Funai: 93 Varzinha Guarani M’Bya Maquine, Caraã Identificada/ 795 Sujeita a contestação. 64 Funai: 99 Guarani Barra do Ouro Guarani M’Bya Maquine, Santo Antônio da Patrulha, Riozinho Declarada em 2285 demarcação 49 Funai: 93 Kaingang do Rio da Várzea Nonoai Kaingang

Guarani Kaingang Nonoai, Liberato Salzano Nonoai, Rodeio Bonito Declarada em 16100 demarcação Reservada/SPI 14910 439

2142 Funai: 99 Funai: 99 Capivari Guarani M’Bya Palmares do Sul Declarada. 40 15 Funai: 93 Guarani Votouro Guarani Nadeva São Valentim Homologada 717 56 Funai: 93 Salto Grande do Jacuí Guarani M’Bya Santo do Jacuí Homologada 234 19 Funai: 94 Inhacorá Kaingang Santo Augusto Homologada/ 2843 Registrada 622 Funai: 93 Ligeiro Kaingang Tapejara Homologada/ 4565 Registrada 1023 Funai: 93 Tapes Guarani M’Bya Tapes Em identificação. 0 50 Cimi:80 Guarita Guarani Kaingang Tem. Portela, Miraguai, Redentora Homologada/ 23406 Registrada 3760 Funai: 93 Serrinha Kaingang Três Palmeiras, Constantina, Ronda Alta, Engenho Velho Em revisão. 11950 440 Funai: 99 Cantagalo Guarani M’Bya Viamão Identificada/ 286 Sujeita a contestação. 159 Funai: 99Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Santa Catarina Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Toldo Imbu Kaingang Abelardo Luz Identificada/ 1965 Sujeita a contestação. 974 Funai: 99 Palmas Kaingang Abelardo Luz, Palmas Em revisão. 2944 542 Funai:89 Mbiguaçu Guarani Biguaçu Declarada 58 85 Funai: 98 Kaingang Chapecó Identificada/ 975 Sujeita a contestação. 350 Funai. 98 Toldo Chimbangue Kaingang Chapecó Homologada/ 988 Registrada 988 Funai: 94 Rio Araçá Guarani Nadeva Cunhaporá A identificar 0 0 Ibirama

Morro dos Cavalos Guarani Kaingang Guarani M’Bya Ibirama, Itaiópolis

Palhoca Identificada/ 37108 Sujeita a Em identificação. 0 1500

78 Funai: 98 Funai: 98 Rio dos Pardos Xokleing Porto União Homologada 758 34 Funai: 94 Pinhal Kaingang Seara Homologada 880 0 Funai: 91 Xapecó Kaingang Xanxerê, Marema Homologada/ 15623 Registrada 2614 Funai:89Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de São Paulo Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Araribá Guarani Terena Avaí Homologada/ 1930 Registrada 436 Funai: 98 Icatu Terena Brauna Homologada 301 104 Funai: 98 Rio Branco (do Itanhaém) Itariri (Serra do Itatins) Guarani do Aguapeú Guarani M’Bya

Guarani Nadeva Guarani M’Bya Itanhaem, São Paulo, São Vicente Itariri Mongaguá Homologada/ 2856 Registrada Homologada/ 1212 Registrada Homologada 4372 46

63 66 Funai: 98 Funai: 98 Funai: 98 Itaóca Guarani Nadeva Mongaguá Declarada em 533 demarcação 199 Funai: 98 Peruíbe Guarani Nadeva Paruíbe Homologada/ 480 Registrada 143 Funai: 98 Jaraguá Guarani M’Bya São Paulo Homologada/ 2 Registrada 51 Funai: 98 Barragem Guarani M’Bya São Paulo Homologada/ 26 Registrada 502 Funai: 98 Guarani do Krukutu Guarani M’Bya São Paulo Homologada/ 26 Registrada 82 Funai: 98 Guarani do Ribeirão Silveira Guarani M’Bya São Sebastião, Santos Homologada/ 948 Registrada 240 Funai: 94 Vanuire Krenak Tupã Homologada 709 181 Funai: 98 Boa Vista do Sertão do Pró- Mirim Guarani M’Bya Ubatuba Homologada/ 906 Registrada 53 Funai: 94Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Relação dos municípios inseridos no Domínio da Mata Atlântica Municípios inseridos no Domínio da Mata Atlântica UF

AL Faixas de porcentagem de área dos municípios inseridas no DMA (1) Total de municípios por UF 69 0,1 – 10,0%

4 10,1 – 30,0% 3 30,1 – 60,0% 2 60,1 – 90,0% 4 90,1 – 100,0% 56 BA 31 33 38 25 180 307 CE 16 13 9 4 4 46 ES 0 0 0 0 77 77 GO 7 3 4 5 3 22 MS 8 7 5 2 27 49 MG 31 26 43 39 566 705 PB 9 15 5 9 26 64 PR 0 0 5 4 390 399 PE 7 10 8 13 66 104 PI 7 8 11 4 2 32 RJ RN 0 4 0 4 0 3 1 4 90 12 91 27 RS 23 22 23 29 339 436 SC 0 0 0 0 293 293 SP 24 15 44 41 509 633 SE 3 6 9 13 23 54 Total 174 165 209 197 2663 3408(1) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000. Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99)

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Alagoas inseridos no Domínio da Mata Atlântica (69 Municípios) Município (1) Anadia Arapiraca Atalaia Barra de Santo Antônio Barra de São Miguel Belém Boca da Mata Branquinha Cajueiro Campestre Campo Alegre Campo Grande Capela Chã Preta Coité do Nóia Colônia Leopoldina Coqueiro Seco Coruripe Feira Grande Feliz Deserto Flexeiras Girau do Ponciano Ibateguara Igaci Igreja Nova Jacuípe Japaratinga Joaquim Gomes Jundiá Junqueiro Limoeiro de Anadia Maceió Mar Vermelho Maragogi Marechal Deodoro Maribondo Matriz de Camaragibe Messias Murici Novo Lino Olho d’Água Grande Palmeira dos Índios (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 19.017,86 19.017,86 90,1 – 100,0 36.748,32 11.144,02 30,1 – 60,0 53.402,69 53.402,69 90,1 – 100,0 13.847,86 13.812,50 90,1 – 100,0 7.689,82 4.836,63 7.684,03 4.836,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.735,84 18.735,84 90,1 – 100,0 19.141,96 19.141,96 90,1 – 100,0 12.485,09 12.485,09 90,1 – 100,0 5.535,42 5.535,42 90,1 – 100,0 29.632,69 16.702,81 29.632,69 12.180,12 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 20.639,55 20.639,55 90,1 – 100,0 20.210,95 20.210,95 90,1 – 100,0 8.880,85 8.119,37 90,1 – 100,0 29.534,43 29.534,43 90,1 – 100,0 4.038,80 97.225,18 4.038,80 88.643,11 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.675,46 6.089,76 30,1 – 60,0 9.198,13 9.195,64 90,1 – 100,0 31.706,87 31.706,87 90,1 – 100,0 50.433,67 29,32 0,1 – 10,0 25.548,82 33.504,75 25.548,82 304,35 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 42.968,26 12.610,68 10,1 – 30,0 22.000,50 22.000,50 90,1 – 100,0 8.587,81 8.573,11 90,1 – 100,0 24.223,55 24.223,55 90,1 – 100,0 11.987,79 22.182,60 11.987,79 22.182,60 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 33.583,35 33.583,35 90,1 – 100,0 51.281,90 51.182,31 90,1 – 100,0 9.193,34 9.193,34 90,1 – 100,0 33.490,85 33.469,73 90,1 – 100,0 36.336,57 17.189,13 36.318,47 17.189,13 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.902,21 32.902,21 90,1 – 100,0 11.335,38 11.335,38 90,1 – 100,0 42.594,92 42.594,92 90,1 – 100,0 18.669,73 18.669,73 90,1 – 100,0 11.908,60 46.290,97 2.914,69 3.387,32 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Alagoas inseridos no Domínio da Mata Atlântica (69 Municípios – continuação) Município (1) Paripueira Passo de Camaragibe Paulo Jacinto Penedo Piaçabuçu Pilar Pindoba Porto Calvo Porto de Pedras Porto Real do Colégio Quebrangulo Rio Largo Roteiro Santa Luzia do Norte Santana do Mundaú São José da Laje São Luís do Quitunde São Miguel dos Campos São Miguel dos Milagres São Sebastião Satuba Tanque d’Arca Taquarana Teotônio Vilela Traipu União dos Palmares Viçosa (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 9.319,18 9.306,46 90,1 – 100,0 18.790,52 18.755,75 90,1 – 100,0 10.827,94 10.765,42 90,1 – 100,0 69.097,93 48.898,78 60,1 – 90,0 24.322,35 22.152,86 21.012,32 22.152,86 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 8.357,64 8.357,64 90,1 – 100,0 26.136,83 26.136,83 90,1 – 100,0 26.721,74 26.712,32 90,1 – 100,0 23.693,22 6.430,12 10,1 – 30,0 32.100,37 31.081,25 20.275,56 31.081,25 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 12.975,28 12.972,90 90,1 – 100,0 2.866,62 2.866,62 90,1 – 100,0 22.642,33 22.642,33 90,1 – 100,0 27.394,95 27.394,95 90,1 – 100,0 40.593,69 65.996,09 40.593,69 65.978,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.570,89 6.558,31 90,1 – 100,0 30.701,85 30.701,85 90,1 – 100,0 4.268,67 4.268,67 90,1 – 100,0 15.670,22 15.670,22 90,1 – 100,0 16.714,04 29.886,70 16.390,02 28.174,60 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 70.164,44 682,30 0,1 – 10,0 42.937,74 42.937,74 90,1 – 100,0 35.651,01 35.651,01 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios) Município (1) Abaíra Acajutiba Água Fria Aiquara Alagoinhas Alcobaça Almadina Amargosa Amélia Rodrigues Anagé Andaraí Angical Anguera Antônio Cardoso Aporá Apuarema Araçás Aramari Arataca Aratuípe Aurelino Leal Baianópolis Baixa Grande Barra Barra da Estiva Barra do Choça Barra do Rocha Barreiras Barro Preto Belmonte Belo Campo Biritinga Boa Nova Boa Vista do Tupim Bom Jesus da Lapa Bom Jesus da Serra Bonito Boquira Botuporã Brejões Brejolândia Buerarema (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 58.110,70 20.646,64 30,1 – 60,0 26.860,07 3.672,74 10,1 – 30,0 71.003,09 11.218,26 10,1 – 30,0 19.590,42 19.590,42 90,1 – 100,0 73.670,79 63.299,21 60,1 – 90,0 147.992,71 147.980,82 90,1 – 100,0 24.778,74 24.778,74 90,1 – 100,0 43.755,11 43.755,11 90,1 – 100,0 15.318,62 12.189,42 60,1 – 90,0 185.997,64 62.541,17 30,1 – 60,0 190.228,47 190.228,47 90,1 – 100,0 149.786,56 100.641,48 60,1 – 90,0 17.083,06 17.083,06 90,1 – 100,0 29.511,00 27.371,46 90,1 – 100,0 60.088,58 34.752,45 30,1 – 60,0 15.122,66 15.122,66 90,1 – 100,0 42.155,96 42.155,96 90,1 – 100,0 33.289,30 19.469,46 30,1 – 60,0 39.750,31 39.750,31 90,1 – 100,0 17.766,10 1.7766,1 90,1 – 100,0 44.816,16 44.816,16 90,1 – 100,0 342.910,56 77.611,06 10,1 – 30,0 98.598,98 4.4082,9 30,1 – 60,0 1.234.767,76 726.664,25 30,1 – 60,0 140.797,97 21.507,81 10,1 – 30,0 78.135,03 78.135,03 90,1 – 100,0 19.326,48 19.326,48 90,1 – 100,0 1.197.970,22 41.510,56 0,1 – 10,0 12.099,63 12.099,63 90,1 – 100,0 201.696,83 201.664,22 90,1 – 100,0 61.049,91 43.547,37 60,1 – 90,0 59.468,10 9.773,71 10,1 – 30,0 86.007,23 76.646,78 60,1 – 90,0 263.966,72 74.098,35 10,1 – 30,0 414.942,75 15.7800,1 30,1 – 60,0 41.167,34 6.954,47 10,1 – 30,0 53.928,56 53.928,56 90,1 – 100,0 156.986,54 229,8 0,1 – 10,0 55.444,12 26.485,19 30,1 – 60,0 48.299,40 43.635,24 90,1 – 100,0 262.577,21 261.470,11 90,1 – 100,0 21.003,56 21.003,56 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Buritirama Caatiba Cabaceiras do Paraguaçu Cachoeira Caculé Caém Caetanos Caetité Cafarnaum Cairu Caldeirão Grande Camacan Camaçari Camamu Canápolis Canavieiras Candeal Candeias Cândido Sales Caravelas Cardeal da Silva Carinhanha Castro Alves Catolândia Catu Caturama Coaraci Cocos Conceição da Feira Conceição do Almeida Conceição do Jacuípe Conde Condeúba Coração de Maria Cordeiros Coribe Correntina Cotegipe Cravolândia Cristópolis Cruz das Almas Dário Meira (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5 .000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 381.308,91 357.855,58 90,1 – 100,0 65.800,46 65.800,46 90,1 – 100,0 21.427,46 21.427,46 90,1 – 100,0 40.053,62 40.053,62 90,1 – 100,0 68.837,67 2.830,86 0,1 – 10,0 49.958,20 19.656,87 30,1 – 60,0 85.957,34 1.238,53 0,1 – 10,0 236.547,90 154.834,84 60,1 – 90,0 107.556,22 32.395,19 30,1 – 60,0 45.260,31 45.085,76 90,1 – 100,0 49.793,65 10.860,52 10,1 – 30,0 63.535,91 63.535,91 90,1 – 100,0 76.261,34 76.210,89 90,1 – 100,0 88.854,14 88.854,14 90,1 – 100,0 46.620,96 35.736,09 60,1 – 90,0 138.027,99 137.987,26 90,1 – 100,0 45.621,60 12.378,05 10,1 – 30,0 26.573,38 26.573,38 90,1 – 100,0 130.576,01 130.576,01 90,1 – 100,0 239.954,82 239.939,53 90,1 – 100,0 19.566,82 19.566,82 90,1 – 100,0 276.306,21 254.124,56 90,1 – 100,0 76.730,26 76.730,26 90,1 – 100,0 62.325,43 8726,9 10,1 – 30,0 52.009,17 52.009,17 90,1 – 100,0 64.865,58 120,01 0,1 – 10,0 29.794,21 29.794,21 90,1 – 100,0 1.012.131,63 70.910,32 0,1 – 10,0 15.976,22 15.976,22 90,1 – 100,0 29.099,98 29.099,98 90,1 – 100,0 14.511,47 14.511,47 90,1 – 100,0 95.393,26 67.137,06 60,1 – 90,0 124.122,49 143,57 0,1 – 10,0 35.856,40 15.542,89 30,1 – 60,0 55.617,64 20,91 0,1 – 10,0 268.838,03 200.847,19 60,1 – 90,0 1.163.747,76 71240 0,1 – 10,0 416.155,04 290.350,56 60,1 – 90,0 16.033,46 16.033,46 90,1 – 100,0 88.439,02 1.0668,4 10,1 – 30,0 17.388,65 17.388,65 90,1 – 100,0 40.182,86 40.182,86 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Dias d’Ávila Dom Basílio Dom Macedo Costa Elísio Medrado Encruzilhada Entre Rios Érico Cardoso Esplanada Eunápolis Feira da Mata Feira de Santana Firmino Alves Floresta Azul Gandu Gentio do Ouro Gongogi Governador Mangabeira Guanambi Guaratinga Ibiassucê Ibicaraí Ibicoara Ibicuí Ibipeba Ibiquera Ibirapitanga Ibirapuã Ibirataia Ibotirama Igaporã Igrapiúna Iguaí Ilhéus Inhambupe Ipecaetá Ipiaú Ipupiara Irajuba Iramaia Iraquara Irará Itabela (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 20.841,69 20.841,69 90,1 – 100,0 65.528,90 32.781,95 30,1 – 60,0 9.154,80 9154,8 90,1 – 100,0 20.028,05 20.028,05 90,1 – 100,0 204.828,18 204.828,18 90,1 – 100,0 116.931,43 116.910,21 90,1 – 100,0 70.403,34 41.080,84 30,1 – 60,0 140.877,53 134.306,89 90,1 – 100,0 119.728,58 119.728,58 90,1 – 100,0 166.066,93 166.066,93 90,1 – 100,0 133.827,67 93.682,94 60,1 – 90,0 15.996,01 15.996,01 90,1 – 100,0 35.291,14 35.291,14 90,1 – 100,0 22.955,97 22.955,97 90,1 – 100,0 368.571,84 116.351,36 30,1 – 60,0 19.917,61 19.917,61 90,1 – 100,0 9.467,11 9.467,11 90,1 – 100,0 126.447,45 30.114,74 10,1 – 30,0 233.454,48 233.454,48 90,1 – 100,0 38.352,22 1.833,44 0,1 – 10,0 21.865,43 21.865,43 90,1 – 100,0 98.009,28 6.4971,3 60,1 – 90,0 116.775,37 116.775,37 90,1 – 100,0 110.401,73 1.026,93 0,1 – 10,0 101.466,07 96.243,73 90,1 – 100,0 47.260,77 47.260,77 90,1 – 100,0 78.858,62 78.858,62 90,1 – 100,0 22.678,54 22.678,54 90,1 – 100,0 139.589,49 4.7669,6 30,1 – 60,0 79.191,51 24.291,41 30,1 – 60,0 50.966,20 5.0966,2 90,1 – 100,0 83.627,08 83.627,08 90,1 – 100,0 184.799,32 184.645,94 90,1 – 100,0 125.028,99 21.348,22 10,1 – 30,0 39.548,17 16.548,98 30,1 – 60,0 28.769,23 28.769,23 90,1 – 100,0 133.515,74 681,49 0,1 – 10,0 38.478,57 36.921,02 90,1 – 100,0 195.572,89 30.434,68 10,1 – 30,0 80.349,91 17.946,77 10,1 – 30,0 27.173,99 19.008,46 60,1 – 90,0 85.705,58 85.705,58 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Itaberaba Itabuna Itacaré Itaeté Itagi Itagibá Itagimirim Itaguaçu da Bahia Itaju do Colônia Itajuípe Itamaraju Itamari Itambé Itanagra Itanhém Itaparica Itapé Itapebi Itapetinga Itapitanga Itaquara Itarantim Itatim Itiruçu Itororó Ituberá Iuiú Jaborandi Jacaraci Jacobina Jaguaquara Jaguaripe Jandaíra Jequié Jiquiriça Jitaúna Jucuruçu Jussari Jussiape Lafaiete Coutinho Lagoa Real Laje (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 236.628,70 23.939,57 10,1 – 30,0 44.484,09 44.484,09 90,1 – 100,0 73.298,67 7.3267,4 90,1 – 100,0 119.880,66 61.762,99 30,1 – 60,0 30.454,41 30.454,41 90,1 – 100,0 81.332,03 81.332,03 90,1 – 100,0 82.011,53 82.011,53 90,1 – 100,0 458.802,41 9.865,66 0,1 – 10,0 122.224,48 122.224,48 90,1 – 100,0 29.696,37 29.696,37 90,1 – 100,0 237.787,71 237.787,71 90,1 – 100,0 13.201,69 13.201,69 90,1 – 100,0 163.132,06 163.132,06 90,1 – 100,0 45.416,47 45.416,47 90,1 – 100,0 145.014,64 145.014,64 90,1 – 100,0 4.755,20 4.755,20 90,1 – 100,0 44.471,95 44.471,95 90,1 – 100,0 97.533,00 97.533,00 90,1 – 100,0 161.554,84 161.554,84 90,1 – 100,0 41.168,44 41.168,44 90,1 – 100,0 29.780,50 2.9780,5 90,1 – 100,0 178.989,90 17.8989,9 90,1 – 100,0 57.653,22 719,67 0,1 – 10,0 30.391,51 30.391,51 90,1 – 100,0 33.204,06 33.204,06 90,1 – 100,0 42.431,82 42.346,12 90,1 – 100,0 109.904,36 109.904,36 90,1 – 100,0 1.006.592,09 56.939,26 0,1 – 10,0 124.624,47 476,1 0,1 – 10,0 232.878,15 103.223,18 30,1 – 60,0 96.421,08 96.421,08 90,1 – 100,0 89.479,21 89.456,31 90,1 – 100,0 64.686,43 64.649,97 90,1 – 100,0 304.676,56 157.621,04 30,1 – 60,0 23.703,53 23.703,53 90,1 – 100,0 33.403,58 33.403,58 90,1 – 100,0 144.298,34 144.298,34 90,1 – 100,0 35.789,51 35.789,51 90,1 – 100,0 52.540,88 5.956,32 10,1 – 30,0 35.402,30 1.9723,6 30,1 – 60,0 100.367,60 26.695,08 10,1 – 30,0 49.945,14 49.945,14 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Lajedão Lajedinho Lajedo do Tabocal Lamarão Lauro de Freitas Lençóis Licínio de Almeida Livramento do Brumado Macajuba Macarani Macaúbas Madre de Deus Maiquinique Mairi Malhada Manoel Vitorino Mansidão Maracás Maragogipe Maraú Mascote Mata de São João Matina Medeiros Neto Miguel Calmon Milagres Mirangaba Morpará Morro do Chapéu Mortugaba Mucugê Mucuri Mulungu do Morro Mundo Novo Muniz Ferreira Muquém de São Francisco Muritiba Mutuípe Nazaré Nilo Peçanha Nova Canaã Nova Ibiá (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a parti r da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 61.581,56 61.581,56 90,1 – 100,0 81.015,57 81.015,57 90,1 – 100,0 42.539,01 41.012,94 90,1 – 100,0 28.290,39 7.240,50 10,1 – 30,0 5.991,17 5.986,13 90,1 – 100,0 124.487,44 124.487,44 90,1 – 100,0 78.847,86 0,02 0,1 – 10,0 227.554,20 126.316,79 30,1 – 60,0 70.995,95 23.651,67 30,1 – 60,0 137.678,86 137.678,86 90,1 – 100,0 305.103,29 68.047,78 10,1 – 30,0 1.115,68 1.115,68 90,1 – 100,0 41.520,09 41.520,09 90,1 – 100,0 90.917,92 21.070,29 10,1 – 30,0 197.368,94 192.314,88 90,1 – 100,0 240.947,87 1.8709,9 0,1 – 10,0 315.575,92 123.798,07 30,1 – 60,0 244.482,84 72.205,11 10,1 – 30,0 43.797,08 43.797,08 90,1 – 100,0 77.740,58 77.701,01 90,1 – 100,0 71.195,91 71.195,91 90,1 – 100,0 68.320,86 68.287,14 90,1 – 100,0 77.612,41 12.162,58 10,1 – 30,0 124.986,96 124.986,96 90,1 – 100,0 147.168,01 118.970,15 60,1 – 90,0 30.897,99 18.717,52 60,1 – 90,0 195.983,59 9.159,42 0,1 – 10,0 173.991,28 193,09 0,1 – 10,0 551.352,13 178.192,33 30,1 – 60,0 67.327,80 174,75 0,1 – 10,0 249.170,46 98.585,45 30,1 – 60,0 178.111,04 177.960,01 90,1 – 100,0 51.930,05 27.120,25 30,1 – 60,0 150.229,44 149.365,73 90,1 – 100,0 11.536,18 11.536,18 90,1 – 100,0 287.833,60 279.342,63 90,1 – 100,0 11.104,07 11.104,07 90,1 – 100,0 27.445,60 2.7445,6 90,1 – 100,0 25.728,79 25.728,79 90,1 – 100,0 38.658,29 38.655,53 90,1 – 100,0 56.834,70 56.834,70 90,1 – 100,0 18.165,90 18.165,90 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Nova Itarana Nova Redenção Nova Viçosa Novo Horizonte Ouriçangas Palmas de Monte Alto Palmeiras Paramirim Paratinga Pau Brasil Pedrão Piatã Pilão Arcado Pindaí Piraí do Norte Piripá Piritiba Planaltino Planalto Poções Pojuca Porto Seguro Potiraguá Prado Presidente Tancredo Neves Rafael Jambeiro Riachão das Neves Riachão do Jacuípe Riacho de Santana Ribeirão do Largo Rio de Contas Rio do Pires Rio Real Ruy Barbosa Salinas da Margarida Salvador Santa Bárbara Santa Cruz Cabrália Santa Cruz da Vitória Santa Inês Santa Luzia Santa Maria da Vitória (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográfi cas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 45.807,37 19.484,26 30,1 – 60,0 51.275,07 51.090,31 90,1 – 100,0 133.087,73 133.057,46 90,1 – 100,0 61.466,66 6.607,30 10,1 – 30,0 16.972,48 16.773,13 90,1 – 100,0 278.692,86 99.856,42 30,1 – 60,0 69.823,72 21.027,48 30,1 – 60,0 111.997,04 90.741,72 60,1 – 90,0 282.452,00 29.860,17 10,1 – 30,0 61.089,84 61.089,84 90,1 – 100,0 14.901,88 14.901,88 90,1 – 100,0 151.366,94 54.607,57 30,1 – 60,0 1.176.303,17 237.045,26 10,1 – 30,0 71.795,03 1.270,63 0,1 – 10,0 22.842,93 22.842,93 90,1 – 100,0 65.377,77 27.567,33 30,1 – 60,0 99.446,8 2 97.115,05 90,1 – 100,0 94.126,56 19.965,18 10,1 – 30,0 91.676,15 82.915,29 90,1 – 100,0 96.611,87 84.478,03 60,1 – 90,0 28.088,29 28.088,29 90,1 – 100,0 241.711,23 241.589,40 90,1 – 100,0 99.300,20 99.300,20 90,1 – 100,0 167.055,48 166.942,66 90,1 – 100,0 41.559,79 41.559,79 90,1 – 100,0 123.840,17 15.265,02 10,1 – 30,0 586.444,06 36.469,82 0,1 – 10,0 120.403,00 20.457,08 10,1 – 30,0 270.820,14 100.888,12 30,1 – 60,0 122.623,76 122.623,76 90,1 – 100,0 105.596,96 78.088,17 60,1 – 90,0 89.260,42 43.286,99 30,1 – 60,0 73.688,40 13.892,27 10,1 – 30,0 213.766,75 186.277,26 60,1 – 90,0 11.802,23 11.802,23 90,1 – 100,0 32.579,20 32.541,49 90,1 – 100,0 32.621,35 1.629,05 0,1 – 10,0 155.620,20 155.504,03 90,1 – 100,0 25.094,59 25.094,59 90,1 – 100,0 35.754,91 35.754,91 90,1 – 100,0 78.808,11 78.808,11 90,1 – 100,0 189.784,85 139.467,96 60,1 – 90,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Santa Rita de Cássia Santa Teresinha Santana Santanópolis Santo Amaro Santo Antônio de Jesus Santo Estêvão São Desidério São Felipe São Félix São Félix do Coribe São Francisco do Conde São Gonçalo dos Campos São José da Vitória São Miguel das Matas São Sebastião do Passé Sapeaçu Saubara Saúde Sebastião Laranjeiras Serra do Ramalho Serra Dourada Serra Preta Serrinha Simões Filho Sítio do Mato Souto Soares Tabocas do Brejo Velho Tanque Novo Tanquinho Taperoá Tapiramutá Teixeira de Freitas Teodoro Sampaio Teofilândia Teolândia Terra Nova Tremedal Ubaíra Ubaitaba Ubatã Una (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 609.450,56 154.312,73 10,1 – 30,0 71.324,70 32.031,39 30,1 – 60,0 200.592,47 198.959,04 90,1 – 100,0 21.220,11 40,73 0,1 – 10,0 48.816,96 47.820,07 90,1 – 100,0 25.277,80 25.277,80 90,1 – 100,0 36.660,47 8.470,37 10,1 – 30,0 1.487.603,75 23.404,36 0,1 – 10,0 19.876,29 19.876,29 90,1 – 100,0 9.585,55 9.585,55 90,1 – 100,0 84.941,88 84.941,88 90,1 – 100,0 21.999,48 21.999,48 90,1 – 100,0 29.562,32 25.383,18 60,1 – 90,0 5.354,15 5.354,15 90,1 – 100,0 20.817,94 20.817,94 90,1 – 100,0 55.320,82 55.320,82 90,1 – 100,0 10.220,23 10.220,23 90,1 – 100,0 9.187,48 9.187,48 90,1 – 100,0 50.165,45 4.266,07 0,1 – 10,0 201.192,11 136.101,59 60,1 – 90,0 267.807,12 252.323,72 90,1 – 100,0 141.872,52 141.872,52 90,1 – 100,0 54.056,05 33.088,67 60,1 – 90,0 80.895,64 45.951,53 30,1 – 60,0 19.309,23 19.309,23 90,1 – 100,0 171.630,90 171.618,61 90,1 – 100,0 110.031,61 1.087,51 0,1 – 10,0 158.927,58 79.733,85 30,1 – 60,0 82.915,89 61.643,91 60,1 – 90,0 21.546,65 13.013,23 60,1 – 90,0 41.024,86 41.024,86 90,1 – 100,0 66.670,19 66.670,19 90,1 – 100,0 115.711,03 115.711,03 90,1 – 100,0 23.034,75 23.034,75 90,1 – 100,0 26.667,48 6.177,43 10,1 – 30,0 28.946,38 28.946,38 90,1 – 100,0 15.699,55 15.699,55 90,1 – 100,0 178.584,55 106.600,09 30,1 – 60,0 76.529,43 76.529,43 90,1 – 100,0 22.243,50 2.2243,5 90,1 – 100,0 33.386,92 33.386,92 90,1 – 100,0 116.363,10 116.306,62 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Urandi Uruçuca Utinga Valença Várzea Nova Varzedo Vera Cruz Vereda Vitória da Conquista Wagner Wanderley Wenceslau Guimarães Xique-Xique (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 89.906,08 891,43 0,1 – 10,0 33.881,61 33.875,03 90,1 – 100,0 71.986,76 71.986,76 90,1 – 100,0 119.593,65 119.566,61 90,1 – 100,0 116.998,49 3.260,59 0,1 – 10,0 16.840,81 16.840,81 90,1 – 100,0 25.457,56 25.457,56 90,1 – 100,0 83.151,05 83.151,05 90,1 – 100,0 321.561,27 321.549,19 90,1 – 100,0 41.736,10 4.1736,1 90,1 – 100,0 305.539,82 305.539,82 90,1 – 100,0 66.412,14 66.412,14 90,1 – 100,0 598.714,68 46.458,08 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Ceará inseridos no Domínio da Mata Atlântica (46 Municípios) Município (1) Abaiara Acarape Alcântaras Amontada Aratuba Barbalha Baturité Canindé Capistrano Caridade Carnaubal Coreaú Crato Croatá Graça Granja Guaiúba Guaraciaba do Norte Guaramiranga Ibiapina Ipu Ipueiras Irauçuba Itapagé Juazeiro do Norte Maranguape Massapê Meruoca Miraíma Missão Velha Moraújo Mucambo Mulungu Pacoti Palmácia Redenção Reriutaba São Benedito Sobral Tejuçuoca Tianguá Tururu (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 18.232,53 211,44 0,1 – 10,0 13.643,30 2.372,31 10,1 – 30,0 13.486,71 13.045,65 90,1 – 100,0 158.220,89 12.210,15 0,1 – 10,0 15.733,27 45.181,23 3.405,15 9.444,34 10,1 – 30,0 10,1 – 30,0 34.743,62 13.643,92 30,1 – 60,0 320.465,49 118,03 0,1 – 10,0 18.685,38 1.712,63 0,1 – 10,0 79.188,96 3.510,67 0,1 – 10,0 29.208,51 81.497,02 266,66 4.774,91 0,1 – 10,0 0,1 – 10,0 111.725,58 18.161,66 10,1 – 30,0 38.282,71 12.213,99 30,1 – 60,0 26.127,67 11.218,22 30,1 – 60,0 270.415,85 16.794,39 0,1 – 10,0 27.119,96 53.715,60 5.315,86 26.855,82 10,1 – 30,0 30,1 – 60,0 10.761,77 10.665,30 90,1 – 100,0 36.840,43 12.661,42 30,1 – 60,0 63.614,70 11.857,59 10,1 – 30,0 113.173,67 14.633,59 10,1 – 30,0 138.474,69 39.921,63 22.759,32 36.355,70 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 23.546,44 3.882,48 10,1 – 30,0 65.434,96 2.484,39 0,1 – 10,0 53.361,94 2.949,99 0,1 – 10,0 15.533,81 13.564,22 60,1 – 90,0 76.637,36 53.399,47 7.950,84 13.861,20 10,1 – 30,0 10,1 – 30,0 47.095,55 1.177,55 0,1 – 10,0 24.036,03 31,76 0,1 – 10,0 10.369,05 8.165,60 60,1 – 90,0 9.451,33 9.451,33 90,1 – 100,0 15.076,64 24.073,45 10.405,58 14.378,11 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 36.592,04 6,79 0,1 – 10,0 30.079,66 14.393,43 30,1 – 60,0 212.862,21 20.704,97 0,1 – 10,0 80.481,63 9.015,38 10,1 – 30,0 64.734,97 20.356,13 16.870,16 320,74 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Ceará inseridos no Domínio da Mata Atlântica (46 Municípios – continuação) Município (1) Ubajara Umirim Uruburetama Viçosa do Ceará (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (há) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 29.051,16 9.088,73 30,1 – 60,0 32.118,04 1.942,51 0,1 – 10,0 12.517,11 9.989,44 60,1 – 90,0 130.285,28 51.808,86 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Espírito Santo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (77 Municípios) Município (1) Afonso Claúdio Água Doce do Norte Águia Branca Alegre Alfredo Chaves Alto Rio Novo Anchieta Apiacá Aracruz Atilio Vivacqua Baixo Guandu Barra de São Francisco Boa Esperança Bom Jesus do Norte Brejetuba Cachoeiro de Itapemirim Cariacica Castelo Colatina Conceição da Barra Conceição do Castelo Divino de São Lourenço Domingos Martins Dores do Rio Preto Ecoporanga Fundão Guaçuí Guarapari Ibatiba Ibiraçu Ibitirama Iconha Irupi Itaguaçu Itapemirim Itarana Iúna Jaguaré Jerônimo Mo nteiro João Neiva Laranja da Terra Linhares (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 95.498,87 95.498,87 90,1 – 100,0 48.405,64 48.405,64 90,1 – 100,0 45.057,00 45.057,00 90,1 – 100,0 77.847,86 77.847,86 90,1 – 100,0 61.654,34 23.406,67 61.654,34 23.406,67 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 41.816,41 41.731,69 90,1 – 100,0 19.434,44 19.434,44 90,1 – 100,0 141.906,08 141.839,51 90,1 – 100,0 22.710,03 22.710,03 90,1 – 100,0 93.065,40 94.514,61 93.065,40 94.514,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 42.568,30 42.568,30 90,1 – 100,0 8.561,01 8.561,01 90,1 – 100,0 34.485,19 34.485,19 90,1 – 100,0 89.292,65 89.292,6 5 90,1 – 100,0 28.560,94 66.339,75 28.560,94 66.339,75 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 178.938,68 178.938,68 90,1 – 100,0 103.964,08 103.798,72 90,1 – 100,0 36.172,22 36.172,22 90,1 – 100,0 17.595,48 17.595,48 90,1 – 100,0 124.091,29 15.339,05 124.091,29 15.339,05 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 229.020,43 229.020,43 90,1 – 100,0 27.007,69 26.996,46 90,1 – 100,0 46.802,42 46.802,42 90,1 – 100,0 58.224,41 57.969,71 90,1 – 100,0 22.789,20 20.101,05 22.789,20 20.101,05 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.656,98 32.656,98 90,1 – 100,0 20.297,13 20.297,13 90,1 – 100,0 20.694,47 20.694,47 90,1 – 100,0 53.265,88 53.265,88 90,1 – 100,0 55.584,08 29.927,80 55.548,62 29.927,80 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 45.598,98 45.598,98 90,1 – 100,0 72.006,69 72.006,69 90,1 – 100,0 16.358,74 16.358,74 90,1 – 100,0 27.254,02 27.254,02 90,1 – 100,0 44.995,44 346.061,30 44.995,44 345.775,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Espírito Santo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (77 Municípios – continuação) Município (1) Mantenópolis Marataizes Marechal Floriano Marilândia Mimoso do Sul Montanha Mucurici Muniz Freire Muqui Nova Venécia Pancas Pedro Canário Pinheiros Piúma Ponto Belo Presidente Kennedy Rio Bananal Rio Novo do Sul Santa Leopoldina Santa Maria de Jetibá Santa Teresa São Domingos do Norte São Gabriel da Palha São José do Calçado São Mateus São Roque do Canaã Serra Sooretama Vargem Alta Venda Nova do Imigrante Viana Vila Pavão Vila Valério Vila Velha Área total do Município (há) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 32.070,26 32.070,26 90,1 – 100,0 13.539,08 13.505,65 90,1 – 100,0 28.817,97 28.817,97 90,1 – 100,0 30.776,38 30.776,38 90,1 – 100,0 88.519,53 109.367,96 88.519,53 109.367,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 53.705,91 53.705,91 90,1 – 100,0 68.491,21 68.491,21 90,1 – 100,0 31.125,33 31.125,33 90,1 – 100,0 143.023,85 143.023,85 90,1 – 100,0 82.633,40 58.099,13 82.633,40 58.099,13 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 96.222,44 96.222,44 90,1 – 100,0 7.326,35 7.266,04 90,1 – 100,0 40.251,49 40.251,49 90,1 – 100,0 58.832,54 58.816,94 90,1 – 100,0 69.638,39 20.573,26 69.638,39 20.573,26 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 71.325,35 71.325,35 90,1 – 100,0 73.607,31 73.607,31 90,1 – 100,0 71.104,23 71.104,23 90,1 – 100,0 29.891,88 29.891,88 90,1 – 100,0 43.443,03 27.950,68 43.443,03 27.950,68 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 229.126,42 229.088,87 90,1 – 100,0 34.223,94 34.223,94 90,1 – 100,0 55.245,37 55.217,45 90,1 – 100,0 58.661,70 58.661,70 90,1 – 100,0 40.798,18 18.881,25 40.798,18 18.881,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 29.490,21 29.490,21 90,1 – 100,0 43.632,53 43.632,53 90,1 – 100,0 47.329,00 47.329,00 90,1 – 100,0 21.872,22 21.801,96 90,1 – 100,0 Vitória 8.927,30 8.909,85 90,1 – 100,0 (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99)

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Goiás inseridos no Domínio da Mata Atlântica (22 Municípios) Município (1) Água Limpa Bom Jesus de Goiás Buriti Alegre Cachoeira Alta Cachoeira Dourada Caçu Castelândia Corumbaíba Goiatuba Gouvelândia Inaciolândia Itajá Itarumã Itumbiara Marzagão Morrinhos Nova Aurora Panamá Paranaiguara Quirinópolis Rio Quente São Simão (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 45.424,70 36.299,10 60,1 – 90,0 140.970,23 35.426,35 10,1 – 30,0 90.001,47 48.141,87 30,1 – 60,0 165.954,58 31.735,39 10,1 – 30,0 52.273,31 225.779,16 43.131,15 101.161,92 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 29.834,82 1.988,52 0,1 – 10,0 188.068,44 78.865,02 30,1 – 60,0 248.309,23 24.443,62 0,1 – 10,0 83.355,34 83.355,34 90,1 – 100,0 69.025,93 255.822,71 50.814,63 23.265,85 60,1 – 90,0 0,1 – 10,0 344.422,59 23.963,77 0,1 – 10,0 246.491,61 125.656,90 30,1 – 60,0 22.898,48 14.029,91 60,1 – 90,0 285.490,78 26.864,46 0,1 – 10,0 30.376,43 43.513,47 1.076,80 99,97 0,1 – 10,0 0,1 – 10,0 115.730,44 115.730,44 90,1 – 100,0 379.192,67 238.311,92 60,1 – 90,0 25.770,77 5.376,53 10,1 – 30,0 41.529,79 41.529,79 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios) Município (1) Abre Campo Acaiaca Açucena Água Boa Água Comprida Aguanil Águas Formosas Águas Vermelhas Aimorés Aiuruoca Alagoa Albertina Além Paraíba Alfenas Alfredo Vasconcelos Almenara Alpercata Alpinópolis Alterosa Alto Caparaó Alto Jequitibá Alto Rio Doce Alvarenga Alvinópolis Alvorada de Minas Amparo do Serra Andradas Andrelândia Angelândia Antônio Carlos Antônio Dias Antônio Prado de Minas Aracitaba Araçuaí Araguari Arantina Araponga Araporã Arceburgo Arcos Areado Argirita Aricanduva Astolfo Dutra Ataléia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 47.257,83 47.257,83 90,1 – 100,0 10.105,32 10.105,32 90,1 – 100,0 81.422,21 81.422,21 90,1 – 100,0 132.158,97 132.158,97 90,1 – 100,0 49.089,2 0 18.331,68 30,1 – 60,0 23.571,79 23.470,14 90,1 – 100,0 82.003,44 82.003,44 90,1 – 100,0 126.202,00 135.312,89 126.202,00 135.312,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 65.169,92 65.169,92 90,1 – 100,0 16.203,87 16.203,87 90,1 – 100,0 5.786,93 5.786,93 90,1 – 100,0 51.252,15 51.252,15 90,1 – 100,0 84.889,28 84.889,28 90,1 – 100,0 12.274,95 12.274,95 90,1 – 100,0 230.843,14 230.843,14 90,1 – 100,0 16.778,43 16.778,43 90,1 – 100,0 46.164,09 37.902,46 60,1 – 90,0 36.704,46 36.704,46 90,1 – 100,0 13.027,23 13.027,23 90,1 – 100,0 15.324,19 15.324,19 90,1 – 100,0 52.041,70 52.041,70 90,1 – 100,0 36.835,11 36.835,11 90,1 – 100,0 60.123,93 60.123,93 90,1 – 100,0 37.626,13 37.626,13 90,1 – 100,0 14.632,05 14.632,05 90,1 – 100,0 46.849,75 100.699,02 46.849,75 100.699,02 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 53.752,95 53.752,95 90,1 – 100,0 52.646,17 52.646,17 90,1 – 100,0 88.042,84 88.042,84 90,1 – 100,0 8.531,52 8.531,52 90,1 – 100,0 10.598,16 10.598,16 90,1 – 100,0 224.336,19 121.771,40 30,1 – 60,0 274.112,15 103.598,29 30,1 – 60,0 8.959,91 8.959,91 90,1 – 100,0 30.522,92 30.115,62 30.522,92 26.370,41 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 16.289,40 16.289,40 90,1 – 100,0 51.425,23 32.719,75 60,1 – 90,0 28.162,06 28.162,06 90,1 – 100,0 15.979,53 15.979,53 90,1 – 100,0 24.525,51 24.525,51 90,1 – 100,0 15.961,84 15.961,84 90,1 – 100,0 184.708,90 184.708,90 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Augusto de Lima Baependi Bambuí Bandeira Bandeira do Sul Barão de Cocais Barão de Monte Alto Barbacena Barra Longa Barroso Bela Vista de Minas Belmiro Braga Belo Horizonte Belo Oriente Belo Vale Berizal Bertópolis Betim Bias Fortes Bicas Boa Esperança Bocaina de Minas Bom Jardim de Minas Bom Jesus da Penha Bom Jesus do Amparo Bom Jesus do Galho Bom Repouso Bom Sucesso Bonfim Borda da Mata Botelhos Brás Pires Brasópolis Braúnas Brumadinho Bueno Brandão Bugre Cabo Verde Cachoeira de Minas Cachoeira de Pajeú Cachoeira Dourada Caeté Caiana Cajuri Caldas (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 125.474,19 24.069,00 10,1 – 30,0 75.363,05 75.363,05 90,1 – 100,0 145.974,25 274,55 0,1 – 10,0 48.636,65 48.636,65 90,1 – 100,0 4.701,79 4.701,79 90,1 – 100,0 34.175,45 30.122,27 60,1 – 90,0 19.958,84 19.958,84 90,1 – 100,0 79.002,34 38.709,73 79.002,34 38.709,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.195,62 8.195,62 90,1 – 100,0 10.897,49 10.897,49 90,1 – 100,0 39.334,61 39.334,61 90,1 – 100,0 33.207,23 23.568,35 60,1 – 90,0 33.695,87 33.695,87 90,1 – 100,0 36.633,79 36.633,79 90,1 – 100,0 49.501,32 49.501,32 90,1 – 100,0 42.686,07 42.686,07 90,1 – 100,0 34.692,05 29.129,60 60,1 – 90,0 28.505,25 28.505,25 90,1 – 100,0 14.001,68 14.001,68 90,1 – 100,0 85.679,02 76.646,81 60,1 – 90,0 50.259,68 50.259,68 90,1 – 100,0 39.632,16 39.632,16 90,1 – 100,0 20.915,69 20.915,69 90,1 – 100,0 19.603,41 670,00 0,1 – 10,0 59.284,77 59.284,77 90,1 – 100,0 23.050,85 70.828,00 23.050,85 70.828,00 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.967,84 30.967,84 90,1 – 100,0 30.086,81 30.086,81 90,1 – 100,0 33.452,19 33.452,19 90,1 – 100,0 22.394,59 22.394,59 90,1 – 100,0 36.200,33 36.200,33 90,1 – 100,0 37.834,81 37.834,81 90,1 – 100,0 63.417,51 63.417,51 90,1 – 100,0 35.602,08 35.602,08 90,1 – 100,0 16.282,79 36.843,69 16.282,79 36.843,69 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.616,36 30.616,36 90,1 – 100,0 68.101,92 68.101,92 90,1 – 100,0 20.323,15 20.322,78 90,1 – 100,0 54.260,49 29.962,18 30,1 – 60,0 10.718,73 10.718,73 90,1 – 100,0 8.368,48 8.368,48 90,1 – 100,0 71.578,45 71.578,45 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Camacho Camanducaia Cambuí Cambuquira Campanário Campanha Campestre Campina Verde Campo Azul Campo Belo Campo do Meio Campos Gerais Cana Verde Canaã Canápolis Candeias Cantagalo Caparaó Capela Nova Capelinha Capetinga Capinópolis Capitão Andrade Capitão Enéas Caputira Caraí Caranaíba Carandaí Carangola Caratinga Careaçu Carlos Chagas Carmésia Carmo da Cachoeira Carmo da Mata Carmo de Minas Carmo do Cajuru Carmo do Rio Claro Carmópolis de Minas Carneirinho Carrancas Carvalhópolis Carvalhos Casa Grande Cássia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 22.273,37 22.273,37 90,1 – 100,0 52.873,92 52.873,92 90,1 – 100,0 24.337,40 24.337,40 90,1 – 100,0 24.657,50 24.657,50 90,1 – 100,0 44.285,51 44.285,51 90,1 – 100,0 33.680,43 33.680,43 90,1 – 100,0 57.866,75 57.866,75 90,1 – 100,0 366.970,93 50.779,41 253.395,92 29.579,50 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 53.119,14 53.119,14 90,1 – 100,0 27.457,73 27.457,73 90,1 – 100,0 77.128,81 77.128,81 90,1 – 100,0 21.166,53 21.166,53 90,1 – 100,0 17.556,87 17.556,87 90,1 – 100,0 84.842,55 45.539,74 30,1 – 60,0 72.284,50 47.664,62 60,1 – 90,0 14.211,84 14.211,84 90,1 – 100,0 10.484,90 10.484,90 90,1 – 100,0 11.118,74 11.118,74 90,1 – 100,0 96.991,44 57.534,95 30,1 – 60,0 29.759,26 29.759,26 90,1 – 100,0 62.326,42 62.326,42 90,1 – 100,0 27.718,33 27.718,33 90,1 – 100,0 97.352,40 97.352,40 90,1 – 100,0 18.876,08 18.876,08 90,1 – 100,0 124.425,11 124.425,11 90,1 – 100,0 16.042,23 48.775,41 16.042,23 48.775,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.696,75 35.696,75 90,1 – 100,0 125.512,29 125.512,29 90,1 – 100,0 18.192,23 18.192,23 90,1 – 100,0 324.796,07 324.796,07 90,1 – 100,0 25.941,14 25.941,14 90,1 – 100,0 50.730,81 50.730,81 90,1 – 100,0 35.759,08 35.696,76 90,1 – 100,0 32.431,49 32.431,49 90,1 – 100,0 45.629,20 106.553,63 8.971,14 101.470,12 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 40.189,08 40.189,08 90,1 – 100,0 206.293,59 206.293,59 90,1 – 100,0 73.002,27 73.002,27 90,1 – 100,0 8.078,77 8.078,77 90,1 – 100,0 28.315,75 28.315,75 90,1 – 100,0 15.829,99 15.829,99 90,1 – 100,0 64.581,68 60.302,00 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Cataguases Catas Altas Catas Altas da Noruega Catuji Catuti Caxambu Central de Minas Centralina Chácara Chalé Chapada do Norte Chapada Gaúcha Chiador Cipotânea Claraval Cláudio Coimbra Coluna Comercinho Conceição da Aparecida Conceição da Barra de Minas Conceição das Alagoas Conceição das Pedras Conceição de Ipanema Conceição do Mato Dentro Conceição do Pará Conceição do Rio Verde Conceição dos Ouros Cônego Marinho Congonhal Congonhas Congonhas do Norte Conquista Conselheiro Lafaiete Conselheiro Pena Consolação Contagem Coqueiral Coração de Jesus Cordislândia Coroaci Coronel Fabriciano Coronel Murta Coronel Pacheco Coronel Xavier Chaves (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 48.348,73 48.348,73 90,1 – 100,0 24.091,36 24.091,36 90,1 – 100,0 14.372,38 14.372,38 90,1 – 100,0 42.237,56 42.237,56 90,1 – 100,0 28.708,01 28.708,01 90,1 – 100,0 10.043,15 10.043,15 90,1 – 100,0 20.414,63 20.414,63 90,1 – 100,0 32.267,04 15.928,04 16.315,94 15.928,04 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 21.318,76 21.318,76 90,1 – 100,0 83.099,14 27.443,66 30,1 – 60,0 247.692,19 1.397,97 0,1 – 10,0 25.303,43 25.303,43 90,1 – 100,0 15.395,8 6 15.395,86 90,1 – 100,0 21.143,56 13.747,32 60,1 – 90,0 63.214,89 32.039,66 30,1 – 60,0 10.712,32 10.712,32 90,1 – 100,0 34.868,87 34.868,87 90,1 – 100,0 66.522,08 66.522,08 90,1 – 100,0 35.049,09 35.049,09 90,1 – 100,0 27.384,05 27.384,05 90,1 – 100,0 135.235,90 1.079,89 0,1 – 10,0 10.203,11 10.203,11 90,1 – 100,0 25.534,95 25.534,95 90,1 – 100,0 167.650,01 114.431,38 60,1 – 90,0 25.022,94 810,11 0,1 – 10,0 37.094,94 18.316,91 37.094,94 18.316,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 162.383,67 22.983,09 10,1 – 30,0 20.614,15 20.614,15 90,1 – 100,0 30.649,92 30.649,92 90,1 – 100,0 48.437,91 14.376,70 10,1 – 30,0 61.804,76 61.007,90 90,1 – 100,0 37.125,63 37.125,63 90,1 – 100,0 141.275,42 141.275,42 90,1 – 100,0 8.616,00 8.616,00 90,1 – 100,0 19.514,05 29.732,18 12.018,03 29.732,18 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 224.362,91 3.592,49 0,1 – 10,0 17.960,76 17.960,76 90,1 – 100,0 57.871,27 57.871,27 90,1 – 100,0 22.160,49 22.160,49 90,1 – 100,0 81.661,55 18.341,36 10,1 – 30,0 12.242,30 12.242,30 90,1 – 100,0 14.140,92 14.140,9 2 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Córrego do Bom Jesus Córrego Fundo Córrego Novo Couto de Magalhães de Minas Crisólita Cristais Cristiano Otoni Cristina Crucilândia Cruzília Cuparaque Curral de Dentro Curvelo Datas Delfim Moreira Delfinópolis Delta Descoberto Desterro de Entre Rios Desterro do Melo Diamantina Diogo de Vasconcelos Dionísio Divinésia Divino Divino das Laranjeiras Divinolândia de Minas Divinópolis Divisa Alegre Divisa Nova Divisópolis Dom Cavati Dom Joaquim Dom Silvério Dom Viçoso Dona Euzébia Dores de Campos Dores de Guanhães Dores do Turvo Doresópolis Durandé Elói Mendes Engenheiro Caldas Entre Folhas Entre Rios de Minas (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 12.344,21 12.344,21 90,1 – 100,0 10.577,26 1.430,90 10,1 – 30,0 19.838,10 19.838,10 90,1 – 100,0 48.507,35 2.722,89 0,1 – 10,0 97.267,00 97.267,00 90,1 – 100,0 62.955,30 10.404,41 10,1 – 30,0 13.324,96 13.324,96 90,1 – 100,0 31.255,24 16.701,97 31.255,24 16.701,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 52.495,98 52.495,98 90,1 – 100,0 22.835,99 22.835,99 90,1 – 100,0 57.298,54 37.460,60 60,1 – 90,0 330.573,77 1.525,77 0,1 – 10,0 28.712,91 4.246,99 10,1 – 30,0 40.916,44 40.916,44 90,1 – 100,0 138.216,90 74.472,05 30,1 – 60,0 10.465,81 10.465,81 90,1 – 100,0 21.381,49 21.381,49 90,1 – 100,0 37.101,97 37.101,97 90,1 – 100,0 14.285,53 14.285,53 90,1 – 100,0 399.324,10 425,28 0,1 – 10,0 16.561,94 16.561,94 90,1 – 100,0 34.437,47 34.437,47 90,1 – 100,0 11.866,25 11.866,25 90,1 – 100,0 33.950,99 33.950,99 90,1 – 100,0 34.353,38 34.353,38 90,1 – 100,0 15.999,51 71.063,53 15.999,51 9.316,68 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 11.898,77 11.898,77 90,1 – 100,0 21.729,36 21.729,36 90,1 – 100,0 56.808,00 56.808,00 90,1 – 100,0 6.921,38 6.921,38 90,1 – 100,0 40.787,76 40.787,76 90,1 – 100,0 19.557,35 19.557,35 90,1 – 100,0 11.348,08 11.348,08 90,1 – 100,0 5.471,42 5.471,42 90,1 – 100,0 12.770,46 38.332,61 12.770,46 38.332,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.194,95 23.194,95 90,1 – 100,0 15.356,03 9.894,79 60,1 – 90,0 21.834,03 21.834,03 90,1 – 100,0 49.943,29 49.943,29 90,1 – 100,0 18.832,30 18.832,30 90,1 – 100,0 8.600,40 8.600,40 90,1 – 100,0 46.416,92 46.416,92 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Ervália Esmeraldas Espera Feliz Espinosa Espírito Santo do Dourado Estiva Estrela Dalva Eugenópolis Ewbank da Câmara Extrema Fama Faria Lemos Felício dos Santos Felisburgo Fernandes Tourinho Ferros Fervedouro Florestal Formiga Fortaleza de Minas Francisco Badaró Francisco Sá Franciscópolis Frei Gaspar Frei Inocêncio Frei Lagonegro Fronteira dos Vales Fruta de Leite Frutal Galiléia Gameleiras Goiabeira Goianá Gonçalves Gonzaga Gouvêa Governador Valadares Guanhães Guapé Guaraciaba Guaranésia Guarani Guarará Guaxupé Guidoval (1) IBGE, 1997 (2) SistemadeInformaçõesGeográficasdoISA–InstitutoSocioambiental(2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 35.825,69 35.825,69 90,1 – 100,0 91.234,75 2.153,79 0,1 – 10,0 32.643,07 32.643,07 90,1 – 100,0 186.752,14 131.296,34 60,1 – 90,0 26.452,16 26.452,16 90,1 – 100,0 24.596,79 24.596,79 90,1 – 100,0 13.226,70 13.226,70 90,1 – 100,0 31.141,44 10.401,85 31.141,44 10.401,85 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.376,19 24.376,19 90,1 – 100,0 8.798,99 8.798,99 90,1 – 100,0 16.284,36 16.284,36 90,1 – 100,0 36.012,97 14.085,31 30,1 – 60,0 59.607,42 59.607,42 90,1 – 100,0 15.317,83 15.317,83 90,1 – 100,0 109.324,42 109.324,42 90,1 – 100,0 35.836,92 35.836,92 90,1 – 100,0 19.492,52 9.053,22 30,1 – 60,0 150.354,51 48.763,97 30,1 – 60,0 22.070,00 22.070,00 90,1 – 100,0 47.239,89 1.135,45 0,1 – 10,0 275.908,22 109.210,59 30,1 – 60,0 70.631,27 70.631,27 90,1 – 100,0 63.013,38 63.013,38 90,1 – 100,0 46.963,53 46.963,53 90,1 – 100,0 16.983,75 16.983,75 90,1 – 100,0 31.998,40 76.045,76 31.998,40 1.812,24 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 243.667,81 459,56 0,1 – 10,0 72.341,67 72.341,67 90,1 – 100,0 173.972,72 173.972,72 90,1 – 100,0 11.166,61 11.166,61 90,1 – 100,0 15.351,84 15.351,84 90,1 – 100,0 18.964,43 18.964,43 90,1 – 100,0 21.130,10 21.130,10 90,1 – 100,0 87.767,17 853,94 0,1 – 10,0 235.553,67 107.951,29 235.553,67 107.951,29 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 93.756,73 341,68 0,1 – 10,0 34.952,86 34.952,86 90,1 – 100,0 29.509,73 29.509,73 90,1 – 100,0 26.564,82 26.564,82 90,1 – 100,0 8.884,72 8.884,72 90,1 – 100,0 28.648,74 28.648,74 90,1 – 100,0 15.946,36 15.946,36 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Guiricema Gurinhatã Heliodora Iapu Ibertioga Ibiaí Ibiracatu Ibiraci Ibirité Ibitiúra de Minas Ibituruna Icaraí de Minas Igarapé Igaratinga Iguatama Ijaci Ilicínea Imbé de Minas Inconfidentes Indaiabira Indianópolis Ingaí Inhapim Ipaba Ipanema Ipatinga Ipiaçu Ipuiúna Itabira Itabirinha de Mantena Itabirito Itacarambi Itaguara Itaipé Itajubá Itamarandiba Itamarati de Minas Itambacuri Itambé do Mato Dentro Itamogi Itamonte Itanhandu Itanhomi Itaobim Itapagipe (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 29.514,00 29.514,00 90,1 – 100,0 183.664,43 21.587,58 10,1 – 30,0 15.416,58 15.416,58 90,1 – 100,0 33.825,24 33.825,24 90,1 – 100,0 35.444,09 35.444,09 90,1 – 100,0 87.343,94 41.067,22 30,1 – 60,0 36.022,77 10.957,56 30,1 – 60,0 60.032,23 7.317,38 21.802,44 7.317,38 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 6.850,97 6.850,97 90,1 – 100,0 15.891,34 15.891,34 90,1 – 100,0 61.877,36 20.829,78 30,1 – 60,0 11.020,68 11.020,68 90,1 – 100,0 22.002,56 4.716,43 10,1 – 30,0 62.981,56 12.649,30 10,1 – 30,0 10.559,22 10.559,22 90,1 – 100,0 38.306,01 25.199,17 60,1 – 90,0 19.517,03 19.517,03 90,1 – 100,0 14.982,85 14.982,85 90,1 – 100,0 101.187,89 28.110,10 10,1 – 30,0 83.125,26 6.105,43 0,1 – 10,0 30.573,05 30.573,05 90,1 – 100,0 85.048,84 85.048,84 90,1 – 100,0 11.480,28 11.480,28 90,1 – 100,0 45.968,16 45.968,16 90,1 – 100,0 16.602,28 16.602,28 90,1 – 100,0 46.888,45 29.956,54 46.606,95 29.956,54 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 126.029,37 82.442,00 60,1 – 90,0 20.890,40 20.890,40 90,1 – 100,0 54.675,29 54.675,29 90,1 – 100,0 125.648,01 116.091,76 90,1 – 100,0 41.195,43 41.167,65 90,1 – 100,0 48.249,65 48.249,65 90,1 – 100,0 29.125,20 29.125,20 90,1 – 100,0 274.502,76 134.596,51 30,1 – 60,0 11.851,03 142.309,96 11.851,03 142.309,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 38.210,23 20.229,94 30,1 – 60,0 23.707,97 18.736,74 60,1 – 90,0 43.167,13 43.167,13 90,1 – 100,0 14.420,11 14.420,11 90,1 – 100,0 48.869,93 48.869,93 90,1 – 100,0 68.213,07 68.213,07 90,1 – 100,0 180.075,51 87.035,73 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Itapecerica Itapeva Itatiaiuçu Itaú de Minas Itaúna Itaverava Itinga Itueta Ituiutaba Itumirim Iturama Itutinga Jacinto Jacuí Jacutinga Jaguaraçu Jaíba Jampruca Janaúba Lagoas Japaraíba Japonvar Jeceaba Jenipapo de Minas Jequeri Jequitinhonha Jesuânia Joaíma Joanésia João Monlevade Jordânia José Raydan Juatuba Juiz de Fora Juruaia Juvenília Ladainha Lagoa da Prata Lagoa Dourada Lajinha Lambari Lamim Laranjal Lavras Leandro Ferreira (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 104.483,17 74.217,14 60,1 – 90,0 17.850,44 17.850,44 90,1 – 100,0 29.574,05 29.574,05 90,1 – 100,0 15.331,04 15.331,04 90,1 – 100,0 49.754,26 36.863,04 60,1 – 90,0 28.347,84 28.347,84 90,1 – 100,0 164.968,15 150.474,08 90,1 – 100,0 45.658,94 259.538,40 45.658,94 111.525,37 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 24.264,63 24.264,63 90,1 – 100,0 140.548,25 140.548,25 90,1 – 100,0 36.622,28 36.622,28 90,1 – 100,0 139.534,10 139.534,10 90,1 – 100,0 41.168,60 41.168,60 90,1 – 100,0 34.784,86 34.784,86 90,1 – 100,0 16.724,30 16.724,30 90,1 – 100,0 273.325,54 273.325,54 90,1 – 100,0 52.249,87 52.249,87 90,1 – 100,0 219.682,08 198.864,88 90,1 – 100,0 732.519,01 233.491,01 30,1 – 60,0 17.278,53 1.154,95 0,1 – 10,0 37.589,79 2.652,60 0,1 – 10,0 23.639,73 23.639,73 90,1 – 100,0 28.563,64 23.577,12 60,1 – 90,0 54.952,06 54.952,06 90,1 – 100,0 352.940,02 352.940,02 90,1 – 100,0 15.360,58 167.261,99 15.360,58 167.261,99 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.393,39 23.393,39 90,1 – 100,0 9.951,87 9.951,87 90,1 – 100,0 55.103,01 55.103,01 90,1 – 100,0 18.216,79 18.216,79 90,1 – 100,0 9.716,54 9.716,54 90,1 – 100,0 144.275,24 144.275,24 90,1 – 100,0 21.637,87 21.637,87 90,1 – 100,0 110.008,97 108.397,51 90,1 – 100,0 86.821,89 44.087,69 86.821,89 534,06 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 47.925,71 47.925,71 90,1 – 100,0 43.035,63 43.035,63 90,1 – 100,0 21.383,14 21.383,14 90,1 – 100,0 11.853,83 11.853,83 90,1 – 100,0 20.468,79 20.468,79 90,1 – 100,0 56.602,76 56.602,76 90,1 – 100,0 35.624,63 4.306,15 10,1 – 30,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Leopoldina Liberdade Lima Duarte Limeira do Oeste Luisburgo Luminárias Machacalis Machado Madre de Deus de Minas Malacacheta Mamonas Manga Manhuaçu Manhumirim Mantena Mar de Espanha Maravilhas Maria da Fé Mariana Marilac Mário Campos Maripá de Minas Marliéria Marmelópolis Martins Soares Mata Verde Materlândia Mateus Leme Mathias Lobato Matias Barbosa Matias Cardoso Matipó Mato Verde Matutina Medina Mendes Pimentel Mercês Mesquita Minas Novas Minduri Mirabela Miradouro Miraí Miravânia Moeda (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 94.510,86 94.510,86 90,1 – 100,0 40.327,18 40.327,18 90,1 – 100,0 85.033,77 85.033,77 90,1 – 100,0 132.132,66 131.993,70 90,1 – 100,0 14.651,71 14.651,71 90,1 – 100,0 49.997,68 49.997,68 90,1 – 100,0 33.094,88 33.094,88 90,1 – 100,0 58.538,80 49.492,44 58.538,80 49.492,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 73.342,00 73.342,00 90,1 – 100,0 29.142,92 29.142,92 90,1 – 100,0 195.622,04 191.422,69 90,1 – 100,0 62.900,72 62.900,72 90,1 – 100,0 18.418,70 18.418,70 90,1 – 100,0 68.462,03 68.462,03 90,1 – 100,0 37.322,27 37.322,27 90,1 – 100,0 26.100,14 2.571,31 0,1 – 10,0 20.444,42 20.444,42 90,1 – 100,0 119.657,30 119.657,30 90,1 – 100,0 16.464,68 16.464,68 90,1 – 100,0 3.530,86 3.530,86 90,1 – 100,0 7.788,17 7.788,17 90,1 – 100,0 54.299,06 54.299,06 90,1 – 100,0 10.812,24 10.812,24 90,1 – 100,0 11.313,37 11.313,37 90,1 – 100,0 23.125,86 23.125,86 90,1 – 100,0 28.330,87 30.321,61 28.330,87 30.321,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.125,11 17.125,11 90,1 – 100,0 15.706,41 15.706,41 90,1 – 100,0 196.162,64 196.162,64 90,1 – 100,0 27.779,96 27.779,96 90,1 – 100,0 47.626,94 21.203,85 30,1 – 60,0 26.065,24 20.889,69 60,1 – 90,0 144.701,35 144.701,35 90,1 – 100,0 30.440,08 30.440,08 90,1 – 100,0 35.371,70 27.589,97 35.371,70 27.589,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 183.482,69 36.505,70 10,1 – 30,0 22.083,95 22.083,95 90,1 – 100,0 72.318,11 9.376,77 10,1 – 30,0 30.224,57 30.224,57 90,1 – 100,0 32.149,03 32.149,03 90,1 – 100,0 60.511,93 18.433,50 30,1 – 60,0 15.462,06 15.462,06 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Monjolos Monsenhor Paulo Montalvânia Monte Alegre de Minas Monte Azul Monte Belo Monte Formoso Monte Santo de Minas Monte Sião Montes Claros Montezuma Morro do Pilar Munhoz Muriaé Mutum Muzambinho Nacip Raydan Nanuque Naque Natércia Nazareno Nepomuceno Ninheira Nova Belém Nova Era Nova Lima Nova Módica Nova Porteirinha Nova Resende Novo Cruzeiro Novo Oriente de Minas Novorizonte Olaria Olímpio Noronha Oliveira Oliveira Fortes Onça de Pitangui Oratórios Orizânia Ouro Branco Ouro Fino Ouro Preto Ouro Verde de Minas Padre Paraíso Pai Pedro (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 65.443,81 18.664,66 10,1 – 30,0 21.721,09 21.721,09 90,1 – 100,0 148.981,67 77.986,77 30,1 – 60,0 261.498,37 21.812,84 0,1 – 10,0 101.087,45 70.588,66 60,1 – 90,0 42.241,20 42.241,20 90,1 – 100,0 38.528,48 38.528,48 90,1 – 100,0 59.255,89 29.114,62 47.905,27 29.114,62 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 359.428,59 96.620,75 10,1 – 30,0 113.984,63 70.967,32 60,1 – 90,0 47.802,98 12.152,01 10,1 – 30,0 19.094,97 19.094,97 90,1 – 100,0 84.570,02 84.570,02 90,1 – 100,0 125.984,30 125.984,30 90,1 – 100,0 41.003,54 41.003,54 90,1 – 100,0 22.932,13 22.932,13 90,1 – 100,0 151.539,19 151.539,19 90,1 – 100,0 13.016,97 13.016,97 90,1 – 100,0 19.082,04 19.082,04 90,1 – 100,0 32.419,89 32.419,89 90,1 – 100,0 58.365,47 58.365,47 90,1 – 100,0 111.859,55 111.859,55 90,1 – 100,0 14.911,44 14.911,44 90,1 – 100,0 36.437,25 36.437,25 90,1 – 100,0 42.953,31 42.953,31 90,1 – 100,0 37.828,80 12.135,77 37.828,80 12.135,77 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 39.506,73 39.506,73 90,1 – 100,0 170.608,10 170.608,10 90,1 – 100,0 75.661,96 75.661,96 90,1 – 100,0 26.797,98 2.552,25 0,1 – 10,0 17.889,83 17.889,83 90,1 – 100,0 5.399,33 5.399,33 90,1 – 100,0 89.911,49 89.911,49 90,1 – 100,0 11.104,17 11.104,17 90,1 – 100,0 24.782,34 8.925,42 24.450,50 8.925,42 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.184,78 12.184,78 90,1 – 100,0 26.079,60 26.079,60 90,1 – 100,0 53.538,26 53.538,26 90,1 – 100,0 124.844,44 124.844,44 90,1 – 100,0 17.560,05 17.560,05 90,1 – 100,0 54.560,65 54.560,65 90,1 – 100,0 78.771,92 78.771,92 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Pains Paiva Palma Palmópolis Papagaios Pará de Minas Paraguaçu Paraisópolis Passa Quatro Passa Tempo Passa Vinte Passabém Passos Patis Patrocínio do Muriaé Paula Cândido Paulistas Pavão Peçanha Pedra Azul Pedra Bonita Pedra do Anta Pedra do Indaiá Pedra Dourada Pedralva Pedras de Maria da Cruz Pedro Teixeira Pequeri Pequi Perdões Periquito Pescador Piau Piedade de Caratinga Piedade de Ponte Nova Piedade do Rio Grande Piedade dos Gerais Pingo d’Água Pintópolis Piracema Piranga Piranguçu Piranguinho Pirapetinga Piraúba (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 41.947,63 23.042,95 30,1 – 60,0 5.854,31 5.854,31 90,1 – 100,0 31.889,60 31.889,60 90,1 – 100,0 43.807,78 43.807,78 90,1 – 100,0 55.449,26 241,40 0,1 – 10,0 55.273,04 37.284,41 60,1 – 90,0 42.620,79 42.620,79 90,1 – 100,0 33.253,22 27.733,52 33.253,22 27.733,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 43.059,03 43.059,03 90,1 – 100,0 24.627,99 24.627,99 90,1 – 100,0 9.489,66 9.489,66 90,1 – 100,0 134.179,95 117.736,96 60,1 – 90,0 44.612,18 31.484,45 60,1 – 90,0 10.883,92 10.883,92 90,1 – 100,0 26.950,82 26.950,82 90,1 – 100,0 22.082,18 22.082,18 90,1 – 100,0 60.161,72 60.161,72 90,1 – 100,0 99.895,94 99.895,94 90,1 – 100,0 162.432,35 162.432,35 90,1 – 100,0 16.386,12 16.386,12 90,1 – 100,0 16.429,34 16.429,34 90,1 – 100,0 35.000,97 35.000,97 90,1 – 100,0 7.064,96 7.064,96 90,1 – 100,0 21.779,53 21.779,53 90,1 – 100,0 152.570,78 134.010,32 60,1 – 90,0 11.346,53 9.100,09 11.346,53 9.100,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.469,45 7.385,94 30,1 – 60,0 27.784,56 27.784,56 90,1 – 100,0 22.788,80 22.788,80 90,1 – 100,0 31.868,25 31.868,25 90,1 – 100,0 19.182,53 19.182,53 90,1 – 100,0 11.511,91 11.511,91 90,1 – 100,0 8.424,14 8.424,14 90,1 – 100,0 32.357,91 32.357,91 90,1 – 100,0 26.144,25 6.720,78 26.144,25 6.720,78 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 123.642,19 605,09 0,1 – 10,0 28.108,06 28.108,06 90,1 – 100,0 65.947,42 65.947,42 90,1 – 100,0 20.712,78 20.712,78 90,1 – 100,0 13.047,47 13.047,47 90,1 – 100,0 19.266,91 19.266,91 90,1 – 100,0 14.440,48 14.440,48 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Pitangui Poço Fundo Poços de Caldas Pocrane Ponte Nova Ponto Chique Ponto dos Volantes Porteirinha Porto Firme Poté Pouso Alegre Pouso Alto Prados Prata Pratápolis Presidente Bernardes Presidente Kubitschek Queluzita Raposos Raul Soares Recreio Reduto Resende Costa Resplendor Ressaquinha Riacho dos Machados Ribeirão Vermelho Rio Acima Rio Casca Rio do Prado Rio Doce Rio Espera Rio Manso Rio Novo Rio Paranaíba Rio Pardo de Minas Rio Piracicaba Rio Pomba Rio Preto Rio Vermelho Ritápolis Rochedo de Minas Rodeiro Rosário da Limeira Rubelita (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 57.012,77 22.569,61 30,1 – 60,0 47.558,69 47.558,69 90,1 – 100,0 54.559,37 54.559,37 90,1 – 100,0 69.360,23 69.360,23 90,1 – 100,0 47.174,67 47.174,67 90,1 – 100,0 60.434,28 13.081,19 10,1 – 30,0 121.956,72 121.956,72 90,1 – 100,0 181.251,62 28.571,10 136.844,71 28.571,10 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 63.494,86 63.494,86 90,1 – 100,0 54.537,86 54.537,86 90,1 – 100,0 26.202,94 26.202,94 90,1 – 100,0 26.385,65 26.385,65 90,1 – 100,0 488.267,11 910,80 0,1 – 10,0 21.478,90 21.478,90 90,1 – 100,0 23.757,74 23.757,74 90,1 – 100,0 19.010,23 19.007,42 90,1 – 100,0 15.348,00 15.348,00 90,1 – 100,0 7.216,65 7.216,65 90,1 – 100,0 77.352,87 77.352,87 90,1 – 100,0 23.471,57 23.471,57 90,1 – 100,0 15.188,48 15.188,48 90,1 – 100,0 63.343,70 63.343,70 90,1 – 100,0 107.555,19 107.555,19 90,1 – 100,0 19.371,53 19.371,53 90,1 – 100,0 131.305,72 984,30 0,1 – 10,0 4.031,44 22.867,57 4.031,44 22.867,57 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 38.557,61 38.557,61 90,1 – 100,0 48.101,15 48.101,15 90,1 – 100,0 11.267,17 11.267,17 90,1 – 100,0 24.045,13 24.045,13 90,1 – 100,0 23.284,76 23.284,76 90,1 – 100,0 20.830,94 20.830,94 90,1 – 100,0 135.759,00 179,77 0,1 – 10,0 312.938,01 137.221,71 30,1 – 60,0 37.140,34 25.251,27 37.140,34 25.251,27 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.785,75 34.785,75 90,1 – 100,0 97.323,98 97.323,98 90,1 – 100,0 39.292,58 39.292,58 90,1 – 100,0 7.978,84 7.978,84 90,1 – 100,0 7.206,86 7.206,86 90,1 – 100,0 11.251,10 11.251,10 90,1 – 100,0 111.017,61 52.082,50 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Rubim Sabará Sabinópolis Sacramento Salinas Salto da Divisa Santa Bárbara Santa Bárbara do Leste Santa Bárbara do Monte Verde Santa Bárbara do Tugúrio Santa Cruz de Minas Santa Cruz de Salinas Santa Cruz do Escalvado Santa Ifigênica de Minas Santa Helena de Minas Santa Luzia Santa Margarida Santa Maria de Itabira Santa Maria do Salto Santa Maria do Suaçuí Santa Rita de Caldas Santa Rita de Ibitipoca Santa Rita de Jacutinga Santa Rita de Minas Santa Rita do Itueto Santa Rita do Sapucaí Santa Vitória Santana da Vargem Santana de Cataguases Santana do Deserto Santana do Ga rambéu Santana do Jacaré Santana do Manhuaçu Santana do Paraíso Santana dos Montes Santo Antônio do Amparo Santo Antônio do Aventureiro Santo Antônio do Grama Santo Antônio do Itambé Santo Antônio do Jacinto Santo Antônio do Monte Santo Antônio do Retiro Santo Antônio do Rio Abaixo Santo Hipólito Santos Dumont (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 97.196,68 97.196,68 90,1 – 100,0 30.449,61 19.949,24 60,1 – 90,0 92.220,20 92.220,20 90,1 – 100,0 308.030,52 46.844,47 10,1 – 30,0 189.472,38 147.837,92 60,1 – 90,0 94.696,03 94.696,03 90,1 – 100,0 68.603,93 68.603,93 90,1 – 100,0 11.107,67 41.734,87 11.107,67 41.734,87 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.045,37 16.045,37 90,1 – 100,0 285,90 285,90 90,1 – 100,0 58.125,01 55.401,28 90,1 – 100,0 25.888,65 25.888,65 90,1 – 100,0 13.257,90 13.257,90 90,1 – 100,0 27.761,24 27.761,24 90,1 – 100,0 23.445,21 863,58 0,1 – 10,0 25.696,74 25.696,74 90,1 – 100,0 51.135,57 51.135,57 90,1 – 100,0 44.351,63 44.351,63 90,1 – 100,0 62.545,88 62.545,88 90,1 – 100,0 50.353,45 50.353,45 90,1 – 100,0 32.493,02 32.493,02 90,1 – 100,0 43.875,11 43.875,11 90,1 – 100,0 6.778,42 6.778,42 90,1 – 100,0 48.793,92 48.793,92 90,1 – 100,0 35.167,88 35.167,88 90,1 – 100,0 302.196,24 17.319,87 117.792,01 17.319,87 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 16.316,44 16.316,44 90,1 – 100,0 18.264,41 18.264,41 90,1 – 100,0 20.324,31 20.324,31 90,1 – 100,0 10.595,50 10.595,50 90,1 – 100,0 34.791,34 34.791,34 90,1 – 100,0 27.621,67 27.621,67 90,1 – 100,0 19.698,04 19.698,04 90,1 – 100,0 49.325,99 49.325,99 90,1 – 100,0 20.238,58 13.008,52 20.238,58 13.008,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.470,48 30.470,48 90,1 – 100,0 49.893,10 49.893,10 90,1 – 100,0 113.267,23 56.999,16 30,1 – 60,0 79.945,88 41.262,42 30,1 – 60,0 10.746,42 10.746,42 90,1 – 100,0 43.184,75 16.342,01 30,1 – 60,0 63.929,47 63.929,47 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) São Bento Abade São Brás do Suaçuí São Domingos das Dores São Domingos do Prata São Félix de Minas São Francisco São Francisco de Paula São Francisco de Sales São Francisco do Glória São Geraldo São Geraldo da Piedade São Geraldo do Baixio São Gonçalo do Rio Abaixo São Gonçalo do Sapucaí São Gotardo São João Batista do Glória São João da Mata São João da Ponte São João das Missões São João Del Rei São João do Manhuaçu São João do Manteninha São João do Oriente São João do Paraíso São João Evangelista São João Nepomuceno São Joaquim de Bicas São José da Barra São José da Safira São José da Varginha São José do Alegre São José do Divino São José do Goiabal São José do Jacuri São José do Mantimento São Lourenço São Miguel do Anta São Pedro da União São Pedro do Suaçuí São Pedro dos Ferros São Sebastião da Bela Vista São Sebastião da Vargem Alegre São Sebastião do Anta São Sebastião do Maranhão São Sebastião do Oeste (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 8.067,56 8.067,56 90,1 – 100,0 11.074,00 11.074,00 90,1 – 100,0 6.141,93 6.141,93 90,1 – 100,0 74.918,40 74.918,40 90,1 – 100,0 16.629,79 16.629,79 90,1 – 100,0 330.966,51 148.605,44 30,1 – 60,0 31.722,90 31.722,90 90,1 – 100,0 113.233,04 16.458,40 113.233,04 16.458,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.928,13 18.928,13 90,1 – 100,0 15.391,91 15.391,91 90,1 – 100,0 28.107,91 28.107,91 90,1 – 100,0 36.558,85 35.434,77 90,1 – 100,0 51.936,01 51.936,01 90,1 – 100,0 85.594,50 35.506,92 30,1 – 60,0 55.139,66 36.025,39 60,1 – 90,0 12.089,27 12.089,27 90,1 – 100,0 185.554,80 172.475,97 90,1 – 100,0 67.773,73 51.761,21 60,1 – 90,0 146.763,57 146.763,57 90,1 – 100,0 14.284,13 14.284,13 90,1 – 100,0 13.990,82 13.990,82 90,1 – 100,0 12.049,04 12.049,04 90,1 – 100,0 192.736,49 186.922,06 90,1 – 100,0 48.026,25 48.026,25 90,1 – 100,0 40.894,99 40.894,99 90,1 – 100,0 7.278,58 31.318,64 7.278,58 4.264,00 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 21.511,37 21.511,37 90,1 – 100,0 20.563,24 5.717,43 10,1 – 30,0 8.940,53 8.940,53 90,1 – 100,0 32.714,24 32.714,24 90,1 – 100,0 18.540,56 18.540,56 90,1 – 100,0 34.637,81 34.637,81 90,1 – 100,0 5.457,28 5.457,28 90,1 – 100,0 5.716,67 5.716,67 90,1 – 100,0 15.265,54 25.863,97 15.265,54 25.863,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.953,33 30.953,33 90,1 – 100,0 40.197,79 40.197,79 90,1 – 100,0 16.736,82 16.736,82 90,1 – 100,0 7.388,53 7.388,53 90,1 – 100,0 8.042,23 8.042,23 90,1 – 100,0 52.003,89 52.003,89 90,1 – 100,0 40.541,30 20.589,07 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) São Sebastião do Paraíso São Sebastião do Rio Preto São Sebastião do Rio Verde São Thomé das Letras São Tiago São Tomás de Aquino São Vicente de Minas Sapucaí-Mirim Sardoá Sarzedo Sem -Peixe Senador Amaral Senador Cortes Senador Firmino Senador José Bento Senador Modestino Gonçalves Senhora de Oliveira Senhora do Porto Senhora dos Remédios Sericita Seritinga Serra Azul de Minas Serra dos Aimorés Serrania Serranópolis de Minas Serranos Serro Setubinha Silveirânia Silvianópolis Simão Pereira Simonésia Sobrália Soledade de Minas Tabuleiro Taiobeiras Taparuba Tarumirim Teixeiras Teófilo Otoni Timóteo Tiradentes Tiros Tocantins Tocos do Moji (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 82.443,29 67.152,12 60,1 – 90,0 12.760,85 12.303,79 90,1 – 100,0 9.218,86 9.218,86 90,1 – 100,0 37.046,51 37.046,51 90,1 – 100,0 57.563,91 57.563,91 90,1 – 100,0 27.841,70 16.164,80 30,1 – 60,0 39.323,49 39.323,49 90,1 – 100,0 28.564,98 14.206,61 28.564,98 14.206,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.202,16 6.202,16 90,1 – 100,0 17.683,98 17.683,98 90,1 – 100,0 15.150,25 15.150,25 90,1 – 100,0 9.864,66 9.864,66 90,1 – 100,0 16.652,14 16.652,14 90,1 – 100,0 9.490,56 9.490,56 90,1 – 100,0 95.148,25 14.331,24 10,1 – 30,0 17.027,04 17.027,04 90,1 – 100,0 38.326,25 38.326,25 90,1 – 100,0 23.779,04 23.779,04 90,1 – 100,0 16.722,67 16.722,67 90,1 – 100,0 11.476,88 11.476,88 90,1 – 100,0 24.065,69 24.065,69 90,1 – 100,0 21.589,21 21.589,21 90,1 – 100,0 21.185,76 21.185,7 6 90,1 – 100,0 55.518,53 4.675,20 0,1 – 10,0 21.311,25 21.311,25 90,1 – 100,0 124.419,33 18.472,35 109.736,42 12.631,10 60,1 – 90,0 60,1 – 90,0 15.773,87 15.773,87 90,1 – 100,0 31.272,50 31.272,50 90,1 – 100,0 13.505,58 13.505,58 90,1 – 100,0 48.923,54 48.923,54 90,1 – 100,0 20.765,68 20.765,68 90,1 – 100,0 19.742,46 19.742,46 90,1 – 100,0 21.191,53 21.191,53 90,1 – 100,0 119.847,97 57.050,32 30,1 – 60,0 19.143,49 73.300,46 19.143,49 73.300,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.700,18 16.700,18 90,1 – 100,0 325.301,77 325.301,77 90,1 – 100,0 14.562,70 14.562,70 90,1 – 100,0 8.340,21 8.340,21 90,1 – 100,0 209.976,97 59.801,22 10,1 – 30,0 17.426,64 17.426,64 90,1 – 100,0 11.524,05 11.524,05 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Toledo Tombos Três Corações Três Pontas Tumiritinga Tupaciguara Turvolândia Ubá Ubaí Ubaporanga Uberaba Uberlândia Umburatiba União de Minas Urucânia Vargem Alegre Vargem Grande do Rio Pardo Varginha Varzelândia Verdelândia Veredinha Vermelho Novo Viçosa Vieiras Virgínia Virginópolis Virgolândia Visconde do Rio Branco Volta Grande Wenceslau Braz (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 13.649,52 13.649,52 90,1 – 100,0 28.411,73 28.411,73 90,1 – 100,0 82.798,97 82.798,97 90,1 – 100,0 69.133,82 69.133,82 90,1 – 100,0 49.826,36 49.826,36 90,1 – 100,0 183.678,60 81.051,14 30,1 – 60,0 22.180,22 22.180,22 90,1 – 100,0 40.891,12 82.399,55 40.891,12 30.796,06 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 19.145,71 19.145,71 90,1 – 100,0 452.952,90 75.008,22 10,1 – 30,0 411.602,35 8.911,67 0,1 – 10,0 36.836,87 36.836,87 90,1 – 100,0 116.399,83 82.464,15 60,1 – 90,0 13.965,24 13.965,24 90,1 – 100,0 11.681,16 11.681,16 90,1 – 100,0 49.389,67 29.942,45 60,1 – 90,0 39.666,82 39.666,82 90,1 – 100,0 79.263,06 79.263,06 90,1 – 100,0 147.106,98 147.106,98 90,1 – 100,0 63.717,75 4.474,19 0,1 – 10,0 11.440,91 11.440,91 90,1 – 100,0 30.012,30 30.012,30 90,1 – 100,0 11.237,84 11.237,84 90,1 – 100,0 32.710,36 32.710,36 90,1 – 100,0 41.479,30 41.479,30 90,1 – 100,0 28.237,76 24.118,49 28.237,76 24.118,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.947,65 20.947,65 90,1 – 100,0 10.224,81 10.224,81 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Mato Grosso do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (49 Municípios) Município (1) Amambai Anaurilândia Angélica Antônio João Aparecida do Taboado Aral Moreira Bataguassu Bataiporã Bodoquena Bonito Brasilândia Caarapó Coronel Sapucaia Corumbá Deodápolis Douradina Dourados Eldorado Fátima do Sul Glória de Dourados Iguatemi Itaporã Itaquiraí Ivinhema Japor ã Jardim Jateí Juti Laguna Carapã Maracaju Miranda Mundo Novo Naviraí Nova Alvorada do Sul Nova Andradina Novo Horizonte do Sul Paranaíba Paranhos Ponta Porã Porto Murtinho Rio Brilhante Santa Rita do Pardo (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 421.270,82 421.270,82 90,1 – 100,0 340.503,21 199.598,55 30,1 – 60,0 127.636,87 126.346,69 90,1 – 100,0 114.651,60 34.869,47 30,1 – 60,0 275.791,94 165.972,90 167.405,81 164.684,68 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 242.317,48 87.184,21 30,1 – 60,0 183.284,30 162.527,95 60,1 – 90,0 251.436,64 64.646,14 10,1 – 30,0 494.769,79 40.855,77 0,1 – 10,0 582.122,81 209.513,63 77.180,96 208.940,91 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 103.136,32 103.115,09 90,1 – 100,0 6.516.260,51 184.676,83 0,1 – 10,0 83.368,25 83.368,25 90,1 – 100,0 28.154,57 28.154,57 90,1 – 100,0 409.658,12 102.031,58 224.423,75 102.031,58 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 31.609,81 31.609,81 90,1 – 100,0 49.289,80 49.289,80 90,1 – 100,0 295.374,02 295.374,02 90,1 – 100,0 132.557,99 125.665,47 90,1 – 100,0 206.686,29 201.509,44 206.686,29 201.509,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 45.876,80 45.834,09 90,1 – 100,0 220.792,80 1.216,56 0,1 – 10,0 193.273,27 193.273,27 90,1 – 100,0 161.678,33 161.678,33 90,1 – 100,0 173.810,96 531.318,02 173.810,96 29.924,74 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 549.469,05 131.799,08 10,1 – 30,0 44.307,51 44.279,21 90,1 – 100,0 317.278,95 317.278,95 90,1 – 100,0 402.982,10 10.909,20 0,1 – 10,0 478.765,99 85.118,01 108.769,70 85.118,01 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 542.297,85 52.922,60 0,1 – 10,0 130.508,16 130.318,77 90,1 – 100,0 534.102,62 216.485,60 30,1 – 60,0 1.778.294,27 171.513,41 0,1 – 10,0 399.866,59 615.871,35 367.389,91 29.453,99 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Mato Grosso do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (49 Municípios – continuação) Município (1) Selvíria Sete Quedas Sidrolândia Tacuru Taquarussu Três Lagoas Vicentina (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 326.795,05 47.904,95 10,1 – 30,0 82.769,58 82.609,57 90,1 – 100,0 530.092,88 61.107,38 10,1 – 30,0 178.921,41 178.921,41 90,1 – 100,0 105.674,14 1.023.554,31 105.674,14 109.373,81 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 31.116,63 31.116,63 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Paraíbainseridos no Domínio da Mata Atlântica (64 Municípios) Município (1) Alagoa Grande Alagoa Nova Alhandra Araçagi Arara Areia Baía da Traição Bananeiras Bayeux Belém Borborema Caaporã Cabedelo Caldas Brandão Camalaú Capim Caraúbas Casserengue Conde Congo Cruz do Espírito Santo Cuité de Mamanguape Curral de Cima Dona Inês Esperança Gurinhém Itabaiana Itapororoca Itatuba Jacaraú João Pessoa Juripiranga Lagoa Seca Lucena Mamanguape Marcação Mari Mataraca Matinhas Mogeiro Monteiro Mulungu (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 33.360,94 2.182,14 0,1 – 10,0 11.952,46 11.952,46 90,1 – 100,0 22.525,44 22.525,44 90,1 – 100,0 23.630,24 6.263,25 10,1 – 30,0 3.910,92 26.475,71 2.776,22 19.127,39 60,1 – 90,0 60,1 – 90,0 9.498,65 9.484,54 90,1 – 100,0 27.394,05 18.092,09 60,1 – 90,0 2.740,13 2.740,13 90,1 – 100,0 10.254,85 1.238,03 10,1 – 30,0 4.995,73 14.420,40 4.995,73 14.420,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 3.144,81 2.528,49 60,1 – 90,0 6.702,22 856,19 10,1 – 30,0 67.196,01 29.845,42 30,1 – 60,0 10.014,11 10.014,11 90,1 – 100,0 43.848,31 23.594,14 6.417,40 1.385,20 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 16.478,85 16.457,45 90,1 – 100,0 32.995,01 9.374,17 10,1 – 30,0 19.014,03 19.014,03 90,1 – 100,0 9.729,45 7.392,56 60,1 – 90,0 8.670,67 7.416,96 478,63 810,57 0,1 – 10,0 10,1 – 30,0 14.634,07 1.941,15 10,1 – 30,0 22.612,85 348,85 0,1 – 10,0 20.475,55 20.475,55 90,1 – 100,0 15.080,51 2.711,98 10,1 – 30,0 24.038,03 25.725,94 4.764,65 10.282,06 10,1 – 30,0 30,1 – 60,0 21.108,63 21.080,57 90,1 – 100,0 9.600,97 9.600,97 90,1 – 100,0 6.827,18 230,12 0,1 – 10,0 9.241,86 9.218,85 90,1 – 100,0 33.786,26 9.517,45 33.747,31 9.517,45 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.748,63 2.063,94 10,1 – 30,0 17.398,55 17.385,46 90,1 – 100,0 2.919,72 2.114,80 60,1 – 90,0 22.831,09 7.586,10 30,1 – 60,0 101.071,02 22.479,92 931,74 637,99 0,1 – 10,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Paraíba inseridos no Domínio da Mata Atlântica (64 Municípios – continuação) Município (1) Natuba Pedras de Fogo Pilar Pilões Pilõezinhos Pirpirituba Pitimbu Remígio Riachão do Poço Rio Tinto Salgado de São Félix Santa Rita São João do Tigre São José dos Ramos São Miguel de Taipu São Sebastião de Lagoa de Roça São Sebastião do Umbuzeiro Sapé Serraria Sobrado Solânea Zabelê (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 22.697,35 2.775,14 10,1 – 30,0 34.966,60 34.966,60 90,1 – 100,0 10.149,68 10.149,68 90,1 – 100,0 4.621,07 1.335,45 10,1 – 30,0 4.869,43 8.300,03 416,94 1.665,62 0,1 – 10,0 10,1 – 30,0 14.192,79 14.168,67 90,1 – 100,0 13.067,72 5.234,28 30,1 – 60,0 6.421,76 4.562,15 60,1 – 90,0 50.647,17 50.602,82 90,1 – 100,0 16.154,23 76.564,33 16.154,23 76.558,75 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 68.925,10 7.240,71 10,1 – 30,0 8.054,23 6.935,14 60,1 – 90,0 6.396,45 6.396,45 90,1 – 100,0 6.623,22 2.352,95 30,1 – 60,0 42.737,00 33.062,51 4.643,39 31.743,44 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 8.524,10 8.392,02 90,1 – 100,0 4.352,09 4.352,09 90,1 – 100,0 10.886,78 6.723,74 60,1 – 90,0 14.362,38 50,73 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Pernambuco inseridos no Domínio da Mata Atlântica (104 Municípios) Município (1) Abreu e Lima Agrestina Água Preta Aliança Altinho Amaraji Angelim Araçoiaba Barra de Guabiraba Barreiros Belém de Maria Bezerros Bom Conselho Bonito Brejão Brejo da Madre de Deus Buenos Aires Cabo de Santo Agostinho Caetés Calçado Camaragibe Camocim de São Félix Camutanga Canhotinho Capoeiras Carpina Caruaru Catende Chã de Alegria Chã Grande Condado Correntes Cortês Cumaru Cupira Escada Feira Nova Ferreiros Gameleira Garanhuns Glória do Goitá Goiana (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo tersido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 12.892,38 12.892,38 90,1 – 100,0 19.786,72 9.907,43 30,1 – 60,0 53.202,73 53.202,73 90,1 – 100,0 26.632,85 19.763,08 60,1 – 90,0 45.279,45 23.893,02 12.867,96 23.893,02 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 12.669,68 12.669,68 90,1 – 100,0 9.680,84 9.680,84 90,1 – 100,0 11.818,27 11.818,27 90,1 – 100,0 22.997,69 22.980,23 90,1 – 100,0 6.402,08 54.556,24 6.402,08 29.733,61 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 79.798,64 3.783,21 0,1 – 10,0 39.268,96 39.268,96 90,1 – 100,0 16.163,58 9.093,45 30,1 – 60,0 78.256,16 34.719,52 30,1 – 60,0 8.734,31 44.832,50 8.734,31 44.761,85 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.417,23 5.012,69 10,1 – 30,0 5.595,98 5.005,93 60,1 – 90,0 4.829,30 4.829,30 90,1 – 100,0 5.081,89 1.485,53 10,1 – 30,0 3.806,83 42.301,76 3.806,83 42.301,76 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.447,50 706,14 0,1 – 10,0 15.389,39 15.389,39 90,1 – 100,0 93.248,64 22.091,34 10,1 – 30,0 16.101,11 16.101,11 90,1 – 100,0 5.827,36 8.373,03 5.827,36 8.373,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.094,23 9.094,23 90,1 – 100,0 28.536,28 25.596,05 60,1 – 90,0 9.903,94 9.903,94 90,1 – 100,0 27.831,35 2.842,72 10,1 – 30,0 10.418,12 35.030,14 10.418,12 35.030,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.889,29 11.889,29 90,1 – 100,0 8.609,82 8.609,82 90,1 – 100,0 26.084,17 26.084,17 90,1 – 100,0 46.782,16 44.643,12 90,1 – 100,0 21.166,42 49.406,85 21.166,42 49.379,05 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Pernambuco inseridos no Domínio da Mata Atlântica (104 Municípios – continuação) Município (1) Gravatá Ibirajuba Igarassu Ipojuca Itamaracá Itambé Itapissuma Itaquitinga Jaboatão dos Guararapes Jaqueira Jataúba João Alfredo Joaquim Nabuco Jucati Jupi Jurema Lagoa do Carro Lagoa do Itaenga Lagoa do Ouro Lagoa dos Gatos Lajedo Limoeiro Macaparana Maraial Moreno Nazaré da Mata Olinda Palmares Palmeirina Panelas Paranatama Passira Paudalho Paulista Pombos Primavera Quipapá Recife Riacho das Almas Ribeirão Rio Formoso Sairé (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 49.134,24 49.134,24 90,1 – 100,0 21.802,86 15.577,25 60,1 – 90,0 30.459,18 30.459,16 90,1 – 100,0 51.491,96 51.433,57 90,1 – 100,0 6.541,77 30.622,49 6.525,15 30.622,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.427,21 7.427,21 90,1 – 100,0 11.710,49 11.710,49 90,1 – 100,0 25.739,58 25.735,17 90,1 – 100,0 11.120,95 11.120,95 90,1 – 100,0 71.566,60 15.005,89 14.625,68 280,42 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 11.551,95 11.551,95 90,1 – 100,0 10.932,72 5.767,14 30,1 – 60,0 15.131,07 7.599,94 30,1 – 60,0 14.721,93 14.721,93 90,1 – 100,0 5.966,57 6.192,63 5.966,57 6.192,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.966,58 5.150,83 10,1 – 30,0 18.922,31 18.922,31 90,1 – 100,0 20.890,19 12.918,56 60,1 – 90,0 27.741,42 23.644,92 60,1 – 90,0 10.276,56 19.706,81 8.615,98 19.706,81 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 19.213,36 19.213,36 90,1 – 100,0 14.183,99 14.183,99 90,1 – 100,0 3.814,92 3.798,17 90,1 – 100,0 37.618,46 37.618,46 90,1 – 100,0 20.029,23 36.947,87 20.029,23 36.947,87 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 27.283,73 130,92 0,1 – 10,0 36.488,50 22.876,72 60,1 – 90,0 27.028,71 27.028,71 90,1 – 100,0 10.221,77 10.206,61 90,1 – 100,0 23.608,34 9.650,80 23.608,34 9.650,80 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.546,08 22.546,08 90,1 – 100,0 21.861,72 21.855,90 90,1 – 100,0 31.377,47 10.811,67 30,1 – 60,0 28.777,10 28.777,10 90,1 – 100,0 34.133,47 19.865,85 34.133,47 17.240,83 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Pernambuco inseridos no Domínio da Mata Atlântica (104 Municípios – continuação) Município (1) Salgadinho Saloá Santa Cruz do Capibaribe São Benedito do Sul São João São Joaquim do Monte São José da Coroa Grande São Lourenço da Mata São Vicente Ferrer Sirinhaém Tamandaré Taquaritinga do Norte Terezinha Timbaúba Toritama Tracunhaém Vertentes Vicência Vitória de Santo Antão Xexéu (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 7.188,66 45,84 0,1 – 10,0 29.735,06 670,11 0,1 – 10,0 36.960,96 11.698,51 30,1 – 60,0 20.924,19 20.924,19 90,1 – 100,0 23.656,66 23.064,67 23.656,66 18.585,66 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 7.491,36 7.480,25 90,1 – 100,0 26.449,60 26.449,60 90,1 – 100,0 12.021,00 2.222,92 10,1 – 30,0 35.701,93 35.679,48 90,1 – 100,0 9.870,07 45.062,03 9.830,24 4.923,07 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 14.244,19 10.783,94 60,1 – 90,0 32.049,39 26.315,36 60,1 – 90,0 3.467,91 2.773,86 60,1 – 90,0 14.158,85 14.158,8 5 90,1 – 100,0 17.251,22 25.034,29 395,97 6.329,95 0,1 – 10,0 10,1 – 30,0 34.565,05 34.565,05 90,1 – 100,0 11.652,33 11.652,33 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Piauí inseridos no Domínio da Mata Atlântica (32 Municípios) Município (1) Alvorada do Gurguéia Avelino Lopes Bertolínia Bom Jesus Brejo do Piauí Canavieira Canto do Buriti Colônia do Gurguéia Corrente Cristino Castro Curimatá Eliseu Martins Floriano Guaribas Itaueira Jerumenha João Costa Júlio Borges Jurema Landri Sales Manoel Emídio Morro Cabeça no Tempo Parnaguá Pavussu Redenção do Gurguéia Riacho Frio Santa Luz São Braz do Piauí São Raimundo Nonato Sebastião Barros Sebastião Leal Tamboril do Piauí (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 234.224,80 101.042,45 30,1 – 60,0 119.863,14 114.487,02 90,1 – 100,0 122.609,30 83.439,37 60,1 – 90,0 570.819,20 95.276,89 10,1 – 30,0 186.995,33 188.815,02 7.437,49 147.286,80 0,1 – 10,0 60,1 – 90,0 441.968,91 177.136,16 30,1 – 60,0 42.014,04 19.389,84 30,1 – 60,0 304.599,88 20.840,47 0,1 – 10,0 213.987,63 60.666,29 10,1 – 30,0 237.901,73 102.199,21 185.284,16 72.354,91 60,1 – 90,0 60,1 – 90,0 340.332,55 5.380,60 0,1 – 10,0 374.048,58 158.910,79 30,1 – 60,0 257.139,89 66.237,38 10,1 – 30,0 169.398,80 27.517,08 10,1 – 30,0 187.122,35 133.684,10 3.561,63 122.121,59 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 125.140,57 27.471,16 10,1 – 30,0 122.100,41 4.530,02 0,1 – 10,0 171.440,48 94.120,38 30,1 – 60,0 222.425,41 111.030,46 30,1 – 60,0 328.222,05 150.582,17 159.074,12 66.845,53 30,1 – 60,0 30,1 – 60,0 243.725,02 71.436,88 10,1 – 30,0 225.438,50 15.096,36 0,1 – 10,0 111.046,13 34.825,86 30,1 – 60,0 55.703,36 32.341,80 30,1 – 60,0 260.666,78 105.553,78 54.363,51 20.555,06 10,1 – 30,0 10,1 – 30,0 300.473,56 127.008,51 30,1 – 60,0 171.171,26 4.759,86 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios) Município (1) Abatiá Adrianópolis Agudos do Sul Almirante Tamandaré Altamira do Paraná Altãnia Alto Paraná Alto Piquiri Alvorada do Sul Amaporã Ampére Anahy Andirá Ângulo Antonina Antônio Olinto Apucarana Arapongas Arapoti Arapuã Araruna Araucária Ariranha do Ivaí Assaí Assis Chateaubriand Astorga Atalaia Balsa Nova Bandeirantes Barbosa Ferraz Barracão Barra do Jacaré Bela Vista da Caroba Bela Vista do Paraíso Bituruna Boa Esperança Boa Esperança do Iguaçu Boa Ventura de São Roque Boa Vista da Aparecida Bocaiúva do Sul Bom Jesus do Sul Bom Sucesso (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 24.720,62 24.720,62 90,1 – 100,0 133.289,49 133.289,49 90,1 – 100,0 19.169,31 19.169,31 90,1 – 100,0 26.663,95 26.663,95 90,1 – 100,0 38.639,64 88.967,61 38.639,64 88.967,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 40.865,60 40.865,60 90,1 – 100,0 45.113,61 45.113,61 90,1 – 100,0 41.985,76 41.985,76 90,1 – 100,0 38.990,60 38.990,60 90,1 – 100,0 30.303,00 10.730,21 30.303,00 10.730,21 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.510,58 23.510,58 90,1 – 100,0 10.562,32 10.562,32 90,1 – 100,0 87.984,99 87.984,99 90,1 – 100,0 46.741,00 46.741,00 90,1 – 100,0 55.687,44 37.091,75 55.687,44 37.091,75 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 132.707,81 86.880,94 60,1 – 90,0 22.365,60 22.365,60 90,1 – 100,0 49.559,90 49.559,90 90,1 – 100,0 47.051,43 47.051,43 90,1 – 100,0 23.526,09 43.790,49 23.526,09 43.790,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 98.679,45 98.679,45 90,1 – 100,0 43.583,60 43.583,60 90,1 – 100,0 13.722,18 13.722,18 90,1 – 100,0 34.692,65 21.874,77 60,1 – 90,0 44.512,43 50.738,54 44.512,43 50.738,54 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.771,62 17.767,27 90,1 – 100,0 11.537,24 11.537,24 90,1 – 100,0 14.800,32 14.800,32 90,1 – 100,0 24.838,32 24.838,32 90,1 – 100,0 121.765,55 31.070,89 121.765,55 31.070,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.244,05 15.244,05 90,1 – 100,0 62.422,41 62.422,41 90,1 – 100,0 26.327,20 26.327,20 90,1 – 100,0 81.388,45 81.388,45 90,1 – 100,0 16.211,20 32.344,07 16.202,12 32.344,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Bom Sucesso do Sul Borrazópolis Braganey Brasilândia do Sul Cafeara Cafelândia Cafezal do Sul Califórnia Cambará Cambé Cambira Campina da Lagoa Campina do Simão Campina Grande do Sul Campo Bonito Campo do Tenente Campo Largo Campo Magro Campo Mourão Cândido de Abreu Candói Cantagalo Capanema Capitão Leônidas Marques Carambeí Carlópolis Cascavel Castro Catanduvas Centenário do Sul Cerro Azul Céu Azul Chopinzinho Cianorte Cidade Gaúcha Clevelândia Colombo Colorado Congonhinhas Conselheiro Mairinck Contenda Corbélia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 19.101,04 19.101,04 90,1 – 100,0 34.035,24 34.035,24 90,1 – 100,0 35.642,08 35.642,08 90,1 – 100,0 29.179,94 29.179,94 90,1 – 100,0 18.030,19 25.600,63 18.030,19 25.600,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 43.421,14 43.421,14 90,1 – 100,0 13.769,54 13.769,54 90,1 – 100,0 36.130,56 36.130,56 90,1 – 100,0 49.707,37 49.707,37 90,1 – 100,0 16.674,80 84.603,81 16.674,80 84.603,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.558,36 44.558,36 90,1 – 100,0 54.160,95 54.160,95 90,1 – 100,0 43.765,79 43.765,79 90,1 – 100,0 30.617,39 30.617,39 90,1 – 100,0 125.525,79 26.886,56 107.531,06 26.886,56 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 76.790,43 76.790,43 90,1 – 100,0 147.021,64 147.021,64 90,1 – 100,0 152.651,76 152.651,76 90,1 – 100,0 59.327,70 59.327,70 90,1 – 100,0 41.905,04 22.102,62 41.768,02 22.102,62 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 64.785,35 32.153,03 30,1 – 60,0 45.256,19 45.256,19 90,1 – 100,0 206.614,66 206.614,66 90,1 – 100,0 253.939,36 232.233,45 90,1 – 100,0 56.865,06 39.423,23 56.865,06 39.423,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 134.634,76 134.634,76 90,1 – 100,0 118.137,92 118.137,92 90,1 – 100,0 98.311,73 98.311,73 90,1 – 100,0 81.377,11 81.377,11 90,1 – 100,0 40.168,80 70.376,15 40.168,80 70.376,15 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.915,38 15.915,38 90,1 – 100,0 41.884,04 41.884,04 90,1 – 100,0 53.968,88 53.968,88 90,1 – 100,0 19.342,07 19.342,07 90,1 – 100,0 32.246,93 54.549,35 32.246,93 54.549,35 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Cornélio Procópio Coronel Domingos Soares Coronel Vivida Corumbataí do Sul Cruzeiro do Iguaçu Cruzeiro do Oeste Cruzeiro do Sul Cruz Machado Cruzmaltina Curitiba Curiúva Diamante do Norte Diamante do Sul Diamante d’Oeste Dois Vizinhos Douradina Doutor Camargo Enéas Marques Engenheiro Beltrão Esperança Nova Entre Rios do Oeste Espigão Alto do Iguaçu Farol Faxinal Fazenda Rio Grande Fênix Fernandes Pinheiro Figueira Floraí Flor da Serra do Sul Floresta Florestópolis Flórida Formosa do Oeste Foz do Iguaçu Francisco Alves Francisco Beltrão Foz do Jordão General Carneiro Godoy Moreira Goioerê Goioxim (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 62.728,43 62.728,43 90,1 – 100,0 155.941,55 155.941,55 90,1 – 100,0 68.951,36 68.951,36 90,1 – 100,0 19.219,30 19.219,30 90,1 – 100,0 16.175,88 78.452,94 16.175,88 78.452,94 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.877,42 25.877,42 90,1 – 100,0 147.952,34 147.952,34 90,1 – 100,0 30.455,79 30.455,79 90,1 – 100,0 43.085,34 43.085,34 90,1 – 100,0 58.852,97 25.006,29 58.852,97 25.006,29 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.772,90 34.772,90 90,1 – 100,0 31.150,87 31.150,87 90,1 – 100,0 41.887,77 41.887,77 90,1 – 100,0 41.998,99 41.998,99 90,1 – 100,0 11.864,41 19.517,89 11.864,41 19.517,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 47.444,80 47.444,80 90,1 – 100,0 14.139,87 14.139,87 90,1 – 100,0 13.171,62 13.171,62 90,1 – 100,0 39.566,60 39.566,60 90,1 – 100,0 28.958,80 70.326,18 28.958,80 70.326,18 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.063,45 12.063,45 90,1 – 100,0 23.429,26 23.429,26 90,1 – 100,0 41.457,48 41.457,48 90,1 – 100,0 12.367,20 12.367,20 90,1 – 100,0 19.617,25 25.849,60 19.617,25 25.849,60 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.936,14 15.936,14 90,1 – 100,0 24.866,56 24.866,56 90,1 – 100,0 8.311,68 8.311,68 90,1 – 100,0 27.482,23 27.482,23 90,1 – 100,0 58.992,24 32.038,46 58.924,38 32.038,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 71.894,89 71.894,89 90,1 – 100,0 24.355,74 24.355,74 90,1 – 100,0 107.182,51 107.182,51 90,1 – 100,0 13.078,79 13.078,79 90,1 – 100,0 52.954,88 69.449,35 52.954,88 69.449,35 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica MunicípiosdoEstadodoParanáinseridosnoDomíniodaMataAtlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Grandes Rios Guaíra Guairaçá Guamiranga Guapirama Guaporema Guaraci Guaraniaçu Guarapuava Guaraqueçaba Guaratuba Honório Serpa Ibaiti Ibema Ibiporã Icaraíma Iguaraçu Iguatu Imbaú Imbituva Inácio Martins Inajá Indianópolis Ipiranga Iporã Iracema do Oeste Irati Iretama Itaguajé Itaipulândia Itambaracá Itambé Itapejara d’Oeste Itaperuçu Itaúna do Sul Ivaí Ivaiporã Ivaté Ivatuba Jaboti Jacarezinho Jaguapitã (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 30.640,57 30.640,57 90,1 – 100,0 50.490,68 50.425,14 90,1 – 100,0 49.072,30 49.072,30 90,1 – 100,0 21.620,34 21.620,34 90,1 – 100,0 18.946,25 21.327,84 18.946,25 21.327,84 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 19.943,53 19.943,53 90,1 – 100,0 123.441,53 123.441,53 90,1 – 100,0 315.971,67 315.971,67 90,1 – 100,0 203.024,23 202.988,50 90,1 – 100,0 133.018,40 53.167,66 132.997,70 53.167,66 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 91.856,15 91.856,15 90,1 – 100,0 15.673,84 15.673,84 90,1 – 100,0 29.868,63 29.868,63 90,1 – 100,0 68.117,52 68.117,52 90,1 – 100,0 16.596,17 10.150,06 16.596,17 10.150,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 33.100,06 33.100,06 90,1 – 100,0 80.558,09 80.558,09 90,1 – 100,0 92.330,27 92.330,27 90,1 – 100,0 19.457,18 19.457,18 90,1 – 100,0 12.402,44 90.749,40 12.402,44 90.749,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.535,67 55.535,67 90,1 – 100,0 8.168,63 8.168,63 90,1 – 100,0 99.866,90 99.866,90 90,1 – 100,0 56.856,15 56.856,15 90,1 – 100,0 20.061,15 33.802,83 20.061,15 33.790,77 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.802,23 20.802,23 90,1 – 100,0 24.458,78 24.458,78 90,1 – 100,0 25.012,82 25.012,82 90,1 – 100,0 29.970,40 29.970,40 90,1 – 100,0 12.333,50 59.710,25 12.333,50 59.710,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 43.813,93 43.813,93 90,1 – 100,0 41.534,11 41.534,11 90,1 – 100,0 9.511,72 9.511,72 90,1 – 100,0 13.834,32 13.834,32 90,1 – 100,0 60.994,23 46.654,07 60.994,23 46.654,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Jaguariaíva Jandaia do Sul Janiópolis Japira Japurá Jardim Alegre Jardim Olinda Jataizinho Jesuítas Joaquim Távora Jundiaí do Sul Juranda Jussara Kaloré Lapa Laranjal Laranjeiras do Sul Leópolis Lidianópolis Lindoeste Loanda Lobato Londrina Luiziana Lunardelli Lupionópolis Mallet Mamborê Mandaguaçu Mandaguari Mandirituba Manfrinópolis Mangueirinha Manoel Ribas Marechal Cândido Rondon Maria Helena Marialva Marilândia do Sul Marilena Mariluz Maringá Mariópolis (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 152.689,55 81.759,56 30,1 – 60,0 18.859,55 18.859,55 90,1 – 100,0 32.185,57 32.185,57 90,1 – 100,0 19.768,89 19.768,89 90,1 – 100,0 16.915,56 39.632,41 16.915,56 39.632,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.831,33 12.831,33 90,1 – 100,0 16.824,01 16.824,01 90,1 – 100,0 26.858,52 26.858,52 90,1 – 100,0 29.012,13 29.012,13 90,1 – 100,0 30.321,79 34.988,27 30.321,79 34.988,27 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.595,51 21.595,51 90,1 – 100,0 19.523,50 19.523,50 90,1 – 100,0 209.759,31 209.759,31 90,1 – 100,0 71.761,87 71.761,87 90,1 – 100,0 60.218,49 36.447,49 60.218,49 36.447,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.856,98 16.856,98 90,1 – 100,0 35.016,12 35.016,12 90,1 – 100,0 72.188,93 72.188,93 90,1 – 100,0 24.058,47 24.058,47 90,1 – 100,0 172.856,80 90.591,25 172.856,80 90.591,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 19.373,84 19.373,8 4 90,1 – 100,0 12.042,42 12.042,42 90,1 – 100,0 76.614,35 76.614,35 90,1 – 100,0 73.852,73 73.852,73 90,1 – 100,0 29.389,18 33.627,26 29.389,18 33.627,26 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 40.161,6 4 40.161,64 90,1 – 100,0 21.583,73 21.583,73 90,1 – 100,0 102.651,12 102.651,12 90,1 – 100,0 56.162,76 56.162,76 90,1 – 100,0 67.085,63 47.079,50 67.070,82 47.079,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 47.625,93 47.625,93 90,1 – 100,0 39.063,65 39.063,65 90,1 – 100,0 21.629,40 21.629,40 90,1 – 100,0 44.450,38 44.450,38 90,1 – 100,0 49.097,61 23.172,24 49.097,61 23.172,24 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Maripá Marmeleiro Marquinho Marumbi Matelândia Matinhos Mato Rico Mauá da Serra Medianeira Mercedes Mirador Miraselva Missal Moreira Sales Morretes Munhoz de Melo Nossa Senhora das Graças Nova Aliança do Ivaí Nova América da Colina Nova Aurora Nova Cantu Nova Esperança Nova Esperança do Sudoeste Nova Fátima Nova Laranjeiras Nova Londrina Nova Olímpia Nova Santa Bárbara Nova Santa Rosa Nova Prata do Iguaçu Nova Tebas Novo Itacolomi Ortigueira Ourizona Ouro Verde do Oeste Paiçandu Palmas Palmeira Palmital Palotina Paraíso do Norte Paranacity (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 32.046,49 32.046,49 90,1 – 100,0 39.210,91 39.210,91 90,1 – 100,0 50.999,02 50.999,02 90,1 – 100,0 20.871,22 20.871,22 90,1 – 100,0 65.076,24 11.758,07 65.076,24 11.721,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 39.331,68 39.331,68 90,1 – 100,0 10.987,74 10.987,74 90,1 – 100,0 29.543,20 29.543,20 90,1 – 100,0 20.136,16 20.130,83 90,1 – 100,0 21.386,54 9.149,39 21.386,54 9.149,39 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.712,82 34.712,82 90,1 – 100,0 34.585,65 34.585,65 90,1 – 100,0 69.499,35 69.499,35 90,1 – 100,0 13.619,14 13.619,14 90,1 – 100,0 18.303,77 12.943,04 18.303,77 12.943,04 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.481,58 12.481,58 90,1 – 100,0 47.242,24 47.242,24 90,1 – 100,0 58.637,02 58.637,02 90,1 – 100,0 40.250,37 40.250,37 90,1 – 100,0 20.280,98 28.041,40 20.280,98 28.041,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 119.205,49 119.205,49 90,1 – 100,0 26.960,81 26.960,81 90,1 – 100,0 13.401,47 13.401,47 90,1 – 100,0 7.508,55 7.508,55 90,1 – 100,0 20.787,92 34.453,51 20.787,92 34.453,51 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.386,66 55.386,66 90,1 – 100,0 15.927,55 15.927,55 90,1 – 100,0 245.194,33 245.194,33 90,1 – 100,0 17.581,17 17.581,17 90,1 – 100,0 29.438,11 17.100,63 29.438,11 17.100,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 158.616,68 158.616,68 90,1 – 100,0 146.527,04 137.792,36 90,1 – 100,0 66.091,85 66.091,85 90,1 – 100,0 57.575,51 57.575,51 90,1 – 100,0 20.467,55 34.417,73 20.467,55 34.417,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Paranaguá Paranapoema Paranavaí Pato Bragado Pato Branco Paula Freitas Paulo Frontin Peabiru Perobal Pérola Pérola d’Oeste Piên Pinhais Pinhalão Pinhal de São Bento Pinhão Piraí do Sul Piraquara Pitanga Pitangueiras Planaltina do Paraná Planalto Ponta Grossa Pontal do Paraná Porecatu Porto Amazonas Porto Barreiro Porto Rico Porto Vitória Prado Ferreira Pranchita Presidente Cas telo Branco Primeiro de Maio Prudentópolis Quarto Centenário Quatiguá Quatro Barras Quatro Pontes Quedas do Iguaçu Querência do Norte Quinta do Sol Quitandinha (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 80.693,11 80.547,50 90,1 – 100,0 18.207,75 18.207,75 90,1 – 100,0 120.558,93 120.558,93 90,1 – 100,0 12.864,09 12.854,99 90,1 – 100,0 54.005,41 42.106,91 54.005,41 42.106,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 36.771,37 36.771,37 90,1 – 100,0 46.730,20 46.730,20 90,1 – 100,0 42.866,95 42.866,95 90,1 – 100,0 23.237,05 23.237,05 90,1 – 100,0 22.450,55 26.021,62 22.330,87 26.021,62 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.088,67 6.088,67 90,1 – 100,0 24.483,36 24.483,36 90,1 – 100,0 9.711,53 9.711,53 90,1 – 100,0 200.554,72 200.554,72 90,1 – 100,0 140.613,16 22.763,65 74.500,59 22.763,65 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 167.640,37 167.640,37 90,1 – 100,0 12.312,58 12.312,58 90,1 – 100,0 35.379,36 35.379,36 90,1 – 100,0 33.016,28 32.897,14 90,1 – 100,0 206.790,64 20.200,02 123.609,66 20.178,55 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 29.136,73 29.136,73 90,1 – 100,0 17.900,70 17.875,31 90,1 – 100,0 36.593,68 36.593,68 90,1 – 100,0 22.197,11 22.197,11 90,1 – 100,0 20.159,21 16.452,37 20.159,21 16.452,37 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.650,83 22.465,85 90,1 – 100,0 15.724,36 15.724,36 90,1 – 100,0 40.977,45 40.977,45 90,1 – 100,0 228.064,30 228.064,30 90,1 – 100,0 36.164,77 11.987,82 36.164,77 11.987,82 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.033,90 18.033,90 90,1 – 100,0 19.718,51 19.718,51 90,1 – 100,0 81.960,55 81.960,55 90,1 – 100,0 89.843,75 89.843,75 90,1 – 100,0 32.784,89 43.024,53 32.784,89 43.024,53 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Ramilândia Rancho Alegre Rancho Alegre d’Oeste Realeza Rebouças Renascença Reserva Reserva do Iguaçu Ribeirão Claro Ribeirão do Pinhal Rio Azul Rio Bom Rio Bonito do Iguaçu Rio Branco do Ivaí Rio Branco do Sul Rio Negro Rolândia Roncador Rondon Rosário do Ivaí Sabáudia Salgado Filho Salto do Itararé Salto do Lontra Santa Amélia Santa Cecília do Pavão Santa Cruz de Monte Castelo Santa Fé Santa Helena Santa Inês Santa Isabel do Ivaí Santa Izabel do Oeste Santa Lúcia Santa Maria do Oeste Santa Mariana Santa Mônica Santana do Itararé Santa Tereza do Oeste Santa Terezinha de Itaipu Santo Antônio da Platina Santo Antônio do Caiuá Santo Antônio do Paraíso (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99 ) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 24.670,33 24.670,33 90,1 – 100,0 16.912,92 16.912,92 90,1 – 100,0 24.517,23 24.517,23 90,1 – 100,0 35.499,43 35.499,43 90,1 – 100,0 48.214,95 44.617,07 48.214,95 44.617,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 168.621,91 168.621,91 90,1 – 100,0 83.662,61 83.662,61 90,1 – 100,0 62.918,22 62.918,22 90,1 – 100,0 37.421,03 37.421,03 90,1 – 100,0 59.426,44 17.748,50 59.426,44 17.748,5 0 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 70.117,37 70.117,37 90,1 – 100,0 31.584,92 31.584,92 90,1 – 100,0 82.169,76 82.169,76 90,1 – 100,0 60.447,54 60.447,54 90,1 – 100,0 45.997,19 71.608,91 45.997,19 71.608,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.685,54 55.685,54 90,1 – 100,0 44.600,64 44.600,64 90,1 – 100,0 19.083,17 19.083,17 90,1 – 100,0 18.136,91 18.136,91 90,1 – 100,0 20.327,72 32.747,18 20.327,72 32.747,18 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.118,05 8.118,05 90,1 – 100,0 10.780,84 10.780,84 90,1 – 100,0 44.547,16 44.547,16 90,1 – 100,0 27.783,28 27.783,28 90,1 – 100,0 75.467,07 12.745,34 75.437,38 12.745,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.849,31 34.849,31 90,1 – 100,0 32.176,55 32.176,55 90,1 – 100,0 17.285,51 17.285,51 90,1 – 100,0 84.877,13 84.877,13 90,1 – 100,0 42.467,51 25.990,73 42.467,51 25.990,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.237,47 25.237,47 90,1 – 100,0 34.876,60 34.876,60 90,1 – 100,0 28.896,57 28.896,57 90,1 – 100,0 72.270,52 72.270,52 90,1 – 100,0 21.939,70 16.736,29 21.939,70 16.736,29 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Santo Antônio do Sudoeste Santo Inácio São Carlos do Ivaí São Jerônimo da Serra São João São João do Caiuá São João do Ivaí São João do Triunfo São Jorge d’Oeste São Jorge do Ivaí São Jorge do Patrocínio São José da Boa Vista São José das Palmeiras São José dos Pinhais São Manuel do Paraná São Mateus do Sul São Miguel do Iguaçu São Pedro do Iguaçu São Pedro do Ivaí São Pedro do Paraná São Sebastião da Amoreira São Tomé Sapopema Sarandi Saudade do Iguaçu Sengés Serranópolis do Iguaçu Sertaneja Sertanópolis Siqueira Campos Sulina Tamarana Tamboara Tapejara Tapira Teixeira Soares Telêmaco Borba Terra Boa Terra Rica Terra Roxa Tibagi Tijucas do Sul (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 32.438,85 32.396,86 90,1 – 100,0 29.475,62 29.475,62 90,1 – 100,0 21.600,34 21.600,34 90,1 – 100,0 82.655,96 82.655,96 90,1 – 100,0 37.170,72 30.404,50 37.170,72 30.404,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.173,13 35.173,13 90,1 – 100,0 71.700,74 71.700,74 90,1 – 100,0 38.260,72 38.260,72 90,1 – 100,0 32.062,14 32.062,14 90,1 – 100,0 24.274,93 40.359,14 24.274,93 40.359,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.118,70 18.118,70 90,1 – 100,0 93.177,55 93.177,55 90,1 – 100,0 9.512,24 9.512,24 90,1 – 100,0 134.521,80 134.521,80 90,1 – 100,0 85.332,16 29.182,23 85.305,99 29.182,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.338,37 32.338,37 90,1 – 100,0 26.713,70 26.713,70 90,1 – 100,0 22.712,49 22.712,49 90,1 – 100,0 21.945,61 21.945,61 90,1 – 100,0 67.157,11 10.429,07 67.157,11 10.429,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.129,54 15.129,54 90,1 – 100,0 137.424,04 59.189,32 30,1 – 60,0 48.401,03 48.369,53 90,1 – 100,0 44.120,85 44.120,85 90,1 – 100,0 51.285,68 27.617,26 51.285,68 27.617,26 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.784,81 16.784,81 90,1 – 100,0 40.906,07 40.906,07 90,1 – 100,0 19.440,61 19.440,61 90,1 – 100,0 59.645,49 59.645,49 90,1 – 100,0 43.636,26 89.367,53 43.636,26 89.367,53 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 138.696,64 133.973,38 90,1 – 100,0 31.589,19 31.589,19 90,1 – 100,0 70.367,69 70.367,69 90,1 – 100,0 84.508,05 84.508,05 90,1 – 100,0 299.520,25 66.669,25 222.004,25 66.669,25 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Toledo Tomazina Três Barras do Paraná Tunas do Paraná Tuneiras do Oeste Tupãssi Turvo Ubiratã Umuarama União da Vitória Uniflor Uraí Wenceslau Braz Ventania Vera Cruz do Oeste Verê Vila Alta Doutor Ulysses Virmond Vitorino Xambrê (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 120.268,94 120.268,94 90,1 – 100,0 59.164,87 59.164,87 90,1 – 100,0 50.900,25 50.900,25 90,1 – 100,0 68.449,03 68.449,03 90,1 – 100,0 70.205,67 30.290,66 70.205,67 30.290,66 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 91.369,04 91.369,04 90,1 – 100,0 65.533,52 65.533,52 90,1 – 100,0 123.226,05 123.226,05 90,1 – 100,0 73.314,73 73.314,73 90,1 – 100,0 9.773,77 23.580,73 9.773,77 23.580,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 39.399,04 39.399,04 90,1 – 100,0 74.518,58 68.150,75 90,1 – 100,0 31.239,96 31.239,96 90,1 – 100,0 32.476,50 32.476,50 90,1 – 100,0 95.833,77 78.031,59 95.833,77 78.031,59 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.512,87 24.512,87 90,1 – 100,0 29.402,41 29.402,41 90,1 – 100,0 36.334,57 36.334,57 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio de Janeiroinseridos no Domínio da Mata Atlântica (91 Municípios) Município (1) Angra dos Reis Aperibé Araruama Areal Armação de Búzios Arraial do Cabo Barra do Piraí Barra Mansa Belford Roxo Bom Jardim Bom Jesus do Itabapoana Cabo Frio Cachoeiras de Macacu Cambuci Campos dos Goytacazes Cantagalo Carapebus Cardoso Moreira Carmo Casimiro de Abreu Comendador Levy Gasparian Conceição de Macabu Cordeiro Duas Barras Duque de Caxias Engenheiro Paulo de Frontin Guapimirim Iguaba Grande Itaboraí Itaguaí Italva Itaocara Itaperuna Itatiaia Japeri Laje do Muriaé Macaé Macuco Magé Mangaratiba Maricá Mendes (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 81.629,49 79.369,42 90,1 – 100,0 8.943,36 8.943,36 90,1 – 100,0 63.526,14 63.523,52 90,1 – 100,0 11.159,23 11.159,23 90,1 – 100,0 6.974,91 15.841,35 6.811,37 15.128,43 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 57.989,70 57.989,70 90,1 – 100,0 54.911,10 54.911,10 90,1 – 100,0 8.006,11 8.006,11 90,1 – 100,0 38.622,33 38.622,33 90,1 – 100,0 60.050,67 40.402,85 60.050,67 40.140,17 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 95.821,70 95.821,70 90,1 – 100,0 56.356,76 56.356,76 90,1 – 100,0 403.813,49 403.782,24 90,1 – 100,0 71.874,70 71.874,70 90,1 – 100,0 30.582,99 51.620,41 30.568,78 51.620,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.457,73 35.457,73 90,1 – 100,0 46.272,97 46.257,76 90,1 – 100,0 10.750,49 10.750,49 90,1 – 100,0 34.882,30 34.882,30 90,1 – 100,0 11.659,82 34.386,52 11.659,82 34.386,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 46.547,99 46.513,40 90,1 – 100,0 13.950,01 13.950,0 1 90,1 – 100,0 36.176,59 36.153,31 90,1 – 100,0 3.635,61 3.635,61 90,1 – 100,0 42.836,37 27.816,62 42.831,66 27.064,04 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 29.671,02 29.671,02 90,1 – 100,0 42.958,19 42.958,19 90,1 – 100,0 110.881,55 110.881,55 90,1 – 100,0 22.512,97 22.512,97 90,1 – 100,0 8.289,52 25.109,92 8.289,52 25.109,92 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 121.830,96 121.804,36 90,1 – 100,0 13.371,66 13.371,66 90,1 – 100,0 38.673,69 38.612,05 90,1 – 100,0 36.083,69 28.757,33 60,1 – 90,0 36.400,61 7.747,18 36.320,70 7.747,18 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio de Janeiroinseridos no Domínio da Mata Atlântica (91 Municípios – continuação) Município (1) Miguel Pereira Miracema Natividade Nilópolis Niterói Nova Friburgo Nova Iguaçu Paracambi Paraíba do Sul Parati Paty do Alferes Petrópolis Pinheiral Piraí Porciúncula Porto Real Quatis Queimados Quissamã Resende Rio Bonito Rio Claro Rio das Flores Rio das Ostras Rio de Janeiro Santa Maria Madalena Santo Antônio de Pádua São Fidélis São Francisco de Itabapoana São Gonçalo São João da Barra São João de Meriti São José de Ubá São José do Vale do Rio Preto São Pedro da Aldeia São Sebastião do Alto Sapucaia Saquarema Seropédica Silva Jardim Sumidouro Tanguá (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 28.816,38 28.816,38 90,1 – 100,0 30.215,16 30.215,16 90,1 – 100,0 38.704,33 38.704,33 90,1 – 100,0 1.925,08 1.925,08 90,1 – 100,0 13.175,72 93.491,00 12.794,31 93.491,00 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.946,76 55.946,76 90,1 – 100,0 17.980,70 17.980,70 90,1 – 100,0 58.247,72 58.247,72 90,1 – 100,0 93.038,34 91.453,90 90,1 – 100,0 31.989,62 77.664,53 31.989,62 77.664,53 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.706,83 7.706,83 90,1 – 100,0 50.677,76 50.677,76 90,1 – 100,0 30.278,08 30.278,08 90,1 – 100,0 5.068,19 5.068,19 90,1 – 100,0 28.684,60 7.788,14 28.684,60 7.788,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 71.772,63 71.736,80 90,1 – 100,0 111.672,17 111.672,17 90,1 – 100,0 46.328,65 46.328,65 90,1 – 100,0 84.346,46 84.346,46 90,1 – 100,0 47.880,56 23.021,70 47.880,56 22.972,19 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 126.413,77 125.190,99 90,1 – 100,0 81.792,67 81.792,67 90,1 – 100,0 61.540,02 61.540,02 90,1 – 100,0 103.092,49 103.092,49 90,1 – 100,0 111.784,73 25.116,19 111.738,84 24.822,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 46.189,50 46.156,52 90,1 – 100,0 3.492,72 3.492,72 90,1 – 100,0 25.094,74 25.094,74 90,1 – 100,0 24.062,35 24.062,35 90,1 – 100,0 35.751,71 37.310,12 35.751,71 37.310,12 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 54.167,59 54.167,59 90,1 – 100,0 35.561,59 35.548,09 90,1 – 100,0 26.784,70 26.784,70 90,1 – 100,0 94.072,18 94.072,18 90,1 – 100,0 39.592,21 14.384,55 39.592,21 14.384,55 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio de Janeiroinseridos no Domínio da Mata Atlântica (91 Municípios) Município (1) Teresópolis Trajano de Morais Três Rios Valença Varre-Sai Vassouras Volta Redonda (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 77.232,13 77.232,13 90,1 – 100,0 59.097,52 59.097,52 90,1 – 100,0 32.538,52 32.538,52 90,1 – 100,0 130.802,24 130.802,24 90,1 – 100,0 19.021,02 55.378,81 19.021,02 55.378,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.280,96 18.280,96 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Norte inseridos no Domínio da Mata Atlântica (27 Municípios) Município (1) Arês Baía Formosa Brejinho Canguaretama Ceará-Mirim Espírito Santo Extremoz Goianinha Macaíba Maxaranguape Montanhas Monte Alegre Natal Nísia Floresta Nova Cruz Parnamirim Passagem Pedro Velho Pureza Rio do Fogo São Gonçalo do Amarante São José de Mipibu Senador Georgino Avelino Tibau do Sul Touros Várzea Vila Flor (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 11.597,20 11.597,20 90,1 – 100,0 25.027,04 24.996,23 90,1 – 100,0 5.895,60 1.436,41 10,1 – 30,0 28.010,81 27.999,37 90,1 – 100,0 72.976,43 15.777,21 24.707,61 15.777,21 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 13.539,39 11.665,96 60,1 – 90,0 18.067,10 18.067,10 90,1 – 100,0 49.173,00 4.651,18 0,1 – 10,0 13.179,63 10.813,61 60,1 – 90,0 6.505,58 21.101,08 2,30 4.056,73 0,1 – 10,0 10,1 – 30,0 16.988,43 16.952,39 90,1 – 100,0 31.368,54 31.326,58 90,1 – 100,0 28.328,06 149,34 0,1 – 10,0 12.663,51 12.646,07 90,1 – 100,0 4.278,49 18.144,94 642,59 16.624,32 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 50.891,91 4.332,63 0,1 – 10,0 15.102,79 13.535,45 60,1 – 90,0 26.161,00 3.390,93 10,1 – 30,0 29.440,70 23.721,23 60,1 – 90,0 2.319,05 10.409,04 2.317,07 10.385,15 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 82.174,74 26.697,73 30,1 – 60,0 12.051,46 5.842,72 30,1 – 60,0 4.435,77 4.435,77 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios) Município (1) Água Santa Agudo Ajuricaba Alecrim Alegria Alpestre Alto Alegre Alto Feliz Alvorada Amaral Ferrador Ametista do Sul André da Rocha Anta Gorda Antônio Prado Arambaré Araricá Aratiba Arroio do Meio Arroio do Sal Arroio do Tigre Arroio Grande Arvorezinha Augusto Pestana Áurea Balneário Pinhal Barão Barão de Cotegipe Barão do Triunfo Barra do Guarita Barra do Ribeiro Barra do Rio Azul Barra Funda Barracão Barros Cassal Benjamin Constant do Sul Bento Gonçalves Boa Vista do Buricá Boa Vista do Sul Bom Jesus Bom Princípio Bom Progresso Bom Retiro do Sul (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atl ântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 35.266,11 34.601,01 90,1 – 100,0 53.289,80 53.289,80 90,1 – 100,0 33.538,55 33.374,55 90,1 – 100,0 32.012,11 31.982,40 90,1 – 100,0 17.508,15 32.502,01 17.508,15 32.502,01 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.057,84 10.315,81 90,1 – 100,0 8.530,26 8.530,26 90,1 – 100,0 7.287,53 7.287,53 90,1 – 100,0 50.667,10 21.112,47 30,1 – 60,0 7.600,66 33.338,35 7.600,66 33.338,35 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.034,18 24.034,18 90,1 – 100,0 34.312,41 34.312,41 90,1 – 100,0 51.765,20 50.727,82 90,1 – 100,0 3.753,71 3.753,71 90,1 – 100,0 34.196,01 15.346,65 34.196,01 15.346,65 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.761,47 12.742,34 90,1 – 100,0 31.456,60 31.456,60 90,1 – 100,0 254.461,70 157.478,44 60,1 – 90,0 27.832,14 27.832,14 90,1 – 100,0 38.857,27 15.927,40 28.791,36 15.927,40 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 10.625,24 10.621,83 90,1 – 100,0 12.233,92 12.233,92 90,1 – 100,0 29.461,66 29.461,66 90,1 – 100,0 43.613,62 23.157,51 30,1 – 60,0 6.742,85 73.981,45 6.742,85 70.140,93 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 14.260,82 14.260,82 90,1 – 100,0 6.408,09 6.408,09 90,1 – 100,0 52.691,70 5.2691,7 90,1 – 100,0 64.804,97 64.804,97 90,1 – 100,0 13.246,76 38.092,02 8.533,80 38.092,02 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 10.877,82 10.877,82 90,1 – 100,0 9.515,04 9.515,04 90,1 – 100,0 263.333,46 263.333,46 90,1 – 100,0 9.025,14 9.025,14 90,1 – 100,0 8.294,00 10.272,67 8.294,00 10.272,67 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Boqueirão do Leão Braga Brochier Butiá Caçapava do Sul Cachoeira do Sul Cachoeirinha Cacique Doble Caibaté Caiçara Camaquã Camargo Cambará do Sul Campestre da Serra Campina das Missões Campinas do Sul Campo Bom Campo Novo Campos Borges Candelária Cândido Godói Canela Canguçu Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capela de Santana Capitão Capivari do Sul Caraã Carazinho Carlos Barbosa Carlos Gomes Casca Caseiros Catuípe Caxias do Sul Centenário Cerrito Cerro Branco Cerro Grande Cerro Grande do Sul Cerro Largo (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 27.447,34 27.447,34 90,1 – 100,0 13.050,79 13.050,79 90,1 – 100,0 11.546,60 1.1546,6 90,1 – 100,0 74.592,75 6.786,95 0,1 – 10,0 304.467,35 371.581,37 1.536,67 147.976,46 0,1 – 10,0 30,1 – 60,0 4.373,54 4.373,54 90,1 – 100,0 20.590,96 20.590,96 90,1 – 100,0 37.481,71 24.371,98 60,1 – 90,0 18.948,70 1.8948,7 90,1 – 100,0 168.330,98 13.782,46 166.354,68 13.782,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 115.890,13 115.890,13 90,1 – 100,0 53.889,15 53.889,15 90,1 – 100,0 22.764,36 22.764,36 90,1 – 100,0 45.069,52 1.610,59 0,1 – 10,0 5.985,25 22.270,06 5.985,25 22.270,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.004,95 9.120,65 30,1 – 60,0 93.998,66 93.998,66 90,1 – 100,0 24.738,19 24.738,19 90,1 – 100,0 25.278,86 25.278,86 90,1 – 100,0 352.085,55 13.125,97 55.595,31 13.013,55 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 9.689,43 9.672,93 90,1 – 100,0 78.391,20 60.409,92 60,1 – 90,0 18.174,73 18.174,73 90,1 – 100,0 7.005,28 7.005,28 90,1 – 100,0 41.376,10 39.620,09 90,1 – 100,0 29.538,25 29.538,25 90,1 – 100,0 90.979,79 3.063,78 0,1 – 10,0 20.805,71 20.805,71 90,1 – 100,0 8.405,55 8.405,55 90,1 – 100,0 27.079,54 27.079,54 90,1 – 100,0 24.004,60 2.4004,6 90,1 – 100,0 61.249,27 61.249,27 90,1 – 100,0 158.818,15 158.818,15 90,1 – 100,0 13.371,95 13.371,95 90,1 – 100,0 46.166,12 4.697,96 10,1 – 30,0 15.639,94 15.639,94 90,1 – 100,0 7.456,07 7.456,07 90,1 – 100,0 32.460,60 3.2460,6 90,1 – 100,0 17.456,28 16.720,75 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Chapada Charqueadas Charrua Chiapeta Chuí Chuvisca Cidreira Ciríaco Colinas Colorado Condor Constantina Coqueiros do Sul Coronel Barros Coronel Bicaco Cotiporã Coxilha Crissiumal Cristal Cristal do Sul Cruz Alta Cruzeiro do Sul David Canabarro Derrubadas Dezesseis de Novembro Dois Irmãos Dois Irmãos das Missões Dois Lajeados Dom Feliciano Dom Pedro de Alcântara Dona Francisca Doutor Maurício Cardoso Doutor Ricardo Eldorado do Sul Encantado Engenho Velho Entre Rios do Sul Entre-Ijuís Erechim Ernestina Erval Grande Erval Seco Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 69.555,49 17.476,29 10,1 – 30,0 21.496,29 41,51 0,1 – 10,0 19.939,32 19.939,32 90,1 – 100,0 39.746,00 39746 90,1 – 100,0 20.081,04 19.890,52 90,1 – 100,0 21.414,55 24.191,60 21.414,55 24.185,90 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 27.775,07 27.775,07 90,1 – 100,0 5.886,79 5.886,79 90,1 – 100,0 28.459,46 27.177,08 90,1 – 100,0 46.551,10 15.573,47 30,1 – 60,0 27.845,59 25.744,99 27.845,59 5.890,15 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 16.170,78 16.170,78 90,1 – 100,0 49.459,93 17.447,02 30,1 – 60,0 18.349,83 18.349,83 90,1 – 100,0 42.131,29 140,52 0,1 – 10,0 36.405,41 68.216,79 36.399,79 55.893,77 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 9.681,39 9.681,39 90,1 – 100,0 243.621,87 493,99 0,1 – 10,0 15.543,67 15.543,67 90,1 – 100,0 17.495,61 17.495,61 90,1 – 100,0 36.528,11 21.593,56 36.492,53 11.183,39 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 7.299,71 7.299,71 90,1 – 100,0 24.975,62 43,58 0,1 – 10,0 12.325,90 12.325,9 90,1 – 100,0 126.292,72 504.33,42 30,1 – 60,0 7.932,10 10.520,40 7.932,10 10.520,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.323,11 25.295,45 90,1 – 100,0 11.024,58 11.024,58 90,1 – 100,0 52.032,38 11.110,08 10,1 – 30,0 14.086,78 14.086,78 90,1 – 100,0 7.363,78 7.363,78 90,1 – 100,0 11.862,63 55.303,48 1.226,12 24.656,59 10,1 – 30,0 30,1 – 60,0 76.335,72 45.481,65 30,1 – 60,0 29.407,31 27.661,87 90,1 – 100,0 28.512,29 28.512,29 90,1 – 100,0 34.539,08 2.6133,7 60,1 – 90,0 Esmeralda 128.238,62 128.238,62 90,1 – 100,0 (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99)

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Esperança do Sul Espumoso Estação Estância Velha Esteio Estrela Estrela Velha Eugênio de Castro Fagundes Varela Farroupilha Faxinal do Soturno Faxinalzinho Fazenda Vilanova Feliz Flores da Cunha Floriano Peixoto Fontoura Xavier Formigueiro Fortaleza dos Valos Frederico Westphalen Garibaldi Garruchos Gaurama General Câmara Gentil Getúlio Vargas Giruá Glorinha Gramado Gramado dos Loureiros Gramado Xavier Gravataí Guabiju Guaíba Guaporé Guarani das Missões Harmonia Herveiras Horizontina Humaitá Ibarama Ibiaçá (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 14.622,68 14.620,31 90,1 – 100,0 88.767,85 85.238,43 90,1 – 100,0 9.675,58 0,75 0,1 – 10,0 5.162,61 5.162,61 90,1 – 100,0 2.747,35 18.404,76 2.747,35 18.404,76 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 28.297,82 27.481,00 90,1 – 100,0 42.151,26 5.319,44 10,1 – 30,0 13.221,23 13.221,23 90,1 – 100,0 39.397,16 39.397,16 90,1 – 100,0 16.607,22 14.393,10 16.607,22 14.393,10 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.543,41 8.543,41 90,1 – 100,0 9.257,54 9.257,54 90,1 – 100,0 29.368,09 29.368,09 90,1 – 100,0 16.230,79 16.230,79 90,1 – 100,0 57.605,99 58.766,96 57.605,99 55.684,27 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 68.946,53 119,86 0,1 – 10,0 26.440,60 26.440,60 90,1 – 100,0 27.306,54 27.306,54 90,1 – 100,0 83.092,34 219,89 0,1 – 10,0 20.096,22 49.400,77 20.096,22 47.059,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.383,57 18.383,57 90,1 – 100,0 28.604,93 22.566,87 60,1 – 90,0 82.732,20 8.2732,20 90,1 – 100,0 33.620,02 33.620,02 90,1 – 100,0 24.284,61 14.172,05 24.284,61 12.847,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.682,03 21.682,03 90,1 – 100,0 47.889,99 47.889,99 90,1 – 100,0 14.744,45 14.744,45 90,1 – 100,0 37.706,02 2.903,79 0,1 – 10,0 31.239,86 29.268,06 31.239,86 29.268,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 4.857,15 4.857,15 90,1 – 100,0 11.871,55 11.871,55 90,1 – 100,0 23.121,45 23.121,45 90,1 – 100,0 14.245,22 14.245,22 90,1 – 100,0 19.497,8 5 39.821,76 19.497,85 39.821,76 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Ibiraiaras Ibirapuitã Ibirubá Igrejinha Ijuí Ilópolis Imbé Imigrante Independência Inhacorá Ipê Iraí Itaara Itapuca Itatiba do Sul Ivorá Ivoti Jaboticaba Jacutinga Jaguarão Jaguari Jaquirana Jari Jóia Júlio de Castilhos Lagoa Dos Patos Lagoa dos Três Cantos Lagoa Mirim Lagoa Vermelha Lagoão Lajeado Lajeado do Bugre Liberato Salzano Lindolfo Collor Linha Nova Machadinho Mampituba Maquiné Maratá Marau Marcelino Ramos Mariana Pimentel (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 31.625,92 31.625,92 90,1 – 100,0 37.492,32 37.492,32 90,1 – 100,0 62.512,34 36.529,84 30,1 – 60,0 14.446,88 14.446,88 90,1 – 100,0 90.747,77 11.551,40 81.157,53 1.1551,4 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 3.949,10 3.944,84 90,1 – 100,0 10.055,76 10.055,76 90,1 – 100,0 35.301,07 35.301,07 90,1 – 100,0 11.317,81 11.317,81 90,1 – 100,0 60.092,04 20.017,03 60.092,04 20.017,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.269,98 14.764,12 60,1 – 90,0 18.437,13 18.437,13 90,1 – 100,0 21.529,68 21.529,68 90,1 – 100,0 13.157,85 12.959,01 90,1 – 100,0 6.514,12 12.882,48 6.514,12 6.902,63 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 22.439,68 8.494,96 30,1 – 60,0 207.089,79 59.753,66 10,1 – 30,0 68.501,21 40.447,67 30,1 – 60,0 91.745,46 91.745,46 90,1 – 100,0 87.161,77 124.616,05 34.951,67 5.084,41 30,1 – 60,0 0,1 – 10,0 185.836,17 17.817,99 0,1 – 10,0 1.009.943,04 67.181,78 0,1 – 10,0 13.578,23 13.578,23 90,1 – 100,0 280.758,80 39.697,52 10,1 – 30,0 177.859,89 38.417,19 177.859,89 38.417,19 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.090,12 24.090,12 90,1 – 100,0 7.362,45 4.582,14 60,1 – 90,0 25.001,07 25.001,07 90,1 – 100,0 3.177,44 3.177,44 90,1 – 100,0 6.290,99 33.354,51 6.290,99 33.354,51 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.699,72 15.699,72 90,1 – 100,0 62.526,06 62.200,11 90,1 – 100,0 8.633,57 8.633,57 90,1 – 100,0 61.152,13 61.152,13 90,1 – 100,0 22.990,62 32.657,73 22.990,62 19,915,00 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Mariano Moro Marques de Souza Mata Mato Castelhano Mato Leitão Maximili ano de Almeida Minas do Leão Miraguaí Montauri Monte Alegre dos Campos Monte Belo do Sul Montenegro Mormaço Morrinhos do Sul Morro Redondo Morro Reuter Mostardas Muçum Muitos Capões Muliterno Não-Me-Toque Nicolau Vergueiro Nonoai Nova Alvorada Nova Araçá Nova Bassano Nova Boa Vista Nova Bréscia Nova Candelária Nova Esperança do Sul Nova Hartz Nova Pádua Nova Palma Nova Petrópolis Nova Prata Nova Ramada Nova Roma do Sul Nova Santa Rita Novo Barreiro Novo Cabrais Novo Hamburgo Novo Machado (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 10.277,71 10.277,71 90,1 – 100,0 12.723,60 12.723,60 90,1 – 100,0 29.965,47 15.912,57 30,1 – 60,0 24.519,08 16.521,54 60,1 – 90,0 4.959,58 21.585,82 4.959,58 21.585,82 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 42.623,56 425,72 10,1 – 30,0% 12.959,53 12.959,53 90,1 – 100,0 7.070,36 7.070,36 90,1 – 100,0 55.220,59 55.220,59 90,1 – 100,0 6.772,42 44.081,42 6.772,42 44.081,42 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 14.627,77 14.627,77 90,1 – 100,0 16.657,30 1.6657,3 90,1 – 100,0 24.709,78 8,33 0,1 – 10,0 8.591,59 8.591,59 90,1 – 100,0 194.229,89 10.902,47 18.7833,9 10.902,47 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 119.250,94 119.250,94 90,1 – 100,0 11.270,36 11.270,36 90,1 – 100,0 37.904,20 35.986,51 90,1 – 100,0 15.707,24 15.707,24 90,1 – 100,0 45.906,33 14.936,02 4.4164,8 14.936,02 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 5.429,70 5.429,70 90,1 – 100,0 22.552,70 22.552,70 90,1 – 100,0 9.606,94 8.432,23 60,1 – 90,0 20.101,12 20.101,12 90,1 – 100,0 9.838,86 19.082,01 9.838,86 12.405,80 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 5.783,81 5.783,81 90,1 – 100,0 10.232,85 10.232,85 90,1 – 100,0 35.203,80 35.203,80 90,1 – 100,0 29.317,25 29.317,25 90,1 – 100,0 25.907,70 25.597,64 25.907,70 20.787,39 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 15.250,12 15.250,12 90,1 – 100,0 21.815,87 21.813,65 90,1 – 100,0 12.391,73 12.282,21 90,1 – 100,0 19.377,73 19.377,73 90,1 – 100,0 21.581,81 22.303,74 21.581,81 22.289,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Novo Tiradentes Osório Paim Filho Palmares do Sul Palmeira das Missões Palmitinho Panambi Pantano Grande Paraí Paraíso do Sul Pareci Novo Parobé Passa Sete Passo do Sobrado Passo Fundo Paverama Pedro Osório Pejuçara Pelotas Picada Café Pinhal Pinhal Grande Pinheirinho do Vale Pirapó Planalto Poço das Antas Pontão Ponte Preta Portão Porto Alegre Porto Lucena Porto Mauá Porto Vera Cruz Porto Xavier Pouso Novo Presidente Lucena Progresso Protásio Alves Putinga Quevedos Quinze de Novembro Redentora (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 7.384,46 7.384,46 90,1 – 100,0 67.109,10 58.604,02 60,1 – 90,0 17.564,67 17.564,67 90,1 – 100,0 94.728,06 92.183,85 90,1 – 100,0 154.968,78 14.436,46 13.055,86 14.436,46 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 49.130,45 30.503,19 60,1 – 90,0 84.776,78 10.742,68 10,1 – 30,0 12.112,61 12.112,61 90,1 – 100,0 34.288,00 34.288,00 90,1 – 100,0 5.995,61 11.144,47 5.995,61 11.144,47 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.346,51 30.346,51 90,1 – 100,0 28.087,29 28.087,29 90,1 – 100,0 75.946,29 37.947,69 30,1 – 60,0 16.917,59 16.917,59 90,1 – 100,0 59.843,20 41.480,95 17.837,22 3.883,69 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 164.786,21 148.337,44 90,1 – 100,0 8.338,27 8.338,27 90,1 – 100,0 7.269,06 7.269,06 90,1 – 100,0 47.750,47 39.083,73 60,1 – 90,0 10.607,58 27.475,60 10.607,58 27.470,43 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.716,59 23.716,59 90,1 – 100,0 5.929,74 5.929,74 90,1 – 100,0 52.424,03 5.107,67 0,1 – 10,0 10.622,88 10.397,27 90,1 – 100,0 15.858,43 49.603,50 15.858,43 40.445,93 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 23.097,38 23.080,36 90,1 – 100,0 10.633,86 10.622,08 90,1 – 100,0 11.432,45 11.424,21 90,1 – 100,0 26.899,55 26.883,56 90,1 – 100,0 10.692,89 4.939,49 10.692,89 4.939,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 27.760,62 27.760,62 90,1 – 100,0 17.251,02 17.251,02 90,1 – 100,0 21.830,62 21.830,62 90,1 – 100,0 54.227,91 13.683,85 10,1 – 30,0 22.806,06 31.011,56 13.104,29 30.067,25 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Relvado Restinga Seca Rio dos µndios Rio Grande Rio Pardo Riozinho Roca Sales Rodeio Bonito Rolante Ronda Alta Rondinha Roque Gonzales Sagrada Família Saldanha Marinho Salto do Jacuí Salvador das Missões Salvador do Sul Sananduva Santa Bárbara do Sul Santa Clara do Sul Santa Cruz do Sul Santa Maria Santa Maria do Herval Santa Rosa Santa Tereza Santa Vitória do Palmar Santiago Santo Ângelo Santo Antônio da Patrulha Santo Antônio do Palma Santo Antônio do Planalto Santo Augusto Santo Cristo Santo Expedito do Sul São Domingos do Sul São Francisco de Assis São Francisco de Paula São Gabriel São Jerônimo São João da Urtiga São João do Polêsine São Jorge (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 11.541,79 11.541,79 90,1 – 100,0 95.932,99 95.932,99 90,1 – 100,0 23.705,59 23.705,59 90,1 – 100,0 283.550,08 268.409,43 90,1 – 100,0 218.756,18 23.669,40 165.712,56 2.3669,4 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 20.872,37 20.872,37 90,1 – 100,0 8.140,93 8.140,93 90,1 – 100,0 27.045,46 27.045,46 90,1 – 100,0 41.983,70 6.631,60 10,1 – 30,0 25.903,19 36.512,24 24.279,28 36.141,48 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.746,60 7.746,60 90,1 – 100,0 22.055,65 21.662,12 90,1 – 100,0 82.757,31 14.028,96 10,1 – 30,0 9.745,18 9.745,18 90,1 – 100,0 12.854,96 50.516,82 12.854,96 50.516,82 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 95.898,60 5.332,59 0,1 – 10,0 8.868,55 8.868,55 90,1 – 100,0 61.706,93 61.706,93 90,1 – 100,0 182.547,86 10.9390,2 30,1 – 60,0 13.272,26 48.855,31 13.272,2 6 48.855,31 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.766,86 7.766,86 90,1 – 100,0 524.309,47 454.002,87 60,1 – 90,0 326.465,21 31.876,79 0,1 – 10,0 67.653,97 67.653,97 90,1 – 100,0 106.945,00 12.617,14 104.327,31 12.617,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.749,29 7.664,30 30,1 – 60,0 41.768,02 32.849,09 60,1 – 90,0 36.285,09 36.285,09 90,1 – 100,0 12.546,35 12.546,35 90,1 – 100,0 8.111,53 250.413,56 8.111,53 30.217,75 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 333.370,46 333.370,46 90,1 – 100,0 601.137,63 16.648,63 0,1 – 10,0 97.023,25 18.779,37 10,1 – 30,0 17.140,02 17.140,02 90,1 – 100,0 8.602,04 11.628,46 8.602,04 11.628,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) São José das Missões São José do Herval São José do Hortêncio São José do Inhacorá São José do Norte São José do Ouro São José dos Ausentes São Leopoldo São Lourenço do Sul São Luiz Gonzaga São Marcos São Martinho São Martinho da Serra São Miguel das Missões São Nicolau São Paulo das Missões São Pedro da Serra São Pedro do Butiá São Pedro do Sul São Sebastião do Caí São Sepé São Valentim São Valentim do Sul São Valério do Sul São Vendelino Sapiranga Sapucaia do Sul Sarandi Seberi Sede Nova Segredo Selbach Senador Salgado Filho Sentinela do Sul Serafina Corrêa Sério Sertão Sertão Santana Sete de Setembro Severiano de Almeida Silveira Martins Sinimbu (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 9.622,99 9.622,99 90,1 – 100,0 10.148,83 10.148,83 90,1 – 100,0 6.454,45 6.454,45 90,1 – 100,0 7.736,04 7.736,04 90,1 – 100,0 113.547,76 31.726,97 110.186,78 31.726,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 117.561,02 117.561,02 90,1 – 100,0 10.708,65 10.708,65 90,1 – 100,0 202.830,75 197.008,19 90,1 – 100,0 159.388,25 2.1461,8 10,1 – 30,0 26.374,96 16.764,08 26.374,96 16.764,08 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 66.510,45 20.156,09 30,1 – 60,0 138.340,49 5.793,03 0,1 – 10,0 50.862,55 14.757,73 10,1 – 30,0 23.875,14 23.875,14 90,1 – 100,0 3.514,22 10.572,06 3.514,22 10.485,71 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 88.584,85 25.435,76 10,1 – 30,0 11.401,54 11.401,54 90,1 – 100,0 217.603,79 39.138,14 10,1 – 30,0 15.242,9 2 11.976,09 60,1 – 90,0 9.654,17 11.569,81 9.654,17 11.569,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 3.796,25 3.796,25 90,1 – 100,0 13.341,91 13.341,91 90,1 – 100,0 5.809,32 5.809,32 90,1 – 100,0 34.299,93 26.825,35 60,1 – 90,0 30.379,88 11.780,54 25.123,61 11.780,54 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 24.876,24 24.876,24 90,1 – 100,0 17.736,48 17.736,48 90,1 – 100,0 14.710,98 14.710,98 90,1 – 100,0 28.251,65 28.251,65 90,1 – 100,0 16.154,91 9.911,52 16.154,91 9.911,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.387,71 12.171,36 10,1 – 30,0 25.048,21 25.048,21 90,1 – 100,0 14.510,04 14.510,04 90,1 – 100,0 16.277,16 16.277,16 90,1 – 100,0 12.246,21 50.793,34 12.246,21 50.793,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Sobradinho Soledade Tabaí Tapejara Tapera Tapes Taquara Taquari Taquaruçu do Sul Tavares Tenente Portela Terra de Areia Teutônia Tiradentes do Sul Toropi Torres Tramandaí Travesseiro Três Arroios Três Cachoeiras Três Coroas Três de Maio Três Forquilhas Três Palmeiras Três Passos Trindade do Sul Triunfo Tucunduva Tunas Tupanci do Sul Tupandi Tuparendi Turuçu Ubiretama União da Serra Vacaria Vale do Sol Vale Real Vale Verde Vanini Venâncio Aires Vera Cruz (1) IBGE, 1997 (2) SistemadeInformaçõesGeográficasdoISA–InstitutoSocioambiental(2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 23.830,37 23.830,37 90,1 – 100,0 120.919,35 120.919,35 90,1 – 100,0 9.459,45 9.459,45 90,1 – 100,0 31.514,08 31.514,08 90,1 – 100,0 18.239,18 80.558,24 18.239,18 78.701,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.571,04 44.571,04 90,1 – 100,0 34.656,50 33.620,10 90,1 – 100,0 7.695,04 7.695,04 90,1 – 100,0 65.191,92 58.932,59 90,1 – 100,0 34.163,53 33.825,17 34.163,53 33.825,17 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.555,10 21.555,10 90,1 – 100,0 23.337,82 23.318,41 90,1 – 100,0 18.325,37 18.029,93 90,1 – 100,0 16.175,23 16.161,87 90,1 – 100,0 14.376,29 9.532,63 14.364,27 9.532,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.094,43 15.094,43 90,1 – 100,0 25.282,18 25.282,18 90,1 – 100,0 15.915,95 15.915,95 90,1 – 100,0 42.430,28 42.430,28 90,1 – 100,0 21.663,14 17.579,28 21.663,14 8.979,06 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 27.375,13 27.375,13 90,1 – 100,0 27.001,54 17.818,44 60,1 – 90,0 82.388,19 71.507,56 60,1 – 90,0 17.577,60 17.577,60 90,1 – 100,0 21.806,25 14.219,33 21.790,67 14.219,33 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.695,08 6.695,08 90,1 – 100,0 30.836,78 30.836,78 90,1 – 100,0 28.600,51 2.7006,9 90,1 – 100,0 12.682,57 12.682,57 90,1 – 100,0 12.851,95 210.494,52 12.851,95 210.494,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 33.040,91 33.040,91 90,1 – 100,0 5.715,38 5.715,38 90,1 – 100,0 33.467,55 33.467,55 90,1 – 100,0 6.379,01 6.379,01 90,1 – 100,0 75.661,51 30.389,51 75.661,51 30.389,51 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Veranópolis Vespasiano Correa Viadutos Viamão Vicente Dutra Victor Graeff Vila Flores Vila Lângaro Vila Maria Vista Alegre Vista Alegre do Prata Vista Gaúcha Vitória das Missões Xangri-lá (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 27.649,31 27.649,31 90,1 – 100,0 12.437,24 12.437,24 90,1 – 100,0 27.145,11 27.145,11 90,1 – 100,0 149.435,70 144.674,76 90,1 – 100,0 19.501,42 26.721,57 19.501,42 26.721,57 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.513,11 12.513,11 90,1 – 100,0 15.474,84 8.943,24 30,1 – 60,0 18.485,83 18.485,83 90,1 – 100,0 7.652,65 7.652,65 90,1 – 100,0 11.616,61 8.237,97 11.616,61 8.237,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.052,15 22.345,11 60,1 – 90,0 6.036,59 6.029,25 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios) Município (1) Abdon Batista Abelardo Luz Agrolândia Agronômica Água Doce Águas de Chapecó Águas Frias Águas Mornas Alfredo Wagner Alto Bela Vista Anchieta Angelina Anita Garibaldi Anitápolis Antônio Carlos Apiúna Arabutã Araquari Araranguá Armazém Arroio Trinta Arvoredo Ascurra Atalanta Aurora Balneário Arroio do Silva Balneário Barra do Sul Balneário Camboriú Balneário Gaivota Bandeirante Barra Bonita Barra Velha Bela Vista do Toldo Belmonte Benedito Novo Biguaçu Blumenau Bocaina do Sul Bom Jardim da Serra Bom Jesus Bom Jesus do Oeste Bom Retiro (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 19.809,99 19.809,99 90,1 – 100,0 103.794,61 103.794,61 90,1 – 100,0 19.247,15 19.247,15 90,1 – 100,0 11.676,01 11.676,01 90,1 – 100,0 132.115,16 13.884,23 132.115,16 13.884,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.689,44 7.689,44 90,1 – 100,0 32.825,98 32.825,98 90,1 – 100,0 73.327,39 73.327,39 90,1 – 100,0 10.441,18 10.441,18 90,1 – 100,0 23.013,40 52.467,20 23.013,40 52.467,20 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 60.599,09 60.599,09 90,1 – 100,0 57.627,40 57.627,40 90,1 – 100,0 24.269,07 24.269,07 90,1 – 100,0 48.904,93 48.904,93 90,1 – 100,0 13.107,53 40.281,14 13.107,53 40.278,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 29.819,45 29.815,95 90,1 – 100,0 13.870,17 13.870,17 90,1 – 100,0 11.242,10 11.242,10 90,1 – 100,0 9.118,77 9.118,77 90,1 – 100,0 11.916,0 8 9.793,49 11.916,08 9.793,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.639,76 22.639,76 90,1 – 100,0 9.372,37 9.360,98 90,1 – 100,0 11.051,60 11.035,88 90,1 – 100,0 4.662,42 4.588,98 90,1 – 100,0 15.086,90 14.729,94 15.072,28 14.615,11 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.242,84 6.242,84 90,1 – 100,0 14.236,15 14.223,62 90,1 – 100,0 52.760,34 52.760,34 90,1 – 100,0 9.296,32 9.281,58 90,1 – 100,0 38.597,48 30.309,25 38.597,48 30.284,30 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 51.010,51 51.010,51 90,1 – 100,0 49.637,17 49.637,17 90,1 – 100,0 93.507,3 7 93.507,37 90,1 – 100,0 6.849,88 6.849,88 90,1 – 100,0 6.710,71 106.562,11 6.710,71 106.562,11 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Bombinhas Botuverá Braço do Norte Braço do Trombudo Brunópolis Brusque Caçador Caibi Calmon Camboriú Campo Alegre Campo Belo do Sul Campo Erê Campos Novos Canelinha Canoinhas Capão Alto Capinzal Capivari de Baixo Catanduvas Caxambu do Sul Celso Ramos Cerro Negro Chapadão do Lageado Chapecó Cocal do Sul Concórdia Cordilheira Alta Coronel Freitas Coronel Martins Correia Pinto Corupá Criciúma Cunha Porã Cunhataí Curitibanos Descanso Dionísio Cerqueira Dona Emma Doutor Pedrinho Entre Rios Ermo (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 3.745,80 3.498,27 90,1 – 100,0 31.792,75 31.792,75 90,1 – 100,0 19.433,75 19.433,75 90,1 – 100,0 9.015,97 9.015,97 90,1 – 100,0 33.656,31 28.064,34 33.656,31 28.064,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 100.016,36 100.016,36 90,1 – 100,0 17.823,71 17.823,71 90,1 – 100,0 63.501,12 63.501,12 90,1 – 100,0 21.180,48 21.180,48 90,1 – 100,0 50.210,85 102.335,85 50.210,85 102.335,85 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 45.835,06 45.835,06 90,1 – 100,0 163.469,06 163.469,06 90,1 – 100,0 15.138,61 15.138,61 90,1 – 100,0 114.358,19 114.358,19 90,1 – 100,0 135.173,95 22.482,59 135.173,95 22.482,59 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 4.692,93 4.692,93 90,1 – 100,0 19.683,31 19.683,31 90,1 – 100,0 14.354,56 14.354,56 90,1 – 100,0 19.007,31 19.007,31 90,1 – 100,0 41.799,21 11.377,92 41.799,21 11.377,92 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 62.539,44 62.539,44 90,1 – 100,0 7.845,85 7.845,85 90,1 – 100,0 80.781,30 80.781,30 90,1 – 100,0 8.460,13 8.460,13 90,1 – 100,0 23.482,30 9.962,73 23.482,30 9.962,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 62.390,06 62.390,06 90,1 – 100,0 40.783,63 40.783,63 90,1 – 100,0 21.017,59 21.017,59 90,1 – 100,0 21.777,67 21.777,67 90,1 – 100,0 5.528,48 95.368,25 5.528,48 95.368,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 28.611,62 28.611,62 90,1 – 100,0 37.687,27 37.584,74 90,1 – 100,0 14.642,09 14.642,09 90,1 – 100,0 37.505,87 37.505,87 90,1 – 100,0 10.557,96 6.493,14 10.557,96 6.493,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Veral Velho Faxinal dos Guedes Flor do Sertão Florianópolis Formosa do Sul Forquilhinha Fraiburgo Frei Rogério Galvão Garopaba Garuva Gaspar Governador Celso Ramos Grão Pará Gravatal Guabiruba Guaraciaba Guaramirim Guarujá do Sul Guatambú Herval d’Oeste Ibiam Ibicaré Ibirama Içara Ilhota Imaruí Imbituba Imbuia Indaial Iomerê Ipira Iporã do Oeste Ipuaçu Ipumirim Iraceminha Irani Irati Irineópolis Itá Itaiópolis Itajaí (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 23.173,65 23.173,65 90,1 – 100,0 28.031,37 28.031,37 90,1 – 100,0 6.521,84 6.521,84 90,1 – 100,0 43.698,39 42.953,74 90,1 – 100,0 9.541,62 18.412,67 9.541,62 18.412,67 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 43.549,00 43.549,00 90,1 – 100,0 15.725,20 15.725,20 90,1 – 100,0 13.123,41 13.123,41 90,1 – 100,0 10.846,45 10.782,02 90,1 – 100,0 49.937,89 36.997,62 49.937,89 36.997,62 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 10.510,94 10.003,00 90,1 – 100,0 32.897,12 32.897,12 90,1 – 100,0 19.417,79 19.417,79 90,1 – 100,0 17.325,53 17.325,53 90,1 – 100,0 34.845,34 24.301,59 34.706,48 24.301,59 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.962,49 9.962,49 90,1 – 100,0 20.624,98 20.624,98 90,1 – 100,0 21.294,76 21.294,76 90,1 – 100,0 14.714,35 14.714,35 90,1 – 100,0 16.634,57 26.852,88 16.634,57 26.852,88 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 31.552,49 31.542,38 90,1 – 100,0 24.502,18 24.502,18 90,1 – 100,0 54.152,55 54.152,55 90,1 – 100,0 18.589,99 18.417,00 90,1 – 100,0 12.376,85 42.988,61 12.376,85 42.988,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.174,61 11.174,61 90,1 – 100,0 15.022,97 15.022,97 90,1 – 100,0 18.428,37 18.428,37 90,1 – 100,0 25.884,72 25.884,72 90,1 – 100,0 23.992,33 15.868,57 23.992,33 15.868,57 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 31.877,03 31.877,03 90,1 – 100,0 7.912,17 7.912,17 90,1 – 100,0 58.113,87 58.113,87 90,1 – 100,0 16.578,88 16.578,88 90,1 – 100,0 124.257,46 30.369,90 124.257,46 30.350,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Itapema Itapiranga Itapoá Ituporanga Jaborá Jacinto Machado Jaguaruna Jaraguá do Sul Jardinópolis Joaçaba Joinville José Boiteux Jupiá Lacerdópolis Lages Laguna Lajeado Grande Laurentino Lauro Muller Lebon Régis Leoberto Leal Lindóia do Sul Lontras Luiz Alves Luzerna Macieira Mafra Major Gercino Major Vieira Maracajá Maravilha Marema Massaranduba Matos Costa Meleiro Mirim Doce Modelo Mondaí Monte Carlo Monte Castelo Morro da Fumaça Morro Grande (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 5.889,80 5.865,03 90,1 – 100,0 28.578,95 28.365,66 90,1 – 100,0 25.557,59 25.544,71 90,1 – 100,0 33.603,62 33.603,62 90,1 – 100,0 18.786,41 41.720,81 18.786,41 41.720,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.811,38 32.779,61 90,1 – 100,0 54.022,66 54.022,66 90,1 – 100,0 6.715,06 6.715,06 90,1 – 100,0 24.066,37 24.066,37 90,1 – 100,0 108.164,00 35.871,81 108.164,00 35.871,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.143,82 9.143,82 90,1 – 100,0 6.914,63 6.914,63 90,1 – 100,0 265.025,36 265.025,36 90,1 – 100,0 44.571,56 44.449,53 90,1 – 100,0 6.694,21 6.789,07 6.694,21 6.789,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.704,12 26.704,12 90,1 – 100,0 99.076,60 99.076,60 90,1 – 100,0 29.837,38 29.837,38 90,1 – 100,0 19.045,14 19.045,14 90,1 – 100,0 19.744,52 26.092,66 19.744,52 26.092,66 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.666,62 11.666,62 90,1 – 100,0 23.594,87 23.594,87 90,1 – 100,0 178.835,53 178.835,53 90,1 – 100,0 27.849,92 27.849,92 90,1 – 100,0 54.452,34 7.058,88 54.452,34 7.058,88 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.904,21 16.904,21 90,1 – 100,0 9.969,18 9.969,18 90,1 – 100,0 39.462,86 39.462,86 90,1 – 100,0 37.144,65 37.144,65 90,1 – 100,0 18.583,45 33.387,84 18.583,45 33.387,84 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.550,56 9.550,56 90,1 – 100,0 21.533,25 21.533,25 90,1 – 100,0 16.675,57 16.675,57 90,1 – 100,0 56.638,25 56.638,25 90,1 – 100,0 8.280,54 25.107,43 8.280,54 25.107,43 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Navegantes Nova Erechim Nova Itaberaba Nova Trento Nova Veneza Novo Horizonte Orleans Otacílio Costa Ouro Ouro Verde Paial Painel Palhoça Palma Sola Palmeira Palmitos Papanduva Paraíso Passo de Torres Passos Maia Paulo Lopes Pedras Grandes Penha Peritiba Petrolândia Piçarras Pinhalzinho Pinheiro Preto Piratuba Planalto Alegre Pomerode Ponte Alta Ponte Alta do Norte Ponte Serrada Porto Belo Porto União Pouso Redondo Praia Grande Presidente Castelo Branco Presidente Getúlio Presidente Nereu Princesa (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 11.956,01 11.952,85 90,1 – 100,0 6.301,54 6.301,54 90,1 – 100,0 13.570,16 13.570,16 90,1 – 100,0 39.863,41 39.863,41 90,1 – 100,0 29.046,60 15.143,36 29.046,60 15.143,36 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 60.069,83 60.069,83 90,1 – 100,0 92.399,78 92.399,78 90,1 – 100,0 20.943,01 20.943,01 90,1 – 100,0 20.156,51 20.156,51 90,1 – 100,0 8.486,52 76.537,50 8.486,52 76.537,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.295,17 32.038,81 90,1 – 100,0 31.442,89 31.442,89 90,1 – 100,0 29.227,41 29.227,41 90,1 – 100,0 34.758,03 34.758,03 90,1 – 100,0 77.750,65 18.289,96 77.750,65 18.189,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.058,68 9.043,66 90,1 – 100,0 58.974,37 58.974,37 90,1 – 100,0 44.774,53 44.735,20 90,1 – 100,0 15.312,07 15.312,07 90,1 – 100,0 6.052,73 9.679,86 5.914,50 9.679,86 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.154,41 25.154,41 90,1 – 100,0 8.564,33 8.564,03 90,1 – 100,0 13.437,62 13.437,62 90,1 – 100,0 6.675,54 6.675,54 90,1 – 100,0 14.897,78 6.113,31 14.897,78 6.113,31 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.782,02 21.782,02 90,1 – 100,0 55.879,72 55.879,72 90,1 – 100,0 38.386,62 38.386,62 90,1 – 100,0 56.979,87 56.979,87 90,1 – 100,0 9.294,85 92.556,61 9.192,62 92.556,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 36.390,21 36.390,21 90,1 – 100,0 28.614,52 28.614,52 90,1 – 100,0 7.011,79 7.011,79 90,1 – 100,0 32.223,09 32.223,09 90,1 – 100,0 22.495,87 8.857,45 22.495,87 8.855,38 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Quilombo Rancho Queimado Rio d’Oeste Rio das Antas Rio do Campo Rio do Sul Rio dos Cedros Rio Fortuna Rio Negrinho Rio Rufino Riqueza Rodeio Romelândia Salete Saltinho Salto Veloso Sangão Santa Cecília Santa Helena Santa Rosa de Lima Santa Rosa do Sul Santa Terezinha Santa Terezinha do Progresso Santiago do Sul Santo Amaro da Imperatriz São Bento do Sul São Bernardino São Bonifácio São Carlos São Cristovão do Sul São Domingos São Francisco do Sul São João Batista São João do Itaperiú São João do Oeste São João do Sul São Joaquim São José São José do Cedro São José do Cerrito São Lourenço d’Oeste São Ludgero (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 28.336,84 28.336,84 90,1 – 100,0 27.013,77 27.013,77 90,1 – 100,0 24.472,27 24.472,27 90,1 – 100,0 34.340,76 34.340,76 90,1 – 100,0 49.695,75 26.120,91 49.695,75 26.120,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.602,91 55.602,91 90,1 – 100,0 28.634,37 28.634,37 90,1 – 100,0 58.928,99 58.928,99 90,1 – 100,0 33.373,55 33.373,55 90,1 – 100,0 19.175,11 13.407,83 19.175,11 13.407,83 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.762,54 23.762,54 90,1 – 100,0 16.744,97 16.744,97 90,1 – 100,0 15.336,45 15.336,45 90,1 – 100,0 10.194,83 10.194,83 90,1 – 100,0 8.308,76 117.582,48 8.308,76 117.582,48 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.070,89 8.051,10 90,1 – 100,0 18.441,73 18.441,73 90,1 – 100,0 16.438,94 16.438,94 90,1 – 100,0 72.207,11 72.207,11 90,1 – 100,0 11.317,12 7.422,27 11.317,12 7.422,27 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.301,36 35.301,36 90,1 – 100,0 48.766,92 48.766,92 90,1 – 100,0 21.037,94 21.037,94 90,1 – 100,0 45.234,52 45.234,52 90,1 – 100,0 15.837,68 35.072,72 15.837,68 35.072,72 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 38.503,11 38.503,11 90,1 – 100,0 54.218,48 54.045,34 90,1 – 100,0 22.011,19 22.011,19 90,1 – 100,0 15.123,64 15.123,64 90,1 – 100,0 16.154,47 17.542,09 16.154,47 17.542,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 188.869,24 188.869,24 90,1 – 100,0 11.489,16 11.463,00 90,1 – 100,0 26.111,33 25.968,47 90,1 – 100,0 96.891,91 96.891,91 90,1 – 100,0 36.134,52 12.001,33 36.134,52 12.001,33 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) São Martinho São Miguel d’Oeste São Miguel da Boa Vista São Pedro de Alcântara Saudades Schroeder Seara Serra Alta Siderópolis Sombrio Sul Brasil Taió Tangará Tigrinhos Tijucas Timbé do Sul Timbó Timbó Grande Três Barras Treviso Treze de Maio Treze Tílias Trombudo Central Tubarão Tunápolis Turvo União do Oeste Urubici Urupema Urussanga Vargeão Vargem Vargem Bonita Vidal Ramos Videira Vitor Meireles Witmarsum Xanxerê Xavantina Xaxim Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 23.608,14 23.608,14 90,1 – 100,0 23.622,56 23.622,56 90,1 – 100,0 7.200,83 7.200,83 90,1 – 100,0 14.057,97 14.057,97 90,1 – 100,0 20.017,93 14.938,47 20.017,93 14.938,47 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 31.634,72 31.634,72 90,1 – 100,0 9.121,71 9.121,71 90,1 – 100,0 26.314,81 26.314,81 90,1 – 100,0 15.135,98 15.135,98 90,1 – 100,0 11.337,47 71.510,63 11.337,47 71.510,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 45.997,51 45.997,51 90,1 – 100,0 5.817,97 5.817,97 90,1 – 100,0 27.880,26 27.871,80 90,1 – 100,0 33.431,10 33.431,10 90,1 – 100,0 12.986,60 54.991,02 12.986,60 54.991,02 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 41.893,96 41.893,96 90,1 – 100,0 15.663,23 15.663,23 90,1 – 100,0 17.977,05 17.977,05 90,1 – 100,0 17.776,97 17.776,97 90,1 – 100,0 10.163,16 28.435,59 10.163,16 28.435,59 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 13.394,73 13.366,45 90,1 – 100,0 24.437,73 24.437,73 90,1 – 100,0 8.864,76 8.864,76 90,1 – 100,0 101.900,45 101.900,45 90,1 – 100,0 27.869,56 23.736,36 27.869,56 23.736,36 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.140,25 15.140,25 90,1 – 100,0 39.673,25 39.673,25 90,1 – 100,0 30.752,24 30.752,24 90,1 – 100,0 34.395,64 34.395,64 90,1 – 100,0 37.818,27 42.370,91 37.818,27 42.370,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 13.013,72 13.013,72 90,1 – 100,0 38.132,19 38.132,19 90,1 – 100,0 21.207,68 21.207,68 90,1 – 100,0 29.414,69 29.414,69 90,1 – 100,0 Zortéa 29.781,45 29.781,45 90,1 – 100,0 (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99)

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Sergipe inseridos no Domínio da Mata Atlântica (54 Municípios) Município (1) Amparo de São Francisco Aquidabã Aracaju Arauá Areia Branca Barra dos Coqueiros Boquim Brejo Grande Canhoba Capela Carmópolis Cedro de São João Cristinápolis Cumbe Divina Pastora Estância Feira Nova General Maynard Ilha das Flores Indiaroba Itabaianinha Itaporanga d’Ajuda Japaratuba Japoatã Lagarto Laranjeiras Malhada dos Bois Malhador Maruim Moita Bonita Muribeca Neópolis Nossa Senhora das Dores Nossa Senhora do Socorro Pacatuba Pedrinhas Pirambu Propriá Riachão do Dantas Riachuelo Rosário do Catete Salgado (4) IBGE, 1997 (5) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (6) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 3.954,24 2.608,13 60,1 – 90,0 37.007,11 13.452,64 30,1 – 60,0 18.148,75 18.116,72 90,1 – 100,0 19.472,91 19.472,91 90,1 – 100,0 12.897,71 8.795,65 7,06 8.771,08 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 21.380,20 20.968,22 90,1 – 100,0 14.886,81 12.657,42 60,1 – 90,0 16.614,90 5.206,37 30,1 – 60,0 43.176,31 12.028,10 10,1 – 30,0 3.999,68 7.301,93 3.999,68 6.428,98 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 25.113,05 25.113,05 90,1 – 100,0 13.141,39 1.867,17 10,1 – 30,0 9.300,60 9.300,60 90,1 – 100,0 64.951,53 51.731,89 60,1 – 90,0 18.937,66 1.812,11 3.651,56 1.812,11 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 5.746,20 5.746,20 90,1 – 100,0 31.149,43 31.149,43 90,1 – 100,0 48.010,30 35.842,28 60,1 – 90,0 75.740,70 35.114,02 30,1 – 60,0 37.406,17 39.718,01 37.406,17 33.002,00 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 96.224,12 17.849,22 10,1 – 30,0 16.337,10 7.466,03 30,1 – 60,0 5.947,08 5.947,08 90,1 – 100,0 10.225,19 6.681,75 60,1 – 90,0 9.519,13 9.588,76 9.519,13 989,76 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 8.206,75 7.985,13 90,1 – 100,0 24.999,36 12.213,50 30,1 – 60,0 48.260,69 42.831,45 60,1 – 90,0 15.726,75 12.098,93 60,1 – 90,0 40.738,21 3.987,97 40.525,81 3.987,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 19.937,21 19.916,01 90,1 – 100,0 9.554,18 833,67 0,1 – 10,0 52.836,51 21.586,62 30,1 – 60,0 7.863,47 6.239,15 60,1 – 90,0 10.373,97 25.575,66 10.106,18 8.742,61 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Sergipe inseridos no Domínio da Mata Atlântica (54 Municípios – continuação) Município (1) Santa Luzia do Itanhy Santa Rosa de Lima Santana do São Francisco Santo Amaro das Brotas São Cristóvão São Francisco São Miguel do Aleixo Siriri Telha Tobias Barreto Tomar do Geru Umbaúba (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 33.603,37 33.603,37 90,1 – 100,0 6.615,84 6.615,84 90,1 – 100,0 4.702,53 2.102,28 30,1 – 60,0 23.814,62 23.814,62 90,1 – 100,0 43.239,09 8.672,85 39.371,69 7.798,00 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 14.317,92 6.205,54 30,1 – 60,0 16.713,13 12.230,98 60,1 – 90,0 5.648,93 4.323,40 60,1 – 90,0 111.895,88 10,35 0,1 – 10,0 33.707,54 12.416,87 9.378,81 12.416,87 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios) Município (1) Adamantina Adolfo Aguaí Águas da Prata Águas de Lindóia Alambari Alfredo Marcondes Altair Altinópolis Alto Alegre Alumínio Álvares Florence Álvares Machado Álvaro de Carvalho Alvinlândia Americana Américo Brasiliense Américo de Campos Amparo Andradina Angatuba Anhembi Anhumas Aparecida Aparecida d’Oeste Apiaí Araçariguama Araçatuba Araçoiaba da Serra Aramina Arandu Arapeí Araraquara Araras Arco-Íris Arealva Areias Areiópolis Ariranha Artur Nogueira Arujá Aspásia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 41.285,70 41.285,70 90,1 – 100,0 21.147,14 21.147,14 90,1 – 100,0 47.452,70 47.452,70 90,1 – 100,0 14.300,08 14.300,08 90,1 – 100,0 6.003,86 15.941,59 6.003,86 15.008,90 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.974,16 11.974,16 90,1 – 100,0 31.681,85 31.681,85 90,1 – 100,0 93.204,49 635,85 0,1 – 10,0 31.877,48 31.877,48 90,1 – 100,0 8.398,64 36.286,68 8.398,64 36.286,68 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.666,43 34.666,43 90,1 – 100,0 15.305,13 15.305,13 90,1 – 100,0 8.506,10 5.964,61 60,1 – 90,0 13.389,07 13.389,07 90,1 – 100,0 12.389,00 25.458,41 5.769,15 25.458,41 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 44.712,99 44.712,99 90,1 – 100,0 96.278,36 96.278,36 90,1 – 100,0 103.102,21 47.135,13 30,1 – 60,0 73.838,32 11.871,56 10,1 – 30,0 32.180,52 12.110,06 32.180,52 12.110,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.951,40 17.951,40 90,1 – 100,0 94.952,53 94.940,40 90,1 – 100,0 14.671,06 14.671,06 90,1 – 100,0 117.080,65 117.080,65 90,1 – 100,0 25.617,30 20.337,50 25.617,30 19.618,54 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 28.677,41 10.405,05 30,1 – 60,0 15.345,45 15.345,45 90,1 – 100,0 100.856,65 42.750,61 30,1 – 60,0 64.515,08 64.515,08 90,1 – 100,0 26.283,14 50.752,08 26.283,14 50.107,12 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.723,74 30.723,74 90,1 – 100,0 8.608,38 1.109,25 10,1 – 30,0 13.335,86 13.335,86 90,1 – 100,0 17.826,95 17.826,95 90,1 – 100,0 9.775,12 6.943,44 9.775,12 6.943,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Assis Atibaia Auriflama Avaí Avanhandava Avaré Bady Bassitt Balbinos Bálsamo Bananal Barão de Antonina Barbosa Bariri Barra Bonita Barra do Chapéu Barra do Turvo Barretos Barrinha Barueri Bastos Batatais Bauru Bebedouro Bento de Abreu Bernardino de Campos Bertioga Bilac Birigui Biritiba -Mirim Boa Esperança do Sul Bocaina Bofete Boituva Bom Jesus dos Perdões Bom Sucesso de Itararé Borá Boracéia Borborema Botucatu Bragança Paulista Braúna Brejo Alegre (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 46.284,85 1.445,93 0,1 – 10,0 47.907,54 47.907,54 90,1 – 100,0 43.398,17 43.398,17 90,1 – 100,0 54.364,62 54.364,62 90,1 – 100,0 34.150,66 121.983,99 34.150,66 11.193,02 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 10.992,31 10.992,31 90,1 – 100,0 9.111,84 9.111,84 90,1 – 100,0 15.090,30 15.090,30 90,1 – 100,0 62.012,74 62.012,74 90,1 – 100,0 15.528,42 20.570,31 15.528,42 20.570,31 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.198,33 44.198,33 90,1 – 100,0 15.051,44 13.999,26 90,1 – 100,0 40.816,88 40.816,88 90,1 – 100,0 100.744,34 100.744,34 90,1 – 100,0 156.822,11 14.690,65 47.670,94 14.636,78 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 6.432,07 6.432,07 90,1 – 100,0 17.073,83 17.073,83 90,1 – 100,0 85.310,65 35.555,88 30,1 – 60,0 67.537,95 56.326,83 60,1 – 90,0 68.442,92 30.242,94 30.057,02 30.242,94 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 24.457,55 24.457,55 90,1 – 100,0 49.263,85 49.185,73 90,1 – 100,0 15.781,97 15.781,97 90,1 – 100,0 53.191,48 53.191,48 90,1 – 100,0 31.725,31 67.061,28 31.725,31 65.093,57 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 36.497,04 36.497,04 90,1 – 100,0 65.506,46 40.253,80 60,1 – 90,0 24.952,80 24.952,80 90,1 – 100,0 10.882,34 10.882,34 90,1 – 100,0 13.363,30 11.901,76 7.989,38 11.901,76 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 12.111,74 12.111,74 90,1 – 100,0 55.419,82 55.419,82 90,1 – 100,0 148.643,83 11.202,77 0,1 – 10,0 51.502,33 51.502,33 90,1 – 100,0 19.588,53 10.515,30 19.588,53 10.515,30 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Brodósqui Brotas Buri Buritama Buritizal Cabrália Paulista Cabreúva Caçapava Cachoeira Paulista Caconde Cafelândia Caiabu Caieiras Caiuá Cajamar Cajati Cajobi Cajuru Campina do Monte Alegre Campinas Campo Limpo Paulista Campos do Jordão Campos Novos Paulista Cananéia Canas Cândido Mota Cândido Rodrigues Canitar Capâo Bonito Capela do Alto Capivari Caraguatatuba Carapicuíba Cardoso Casa Branca Cássia dos Coqueiros Castilho Catanduva Catiguá Cedral Cerqueira César Cerquilho (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 28.060,72 10.440,92 30,1 – 60,0 110.434,24 42.935,19 30,1 – 60,0 119.767,09 63.390,73 30,1 – 60,0 32.761,16 32.761,16 90,1 – 100,0 26.695,65 23.968,92 16.425,34 1.270,07 60,1 – 90,0 0,1 – 10,0 26.037,44 26.037,44 90,1 – 100,0 37.062,65 37.062,65 90,1 – 100,0 28.852,85 28.852,85 90,1 – 100,0 47.196,92 47.196,92 90,1 – 100,0 92.220,00 25.257,96 92.220,00 25.257,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.617,51 9.617,51 90,1 – 100,0 53.696,84 53.696,84 90,1 – 100,0 12.857,42 12.857,42 90,1 – 100,0 45.568,52 45.568,52 90,1 – 100,0 17.724,14 66.221,24 17.724,14 39.440,57 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 18.459,68 9.594,58 30,1 – 60,0 79.770,96 79.770,96 90,1 – 100,0 8.017,57 8.017,57 90,1 – 100,0 29.010,23 29.010,23 90,1 – 100,0 48.574,98 124.433,36 1.499,56 124.357,13 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 5.085,92 5.085,92 90,1 – 100,0 59.742,16 55.071,96 90,1 – 100,0 6.976,94 6.976,94 90,1 – 100,0 5.750,55 5.750,55 90,1 – 100,0 164.466,33 17.046,08 156.736,22 17.046,08 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.410,36 32.410,36 90,1 – 100,0 48.504,73 48.356,26 90,1 – 100,0 3.501,24 3.501,24 90,1 – 100,0 63.908,54 63.908,54 90,1 – 100,0 86.780,02 19.146,79 86.780,02 13.029,75 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 106.556,36 106.556,36 90,1 – 100,0 29.299,07 29.299,07 90,1 – 100,0 14.582,66 14.582,66 90,1 – 100,0 19.844,14 19.844,14 90,1 – 100,0 50.486,31 12.799,22 4.580,67 12.799,22 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Cesário Lange Charqueada Chavantes Clementina Colina Colômbi a Conchal Conchas Cordeirópolis Coroados Coronel Macedo Corumbataí Cosmópolis Cosmorama Cotia Cravinhos Cristais Paulista Cruzália Cruzeiro Cubatão Cunha Descalvado Diadema Dirce Reis Divinolândia Dobrada Dois Córregos Dolcinópolis Dourado Dracena Duartina Dumont Echaporã Eldorado Elias Fausto Elisiário Embaúba Embu Embu-Guaçu Emilianópolis Engenheiro Coelho Espírito Santo do Pinhal (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 19.079,31 19.079,31 90,1 – 100,0 17.641,20 8.139,27 30,1 – 60,0 18.819,01 18.819,01 90,1 – 100,0 16.921,58 16.921,58 90,1 – 100,0 42.513,13 73.118,16 7.334,95 2.746,86 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 18.443,52 18.443,52 90,1 – 100,0 46.932,57 31.054,38 60,1 – 90,0 13.782,54 13.782,54 90,1 – 100,0 24.730,58 24.730,58 90,1 – 100,0 30.522,15 27.886,88 19.283,72 9.364,12 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 15.520,13 15.520,13 90,1 – 100,0 44.237,75 44.237,75 90,1 – 100,0 32.473,66 32.473,66 90,1 – 100,0 31.229,88 25.664,48 60,1 – 90,0 38.762,57 14.952,65 5.441,64 14.952,65 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 30.537,59 30.537,59 90,1 – 100,0 14.273,01 14.273,01 90,1 – 100,0 141.054,25 141.054,25 90,1 – 100,0 75.715,43 2.737,77 0,1 – 10,0 3.077,57 8.855,49 3.077,57 8.855,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.267,83 22.267,83 90,1 – 100,0 15.050,41 9.129,65 60,1 – 90,0 63.398,82 48.257,68 60,1 – 90,0 7.844,17 7.844,17 90,1 – 100,0 20.645,44 48.942,65 20.071,78 48.942,65 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.495,94 20.075,24 60,1 – 90,0 11.124,09 11.124,09 90,1 – 100,0 51.618,55 13.483,54 10,1 – 30,0 166.062,74 166.062,74 90,1 – 100,0 20.170,13 9.296,95 20.170,13 9.296,95 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.381,93 8.381,93 90,1 – 100,0 7.018,22 7.018,22 90,1 – 100,0 15.584,95 15.584,95 90,1 – 100,0 22.399,94 22.399,94 90,1 – 100,0 11.014,99 39.138,93 11.014,99 39.138,93 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Estiva Gerbi Estrela do Norte Estrela d’Oeste Euclides da Cunha Paulista Fartura Fernando Prestes Fernandópolis Fernão Ferraz de Vasconcelos Flora Rica Floreal Flórida Paulista Florínia Franca Francisco Morato Franco da Rocha Gabriel Monteiro Gália Garça Gastão Vidigal Gavião Peixoto General Salgado Getulina Glicério Guaiçara Guaimbê Guaíra Guapiaçu Guapiara Guará Guaraçaí Guaraci Guarani d’Oeste Guarantã Guararapes Guararema Guaratinguetá Guareí Guarujá Guarulhos Guatapará Guzolândia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município n o DMA (ha) (2) % (3) 7.370,48 7.370,48 90,1 – 100,0 26.390,95 26.390,95 90,1 – 100,0 29.703,83 29.703,83 90,1 – 100,0 57.824,93 57.824,93 90,1 – 100,0 43.038,16 17.048,46 43.038,16 17.048,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.098,51 55.098,51 90,1 – 100,0 10.055,88 8.284,24 60,1 – 90,0 2.840,35 2.840,35 90,1 – 100,0 22.569,63 22.569,63 90,1 – 100,0 20.445,06 52.605,96 20.445,06 52.605,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.793,24 22.793,24 90,1 – 100,0 60.909,71 20.685,40 30,1 – 60,0 4.928,76 4.928,76 90,1 – 100,0 13.409,67 13.409,67 90,1 – 100,0 13.886,34 35.677,09 13.886,34 35.677,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.715,61 55.715,61 90,1 – 100,0 18.114,44 18.114,44 90,1 – 100,0 24.432,20 11.364,21 30,1 – 60,0 49.474,28 49.474,28 90,1 – 100,0 67.725,48 27.498,07 67.725,48 27.498,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.985,43 26.985,43 90,1 – 100,0 21.803,51 21.803,51 90,1 – 100,0 126.214,36 99.895,25 60,1 – 90,0 32.604,81 32.604,81 90,1 – 100,0 40.844,14 36.381,34 40.844,14 31.974,10 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 57.013,37 57.013,37 90,1 – 100,0 64.093,88 49.148,82 60,1 – 90,0 8.481,88 8.481,88 90,1 – 100,0 46.299,93 46.299,93 90,1 – 100,0 95.915,60 27.121,67 95.915,60 27.121,67 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 75.335,76 75.335,76 90,1 – 100,0 56.756,80 44.163,97 60,1 – 90,0 14.319,71 14.134,79 90,1 – 100,0 31.771,14 31.771,14 90,1 – 100,0 41.364,44 25.410,88 12.940,23 25.410,88 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Herculândia Holambra Hortolândia Iacanga Iacri Ibaté Ibirá Ibirarema Ibitinga Ibiúna Icém Iepê Igaraçu do Tietê Igarapava Igaratá Iguape Ilha Comprida Ilha Solteira Ilhabela Indaiatuba Indiana Indiaporã Inúbia Paulista Ipauçu Iperó Ipeúna Ipiguá Iporanga Ipuã Iracemápolis Irapuã Irapuru Itaberá Itaí Itajobi Itaju Itanhaém Itaóca Itapecerica da Serra Itapetininga Itapeva Itapevi (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 36.625,72 36.625,72 90,1 – 100,0 6.436,76 6.436,76 90,1 – 100,0 6.234,91 6.234,91 90,1 – 100,0 54.937,13 54.937,13 90,1 – 100,0 32.499,50 29.010,15 32.499,50 476,44 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 27.135,94 27.135,94 90,1 – 100,0 22.896,64 21.264,38 90,1 – 100,0 69.057,00 69.057,00 90,1 – 100,0 106.213,80 106.213,80 90,1 – 100,0 36.416,00 59.770,30 28.675,10 58.364,38 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 9.685,67 9.162,03 90,1 – 100,0 46.865,30 46.511,57 90,1 – 100,0 29.415,62 29.415,62 90,1 – 100,0 198.574,71 198.518,17 90,1 – 100,0 18.840,70 66.131,15 18.745,96 66.131,15 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.819,32 33.456,70 90,1 – 100,0 31.130,85 31.130,85 90,1 – 100,0 12.806,08 12.806,08 90,1 – 100,0 28.032,25 28.032,25 90,1 – 100,0 8.698,91 20.951,38 8.698,91 20.951,38 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.128,45 17.128,45 90,1 – 100,0 19.109,73 7.428,64 30,1 – 60,0 13.433,11 13.433,11 90,1 – 100,0 116.260,15 116.260,15 90,1 – 100,0 46.708,64 11.585,08 46.708,64 11.585,08 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.793,75 25.793,75 90,1 – 100,0 21.418,87 21.418,87 90,1 – 100,0 108.544,63 5.122,03 0,1 – 10,0 111.493,75 17.485,27 10,1 – 30,0 50.328,38 22.942,91 50.328,38 22.942,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 59.747,33 59.724,02 90,1 – 100,0 20.457,65 20.457,65 90,1 – 100,0 15.187,71 15.187,71 90,1 – 100,0 179.613,99 102.165,93 30,1 – 60,0 183.035,15 9.153,17 65.441,48 9.153,17 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Itapira Itapirapuã Paulista Itápolis Itaporanga Itapuí Itapura Itaquaquecetuba Itararé Itariri Itatiba Itatinga Itirapina Itirapuã Itobi Itu Itupeva Ituverava Jaborandi Jaboticabal Jacareí Jaci Jacupiranga Jaguariúna Jales Jambeiro Jandira Jardinópolis Jarinu Jaú Jeriquara Joanópolis João Ramalho José Bonifácio Júlio Mesquita Jumirim Jundiaí Junqueirópolis Juquiá Juquitiba Lagoinha Laranjal Paulista Lavínia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 51.874,66 51.874,66 90,1 – 100,0 40.706,45 40.706,45 90,1 – 100,0 99.975,11 99.975,11 90,1 – 100,0 50.901,27 50.893,13 90,1 – 100,0 13.996,89 30.781,50 13.996,89 30.781,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.191,28 8.191,28 90,1 – 100,0 100.551,82 39.811,81 30,1 – 60,0 27.419,77 27.419,77 90,1 – 100,0 32.321,13 32.321,13 90,1 – 100,0 98.227,84 56.545,36 28.514,67 17.516,01 10,1 – 30,0 30,1 – 60,0 16.187,67 10.845,24 60,1 – 90,0 13.887,53 13.887,53 90,1 – 100,0 64.175,88 64.175,88 90,1 – 100,0 20.100,05 20.100,05 90,1 – 100,0 69.959,65 27.486,79 60.584,03 14.544,03 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 70.872,99 21.588,78 30,1 – 60,0 46.099,90 46.099,90 90,1 – 100,0 14.485,85 14.485,85 90,1 – 100,0 71.001,77 71.001,77 90,1 – 100,0 14.272,09 36.996,96 14.272,09 36.996,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.425,28 18.425,28 90,1 – 100,0 1.756,66 1.756,66 90,1 – 100,0 50.447,86 46.775,63 90,1 – 100,0 20.820,25 20.820,25 90,1 – 100,0 69.022,27 14.131,03 69.022,27 40,47 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 37.527,01 37.527,01 90,1 – 100,0 41.729,35 33.986,88 60,1 – 90,0 86.110,74 86.110,74 90,1 – 100,0 12.855,38 12.855,38 90,1 – 100,0 5.672,40 43.286,65 5.672,40 43.286,65 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 58.444,44 58.444,44 90,1 – 100,0 82.290,53 82.290,53 90,1 – 100,0 52.279,39 52.279,39 90,1 – 100,0 25.657,22 25.657,22 90,1 – 100,0 38.883,10 53.987,50 36.303,87 53.987,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Lavrinhas Leme Lençóis Paulista Limeira Lindóia Lins Lorena Lourdes Louveira Lucélia Lucianópolis Luís Antônio Luiziânia Lupércio Lutécia Macatuba Macaubal Macedônia Magda Mairinque Mairiporã Manduri Marabá Paulista Maracaí Marapoama Mariápolis Marília Marinópolis Martinópolis Matão Mauá Mendonça Meridiano Mesópolis Miguelópolis Mineiros do Tietê Mira Estrela Miracatu Mirandopólis Mirante do Paranapanema Mirassol Mi rassolândia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 16.724,72 16.724,72 90,1 – 100,0 40.412,56 40.140,44 90,1 – 100,0 80.630,26 0,81 0,1 – 10,0 58.227,81 58.227,81 90,1 – 100,0 4.885,89 57.278,44 4.885,89 57.278,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 41.770,99 41.770,99 90,1 – 100,0 11.419,04 11.419,04 90,1 – 100,0 5.551,09 5.551,09 90,1 – 100,0 31.527,75 31.527,75 90,1 – 100,0 19.138,94 59.924,82 2.024,48 4.820,96 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 16.750,73 16.750,73 90,1 – 100,0 15.546,70 12.437,30 60,1 – 90,0 47.575,23 26.283,33 30,1 – 60,0 22.655,09 14.461,54 60,1 – 90,0 24.944,75 33.032,34 24.944,75 33.032,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 31.278,53 31.278,53 90,1 – 100,0 21.023,37 21.023,37 90,1 – 100,0 32.234,90 32.234,90 90,1 – 100,0 22.933,85 11.285,90 30,1 – 60,0 91.937,22 53.437,54 91.937,22 38.655,73 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 11.375,26 11.375,26 90,1 – 100,0 18.664,81 18.664,81 90,1 – 100,0 117.274,59 113.236,21 90,1 – 100,0 7.834,87 7.834,87 90,1 – 100,0 125.642,34 52.818,57 89.720,39 49.981,05 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 6.269,06 6.269,06 90,1 – 100,0 19.554,36 19.554,36 90,1 – 100,0 22.885,83 22.885,83 90,1 – 100,0 16.165,23 16.165,23 90,1 – 100,0 82.935,54 21.244,70 66.488,61 13.603,92 60,1 – 90,0 60,1 – 90,0 21.781,67 21.781,67 90,1 – 100,0 100.302,57 100.302,57 90,1 – 100,0 92.055,69 92.055,69 90,1 – 100,0 124.097,19 124.097,19 90,1 – 100,0 24.449,00 16.704,20 24.449,00 16.704,20 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Mococa Mogi Guaçu Moji das Cruzes Moji-Mirim Mombuca Monções Mongaguá Monte Alegre do Sul Monte Alto Monte Aprazível Monte Azul Paulista Monte Castelo Monte Mor Monteiro Lobato Morro Agudo Morungaba Murutinga do Sul Nantes Narandiba Natividade da Serra Nazaré Paulista Neves Paulista Nhandeara Nipoã Nova Aliança Nova Campina Nova Canaã Paulista Nova Castilho Nova Europa Nova Granada Nova Guataporanga Nova Independência Nova Luzitânia Nova Odessa Novais Novo Horizonte Nuporanga Ocauçu Óleo Olímpia Onda Verde Oriente (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 85.626,26 85.626,26 90,1 – 100,0 81.517,73 81.517,73 90,1 – 100,0 72.703,78 72.703,78 90,1 – 100,0 50.038,45 50.038,45 90,1 – 100,0 13.351,95 10.477,89 13.351,95 10.477,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 13.722,41 13.719,12 90,1 – 100,0 11.112,58 11.112,58 90,1 – 100,0 34.809,26 33.292,12 90,1 – 100,0 48.441,37 48.441,37 90,1 – 100,0 26.433,29 23.370,28 25.800,51 23.370,28 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.144,91 24.144,91 90,1 – 100,0 33.345,40 33.345,40 90,1 – 100,0 138.994,89 136.844,71 90,1 – 100,0 14.698,03 14.698,03 90,1 – 100,0 24.884,68 28.601,39 24.884,68 26.467,33 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.908,37 35.908,37 90,1 – 100,0 83.441,36 83.441,36 90,1 – 100,0 32.732,18 32.732,18 90,1 – 100,0 23.275,61 23.275,61 90,1 – 100,0 43.875,18 13.843,97 43.875,18 13.843,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.845,41 21.845,41 90,1 – 100,0 38.647,03 23.672,83 60,1 – 90,0 12.446,87 12.446,87 90,1 – 100,0 18.442,51 18.442,51 90,1 – 100,0 16.139,03 53.317,06 14.983,69 53.317,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 3.422,67 3.422,67 90,1 – 100,0 26.595,79 26.595,79 90,1 – 100,0 7.425,99 7.425,99 90,1 – 100,0 7.342,32 7.342,32 90,1 – 100,0 11.727,75 93.531,96 11.727,75 93.531,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.795,02 8.563,82 10,1 – 30,0 30.107,22 15.755,06 30,1 – 60,0 19.841,65 18.531,57 90,1 – 100,0 80.561,13 80.561,13 90,1 – 100,0 24.410,48 21.824,73 24.410,48 21.824,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Orindiúva Orlândia Osasco Oscar Bressane Osvaldo Cruz Ourinhos Ouro Verde Ouroeste Pacaembu Palestina Palmares Paulista Palmeira d’Oeste Palmital Panorama Paraguaçu Paulista Paraibuna Paraíso Paranapanema Paranapuã Parapuã Pardinho Pariquera-Açu Parisi Patrocínio Paulista Paulicéia Paulínia Paulo de Faria Pederneiras Pedra Bela Pedranópolis Pedregulho Pedreira Pedrinhas Paulista Pedro de Toledo Penápolis Pereira Barreto Pereiras Peruíbe Piacatu Piedade Pilar do Sul Pindamonhangaba (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 24.914,27 23.639,26 90,1 – 100,0 29.723,45 25.326,76 60,1 – 90,0 6.504,63 6.504,63 90,1 – 100,0 22.197,88 22.026,22 90,1 – 100,0 24.874,87 29.683,00 24.874,87 29.683,00 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.704,79 26.704,79 90,1 – 100,0 28.831,93 28.831,93 90,1 – 100,0 34.038,07 34.038,07 90,1 – 100,0 69.745,03 69.745,03 90,1 – 100,0 8.261,18 32.108,94 8.261,18 31.283,51 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.031,11 54.812,71 90,1 – 100,0 35.410,19 35.410,19 90,1 – 100,0 100.365,55 31.662,13 30,1 – 60,0 81.154,37 81.154,37 90,1 – 100,0 15.487,15 102.219,90 15.487,15 47.060,73 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 12.819,63 12.819,63 90,1 – 100,0 36.605,23 36.605,23 90,1 – 100,0 21.059,89 18.855,13 60,1 – 90,0 36.045,48 36.045,48 90,1 – 100,0 8.484,73 60.208,30 8.484,73 10.710,69 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 37.591,35 37.591,35 90,1 – 100,0 13.953,60 13.953,60 90,1 – 100,0 74.266,96 66.967,03 90,1 – 100,0 73.103,32 35.204,61 30,1 – 60,0 15.751,84 26.068,85 15.751,84 26.068,85 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 70.288,95 28.394,79 30,1 – 60,0 11.006,35 11.006,35 90,1 – 100,0 15.260,35 15.260,35 90,1 – 100,0 67.222,42 67.222,42 90,1 – 100,0 71.045,10 98.292,92 71.045,10 98.292,92 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.269,09 22.269,09 90,1 – 100,0 32.154,06 32.089,42 90,1 – 100,0 23.320,88 23.320,88 90,1 – 100,0 74.718,41 74.718,41 90,1 – 100,0 68.419,08 73.201,87 68.419,08 73.201,87 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Pindorama Pinhalzinho Piquerobi Piquete Piracaia Piracicaba Piraju Pirajuí Pirangi Pirapora do Bom Jesus Pirapozinho Pirassununga Piratininga Pitangueiras Planalto Platina Poá Poloni Pompéia Pongaí Pontal Pontalinda Pontes Gestal Populina Porangaba Porto Feliz Porto Ferreira Potim Potirendaba Pracinha Pradópolis Praia Grande Presidente Alves Presidente Bernardes Presidente Epitácio Presidente Prudente Presidente Venceslau Promissão Quadra Quatá Queiroz Queluz (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 18.505,93 18.505,93 90,1 – 100,0 15.542,29 15.542,29 90,1 – 100,0 48.365,11 48.365,11 90,1 – 100,0 17.625,42 17.625,42 90,1 – 100,0 38.571,61 137.189,18 38.571,61 60.030,12 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 50.659,02 40.806,00 60,1 – 90,0 82.147,61 82.147,61 90,1 – 100,0 21.636,70 21.636,70 90,1 – 100,0 11.119,78 11.119,78 90,1 – 100,0 48.199,79 72.889,65 48.199,79 54.512,29 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 39.815,65 21.770,90 30,1 – 60,0 43.063,55 39.438,42 90,1 – 100,0 29.014,54 29.014,54 90,1 – 100,0 32.852,95 778,56 0,1 – 10,0 1.733,08 13.516,74 1.733,08 13.516,74 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 78.862,05 78.862,05 90,1 – 100,0 18.377,56 18.377,56 90,1 – 100,0 35.616,57 35.616,57 90,1 – 100,0 21.091,48 21.091,48 90,1 – 100,0 21.787,02 31.629,03 21.787,02 31.629,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.735,08 26.735,08 90,1 – 100,0 55.779,10 55.779,10 90,1 – 100,0 24.457,97 23.130,23 90,1 – 100,0 4.470,12 4.470,12 90,1 – 100,0 34.327,12 6.331,78 34.327,12 6.331,78 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.763,76 8.661,25 30,1 – 60,0 14.399,44 14.320,90 90,1 – 100,0 28.935,85 28.935,85 90,1 – 100,0 75.587,66 75.587,66 90,1 – 100,0 128.497,68 56.366,03 128.497,68 56.366,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 75.698,87 75.698,87 90,1 – 100,0 78.430,82 78.430,82 90,1 – 100,0 20.556,01 20.556,01 90,1 – 100,0 65.413,72 62.261,55 90,1 – 100,0 23.712,73 25.009,46 23.712,73 25.009,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Quintana Rafard Rancharia Redenção da Serra Regente Feijó Reginópolis Registro Restinga Ribeira Ribeirão Bonito Ribeirão Branco Ribeirão Corrente Ribeirão do Sul Ribeirão dos Índios Ribeirão Grande Ribeirão Pires Ribeirão Preto Rifaina Rincão Rinópolis Rio Claro Rio das Pedras Rio Grande da Serra Riolândia Riversul Rosana Roseira Rubiácea Rubinéia Sabino Sagres Sales Sales Oliveira Salesópolis Salmourão Saltinho Salto Salto de Pirapora Salto Grande Sandovalina Santa Adélia Santa Albertina (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 32.068,63 32.068,63 90,1 – 100,0 12.207,64 12.207,64 90,1 – 100,0 158.857,19 125.715,09 60,1 – 90,0 30.978,82 30.978,82 90,1 – 100,0 26.568,47 41.110,07 26.568,47 41.110,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 71.768,04 71.768,04 90,1 – 100,0 24.622,57 24.622,4 1 90,1 – 100,0 33.585,00 33.585,00 90,1 – 100,0 47.262,91 20.924,86 30,1 – 60,0 69.920,42 14.896,95 69.920,42 432,39 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 13.704,23 6.041,32 30,1 – 60,0 19.762,02 19.762,02 90,1 – 100,0 33.280,74 33.280,74 90,1 – 100,0 9.926,24 9.926,24 90,1 – 100,0 65.197,70 17.199,26 56.070,47 17.132,96 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 31.437,13 5.974,91 10,1 – 30,0 35.945,74 35.945,74 90,1 – 100,0 49.979,77 45.304,70 90,1 – 100,0 22.749,60 22.749,60 90,1 – 100,0 3.677,50 63.272,53 3.677,50 63.272,53 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 38.715,76 38.715,76 90,1 – 100,0 74.047,59 74.047,59 90,1 – 100,0 13.065,39 13.065,39 90,1 – 100,0 23.752,74 23.752,74 90,1 – 100,0 23.513,01 31.285,78 23.513,01 31.285,78 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 14.921,60 14.921,60 90,1 – 100,0 30.947,70 30.947,70 90,1 – 100,0 30.457,30 30.223,69 90,1 – 100,0 42.686,99 42.686,99 90,1 – 100,0 17.320,28 9.913,97 17.320,28 6.751,93 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 13.446,10 13.446,10 90,1 – 100,0 28.076,61 28.076,61 90,1 – 100,0 21.089,73 21.089,73 90,1 – 100,0 45.646,02 45.646,02 90,1 – 100,0 33.186,00 27.502,73 33.186,00 27.502,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Santa Bárbara d’Oeste Santa Branca Santa Clara d’Oeste Santa Cruz da Conceição Santa Cruz da Esperança Santa Cruz das Palmeiras Santa Cruz do Rio Pardo Santa Ernestina Santa Fé do Sul Santa Gertrudes Santa Isabel Santa Lúcia Santa Maria da Serra Santa Mercedes Santa Rita do Passa Quatro Santa Rita d’Oeste Santa Rosa de Viterbo Santa Salete Santana da Ponte Pensa Santana de Parnaíba Santo Anastácio Santo André Santo Antônio da Alegria Santo Antônio de Posse Santo Antônio do Aracanguá Santo Antônio do Jardim Santo Antônio do Pinhal Santo Expedito Santópolis do Aguapeí Santos São Bento do Sapucaí São Bernardo do Campo São Caetano do Sul São Carlos São Francisco São João da Boa Vista São João das Duas Pontes São João de Iracema São João do Pau d’Alho São Joaquim da Barra São José da Bela Vista São José do Barreiro (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 27.226,80 27.226,80 90,1 – 100,0 27.570,78 27.570,78 90,1 – 100,0 18.383,99 18.383,99 90,1 – 100,0 14.967,53 3.588,98 10,1 – 30,0 14.818,07 29.652,57 364,42 29.652,57 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 111.900,91 77.831,22 60,1 – 90,0 13.522,72 5.540,97 30,1 – 60,0 20.878,70 20.878,70 90,1 – 100,0 9.776,82 9.776,82 90,1 – 100,0 36.242,05 15.271,58 36.242,05 5.344,01 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 25.715,55 8.582,69 30,1 – 60,0 16.733,08 16.733,08 90,1 – 100,0 75.471,57 39.706,67 30,1 – 60,0 21.113,14 21.113,14 90,1 – 100,0 29.036,38 7.944,37 142,14 7.944,37 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 13.029,32 13.029,32 90,1 – 100,0 18.165,02 18.165,02 90,1 – 100,0 55.392,69 55.392,69 90,1 – 100,0 17.521,60 17.521,60 90,1 – 100,0 31.055,24 15.450,05 102,87 15.450,05 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 130.976,33 130.976,33 90,1 – 100,0 10.979,31 10.979,31 90,1 – 100,0 13.307,88 13.307,88 90,1 – 100,0 9.415,04 9.415,04 90,1 – 100,0 12.792,54 28.098,87 12.792,54 28.089,54 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.112,93 25.112,93 90,1 – 100,0 40.699,21 40.699,21 90,1 – 100,0 1.546,03 1.546,03 90,1 – 100,0 114.398,48 852,02 0,1 – 10,0 7.554,63 51.738,88 7.554,63 51.738,88 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.984,98 12.984,98 90,1 – 100,0 17.836,10 17.836,10 90,1 – 100,0 11.816,76 11.816,76 90,1 – 100,0 41.348,91 33.152,14 60,1 – 90,0 27.770,37 57.242,00 27.009,41 57.242,00 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) São José do Rio Pardo São José do Rio Preto São José dos Campos São Lourenço da Serra São Luís do Paraitinga São Manuel São Miguel Arcanjo São Paulo São Pedro São Pedro do Turvo São Roque São Sebastião São Sebastião da Grama São Simão São Vicente Sarapuí Sarutaiá Sebastianópolis do Sul Serra Negra Serrana Sertãozinho Sete Barras Severínia Silveiras Socorro Sorocaba Sud Mennucci Sumaré Suzanápolis Suzano Tabapuã Tabatinga Taboão da Serra Taciba Taguaí Taiaçu Taiúva Tambaú Tanabi Tapiraí Tapiratiba Taquaral (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 42.026,10 42.026,10 90,1 – 100,0 43.401,20 43.401,20 90,1 – 100,0 110.246,60 110.246,60 90,1 – 100,0 18.694,05 18.694,05 90,1 – 100,0 61.850,32 65.250,28 61.850,32 8.526,66 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 93.231,74 93.231,74 90,1 – 100,0 152.836,37 152.836,37 90,1 – 100,0 61.960,46 5.515,51 0,1 – 10,0 77.841,12 23.449,86 30,1 – 60,0 30.815,40 40.238,68 30.815,40 39.842,16 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.290,54 25.290,54 90,1 – 100,0 61.963,10 8.639,04 10,1 – 30,0 14.873,37 14.834,93 90,1 – 100,0 35.517,26 35.511,91 90,1 – 100,0 14.165,39 16.855,93 14.165,39 16.855,93 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.336,68 20.336,68 90,1 – 100,0 12.624,81 7,92 0,1 – 10,0 40.430,24 40.430,24 90,1 – 100,0 105.435,20 105.435,20 90,1 – 100,0 14.085,88 41.562,43 14.085,88 41.562,43 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.927,70 44.927,70 90,1 – 100,0 45.012,46 45.012,46 90,1 – 100,0 59.252,00 59.252,00 90,1 – 100,0 15.333,65 15.333,65 90,1 – 100,0 32.884,78 19.498,09 32.884,78 19.498,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.644,52 34.644,52 90,1 – 100,0 36.738,02 36.738,02 90,1 – 100,0 2.048,50 2.048,50 90,1 – 100,0 60.976,73 59.654,78 90,1 – 100,0 14.611,47 10.727,52 14.611,47 8.785,92 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 13.253,83 727,35 0,1 – 10,0 56.327,21 32.270,57 30,1 – 60,0 74.723,24 74.723,24 90,1 – 100,0 75.685,02 75.685,02 90,1 – 100,0 22.102,88 5.417,60 22.102,88 77,07 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Taquaritinga Taquarituba Taquarivaí Tarabai Tarumã Tatuí Taubaté Tejupá Teodoro Sampaio Terra Roxa Tietê Timburi Torre de Pedra Torrinha Trabiju Tremembé Três Fronteiras Tuiuti Tupã Tupi Paulista Turiúba Turmalina Ubarana Ubatuba Ubirajara Uchoa União Paulista Urânia Uru Urupês Valentim Gentil Valinhos Valparaíso Vargem Vargem Grande do Sul Vargem Grande Paulista Várzea Paulista Vera Cruz Vinhedo Viradouro Vista Alegre do Alto Vitória Brasil (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 59.574,29 47.929,66 60,1 – 90,0 44.817,61 18.265,26 30,1 – 60,0 23.351,56 18.204,98 60,1 – 90,0 19.773,41 19.773,41 90,1 – 100,0 30.431,41 52.559,32 29.652,18 52.559,32 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 62.742,18 62.742,18 90,1 – 100,0 29.701,12 23.051,16 60,1 – 90,0 156.094,13 156.094,13 90,1 – 100,0 22.056,80 16.037,39 60,1 – 90,0 40.683,00 19.763,84 40.642,76 19.763,84 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.129,33 7.129,33 90,1 – 100,0 31.191,98 29.789,46 90,1 – 100,0 8.595,73 8.595,73 90,1 – 100,0 19.290,72 19.290,72 90,1 – 100,0 15.301,19 12.677,28 15.301,19 12.677,28 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 63.031,54 63.031,54 90,1 – 100,0 24.537,02 24.537,02 90,1 – 100,0 15.330,92 15.330,92 90,1 – 100,0 14.773,45 14.773,45 90,1 – 100,0 21.070,33 71.348,66 21.070,33 69.798,47 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 28.380,98 3.814,66 10,1 – 30,0 25.285,21 25.285,21 90,1 – 100,0 7.913,18 7.913,18 90,1 – 100,0 20.998,46 20.998,46 90,1 – 100,0 14.799,29 32.563,62 14.799,29 32.563,62 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 14.967,20 14.967,20 90,1 – 100,0 14.889,21 14.889,21 90,1 – 100,0 86.132,58 86.132,58 90,1 – 100,0 14.296,46 14.296,46 90,1 – 100,0 26.742,11 3.360,23 26.742,11 3.360,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 3.476,17 3.476,17 90,1 – 100,0 24.853,18 24.853,18 90,1 – 100,0 8.195,81 8.195,81 90,1 – 100,0 21.971,52 21.971,52 90,1 – 100,0 9.560,06 4.991,73 9.560,06 4.991,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Votorantim Votuporanga Zacarias (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 18.450,89 18.450,89 90,1 – 100,0 42.294,68 42.294,68 90,1 – 100,0 31.998,26 31.998,26 90,1 – 100,0

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO DA MATA ATLÂNTICA Legislação em vigor I – Quadro resumo da legislação ANO INSTRUMENTOLEGAL 1993 Decreto Federal n 750/93 1993 Resolução Conama no 10/93 1994 Resolução Conama no 1/94 1994 Resolução Conama no2/94 1994 Resolução Conama no4/94 1994 Resolução Conama no 5/94 1994 Resolução Conama no6/94 1994 Resolução Conama no12/94 1994 Resolução Conama n o 25/94 1994 Resolução Conama no26/94 1994 Resolução Conama no28/94 1994 Resolução Conama no29/94 EMENTA o Dispõe sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação primária ou nos estágios avançado e médio de Estabelece os parâmetros básicos para análise dos estágios de sucessão da Mata Atlântica (regulamentação dos artigos Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado de São Paulo (regulamentação do artigo 6º do Definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Paraná (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93) Define ve getação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado de Santa Catarina (regulamentação do artigo 6º do Definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado da Bahia (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93) Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro(regulamentação do artigo 6º do Aprova o Glossário de Termos Técnicos, elaborado pela Câmara Técnica Temporária para Assuntos de Mata Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Ceará (regulamentação do artigo 6º do Decreto Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Piauí (regulamentação do artigo 6º do Decreto Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado de Alagoas (regulamentação do artigo 6º do Decreto Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Espírito Santo (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

ANO 1994 INSTRUMENTOLEGAL Resolução Conama no30/94 1994 Resolução Conama no 31/94 1994 Resolução Conama no 32/94 1994 Resolução Conama no 33/94 1994 Resolução Conama no 34/94 1994 Resolução Conjunta SMA/SP – Ibama no002/94 1996 Resolução Conama no 3/96 1996 Resolução Conama no 7/96 1996 Resolução Conama no 9/96 1996 Resolução Conjunta SMA/SP- Ibama no5/96 EMENTA Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Mato Grosso do Sul (regulamentação do artigo Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Pernambuco (regulamentação do artigo 6º do Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Norte (regulamentação do artigo Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Sul (regulamentação do artigo 6º Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Sergipe (regulamentação do artigo 6º do Decreto Estabelece as definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para a aplicação do disposto no Artigo 4º do Decreto Federal 750/93, referente ao parcelamentos do solo ou qualquer edificação para fins urbanos nos perímetros urbanos ou de expansão urbana Com vistas ao esclarecimento da aplicação do Decreto 750/93, define que a “vegetação remanescente de mata atlântica, expressa no parágrafo único do artigo 4º,do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993”, abrange a totalidade de vegetação primária e secundária em estágio Aprova os parâmetros básicos para análise dos estágios de sucessão de vegetação de restinga para o Estado de São Define corredores entre remanescentes de vegetação primária e em estágio médio e avançado de regeneração da Acrescenta dispositivos à Resolução Conjunta 2, de 12 -05-94, que regulamenta o artigo 4º do Decreto Federal 750, de 10- 02-93, dispondo sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação secundária no estágio inicial de regeneração de 1997 Deliberação Consema/SP no 18/97

59 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD