Cartilha: Dossie Mata Atlântica

137 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD
Cursos 24 Horas - Cursos Online com Certificado
Cursos 24 Horas - Cursos Online com Certificado
137 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD

dossi? MATA ATL´NTICA 2001 Projeto Monitoramento Participativo da Mata Atlântica

A Rede de ONGs da Mata Atlântica (RMA) é uma articulação nacional de organizações não governamentais criada em 1992, durante a Rio-92, que visa a conservação e recuperação da Mata Atlântica, através da mobilização social Congregando atualmente 195 entidades dos 17 estados brasileiros inseridos no Domínio da Mata Atlântica, a RMA promove de forma permanente o intercâmbio de informações e de experiências entre as ONGs; a divulgação de informações sobre a Mata Atlântica e das ações da Rede e de suas filiadas para o público em geral; o acompanhamento e interferência nas políticas públicas em nível federal, estadual e municipal, voltadas para a preservação e recuperação do Bioma; e o fortalecimento das ONGs filiadas e do seu coletivo através do estímulo de ações regionais e nacionais.

Coordenação Nacional (biênio 2000 -2002): Gambá – Grupo Ambientalista da Bahia (BA), Coordenador Geral e Secretário Executiva da Rede; Amda – Associação Minera para a Defesa do Ambiente (MG) – Vice-Coordenadora; Apremavi – Associação de Preservação do Meio Ambiente do Alto Vale do Itajaí (SC); SNE – Sociedade Nordestina de Ecologia (PE); Fundação SOS Mata Atlântica (SP); Ecoa e Conservation International (MS); Instituto Ambiental de Estudos e Assessoria (CE); Os Verdes (RJ) e Secretaria Executiva: Amda – Associação Mineira de Defesa do Ambiente Av. Álvares Cabral, 1600 – 11º andar – Santo Agostinho 30170-001 Salvador – BA – Brasil amda.bhz@zaz.com.br Escritório em Brasília: SCLN 210, bloco C, sala 215 70863-530 Brasília – DF – BR tel: 55 61 349-9162 redematlantica@tba.com.br

dossi? MATA ATL´NTICA 2001 © ISA Organizador: João Paulo R. Capobianco Coordenação de produção: Marussia Whately Texto da publicação: João Paulo R. Capobianco Cartografia: Alícia Rolla, Cícero Cardoso Augusto, Edna Amorim dos Santos, Fernando Frizeira Paternost, Mônica T. Shimabukuro, Rosimeire Rurico Sacó, Viviane Mazin Fotos: João Paulo R. Capobianco Design/editoração eletrônica da publicação: Vera Feitosa Textos CD: João Paulo R. Capobianco, Marussia Whately, André Lima, Fany Pantaleoni Ricardo e Maurício Mercadante Design/editoração eletrônica do CD/ROM: Ana Beatriz Miranda e Murilo de Andrade Lima Lisboa Fotolito e Impressão: Ipsis Gráfica e Editora Tiragem desta edição: 2.500 exemplares ISBN 85-85994-11-8 O Instituto Socioambiental (ISA) é uma associação civil, sem fins lucrativos, fundada em 1994 para propor soluções, de maneira O ISA tem como objetivo defender bens e direitos sociais, coletivos e difusos, relativos ao meio ambiente, ao patrimônio cultural, aos direitos humanos e dos povos. Produz estudos, pesquisas, projetos e programas que promovam a sustentabilidade socioambiental, Para saber mais sobre o ISA, consulte www.socioambiental.org Conselho Diretor: Neide Esterci (presidente), Enrique Svirsky (vice-presidente), Juliana Santilli, Leão Serva, Márcio Santilli Secretários Executivos: Nilto Tatto (geral), Sérgio Mauro Santos Filho Coordenadores: Adriana Ramos, Alicia Rolla, Ana Valéria Araújo, André Villas Bôas, Angela Maria Ribeiro Galvão, Carlos Alberto Ricardo, Carlos Macedo, Fany Ricardo, João Paulo R. Capobianco, Maria Inês Zanchetta, Marina Kahn, Nurit Rachel Bensusan, Rodolfo Marinceck Neto, Rubens Mendonça Av. Higienópolis, 901 01238-001 São Paulo – SP – Brasil tel: 55 11 3825-5544 / fax: 55 11 3825-7861 isa@socioambiental.org Brasília SCLN 210, bloco C, sala 112 70862-530 Brasília – DF – Brasil tel: 55 61 349-5114 / fax: 55 61 274-7608 isadf@tba.com.br Rio Negro Rua Projetada, 70 – Centro Caixa Postal 21 96750-000 São Gabriel da Cachoeira – AM – Brasil tel/fax: 55 92 471-1156

Realização: Rede de ONGs da Mata Atlântica Instituto Socioambiental Sociedade Nordestina de Ecologia Apoio: NAPMA – Núcleo Assessor de Planejamento da Mata Atlântica Ministério do Meio Ambiente/Governo Federal PNF – Programa Nacional de Florestas SBF – Secretaria de Biodiversidade e Florestas Comissão Européia ICCO – Organização Intereclesiástica para a Cooperação ao Desenvolvimento (Holanda)

INTRODUÇÃO ………………………………………………………………………………………………………….9

I – Conceito, abrangência e área original…………………………………………………………11

II – Síntese da Legislação de Proteção……………………………………………………………..14

III – A degradação…………………………………………………………………………………………………..18

IV – A importância da sua conservação e recuperação ………………………………..23

V – Referências bibliográficas…………………………………………………………………………….27

UCs no Domínio da Mata Atlântica ………………………………………………………………….31

UCs no Estado de Alagoas………………………………………………………………………………32

UCs no Estado da Bahia………………………………………………………………………………….33

UCs no Estado do Ceará………………………………………………………………………………….35

UCs no Estado do Espírito Santo ……………………………………………………………………36

UCs no Estado de Minas Gerais ………………………………………………………………………37

UCs no Estado do Mato Grosso do Sul…………………………………………………………….39

UCs no Estado da Paraíba……………………………………………………………………………….40

UCs no Estado de Pernambuco……………………………………………………………………….42

UCs no Estado de Piauí…………………………………………………………………………………..43

UCs no Estado do Paraná……………………………………………………… ……………………….44

UCs no Estado do Rio de Janeiro…………………………………………………………………….46

UCs no Estado do Rio Grande do Norte……………………………………………………………48

UCs no Estado do Rio Grande do Sul………………………………………………………………49

UCs no Estado de Santa Catarina……………………………………………………………………50

UCs no Estado de Sergipe……………………………………………………………………………….51

UCs no Estado do São Paulo…………………………………………………………………………..52

UCs Interestaduais………………………………………………………………………………………….55

TIs no Domínio da Mata Atlântica…………………………………………………………………..56

TIs no Estado de Alagoas………………………………………………………………………………..57

TIs no Estado da Bahia ……………………………………………………………………………………58

TIs no Estado do Espírito Santo ……………………………………………………………………..59

TIs no Estado de Minas Gerais………………………………………………………………………..60

TIs no Estado do Mato Grosso do Sul……………………………………………………………..61

TIs no Estado da Paraíba…………………………………………………………………………………63

TIs no Estado do Paraná………………………………………………………………………………….64

TIs no Estado do Rio de Janeiro………………………………………………………………………65

TIs no Estado do Rio Grande do Sul………………………………………………………………..66

TIs no Estado de Santa Catarina………………………………………………………………………67

TIs no Estado do São Paulo…………………………………………………………………………….68

Municípios no Domínio da Mata Atlântica ………………………………………………………..69

Municípios no Estado de Alagoas………………………………………………………………….. 70

Municípios no Estado da Bahia………………………………………………………………………..72

Municípios no Estado do Ceará……………………………………………………………………… 80

Municípios no Estado do Espírito Santo ………………………………………………………….82

Municípios no Estado de Goiás……………………………………………………………………….84

Municípios no Estado de Minas Gerais…………………………………………………………….85

Municípios no Estado do Mato Grosso do Sul………………………………………………..101

Municípios no Estado da Paraíba…………………………………………………………………..103

Municípios no Estado de Pernambuco……………………………………………………………105

Municípios no Estado do Piauí……………………………………………………………………….108

Municípios no Estado do Paraná………………………………………………………………….. 109

Municípios no Estado do Rio de Janeiro………………………………………………………..119

Municípios no Estado do Rio Grande do Norte……………………………………………….122

Municípios no Estado do Rio Grande do Sul…………………………………………………..123

Municípios no Estado de Santa Catarina ……………………………………………………… .134

Municípios no Estado de Sergipe………………………………………………………………….. 141

Municípios no Estado do São Paulo……………………………………………………………….143

LEGISLAÇÃO EM VIGOR…………………………………………………………………….159

I – Quadro resumo da legislação………………………………………………………….160

Decreto Federal nº 750/93 ………………………………………………………………………………………….. 162

Resolução Conama nº 10/93 ……………………………………………………………………………………….165

Resolução Conama nº 12/94 ……………………………………………………………………………………….169

Resolução Conama nº 3/96………………………………………………………………………………………..172

Resolução Conama nº 9/96………………………………………………………………………………………….173

Resolução Conama nº 249/99……………………………………………………………………………………..174

Medida Provisória nº 2.080 -59/01………………………………………………………………………………… 175

Resolução Conama nº 28/94 ……………………………………………………………………………………….181

Resolução Conama nº 5/94…………………………………………………………………………………………184

Resolução Conama nº 240/98………………………………………………………………………………………187

Resolução Conama nº 248/99……………………………………………………………………………………..188

Resolução Conama nº 25/94 ………………………………………………………………………………………..191

Resolução Conama nº 29/94 ……………………………………………………………………………………….193

Resolução Conama nº 30/94 ……………………………………………………………………………………….196

Resolução Conama nº 2/94………………………………………………………………………………………..199

Resolução Conama nº 31/94 ………………………………………………………………………………………..201

Res olução Conama nº 26/94……………………………………………………………………………………….203

Resolução Conama nº 6/94………………………………………………………………………………………..205

Resolução Conama nº 32/94 ………………………………………………………………………………………..208

Resolução Conama nº 33/94 …………………………………… …………………………………………………..211

Resolução Conama nº 4/94…………………………………………………………………………………………213

Resolução Conama nº 261/99………………………………………………………………………………………216

Resolução Conama nº 1/94………………………………………………………………………………………….228

Resolução Conjunta SMA/SP – Ibama nº 002/94……………………………………………………………231

Resolução Conama nº 7/96………………………………………………………………………………………….235

Resolução Conjunta SMA/SP-Ibama nº 5/96…………………………………………………………………247

Deliberação Consema/SP nº 18/97 ………………………………………………………………………………249

Resolução Conama nº 34/94 ………………………………………………………………………………………..255

Projeto de Lei nº 3.285, de 1992 (Dep. Fabio Feldmann) …………………………..257

Substitutivo do Dep. Paulo Bornhausen, aprovado na Comissão de Minas e Energia, em outubro de 1997.

Projeto de Lei nº 285, de 1999 (Dep. Jacques Wagner) …………………………..263

Substitutivo do Dep. Luciano Pizzatto, aprovado na Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias, em novembro de 1999.

Título I – das definições, objetivos e princípios do regime jurídico dos ecossistemas atlânticos Capítulo I – das definições Capítulo II – dos objetivos e princípios do regime jurídico dos ecossistemas atlânticos Título II – do regime jurídico geral dos ecossistemas atlânticos Título III – do regime jurídico especial dos ecossistemas atlânticos Capítulo I – da proteção da vegetação primária Capítulo II – da proteção da vegetação secundária em estágio avançado de regeneração Capítulo III – da proteção da vegetação secundária em estágio médio de regeneração Capítulo IV – da proteção da vegetação secundária em estágio inicial de regeneração Capítulo V – da exploração seletiva de vegetação secundária em estágios avançado e médio de regeneração Capítulo VI – da proteção dos ecossistemas atlânticos nas áreas urbanas e regiões metropolitanas Título IV – dos incentivos econômicos Capítulo I – do fundo de restauração dos ecossistemas atlânticos Capítulo II – da servidão ambiental Capítulo III – dos incentivos tributários Seção I – da não incidência de imposto sobre a propriedade territorial rural Seção II – da dedução de imposto sobre a renda de doador ambiental Capítulo IV – dos incentivos creditícios Capítulo V – do selo ambiental para produtos ou serviços procedentes dos ecossistemas atlânticos Capítulo VI – das fazendas florestais

ATLÂNTICA NO CONGRESSO NACIONAL …………………………………………………….276

1992 Agosto Setembro 1993 Janeiro Fevereiro 1995 Fevereiro Março Junho Agosto Setembro 1997 Outubro Novembro Dezembro 1998 Junho 1999 Fevereiro Abril Junho Agosto Dezembro 2000 Abril Maio 2001 Janeiro

Sumário………………………………………………………………………………………………………………..282

Apresentação……………………………………………………………………………………………………….283

I – Introdução ……………………………………………………………………………………………………….286

II – Contexto…………………………………………………………………………………………………………..287

III – Marco Referencial ………………………………………………………………………………………..288

IV – Conceitos ………………………………………………………………………………………………………289

V – Evolução dos Instrumentos Legais ………………………………………………………….291

VI – Princípios ………………………………………………………………………………………………………293

VII – Objetivo ………………………………………………………………………………………………………..294

VI II – Estratégia…………………………………………………………………………………………………… 295

IX – Diretrizes e Linhas Programáticas…………………………………………………………..296

X – Instrumentos de Implementação ………………………………………………………………301

XI – Referências Bibliográficas ………………………………………………………………………..305

SUBPROGRAMA MATA ATLÂNTICA – PPG7…………………………………………………306

I – Apresentação…………………………………………………………………………………………………..309

II – Introdução……………………………………………………………………………………………………….310

Área Geográfica de Abrangência do Subprograma. ………………………………………………….310

Programa Avança Brasil………………………………………………………………………………………………310

PNMA II – Programa Nacional do Meio Ambiente II …………………………………………………………311

PNF – Programa Nacional de Florestas – DIFLOR/MMA…………………………………………………311

PPG7 – Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil………………………312

FNMA – Fundo Nacional do Meio Ambiente……………………………………………………………………312

Programa de Conservação da Biodiversidade – Probio……………………………………………………312

FUNBIO – Fundo Brasileiro para a Biodiversidade ………………………………………………………….313

Governo Federal ……………………………………………………………………………………………………..315

III – Subprograma Mata Atlântica ……………………………………………………………………..316

Antecedentes e o Processo de preparação do Subprograma Mata Atlântica………………316

Diretrizes Gerais ……………………………………………………………………………………………………….317

Objetivos …………………………………………………………………………………………………………………317

Áreas e Linhas Programáticas…………………………………………………………………………………..318

Resultados esperados ………………………………………………………………………………………………319

Vantagens comparativas…………………………………………………………………………………………..319

As Especificidades Institucionais e Conjunturais do Bioma……………………………………….320

VI – Descrição do Subprograma Mata Atlântica…………………………………………….320

Estratégia de Implantação do Subprograma………………………………………………………………320

Figura 1 – Organização estrutural do Subprograma Mata Atlântica – PPG7……………..322

Figura 2 – Fluxograma de projetos do Subprograma Mata Atlântica ………………………323

Relevância ambiental………………………………………………………………………………………325

Grau de Inter-institucionalidade…………………………………………………………………………325

Contrapartida…………………………………………………………………………………………………325

Pré-condições…………………………………………………………………………………………………326

Modalidades de Apoio………………………………………………………………………………………………326

Demanda Induzida…………………………………………………………………………………………..327

Exemplos de linhas temáticas para Demanda Espontânea…………………………………..327

Anexos ANEXO 1 – Legislação de Proteção da Mata Atlântica (Ver Capítulo I – A MATA ATLÂNTICA, Item II – Síntese da Legislação de Proteção,) ANEXO 2 – Mapas de Áreas Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica. (Ver Capítulo III, item Áreas e Ações Prioritárias para Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica) ANEXO 3 – Ações e Áreas Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica. (Ver Capítulo III, item Áreas e Ações Prioritárias para Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica) ATLAS DA EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO PERÍODO 1990-1995

I – Apresentação………………………………………………………………………………………………….331

II – Introdução ………………………………………………………………………………………………………331

III – Metodologia…………………………………………………………………………………………………..333

Base cartográfica………………………………………………………………………………………………………..333

Legenda adotada………………………………………………………………………………………………………..336

Produtos de sensoriamento remoto utilizados…………………………………………. …………………… 338

Interpretação visual das imagens………………………………………………………………………………….339

Digitalização dos “overlays”………………………………………………………………………………………….341

Exatidão de classificação……………………………………………………………………………………………. 342

Confecção dos mapas temáticos…………………………………………………………………………………. 342

Parecer técnico e avaliação ……………………………………………………………………………………………….343

IV – Resultados por estado………………………………………………………………………………..344

Espírito Santo…………………………………………………………………………………………………………….345

Goiás………………………………………………… ……………………………………………………………………..348

Mato Grosso do Sul…………………………………………………………………………………………………….349

Minas Gerais………………….. …………………………………………………………………………………………351

Paraná………………………………………………………………………………………………………………………353

Rio d e Janeiro……………………………………………………………………………………………………………356

Rio Grande do Sul………………………………………………………………………………………………………358

Santa Catarina……………………………………………………………………………………………………………361

São Paulo………………………………………………………………………………………………………………….364

V – Quadro resumo………………………………………………………………………………………………367

VI – Incrementos por carta 1:250.000……………………………………………………………….368

Resumo………………………………………………………………………………………………………………….371

Mapa de Áreas prioritárias para a Conservação da Mata Atlântica………….373

Atlântica………………………………………………………………………………………………………………..374

INTRODUÇÃO A Mata Atlântica, um dos mais ricos conjuntos de ecossistemas em termos de diversidade biológica do Planeta é diretamente responsável pela qualidade de vida de milhares de brasileiros. Nas cidades, áreas rurais, comunidades caiçaras e indígenas, ela regula o fluxo dos mananciais hídricos, assegura a fertilidade do solo, controla o clima e protege escarpas e encostas das serras, além de preservar um patrimônio histórico e cultural imenso.

Embora recente, a luta pela conservação da Mata Atlântica cresceu de forma exponencial nos últimos quinze anos. Hoje, milhares de organizações não governamentais, órgãos públicos e grupos de cidadãos espalhados pelo País, desenvolvem ações de conservação, recuperação e uso sustentável do Bioma. Este trabalho tem levado ao aumento da consciência por parte da sociedade sobre a urgência de se reverter seu processo de degradação, iniciado há quinhentos anos e que, embora em declínio, persiste até a atualidade.

A mobilização da população em defesa da Mata Atlântica já começa a mostrar resultados concretos. Em muitos estados o ritmo de desmatamento vem caindo significativamente ano após ano. Ao mesmo tempo, áreas significativas de florestas começam a reocupar locais antes degradados, demonstr ando a viabilidade da regeneração natural.

Mas os desafios são ainda muito grandes. O processo de fragmentação da Mata Atlântica atingiu níveis críticos em muitas regiões do País. Por outro lado, a extração predatória de madeira, plantas ornamentais e outros produtos florestais e a caça, constituem, ainda, ameaças permanentes.

Se até recentemente a luta pela Mata Atlântica se baseava quase que exclusivamente na denúncia e na sensibilização da opinião pública, agora ela começa a exigir maior capacidade de organização, planejamento e avaliação de resultados.

Com o objetivo de aprimorar a ação de proteção do Bioma, a Rede de ONGs da Mata Atlântica elaborou o projeto “Monitoramento Participativo da Mata Atlântica”. Trata-se de um conjunto de atividades de produção, organização e disseminação de informações de qualidade e de capacitação de organizações não governamentais para o desenvolvimento de ações integradas.

A presente publicação é parte deste projeto. Desenvolvida pelo Instituto Socioambiental, por s olicitação da Rede de ONGs da Mata Atlântica, contém os seguintes materiais: Mapa-pôster, com a área de abrangência do Domínio da Mata Atlântica, conforme definido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama, em 1992; os remanescentes florestais no ano de 1990; e tabelas com informações sobre os municípios, unidades de conservação, terras indígenas grupos de vegetação e remanescentes florestais. Constam, ainda, do mapa-pôster, fotografias ilustrativas das principais fitofisionomias que compõem o Domínio da Mata Atlântica.

CD-ROM com o maior conjunto de informações qualificadas já reunidas e disponibilizadas sobre a Mata Atlântica: · Textos com definições gerais, referências bibliográficas e a legislação completa · Listagens completas de municípios, unidades de conservação e terras indígenas na · Íntegra do Atlas da Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados da Mata Atlântica no Período 1990-95, elaborado pela SOS Mata Atlântica, · Mapa síntese e listagem completa das áreas prioritárias para a biodiversidade da Mapa Atlântica (Workshop Mata Atlântica e Campos Sulinos, Pronabio/MMA);

· Base de dados digital completa contendo: limites municipais; sedes municipais; rios; estradas; Remanescentes Florestais 1985-1990; Remanescentes 1990-1995; Remanescentes do Nordeste; Fitofisionomias vegetais; Domínio da Mata Atlântica; Unidades de Conservação; Terras Indígenas; Áreas Prioritárias para Conservação da Biodiversidade; Reserva da Biosfera da Mata Atlântica; Corredores Ecológicos · Programa ArcExplorer com manual de uso para manuseio da base de dados digital, permitindo elaboração e i mpressão de mapas adaptados ao interesse dos usuários.

Esperamos que estes materiais cumpram com seu objetivo de levar a todas as organizações e cidadãos comprometidos com a conservação da Mata Atlântica, informações qualificadas que sirvam de subsídio ao aprimoramento de suas atividades.

Capítulo I – A Mata Atlântica A MATA ATLÂNTICA* Quando os europeus iniciaram a colonização do território que posteriormente daria origem ao Brasil, encontraram duas grandes florestas, constituídas por verdadeiros mosaicos de diferentes fisionomias vegetais.

A maior dessas florestas, que ainda permanece muito preservada, se estendia pela bacia hidrográfica do Rio Amazonas, ocupando toda a região norte do Brasil e significativas porções dos países vizinhos. A esse complexo e diversificado conjunto de formações vegetais contínuas se convencionou chamar de Floresta Amazônica.

A outra, menor, porém de grandes dimensões, ocorria ao longo da costa, do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul e se estendia por centenas de quilômetros, continente adentro, nas regiões Sul e Sudeste, chegando a Argentina e Paraguai.

Apesar de diversificada e originalmente contínua como a Floresta Amazônica, até recentemente havia diferentes denominações para essa floresta, baseadas em considerações fitofisionômicas e florísticas definidas por diferentes pesquisadores, que agrupavam suas formações vegetais de acordo com critérios próprios. Para alguns autores, a Mata Atlântica se restringiria a floresta densa que ocorre ao longo do litoral brasileiro. Entretanto, estudiosos como AB’SABER (1977), RIZZINI (1979), EITEN (1983), entre outros, desenvolveram trabalhos onde apresentavam um conceito mais amplo da formação original da Mata Atlântica, embora com áreas de abrangência e terminologias diferentes.

Se até recentemente a conceituação científica da Mata Atlântica era exclusivamente um assunto de interesse acadêmico, a partir da promulgação da Constituição Federal de 1988, ela se tornou uma questão legal. Isto porque, ao conferir à Mata Atlântica o status de “patrimônio nacional”, a definição de sua área de abrangência passou a ser um imperativo para a regulamentação de seu uso e conservação, nos termos restritivos definidos pelos deputa dos constituintes.

A primeira iniciativa para buscar uma definição científica consensual para a Mata Atlântica ocorreu em 1990, quando a Fundação SOS Mata Atlântica reuniu os mais importantes pesquisadores especializados neste complexo vegetacional durante um seminário de quatro dias ocorrido na cidade de Atibaia, São Paulo. Baseados em critérios botânicos e fitofisionômicos, cruzados com considerações de natureza geológica e geográfica e, considerando ainda, as questões relativas a conservação ambiental, chegou-se a uma definição ampla que englobava a floresta litorânea, as matas de araucária, as florestas deciduais e semideciduais interioranas e ecossistemas associados como restingas, manguezais, florestas costeiras, campos de altitude e encraves de campos, brejos de altitude e cerrados.

Esta definição foi posteriormente aprimorada e submetida ao Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama, que a aprovou em 1992, estabelecendo o conceito de Domínio da Mata Atlântica. Desta forma, passou a ter a denominação genérica de Mata Atlântica as áreas primitivamente ocupadas pelas seguintes formações vegetais constantes do Mapa de Vegetação do Brasil (IBGE, 1993) que, a exceção dos encraves no Nordeste, formavam originalmente uma cobertura florestal praticamente contínua nas regiões sul, sudeste e parcialmente nordeste e centro-oeste: Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Estacional Decidual, manguezais, restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste.

Segundo este conceito, que foi posteriormente incorporado à legislação ambiental brasileira com a edição do Decreto Federal no 750, de fevereiro de 1993, a Mata Atlântica se espalhava

* João Paulo Capobianco, biólogo, coordenador do Instituto Socioambiental

Capítulo I – A Mata Atlântica por área de apr oximadamente 1.306 mil quilômetros quadrados, equivalente a cerca de 15% do território brasileiro. Sua região de ocorrência original abrangia integralmente ou parcialmente atuais 17 Estados da Federação: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo (tabela 1).

Tabela 1 – Área original da Mata Atlântica segundo definição do Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama UF Área UF Área Original (DMA) km km2 % Alagoas 27.933 14.529 52,01 Bahia Ceará 567.295 146.348 177.924 4.878 31,36 3,33 Espírito Santo 46.184 46.184 100,00 Goiás 341.290 10.687 3,13 Mato Grosso do Sul 358.159 51.536 14,39 Minas Gerais 588.384 281.311 47,81 Paraíba 56.585 6.743 11,92 Pernambuco 98.938 17.811 18,00 Piauí 252.379 22.907 9,08 Paraná 199.709 193.011 96,65 Rio de Janeiro 43.910 43.291 98,59 Rio Grande do Norte 53.307 3.298 6,19 Rio Grande do Sul 282.062 132.070 46,82 Santa Catarina 95.443 95.265 99,81 Sergipe 22.050 7.155 32,45 São Paulo 248.809 197.823 79,51 Total 3.428.783 1.306.421 38,10 2 (1) (2) (3)

(1) IBGE, 1999 (2) Instituto Socioambiental – ISA, 1999 (3) Sobre a área da UF DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992) É importante destacar que, para alguns autores, estes números estariam subestimados para a região do Nordeste, devido ao fato da região já se encontrar intensamente degradada quando foram realizados os levantamentos do Projeto RADAM, que subsidiaram o Mapa de Vegetação do Brasil elaborado pelo IBGE. Para GONZADA DE CAMPOS (1912), mais de 35% da região Nordeste era originalmente ocupada por formações florestais. No mesmo sentido, COIMBRA e CÂMARA (1996), em recente trabalho intitulado “Os limites Originais da Mata Atlântica na Região Nordeste do Brasil”, trazem inúmeras evidências baseadas em ampla pesquisa bibliográfica, consultas e visitas de campo que sustentam a tese da existência de florestas em regiões hoje classificadas como semi-árido. Caso adotássemos os números de Gonzaga de Campos, teríamos uma área original de Mata Atlântica no País de 1.480.400, ou 17 % do território brasileiro.

Capítulo I – A Mata Atlântica Mapa 1 – Domínio da Mata Atlântica

Capítulo I – A Mata Atlântica Síntese da Legislação de Proteção

Apesar de ter sido o primeiro conjunto de ecossistemas brasileiro a sofrer o impacto da exploração irracional de seus recursos naturais, até muito recentemente a legislação de proteção à Ma ta Atlântica praticamente se restringia ao estabelecido no Código Florestal, que embora avançado para sua época, não oferece mecanismos suficientes para uma efetiva proteção da biodiversidade existente nas florestas.

Lei Federal no 4.771/65 (Código Florestal) O Código Florestal, instituído pela Lei Federal nº 4.771/65, limitou o exercício do direito da propriedade referente às formações vegetais nativas existentes em todo o território nacional. Qualificou as florestas como bens de interesse comum a todos os habitantes do país, subordinando a exploração de tais recursos naturais ao interesse da população. Na época de sua edição, este conceito limitava-se à proteção do solo, das encostas, dos cursos d’água e da manutenção de um estoque de madeira, sem haver preocupação direta com a conservação da biodiversidade, nos moldes hoje existentes.

A Constituição Federal de 1988 Somente no final da década de 80, após quase cinco séculos de destruição, que a Mata Atlântica recebeu o reconhecimento de sua importância ambiental e social na legislação brasileira, através do § 4º, do Artigo 225 da Constituição Federal, onde se lê: “A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais”.

Posteriormente, seguindo a orientação da Constituição Federal, diversos Estados reforçaram este dispos itivo constitucional, inserindo em suas Constituições, dispositivos transformando seus remanescentes de Mata Atlântica em áreas especialmente protegidas, sendo que alguns Municípios criaram dispositivos específicos em suas Leis Orgânicas.

O Decreto Federal nº 99.547/90 A primeira iniciativa do Governo Federal no sentido de regulamentar a Constituição Federal, definindo instrumentos legais específicos para a Mata Atlântica foi a edição do Decreto nº 99.547 que dispunha sobre “a vedação do corte, e da respectiva exploração, da vegetação nativa da Mata Atlântica, e dá outras providências” , assinado no dia 25 de setembro de 1990 por Itamar Franco, que ocupava interinamente a Presidência da República.

Concebido pelo então Secretário Nacional do Meio Ambiente, José Lutzenberger, o texto estabeleceu, pela primeira vez na legislação brasileira, a intocabilidade absoluta de um conjunto de ecossistemas, através da proibição total do corte e da utilização da vegetação.

Apesar de bem intencionado, o Decreto, que era de questionável constitucionalidade, uma vez que o § 4º, do art. 225 da CF/88 permite expressamente a utilização da Mata Atlântica, foi elaborado sem nenhuma participação dos governos dos Estados que possuem Mata Atlântica e das entidades não governamentais. Este processo fechado implicou na definição de um texto com graves lacunas e sem respaldo dos órgãos responsáveis pela sua aplicação, o que praticamente inviabilizou sua efetiva contribuição para a preservação ambiental.

Capítulo I – A Mata Atlântica As diretrizes para conservação da Mata Atlântica aprovado pelo Conama A partir de 1991, o Conselho Nacional do Meio Ambiente, órgão superior e normativo do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA), passou a receber propostas de textos alternativos ao Decreto 99.547/90.

Em abril de 1992, após meses de negociações, o Conama aprovou uma minuta de decreto para ser encaminhada à Presidência da República como alternativa ao Decreto 99.547. A nova proposta trazia inúmeras inovações entre as quais se destacam a delimitação precisa da área de abrangência da Mata Atlântica e a proteção dos estágios sucessionais de regeneração das formações vegetais do Bioma.

Desta forma, passaram a ter a denominação genérica de Mata Atlântica as áreas primitivamente ocupadas pelas seguintes formações vegeta is constantes do Mapa de Vegetação do Brasil (IBGE, 1993) que, a exceção dos encraves no Nordeste, formavam originalmente uma cobertura florestal praticamente contínua nas regiões sul, sudeste e parcialmente nordeste e centro-oeste: Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Estacional Decidual. Incluiu, ainda, no âmbito da proteção legal, manguezais, restingas, campos de altitude e brejos interioranos do Nordeste, como ecossistemas associados.

Com relação aos estágios sucessionais da Mata Atlântica, o Conama estendeu a proteção para além das formações vegetais em estágio primário, incluindo também as áreas degradadas onde está em curso a regeneração natural. Desta forma, defini u a proteção da vegetação secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração. Este conceito é um enorme avanço em termos de conservação ambiental para o Bioma, que já assistiu a destruição de mais de 90% de sua área original.

As diretrizes aprovadas pelo Conama, consideradas um marco na luta pela conservação da Mata Atlântica, foram integralmente incorporadas ao Projeto de Lei 3.285, apresentado ao Congresso Nacional pelo Deputado Federal Fábio Feldmann, em outubro de 92. Também constituíram a base para o Decreto Federal no 750, assinado pelo Presidente Itamar Franco, em 10 de fevereiro de 1993.

O Decreto 750/93 Resultado de um amplo processo de discussão nacional, que contou, inclusive, com várias audiências públicas, o Decreto 750 tem como premissa básica o conceito de que a melhor forma de proteger o meio ambiente não é dizer o que não se pode fazer, mas sim, definir o que pode ser feito, orientando as ações e criando instrumentos de controle eficazes, que contem com a participação efetiva da sociedade, a maior interessada na conservação.

Neste sentido, o Decreto 750 reconhece o óbvio: na área do Domínio da Mata Atlântica vivem mais de sessenta por cento da população brasileira e seus remanescentes florestais não estão em regiões inexpugnáveis, mas sim nos estados mais desenvolvidos do país, próximos às grandes cidades brasileiras, onde a complexidade das situações é enorme. Exatamente por isso, estabelece mecanismos para enfrentar os conflitos entre conservação e desenvolvimento, encarando-os de frente e não os ignorando, como fazia o Decreto 99.547/90.

O Decreto 750/93 estende a proteção a todas as formações florestais tropicais e subtropicais das regiões Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste e Sul e seus ecossistemas associados como manguezais, restingas e campos de altitude. Protege, ainda, os brejos interioranos e os preciosos encraves florestais do Nordeste. Esta medida abre perspectivas para a real proteção da biodiversidade da Mata Atlântica, dando o mesmo status de áreas especialmente protegidas para todos os seus remanescentes, litorâneos e de interior.

A conservação da biodiversidade da Mata Atlântica, derivada da diversificação ambiental que a caracteriza, depende fundamentalmente da adoção de medidas que protejam suas diferentes fisionomias vegetais. Nesse sentido, não se pode admitir a compartimentação artificial de seus ambientes e a adoção de graus diferenciados de restrições à degradação.

Capítulo I – A Mata Atlântica A definição aprovada pelo Conama e adotada pelo Decreto Federal nº 750/93, reflete, com acerto, a preocupação do legislador constituinte que, ao estender o conceito de Patrimônio Nacional à Mata Atlântica, à Zona Costeira e à Serra do Mar, procurou resguardar toda biodiversidade existente no Domínio da Mata Atlântica, incluído aí as florestas interioranas, além da Floresta Ombrófila Densa, que cobre a região costeira.

Quanto è exploração de recursos naturais da Mata Atlântica, o Decreto 750/93 estabelece diretrizes objetivas para uma maior fiscalização, possibilitando o controle do diâmetro e da idade do material explorado, das condições de trabalho dos empregados envolvidos, da higiene com que a exploração de produtos comestíveis (como o palmito) é realizada e, principalmente, da procedência do material, hoje retirado ilegalmente de unidades de conservação.

Quanto à questão urbana, o novo texto normatiza de forma rígida e objetiva os casos em que poderá haver supressão de vegetação de Mata Atlântica secundária (não permite para vegetação primária). Ademais, propicia uma compatibilização das normas de proteção da vegetação com os planos diretores e demais leis de uso e ocupação do solo ou de proteção ambiental municipais.

Para os casos de obras de utilidade pública ou interesse social, onde se fará necessário o desmatamento de áreas de Mata Atlântica, o Decreto 750/93 estabelece várias concidionalidades: (i) exige decisão motivada do órgão estadual competente responsável pelo licenciamento ambiental do empreendimento; (ii) a aprovação pelo órgão estadual deverá ser precedida de anuência prévia do Ibama e informação ao Conama; (iii) é exigido, em todos os casos, estudos de impacto ambiental.

Há inúmeros outros dispositivos inovadores no Decreto 750/93 que mereceriam destaque. O objetivo aqui, no entanto, é o de apenas apontar alguns aspectos deste instrumento legal de grande influência sobre a região de interesse do presente trabalho. É preciso salientar, entretanto, que o Decreto 750/93 surgiu de um processo participativo o que lhe confere um alto potencial para a efetiva conservação da Mata Atlântica, o conjunto de ecossistemas mais ameaçado do país. Seus efeitos, entretanto, dependerão da atuação das entidades ecológicas seja exigindo pressa e qualidade na sua regulamentação, cobrando os compromissos assumidos pelo Ibama e órgãos estaduais, seja contestando a utilidade pública de muitas obras e a confiabilidade dos projetos de explotação de espécies da flora.

Desde sua edição, o Decreto 750 foi regulamentado através de 17 resoluções Conama e inúmeras portarias conjuntas do Ibama com órgãos ambientais estaduais, estabelecendo critérios e parâmetros precisos para sua aplicação em quase todos os estados inseridos na Mata Atlântica.

Diretrizes para a política de conservação e desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica O documento “Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica”, também chamado de Política da Mata Atlântica, aprovado pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente em dezembro de 1998, resultou de um amplo processo de discussão entre todos os setores da sociedade interessados na conservação e uso sustentável do Bioma.

Sua elaboração demandou mais de um ano de debates, com várias reuniões em diversas localidades do País, divulgação de versões preliminares através da internet e discussão final em sessão Plenária do Conama.

Princípios: 1. Utilização da Mata Atlântica em condições que assegurem a preservação do meio 2. Proteção da diversidade biológica com base na conservação e no manejo sustentável;

Capítulo I – A Mata Atlântica 3. Recuperação das áreas degradadas e recomposição das formações florestais; 4. Valorização das iniciativas que promovam o desenvolvimento social em bases 5. Ação governamental integrada de modo a promover a gestão descentralizada e 6. Definição e fortalecimento de instrumentos para a conservação e desenvolvimento sustentável dos recursos naturais Diretrizes: 1. Proteção da diversidade biológica associada aos ecossistemas da Mata Atlântica 2. Desenvolvimento sustentável dos recursos naturais da Mata Atlântica 3. Recuperação de áreas degradadas na Mata Atlântica – RAD 4. Compatibilização das políticas setoriais com vistas à conservação e ao desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica Objetivo Geral: Delinear ações integradas que promovam a conservação e o desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica Objetivos Específicos: 1. Proteger todos os remanescentes e a diversidade biológica através da ampliação do sistema de UCs; integração dos instrumentos de gestão; criação de novas UCs públicas e privadas; reforço das UCs já existentes; promoção da regularização fundiária e de novas 2. Adequar o uso dos recursos naturais ao objetivo de obter a conservação dos remanescentes. O conjunto de instrumentos de implementação deve considerar a necessidade de recuperar o papel da floresta para as populações tradicionais, reformular o conceito de uso da terra, estabelecer o manejo sustentável e proteger a fauna e 3. Recuperar a estrutura fitogeográfica, contribuindo para a proteção da diversidade biológica, conservação dos solos e garantia da integridade dos ecossistemas naturais 4. Compatibilizar as políticas ambientais e as políticas setoriais para assegurar a conservação dos recursos naturais e seu uso em bases ecologicamente sustentáveis

Capítulo I – A Mata Atlântica A degradação O início da destruição da Mata Atlântica data da chegada dos portugueses em 1500. Embora ocupada por grupos indígenas tupis relativamente numerosos, como os Tupinambás, que já praticavam a agricultura, os relatos dos viajantes e estudiosos do século XVI não registram qualquer sinal de destruição da cobertura florestal. Ao contrário, segundo HOLAN DA (1995), as descrições são de uma floresta intocada, de enorme riqueza natural e que levaram muitos dos que aqui chegaram no início da colonização a “acreditarem seriamente estar nas Américas o paraíso terrestre”.

A relação do colonizador com a floresta e seus recursos foi, desde sua origem, predatória. A falta de percepção da importância dos benefícios ambientais proporcionados pela cobertura florestal nativa e a valorização exclusiva da madeira em detrimento de produtos não madeireiros, levou à supressão de enormes áreas para expansão de lavouras e assentamentos urbanos e a adoção de práticas de exploração seletiva e exaustiva de espécies.

Antes mesmo da exploração do ouro e das pedras preciosas, que tanto aguçavam o interesse dos colonizadores, a existência de grandes quantidades de pau-brasil nas costas do “novo mundo”, conforme relatou Américo Vespúcio, integrante da expedição comandada por Gaspar Lemos em 1501, foi a primeira boa notícia para os portugueses, ansiosos por conhecer em detalhes as fantásticas riquezas que poderiam explorar.

Imediatamente colocada sob o monopólio da Coroa, a exploração do “ibitapitanga” ou “arabutan”, como era conhecido em Tupi, foi arrendada a comerciantes a partir de 1502. O primeiro “contrato do pau-brasil” foi realizado com mercadores portugueses e italianos, liderado por Fernando de Noronha. Nestes contratos, o Estado português se comprometia a não mais importar das Índias o pigmento similar, então largamente utilizado na Europa e os arrendatários assumiam a exploração anual de 300 léguas do litoral, o envio de navios às costas brasileiras e a manutenção de uma fortaleza, tudo isso sem prejuízo dos direitos a serem pagos à Coroa.

O monopólio da exploração do pau-brasil só terminou em 1859, quando a Coroa já registrava que o volume contrabandeado era superior ao das vendas oficias e surgiram os corantes produzidos a partir do alcatrão mineral. Foram mais de três séculos de extração predatória sem que sequer o processamento da madeira para extração do corante tivesse sido desenvolvido na colônia, agregando algum valor ao produto ou gerando postos de trabalho.

“Terra Brasilis”, como ficou conhecida a nova colônia de Portugal, teve a origem de seu nome diretamente ligada à exploração do pau -brasil e, portanto, ao início da destruição da Mata Atlântica.

Mas a exploração predatória não se limitou ao pau-brasil. Outras madeiras de alto valor para a construção naval, edificações, móveis e outros usos nobres como tapinhoã, sucupira, canela, canjarana, jacarandá, araribá, pequi, jenipaparana, peroba, urucurana e vinhático, foram intensamente exploradas. Segundo relatórios da época da virada do século XIX, em Iguape, cidade do litoral sul do estado de São Paulo, não havia mais destas árvores num raio de sessenta quilômetros de seu entorno. O mesmo se repetiu em praticamente toda a faixa de florestas costeiras do Brasil. A maioria das matas consideradas “primárias” e hoje colocadas sob a proteção das unidades de conservação, foram desfalcadas já há dois séculos (DEAN, 1996).

Embora a Coroa não tenha investido ou incentivado o conhecimento das potencialidades da Mata Atlântica, algumas espécies não madeireiras também foram exploradas em diferentes épocas, como a salsaparrilha, ceras e bálsamos. Dentre elas, uma das mais importantes foi a ipecacuanha ou poaia (Psychotria ipecacuanha), planta medicinal que chegou a ser exportada na quantia de 25 toneladas por ano no final dos anos de 1860 e foi praticamente extinta no Rio de Janeiro (DEAN, 1996). A retirada de epífitas como bromélias, cactos e orquídeas também teve períodos de grande intensidade, sendo responsável pela destruição grandes áreas de florestas, cujas árvores eram simplesmente derrubadas para facilitar a extração destas plantas.

Capítulo I – A Mata Atlântica Além da exploração de recursos florestais, houve na época um significativo comércio exportador de couros e peles de onça (que chegou ao valor de 6 mil réis, o equivalente ao preço de um boi na época), veado, lontra, cutia, paca, cobras, jacarés, anta, outros e outros animais, de penas e plumas e carapaças de tartarugas (DEAN, 1996).

A este modelo predatório de exploração dos recursos da flora e da fauna somou-se o sistema de concessão de sesmarias, originando uma combinação altamente destrutiva para a Mata Atlântica. Os relatos da época são impressionantes. A terra praticamente não tinha valor. O proprietário recebia gratuitamente uma sesmaria que, após consumida toda a mata e explorada suas potencialidades, passava adiante por um valor irrisório e solicitava outra ao governo, ou simplesmente invadia uma outra terra pública. Firmava-se na época o conceito de que o solo era um recurso descartável, pois não fazia sentido manter uma propriedade e zelar por suas condições naturais e sua fertilidade, já que poderia ser substituída por outra sem custo. Destruir, passar a propriedade adiante e receber outra era um excelente negócio.

Este modelo instituído pela Coroa persistiu por séculos e, de certa forma foi reeditado em período recente quando, para estimular a ocupação da região Amazônica, o governo militar passou a ceder grandes propriedades para empresas que se comprometessem a abrir a fronteira. A consequência foi a “década da destruição”, como são chamados os anos de 1980, quando se destruiu uma média de 20 mil quilômetros quadrados por ano na Amazônia.

A literatura brasileira registra a manifestação de revolta e protesto de diversas personagens diante do processo de destruição ambiental, comprovando que a preocupação com as consequências do modelo predatório não são recentes no Brasil. José Bonifácio de Andrada e Silva, Joaquim Nabuco e Euclides da Cunha são alguns exemplos de personalidades de nossa história que, desde o início do século XVIII já alertava a sociedade para as consequências da destruição irracional que se processava no território brasileiro.

O modelo predatório, entretanto, não foi um privilégio do período colonial. Com a independência, o cenário não de alterou e persistiram as práticas destrutivas. Em 1928 F. C. Hoehne, então assistente chefe da seção de botânica e agronomia do Instituto Biológico de Defesa Agrícola e Animal do Estado de São Paulo, liderou uma expedição que percorreu a região das matas de araucária, nos estados de Paraná e Santa Catarina. Partindo de São Paulo, a equipe de Hoehne percorreu alguns milhares de quilômetros por trem chegando a Joinville, passando pelas regiões de Curitiba, Ponta Grossa, Rio Negro, Mafra, São Francisco do Sul, Porto União, além de outras cidades menores. Em todo o trajeto, foram registrados com detalhes a beleza da paisagem, a diversidade da flora, a presença humana e a destruição promovida pela exploração madeireira irracional e pela expansão de pastagens e agricultura sem nenhum cuidado com o meio ambiente.

Em Três Barras, a caminho de Porto União, Hoehne descreve com intensa revolta a enorme degradação promovida pela empresa South Brazilian Lumber and Colonisation Comp. Ltda., que recebera a concessão para explorar milhares de hectares de florestas ricas em araucárias e embuias. Diz ele: “Que lucro advirá ao nosso paiz, ou ao Estado de Sta. Catharina ou Paraná, das concessões feitas as empresas estrangeiras, para a exploração de nossas florestas mais uteis e mais faceis de explorar?! Ao nosso vêr, nenhum. É possivel que particulares tirem proventos pecuniários temporarios desse negocio. Mas o paiz fica, incontestavelmente, enormemente prejudicado com ellas”.(HOEHNE, 1930).

A exploração madeireira da Mata Atlântica, que teve importância econômica em nível nacional até muito recentemente. Segundo dados do IBGE, em meados de 1970 a Mata Atl ântica ainda contribuía com 47% de toda a produção de madeira em tora no país, com um total de 15 milhões de m3. Produção drasticamente reduzida para menos da metade (7,9 milhões de m3) em 1988, dado o esgotamento dos recursos devido a exploração não sustentável. Atualmente a indústria madeireira dependente de espécies da Mata Atlântica possui importância apenas regional, especificamente nos estados do Paraná e Santa Catarina, onde as indústrias moveleira e de madeiramento para construções continuam a exploração predatória do pinheiro do paraná.

Capítulo I – A Mata Atlântica Atualmente, a Mata Atlântica sobrevive em menos de 100 mil km2(1). Seus principais remanescentes concentram-se nos estados das regiões Sul e Sudeste, recobrindo parte da Serra do Mar e da Serra da Mantiqueira, onde o processo de ocupação foi dificultado pelo Tabela 2- Remanescentes florestais no DMA em 1995 UF Área original DMA(1) Remanescentes florestais km2 km2 % sobre a área do DMA na UF % sobre área total da UF AL 14.529 877 (2) 6,04 3,14 BA 177.924 12.674 (3) 7,12 2,23 CE 4.878 2.743 56,23 1,87 ES 46.184 3.873 8,39 8,39 GO 10.687 65 0,61 0,02 MS 51.536 396 0,77 0,11 MG 281.311 11.251 4,00 1,91 PB 6.743 584 8,66 1,03 PE PI 17.811 22.907 1.524 24 (2) 8,56 0,10 1,54 0,01 PR 193.011 17.305 (4) 8,97 8,67 RJ 43.291 9.289 21,46 21,15 RN 3.298 840 25,46 1,58 RS 132.070 5.065 3,83 1,80 SC 95.265 16.662 17,49 17,46 SE 7.155 1.367 19,11 6,20 SP 197.823 17.916 9,06 7,20 Total 1.306.421 102.455 7,84 2,99 (2) (4) (4) (4) (4) (4) (4)

(4) (2) (4) (4) (2) (4) (1) ISA, 1999 (2) Sociedade Nordestina de Ecologia (3) Fundação SOS Mata Atlântica, INPE (dados de 1990) (4) Fundação SOS Mata Atlântica, INPE, ISA (dados de 1995) DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992)

Segundo os resultados do mais recente estudo realizado pela Fundação SOS Mata Atlântica, em parceria com o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e o Instituto Socioambiental, publicado em 1998, entre os anos de 1990 e 1995 mais de meio milhão de hectares de florestas foram destruídos em nove estados nas regiões sul, sudeste e centro- oeste, que concentram aproximadamente 90% do que resta da Mata Atlântica no País. Um valor equivalente a mais de 714 mil campos de futebol literalmente eliminados do mapa em apenas cinco anos, a uma velocidade de um campo de futebol derrubado a cada quatro minutos. Uma destruição proporcionalmente três maior do que a verificada na Amazônia no mesmo período.

Somando-se estes números aos do estudo anterior, referente ao período 85-90, chega-se à cifra de 11% de Mata Atlântica destruída nos últimos 10 anos nestes estados, provocando uma queda de 8,3 para 7,6 na estimativa de mata primária e secundária em estágio avançado de regeneração, remanescentes em todo o País. Mantida esta situação, em cinquenta anos será eliminado completamente o que sobrou dela fora dos parques e outras categorias de unidades de conservação ambientais.

Os números impressionantes da destruição da Mata Atlântica demonstram a inexistência de políticas de conservação ambiental no País e a absoluta falência do sistema de fiscalização dos órgãos públicos. É bom lembrar que estes desmatamentos não estão ocorrendo em regiões distantes e de difícil acesso, ao contrário, derruba-se enormes áreas de florestas (1) Sociedade Nordestina de Ecologia, Fundação SOS Mata Atlântica, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e Instituto Socioambiental

Capítulo I – A Mata Atlântica impunemente a poucos quilômetros de cidades como São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

Capítulo I – A Mata Atlântica Mapa 2 – Remanescentes florestais no Domínio da Mata Atlântica em 1990

Capítulo I – A Mata Atlântica A importância da sua conservação e recuperação A Mata Atlântica é considerada atualmente como um dos mais ricos conjuntos de ecossistemas em termos de diversidade biológica do Planeta. Distribuída ao longo de mais de 23 graus de latitude sul, esse Bioma é composto de uma série de fitofisionomias bastante diversificadas (tabela 3), o que propiciou uma significativa diversificação ambiental e, como consequência, a evolução de um complexo biótico de natureza vegetal e animal altamente rico. Tabela 3 – Fisionomias vegetais inseridas no Domínio da Mata Atlântica – DMA (1) Fitofisionomias (2) km2 (3) %(4) Formações Florestais 1.041.998 79,76 Ombrófilas 406.446 31,11 Densa 218.790 16,75 Aberta 18.740 1,43 Mista 168.916 12,93 Estacionais 635.552 48,65 Semidecidual 486.500 37,24 Decidual Zonas de Tensão Ecológica 149.052 157.747 11,41 12,07 Encraves 65.468 5,01 Refúgio Ecológico 103 0,01 Formações Pioneiras 41.105 3,15 Total DMA 1.306.421 100,00(1) Conforme CONAMA, 1992 (2) Mapa de vegetação do Brasil. IBGE, 1993 (3) ISA, 1999 (4) Sobre a área total do DMA DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992) Não há dados precisos sobre a diversidade total de plantas da Mata Atlântica. Considerando-se apenas o grupo das angiospermas, acredita -se que o Brasil possua entre 55.000 e 60.000 espécies, ou seja, de 22 a 24% do total que se estima existir no Planeta. Deste total, as projeções são de que a Mata Atlântica possua cerca de 20.000 espécies, ou seja, entre 33 e 36% das existentes no País.

Para se ter uma idéia da grandeza que significam esses números, basta compara-los às estimativas de diversidade de angiospermas de alguns continentes,: 17.000 espécies na América do Norte, 12.500 na Europa e entre 40.000 e 45.000 na África.

Somente no Estado de São Paulo, que possuía cerca de 80% de seu território originalmente ocupado por Mata Atlântica, estima-se existirem 9.000 espécies de fanerógamas, 16% do total existente no País e cerca de 3,6% do que se estima existir em todo o mundo. No caso das pteridófitas, como samambaias e outras plantas menos conhecidas, as estimativas apontam para uma diversidade entre 800 e 950 espécies, 73% do Brasil e 8% do mundo.(JOLY & BICUDO, 1999).

Estudos desenvolvidos por pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo e da UNESP, campus de Rio Claro, SP, publicados pelo Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão (no 7, dezembro de 1997), identificaram a ocorrência de 443 espécies arbóreas em uma área de 1,02 hectares de Floresta Ombrófila Densa, presente na estação Biológica de Santa Luzia, município de Santa Teresa, região serrana do Espírito Santo.

Posteriormente, equipe formada por especialistas do Jardim Botânico de Nova Iorque e da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC), encontrou 454 espécies de

Capítulo I – A Mata Atlântica árvores numa área de um hectare do Parque Estadual da Serra do Conduru, localizado no sul da Bahia.

Ambas descobertas superaram o recorde anterior registrado em 1986 na Amazônia Peruana, que incluía 300 espécies por hectare, e revelam que a Mata Atlântica pode possuir a maior diversidade de árvores do mundo.

Some-se a alta diversidade, o fato de que pelo menos 50% das plantas vasculares conhecidas da Mata Atlântica são endêmicas. O nível de endemismo cresce significativamente quando separamos as espécies da flora em grupos, atingindo 53,5% para espécies arbóreas, 64% para as palmeiras e 74,4% para as bromélias.

Dentro da riquíssima fauna existente na Mata Atlântica, algumas espécies possuem ampla distribuição, podendo ser encontradas em outras regiões, como são os casos da onça pintada, onça parda, gatos-do-mato, anta, cateto, queixada, alguns papagaios, corujas, gaviões e muitos outros. O que mais impressiona, no entanto, é a enorme quantidade de espécies endêmicas, ou seja, que não podem ser encontradas em nenhum outro lugar do planeta. São os casos das 73 espécies de mamíferos, entre elas 21 espécies e subespécies de primatas e das 160 espécies de aves. Entre os anfíbios o número é ainda mais surpreendente, das 183 espécies catalogadas, 91,8% são consideradas endêmicas.

Comparada com a floresta amazônica a Mata Atlântica apresenta, proporcionalmente, maior diversidade biológica. No caso dos mamíferos, por exemplo, estão catalogadas 215 espécies na Mata Atlântica, contra 353 na Amazônia, apesar desta ser quatro vezes maior do que a área original da primeira.

Uma análise comparativa entre a diversidade de espécies de vertebrados no mundo, no Brasil e no Estado de São Paulo que, como já mencionado possuía cerca de 80% de seu território originalmente ocupado pela Mata Atlântica, permite uma visão aproximada da riqueza do Bioma. Na tabela 4, é possível verificar índices muito altos de espécies, ultrapassando, na maioria dos casos, a cifra de 40% do total existente no País.

Apesar desta grande biodiversidade, a situação é extremamente grave, pois das 202 espécies de animais consideradas oficialmente ameaçadas de extinção no Brasil (IBAMA, Portaria no 1.522 de 19/12/89) 171 são da Mata Atlântica. Este número tende a crescer rapidamente. No caso das aves, por exemplo, estudo recente, publicado na prestigiada revista britânica “Nature”, aponta que pelo menos 88 espécies de aves endêmicas da Mata Atlântica estão ameaçadas. Os cientistas acreditam que quatro espécies estejam completamente extintas e pelo menos outras 60 estejam ameaçadas de extinção no curto prazo.

A verdade é que em um país onde a biodiversidade é pouco conhecida como o nosso, há espécies que podem ter sido extintas antes mes mos de serem catalogadas pelos cientistas e outras que, ao serem descobertas entram imediatamente para a trágica lista das ameaçadas de extinção. São os casos, por exemplo, do mico-leão-da-cara-preta (Leontopithecus caissara) e do pássaro bicudinho-do-brejo (Stymphalornis acutirostris) ambos recentemente encontrados por pesquisadores no litoral paranaense, a menos de 200 quilômetros da cidade de São Paulo, a maior metrópole da América do Sul.

Mesmo reduzida e muito fragmentada, a Mata Atlântica possui um a importância enorme, pois exerce influência direta na vida de mais de 80% da população brasileira que vive em seu domínio. Nas cidades, áreas rurais, comunidades caiçaras e indígenas ela regula o fluxo dos mananciais hídricos, assegura a fertilidade do solo, controla o clima e protege escarpas e encostas das serras, além de preservar um patrimônio histórico e cultural imenso.

Na Mata Atlântica nascem diversos rios que abastecem as cidades e metrópoles brasileiras, beneficiando mais de 100 milhões de pessoas. Além de milhares de pequenos cursos d’água que afloram em seus remanescentes, sua região é cortada por rios grandes como o Paraná, o Tietê, o São Francisco, o Doce, o Paraíba do Sul, o Paranapanema e o Ribeira de Iguape, importantíssimos na agricultura, na pecuária e em todo o processo de urbanização do país.

Capítulo I – A Mata Atlântica A Mata Atlântica significa também abrigo para várias populações tradicionais e garantia de abastecimento de água para mais de 120 milhões de pessoas. Parte significativa de seus remanescentes está hoje localizada em encostas de grande declividade. Sua proteção é a maior garantia para a estabilidade física dessas áreas, evitando assim as grandes catástrofes que já ocorreram onde a floresta foi suprimida, com conseqüências econômicas e sociais extrem amente graves. Esta região abriga ainda belíssimas paisagens, verdadeiros paraísos Tabela 4 – Diversidade de Vertebrados mundo espécies Peixes 24.618 Brasil São Paulo espécies 2.657 % 10,79 espécies 773 % 3,14 % 29,09 Anfíbios 4.000 600 15,00 180 4,50 30,00 Repteis 6.000 465 7,75 186 3,10 40,00 Aves 9.700 1.677 17,29 738 7,61 44,01 Mamíferos 4.650 502 10,80 194 4,17 38,65 (1)

(2) (2) (3) (1) JOLY, C.A.; BICUDO, C.E.M.; orgs. Biodiversidade do Estado de São Paulo, Brasil: síntese do conhecimento ao final do século XX, volume 6: vertebrados / (2) Em relação à diversidade de vertebrados no mundo (3) Em relação à diversidade de vertebra dos no Brasil

Capítulo I – A Mata Atlântica Mapa 3 – Fitofisionomias do Domínio da Mata Atlântica

Capítulo I – A Mata Atlântica Referências bibliográficas AB’SABER, A. N. O Ribeira de Iguape: uma setorização endereçada ao planejamento regional. Boletim Técnico da Superintendênci a do Desenvolvimento do Litoral Paulista, São Paulo, nº 1, p. 1-13, jan., 1985. _________________ O Tombamento da Serra do Mar do Estado de São Paulo. Revista do Patrimônio Histórico e AB’SABER, A. N. & BESNARD, W. Sambaquis da Região Lagunar de Cananéia. Boletim do Instituto Paulista de ARAÚJO, D. S. D. de & LACERDA, L. D. de. A natureza das restingas. Ciência Hoje . Rio de Janeiro, v.6, n.32, BEHR, M. F. von. Homem e ambiente em “Guarakessaba”: passado, presente e futuro. Curitiba, Pontifícia BERNARDES, A.T; MACHADO, A.B.M. & RYLANDS, A.B Fauna brasileira ameaçada de extinção . Belo Horizonte, Fundação Biodiversitas para a Conservação da Diversidade Biológica, 1990 BESNARD, W. Considerações gerais em torno da Região Lagunar de Cananéia- Iguape. Boletim do Instituto BORN, G. C. C.; FAVERO, O. A. & ROSSI, L. Ethnopharmacological and ethnobotanic research in the “Cachoeira do Guilherme” and part of the “Rio Comprido” communities at the Juréia – Itatins Ecological Station, Brazil . São Paulo, VITAE CIVILIS/Instituto de Botânica da Secretaria Estadual do Meio Ambiente de São Paulo, BRANCO, S. M. & ROCA, A. A. Poluição, proteção e uso múltiplos de represas. São Paulo, Edgar Blücher/Cetesb, BRITEZ, R. M.; SILVA, S. M. & SOUZA, W. e S. de. Levantamento florístico da Ilha do Mel, PR. Curitiba, BULL, D. & NATHAWAY, D. Pragas e venenos agrotóxicos no Brasil e no Terceiro Mundo. Petrópolis, CÂMARA, I.G. Plano de Ação para a Mata Atlântica. São Paulo, Fundação SOS Mata Atlântica/Editora Interação, CANALI, N. E. coord. Levantamentos físico-geográficos da Área Especial de Interesse Turístico do Marumbi, Serra do Mar, PR. Curitiba, Departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná, 1987. CAPOBIANCO, J. P. Análise da aplicabilidade do Princípio da Precaução no processo de licenciamento ambiental da UHE Tijuco Alto no Rio Ribeira de Iguape. Campinas, Instituto de Economia, Unicamp, 2000 (paper). _______________. Simulação do impacto direto e indireto da construção de barragens no Rio Ribeira de Iguape sobre onze comunidades remanescentes de quilombos da porção paulista do Vale do Ribeira. __________________. A Mata Atlântica e sua Legislação Protetora. Dano Ambiental: prevenção, reparação e ___________________. A Mata Atlântica. Meio Ambiente e Desenvolvimento: Uma visão das ONGs e dos Movimentos Sociais Brasileiros. Rio de Janeiro, Fórum de ONGs Brasileiras Preparatório para a Conferência da Sociedade Civil sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, p. 96-102, 1992. __________________. A Questão das Florestas: Tendências pós Rio 92. Tempo e Presença, São Paulo, CEDI, ___________________. Estação Ecológica de Juréia-Itatins: preservação através da educação ambiental. Brasília, ____________________. Mata Atlântica. São Paulo, Secretaria da Agricultura e Abastecimento, s.d. (Folheto __________________. Unidades de Conservação do Vale do Ribeira. São Paulo, Secretaria da Educação do CAPOBIANCO, J. P. & LIMA, A. R. Mata Atlântica: Avanços Legais e Institucionais para sua Conservação. CARVALHO, A. M. N. de Comunidades isoladas. São Paulo, Secretaria de Serviços e Obras Públicas, Serviço do CARVALHO, C.T. Dicionário dos Mamíferos do Brasil. Fundação Parque Zoológico de São Paulo. São Paulo, COIMBRA, A. & CÂMARA, I. B. Os limites originais da Mata Atlântica na região Nordeste do Brasil. Fundação Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental/Cetesb. Avaliação dos níveis de contaminação por metais pesados e pesticidas organoclorados na água, ictiofauna e outros organismos aquáticos do Complexo __________________. Qualidade das águas interiores do Estado de São Paulo. São Paulo, 1985. Conselho Estadual do Meio Ambiente/Consema. Relatório da Comissão Especial do Consema para a consolidação das propostas de utilização múltipla dos recursos hídricos do Vale do Ribeira. São Paulo, 17p., fev. 1994.

Capítulo I – A Mata Atlântica CORREA, M. F. M. et al. Produtividade pesqueira para a região de Guaraqueçaba, PR. Curitiba, Sociedade de CUNHA, L. H. de O. coord. Comunidades litorâneas e Unidades de Proteção Ambiental: convivência e conflitos; o caso de Guaraqueçaba (Paraná). São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Departamento de Águas e Energia Elétrica/DAEE. Estudos de aproveitamento agrícola na planície aluvional do ____________________. Plano de Desenvolvimento do Vale do Ribeira e Litoral Sul. São Paulo, Brasconsult, Departamento de Avaliação de Impacto Ambiental/DAIA. Parecer técnico referente à analise do estudo de impacto ambiental da UHE de Tijuco Alto no rio Ribeira de Iguape . São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente, 1994. Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica/DNAEE. Bacia do Rio Ribeira de Iguape: caracterização dos usos e das disponibilidades hídricas. Brasília, Ministério das Minas e Energia, jun., 1984. DEPRN Departamento Estadual de Proteção aos Recursos Naturais. Programa Olho Verde Mapas em escala 1:50:000. São Paulo, 1988 DIEGUES, A. C. S. A pesca artesanal no litoral brasileiro: cenário de estratégia e de sobrevivência. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade de ____________________. Comunidades litorâneas e os manguezais no Brazil. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade de São Paulo/NUPAUB- ____________________. Conservação e desenvolvimento sustentado de ecossistemas litorâneos no Brasil. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade _____________________. Diversidade biológica e culturas tradicionais litorâneas: o caso das comunidades caiçaras. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – _____________________. Management of wetlands: the Iguape-Cananéia-Paranaguá Estuary (Brazil): a case study. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – ____________________. Mitos e realidades sobre pescadores artesanais. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade de São Paulo/NUPAUB -USP, 1988. ____________________. Planejamento e gerenciamento costeiro: alguns aspectos metodológicos. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – Universidade de _____________________. Sustainable development and people’s participation wetland ecosystems conservation in Brazil: two comparative studies. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e _____________________. The role of cultural diversity and comunal participation in wetland management in Brazil. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – DIEGUES, A. C. S. coord. A caixeta no Vale do Ribeira (SP): estudo socio-econômico da população vinculada à extração e desdobro da caixeta. São Paulo, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e DRUMMOND, J. A. Devastação e preservação ambiental – Os Parques Nacionais do Estado do Rio de Janeiro. EITEN, G. A vegetação do Estado de São Paulo. Boletim do Instituto de Botânica, no 7, jan/1970. FERRI, M. G. Ecologia e poluição . São Paulo, Melhoramentos, série Prisma, 1976. FRANÇA, S. C. A ocupação das matas primitivas do Vale do Ribeira: desmatamento e desenvolvimento. Jaboticabal, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, UNESP, 52p., il., 1984 (paper). FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA Dossiê Mata Atlântica 1992. São Paulo, 1992. __________________. Análise de Uso e Ocupação do Solo no Lagamar: relatório 1993. São Paulo, 1993. ____________________. Atlas da Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no Período 1985-1990. São Paulo, Fundação SOS Mata Atlântica/Instituto ____________________. Banco de Dados da Mata Atlântica. São Paulo, n.1, 1993. ___________ ________. Diagnóstico Preliminar do Parque Estadual da Ilha do Cardoso. São Paulo, Fundação ___________________. Diagnóstico Preliminar da Área de Proteção Ambiental da Ilha Comprida. São Paulo, __________________. Diagnóstico Preliminar do Parque Estadual do Jacupiranga. São Paulo, Fundação SOS GEVERTZ, R. et al. Em busca do pensamento ecológico. São Paulo, Edgard Blücher, 110p., il., 1983. HOEHNE, F. C. Araucarilândia. São Paulo, Companhia Melhoramentos de São Paulo, 1930. __________________. Observações gerais e contribuições ao estudo da flora e fitofisionomia do Brasil: o litoral do Brasil Meridional . São Paulo, Departamento de Botânica do Estado, 1940. HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. – 26. ed. – São Paulo, Companhia das Letras, 1995.

Capítulo I – A Mata Atlântica HUECK, K. Plantas e formação organogênica das dunas do litoral paulista: parte I. São Paulo, Instituto de Botânica, IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Populacional. Rio de Janeiro, 1981 ____________________. Cadastro de Áreas Especiais. Rio de Janeiro, 1990 ____________________. Mapa de Vegetação do Brasil. Rio de Janeiro, 1989 ____________________. Censo Populacional. Rio de Janeiro, 1991 IHERING, R. Da vida de nossos animais: fauna do Brasil. São Leopoldo, Rotermund, 320p., 1963. INOUE, M.T.; RODERJAN, C.V.; KUNIYOSHI, Y.S. Projeto Madeira do Paraná. Curitiba, 1984 INSTITUTO DE SAÚDE. Projeto de vigilância epidemiológica de intoxicações exógenas no Vale do Ribeira: relato de experiências. São Paulo, Secretaria da Saúde, Coordenadoria de Serviços Técnicos Especializados, INSTITUTO FLORESTAL. Plano de ação emergencial para implantação e manejo de unidades de conservação . INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOACIAL/IPARDES. APA de Guaraqueçaba: caracterização socio-econômica dos pescadores artesanais e pequenos produtores rurais. ___________________. Macrozoneamento da Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba, PR. Curitiba, ______________________. Secretaria de Estado do Planejamento. Coordenação Geral de Zoneamento da Região do Litoral Paranaense Curitiba, IPARDES/Fundação Édison Vieira, 175 p.,1989. __________________. Secretaria de Estado do Planejamento Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba: Concretização socio-econômica dos pescadores artesanais e pequenos produtores rurais. Curitiba, 1989 _____________________. Secretaria de Estado do Planejamento Macrozoneamento da Área de Proteção ITCF Instituto de Terras, Cartografia e Florestas. Secretaria do Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná. Atlas do Estado do Paraná. Curitiba, Universidade Federal do Paraná/Secretaria de Estado da JANZEN, D. H. Ecologia vegetal nos trópicos. São Paulo, EPU/EDUSP, 79p., il., 1980. JOLY, A. B. Conheça a vegetação brasileira. São Paulo, EDUSP/Polígono, 181p., il., 1970. JOLY, C. A. & BICUDO, C.E. M., orgs. Biodiversidade do Estado de São Paulo, Brasil: síntese do conhecimento ao KLEIN, R. Mata fitogeográfico do Estado de Santa Catarina . Itajaí, Santa Catarina, Hebráico. ”Barbosa Rodrigues”, 1978 LACERDA, L. D. de Manguezais, florestas a beira-mar. Ciência Hoje. Rio de Janeiro, SBPC, v.3, n.13, p.63-70, il., LEIS, H. R. “A Modernidade Insustentável: as críticas do ambientalismo à sociedade contemporânea”. Petrópolis, RJ : Vozes ; Santa Catarina : UFSC, 1999 LEME, E. M. C. Bromélias. Ciência Hoje. Rio de Janeiro, SBPC, v.3, n.14, p.66-72, il., 1984. MAGNANINI, A. Aspectos Fitogeográficos do Brasil: Áreas e características no passado e no presente. Revista MARTUSCELLI, P. & RODRIGUES, M. G. Novas populações da espécie Leontopithecus caissara no litoral sul do Estado de São Paulo. Anais do 2º Congresso Nacional sobre Essências Nativas. São Paulo, Instituto Ministério da Educação. Atlas da fauna brasileira . São Paulo, MEC, FENAME e Melhoram entos, 128p., il., 1978. MOURÃO, F. A. A. Os pescadores do litoral sul do estado de São Paulo: um estudo de sociologia diferencial. São OLIVEIRA, K. L. de & PEREIRA, L. C. M. Censo de primatas na Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba, PR. Curitiba, Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental, 1990. PARANÁ, Secretaria de Estado do Planejamento. Zoneamento do Litoral Paranaense. Curitiba, Instituto PETRONE, P. A Baixada do Ribeira. Boletim da Faculdade de Geografia da USP , São Paulo, n.14, 1983. QUEIROZ, M. I. P. Vale do Ribeira: pesquisas sociológicas, as enchentes, o centro pesqueiro. São Paulo, Secretaria de Serviços e Obras Públicas, Serviço do Vale do Ribeira/USP, Convênio USP/DAEE, 1969. RAMON, N. & GUIMARAES, S. Estudo para caracterização da Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba, PR. Curitiba, Superintendência dos Recursos Hídricos e Meio Ambiente do Paraná/SUREHMA, 1988. RODRIGUES, M. G., KATSUYAMA, S. & RODRIGUES, C. A. G. Estratégias para conservação do mico-leão caiçara, Leontopithecus caissara. Análise da situação econômico-social da comunidade do Ariri – Parte I. Anais do 2º Congresso Nacional sobre Essências Nativas. São Paulo, Instituto Florestal, Secretaria do ROMEIRO, A. R. “Desenvolvimento sustentável e mudança institucional: notas preliminares”. – Campinas, SP: UNICAMP. IE, 1999. 25p. (Texto para Discussão. IE/UNICAMP, n.68). 1999. RONGENLLE, M. D. Pesca artesanal, tradição e modernidade: pescas artesanais em Guaraqueçaba. São Paulo, Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental, 1989.

Capítulo I – A Mata Atlântica RUBGE, E. F. & outros. Impacto dos agrotóxicos. São Paulo, Editora Ícome, 1986. SANTOS, E. Pássaros do Brasil. Belo Horizonte, Editora Itatiaia, 1985 SCHERER NETO, P. Aves do Estado do Paraná. Rio de Janeiro, Zoo-Bot. M. Nordelli, 1980. SILVA, L. A., OLIVEIRA, C. & outros. Programa de Educação Ambiental do Vale do Ribeira. São Paulo, Secretaria SILVEIRA, J. D. da Baixadas litorâneas quentes e úmidas. Boletim da Faculdade de Geografia da USP , São SOCIEDADE DE BOTÂNICA DO BRASIL Centuria Plantarum Brasiliensium Exstintionis Minitata. Rio de Janeiro, STRUFFALDI DE VUOVO, Y. Estudos ecológicos básicos em áreas preservadas do bioma de Mata Atlântica no Parque Estadual da Ilha do Cardoso. São Paulo, Instituto de Botânica da Secretaria Estadual do Meio SUDELPA Superintendência do Desenvolvimento do Litoral Paulista. Plano Integrado de Manejo Agro -ambiental ____________________. Plano Básico de Desenvolvimento Auto-Sustentado para a Região Lagunar de Iguape- VICTOR, M. A. e M. A devastação florestal. Sociedade Brasileira de Silvicultura. São Paulo, 1975. 49p. WETTSTEIN, R. R. Plantas do Brasil: aspectos da vegetação do sul do Brasil. São Paulo : Editora Edgard Blücher WINTHER, J.; PENNAFIRME, R. E. & MARICONDI, M. I. Projeto “Terras de Pescador”: laudo de ocupação da comunidade de Tibicanga, Ilha das Peças, Guaraqueçaba, PR. São Paulo, Instituto de Antropologia e Meio Ambiente/IAMA, 1990.

Capítulo I – A Mata Atlântica Relação das unidades de conservação na Mata Atlântica

Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica UF Categoria de Uso Direto Indireto Total AL 7 13 20 BA 39 39 78 CE 6 6 12 ES 12 29 41 MG 14 72 86 MS – 1 1 PB 1 13 14 PE 17 45 62 PI – 1 1 PR 38 43 81 RJ 20 55 75 RN 4 5 9 RS 8 30 38 SC 15 30 45 SE – 4 4 SP 45 87 132 Sub-Total 226 473 699 Interestaduais 6 7 13 Total 232 480 712 Administração Federal Estadual Municipal Privada 5 7 – 8 13 45 4 16 3 5 – 4 8 25 3 5 10 48 1 27 1 – – – 4 5 – 5 9 53 – – 1 – – – 8 70 – 3 14 33 4 24 2 6 – 1 8 24 – 6 16 18 1 10 2 – – 2 14 104 1 13 118 443 14 124 13 – – – 131 443 14 124 Áreas Tombadas – – – – 5 – – – – 1 3 1 – – – 38 48 – 48Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, Banco de Dados de Unidades de Conservação da Mata Atlântica – São Paulo, 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Alagoas (20 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Bacia do Rio Pratagi APA Direto Estadual 18/04/1978 – Bosque e Argilas Belas RPPN Indireto Privada 30/03/1982 – Camurupia RPPN Indireto Privada 19/06/1986 – Catolé e de Fernão Velho APA Direto Estadual 27/05/1992 – Costa dos Corais APA Direto Federal 23/10/1997 413.563 Fazenda Rosa do Sol RPPN Indireto Privada 01/11/1994 16 Fazenda São Luiz RPPN Indireto Privada – Fazenda São Pedro RPPN Indireto Privada 08/02/1995 50 Fazenda Vera Cruz RPPN Indireto Privada 25/06/1992 115 Foz do São Francisco ESEC Indireto Federal 5.322 Imóvel de Propriedade do IBAMA APP Indireto Federal 14/10/1954 – Manguezais da Lagoa do Roteiro RESEC Indireto Estadual 03/06/1987 743 Marituba do Peixe APA Direto Estadual 13/01/1988 10.900 Murici REPAR Direto Privada – Orla MarinhaPraia do Peba ASPE Indireto Federal 11/07/1986 2.778 Piaçabuçu APA Direto Federal 21/06/1983 8.600 Praia do Peba REBIO Indireto Estadual – Saco da Pedra RESEC Indireto Estadual 05/06/1985 150 Santa Rita APA Direto Estadual 19/12/1984 8.800 Vera Cruz RPPN Indireto Privada 08/04/1985 248As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado da Bahia (78 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Araçari RPPN Indireto Privada 02/10/1998 110 Bacia do Rio de Janeiro APA Direto Estadual 07/06/1993 26.341 Bacia Hidrográfica do Joanes I APA Direto Estadual 04/06/1991 5.022 Bacia UHE Ipitanga II e III APA Direto Estadual – Buriti zais ASPE Indireto Federal 11/07/1986 – Cachoeira de Pancada Grande APA Direto Estadual 50 Cachoeira do Pau RESEC Indireto Municipal 27/06/1997 – Canavieiras RESEX Direto Estadual 500 Candengo APA Direto Estadual 7.000 Canudos PES Indireto Estadual – Canyon ASPE Indireto Federal 11/07/1986 7.500 Caraíva/Trancoso APA Direto Estadual 14/06/1993 31.900 Chapada Diamantina PARNA Indireto Federal 17/09/1985 152.000 Cocorobó ARIE Indireto Federal 7.500 Coroa Vermelha APA Direto Estadual 07/06/1993 4.100 Coroa Vermelha RESES Indireto Estadual 28/02/1975 – Costa de Itacaré/Serra Grande APA Direto Estadual 07/06/1993 14.925 Descobrimento PARNA Indireto Federal 20/04/1999 21.129 Dunas de Abrantes PM Indireto Municipal 01/03/1977 – Dunas e Veredas do Baixo-Médio São Francisco APA Direto Estadual 18/07/1997 1.131.440 Fazenda Água Branca RPPN Indireto Privada 11/02/1999 97 Fazenda Arte Verde RPPN Indireto Privada 14/08/1998 10 Fazenda Avai RPPN Indireto Privada 10/05/1990 469 Fazenda Coqueiros RPPN Indireto Privada 09/11/1990 87 Fazenda Itacira RPPN Indireto Privada 26/03/1991 100 Fazenda Kaybi RPPN Indireto Privada 26/10/1994 5 Fazenda Lontra/Saudade RPPN Indireto Privada 25/10/1996 1.377 Fazenda Morrinhos Fazenda Pé de Serra RPPN RPPN Indireto Indireto Privada Privada 03/05/1990 26/05/1992 726 1.259 Fazenda Prainhas RPPN Indireto Privada 150 Fazenda Sossego RPPN Indireto Privada 11/02/1999 5 Garcia D’Ávila RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 700 Gregório Bondar RESEX Direto Estadual 350 Gruta dos Brejões/Vereda do Romão Gramacho APA Direto Estadual 30/10/1985 11.900 Guaibim APA Direto Estadual 11/05/1992 2.000 Iguape RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 90 Ilha dos Frades RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 910 Ilhas de Tinharé e Boipeba APA Direto Estadual 05/06/1992 43.300 Ilhéus RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 – Itaparica PAF Direto Estadual 28/02/1975 – Juliana RESEC Indireto Municipal 29/04/1997 – Lago de Pedra do Cavalo APA Direto Estadual 18/07/1997 30.156 Lagoa e Dunas do Abaeté PM Indireto Municipal 06/08/1980 10.000 Lagoa Encantada APA Direto Estadual 14/06/1993 1.800 Lagoa Itaparica APA Direto Estadual 18/07/1997 78.450 Lagoas de Guarajuba APA Direto Estadual 27/02/1991 – Lagoas de Mabassu PAF Direto Estadual 28/02/1975 –

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado da Bahia (78 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Lagoas e Dunas do Abaeté APA Direto Estadual 22/09/1987 1.800 Lemos Maia Litoral Norte do Estado da Bahia ESEX APA Direto Direto Federal Estadual 17/03/1992 170 – Mangue Seco APA Direto Estadual 06/11/1991 3.395 Maracas REF Direto Estadual – Marimbus/Iraquara APA Direto Estadual 14/06/1993 102.000 Marinho dos Abrolhos PARNA Indireto Federal 06/04/1983 91.235 Metropolitana de Pituaçu PEC Direto Estadual 04/09/1973 – Metropolitano de Ipitanga I PEC Direto Estadual 06/02/1986 667 Monte Pascoal PARNA Indireto Federal 29/11/1961 22.500 Morro Cururupe RESEC Indireto Estadual 28/02/1975 – Morro do Chapéu PES Indireto Estadual 12/10/1973 6.000 Museu Aberto do Descobrimento MUSEU Direto Federal 22/04/1996 – Núcleo Landulfo Alves Pau Brasil REF REPAR Direto Direto Estadual Privada – 1.140 Pau Brasil ESEC Indireto Federal 11/12/1979 – Pau Brasil PARNA Indireto Federal 20/04/1999 11.538 Ponta da Baleia/Abrolhos APA Direto Estadual 14/06/1993 34.600 Porto Seguro REF Direto Estadual 28/02/1975 – Raso da Catarina RESEC Indireto Federal 03/01/1984 99.772 Reserva Estação Veracruz RPPN Indireto Privada 05/11/1998 6.069 Reserva Vale do Rio Doce REPAR Direto Privada – Rio Capivara APA Direto Estadual 14/06/1993 1.800 Rio Capivara PAF Direto Estadual 28/02/1975 5.000 Santo Antônio APA Direto Estadual 31/08/1994 2.300 Sapiranga Serra do Barbado RPPN APA Indireto Direto Privada Estadual 06/02/1984 07/06/1993 600 – Serra do Conduru PES Indireto Estadual 21/02/1997 7.000 Una REBIO Indireto Federal 10/12/1980 11.400 Wenceslau Guimarães ESEC Indireto Estadual 21/02/1997 1.939 Wenceslau Guimarães REF Direto Estadual 30/11/1973 1.200As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Ceará (12 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Aiuaba ESEC Indireto Federal 16/01/1978 11.525 Arajara Park RPPN Indireto Privada 23/02/1999 28 Fazenda Olho D’Água do Uruçu RPPN Indireto Privada 26/03/1991 2.610 Garamiranga PEC Direto Estadual 20/02/1979 – Jericoacoara APA Direto Federal 29/10/1984 6.800 Lagoa da Fazenda PEC Direto Estadual 11/03/1991 – Lagoa de Maraponga PEC Direto Estadual 03/05/1991 – Rio Cocó PEC Direto Estadual 05/09/1989 – Serra de Baturité APA Direto Estadual 10/09/1990 3.269 Sítio Ameixas – Poço Velho RPPN Indireto Privada 28/01/1994 464 Sítio Mercês Sabiaguaba e Nazário RPPN Indireto Privada 25/10/1993 50 Ubajara PARNA Indireto Federal 19/07/1973 563As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Espírito Santo (41 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Augusto Ruschi REBIO Indireto Federal 20/09/1982 4.000 Cachoeira da Fumaça PES Indireto Estadual 21/09/1990 27 Campo Grande RESFLO Direto Estadual – Comboios REBIO Indireto Federal 25/09/1984 833 Córrego do Arroz APP Indireto Estadual 20/09/1982 50 Córrego do Veado REBIO Indireto Federal 20/09/1982 2.392 Córrego Grande REBIO Indireto Federal 12/04/1989 1.504 Duas Bocas REBIO Indireto Estadual 12/02/1965 2.910 Fazenda Bananal do Norte APP Indireto Estadual 30/09/1985 388 Fazenda Boa Esperança RPPN Indireto Privada 19/05/1998 517 Fazenda Cafundó RPPN Indireto Privada 22/04/1999 1.538 Fazenda Goitacazes APP Indireto Estadual 30/09/1985 1.000 Fazenda Santa Cristina RPPN Indireto Privada 26/11/1998 29 Fonte Grande PES Indireto Estadual 31/07/1986 260 Forno Grande PAF Direto Estadual 21/09/1990 – Forno Grande PES Indireto Estadual 31/10/1970 659 Ilha das Flores PES Indireto Estadual 17 Ilha Depla APA Direto Estadual 16/09/1993 – Ilha do Lameirão ESEC Indireto Municipal 27/05/1986 – Itaúnas PES Indireto Estadual 08/11/1991 3.150 Lagoa de Guanandy APA Direto Estadual 12/08/1994 5.242 Lagoa de Jabaeté APP Indireto Estadual 27/06/1988 256 Linhares REPAR Direto Privada 12/04/1991 21.787 Mata das Flores PES Indireto Estadual 08/01/1986 800 Mestre Álvaro APA Direto Estadual 09/08/1976 3.470 Morro da Concha APP Indireto Estadual – Morro da Mantegueira PM Indireto Municipal 14/10/1966 – Mosteiro Zen- Morro da Vargem ESEC Indireto Municipal 30/09/1985 90 Paulo Cesar Vinha PES Indireto Estadual 05/06/1990 1.500 Pedra Azul PES Indireto Estadual 31/10/1970 1.240 Pedra Redonda, Pedra Partida e Chapéu de Bispo RPPN Indireto Privada – Pico do Goiapaba-Açu APA Direto Estadual 27/12/1994 3.740 Praia Mole APA Direto Estadual 29/12/1994 400 Região Leste PBIO Indireto Estadual 22/06/1953 – Riacho Doce RESFLO Direto Estadual – Rio Doce RESFLO Direto Estadual – Rio Preto FLONA Direto Federal 17/01/1990 2.831 Santa Lúcia ESBIO Indireto Federal – São Lourenço ESBIO Indireto Federal – Sooretama Três Ilhas REBIO APA Indireto Direto Federal Estadual 20/09/1982 12/09/1994 24.000 12.960 As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Minas Gerais (86UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Anhumas PES Indireto Estadual 02/02/1983 21 Bacia Hidrográfica Córrego Barreiro APP Indireto Estadual 08/06/1982 1.327 Bacia Hidrográfica Córrego Mutuca APP Indireto Estadual 01/07/1981 – Bacia Hidrográfica do Rio Manso APP Indireto Estadual 15/03/1988 – Bacia Hidrográfica Ribeirão do Veríssimo APP Indireto Estadual 05/05/1982 2.000 Bacia Hidrográfica Ribeirão Serra Azul APP Indireto Estadual 08/09/1980 2.560 Bacia Hidrográfica Ribeirão Urubu APP Indireto Estadual 28/04/1981 – Bacia Hidrográfica Vargem das Flôres APP Indireto Estadual 08/09/1980 – Balgia PES Indireto Estadual 14/07/1944 – Bálsamo APP Indireto Estadual 14/06/1982 – Cachoeira das Andorinhas APA Direto Estadual 16/10/1989 18.700 Camanducaia e Jaguari APA Direto Estadual – Carmo da Mata REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 86 Carste de Lagoa Santa APA Direto Federal 25/01/1990 35.600 Cataguases PES Indireto Estadual 14/11/1923 – Cavernas do Peruaçu Caxambu APA PES Direto Indireto Federal Estadual 26/09/1989 150.000 – Clube de Caça e Pesca Itororó RPPN Indireto Privada 07/08/1992 127 Córrego do Taboão APP Indireto Estadual 14/06/1982 – Estação Serra Azul RPPN Indireto Privada 13/09/1999 22 Fazenda Alto da Boa Vista RPPN Indireto Privada 17/08/1995 96 Fazenda Alto da Boa Vista RPPN Indireto Privada 11/02/1999 55 Fazenda Barra do Pirapetinga RPPN Indireto Privada 13/09/1999 22 Fazenda Caetano RPPN Indireto Privada 30/12/1992 1.421 Fazenda Caetano- Lugar Santo Agostinho RPPN Indireto Privada 30/12/1992 1.184 Fazenda Catingueiro I RPPN Indireto Privada 29/09/1993 50 Fazenda Catingueiro II RPPN Indireto Privada 29/09/1993 39 Fazenda Cruzeiro RPPN Indireto Privada 01/02/1999 180 Fazenda João Pereira- Poço Fundo RPPN Indireto Privada 02/06/1995 337 Fazenda Lageado RPPN Indireto Privada 14/03/1990 12.550 Fazenda Lapinha REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 369 Fazenda Macedônia RPPN Indireto Privada 14/10/1994 560 Fazenda Pedra Bonita RPPN Indireto Privada 27/04/1992 33 Fazenda Samoinho RPPN Indireto Privada 22/08/1995 13 Fazenda Vereda Grande RPPN Indireto Privada 03/05/1990 2.995 Gruta da Igrejinha APP Indireto Estadual 09/12/1986 – Guilman Amorim RPPN Indireto Privada 22/05/1998 254 Ibitipoca PES Indireto Estadual 04/07/1973 – Itabiruçu REPAR Direto Privada 29/07/1975 – Itacolomi PES Indireto Estadual 14/06/1967 – Jaiba PES Indireto Estadual 04/07/1973 – Jaíba FLONA Direto Federal 26/05/1959 200.000 Lajinha REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 368 Mar de Espanha ESEC Indireto Estadual 23/09/1974 187 Mata de Acauã REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 5.195 Mata do Jambreiro REBIO Indireto Estadual 10/07/1977 – Mata dos Ausentes REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 745

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Minas Gerais (86 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Morro da Pedreira APA Direto Federal 26/01/1990 66.200 Nova Baden Panga PES RESEC Indireto Indireto Estadual Federal 23/09/1974 214 404 Papagaio ESEC Indireto Estadual 30/04/1992 – Paraopeba ESFLO Direto Federal 10/08/1950 200 Passa Quatro FLONA Direto Federal 20/02/1968 348 Peti RPPN Indireto Privada 22/09/1983 – Pico do Ibituruna ASPE Indireto Estadual 14/01/1985 – Pinheiro Grosso REBIO Indireto Municipal 30/11/1987 467 Pirapitinga ESEC Indireto Federal 20/07/1987 1.090 Presidente Wenceslau Brás PES Indireto Estadual – Propriedade no Município de Mariana APA Direto Estadual 11/05/1984 – Região Gruta Rei do Mato APA Direto Estadual 27/09/1989 – Reserva Mata Monlevade Rio Doce RPPN PES Indireto Indireto Privada Estadual 19/04/1993 14/07/1944 519 – Ritápolis FLONA Direto Federal 29/03/1984 89 Santa Rita REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 – Santuário Caraça RPPN Indireto Privada 30/03/1994 10.188 São Mateus REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 – São Sebastião Paraiso REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 248 São Sebastião Paraiso II REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 – São Sebastião Paraiso III REBIO Indireto Estadual 23/09/1974 – Serra de São José APA Direto Estadual 16/02/1990 – Serra de São José (APP) APP Indireto Estadual 19/05/1981 100 Serra do Brigadeiro PES Indireto Estadual 20/07/1988 13.210 Serra do Cipó Sítio Cerro das Acácias PARNA RPPN Indireto Indireto Federal Privada 25/09/1984 13/09/1999 33.800 – Sítio Grimpas RPPN Indireto Privada 27/12/1995 2 Sítio Raio Solar RPPN Indireto Privada 13/09/1999 29 Sítio São Domingos/Agartha RPPN Indireto Privada 23/05/1994 2 Sítio São Francisco RPPN Indireto Privada 13/11/1998 8 Sub-Bacia do Córrego dos Fechos APP Indireto Estadual 03/09/1982 476 Sul RMBH APA Direto Estadual 08/06/1994 – Sumidoro PES Indireto Estadual 04/06/1980 – Todos os Santos ASPE Indireto Estadual 06/06/1989 – Tripui ESEC Indireto Estadual 05/06/1981 392 Unidade de Conservação de Galheiros RPPN Indireto Privada 06/09/1995 2.695 Vau-Açu Veredas do Peruaçu RESEC PES Indireto Indireto Estadual Estadual 02/10/1994 96 30.702 As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Mato Grosso do Sul (1 UC) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Serra da Bodoquena PARNA Indireto Federal 22/07/2000 76.481As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado da Paraíba (14 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Barra do Rio Mamanguape APA Direto Federal 10/09/1993 14.640 Buraquinho REBIO Indireto Estadual 24/02/1955 – Engenho Garjau RPPN Indireto Privada 14/06/1994 1.059 Fazenda Almas RPPN Indireto Privada 01/08/1990 3.505 Fazenda Pacatuba RPPN Indireto Privada 28/12/1995 267 Fazenda Pedra d’Água RPPN Indireto Privada 15/07/1999 170 Fazenda Santa Clara RPPN Indireto Privada 01/08/1990 750 Guaribas REBIO Indireto Federal 25/01/1990 4.321 Manguezais da Foz do Rio Mamanguape ARIE Indireto Federal 05/11/1985 5.721 Mata do Buraquinho APP Indireto Federal 26/09/1989 471 Mata do Pau Ferro RESEC Indireto Estadual 19/10/1992 600 Mata do Rio Vermelho RESEC Indireto Estadual 31/01/1984 1.500 Pico do Jabre PES Indireto Estadual 19/10/1992 500 Ponta do Cabo Branco PES Indireto Estadual 13/05/1982 379As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Pernambuco (62 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Amparo RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 172 Área Estuarina do Canal de Santa Cruz APA Direto Estadual 11/12/1986 1.255 Área Estuarina do Rio Beberibe APA Direto Estadual 11/12/1986 Área Estuarina do Rio Capibaribe Área Estuarina do Rio Carro Quebrado APA APA Direto Direto Estadual Estadual 11/12/1986 11/12/1986 – 402 Área Estuarina do Rio Formoso APA Direto Estadual 11/12/1986 2.724 Área Estuarina do Rio Itapessoca APA Direto Estadual 11/12/1986 3.998 Área Estuarina do Rio Jaguaribe APA Direto Estadual 11/12/1986 212 Área Estuarina do Rio Paratibe APA Direto Estadual 11/12/1986 – Área Estuarina do Rio Timbó APA Direto Estadual 11/12/1986 1.397 Área Estuarina do Rio Una APA Direto Estadual 11/12/1986 553 Área Estuarina dos Rios Goiana e Megaó APA Direto Estadual 11/12/1986 4.776 Área Estuarina dos Rios Jaboatão e Pirapama APA Direto Estadual 11/12/1986 1.285 Área Estuarina dos Rios Sirinhaem e Maracaipe APA Direto Estadual 11/12/1986 3.335 Costa dos Corais APA Direto Federal 23/10/1997 413.563 Fernando de Noronha/ Rocas/ São Pedro e São Paulo APA Direto Federal 05/06/1986 2.700 Marinho de Fernando de Noronha PARNA Indireto Federal 07/04/1989 11.270 Mata Bom Jardim RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 245 Mata Camucim RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 40 Mata Caraúna RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 169 Mata Contra-Açude RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 115 Mata da Serra Cumaru Mata da Serra do Cotovelo RESEC RESEC Indireto Indireto Estadual Estadual 13/01/1987 13/01/1987 357 978 Mata da Usina São José RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 299 Mata de Caetés RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 150 Mata de Camaçari RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 223 Mata de Dois Irmãos RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 389 Mata de Jaguarana RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 332 Mata de Jangadinha RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 85 Mata de Manassú RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 264 Mata de Miritiba RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 273 Mata de Mussaíba RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 272 Mata de Quizanga RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 229 Mata de Santa Cruz Mata de São Bento RESEC RESEC Indireto Indireto Estadual Estadual 13/01/1987 13/01/1987 – 110 Mata do Amparo RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 172 Mata do Curado RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 103 Mata do Engenho Macaxeira RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 61 Mata do Engenho Moreninho RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 66 Mata do Engenho Salgadinho RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 257 Mata do Engenho São João RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 34 Mata do Engenho Tapacurá RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 316 Mata do Engenho Uchôa RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 20 Mata do Jaguaribe RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 107 Mata do Janga RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 132

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Pernambuco (62 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Mata do Passarinho RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 13 Mata do Sistema Gurjaú Mata do Toró RESEC RESEC Indireto Indireto Federal Estadual 13/01/1987 13/01/1987 1.077 81 Mata do Zumbi RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 292 Mata Dois Unidos RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 38 Mata Duas Lagoas RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 140 Mata Jardim Botânico RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 11 Mata Lanço dos Cações RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 50 Mata Outeiro do Pedro RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 51 Mata São João da Várzea RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 65 Mata Tapacurá RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 101 Mata Uruçu RESEC Indireto Estadual 13/01/1987 515 Nacional dos Guararapes PAHI Direto Federal 11/09/1997 – Professor Vasconcelos Sobrinho Saltinho PEC REBIO Direto Indireto Federal Federal 07/06/1983 21/09/1983 – 548 Serra Negra REBIO Indireto Federal 20/09/1982 1.100 Tapacurá ESEC Indireto Federal 776As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dadose arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Piauí (1 UC) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Serra das Confusões PARNA Indireto Federal 02/10/1999 502.411As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Paraná (81 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Amaporã PAF Direto Estadual 30/04/1962 – Amaporã REF Direto Estadual 25/01/1956 204 Boguaçu Buriti PES ARIE Indireto Indireto Estadual Estadual 27/11/1990 – 84 Cabeça de Cachorro REF Direto Estadual 30/06/1982 – Cabeça do Cachorro ARIE Indireto Estadual 27/11/1990 61 Caiuá ESEC Indireto Estadual 21/11/1994 1.427 Campinhos PES Indireto Estadual 23/02/1979 208 Caxambu PES Indireto Estadual 23/02/1979 1.040 Cerrado PES Indireto Estadual 27/03/1992 420 Córrego da Biquinha FES Direto Estadual 21/11/1994 23.272 Córrego da Biquinha REF Direto Estadual 04/08/1989 25 Córrego Maria Flora PAF Direto Estadual 08/10/1982 49 Córrego Mario REF Direto Estadual 07/10/1982 – Diamante do Norte Escarpa Devoniana PES APA Indireto Direto Estadual Estadual 27/03/1992 – 392.363 Faixa Port. Amb. de Itaipu APA Direto Federal 01/03/1979 – Fazenda Alegrete RPPN Indireto Privada 07/06/1994 153 Fazenda Barra Mansa RPPN Indireto Pri vada 28/10/1991 900 Figueira REF Direto Estadual 23/02/1979 5 Geraldo Russo HORTO Indireto Estadual 16/11/1965 – Graciosa PES Indireto Estadual 24/09/1990 1.189 Guaraguaçu ESEC Indireto Estadual 27/03/1992 1.150 Guaraguaçu REBIO Indireto Estadual 04/08/1989 – Guaraqueçaba ESEC Indireto Federal 31/05/1982 13.654 Guaraqueçaba APA Direto Estadual 27/03/1992 191.595 Guaraqueçaba Guaratuba APA APA Direto Direto Federal Estadual 31/01/1985 27/03/1992 291.500 199.597 Guaterlá PES Indireto Estadual 23/03/1992 4.389 Ibicatu PAF Direto Estadual 15/02/1982 57 Ibiporã PAF Direto Estadual 30/04/1980 74 Iguaçu PARNA Indireto Federal 14/06/1944 170.086 Ilha do Mel ESEC Indireto Estadual 21/09/1982 2.241 Ilha Grande ESEC Indireto Estadual 26/12/1994 28.367 Ilhas Pinheiro e Pinheirinho ARIE Indireto Federal 05/11/1985 109 Imbaú HORTO Indireto Estadual 16/11/1965 75 Imbau (parte II) FES Direto Estadual – Independência PAF Direto Estadual 04/08/1989 84 Irati Jacarezinho FLONA HORTO Direto Indireto Federal Estadual 25/10/1968 23/02/1979 3.495 96 João Paulo II PES Indireto Estadual – Lauráceas PES Indireto Estadual 04/06/1979 27.524 Mandaguari HORTO Indireto Estadual 23/02/1979 21 Marumbi AESIT Indireto Estadual 22/10/1984 66.733 Marumbi I PES Indireto Estadual 30/11/1981 66.733 Mata dos Godoy PES Indireto Estadual 05/06/1989 676 Mata São Francisco PES Indireto Estadual 05/12/1994 833 Metropolitana FES Direto Estadual 13/12/1988 455

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Paraná (81 UCS – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Mina Velha e Arco da Gruta PES Indireto Estadual 27/03/1982 – Monge Palmas PES PES Indireto Indireto Estadual Estadual 23/02/1979 04/08/1989 362 180 Palmito FES Direto Estadual – Passa Dois FES Direto Estadual 23/02/1990 276 Passaúna APA Direto Estadual 05/06/1991 16.020 Pau-Oco PES Indireto Estadual 21/11/1994 906 Pico do Marumbi PES Indireto Estadual 24/09/1990 1.975 Pinhão REF Direto Estadual 18/01/1983 197 Piraquara APA Direto Estadual 8.881 Rio da Onça PAF Direto Estadual 04/06/1981 119 Rio Iraí APA Direto Estadual 11.536 Rio Pequeno APA Direto Estadual 6.200 Rio Piraquara Roberto Ribas Lange APA PES Direto Indireto Estadual Estadual 21/11/1994 – 2.699 Saltinho REF Direto Estadual 07/12/1983 – Saltinho I REF Direto Estadual 10/02/1988 – Salto Morato RPPN Indireto Privada 07/12/1994 861 Santana REF Direto Estadual 04/08/1989 – Santana FES Direto Estadual 21/11/1994 61 Santa na (HORTO) HORTO Indireto Estadual 60 São Camilo REBIO Indireto Estadual 22/02/1990 385 São Domingos ARIE Indireto Estadual 27/11/1990 164 Seção Figueira REF Direto Estadual 10/02/1988 – Serra da Esperança APA Direto Federal 27/01/1992 206.556 Serra do Tigre Superagüi ARIE PARNA Indireto Indireto Estadual Federal 27/11/1990 25/04/1989 33 21.400 Tibagi PAF Direto Estadual – Turena REF Direto Estadual 30/04/1962 – Vila Rica A. E. Andrade REF Direto Estadual 17/06/1955 – Vila Rica do Espírito Santo PES Indireto Estadual 17/06/1955 – Vila Rica do Espírito Santo REF Direto Estadual – Vila Velha PES Indireto Estadual 12/10/1953 – As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro (75 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Alcobaça APP Indireto Federal 05/05/1989 200 Araras REBIO Indireto Estadual 22/06/1977 2.068 Araras RESEC Indireto Estadual 20/11/1950 – Arariboia ESEC Indireto Estadual – Arqueológica Guaratiba REBIO Indireto Estadual 31/03/1982 2.800 Bairro de Grumari APA Direto Municipal 30/12/1986 – Barra da Tijuca APA Direto Municipal 68 Cairuçu APA Direto Federal 27/12/1983 33.800 Costabella Empreendimentos Imobiliários Ltda. RPPN Indireto Privada 4 Desengano APA Direto Estadual 28/12/1983 22.400 Desengano PES Indireto Estadual 13/04/1970 22.400 El Nagual RPPN Indireto Privada 15/10/1999 17 Fazenda Arco-Iris RPPN Indireto Privada 29/09/1994 46 Fazenda Bom Retiro RPPN Indireto Privada 15/04/1993 472 Fazenda Cachoeirinha RPPN Indireto Privada 23/02/1999 650 Fazenda Córrego da Luz Fazenda Goiabal RPPN RPPN Indireto Indireto Privada Privada 19/02/1993 20 1.305 Fazenda Limeira RPPN Indireto Privada 19 Fazenda Roça Grande RPPN Indireto Privada 04/03/1991 64 Fazenda Suspiro RPPN Indireto Privada 01/02/1999 18 Floresta da Cicuta ARIE Indireto Federal 09/01/1985 131 Floresta do Jacarandá APA Direto Estadual 23/07/1985 2.700 Frades APA Direto Estadual 27/11/1990 7.500 Gericinó/Mendanha APA Direto Estadual 12/07/1988 10.500 Gleba o Saquinho de Itapirapuã RPPN Indireto Privada 09/10/1996 398 Goethea REBIO Indireto Municipal – Grajaú RESFLO Direto Estadual 22/06/1978 55 Granja Redenção Guapi-Mirim RPPN APA Indireto Direto Privada Federal 05/09/1996 25/09/1984 – 14.340 Ilha Grande APP Indireto Estadual 25/08/1978 – Ilha Grande PES Indireto Estadual 28/06/1971 15.000 Ilha Grande REBIO Indireto Estadual 06/03/1987 – Ilha Grande (APP) RESEC Indireto Estadual – Jacarandá REBIO Indireto Estadual 2.700 Jacarepiá RESEC Indireto Estadual 15/12/1986 1.267 Jornalista Antenor Novaes RPPN Indireto Privada 11/03/1999 125 Juatinga RESEC Indireto Estadual 30/01/1992 1.680 Macaé de Cima REBIO Indireto Municipal 03/01/1990 7.000 Mangaratiba APA Direto Estadual 12/03/1987 22.936 Maria Francisca Guimarães Maricá RPPN APA Indireto Direto Privada Estadual 07/12/1998 23/04/1984 1 1.000 Marinha do Arraial do Cabo RESEX Direto Federal 03/01/1997 – Marinho do Aventureiro PES Indireto Estadual 1.312 Mário Xavier FLONA Direto Federal 08/10/1986 493 Massambaba APA Direto Estadual 15/12/1986 7.630 Massambaba RESEC Indireto Estadual 15/12/1986 1.680 Município de Teresópolis APA Direto Estadual 30/11/1987 – Nascentes dos rios São João e Macaé PES Indireto Estadual –

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro (75 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Paraíso ESEC Indireto Estadual 12/03/1987 4.920 Pedra Branca Pedra dos Amarilis PES RPPN Indireto Indireto Estadual Privada 28/06/1974 02/02/1993 12.500 40 Piraí ESEC Indireto Federal 08/03/1983 4.000 Poço das Antas REBIO Indireto Federal 03/11/1975 5.000 Praia do Sul REBIO Indireto Estadual 02/12/1981 3.600 Querência RPPN Indireto Privada 01/02/1999 6 Região Serrana de Petrópolis APA Direto Estadual 13/09/1982 59.049 Reserva Ceflusme (Centro Eclético Fluente Luz Un.) RPPN Indireto Privada 05/06/1992 3 Reserva Ecológica Rio das Pedras RPPN Indireto Privada 13/03/1996 – Restinga de Jurubatiba PARNA Indireto Federal 29/04/1998 14.860 Santuário da Vida Silvestre da Forquilha RPPN Indireto Privada 82 Serra Cachoeiras do Macacu APA Direto Estadual 16/10/1987 – Serra da Tiririca PES Indireto Estadual 29/11/1991 – Serra de Madureira APA Direto Estadual 25/01/1975 – Serra de Sapiatiba APA Direto Estadual 20/07/1990 6.000 Serra dos Órgãos Sítio Angaba e Sítio Poranga PARNA RPPN Indireto Indireto Federal Privada 30/11/1939 07/04/1992 11.800 63 Sítio Fim da Picada RPPN Indireto Privada 24/02/1997 21 Sítio Granja São Jorge RPPN Indireto Privada 15/10/1999 3 Sítio Santa Fé RPPN Indireto Privada 29/11/1996 14 Sítio Santa Isabel RPPN Indireto Privada 23/01/1996 525 Tamoios ESEC Indireto Federal 23/01/1990 8.450 Tamoios APA Direto Estadual 05/12/1986 26.200 Tijuca PARNA Indireto Federal 23/02/1972 3.200 Tinguá REBIO Indireto Federal 23/05/1989 26.000 União REBIO Indireto Federal 22/04/1998 3.126As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemosa comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Norte (9 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Atol das Rocas REBIO Indireto Federal 05/06/1986 36.249 Bonfim/Guaraíra APA Direto Estadual 22/03/1999 – Cabuti PEC Direto Estadual 30/08/1989 – Dunas de Natal PES Indireto Estadual 22/11/1977 1.173 Fazenda Salobro RPPN Indireto Privada 20/05/1994 756 Florêncio Luciano PES Indireto Estadual 10/08/1988 – Genipabu APA Direto Estadual 17/05/1995 – Piquiri-Una APA Direto Estadual 06/06/1990 – Seridó ESEC Indireto Federal 31/05/1982 1.166As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Sul (38 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Aracuri-Esmeralda ESEC Indireto Federal 07/03/1977 272 Bento Gonçalves da Silva PES Indireto Estadual 12/03/1975 350 Bosque de Canela RPPN Indireto Privada 21/08/1998 – Camaquã PES Indireto Estadual 12/03/1975 7.993 Canela FLONA Direto Federal 25/10/1968 517 Caracol PES Indireto Estadual 01/08/1973 100 Delta do Jacui PES Indireto Estadual 16/01/1979 17.245 Espigão Alto PES Indireto Estadual 10/03/1949 1.319 Espinilho PES Indireto Estadual 12/03/1975 300 Estância Santa Rita RPPN Indireto Privada 21/12/1998 340 Fazenda Espora de Ouro RPPN Indireto Privada 08/02/1999 29 Fazenda Rodeio Bonito RPPN Indireto Privada 07/02/1992 2.761 Guarita PEC Direto Estadual 11/08/1965 350 Horto FZB/RS REBIO Indireto Estadual – Ibicui Mirim REBIO Indireto Estadual 12/11/1982 – Ibirapuitã APA Direto Federal 20/05/1992 318.000 Ibitiria PES Indireto Estadual 12/03/1975 415 Ilha dos Lobos RESEC Indireto Federal 04/07/1983 2 Irai PAF Direto Estadual 20/06/1979 362 Itapuã PES Indireto Estadual 1.535 Lagoa do Peixe PARNA Indireto Federal 06/11/1986 34.400 Mal. Manuel Luiz Osório PAHI Direto Estadual – Mato Dentro REBIO Indireto Estadual 12/03/1975 – Mato Grande REBIO Indireto Estadual 12/03/1975 – Nonoai PES Indireto Estadual 10/03/1949 17.498 Passo Fundo FLONA Direto Federal 25/10/1968 1.321 Podocarpus PES Indireto Estadual 12/03/1975 364 Reserva Particular Schuster RPPN Indireto Privada 04/02/1992 4 Rondinha PAF Direto Estadual 22/04/1982 1.000 São Donato REBIO Indireto Estadual 12/03/1975 – São Francisco de Paula FLONA Direto Federal 25/10/1968 1.607 Scharlau REBIO Indireto Estadual 12/03/1975 50 Serra Geral REBIO Indireto Estadual 27/07/1982 1.700 Sítio Porto da Capela RPPN Indireto Privada 10/01/1996 14 Taim ESEC Indireto Federal 33.995 Tainhas PES Indireto Estadual 12/03/1975 4.924 Torres PES Indireto Estadual – Turvo PES Indireto Estadual 11/03/1947 17.491As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de Santa Catarina (45 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Aguai REBIO Indireto Estadual 01/07/1983 767 Anhatomirim APA Direto Federal 20/05/1992 3.000 Babitonga ESEC Indireto Federal – Barra do Rio do Meio RPPN Indireto Privada 23/02/1999 10 Buttner PAF Direto Estadual 467 Caçador FLONA Direto Federal 25/10/1968 850 Caçador ESEX Direto Estadual – Canasvieiras HORTO Indireto Estadual 170 Canela Preta REBIO Indireto Estadual 20/06/1980 1.844 Carijós ESEC Indireto Federal 20/07/1987 712 Chapecó FLONA Direto Federal 25/10/1968 1.686 Escola Agrícola de Araquari RESEC Indireto Federal 270 Fazenda Bom Retiro APP Indireto Estadual 05/06/1980 453 Hernesto G. Hoffmann RPPN Indireto Privada – Ibirama (FLONA) FLONA Direto Federal 11/03/1988 570 Ilhas e Mangues HORTO Indireto Federal – Irineópolis REBIO Indireto Estadual 133 Joaçaba REF Direto Federal 302 Laguna HORTO Indireto Federal – Lanchares RPPN Indireto Privada – Marinha do Arvoredo REBIO Indireto Federal 12/05/1990 17.600 Marinha do Pirajubaé RESEX Direto Federal 20/05/1992 1.444 Morro do Bau PES Indireto Estadual 20/06/1980 600 Morro Spitzkopk RPPN Indireto Privada – Palmital RPPN Indireto Privada 05/06/1992 590 Parque Botânico do Morro do Bau PANA Direto Estadual – Parque Ecológico Artex RPPN Indireto Privada 30/12/1992 5.296 Parque Florestal Companhia Hering PANA Direto Estadual – Pinheiral de São José do Cerrito RESEC Indireto Estadual 278 Refúgio PAF Direto Estadual 220 Reserva Bugerkopf RPPN Indireto Privada 30/12/1992 82 Reserva da R.F.F. REF Direto Federal 1.000 Reserva do Caraguatá I e II RPPN Indireto Privada 03/05/1990 2.435 Reserva Volta Velha RPPN Indireto Privada 05/06/1992 – Rio do Castro PAROD Direto Estadual – Rio Turvo RPPN Indireto Privada – Rio Vermelho PES Indireto Estadual 21/09/1962 1.100 São Joaquim PARNA Indireto Federal 06/07/1961 49.300 Sassafrás REBIO Indireto Estadual 04/02/1977 3.488 Serra da Abelha ARIE Indireto Federal 28/05/1996 4.604 Serra do Tabuleiro PES Indireto Estadual 01/11/1975 90.000 Serra Dona Francisca APA Direto Municipal 15/03/1997 – Serra Furada PES Indireto Estadual 20/06/1980 1.329 Três Barras FLONA Direto Federal 25/10/1968 4.458 Usina Hidroelétrica de Bracinho e Pirai ESEC Indireto Estadual 16/07/1984 4.606As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado do Sergipe (4 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Fazenda Castro RPPN Indireto Privada 14/08/1989 700 Fonte da Bica Itabaiana RPPN ESEC Indireto Indireto Privada Federal 13/09/1999 20/07/1987 13 289 Santa Isabel REBIO Indireto Federal 02/04/1986 2.766As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de São Paulo (132 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Águas da Prata REF Direto Estadual 04/08/1952 48 Alberto Lofgren PES Indireto Estadual 26/10/1970 – Alta Sorocabana REF Direto Estadual 08/05/1957 – Andradina REBIO Indireto Estadual 17/12/1969 – Angatuba ESEC Indireto Estadual 13/08/1985 1.394 Ara PES Indireto Estadual 04/06/1969 – Áreas entre Ruas Coroa e 12 de Setembro APA Direto Estadual 28/11/1988 – Assis ESEC Indireto Estadual 21/09/1992 1.312 Avaré I FES Direto Estadual 01/08/1945 95 Avaré II FES Direto Estadual 28/11/1958 484 Bairro da Usina APA Direto Estadual 04/09/1986 – Bananal ESEC Indireto Estadual 03/04/1964 884 Bauru ESEC Indireto Estadual 06/05/1961 288 Botucatu FES Direto Estadual 04/05/1966 34 Buriti de Vassununga ARIE Indireto Federal 06/06/1990 149 Cabreúva Caetetus APA ESEC Direto Indireto Estadual Estadual 22/05/1984 09/08/1976 26.100 2.178 Cajamar APA Direto Estadual 04/06/1984 13.400 Cajuru FES Direto Estadual 06/11/1962 1.910 Campina do Encantado PES Indireto Estadual 16/08/1994 2.359 Campos do Jordão APA Direto Estadual 03/06/1983 26.900 Campos do Jordão PES Indireto Estadual 27/05/1941 8.172 Cananéia – Iguape – Peruíbe APA Direto Federal 23/10/1984 202.832 Cantareira RESES Indireto Estadual – Capão Bonito FLONA Direto Federal 25/10/1968 4.347 Carlos Botelho PES Indireto Estadual 29/10/1941 37.644 CEBIMAR ASPE Indireto Estadual 02/10/1987 – Centro Latino Americano de Aquicultura ESEX Direto Federal – Cerrado Pé de Gigante ARIE Indireto Federal 06/06/1990 1.060 Chácara da Baronesa ASPE Indireto Estadual 05/03/1987 34 Chauás ESEC Indireto Estadual 26/09/1978 2.700 Corumbatai RESEC Indireto Estadual – Corumbatai, Botucatu e Tejupá APA Direto Estadual 08/06/1983 642.600 Costão da Boissucanga ASPE Indireto Estadual 11/02/1987 – Costão do Navio ASPE Indireto Estadual 10/02/1987 – Estação Experimental de Pindorama REBIO Indireto Estadual 06/01/1986 – Fazenda Experimental de Sertãozinho REBIO Indireto Estadual 17/04/1985 – Fazenda San Michele RPPN Indireto Privada 13/07/1998 85 Fazenda Santa Genebra REF Direto Estadual – Fazenda São Carlos RPPN Indireto Privada 17 Fazenda Voturuna II RPPN Indireto Privada 14/11/1994 124 Fazenda Voturuna V RPPN Indireto Privada 21/10/1994 64 Fontes do Ipiranga PES Indireto Estadual 12/08/1969 549 Furnas do Bom Jesus PES Indireto Estadual 12/10/1989 1.404 Granja Icarai RPPN Indireto Privada 24/05/1990 – Guarapiranga PEC Direto Estadual 20/09/1989 330 Haras São Bernardo APA Direto Estadual 10/07/1987 34

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de São Paulo (132 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Ibicatu ESEC Indireto Estadual 29/07/1958 76 Ibitinga Ilha Anchieta APA PES Direto Indireto Estadual Estadual 20/01/1987 29/03/1977 69.600 1.000 Ilha Comprida APA Direto Estadual 11/03/1987 20.000 Ilha Comprida (ARIE) ARIE Indireto Estadual 11/03/1987 – Ilha do Ameixal ARIE Indireto Federal 05/11/1985 400 Ilha do Cardoso PES Indireto Estadual 07/07/1962 22.500 Ilha Queimada Pequena e Ilha Queimada Grande ARIE Indireto Federal 05/11/1985 33 Ilhabela PES Indireto Estadual 27/11/1958 27.025 Intervales PES Indireto Estadual 08/06/1995 46.086 Ipanema FLONA Direto Federal 20/05/1992 5.180 Itaberá ESEC Indireto Estadual 11/10/1957 180 Itapeti ESEC Indireto Estadual 29/04/1952 89 Itapeva ESEC Indireto Estadual 13/08/1985 106 Itariru FES Direto Estadual 28/01/1963 – Itatinga ASPE Indireto Estadual 19/11/1986 635 Itirapina ESEC Indireto Estadual 07/06/1984 2.300 Jacupiranga PES Indireto Estadual 08/08/1969 150.000 Jaraguá PES Indireto Estadual 30/12/1939 489 Jataí “Conde Joaquim Augusto Ribeiro do Valle” ESEC Indireto Estadual 15/06/1982 4.532 Jundiaí APA Direto Estadual 12/06/1984 43.200 Juquery PES Indireto Estadual 05/06/1993 1.927 Juréia ASPE Indireto Estadual 11/07/1986 – Juréia-Itatins ESEC Indireto Estadual 20/01/1986 79.270 Jurupara PES Indireto Estadual 30/08/1978 23.900 Lagoa São Paulo REF Direto Estadual 06/11/1949 13.343 Mananciais de Campos do Jordão PES Indireto Estadual 27/09/1993 502 Manduri FES Direto Estadual 06/11/1962 220 Marinho da Laje de Santos Mata do Iguatemi PES APA Indireto Direto Estadual Estadual 27/09/1993 02/04/1993 5.000 – Matão de Cosmópolis ARIE Indireto Federal 09/01/1985 173 Mogi-Guassu REBIO Indireto Estadual 07/01/1942 5 Moji-Guaçu ESEC Indireto Estadual 07/06/1984 981 Monsenhor Emilio José Salim PEC Direto Estadual 08/06/1987 89 Morro de São Bento APA Direto Estadual 27/05/1987 2 Morro do Curussu Mirim RPPN Indireto Privada 15/10/1999 23 Morro do Diabo PES Indireto Estadual 04/06/1986 33.845 Morro do Espial PAF Direto Municipal – Morro Grande REF Direto Estadual 04/04/1979 10.700 Nascentes do Tietê PES Indireto Estadual 11/11/1988 – Noroeste Paulista Paranapanema ESEC ESEC Indireto Indireto Estadual Estadual 05/06/1993 27/09/1993 268 635 Paranapanema FES Direto Estadual 06/11/1982 – Parque e Fazenda do Carmo APA Direto Estadual 05/04/1989 – Paulo de Faria ESEC Indireto Estadual 23/09/1981 436 Pedra Branca ARIE Indireto Estadual 06/02/1987 635 Piraju FES Direto Estadual 09/03/1945 847 Porto Ferreira PES Indireto Estadual 06/11/1962 611

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica no Estado de São Paulo (132 UCs – continuação) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Propriedades do Estado de SP APP Indireto Federal 04/10/1985 – Reserva Particular da Carbocloro Ribeirão Preto RPPN ESEC Indireto Indireto Privada Estadual 30/12/1992 13/09/1984 1 154 Rios Piracicaba e Juqueri-Mirim APA Direto Estadual 11/03/1987 390.000 Roseira Velha ASPE Indireto Federal 06/03/1987 84 Salesópolis e Outros APA Direto Estadual 06/02/1987 6.500 Santa Bárbara ESEC Indireto Estadual 07/06/1984 4.371 Santa Bárbara do Rio Pardo FES Direto Estadual 30/12/1964 4.372 Santa Genebra ARIE Indireto Federal 05/11/1985 252 Santa Maria ESEC Indireto Estadual 13/08/1985 113 Santo Antônio do Pinhal APA Direto Estadual 08/06/1983 – São Carlos ESEC Indireto Estadual 25/08/1961 75 São José dos Campos APA Direto Estadual – Sapucaí-Mirim Serra de Paranapiacaba APA REBIO Direto Indireto Estadual Estadual 09/11/1938 – 8.192 Serra do Mar PES Indireto Estadual 30/08/1977 315.000 Serra do Mar APA Direto Estadual 21/07/1984 400.000 Serra dos Itatins REF Direto Estadual – Silveiras APA Direto Estadual 03/06/1983 42.700 Sistema Cantareira APA Direto Estadual 04/12/1998 – Sítio Curucutu RPPN Indireto Privada 20/12/1995 11 Sítio do Cantaneiro RPPN Indireto Privada 26/10/1994 9 Sítio Laranjal RPPN Indireto Privada 12/09/1996 42 Sítio Pithon RPPN Indireto Privada 24/02/1997 26 Sítio Ryan RPPN Indireto Pri vada 19 Sítio Sibiuna Tietê RPPN APA Indireto Direto Privada Estadual 22/08/1995 08/06/1983 50 45.100 Tietê PEC Direto Estadual 30/04/1976 1.400 Tupinambás ESEC Indireto Federal 20/07/1987 28 Tupiniquins ESEC Indireto Federal 21/07/1986 43 Turístico da Cantareira PES Indireto Estadual 24/09/1968 5.647 Turístico do Alto Ribeira PES Indireto Estadual 19/05/1958 35.712 Vale do Paraíba APP Indireto Estadual 06/05/1968 – Valinhos ESEC Indireto Estadual 28/01/1966 17 Vassununga PES Indireto Estadual 26/10/1970 1.484 Xitué ESEC Indireto Estadual 27/11/1956 3.095 Xixova-Japui PES Indireto Estadual 27/09/1993 901As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentaise não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Unidades de Conservação no Domínio da Mata Atlântica em mais de um estado (13 UCs) Nome da Unidade Categoria Grupo Administração Data de Criação Área (ha) Chapada do Araripe (PE, PI e CE) APA Direto Federal 04/08/1997 Araripe-Apodi (CE, PE,PI e RN) Serra Geral (RS,SC) FLONA PARNA Direto Indireto Federal Federal 02/05/1946 20/05/1992 38.262 18.000 Mananciais do Vale do Paraíba do Sul (MG, RJ e SP) APA Direto Federal 04/02/1971 367.000 Serra da Bocaina (RJ, SP) PARNA Indireto Federal 04/02/1971 100.000 Pedra Talhada (AL e PE) REBIO Indireto Federal 13/12/1989 4.469 Aparados da Serra (RS e SC) PARNA Indireto Federal 01/01/1957 10.250 Serra da Mantiqueira (MG, RJ e SP) APA Direto Federal 13/09/1982 402.517 Caparaó (ES e MG) PARNA Indireto Federal 24/05/1961 26.000 Serra da Ibiapaba (CE e PI) APA Direto Federal 26/11/1996 1.592.550 Ilha Grande (MS e PR) PARNA Indireto Federal 30/09/1997 78.875 Ilhas e Várzeas do Rio Paraná (MS e PR) APA Direto Federal 30/09/1997 1.003.059 Itatiaia (MG e RJ) PARNA Indireto Federal 14/06/1937 30.000 As informações constantes nesta listagem foram levantadas pelo Instituto Socioambiental após exaustiva consulta a organizações governamentais e não governamentais, pesquisadores, bancos de dados e arquivos em diversos locais do País. Agradecemos a comunicação de falhas, erros ou omissões, através do email

Capítulo I – A Mata Atlântica Relação das terras indígenas inseridas no Domínio da Mata Atlântica

Terras Indígenas no Domínio da Mata Atlântica UF AL BA CE ES MG MS PB PE PI PR RJ RN RS SC SE SP Total Situação jurídica Total por UF A identificar Em identificação Identificada/ aprovada Declarada/ delimitada Homologada e/ou registrada reservada – – – 1 2 – 3 2 1 – – 9 2 14 – – – – – – – – – – – 3 – 3 – – – 1 4 1 6 – – – 2 15 5 22 – – – – 2 – 2 – – – – 0 – – – – – – 0 – – – – – – 15 1 16 – – – – 3 – 3 – – – – 0 – – – 3 2 4 11 1 21 1 2 3 1 4 11 – – – – – – – – – – 1 12 – 13 3 6 5 10 80 10 114

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Alagoas Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Tingui-Botó Tingui Boto Feira Grande Dominial indígena/ 122 registrada 180 Funai: 91 Wassu-Cocal Wassu Joaquim Gomes Homologada/ 2758 registrada 1220 Funai: 94 Karapotó Karapoto São Sebastião Declarada 1810 1050 Funai: 94Fonte: Instituto Socioam biental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado da Bahia Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Barra Atikum; Kiriri Barra Adquirida 37 Demarcada 32 Funai: 93 Fazenda Bahiana Pataxo Ha Há Hae Camamu Homologada. 304 216 Funai: 90 Ibotirama Tuxa Ibotirama Homologada. 2019 479 Funai:92 Trevo do Parque Pataxó Tamaraju A identificar. Funai:89 Paraguassu/Car amuru Pataxo Ha Ha Hae Pau Brasil, Itaju do Colônia, Camaca Reservada/SPI 36000 1449 Funai: 94 Imbiriba Pataxó Porto Seguro Registrada. 398 120 Funai:90 Barra Velha Pataxó Porto Seguro Homologada/ 8627 Registrada 1082 Funai:84 Corumbauzinho Pataxó Prado Interditada. 1145 Águas Belas Pataxó Prado Homologada. 1189 235 Funai: 95 Vargem Alegre Pankaru Serra Ramalho Homologada/ 981 Registrada 74 Anai/Ba:92 Mata Medonha Pataxó Sta Cruz Cabralia Homologada/ 549 Registrada 255 Funai:91 Coroa Vermelha Pataxó Sta Cruz Cabralia Homologada. 1493 693 Funai: 95 Coroa Vermelha Pataxó Sta Cruz Cabralia Homologada. 1493 693 Funai: 95 Olivença Geren Ilhéus A identificar 528 Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Espírito Santo Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Comboios Tupiniquim Aracruz Homologada. 2983 287 Funai: 97 Pau-Brasil Tupiniquim Aracruz Homologada. 1579 229 Funai: 97 Caieiras Velha Tupiniquim Aracruz Homologada. 2997 870 Funai: 97Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Minas Gerais Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Maxacali Maxakali Bertópolis Homologada/ 5305 Registrada 802 Funasa: 97 Fazenda Guarani

Xakriabá Krenak; Pataxó Xakriaba Carmesia, Dores de Guanhães, Senhora do Porto Itacarambi Homologada/ 3270 Registrada

Homologada/ 46415 Registrada 194 5093 Funasa: 97

Funasa: 97 Krenak Krenak Resplendor Reservada/SPI/ 3983 Registrada 115 Funasa: 97 Riachão Xakriaba Rio Pardo Dominial indígena/ 9709 Registrada 3 Funai:89 Xakriabá Rancharia Xakriaba São João das Missões Declarada em 6660 demarcação 528 Funai: 96Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Mato Grosso do Sul Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Jaguari Guarani Guarani Nandeva Amambaí Homologada/ 405 Registrada 140 CIMI: 93 Amambai Guarani Guarani Nandeva Amambaí Homologada/ 2429 Registrada 4544 CIMI: 93 Aldeia Limão Verde Guarani Kaiowa Amambaí Reservada/SPI/ 660 Registrada 390 CIMI: 93 Taquaperi Guarani Kaiowa Amambaí Reservada/SPI/ 1886 Registrada 1886 CIMI: 93 Guasuti Guarani Kaiowa Aral Moreira Homologada/ 930 Registrada. 155 CIMI: 93 Caarapó Guarani Kaiowa Guarani Nandeva Caarapó Homologada/ 3594 Registrada 2346 CIMI: 93 Sete Cerros Guarani Guarani Nandeva Cel. Sapucaia Homologada 8584 230 CIMI: 93 Panambizinho Guarani Kaiowa Douradina Declarada em 1240 demarcação 241 Funai: 95 Panambi Guarani Kaiowa Dourados Reservada/SPI 2037 470 CIMI: 93 Dourados Guarani Guarani Terena Dourados Reservada/SPI/ 3475 Registrada 8987 CIMI: 93 Cerrito Guarani Guarani Nandeva Eldorado Homologada/ 2040 Registrada 180 CIMI: 93 Jarara Guarani Guarani Nandeva Juti Homologada 479 250 CIMI: 93 Maracaju/Sucuri Guarani Kaiowa Maracajú Homologada. 535 42 Funai: 95 Porto Lindo Guarani Nandeva Mundo Novo Homologada/ 1649 Registrada 1600 CIMI 93 Takuaraty/Yvyku arusu Guarani Kaiowa Paranhos Homologada 2609 293 CIMI: 93 Potrero Guaçu Guarani Nandeva Paranhos Declarada em 4025 demarcação 620 Funai: 98 Rancho Jacaré Guarani Kaiowa Ponta Porá Homologada/ 778 Registrada 257 CIMI: 93 Guaimbé Guarani Kaiowa Ponta Porá Homologada/ 717 Registrada 295 CIMI: 93

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Mato Grosso do Sul (continuação) Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Sassoró Guarani Guarani Nandeva Ponta Porá Reservada/SPI/ 1923 Registrada 1480 CIMI: 93 Kadiwéu Porto Murtinho

Pirajuí Sete Quedas Jaguapiré Chamacoco Guarani Nandeva Guarani Kaiowa Jaguapiré Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Dossiê Mata Atlântica 2001 Homologada/ 538536 Registrada 1592 Funai: 98

Homologada/ Registrada Homologada 2349 200

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado da Paraíba Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Potiguara Potiguara Baia da Traição, Rio Tinto Homologada/ 21238 Registrada 5928 Funai:89 Jacaré de São Domingos Potiguara Rio Tinto Homologada/ 5032 Registrada 192 Funai:90 Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado do Paraná Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Faxinal Kaingang Cândido de Abreu Homologada/ 2043 Registrada 183 Funai:89 Tekohá Añetete Guarani Nandeva Diamante d’Oeste Homologada 1774 160 Funai: 97 Marrecas Kaingang Guarapuava, Turvo, Prudentópolis Homologada/ 16839 Registrada 517 Funai: 93 Rio Areia Rio das Cobras Guarani M’Bya Kaingang Inácio Martins Laranjeiras do Sul, Quedas do Iguaçu Homologada/ 1352 Registrada Homologada/ 18682 Registrada 79 1596 Funai:95 Funai:89 Apucarana Kaingang Londrina Reservada/SPI/ 5574 Registrada 690 C.Helm 95 Mangueirinha Kaingang Mangueirinha Dominial indígena/ 16375 Registrada 1420 C.Helm 95 Tibagy Kaingang Ortigueira Homologada/ 859 Registrada 78 Funai:89 Queimadas Kaingang Ortigueira Homologada/ 3077 Registrada 365 Cecília Helm: 95 Ilha da Cotinga Guarani M’Bya Paranaguá Homologada/ 1701 Registrada 165 Funai: 98 Ivaí Guarani Nadeva Kaingang Pitanga Homologada/ 7306 Registrada 707 Funai:89 Barão de Antonina I Guarani Kaingang S. Jerônimo da Serra Homologada/ 3751 Registrada 460 Cecília Helm: 95 São Jerônimo da Serra Guarani Kaingang S. Jerônimo da Serra Homologada/ 1339 Registrada 380 Prof.Indige nas 98 Avá Guarani Guarani Nadeva S. Miguel do Iguaçú Dominial indígena/ 251 Registrada 215 Funai/Bsb 93 Laranjinha Guarani Kaingang Sta. Amélia Homologada/ 284 Registrada 207 Funai:89 Pinhalzinho Guarani Nadeva Tomazina Dominial indígena/ 593 registrada 80 Funai:89Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado do Rio de Janeiro Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Guarani do Bracuí Guarani M’Bya Angra dos Reis Homologada/ 2127 Registrada 208 Funai:94 Parati-Mirim Guarani M’Bya Parati Homologada/ 79 Registrada 120 Funai: 98 Guarani Araponga Guarani M’Bya Parati Homologada/ 213 Registrada 7 Funai: 94 Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado do Rio Grande do Sul Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Carreteiro Kaingang Água Santa Homologada/ 602 Registrada 167 Funai: 93 Guarani de Águas Brancas Guarani M’Bya Arambé Declarada 230 39 Funai: 94 Votouro Kaingang Benjamin Constant do Sul Homologada. 3041 1009 Funai: 93 Cacique Doble

Pacheca Guarani Kaingang Guarani M’Bya Cacique Doble Camaqua Homologada/ 4426 Registrada

Homologada 1852 569 10 Funai :93 Funai: 94 Borboleta Kaingang Espumoso Em identificacao. 0 400 Funai: 98 Monte Caseiro Kaingang Ibiraiaras, Moliterno Homologada 1112 70 Funai 94 Kaingang de Iraí Kaingang Iraí Homologada/ 280 Registrada 334 Funai: 93 Varzinha Guarani M’Bya Maquine, Caraã Identificada/ 795 Sujeita a contestação. 64 Funai: 99 Guarani Barra do Ouro Guarani M’Bya Maquine, Santo Antônio da Patrulha, Riozinho Declarada em 2285 demarcação 49 Funai: 93 Kaingang do Rio da Várzea Nonoai Kaingang

Guarani Kaingang Nonoai, Liberato Salzano Nonoai, Rodeio Bonito Declarada em 16100 demarcação Reservada/SPI 14910 439

2142 Funai: 99 Funai: 99 Capivari Guarani M’Bya Palmares do Sul Declarada. 40 15 Funai: 93 Guarani Votouro Guarani Nadeva São Valentim Homologada 717 56 Funai: 93 Salto Grande do Jacuí Guarani M’Bya Santo do Jacuí Homologada 234 19 Funai: 94 Inhacorá Kaingang Santo Augusto Homologada/ 2843 Registrada 622 Funai: 93 Ligeiro Kaingang Tapejara Homologada/ 4565 Registrada 1023 Funai: 93 Tapes Guarani M’Bya Tapes Em identificação. 0 50 Cimi:80 Guarita Guarani Kaingang Tem. Portela, Miraguai, Redentora Homologada/ 23406 Registrada 3760 Funai: 93 Serrinha Kaingang Três Palmeiras, Constantina, Ronda Alta, Engenho Velho Em revisão. 11950 440 Funai: 99 Cantagalo Guarani M’Bya Viamão Identificada/ 286 Sujeita a contestação. 159 Funai: 99Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de Santa Catarina Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Toldo Imbu Kaingang Abelardo Luz Identificada/ 1965 Sujeita a contestação. 974 Funai: 99 Palmas Kaingang Abelardo Luz, Palmas Em revisão. 2944 542 Funai:89 Mbiguaçu Guarani Biguaçu Declarada 58 85 Funai: 98 Kaingang Chapecó Identificada/ 975 Sujeita a contestação. 350 Funai. 98 Toldo Chimbangue Kaingang Chapecó Homologada/ 988 Registrada 988 Funai: 94 Rio Araçá Guarani Nadeva Cunhaporá A identificar 0 0 Ibirama

Morro dos Cavalos Guarani Kaingang Guarani M’Bya Ibirama, Itaiópolis

Palhoca Identificada/ 37108 Sujeita a Em identificação. 0 1500

78 Funai: 98 Funai: 98 Rio dos Pardos Xokleing Porto União Homologada 758 34 Funai: 94 Pinhal Kaingang Seara Homologada 880 0 Funai: 91 Xapecó Kaingang Xanxerê, Marema Homologada/ 15623 Registrada 2614 Funai:89Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Estado de São Paulo Terra Indígena Povo Município Situação Extensão Jurídica (ha) População habitantes Fonte e data Araribá Guarani Terena Avaí Homologada/ 1930 Registrada 436 Funai: 98 Icatu Terena Brauna Homologada 301 104 Funai: 98 Rio Branco (do Itanhaém) Itariri (Serra do Itatins) Guarani do Aguapeú Guarani M’Bya

Guarani Nadeva Guarani M’Bya Itanhaem, São Paulo, São Vicente Itariri Mongaguá Homologada/ 2856 Registrada Homologada/ 1212 Registrada Homologada 4372 46

63 66 Funai: 98 Funai: 98 Funai: 98 Itaóca Guarani Nadeva Mongaguá Declarada em 533 demarcação 199 Funai: 98 Peruíbe Guarani Nadeva Paruíbe Homologada/ 480 Registrada 143 Funai: 98 Jaraguá Guarani M’Bya São Paulo Homologada/ 2 Registrada 51 Funai: 98 Barragem Guarani M’Bya São Paulo Homologada/ 26 Registrada 502 Funai: 98 Guarani do Krukutu Guarani M’Bya São Paulo Homologada/ 26 Registrada 82 Funai: 98 Guarani do Ribeirão Silveira Guarani M’Bya São Sebastião, Santos Homologada/ 948 Registrada 240 Funai: 94 Vanuire Krenak Tupã Homologada 709 181 Funai: 98 Boa Vista do Sertão do Pró- Mirim Guarani M’Bya Ubatuba Homologada/ 906 Registrada 53 Funai: 94Fonte: Instituto Socioambiental – ISA, abril 2000

Capítulo I – A Mata Atlântica Relação dos municípios inseridos no Domínio da Mata Atlântica Municípios inseridos no Domínio da Mata Atlântica UF

AL Faixas de porcentagem de área dos municípios inseridas no DMA (1) Total de municípios por UF 69 0,1 – 10,0%

4 10,1 – 30,0% 3 30,1 – 60,0% 2 60,1 – 90,0% 4 90,1 – 100,0% 56 BA 31 33 38 25 180 307 CE 16 13 9 4 4 46 ES 0 0 0 0 77 77 GO 7 3 4 5 3 22 MS 8 7 5 2 27 49 MG 31 26 43 39 566 705 PB 9 15 5 9 26 64 PR 0 0 5 4 390 399 PE 7 10 8 13 66 104 PI 7 8 11 4 2 32 RJ RN 0 4 0 4 0 3 1 4 90 12 91 27 RS 23 22 23 29 339 436 SC 0 0 0 0 293 293 SP 24 15 44 41 509 633 SE 3 6 9 13 23 54 Total 174 165 209 197 2663 3408(1) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000. Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99)

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Alagoas inseridos no Domínio da Mata Atlântica (69 Municípios) Município (1) Anadia Arapiraca Atalaia Barra de Santo Antônio Barra de São Miguel Belém Boca da Mata Branquinha Cajueiro Campestre Campo Alegre Campo Grande Capela Chã Preta Coité do Nóia Colônia Leopoldina Coqueiro Seco Coruripe Feira Grande Feliz Deserto Flexeiras Girau do Ponciano Ibateguara Igaci Igreja Nova Jacuípe Japaratinga Joaquim Gomes Jundiá Junqueiro Limoeiro de Anadia Maceió Mar Vermelho Maragogi Marechal Deodoro Maribondo Matriz de Camaragibe Messias Murici Novo Lino Olho d’Água Grande Palmeira dos Índios (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 19.017,86 19.017,86 90,1 – 100,0 36.748,32 11.144,02 30,1 – 60,0 53.402,69 53.402,69 90,1 – 100,0 13.847,86 13.812,50 90,1 – 100,0 7.689,82 4.836,63 7.684,03 4.836,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.735,84 18.735,84 90,1 – 100,0 19.141,96 19.141,96 90,1 – 100,0 12.485,09 12.485,09 90,1 – 100,0 5.535,42 5.535,42 90,1 – 100,0 29.632,69 16.702,81 29.632,69 12.180,12 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 20.639,55 20.639,55 90,1 – 100,0 20.210,95 20.210,95 90,1 – 100,0 8.880,85 8.119,37 90,1 – 100,0 29.534,43 29.534,43 90,1 – 100,0 4.038,80 97.225,18 4.038,80 88.643,11 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.675,46 6.089,76 30,1 – 60,0 9.198,13 9.195,64 90,1 – 100,0 31.706,87 31.706,87 90,1 – 100,0 50.433,67 29,32 0,1 – 10,0 25.548,82 33.504,75 25.548,82 304,35 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 42.968,26 12.610,68 10,1 – 30,0 22.000,50 22.000,50 90,1 – 100,0 8.587,81 8.573,11 90,1 – 100,0 24.223,55 24.223,55 90,1 – 100,0 11.987,79 22.182,60 11.987,79 22.182,60 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 33.583,35 33.583,35 90,1 – 100,0 51.281,90 51.182,31 90,1 – 100,0 9.193,34 9.193,34 90,1 – 100,0 33.490,85 33.469,73 90,1 – 100,0 36.336,57 17.189,13 36.318,47 17.189,13 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.902,21 32.902,21 90,1 – 100,0 11.335,38 11.335,38 90,1 – 100,0 42.594,92 42.594,92 90,1 – 100,0 18.669,73 18.669,73 90,1 – 100,0 11.908,60 46.290,97 2.914,69 3.387,32 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Alagoas inseridos no Domínio da Mata Atlântica (69 Municípios – continuação) Município (1) Paripueira Passo de Camaragibe Paulo Jacinto Penedo Piaçabuçu Pilar Pindoba Porto Calvo Porto de Pedras Porto Real do Colégio Quebrangulo Rio Largo Roteiro Santa Luzia do Norte Santana do Mundaú São José da Laje São Luís do Quitunde São Miguel dos Campos São Miguel dos Milagres São Sebastião Satuba Tanque d’Arca Taquarana Teotônio Vilela Traipu União dos Palmares Viçosa (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 9.319,18 9.306,46 90,1 – 100,0 18.790,52 18.755,75 90,1 – 100,0 10.827,94 10.765,42 90,1 – 100,0 69.097,93 48.898,78 60,1 – 90,0 24.322,35 22.152,86 21.012,32 22.152,86 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 8.357,64 8.357,64 90,1 – 100,0 26.136,83 26.136,83 90,1 – 100,0 26.721,74 26.712,32 90,1 – 100,0 23.693,22 6.430,12 10,1 – 30,0 32.100,37 31.081,25 20.275,56 31.081,25 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 12.975,28 12.972,90 90,1 – 100,0 2.866,62 2.866,62 90,1 – 100,0 22.642,33 22.642,33 90,1 – 100,0 27.394,95 27.394,95 90,1 – 100,0 40.593,69 65.996,09 40.593,69 65.978,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.570,89 6.558,31 90,1 – 100,0 30.701,85 30.701,85 90,1 – 100,0 4.268,67 4.268,67 90,1 – 100,0 15.670,22 15.670,22 90,1 – 100,0 16.714,04 29.886,70 16.390,02 28.174,60 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 70.164,44 682,30 0,1 – 10,0 42.937,74 42.937,74 90,1 – 100,0 35.651,01 35.651,01 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios) Município (1) Abaíra Acajutiba Água Fria Aiquara Alagoinhas Alcobaça Almadina Amargosa Amélia Rodrigues Anagé Andaraí Angical Anguera Antônio Cardoso Aporá Apuarema Araçás Aramari Arataca Aratuípe Aurelino Leal Baianópolis Baixa Grande Barra Barra da Estiva Barra do Choça Barra do Rocha Barreiras Barro Preto Belmonte Belo Campo Biritinga Boa Nova Boa Vista do Tupim Bom Jesus da Lapa Bom Jesus da Serra Bonito Boquira Botuporã Brejões Brejolândia Buerarema (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 58.110,70 20.646,64 30,1 – 60,0 26.860,07 3.672,74 10,1 – 30,0 71.003,09 11.218,26 10,1 – 30,0 19.590,42 19.590,42 90,1 – 100,0 73.670,79 63.299,21 60,1 – 90,0 147.992,71 147.980,82 90,1 – 100,0 24.778,74 24.778,74 90,1 – 100,0 43.755,11 43.755,11 90,1 – 100,0 15.318,62 12.189,42 60,1 – 90,0 185.997,64 62.541,17 30,1 – 60,0 190.228,47 190.228,47 90,1 – 100,0 149.786,56 100.641,48 60,1 – 90,0 17.083,06 17.083,06 90,1 – 100,0 29.511,00 27.371,46 90,1 – 100,0 60.088,58 34.752,45 30,1 – 60,0 15.122,66 15.122,66 90,1 – 100,0 42.155,96 42.155,96 90,1 – 100,0 33.289,30 19.469,46 30,1 – 60,0 39.750,31 39.750,31 90,1 – 100,0 17.766,10 1.7766,1 90,1 – 100,0 44.816,16 44.816,16 90,1 – 100,0 342.910,56 77.611,06 10,1 – 30,0 98.598,98 4.4082,9 30,1 – 60,0 1.234.767,76 726.664,25 30,1 – 60,0 140.797,97 21.507,81 10,1 – 30,0 78.135,03 78.135,03 90,1 – 100,0 19.326,48 19.326,48 90,1 – 100,0 1.197.970,22 41.510,56 0,1 – 10,0 12.099,63 12.099,63 90,1 – 100,0 201.696,83 201.664,22 90,1 – 100,0 61.049,91 43.547,37 60,1 – 90,0 59.468,10 9.773,71 10,1 – 30,0 86.007,23 76.646,78 60,1 – 90,0 263.966,72 74.098,35 10,1 – 30,0 414.942,75 15.7800,1 30,1 – 60,0 41.167,34 6.954,47 10,1 – 30,0 53.928,56 53.928,56 90,1 – 100,0 156.986,54 229,8 0,1 – 10,0 55.444,12 26.485,19 30,1 – 60,0 48.299,40 43.635,24 90,1 – 100,0 262.577,21 261.470,11 90,1 – 100,0 21.003,56 21.003,56 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Buritirama Caatiba Cabaceiras do Paraguaçu Cachoeira Caculé Caém Caetanos Caetité Cafarnaum Cairu Caldeirão Grande Camacan Camaçari Camamu Canápolis Canavieiras Candeal Candeias Cândido Sales Caravelas Cardeal da Silva Carinhanha Castro Alves Catolândia Catu Caturama Coaraci Cocos Conceição da Feira Conceição do Almeida Conceição do Jacuípe Conde Condeúba Coração de Maria Cordeiros Coribe Correntina Cotegipe Cravolândia Cristópolis Cruz das Almas Dário Meira (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5 .000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 381.308,91 357.855,58 90,1 – 100,0 65.800,46 65.800,46 90,1 – 100,0 21.427,46 21.427,46 90,1 – 100,0 40.053,62 40.053,62 90,1 – 100,0 68.837,67 2.830,86 0,1 – 10,0 49.958,20 19.656,87 30,1 – 60,0 85.957,34 1.238,53 0,1 – 10,0 236.547,90 154.834,84 60,1 – 90,0 107.556,22 32.395,19 30,1 – 60,0 45.260,31 45.085,76 90,1 – 100,0 49.793,65 10.860,52 10,1 – 30,0 63.535,91 63.535,91 90,1 – 100,0 76.261,34 76.210,89 90,1 – 100,0 88.854,14 88.854,14 90,1 – 100,0 46.620,96 35.736,09 60,1 – 90,0 138.027,99 137.987,26 90,1 – 100,0 45.621,60 12.378,05 10,1 – 30,0 26.573,38 26.573,38 90,1 – 100,0 130.576,01 130.576,01 90,1 – 100,0 239.954,82 239.939,53 90,1 – 100,0 19.566,82 19.566,82 90,1 – 100,0 276.306,21 254.124,56 90,1 – 100,0 76.730,26 76.730,26 90,1 – 100,0 62.325,43 8726,9 10,1 – 30,0 52.009,17 52.009,17 90,1 – 100,0 64.865,58 120,01 0,1 – 10,0 29.794,21 29.794,21 90,1 – 100,0 1.012.131,63 70.910,32 0,1 – 10,0 15.976,22 15.976,22 90,1 – 100,0 29.099,98 29.099,98 90,1 – 100,0 14.511,47 14.511,47 90,1 – 100,0 95.393,26 67.137,06 60,1 – 90,0 124.122,49 143,57 0,1 – 10,0 35.856,40 15.542,89 30,1 – 60,0 55.617,64 20,91 0,1 – 10,0 268.838,03 200.847,19 60,1 – 90,0 1.163.747,76 71240 0,1 – 10,0 416.155,04 290.350,56 60,1 – 90,0 16.033,46 16.033,46 90,1 – 100,0 88.439,02 1.0668,4 10,1 – 30,0 17.388,65 17.388,65 90,1 – 100,0 40.182,86 40.182,86 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Dias d’Ávila Dom Basílio Dom Macedo Costa Elísio Medrado Encruzilhada Entre Rios Érico Cardoso Esplanada Eunápolis Feira da Mata Feira de Santana Firmino Alves Floresta Azul Gandu Gentio do Ouro Gongogi Governador Mangabeira Guanambi Guaratinga Ibiassucê Ibicaraí Ibicoara Ibicuí Ibipeba Ibiquera Ibirapitanga Ibirapuã Ibirataia Ibotirama Igaporã Igrapiúna Iguaí Ilhéus Inhambupe Ipecaetá Ipiaú Ipupiara Irajuba Iramaia Iraquara Irará Itabela (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 20.841,69 20.841,69 90,1 – 100,0 65.528,90 32.781,95 30,1 – 60,0 9.154,80 9154,8 90,1 – 100,0 20.028,05 20.028,05 90,1 – 100,0 204.828,18 204.828,18 90,1 – 100,0 116.931,43 116.910,21 90,1 – 100,0 70.403,34 41.080,84 30,1 – 60,0 140.877,53 134.306,89 90,1 – 100,0 119.728,58 119.728,58 90,1 – 100,0 166.066,93 166.066,93 90,1 – 100,0 133.827,67 93.682,94 60,1 – 90,0 15.996,01 15.996,01 90,1 – 100,0 35.291,14 35.291,14 90,1 – 100,0 22.955,97 22.955,97 90,1 – 100,0 368.571,84 116.351,36 30,1 – 60,0 19.917,61 19.917,61 90,1 – 100,0 9.467,11 9.467,11 90,1 – 100,0 126.447,45 30.114,74 10,1 – 30,0 233.454,48 233.454,48 90,1 – 100,0 38.352,22 1.833,44 0,1 – 10,0 21.865,43 21.865,43 90,1 – 100,0 98.009,28 6.4971,3 60,1 – 90,0 116.775,37 116.775,37 90,1 – 100,0 110.401,73 1.026,93 0,1 – 10,0 101.466,07 96.243,73 90,1 – 100,0 47.260,77 47.260,77 90,1 – 100,0 78.858,62 78.858,62 90,1 – 100,0 22.678,54 22.678,54 90,1 – 100,0 139.589,49 4.7669,6 30,1 – 60,0 79.191,51 24.291,41 30,1 – 60,0 50.966,20 5.0966,2 90,1 – 100,0 83.627,08 83.627,08 90,1 – 100,0 184.799,32 184.645,94 90,1 – 100,0 125.028,99 21.348,22 10,1 – 30,0 39.548,17 16.548,98 30,1 – 60,0 28.769,23 28.769,23 90,1 – 100,0 133.515,74 681,49 0,1 – 10,0 38.478,57 36.921,02 90,1 – 100,0 195.572,89 30.434,68 10,1 – 30,0 80.349,91 17.946,77 10,1 – 30,0 27.173,99 19.008,46 60,1 – 90,0 85.705,58 85.705,58 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Itaberaba Itabuna Itacaré Itaeté Itagi Itagibá Itagimirim Itaguaçu da Bahia Itaju do Colônia Itajuípe Itamaraju Itamari Itambé Itanagra Itanhém Itaparica Itapé Itapebi Itapetinga Itapitanga Itaquara Itarantim Itatim Itiruçu Itororó Ituberá Iuiú Jaborandi Jacaraci Jacobina Jaguaquara Jaguaripe Jandaíra Jequié Jiquiriça Jitaúna Jucuruçu Jussari Jussiape Lafaiete Coutinho Lagoa Real Laje (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 236.628,70 23.939,57 10,1 – 30,0 44.484,09 44.484,09 90,1 – 100,0 73.298,67 7.3267,4 90,1 – 100,0 119.880,66 61.762,99 30,1 – 60,0 30.454,41 30.454,41 90,1 – 100,0 81.332,03 81.332,03 90,1 – 100,0 82.011,53 82.011,53 90,1 – 100,0 458.802,41 9.865,66 0,1 – 10,0 122.224,48 122.224,48 90,1 – 100,0 29.696,37 29.696,37 90,1 – 100,0 237.787,71 237.787,71 90,1 – 100,0 13.201,69 13.201,69 90,1 – 100,0 163.132,06 163.132,06 90,1 – 100,0 45.416,47 45.416,47 90,1 – 100,0 145.014,64 145.014,64 90,1 – 100,0 4.755,20 4.755,20 90,1 – 100,0 44.471,95 44.471,95 90,1 – 100,0 97.533,00 97.533,00 90,1 – 100,0 161.554,84 161.554,84 90,1 – 100,0 41.168,44 41.168,44 90,1 – 100,0 29.780,50 2.9780,5 90,1 – 100,0 178.989,90 17.8989,9 90,1 – 100,0 57.653,22 719,67 0,1 – 10,0 30.391,51 30.391,51 90,1 – 100,0 33.204,06 33.204,06 90,1 – 100,0 42.431,82 42.346,12 90,1 – 100,0 109.904,36 109.904,36 90,1 – 100,0 1.006.592,09 56.939,26 0,1 – 10,0 124.624,47 476,1 0,1 – 10,0 232.878,15 103.223,18 30,1 – 60,0 96.421,08 96.421,08 90,1 – 100,0 89.479,21 89.456,31 90,1 – 100,0 64.686,43 64.649,97 90,1 – 100,0 304.676,56 157.621,04 30,1 – 60,0 23.703,53 23.703,53 90,1 – 100,0 33.403,58 33.403,58 90,1 – 100,0 144.298,34 144.298,34 90,1 – 100,0 35.789,51 35.789,51 90,1 – 100,0 52.540,88 5.956,32 10,1 – 30,0 35.402,30 1.9723,6 30,1 – 60,0 100.367,60 26.695,08 10,1 – 30,0 49.945,14 49.945,14 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Lajedão Lajedinho Lajedo do Tabocal Lamarão Lauro de Freitas Lençóis Licínio de Almeida Livramento do Brumado Macajuba Macarani Macaúbas Madre de Deus Maiquinique Mairi Malhada Manoel Vitorino Mansidão Maracás Maragogipe Maraú Mascote Mata de São João Matina Medeiros Neto Miguel Calmon Milagres Mirangaba Morpará Morro do Chapéu Mortugaba Mucugê Mucuri Mulungu do Morro Mundo Novo Muniz Ferreira Muquém de São Francisco Muritiba Mutuípe Nazaré Nilo Peçanha Nova Canaã Nova Ibiá (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a parti r da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 61.581,56 61.581,56 90,1 – 100,0 81.015,57 81.015,57 90,1 – 100,0 42.539,01 41.012,94 90,1 – 100,0 28.290,39 7.240,50 10,1 – 30,0 5.991,17 5.986,13 90,1 – 100,0 124.487,44 124.487,44 90,1 – 100,0 78.847,86 0,02 0,1 – 10,0 227.554,20 126.316,79 30,1 – 60,0 70.995,95 23.651,67 30,1 – 60,0 137.678,86 137.678,86 90,1 – 100,0 305.103,29 68.047,78 10,1 – 30,0 1.115,68 1.115,68 90,1 – 100,0 41.520,09 41.520,09 90,1 – 100,0 90.917,92 21.070,29 10,1 – 30,0 197.368,94 192.314,88 90,1 – 100,0 240.947,87 1.8709,9 0,1 – 10,0 315.575,92 123.798,07 30,1 – 60,0 244.482,84 72.205,11 10,1 – 30,0 43.797,08 43.797,08 90,1 – 100,0 77.740,58 77.701,01 90,1 – 100,0 71.195,91 71.195,91 90,1 – 100,0 68.320,86 68.287,14 90,1 – 100,0 77.612,41 12.162,58 10,1 – 30,0 124.986,96 124.986,96 90,1 – 100,0 147.168,01 118.970,15 60,1 – 90,0 30.897,99 18.717,52 60,1 – 90,0 195.983,59 9.159,42 0,1 – 10,0 173.991,28 193,09 0,1 – 10,0 551.352,13 178.192,33 30,1 – 60,0 67.327,80 174,75 0,1 – 10,0 249.170,46 98.585,45 30,1 – 60,0 178.111,04 177.960,01 90,1 – 100,0 51.930,05 27.120,25 30,1 – 60,0 150.229,44 149.365,73 90,1 – 100,0 11.536,18 11.536,18 90,1 – 100,0 287.833,60 279.342,63 90,1 – 100,0 11.104,07 11.104,07 90,1 – 100,0 27.445,60 2.7445,6 90,1 – 100,0 25.728,79 25.728,79 90,1 – 100,0 38.658,29 38.655,53 90,1 – 100,0 56.834,70 56.834,70 90,1 – 100,0 18.165,90 18.165,90 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Nova Itarana Nova Redenção Nova Viçosa Novo Horizonte Ouriçangas Palmas de Monte Alto Palmeiras Paramirim Paratinga Pau Brasil Pedrão Piatã Pilão Arcado Pindaí Piraí do Norte Piripá Piritiba Planaltino Planalto Poções Pojuca Porto Seguro Potiraguá Prado Presidente Tancredo Neves Rafael Jambeiro Riachão das Neves Riachão do Jacuípe Riacho de Santana Ribeirão do Largo Rio de Contas Rio do Pires Rio Real Ruy Barbosa Salinas da Margarida Salvador Santa Bárbara Santa Cruz Cabrália Santa Cruz da Vitória Santa Inês Santa Luzia Santa Maria da Vitória (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográfi cas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 45.807,37 19.484,26 30,1 – 60,0 51.275,07 51.090,31 90,1 – 100,0 133.087,73 133.057,46 90,1 – 100,0 61.466,66 6.607,30 10,1 – 30,0 16.972,48 16.773,13 90,1 – 100,0 278.692,86 99.856,42 30,1 – 60,0 69.823,72 21.027,48 30,1 – 60,0 111.997,04 90.741,72 60,1 – 90,0 282.452,00 29.860,17 10,1 – 30,0 61.089,84 61.089,84 90,1 – 100,0 14.901,88 14.901,88 90,1 – 100,0 151.366,94 54.607,57 30,1 – 60,0 1.176.303,17 237.045,26 10,1 – 30,0 71.795,03 1.270,63 0,1 – 10,0 22.842,93 22.842,93 90,1 – 100,0 65.377,77 27.567,33 30,1 – 60,0 99.446,8 2 97.115,05 90,1 – 100,0 94.126,56 19.965,18 10,1 – 30,0 91.676,15 82.915,29 90,1 – 100,0 96.611,87 84.478,03 60,1 – 90,0 28.088,29 28.088,29 90,1 – 100,0 241.711,23 241.589,40 90,1 – 100,0 99.300,20 99.300,20 90,1 – 100,0 167.055,48 166.942,66 90,1 – 100,0 41.559,79 41.559,79 90,1 – 100,0 123.840,17 15.265,02 10,1 – 30,0 586.444,06 36.469,82 0,1 – 10,0 120.403,00 20.457,08 10,1 – 30,0 270.820,14 100.888,12 30,1 – 60,0 122.623,76 122.623,76 90,1 – 100,0 105.596,96 78.088,17 60,1 – 90,0 89.260,42 43.286,99 30,1 – 60,0 73.688,40 13.892,27 10,1 – 30,0 213.766,75 186.277,26 60,1 – 90,0 11.802,23 11.802,23 90,1 – 100,0 32.579,20 32.541,49 90,1 – 100,0 32.621,35 1.629,05 0,1 – 10,0 155.620,20 155.504,03 90,1 – 100,0 25.094,59 25.094,59 90,1 – 100,0 35.754,91 35.754,91 90,1 – 100,0 78.808,11 78.808,11 90,1 – 100,0 189.784,85 139.467,96 60,1 – 90,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Santa Rita de Cássia Santa Teresinha Santana Santanópolis Santo Amaro Santo Antônio de Jesus Santo Estêvão São Desidério São Felipe São Félix São Félix do Coribe São Francisco do Conde São Gonçalo dos Campos São José da Vitória São Miguel das Matas São Sebastião do Passé Sapeaçu Saubara Saúde Sebastião Laranjeiras Serra do Ramalho Serra Dourada Serra Preta Serrinha Simões Filho Sítio do Mato Souto Soares Tabocas do Brejo Velho Tanque Novo Tanquinho Taperoá Tapiramutá Teixeira de Freitas Teodoro Sampaio Teofilândia Teolândia Terra Nova Tremedal Ubaíra Ubaitaba Ubatã Una (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 609.450,56 154.312,73 10,1 – 30,0 71.324,70 32.031,39 30,1 – 60,0 200.592,47 198.959,04 90,1 – 100,0 21.220,11 40,73 0,1 – 10,0 48.816,96 47.820,07 90,1 – 100,0 25.277,80 25.277,80 90,1 – 100,0 36.660,47 8.470,37 10,1 – 30,0 1.487.603,75 23.404,36 0,1 – 10,0 19.876,29 19.876,29 90,1 – 100,0 9.585,55 9.585,55 90,1 – 100,0 84.941,88 84.941,88 90,1 – 100,0 21.999,48 21.999,48 90,1 – 100,0 29.562,32 25.383,18 60,1 – 90,0 5.354,15 5.354,15 90,1 – 100,0 20.817,94 20.817,94 90,1 – 100,0 55.320,82 55.320,82 90,1 – 100,0 10.220,23 10.220,23 90,1 – 100,0 9.187,48 9.187,48 90,1 – 100,0 50.165,45 4.266,07 0,1 – 10,0 201.192,11 136.101,59 60,1 – 90,0 267.807,12 252.323,72 90,1 – 100,0 141.872,52 141.872,52 90,1 – 100,0 54.056,05 33.088,67 60,1 – 90,0 80.895,64 45.951,53 30,1 – 60,0 19.309,23 19.309,23 90,1 – 100,0 171.630,90 171.618,61 90,1 – 100,0 110.031,61 1.087,51 0,1 – 10,0 158.927,58 79.733,85 30,1 – 60,0 82.915,89 61.643,91 60,1 – 90,0 21.546,65 13.013,23 60,1 – 90,0 41.024,86 41.024,86 90,1 – 100,0 66.670,19 66.670,19 90,1 – 100,0 115.711,03 115.711,03 90,1 – 100,0 23.034,75 23.034,75 90,1 – 100,0 26.667,48 6.177,43 10,1 – 30,0 28.946,38 28.946,38 90,1 – 100,0 15.699,55 15.699,55 90,1 – 100,0 178.584,55 106.600,09 30,1 – 60,0 76.529,43 76.529,43 90,1 – 100,0 22.243,50 2.2243,5 90,1 – 100,0 33.386,92 33.386,92 90,1 – 100,0 116.363,10 116.306,62 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Bahia inseridos no Domínio da Mata Atlântica (307 Municípios – continuação) Município (1) Urandi Uruçuca Utinga Valença Várzea Nova Varzedo Vera Cruz Vereda Vitória da Conquista Wagner Wanderley Wenceslau Guimarães Xique-Xique (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 89.906,08 891,43 0,1 – 10,0 33.881,61 33.875,03 90,1 – 100,0 71.986,76 71.986,76 90,1 – 100,0 119.593,65 119.566,61 90,1 – 100,0 116.998,49 3.260,59 0,1 – 10,0 16.840,81 16.840,81 90,1 – 100,0 25.457,56 25.457,56 90,1 – 100,0 83.151,05 83.151,05 90,1 – 100,0 321.561,27 321.549,19 90,1 – 100,0 41.736,10 4.1736,1 90,1 – 100,0 305.539,82 305.539,82 90,1 – 100,0 66.412,14 66.412,14 90,1 – 100,0 598.714,68 46.458,08 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Ceará inseridos no Domínio da Mata Atlântica (46 Municípios) Município (1) Abaiara Acarape Alcântaras Amontada Aratuba Barbalha Baturité Canindé Capistrano Caridade Carnaubal Coreaú Crato Croatá Graça Granja Guaiúba Guaraciaba do Norte Guaramiranga Ibiapina Ipu Ipueiras Irauçuba Itapagé Juazeiro do Norte Maranguape Massapê Meruoca Miraíma Missão Velha Moraújo Mucambo Mulungu Pacoti Palmácia Redenção Reriutaba São Benedito Sobral Tejuçuoca Tianguá Tururu (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 18.232,53 211,44 0,1 – 10,0 13.643,30 2.372,31 10,1 – 30,0 13.486,71 13.045,65 90,1 – 100,0 158.220,89 12.210,15 0,1 – 10,0 15.733,27 45.181,23 3.405,15 9.444,34 10,1 – 30,0 10,1 – 30,0 34.743,62 13.643,92 30,1 – 60,0 320.465,49 118,03 0,1 – 10,0 18.685,38 1.712,63 0,1 – 10,0 79.188,96 3.510,67 0,1 – 10,0 29.208,51 81.497,02 266,66 4.774,91 0,1 – 10,0 0,1 – 10,0 111.725,58 18.161,66 10,1 – 30,0 38.282,71 12.213,99 30,1 – 60,0 26.127,67 11.218,22 30,1 – 60,0 270.415,85 16.794,39 0,1 – 10,0 27.119,96 53.715,60 5.315,86 26.855,82 10,1 – 30,0 30,1 – 60,0 10.761,77 10.665,30 90,1 – 100,0 36.840,43 12.661,42 30,1 – 60,0 63.614,70 11.857,59 10,1 – 30,0 113.173,67 14.633,59 10,1 – 30,0 138.474,69 39.921,63 22.759,32 36.355,70 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 23.546,44 3.882,48 10,1 – 30,0 65.434,96 2.484,39 0,1 – 10,0 53.361,94 2.949,99 0,1 – 10,0 15.533,81 13.564,22 60,1 – 90,0 76.637,36 53.399,47 7.950,84 13.861,20 10,1 – 30,0 10,1 – 30,0 47.095,55 1.177,55 0,1 – 10,0 24.036,03 31,76 0,1 – 10,0 10.369,05 8.165,60 60,1 – 90,0 9.451,33 9.451,33 90,1 – 100,0 15.076,64 24.073,45 10.405,58 14.378,11 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 36.592,04 6,79 0,1 – 10,0 30.079,66 14.393,43 30,1 – 60,0 212.862,21 20.704,97 0,1 – 10,0 80.481,63 9.015,38 10,1 – 30,0 64.734,97 20.356,13 16.870,16 320,74 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Ceará inseridos no Domínio da Mata Atlântica (46 Municípios – continuação) Município (1) Ubajara Umirim Uruburetama Viçosa do Ceará (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (há) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 29.051,16 9.088,73 30,1 – 60,0 32.118,04 1.942,51 0,1 – 10,0 12.517,11 9.989,44 60,1 – 90,0 130.285,28 51.808,86 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Espírito Santo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (77 Municípios) Município (1) Afonso Claúdio Água Doce do Norte Águia Branca Alegre Alfredo Chaves Alto Rio Novo Anchieta Apiacá Aracruz Atilio Vivacqua Baixo Guandu Barra de São Francisco Boa Esperança Bom Jesus do Norte Brejetuba Cachoeiro de Itapemirim Cariacica Castelo Colatina Conceição da Barra Conceição do Castelo Divino de São Lourenço Domingos Martins Dores do Rio Preto Ecoporanga Fundão Guaçuí Guarapari Ibatiba Ibiraçu Ibitirama Iconha Irupi Itaguaçu Itapemirim Itarana Iúna Jaguaré Jerônimo Mo nteiro João Neiva Laranja da Terra Linhares (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 95.498,87 95.498,87 90,1 – 100,0 48.405,64 48.405,64 90,1 – 100,0 45.057,00 45.057,00 90,1 – 100,0 77.847,86 77.847,86 90,1 – 100,0 61.654,34 23.406,67 61.654,34 23.406,67 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 41.816,41 41.731,69 90,1 – 100,0 19.434,44 19.434,44 90,1 – 100,0 141.906,08 141.839,51 90,1 – 100,0 22.710,03 22.710,03 90,1 – 100,0 93.065,40 94.514,61 93.065,40 94.514,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 42.568,30 42.568,30 90,1 – 100,0 8.561,01 8.561,01 90,1 – 100,0 34.485,19 34.485,19 90,1 – 100,0 89.292,65 89.292,6 5 90,1 – 100,0 28.560,94 66.339,75 28.560,94 66.339,75 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 178.938,68 178.938,68 90,1 – 100,0 103.964,08 103.798,72 90,1 – 100,0 36.172,22 36.172,22 90,1 – 100,0 17.595,48 17.595,48 90,1 – 100,0 124.091,29 15.339,05 124.091,29 15.339,05 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 229.020,43 229.020,43 90,1 – 100,0 27.007,69 26.996,46 90,1 – 100,0 46.802,42 46.802,42 90,1 – 100,0 58.224,41 57.969,71 90,1 – 100,0 22.789,20 20.101,05 22.789,20 20.101,05 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.656,98 32.656,98 90,1 – 100,0 20.297,13 20.297,13 90,1 – 100,0 20.694,47 20.694,47 90,1 – 100,0 53.265,88 53.265,88 90,1 – 100,0 55.584,08 29.927,80 55.548,62 29.927,80 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 45.598,98 45.598,98 90,1 – 100,0 72.006,69 72.006,69 90,1 – 100,0 16.358,74 16.358,74 90,1 – 100,0 27.254,02 27.254,02 90,1 – 100,0 44.995,44 346.061,30 44.995,44 345.775,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Espírito Santo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (77 Municípios – continuação) Município (1) Mantenópolis Marataizes Marechal Floriano Marilândia Mimoso do Sul Montanha Mucurici Muniz Freire Muqui Nova Venécia Pancas Pedro Canário Pinheiros Piúma Ponto Belo Presidente Kennedy Rio Bananal Rio Novo do Sul Santa Leopoldina Santa Maria de Jetibá Santa Teresa São Domingos do Norte São Gabriel da Palha São José do Calçado São Mateus São Roque do Canaã Serra Sooretama Vargem Alta Venda Nova do Imigrante Viana Vila Pavão Vila Valério Vila Velha Área total do Município (há) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 32.070,26 32.070,26 90,1 – 100,0 13.539,08 13.505,65 90,1 – 100,0 28.817,97 28.817,97 90,1 – 100,0 30.776,38 30.776,38 90,1 – 100,0 88.519,53 109.367,96 88.519,53 109.367,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 53.705,91 53.705,91 90,1 – 100,0 68.491,21 68.491,21 90,1 – 100,0 31.125,33 31.125,33 90,1 – 100,0 143.023,85 143.023,85 90,1 – 100,0 82.633,40 58.099,13 82.633,40 58.099,13 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 96.222,44 96.222,44 90,1 – 100,0 7.326,35 7.266,04 90,1 – 100,0 40.251,49 40.251,49 90,1 – 100,0 58.832,54 58.816,94 90,1 – 100,0 69.638,39 20.573,26 69.638,39 20.573,26 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 71.325,35 71.325,35 90,1 – 100,0 73.607,31 73.607,31 90,1 – 100,0 71.104,23 71.104,23 90,1 – 100,0 29.891,88 29.891,88 90,1 – 100,0 43.443,03 27.950,68 43.443,03 27.950,68 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 229.126,42 229.088,87 90,1 – 100,0 34.223,94 34.223,94 90,1 – 100,0 55.245,37 55.217,45 90,1 – 100,0 58.661,70 58.661,70 90,1 – 100,0 40.798,18 18.881,25 40.798,18 18.881,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 29.490,21 29.490,21 90,1 – 100,0 43.632,53 43.632,53 90,1 – 100,0 47.329,00 47.329,00 90,1 – 100,0 21.872,22 21.801,96 90,1 – 100,0 Vitória 8.927,30 8.909,85 90,1 – 100,0 (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99)

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Goiás inseridos no Domínio da Mata Atlântica (22 Municípios) Município (1) Água Limpa Bom Jesus de Goiás Buriti Alegre Cachoeira Alta Cachoeira Dourada Caçu Castelândia Corumbaíba Goiatuba Gouvelândia Inaciolândia Itajá Itarumã Itumbiara Marzagão Morrinhos Nova Aurora Panamá Paranaiguara Quirinópolis Rio Quente São Simão (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 45.424,70 36.299,10 60,1 – 90,0 140.970,23 35.426,35 10,1 – 30,0 90.001,47 48.141,87 30,1 – 60,0 165.954,58 31.735,39 10,1 – 30,0 52.273,31 225.779,16 43.131,15 101.161,92 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 29.834,82 1.988,52 0,1 – 10,0 188.068,44 78.865,02 30,1 – 60,0 248.309,23 24.443,62 0,1 – 10,0 83.355,34 83.355,34 90,1 – 100,0 69.025,93 255.822,71 50.814,63 23.265,85 60,1 – 90,0 0,1 – 10,0 344.422,59 23.963,77 0,1 – 10,0 246.491,61 125.656,90 30,1 – 60,0 22.898,48 14.029,91 60,1 – 90,0 285.490,78 26.864,46 0,1 – 10,0 30.376,43 43.513,47 1.076,80 99,97 0,1 – 10,0 0,1 – 10,0 115.730,44 115.730,44 90,1 – 100,0 379.192,67 238.311,92 60,1 – 90,0 25.770,77 5.376,53 10,1 – 30,0 41.529,79 41.529,79 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios) Município (1) Abre Campo Acaiaca Açucena Água Boa Água Comprida Aguanil Águas Formosas Águas Vermelhas Aimorés Aiuruoca Alagoa Albertina Além Paraíba Alfenas Alfredo Vasconcelos Almenara Alpercata Alpinópolis Alterosa Alto Caparaó Alto Jequitibá Alto Rio Doce Alvarenga Alvinópolis Alvorada de Minas Amparo do Serra Andradas Andrelândia Angelândia Antônio Carlos Antônio Dias Antônio Prado de Minas Aracitaba Araçuaí Araguari Arantina Araponga Araporã Arceburgo Arcos Areado Argirita Aricanduva Astolfo Dutra Ataléia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 47.257,83 47.257,83 90,1 – 100,0 10.105,32 10.105,32 90,1 – 100,0 81.422,21 81.422,21 90,1 – 100,0 132.158,97 132.158,97 90,1 – 100,0 49.089,2 0 18.331,68 30,1 – 60,0 23.571,79 23.470,14 90,1 – 100,0 82.003,44 82.003,44 90,1 – 100,0 126.202,00 135.312,89 126.202,00 135.312,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 65.169,92 65.169,92 90,1 – 100,0 16.203,87 16.203,87 90,1 – 100,0 5.786,93 5.786,93 90,1 – 100,0 51.252,15 51.252,15 90,1 – 100,0 84.889,28 84.889,28 90,1 – 100,0 12.274,95 12.274,95 90,1 – 100,0 230.843,14 230.843,14 90,1 – 100,0 16.778,43 16.778,43 90,1 – 100,0 46.164,09 37.902,46 60,1 – 90,0 36.704,46 36.704,46 90,1 – 100,0 13.027,23 13.027,23 90,1 – 100,0 15.324,19 15.324,19 90,1 – 100,0 52.041,70 52.041,70 90,1 – 100,0 36.835,11 36.835,11 90,1 – 100,0 60.123,93 60.123,93 90,1 – 100,0 37.626,13 37.626,13 90,1 – 100,0 14.632,05 14.632,05 90,1 – 100,0 46.849,75 100.699,02 46.849,75 100.699,02 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 53.752,95 53.752,95 90,1 – 100,0 52.646,17 52.646,17 90,1 – 100,0 88.042,84 88.042,84 90,1 – 100,0 8.531,52 8.531,52 90,1 – 100,0 10.598,16 10.598,16 90,1 – 100,0 224.336,19 121.771,40 30,1 – 60,0 274.112,15 103.598,29 30,1 – 60,0 8.959,91 8.959,91 90,1 – 100,0 30.522,92 30.115,62 30.522,92 26.370,41 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 16.289,40 16.289,40 90,1 – 100,0 51.425,23 32.719,75 60,1 – 90,0 28.162,06 28.162,06 90,1 – 100,0 15.979,53 15.979,53 90,1 – 100,0 24.525,51 24.525,51 90,1 – 100,0 15.961,84 15.961,84 90,1 – 100,0 184.708,90 184.708,90 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Augusto de Lima Baependi Bambuí Bandeira Bandeira do Sul Barão de Cocais Barão de Monte Alto Barbacena Barra Longa Barroso Bela Vista de Minas Belmiro Braga Belo Horizonte Belo Oriente Belo Vale Berizal Bertópolis Betim Bias Fortes Bicas Boa Esperança Bocaina de Minas Bom Jardim de Minas Bom Jesus da Penha Bom Jesus do Amparo Bom Jesus do Galho Bom Repouso Bom Sucesso Bonfim Borda da Mata Botelhos Brás Pires Brasópolis Braúnas Brumadinho Bueno Brandão Bugre Cabo Verde Cachoeira de Minas Cachoeira de Pajeú Cachoeira Dourada Caeté Caiana Cajuri Caldas (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 125.474,19 24.069,00 10,1 – 30,0 75.363,05 75.363,05 90,1 – 100,0 145.974,25 274,55 0,1 – 10,0 48.636,65 48.636,65 90,1 – 100,0 4.701,79 4.701,79 90,1 – 100,0 34.175,45 30.122,27 60,1 – 90,0 19.958,84 19.958,84 90,1 – 100,0 79.002,34 38.709,73 79.002,34 38.709,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.195,62 8.195,62 90,1 – 100,0 10.897,49 10.897,49 90,1 – 100,0 39.334,61 39.334,61 90,1 – 100,0 33.207,23 23.568,35 60,1 – 90,0 33.695,87 33.695,87 90,1 – 100,0 36.633,79 36.633,79 90,1 – 100,0 49.501,32 49.501,32 90,1 – 100,0 42.686,07 42.686,07 90,1 – 100,0 34.692,05 29.129,60 60,1 – 90,0 28.505,25 28.505,25 90,1 – 100,0 14.001,68 14.001,68 90,1 – 100,0 85.679,02 76.646,81 60,1 – 90,0 50.259,68 50.259,68 90,1 – 100,0 39.632,16 39.632,16 90,1 – 100,0 20.915,69 20.915,69 90,1 – 100,0 19.603,41 670,00 0,1 – 10,0 59.284,77 59.284,77 90,1 – 100,0 23.050,85 70.828,00 23.050,85 70.828,00 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.967,84 30.967,84 90,1 – 100,0 30.086,81 30.086,81 90,1 – 100,0 33.452,19 33.452,19 90,1 – 100,0 22.394,59 22.394,59 90,1 – 100,0 36.200,33 36.200,33 90,1 – 100,0 37.834,81 37.834,81 90,1 – 100,0 63.417,51 63.417,51 90,1 – 100,0 35.602,08 35.602,08 90,1 – 100,0 16.282,79 36.843,69 16.282,79 36.843,69 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.616,36 30.616,36 90,1 – 100,0 68.101,92 68.101,92 90,1 – 100,0 20.323,15 20.322,78 90,1 – 100,0 54.260,49 29.962,18 30,1 – 60,0 10.718,73 10.718,73 90,1 – 100,0 8.368,48 8.368,48 90,1 – 100,0 71.578,45 71.578,45 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Camacho Camanducaia Cambuí Cambuquira Campanário Campanha Campestre Campina Verde Campo Azul Campo Belo Campo do Meio Campos Gerais Cana Verde Canaã Canápolis Candeias Cantagalo Caparaó Capela Nova Capelinha Capetinga Capinópolis Capitão Andrade Capitão Enéas Caputira Caraí Caranaíba Carandaí Carangola Caratinga Careaçu Carlos Chagas Carmésia Carmo da Cachoeira Carmo da Mata Carmo de Minas Carmo do Cajuru Carmo do Rio Claro Carmópolis de Minas Carneirinho Carrancas Carvalhópolis Carvalhos Casa Grande Cássia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 22.273,37 22.273,37 90,1 – 100,0 52.873,92 52.873,92 90,1 – 100,0 24.337,40 24.337,40 90,1 – 100,0 24.657,50 24.657,50 90,1 – 100,0 44.285,51 44.285,51 90,1 – 100,0 33.680,43 33.680,43 90,1 – 100,0 57.866,75 57.866,75 90,1 – 100,0 366.970,93 50.779,41 253.395,92 29.579,50 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 53.119,14 53.119,14 90,1 – 100,0 27.457,73 27.457,73 90,1 – 100,0 77.128,81 77.128,81 90,1 – 100,0 21.166,53 21.166,53 90,1 – 100,0 17.556,87 17.556,87 90,1 – 100,0 84.842,55 45.539,74 30,1 – 60,0 72.284,50 47.664,62 60,1 – 90,0 14.211,84 14.211,84 90,1 – 100,0 10.484,90 10.484,90 90,1 – 100,0 11.118,74 11.118,74 90,1 – 100,0 96.991,44 57.534,95 30,1 – 60,0 29.759,26 29.759,26 90,1 – 100,0 62.326,42 62.326,42 90,1 – 100,0 27.718,33 27.718,33 90,1 – 100,0 97.352,40 97.352,40 90,1 – 100,0 18.876,08 18.876,08 90,1 – 100,0 124.425,11 124.425,11 90,1 – 100,0 16.042,23 48.775,41 16.042,23 48.775,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.696,75 35.696,75 90,1 – 100,0 125.512,29 125.512,29 90,1 – 100,0 18.192,23 18.192,23 90,1 – 100,0 324.796,07 324.796,07 90,1 – 100,0 25.941,14 25.941,14 90,1 – 100,0 50.730,81 50.730,81 90,1 – 100,0 35.759,08 35.696,76 90,1 – 100,0 32.431,49 32.431,49 90,1 – 100,0 45.629,20 106.553,63 8.971,14 101.470,12 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 40.189,08 40.189,08 90,1 – 100,0 206.293,59 206.293,59 90,1 – 100,0 73.002,27 73.002,27 90,1 – 100,0 8.078,77 8.078,77 90,1 – 100,0 28.315,75 28.315,75 90,1 – 100,0 15.829,99 15.829,99 90,1 – 100,0 64.581,68 60.302,00 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Cataguases Catas Altas Catas Altas da Noruega Catuji Catuti Caxambu Central de Minas Centralina Chácara Chalé Chapada do Norte Chapada Gaúcha Chiador Cipotânea Claraval Cláudio Coimbra Coluna Comercinho Conceição da Aparecida Conceição da Barra de Minas Conceição das Alagoas Conceição das Pedras Conceição de Ipanema Conceição do Mato Dentro Conceição do Pará Conceição do Rio Verde Conceição dos Ouros Cônego Marinho Congonhal Congonhas Congonhas do Norte Conquista Conselheiro Lafaiete Conselheiro Pena Consolação Contagem Coqueiral Coração de Jesus Cordislândia Coroaci Coronel Fabriciano Coronel Murta Coronel Pacheco Coronel Xavier Chaves (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 48.348,73 48.348,73 90,1 – 100,0 24.091,36 24.091,36 90,1 – 100,0 14.372,38 14.372,38 90,1 – 100,0 42.237,56 42.237,56 90,1 – 100,0 28.708,01 28.708,01 90,1 – 100,0 10.043,15 10.043,15 90,1 – 100,0 20.414,63 20.414,63 90,1 – 100,0 32.267,04 15.928,04 16.315,94 15.928,04 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 21.318,76 21.318,76 90,1 – 100,0 83.099,14 27.443,66 30,1 – 60,0 247.692,19 1.397,97 0,1 – 10,0 25.303,43 25.303,43 90,1 – 100,0 15.395,8 6 15.395,86 90,1 – 100,0 21.143,56 13.747,32 60,1 – 90,0 63.214,89 32.039,66 30,1 – 60,0 10.712,32 10.712,32 90,1 – 100,0 34.868,87 34.868,87 90,1 – 100,0 66.522,08 66.522,08 90,1 – 100,0 35.049,09 35.049,09 90,1 – 100,0 27.384,05 27.384,05 90,1 – 100,0 135.235,90 1.079,89 0,1 – 10,0 10.203,11 10.203,11 90,1 – 100,0 25.534,95 25.534,95 90,1 – 100,0 167.650,01 114.431,38 60,1 – 90,0 25.022,94 810,11 0,1 – 10,0 37.094,94 18.316,91 37.094,94 18.316,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 162.383,67 22.983,09 10,1 – 30,0 20.614,15 20.614,15 90,1 – 100,0 30.649,92 30.649,92 90,1 – 100,0 48.437,91 14.376,70 10,1 – 30,0 61.804,76 61.007,90 90,1 – 100,0 37.125,63 37.125,63 90,1 – 100,0 141.275,42 141.275,42 90,1 – 100,0 8.616,00 8.616,00 90,1 – 100,0 19.514,05 29.732,18 12.018,03 29.732,18 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 224.362,91 3.592,49 0,1 – 10,0 17.960,76 17.960,76 90,1 – 100,0 57.871,27 57.871,27 90,1 – 100,0 22.160,49 22.160,49 90,1 – 100,0 81.661,55 18.341,36 10,1 – 30,0 12.242,30 12.242,30 90,1 – 100,0 14.140,92 14.140,9 2 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Córrego do Bom Jesus Córrego Fundo Córrego Novo Couto de Magalhães de Minas Crisólita Cristais Cristiano Otoni Cristina Crucilândia Cruzília Cuparaque Curral de Dentro Curvelo Datas Delfim Moreira Delfinópolis Delta Descoberto Desterro de Entre Rios Desterro do Melo Diamantina Diogo de Vasconcelos Dionísio Divinésia Divino Divino das Laranjeiras Divinolândia de Minas Divinópolis Divisa Alegre Divisa Nova Divisópolis Dom Cavati Dom Joaquim Dom Silvério Dom Viçoso Dona Euzébia Dores de Campos Dores de Guanhães Dores do Turvo Doresópolis Durandé Elói Mendes Engenheiro Caldas Entre Folhas Entre Rios de Minas (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 12.344,21 12.344,21 90,1 – 100,0 10.577,26 1.430,90 10,1 – 30,0 19.838,10 19.838,10 90,1 – 100,0 48.507,35 2.722,89 0,1 – 10,0 97.267,00 97.267,00 90,1 – 100,0 62.955,30 10.404,41 10,1 – 30,0 13.324,96 13.324,96 90,1 – 100,0 31.255,24 16.701,97 31.255,24 16.701,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 52.495,98 52.495,98 90,1 – 100,0 22.835,99 22.835,99 90,1 – 100,0 57.298,54 37.460,60 60,1 – 90,0 330.573,77 1.525,77 0,1 – 10,0 28.712,91 4.246,99 10,1 – 30,0 40.916,44 40.916,44 90,1 – 100,0 138.216,90 74.472,05 30,1 – 60,0 10.465,81 10.465,81 90,1 – 100,0 21.381,49 21.381,49 90,1 – 100,0 37.101,97 37.101,97 90,1 – 100,0 14.285,53 14.285,53 90,1 – 100,0 399.324,10 425,28 0,1 – 10,0 16.561,94 16.561,94 90,1 – 100,0 34.437,47 34.437,47 90,1 – 100,0 11.866,25 11.866,25 90,1 – 100,0 33.950,99 33.950,99 90,1 – 100,0 34.353,38 34.353,38 90,1 – 100,0 15.999,51 71.063,53 15.999,51 9.316,68 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 11.898,77 11.898,77 90,1 – 100,0 21.729,36 21.729,36 90,1 – 100,0 56.808,00 56.808,00 90,1 – 100,0 6.921,38 6.921,38 90,1 – 100,0 40.787,76 40.787,76 90,1 – 100,0 19.557,35 19.557,35 90,1 – 100,0 11.348,08 11.348,08 90,1 – 100,0 5.471,42 5.471,42 90,1 – 100,0 12.770,46 38.332,61 12.770,46 38.332,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.194,95 23.194,95 90,1 – 100,0 15.356,03 9.894,79 60,1 – 90,0 21.834,03 21.834,03 90,1 – 100,0 49.943,29 49.943,29 90,1 – 100,0 18.832,30 18.832,30 90,1 – 100,0 8.600,40 8.600,40 90,1 – 100,0 46.416,92 46.416,92 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Ervália Esmeraldas Espera Feliz Espinosa Espírito Santo do Dourado Estiva Estrela Dalva Eugenópolis Ewbank da Câmara Extrema Fama Faria Lemos Felício dos Santos Felisburgo Fernandes Tourinho Ferros Fervedouro Florestal Formiga Fortaleza de Minas Francisco Badaró Francisco Sá Franciscópolis Frei Gaspar Frei Inocêncio Frei Lagonegro Fronteira dos Vales Fruta de Leite Frutal Galiléia Gameleiras Goiabeira Goianá Gonçalves Gonzaga Gouvêa Governador Valadares Guanhães Guapé Guaraciaba Guaranésia Guarani Guarará Guaxupé Guidoval (1) IBGE, 1997 (2) SistemadeInformaçõesGeográficasdoISA–InstitutoSocioambiental(2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 35.825,69 35.825,69 90,1 – 100,0 91.234,75 2.153,79 0,1 – 10,0 32.643,07 32.643,07 90,1 – 100,0 186.752,14 131.296,34 60,1 – 90,0 26.452,16 26.452,16 90,1 – 100,0 24.596,79 24.596,79 90,1 – 100,0 13.226,70 13.226,70 90,1 – 100,0 31.141,44 10.401,85 31.141,44 10.401,85 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.376,19 24.376,19 90,1 – 100,0 8.798,99 8.798,99 90,1 – 100,0 16.284,36 16.284,36 90,1 – 100,0 36.012,97 14.085,31 30,1 – 60,0 59.607,42 59.607,42 90,1 – 100,0 15.317,83 15.317,83 90,1 – 100,0 109.324,42 109.324,42 90,1 – 100,0 35.836,92 35.836,92 90,1 – 100,0 19.492,52 9.053,22 30,1 – 60,0 150.354,51 48.763,97 30,1 – 60,0 22.070,00 22.070,00 90,1 – 100,0 47.239,89 1.135,45 0,1 – 10,0 275.908,22 109.210,59 30,1 – 60,0 70.631,27 70.631,27 90,1 – 100,0 63.013,38 63.013,38 90,1 – 100,0 46.963,53 46.963,53 90,1 – 100,0 16.983,75 16.983,75 90,1 – 100,0 31.998,40 76.045,76 31.998,40 1.812,24 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 243.667,81 459,56 0,1 – 10,0 72.341,67 72.341,67 90,1 – 100,0 173.972,72 173.972,72 90,1 – 100,0 11.166,61 11.166,61 90,1 – 100,0 15.351,84 15.351,84 90,1 – 100,0 18.964,43 18.964,43 90,1 – 100,0 21.130,10 21.130,10 90,1 – 100,0 87.767,17 853,94 0,1 – 10,0 235.553,67 107.951,29 235.553,67 107.951,29 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 93.756,73 341,68 0,1 – 10,0 34.952,86 34.952,86 90,1 – 100,0 29.509,73 29.509,73 90,1 – 100,0 26.564,82 26.564,82 90,1 – 100,0 8.884,72 8.884,72 90,1 – 100,0 28.648,74 28.648,74 90,1 – 100,0 15.946,36 15.946,36 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Guiricema Gurinhatã Heliodora Iapu Ibertioga Ibiaí Ibiracatu Ibiraci Ibirité Ibitiúra de Minas Ibituruna Icaraí de Minas Igarapé Igaratinga Iguatama Ijaci Ilicínea Imbé de Minas Inconfidentes Indaiabira Indianópolis Ingaí Inhapim Ipaba Ipanema Ipatinga Ipiaçu Ipuiúna Itabira Itabirinha de Mantena Itabirito Itacarambi Itaguara Itaipé Itajubá Itamarandiba Itamarati de Minas Itambacuri Itambé do Mato Dentro Itamogi Itamonte Itanhandu Itanhomi Itaobim Itapagipe (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 29.514,00 29.514,00 90,1 – 100,0 183.664,43 21.587,58 10,1 – 30,0 15.416,58 15.416,58 90,1 – 100,0 33.825,24 33.825,24 90,1 – 100,0 35.444,09 35.444,09 90,1 – 100,0 87.343,94 41.067,22 30,1 – 60,0 36.022,77 10.957,56 30,1 – 60,0 60.032,23 7.317,38 21.802,44 7.317,38 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 6.850,97 6.850,97 90,1 – 100,0 15.891,34 15.891,34 90,1 – 100,0 61.877,36 20.829,78 30,1 – 60,0 11.020,68 11.020,68 90,1 – 100,0 22.002,56 4.716,43 10,1 – 30,0 62.981,56 12.649,30 10,1 – 30,0 10.559,22 10.559,22 90,1 – 100,0 38.306,01 25.199,17 60,1 – 90,0 19.517,03 19.517,03 90,1 – 100,0 14.982,85 14.982,85 90,1 – 100,0 101.187,89 28.110,10 10,1 – 30,0 83.125,26 6.105,43 0,1 – 10,0 30.573,05 30.573,05 90,1 – 100,0 85.048,84 85.048,84 90,1 – 100,0 11.480,28 11.480,28 90,1 – 100,0 45.968,16 45.968,16 90,1 – 100,0 16.602,28 16.602,28 90,1 – 100,0 46.888,45 29.956,54 46.606,95 29.956,54 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 126.029,37 82.442,00 60,1 – 90,0 20.890,40 20.890,40 90,1 – 100,0 54.675,29 54.675,29 90,1 – 100,0 125.648,01 116.091,76 90,1 – 100,0 41.195,43 41.167,65 90,1 – 100,0 48.249,65 48.249,65 90,1 – 100,0 29.125,20 29.125,20 90,1 – 100,0 274.502,76 134.596,51 30,1 – 60,0 11.851,03 142.309,96 11.851,03 142.309,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 38.210,23 20.229,94 30,1 – 60,0 23.707,97 18.736,74 60,1 – 90,0 43.167,13 43.167,13 90,1 – 100,0 14.420,11 14.420,11 90,1 – 100,0 48.869,93 48.869,93 90,1 – 100,0 68.213,07 68.213,07 90,1 – 100,0 180.075,51 87.035,73 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Itapecerica Itapeva Itatiaiuçu Itaú de Minas Itaúna Itaverava Itinga Itueta Ituiutaba Itumirim Iturama Itutinga Jacinto Jacuí Jacutinga Jaguaraçu Jaíba Jampruca Janaúba Lagoas Japaraíba Japonvar Jeceaba Jenipapo de Minas Jequeri Jequitinhonha Jesuânia Joaíma Joanésia João Monlevade Jordânia José Raydan Juatuba Juiz de Fora Juruaia Juvenília Ladainha Lagoa da Prata Lagoa Dourada Lajinha Lambari Lamim Laranjal Lavras Leandro Ferreira (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 104.483,17 74.217,14 60,1 – 90,0 17.850,44 17.850,44 90,1 – 100,0 29.574,05 29.574,05 90,1 – 100,0 15.331,04 15.331,04 90,1 – 100,0 49.754,26 36.863,04 60,1 – 90,0 28.347,84 28.347,84 90,1 – 100,0 164.968,15 150.474,08 90,1 – 100,0 45.658,94 259.538,40 45.658,94 111.525,37 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 24.264,63 24.264,63 90,1 – 100,0 140.548,25 140.548,25 90,1 – 100,0 36.622,28 36.622,28 90,1 – 100,0 139.534,10 139.534,10 90,1 – 100,0 41.168,60 41.168,60 90,1 – 100,0 34.784,86 34.784,86 90,1 – 100,0 16.724,30 16.724,30 90,1 – 100,0 273.325,54 273.325,54 90,1 – 100,0 52.249,87 52.249,87 90,1 – 100,0 219.682,08 198.864,88 90,1 – 100,0 732.519,01 233.491,01 30,1 – 60,0 17.278,53 1.154,95 0,1 – 10,0 37.589,79 2.652,60 0,1 – 10,0 23.639,73 23.639,73 90,1 – 100,0 28.563,64 23.577,12 60,1 – 90,0 54.952,06 54.952,06 90,1 – 100,0 352.940,02 352.940,02 90,1 – 100,0 15.360,58 167.261,99 15.360,58 167.261,99 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.393,39 23.393,39 90,1 – 100,0 9.951,87 9.951,87 90,1 – 100,0 55.103,01 55.103,01 90,1 – 100,0 18.216,79 18.216,79 90,1 – 100,0 9.716,54 9.716,54 90,1 – 100,0 144.275,24 144.275,24 90,1 – 100,0 21.637,87 21.637,87 90,1 – 100,0 110.008,97 108.397,51 90,1 – 100,0 86.821,89 44.087,69 86.821,89 534,06 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 47.925,71 47.925,71 90,1 – 100,0 43.035,63 43.035,63 90,1 – 100,0 21.383,14 21.383,14 90,1 – 100,0 11.853,83 11.853,83 90,1 – 100,0 20.468,79 20.468,79 90,1 – 100,0 56.602,76 56.602,76 90,1 – 100,0 35.624,63 4.306,15 10,1 – 30,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Leopoldina Liberdade Lima Duarte Limeira do Oeste Luisburgo Luminárias Machacalis Machado Madre de Deus de Minas Malacacheta Mamonas Manga Manhuaçu Manhumirim Mantena Mar de Espanha Maravilhas Maria da Fé Mariana Marilac Mário Campos Maripá de Minas Marliéria Marmelópolis Martins Soares Mata Verde Materlândia Mateus Leme Mathias Lobato Matias Barbosa Matias Cardoso Matipó Mato Verde Matutina Medina Mendes Pimentel Mercês Mesquita Minas Novas Minduri Mirabela Miradouro Miraí Miravânia Moeda (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 94.510,86 94.510,86 90,1 – 100,0 40.327,18 40.327,18 90,1 – 100,0 85.033,77 85.033,77 90,1 – 100,0 132.132,66 131.993,70 90,1 – 100,0 14.651,71 14.651,71 90,1 – 100,0 49.997,68 49.997,68 90,1 – 100,0 33.094,88 33.094,88 90,1 – 100,0 58.538,80 49.492,44 58.538,80 49.492,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 73.342,00 73.342,00 90,1 – 100,0 29.142,92 29.142,92 90,1 – 100,0 195.622,04 191.422,69 90,1 – 100,0 62.900,72 62.900,72 90,1 – 100,0 18.418,70 18.418,70 90,1 – 100,0 68.462,03 68.462,03 90,1 – 100,0 37.322,27 37.322,27 90,1 – 100,0 26.100,14 2.571,31 0,1 – 10,0 20.444,42 20.444,42 90,1 – 100,0 119.657,30 119.657,30 90,1 – 100,0 16.464,68 16.464,68 90,1 – 100,0 3.530,86 3.530,86 90,1 – 100,0 7.788,17 7.788,17 90,1 – 100,0 54.299,06 54.299,06 90,1 – 100,0 10.812,24 10.812,24 90,1 – 100,0 11.313,37 11.313,37 90,1 – 100,0 23.125,86 23.125,86 90,1 – 100,0 28.330,87 30.321,61 28.330,87 30.321,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.125,11 17.125,11 90,1 – 100,0 15.706,41 15.706,41 90,1 – 100,0 196.162,64 196.162,64 90,1 – 100,0 27.779,96 27.779,96 90,1 – 100,0 47.626,94 21.203,85 30,1 – 60,0 26.065,24 20.889,69 60,1 – 90,0 144.701,35 144.701,35 90,1 – 100,0 30.440,08 30.440,08 90,1 – 100,0 35.371,70 27.589,97 35.371,70 27.589,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 183.482,69 36.505,70 10,1 – 30,0 22.083,95 22.083,95 90,1 – 100,0 72.318,11 9.376,77 10,1 – 30,0 30.224,57 30.224,57 90,1 – 100,0 32.149,03 32.149,03 90,1 – 100,0 60.511,93 18.433,50 30,1 – 60,0 15.462,06 15.462,06 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Monjolos Monsenhor Paulo Montalvânia Monte Alegre de Minas Monte Azul Monte Belo Monte Formoso Monte Santo de Minas Monte Sião Montes Claros Montezuma Morro do Pilar Munhoz Muriaé Mutum Muzambinho Nacip Raydan Nanuque Naque Natércia Nazareno Nepomuceno Ninheira Nova Belém Nova Era Nova Lima Nova Módica Nova Porteirinha Nova Resende Novo Cruzeiro Novo Oriente de Minas Novorizonte Olaria Olímpio Noronha Oliveira Oliveira Fortes Onça de Pitangui Oratórios Orizânia Ouro Branco Ouro Fino Ouro Preto Ouro Verde de Minas Padre Paraíso Pai Pedro (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 65.443,81 18.664,66 10,1 – 30,0 21.721,09 21.721,09 90,1 – 100,0 148.981,67 77.986,77 30,1 – 60,0 261.498,37 21.812,84 0,1 – 10,0 101.087,45 70.588,66 60,1 – 90,0 42.241,20 42.241,20 90,1 – 100,0 38.528,48 38.528,48 90,1 – 100,0 59.255,89 29.114,62 47.905,27 29.114,62 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 359.428,59 96.620,75 10,1 – 30,0 113.984,63 70.967,32 60,1 – 90,0 47.802,98 12.152,01 10,1 – 30,0 19.094,97 19.094,97 90,1 – 100,0 84.570,02 84.570,02 90,1 – 100,0 125.984,30 125.984,30 90,1 – 100,0 41.003,54 41.003,54 90,1 – 100,0 22.932,13 22.932,13 90,1 – 100,0 151.539,19 151.539,19 90,1 – 100,0 13.016,97 13.016,97 90,1 – 100,0 19.082,04 19.082,04 90,1 – 100,0 32.419,89 32.419,89 90,1 – 100,0 58.365,47 58.365,47 90,1 – 100,0 111.859,55 111.859,55 90,1 – 100,0 14.911,44 14.911,44 90,1 – 100,0 36.437,25 36.437,25 90,1 – 100,0 42.953,31 42.953,31 90,1 – 100,0 37.828,80 12.135,77 37.828,80 12.135,77 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 39.506,73 39.506,73 90,1 – 100,0 170.608,10 170.608,10 90,1 – 100,0 75.661,96 75.661,96 90,1 – 100,0 26.797,98 2.552,25 0,1 – 10,0 17.889,83 17.889,83 90,1 – 100,0 5.399,33 5.399,33 90,1 – 100,0 89.911,49 89.911,49 90,1 – 100,0 11.104,17 11.104,17 90,1 – 100,0 24.782,34 8.925,42 24.450,50 8.925,42 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.184,78 12.184,78 90,1 – 100,0 26.079,60 26.079,60 90,1 – 100,0 53.538,26 53.538,26 90,1 – 100,0 124.844,44 124.844,44 90,1 – 100,0 17.560,05 17.560,05 90,1 – 100,0 54.560,65 54.560,65 90,1 – 100,0 78.771,92 78.771,92 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Pains Paiva Palma Palmópolis Papagaios Pará de Minas Paraguaçu Paraisópolis Passa Quatro Passa Tempo Passa Vinte Passabém Passos Patis Patrocínio do Muriaé Paula Cândido Paulistas Pavão Peçanha Pedra Azul Pedra Bonita Pedra do Anta Pedra do Indaiá Pedra Dourada Pedralva Pedras de Maria da Cruz Pedro Teixeira Pequeri Pequi Perdões Periquito Pescador Piau Piedade de Caratinga Piedade de Ponte Nova Piedade do Rio Grande Piedade dos Gerais Pingo d’Água Pintópolis Piracema Piranga Piranguçu Piranguinho Pirapetinga Piraúba (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 41.947,63 23.042,95 30,1 – 60,0 5.854,31 5.854,31 90,1 – 100,0 31.889,60 31.889,60 90,1 – 100,0 43.807,78 43.807,78 90,1 – 100,0 55.449,26 241,40 0,1 – 10,0 55.273,04 37.284,41 60,1 – 90,0 42.620,79 42.620,79 90,1 – 100,0 33.253,22 27.733,52 33.253,22 27.733,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 43.059,03 43.059,03 90,1 – 100,0 24.627,99 24.627,99 90,1 – 100,0 9.489,66 9.489,66 90,1 – 100,0 134.179,95 117.736,96 60,1 – 90,0 44.612,18 31.484,45 60,1 – 90,0 10.883,92 10.883,92 90,1 – 100,0 26.950,82 26.950,82 90,1 – 100,0 22.082,18 22.082,18 90,1 – 100,0 60.161,72 60.161,72 90,1 – 100,0 99.895,94 99.895,94 90,1 – 100,0 162.432,35 162.432,35 90,1 – 100,0 16.386,12 16.386,12 90,1 – 100,0 16.429,34 16.429,34 90,1 – 100,0 35.000,97 35.000,97 90,1 – 100,0 7.064,96 7.064,96 90,1 – 100,0 21.779,53 21.779,53 90,1 – 100,0 152.570,78 134.010,32 60,1 – 90,0 11.346,53 9.100,09 11.346,53 9.100,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.469,45 7.385,94 30,1 – 60,0 27.784,56 27.784,56 90,1 – 100,0 22.788,80 22.788,80 90,1 – 100,0 31.868,25 31.868,25 90,1 – 100,0 19.182,53 19.182,53 90,1 – 100,0 11.511,91 11.511,91 90,1 – 100,0 8.424,14 8.424,14 90,1 – 100,0 32.357,91 32.357,91 90,1 – 100,0 26.144,25 6.720,78 26.144,25 6.720,78 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 123.642,19 605,09 0,1 – 10,0 28.108,06 28.108,06 90,1 – 100,0 65.947,42 65.947,42 90,1 – 100,0 20.712,78 20.712,78 90,1 – 100,0 13.047,47 13.047,47 90,1 – 100,0 19.266,91 19.266,91 90,1 – 100,0 14.440,48 14.440,48 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Pitangui Poço Fundo Poços de Caldas Pocrane Ponte Nova Ponto Chique Ponto dos Volantes Porteirinha Porto Firme Poté Pouso Alegre Pouso Alto Prados Prata Pratápolis Presidente Bernardes Presidente Kubitschek Queluzita Raposos Raul Soares Recreio Reduto Resende Costa Resplendor Ressaquinha Riacho dos Machados Ribeirão Vermelho Rio Acima Rio Casca Rio do Prado Rio Doce Rio Espera Rio Manso Rio Novo Rio Paranaíba Rio Pardo de Minas Rio Piracicaba Rio Pomba Rio Preto Rio Vermelho Ritápolis Rochedo de Minas Rodeiro Rosário da Limeira Rubelita (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 57.012,77 22.569,61 30,1 – 60,0 47.558,69 47.558,69 90,1 – 100,0 54.559,37 54.559,37 90,1 – 100,0 69.360,23 69.360,23 90,1 – 100,0 47.174,67 47.174,67 90,1 – 100,0 60.434,28 13.081,19 10,1 – 30,0 121.956,72 121.956,72 90,1 – 100,0 181.251,62 28.571,10 136.844,71 28.571,10 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 63.494,86 63.494,86 90,1 – 100,0 54.537,86 54.537,86 90,1 – 100,0 26.202,94 26.202,94 90,1 – 100,0 26.385,65 26.385,65 90,1 – 100,0 488.267,11 910,80 0,1 – 10,0 21.478,90 21.478,90 90,1 – 100,0 23.757,74 23.757,74 90,1 – 100,0 19.010,23 19.007,42 90,1 – 100,0 15.348,00 15.348,00 90,1 – 100,0 7.216,65 7.216,65 90,1 – 100,0 77.352,87 77.352,87 90,1 – 100,0 23.471,57 23.471,57 90,1 – 100,0 15.188,48 15.188,48 90,1 – 100,0 63.343,70 63.343,70 90,1 – 100,0 107.555,19 107.555,19 90,1 – 100,0 19.371,53 19.371,53 90,1 – 100,0 131.305,72 984,30 0,1 – 10,0 4.031,44 22.867,57 4.031,44 22.867,57 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 38.557,61 38.557,61 90,1 – 100,0 48.101,15 48.101,15 90,1 – 100,0 11.267,17 11.267,17 90,1 – 100,0 24.045,13 24.045,13 90,1 – 100,0 23.284,76 23.284,76 90,1 – 100,0 20.830,94 20.830,94 90,1 – 100,0 135.759,00 179,77 0,1 – 10,0 312.938,01 137.221,71 30,1 – 60,0 37.140,34 25.251,27 37.140,34 25.251,27 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.785,75 34.785,75 90,1 – 100,0 97.323,98 97.323,98 90,1 – 100,0 39.292,58 39.292,58 90,1 – 100,0 7.978,84 7.978,84 90,1 – 100,0 7.206,86 7.206,86 90,1 – 100,0 11.251,10 11.251,10 90,1 – 100,0 111.017,61 52.082,50 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Rubim Sabará Sabinópolis Sacramento Salinas Salto da Divisa Santa Bárbara Santa Bárbara do Leste Santa Bárbara do Monte Verde Santa Bárbara do Tugúrio Santa Cruz de Minas Santa Cruz de Salinas Santa Cruz do Escalvado Santa Ifigênica de Minas Santa Helena de Minas Santa Luzia Santa Margarida Santa Maria de Itabira Santa Maria do Salto Santa Maria do Suaçuí Santa Rita de Caldas Santa Rita de Ibitipoca Santa Rita de Jacutinga Santa Rita de Minas Santa Rita do Itueto Santa Rita do Sapucaí Santa Vitória Santana da Vargem Santana de Cataguases Santana do Deserto Santana do Ga rambéu Santana do Jacaré Santana do Manhuaçu Santana do Paraíso Santana dos Montes Santo Antônio do Amparo Santo Antônio do Aventureiro Santo Antônio do Grama Santo Antônio do Itambé Santo Antônio do Jacinto Santo Antônio do Monte Santo Antônio do Retiro Santo Antônio do Rio Abaixo Santo Hipólito Santos Dumont (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 97.196,68 97.196,68 90,1 – 100,0 30.449,61 19.949,24 60,1 – 90,0 92.220,20 92.220,20 90,1 – 100,0 308.030,52 46.844,47 10,1 – 30,0 189.472,38 147.837,92 60,1 – 90,0 94.696,03 94.696,03 90,1 – 100,0 68.603,93 68.603,93 90,1 – 100,0 11.107,67 41.734,87 11.107,67 41.734,87 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.045,37 16.045,37 90,1 – 100,0 285,90 285,90 90,1 – 100,0 58.125,01 55.401,28 90,1 – 100,0 25.888,65 25.888,65 90,1 – 100,0 13.257,90 13.257,90 90,1 – 100,0 27.761,24 27.761,24 90,1 – 100,0 23.445,21 863,58 0,1 – 10,0 25.696,74 25.696,74 90,1 – 100,0 51.135,57 51.135,57 90,1 – 100,0 44.351,63 44.351,63 90,1 – 100,0 62.545,88 62.545,88 90,1 – 100,0 50.353,45 50.353,45 90,1 – 100,0 32.493,02 32.493,02 90,1 – 100,0 43.875,11 43.875,11 90,1 – 100,0 6.778,42 6.778,42 90,1 – 100,0 48.793,92 48.793,92 90,1 – 100,0 35.167,88 35.167,88 90,1 – 100,0 302.196,24 17.319,87 117.792,01 17.319,87 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 16.316,44 16.316,44 90,1 – 100,0 18.264,41 18.264,41 90,1 – 100,0 20.324,31 20.324,31 90,1 – 100,0 10.595,50 10.595,50 90,1 – 100,0 34.791,34 34.791,34 90,1 – 100,0 27.621,67 27.621,67 90,1 – 100,0 19.698,04 19.698,04 90,1 – 100,0 49.325,99 49.325,99 90,1 – 100,0 20.238,58 13.008,52 20.238,58 13.008,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.470,48 30.470,48 90,1 – 100,0 49.893,10 49.893,10 90,1 – 100,0 113.267,23 56.999,16 30,1 – 60,0 79.945,88 41.262,42 30,1 – 60,0 10.746,42 10.746,42 90,1 – 100,0 43.184,75 16.342,01 30,1 – 60,0 63.929,47 63.929,47 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) São Bento Abade São Brás do Suaçuí São Domingos das Dores São Domingos do Prata São Félix de Minas São Francisco São Francisco de Paula São Francisco de Sales São Francisco do Glória São Geraldo São Geraldo da Piedade São Geraldo do Baixio São Gonçalo do Rio Abaixo São Gonçalo do Sapucaí São Gotardo São João Batista do Glória São João da Mata São João da Ponte São João das Missões São João Del Rei São João do Manhuaçu São João do Manteninha São João do Oriente São João do Paraíso São João Evangelista São João Nepomuceno São Joaquim de Bicas São José da Barra São José da Safira São José da Varginha São José do Alegre São José do Divino São José do Goiabal São José do Jacuri São José do Mantimento São Lourenço São Miguel do Anta São Pedro da União São Pedro do Suaçuí São Pedro dos Ferros São Sebastião da Bela Vista São Sebastião da Vargem Alegre São Sebastião do Anta São Sebastião do Maranhão São Sebastião do Oeste (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 8.067,56 8.067,56 90,1 – 100,0 11.074,00 11.074,00 90,1 – 100,0 6.141,93 6.141,93 90,1 – 100,0 74.918,40 74.918,40 90,1 – 100,0 16.629,79 16.629,79 90,1 – 100,0 330.966,51 148.605,44 30,1 – 60,0 31.722,90 31.722,90 90,1 – 100,0 113.233,04 16.458,40 113.233,04 16.458,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.928,13 18.928,13 90,1 – 100,0 15.391,91 15.391,91 90,1 – 100,0 28.107,91 28.107,91 90,1 – 100,0 36.558,85 35.434,77 90,1 – 100,0 51.936,01 51.936,01 90,1 – 100,0 85.594,50 35.506,92 30,1 – 60,0 55.139,66 36.025,39 60,1 – 90,0 12.089,27 12.089,27 90,1 – 100,0 185.554,80 172.475,97 90,1 – 100,0 67.773,73 51.761,21 60,1 – 90,0 146.763,57 146.763,57 90,1 – 100,0 14.284,13 14.284,13 90,1 – 100,0 13.990,82 13.990,82 90,1 – 100,0 12.049,04 12.049,04 90,1 – 100,0 192.736,49 186.922,06 90,1 – 100,0 48.026,25 48.026,25 90,1 – 100,0 40.894,99 40.894,99 90,1 – 100,0 7.278,58 31.318,64 7.278,58 4.264,00 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 21.511,37 21.511,37 90,1 – 100,0 20.563,24 5.717,43 10,1 – 30,0 8.940,53 8.940,53 90,1 – 100,0 32.714,24 32.714,24 90,1 – 100,0 18.540,56 18.540,56 90,1 – 100,0 34.637,81 34.637,81 90,1 – 100,0 5.457,28 5.457,28 90,1 – 100,0 5.716,67 5.716,67 90,1 – 100,0 15.265,54 25.863,97 15.265,54 25.863,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.953,33 30.953,33 90,1 – 100,0 40.197,79 40.197,79 90,1 – 100,0 16.736,82 16.736,82 90,1 – 100,0 7.388,53 7.388,53 90,1 – 100,0 8.042,23 8.042,23 90,1 – 100,0 52.003,89 52.003,89 90,1 – 100,0 40.541,30 20.589,07 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) São Sebastião do Paraíso São Sebastião do Rio Preto São Sebastião do Rio Verde São Thomé das Letras São Tiago São Tomás de Aquino São Vicente de Minas Sapucaí-Mirim Sardoá Sarzedo Sem -Peixe Senador Amaral Senador Cortes Senador Firmino Senador José Bento Senador Modestino Gonçalves Senhora de Oliveira Senhora do Porto Senhora dos Remédios Sericita Seritinga Serra Azul de Minas Serra dos Aimorés Serrania Serranópolis de Minas Serranos Serro Setubinha Silveirânia Silvianópolis Simão Pereira Simonésia Sobrália Soledade de Minas Tabuleiro Taiobeiras Taparuba Tarumirim Teixeiras Teófilo Otoni Timóteo Tiradentes Tiros Tocantins Tocos do Moji (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 82.443,29 67.152,12 60,1 – 90,0 12.760,85 12.303,79 90,1 – 100,0 9.218,86 9.218,86 90,1 – 100,0 37.046,51 37.046,51 90,1 – 100,0 57.563,91 57.563,91 90,1 – 100,0 27.841,70 16.164,80 30,1 – 60,0 39.323,49 39.323,49 90,1 – 100,0 28.564,98 14.206,61 28.564,98 14.206,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.202,16 6.202,16 90,1 – 100,0 17.683,98 17.683,98 90,1 – 100,0 15.150,25 15.150,25 90,1 – 100,0 9.864,66 9.864,66 90,1 – 100,0 16.652,14 16.652,14 90,1 – 100,0 9.490,56 9.490,56 90,1 – 100,0 95.148,25 14.331,24 10,1 – 30,0 17.027,04 17.027,04 90,1 – 100,0 38.326,25 38.326,25 90,1 – 100,0 23.779,04 23.779,04 90,1 – 100,0 16.722,67 16.722,67 90,1 – 100,0 11.476,88 11.476,88 90,1 – 100,0 24.065,69 24.065,69 90,1 – 100,0 21.589,21 21.589,21 90,1 – 100,0 21.185,76 21.185,7 6 90,1 – 100,0 55.518,53 4.675,20 0,1 – 10,0 21.311,25 21.311,25 90,1 – 100,0 124.419,33 18.472,35 109.736,42 12.631,10 60,1 – 90,0 60,1 – 90,0 15.773,87 15.773,87 90,1 – 100,0 31.272,50 31.272,50 90,1 – 100,0 13.505,58 13.505,58 90,1 – 100,0 48.923,54 48.923,54 90,1 – 100,0 20.765,68 20.765,68 90,1 – 100,0 19.742,46 19.742,46 90,1 – 100,0 21.191,53 21.191,53 90,1 – 100,0 119.847,97 57.050,32 30,1 – 60,0 19.143,49 73.300,46 19.143,49 73.300,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.700,18 16.700,18 90,1 – 100,0 325.301,77 325.301,77 90,1 – 100,0 14.562,70 14.562,70 90,1 – 100,0 8.340,21 8.340,21 90,1 – 100,0 209.976,97 59.801,22 10,1 – 30,0 17.426,64 17.426,64 90,1 – 100,0 11.524,05 11.524,05 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Minas Gerais inseridos no Domínio da Mata Atlântica (705 Municípios – continuação) Município (1) Toledo Tombos Três Corações Três Pontas Tumiritinga Tupaciguara Turvolândia Ubá Ubaí Ubaporanga Uberaba Uberlândia Umburatiba União de Minas Urucânia Vargem Alegre Vargem Grande do Rio Pardo Varginha Varzelândia Verdelândia Veredinha Vermelho Novo Viçosa Vieiras Virgínia Virginópolis Virgolândia Visconde do Rio Branco Volta Grande Wenceslau Braz (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 13.649,52 13.649,52 90,1 – 100,0 28.411,73 28.411,73 90,1 – 100,0 82.798,97 82.798,97 90,1 – 100,0 69.133,82 69.133,82 90,1 – 100,0 49.826,36 49.826,36 90,1 – 100,0 183.678,60 81.051,14 30,1 – 60,0 22.180,22 22.180,22 90,1 – 100,0 40.891,12 82.399,55 40.891,12 30.796,06 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 19.145,71 19.145,71 90,1 – 100,0 452.952,90 75.008,22 10,1 – 30,0 411.602,35 8.911,67 0,1 – 10,0 36.836,87 36.836,87 90,1 – 100,0 116.399,83 82.464,15 60,1 – 90,0 13.965,24 13.965,24 90,1 – 100,0 11.681,16 11.681,16 90,1 – 100,0 49.389,67 29.942,45 60,1 – 90,0 39.666,82 39.666,82 90,1 – 100,0 79.263,06 79.263,06 90,1 – 100,0 147.106,98 147.106,98 90,1 – 100,0 63.717,75 4.474,19 0,1 – 10,0 11.440,91 11.440,91 90,1 – 100,0 30.012,30 30.012,30 90,1 – 100,0 11.237,84 11.237,84 90,1 – 100,0 32.710,36 32.710,36 90,1 – 100,0 41.479,30 41.479,30 90,1 – 100,0 28.237,76 24.118,49 28.237,76 24.118,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.947,65 20.947,65 90,1 – 100,0 10.224,81 10.224,81 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Mato Grosso do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (49 Municípios) Município (1) Amambai Anaurilândia Angélica Antônio João Aparecida do Taboado Aral Moreira Bataguassu Bataiporã Bodoquena Bonito Brasilândia Caarapó Coronel Sapucaia Corumbá Deodápolis Douradina Dourados Eldorado Fátima do Sul Glória de Dourados Iguatemi Itaporã Itaquiraí Ivinhema Japor ã Jardim Jateí Juti Laguna Carapã Maracaju Miranda Mundo Novo Naviraí Nova Alvorada do Sul Nova Andradina Novo Horizonte do Sul Paranaíba Paranhos Ponta Porã Porto Murtinho Rio Brilhante Santa Rita do Pardo (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 421.270,82 421.270,82 90,1 – 100,0 340.503,21 199.598,55 30,1 – 60,0 127.636,87 126.346,69 90,1 – 100,0 114.651,60 34.869,47 30,1 – 60,0 275.791,94 165.972,90 167.405,81 164.684,68 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 242.317,48 87.184,21 30,1 – 60,0 183.284,30 162.527,95 60,1 – 90,0 251.436,64 64.646,14 10,1 – 30,0 494.769,79 40.855,77 0,1 – 10,0 582.122,81 209.513,63 77.180,96 208.940,91 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 103.136,32 103.115,09 90,1 – 100,0 6.516.260,51 184.676,83 0,1 – 10,0 83.368,25 83.368,25 90,1 – 100,0 28.154,57 28.154,57 90,1 – 100,0 409.658,12 102.031,58 224.423,75 102.031,58 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 31.609,81 31.609,81 90,1 – 100,0 49.289,80 49.289,80 90,1 – 100,0 295.374,02 295.374,02 90,1 – 100,0 132.557,99 125.665,47 90,1 – 100,0 206.686,29 201.509,44 206.686,29 201.509,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 45.876,80 45.834,09 90,1 – 100,0 220.792,80 1.216,56 0,1 – 10,0 193.273,27 193.273,27 90,1 – 100,0 161.678,33 161.678,33 90,1 – 100,0 173.810,96 531.318,02 173.810,96 29.924,74 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 549.469,05 131.799,08 10,1 – 30,0 44.307,51 44.279,21 90,1 – 100,0 317.278,95 317.278,95 90,1 – 100,0 402.982,10 10.909,20 0,1 – 10,0 478.765,99 85.118,01 108.769,70 85.118,01 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 542.297,85 52.922,60 0,1 – 10,0 130.508,16 130.318,77 90,1 – 100,0 534.102,62 216.485,60 30,1 – 60,0 1.778.294,27 171.513,41 0,1 – 10,0 399.866,59 615.871,35 367.389,91 29.453,99 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Mato Grosso do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (49 Municípios – continuação) Município (1) Selvíria Sete Quedas Sidrolândia Tacuru Taquarussu Três Lagoas Vicentina (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 326.795,05 47.904,95 10,1 – 30,0 82.769,58 82.609,57 90,1 – 100,0 530.092,88 61.107,38 10,1 – 30,0 178.921,41 178.921,41 90,1 – 100,0 105.674,14 1.023.554,31 105.674,14 109.373,81 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 31.116,63 31.116,63 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Paraíbainseridos no Domínio da Mata Atlântica (64 Municípios) Município (1) Alagoa Grande Alagoa Nova Alhandra Araçagi Arara Areia Baía da Traição Bananeiras Bayeux Belém Borborema Caaporã Cabedelo Caldas Brandão Camalaú Capim Caraúbas Casserengue Conde Congo Cruz do Espírito Santo Cuité de Mamanguape Curral de Cima Dona Inês Esperança Gurinhém Itabaiana Itapororoca Itatuba Jacaraú João Pessoa Juripiranga Lagoa Seca Lucena Mamanguape Marcação Mari Mataraca Matinhas Mogeiro Monteiro Mulungu (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 33.360,94 2.182,14 0,1 – 10,0 11.952,46 11.952,46 90,1 – 100,0 22.525,44 22.525,44 90,1 – 100,0 23.630,24 6.263,25 10,1 – 30,0 3.910,92 26.475,71 2.776,22 19.127,39 60,1 – 90,0 60,1 – 90,0 9.498,65 9.484,54 90,1 – 100,0 27.394,05 18.092,09 60,1 – 90,0 2.740,13 2.740,13 90,1 – 100,0 10.254,85 1.238,03 10,1 – 30,0 4.995,73 14.420,40 4.995,73 14.420,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 3.144,81 2.528,49 60,1 – 90,0 6.702,22 856,19 10,1 – 30,0 67.196,01 29.845,42 30,1 – 60,0 10.014,11 10.014,11 90,1 – 100,0 43.848,31 23.594,14 6.417,40 1.385,20 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 16.478,85 16.457,45 90,1 – 100,0 32.995,01 9.374,17 10,1 – 30,0 19.014,03 19.014,03 90,1 – 100,0 9.729,45 7.392,56 60,1 – 90,0 8.670,67 7.416,96 478,63 810,57 0,1 – 10,0 10,1 – 30,0 14.634,07 1.941,15 10,1 – 30,0 22.612,85 348,85 0,1 – 10,0 20.475,55 20.475,55 90,1 – 100,0 15.080,51 2.711,98 10,1 – 30,0 24.038,03 25.725,94 4.764,65 10.282,06 10,1 – 30,0 30,1 – 60,0 21.108,63 21.080,57 90,1 – 100,0 9.600,97 9.600,97 90,1 – 100,0 6.827,18 230,12 0,1 – 10,0 9.241,86 9.218,85 90,1 – 100,0 33.786,26 9.517,45 33.747,31 9.517,45 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.748,63 2.063,94 10,1 – 30,0 17.398,55 17.385,46 90,1 – 100,0 2.919,72 2.114,80 60,1 – 90,0 22.831,09 7.586,10 30,1 – 60,0 101.071,02 22.479,92 931,74 637,99 0,1 – 10,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado da Paraíba inseridos no Domínio da Mata Atlântica (64 Municípios – continuação) Município (1) Natuba Pedras de Fogo Pilar Pilões Pilõezinhos Pirpirituba Pitimbu Remígio Riachão do Poço Rio Tinto Salgado de São Félix Santa Rita São João do Tigre São José dos Ramos São Miguel de Taipu São Sebastião de Lagoa de Roça São Sebastião do Umbuzeiro Sapé Serraria Sobrado Solânea Zabelê (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 22.697,35 2.775,14 10,1 – 30,0 34.966,60 34.966,60 90,1 – 100,0 10.149,68 10.149,68 90,1 – 100,0 4.621,07 1.335,45 10,1 – 30,0 4.869,43 8.300,03 416,94 1.665,62 0,1 – 10,0 10,1 – 30,0 14.192,79 14.168,67 90,1 – 100,0 13.067,72 5.234,28 30,1 – 60,0 6.421,76 4.562,15 60,1 – 90,0 50.647,17 50.602,82 90,1 – 100,0 16.154,23 76.564,33 16.154,23 76.558,75 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 68.925,10 7.240,71 10,1 – 30,0 8.054,23 6.935,14 60,1 – 90,0 6.396,45 6.396,45 90,1 – 100,0 6.623,22 2.352,95 30,1 – 60,0 42.737,00 33.062,51 4.643,39 31.743,44 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 8.524,10 8.392,02 90,1 – 100,0 4.352,09 4.352,09 90,1 – 100,0 10.886,78 6.723,74 60,1 – 90,0 14.362,38 50,73 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Pernambuco inseridos no Domínio da Mata Atlântica (104 Municípios) Município (1) Abreu e Lima Agrestina Água Preta Aliança Altinho Amaraji Angelim Araçoiaba Barra de Guabiraba Barreiros Belém de Maria Bezerros Bom Conselho Bonito Brejão Brejo da Madre de Deus Buenos Aires Cabo de Santo Agostinho Caetés Calçado Camaragibe Camocim de São Félix Camutanga Canhotinho Capoeiras Carpina Caruaru Catende Chã de Alegria Chã Grande Condado Correntes Cortês Cumaru Cupira Escada Feira Nova Ferreiros Gameleira Garanhuns Glória do Goitá Goiana (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo tersido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 12.892,38 12.892,38 90,1 – 100,0 19.786,72 9.907,43 30,1 – 60,0 53.202,73 53.202,73 90,1 – 100,0 26.632,85 19.763,08 60,1 – 90,0 45.279,45 23.893,02 12.867,96 23.893,02 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 12.669,68 12.669,68 90,1 – 100,0 9.680,84 9.680,84 90,1 – 100,0 11.818,27 11.818,27 90,1 – 100,0 22.997,69 22.980,23 90,1 – 100,0 6.402,08 54.556,24 6.402,08 29.733,61 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 79.798,64 3.783,21 0,1 – 10,0 39.268,96 39.268,96 90,1 – 100,0 16.163,58 9.093,45 30,1 – 60,0 78.256,16 34.719,52 30,1 – 60,0 8.734,31 44.832,50 8.734,31 44.761,85 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.417,23 5.012,69 10,1 – 30,0 5.595,98 5.005,93 60,1 – 90,0 4.829,30 4.829,30 90,1 – 100,0 5.081,89 1.485,53 10,1 – 30,0 3.806,83 42.301,76 3.806,83 42.301,76 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.447,50 706,14 0,1 – 10,0 15.389,39 15.389,39 90,1 – 100,0 93.248,64 22.091,34 10,1 – 30,0 16.101,11 16.101,11 90,1 – 100,0 5.827,36 8.373,03 5.827,36 8.373,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.094,23 9.094,23 90,1 – 100,0 28.536,28 25.596,05 60,1 – 90,0 9.903,94 9.903,94 90,1 – 100,0 27.831,35 2.842,72 10,1 – 30,0 10.418,12 35.030,14 10.418,12 35.030,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.889,29 11.889,29 90,1 – 100,0 8.609,82 8.609,82 90,1 – 100,0 26.084,17 26.084,17 90,1 – 100,0 46.782,16 44.643,12 90,1 – 100,0 21.166,42 49.406,85 21.166,42 49.379,05 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Pernambuco inseridos no Domínio da Mata Atlântica (104 Municípios – continuação) Município (1) Gravatá Ibirajuba Igarassu Ipojuca Itamaracá Itambé Itapissuma Itaquitinga Jaboatão dos Guararapes Jaqueira Jataúba João Alfredo Joaquim Nabuco Jucati Jupi Jurema Lagoa do Carro Lagoa do Itaenga Lagoa do Ouro Lagoa dos Gatos Lajedo Limoeiro Macaparana Maraial Moreno Nazaré da Mata Olinda Palmares Palmeirina Panelas Paranatama Passira Paudalho Paulista Pombos Primavera Quipapá Recife Riacho das Almas Ribeirão Rio Formoso Sairé (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 49.134,24 49.134,24 90,1 – 100,0 21.802,86 15.577,25 60,1 – 90,0 30.459,18 30.459,16 90,1 – 100,0 51.491,96 51.433,57 90,1 – 100,0 6.541,77 30.622,49 6.525,15 30.622,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.427,21 7.427,21 90,1 – 100,0 11.710,49 11.710,49 90,1 – 100,0 25.739,58 25.735,17 90,1 – 100,0 11.120,95 11.120,95 90,1 – 100,0 71.566,60 15.005,89 14.625,68 280,42 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 11.551,95 11.551,95 90,1 – 100,0 10.932,72 5.767,14 30,1 – 60,0 15.131,07 7.599,94 30,1 – 60,0 14.721,93 14.721,93 90,1 – 100,0 5.966,57 6.192,63 5.966,57 6.192,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.966,58 5.150,83 10,1 – 30,0 18.922,31 18.922,31 90,1 – 100,0 20.890,19 12.918,56 60,1 – 90,0 27.741,42 23.644,92 60,1 – 90,0 10.276,56 19.706,81 8.615,98 19.706,81 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 19.213,36 19.213,36 90,1 – 100,0 14.183,99 14.183,99 90,1 – 100,0 3.814,92 3.798,17 90,1 – 100,0 37.618,46 37.618,46 90,1 – 100,0 20.029,23 36.947,87 20.029,23 36.947,87 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 27.283,73 130,92 0,1 – 10,0 36.488,50 22.876,72 60,1 – 90,0 27.028,71 27.028,71 90,1 – 100,0 10.221,77 10.206,61 90,1 – 100,0 23.608,34 9.650,80 23.608,34 9.650,80 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.546,08 22.546,08 90,1 – 100,0 21.861,72 21.855,90 90,1 – 100,0 31.377,47 10.811,67 30,1 – 60,0 28.777,10 28.777,10 90,1 – 100,0 34.133,47 19.865,85 34.133,47 17.240,83 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Pernambuco inseridos no Domínio da Mata Atlântica (104 Municípios – continuação) Município (1) Salgadinho Saloá Santa Cruz do Capibaribe São Benedito do Sul São João São Joaquim do Monte São José da Coroa Grande São Lourenço da Mata São Vicente Ferrer Sirinhaém Tamandaré Taquaritinga do Norte Terezinha Timbaúba Toritama Tracunhaém Vertentes Vicência Vitória de Santo Antão Xexéu (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 7.188,66 45,84 0,1 – 10,0 29.735,06 670,11 0,1 – 10,0 36.960,96 11.698,51 30,1 – 60,0 20.924,19 20.924,19 90,1 – 100,0 23.656,66 23.064,67 23.656,66 18.585,66 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 7.491,36 7.480,25 90,1 – 100,0 26.449,60 26.449,60 90,1 – 100,0 12.021,00 2.222,92 10,1 – 30,0 35.701,93 35.679,48 90,1 – 100,0 9.870,07 45.062,03 9.830,24 4.923,07 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 14.244,19 10.783,94 60,1 – 90,0 32.049,39 26.315,36 60,1 – 90,0 3.467,91 2.773,86 60,1 – 90,0 14.158,85 14.158,8 5 90,1 – 100,0 17.251,22 25.034,29 395,97 6.329,95 0,1 – 10,0 10,1 – 30,0 34.565,05 34.565,05 90,1 – 100,0 11.652,33 11.652,33 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Piauí inseridos no Domínio da Mata Atlântica (32 Municípios) Município (1) Alvorada do Gurguéia Avelino Lopes Bertolínia Bom Jesus Brejo do Piauí Canavieira Canto do Buriti Colônia do Gurguéia Corrente Cristino Castro Curimatá Eliseu Martins Floriano Guaribas Itaueira Jerumenha João Costa Júlio Borges Jurema Landri Sales Manoel Emídio Morro Cabeça no Tempo Parnaguá Pavussu Redenção do Gurguéia Riacho Frio Santa Luz São Braz do Piauí São Raimundo Nonato Sebastião Barros Sebastião Leal Tamboril do Piauí (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 234.224,80 101.042,45 30,1 – 60,0 119.863,14 114.487,02 90,1 – 100,0 122.609,30 83.439,37 60,1 – 90,0 570.819,20 95.276,89 10,1 – 30,0 186.995,33 188.815,02 7.437,49 147.286,80 0,1 – 10,0 60,1 – 90,0 441.968,91 177.136,16 30,1 – 60,0 42.014,04 19.389,84 30,1 – 60,0 304.599,88 20.840,47 0,1 – 10,0 213.987,63 60.666,29 10,1 – 30,0 237.901,73 102.199,21 185.284,16 72.354,91 60,1 – 90,0 60,1 – 90,0 340.332,55 5.380,60 0,1 – 10,0 374.048,58 158.910,79 30,1 – 60,0 257.139,89 66.237,38 10,1 – 30,0 169.398,80 27.517,08 10,1 – 30,0 187.122,35 133.684,10 3.561,63 122.121,59 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 125.140,57 27.471,16 10,1 – 30,0 122.100,41 4.530,02 0,1 – 10,0 171.440,48 94.120,38 30,1 – 60,0 222.425,41 111.030,46 30,1 – 60,0 328.222,05 150.582,17 159.074,12 66.845,53 30,1 – 60,0 30,1 – 60,0 243.725,02 71.436,88 10,1 – 30,0 225.438,50 15.096,36 0,1 – 10,0 111.046,13 34.825,86 30,1 – 60,0 55.703,36 32.341,80 30,1 – 60,0 260.666,78 105.553,78 54.363,51 20.555,06 10,1 – 30,0 10,1 – 30,0 300.473,56 127.008,51 30,1 – 60,0 171.171,26 4.759,86 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios) Município (1) Abatiá Adrianópolis Agudos do Sul Almirante Tamandaré Altamira do Paraná Altãnia Alto Paraná Alto Piquiri Alvorada do Sul Amaporã Ampére Anahy Andirá Ângulo Antonina Antônio Olinto Apucarana Arapongas Arapoti Arapuã Araruna Araucária Ariranha do Ivaí Assaí Assis Chateaubriand Astorga Atalaia Balsa Nova Bandeirantes Barbosa Ferraz Barracão Barra do Jacaré Bela Vista da Caroba Bela Vista do Paraíso Bituruna Boa Esperança Boa Esperança do Iguaçu Boa Ventura de São Roque Boa Vista da Aparecida Bocaiúva do Sul Bom Jesus do Sul Bom Sucesso (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 24.720,62 24.720,62 90,1 – 100,0 133.289,49 133.289,49 90,1 – 100,0 19.169,31 19.169,31 90,1 – 100,0 26.663,95 26.663,95 90,1 – 100,0 38.639,64 88.967,61 38.639,64 88.967,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 40.865,60 40.865,60 90,1 – 100,0 45.113,61 45.113,61 90,1 – 100,0 41.985,76 41.985,76 90,1 – 100,0 38.990,60 38.990,60 90,1 – 100,0 30.303,00 10.730,21 30.303,00 10.730,21 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.510,58 23.510,58 90,1 – 100,0 10.562,32 10.562,32 90,1 – 100,0 87.984,99 87.984,99 90,1 – 100,0 46.741,00 46.741,00 90,1 – 100,0 55.687,44 37.091,75 55.687,44 37.091,75 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 132.707,81 86.880,94 60,1 – 90,0 22.365,60 22.365,60 90,1 – 100,0 49.559,90 49.559,90 90,1 – 100,0 47.051,43 47.051,43 90,1 – 100,0 23.526,09 43.790,49 23.526,09 43.790,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 98.679,45 98.679,45 90,1 – 100,0 43.583,60 43.583,60 90,1 – 100,0 13.722,18 13.722,18 90,1 – 100,0 34.692,65 21.874,77 60,1 – 90,0 44.512,43 50.738,54 44.512,43 50.738,54 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.771,62 17.767,27 90,1 – 100,0 11.537,24 11.537,24 90,1 – 100,0 14.800,32 14.800,32 90,1 – 100,0 24.838,32 24.838,32 90,1 – 100,0 121.765,55 31.070,89 121.765,55 31.070,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.244,05 15.244,05 90,1 – 100,0 62.422,41 62.422,41 90,1 – 100,0 26.327,20 26.327,20 90,1 – 100,0 81.388,45 81.388,45 90,1 – 100,0 16.211,20 32.344,07 16.202,12 32.344,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Bom Sucesso do Sul Borrazópolis Braganey Brasilândia do Sul Cafeara Cafelândia Cafezal do Sul Califórnia Cambará Cambé Cambira Campina da Lagoa Campina do Simão Campina Grande do Sul Campo Bonito Campo do Tenente Campo Largo Campo Magro Campo Mourão Cândido de Abreu Candói Cantagalo Capanema Capitão Leônidas Marques Carambeí Carlópolis Cascavel Castro Catanduvas Centenário do Sul Cerro Azul Céu Azul Chopinzinho Cianorte Cidade Gaúcha Clevelândia Colombo Colorado Congonhinhas Conselheiro Mairinck Contenda Corbélia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 19.101,04 19.101,04 90,1 – 100,0 34.035,24 34.035,24 90,1 – 100,0 35.642,08 35.642,08 90,1 – 100,0 29.179,94 29.179,94 90,1 – 100,0 18.030,19 25.600,63 18.030,19 25.600,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 43.421,14 43.421,14 90,1 – 100,0 13.769,54 13.769,54 90,1 – 100,0 36.130,56 36.130,56 90,1 – 100,0 49.707,37 49.707,37 90,1 – 100,0 16.674,80 84.603,81 16.674,80 84.603,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.558,36 44.558,36 90,1 – 100,0 54.160,95 54.160,95 90,1 – 100,0 43.765,79 43.765,79 90,1 – 100,0 30.617,39 30.617,39 90,1 – 100,0 125.525,79 26.886,56 107.531,06 26.886,56 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 76.790,43 76.790,43 90,1 – 100,0 147.021,64 147.021,64 90,1 – 100,0 152.651,76 152.651,76 90,1 – 100,0 59.327,70 59.327,70 90,1 – 100,0 41.905,04 22.102,62 41.768,02 22.102,62 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 64.785,35 32.153,03 30,1 – 60,0 45.256,19 45.256,19 90,1 – 100,0 206.614,66 206.614,66 90,1 – 100,0 253.939,36 232.233,45 90,1 – 100,0 56.865,06 39.423,23 56.865,06 39.423,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 134.634,76 134.634,76 90,1 – 100,0 118.137,92 118.137,92 90,1 – 100,0 98.311,73 98.311,73 90,1 – 100,0 81.377,11 81.377,11 90,1 – 100,0 40.168,80 70.376,15 40.168,80 70.376,15 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.915,38 15.915,38 90,1 – 100,0 41.884,04 41.884,04 90,1 – 100,0 53.968,88 53.968,88 90,1 – 100,0 19.342,07 19.342,07 90,1 – 100,0 32.246,93 54.549,35 32.246,93 54.549,35 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Cornélio Procópio Coronel Domingos Soares Coronel Vivida Corumbataí do Sul Cruzeiro do Iguaçu Cruzeiro do Oeste Cruzeiro do Sul Cruz Machado Cruzmaltina Curitiba Curiúva Diamante do Norte Diamante do Sul Diamante d’Oeste Dois Vizinhos Douradina Doutor Camargo Enéas Marques Engenheiro Beltrão Esperança Nova Entre Rios do Oeste Espigão Alto do Iguaçu Farol Faxinal Fazenda Rio Grande Fênix Fernandes Pinheiro Figueira Floraí Flor da Serra do Sul Floresta Florestópolis Flórida Formosa do Oeste Foz do Iguaçu Francisco Alves Francisco Beltrão Foz do Jordão General Carneiro Godoy Moreira Goioerê Goioxim (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 62.728,43 62.728,43 90,1 – 100,0 155.941,55 155.941,55 90,1 – 100,0 68.951,36 68.951,36 90,1 – 100,0 19.219,30 19.219,30 90,1 – 100,0 16.175,88 78.452,94 16.175,88 78.452,94 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.877,42 25.877,42 90,1 – 100,0 147.952,34 147.952,34 90,1 – 100,0 30.455,79 30.455,79 90,1 – 100,0 43.085,34 43.085,34 90,1 – 100,0 58.852,97 25.006,29 58.852,97 25.006,29 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.772,90 34.772,90 90,1 – 100,0 31.150,87 31.150,87 90,1 – 100,0 41.887,77 41.887,77 90,1 – 100,0 41.998,99 41.998,99 90,1 – 100,0 11.864,41 19.517,89 11.864,41 19.517,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 47.444,80 47.444,80 90,1 – 100,0 14.139,87 14.139,87 90,1 – 100,0 13.171,62 13.171,62 90,1 – 100,0 39.566,60 39.566,60 90,1 – 100,0 28.958,80 70.326,18 28.958,80 70.326,18 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.063,45 12.063,45 90,1 – 100,0 23.429,26 23.429,26 90,1 – 100,0 41.457,48 41.457,48 90,1 – 100,0 12.367,20 12.367,20 90,1 – 100,0 19.617,25 25.849,60 19.617,25 25.849,60 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.936,14 15.936,14 90,1 – 100,0 24.866,56 24.866,56 90,1 – 100,0 8.311,68 8.311,68 90,1 – 100,0 27.482,23 27.482,23 90,1 – 100,0 58.992,24 32.038,46 58.924,38 32.038,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 71.894,89 71.894,89 90,1 – 100,0 24.355,74 24.355,74 90,1 – 100,0 107.182,51 107.182,51 90,1 – 100,0 13.078,79 13.078,79 90,1 – 100,0 52.954,88 69.449,35 52.954,88 69.449,35 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica MunicípiosdoEstadodoParanáinseridosnoDomíniodaMataAtlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Grandes Rios Guaíra Guairaçá Guamiranga Guapirama Guaporema Guaraci Guaraniaçu Guarapuava Guaraqueçaba Guaratuba Honório Serpa Ibaiti Ibema Ibiporã Icaraíma Iguaraçu Iguatu Imbaú Imbituva Inácio Martins Inajá Indianópolis Ipiranga Iporã Iracema do Oeste Irati Iretama Itaguajé Itaipulândia Itambaracá Itambé Itapejara d’Oeste Itaperuçu Itaúna do Sul Ivaí Ivaiporã Ivaté Ivatuba Jaboti Jacarezinho Jaguapitã (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 30.640,57 30.640,57 90,1 – 100,0 50.490,68 50.425,14 90,1 – 100,0 49.072,30 49.072,30 90,1 – 100,0 21.620,34 21.620,34 90,1 – 100,0 18.946,25 21.327,84 18.946,25 21.327,84 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 19.943,53 19.943,53 90,1 – 100,0 123.441,53 123.441,53 90,1 – 100,0 315.971,67 315.971,67 90,1 – 100,0 203.024,23 202.988,50 90,1 – 100,0 133.018,40 53.167,66 132.997,70 53.167,66 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 91.856,15 91.856,15 90,1 – 100,0 15.673,84 15.673,84 90,1 – 100,0 29.868,63 29.868,63 90,1 – 100,0 68.117,52 68.117,52 90,1 – 100,0 16.596,17 10.150,06 16.596,17 10.150,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 33.100,06 33.100,06 90,1 – 100,0 80.558,09 80.558,09 90,1 – 100,0 92.330,27 92.330,27 90,1 – 100,0 19.457,18 19.457,18 90,1 – 100,0 12.402,44 90.749,40 12.402,44 90.749,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.535,67 55.535,67 90,1 – 100,0 8.168,63 8.168,63 90,1 – 100,0 99.866,90 99.866,90 90,1 – 100,0 56.856,15 56.856,15 90,1 – 100,0 20.061,15 33.802,83 20.061,15 33.790,77 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.802,23 20.802,23 90,1 – 100,0 24.458,78 24.458,78 90,1 – 100,0 25.012,82 25.012,82 90,1 – 100,0 29.970,40 29.970,40 90,1 – 100,0 12.333,50 59.710,25 12.333,50 59.710,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 43.813,93 43.813,93 90,1 – 100,0 41.534,11 41.534,11 90,1 – 100,0 9.511,72 9.511,72 90,1 – 100,0 13.834,32 13.834,32 90,1 – 100,0 60.994,23 46.654,07 60.994,23 46.654,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Jaguariaíva Jandaia do Sul Janiópolis Japira Japurá Jardim Alegre Jardim Olinda Jataizinho Jesuítas Joaquim Távora Jundiaí do Sul Juranda Jussara Kaloré Lapa Laranjal Laranjeiras do Sul Leópolis Lidianópolis Lindoeste Loanda Lobato Londrina Luiziana Lunardelli Lupionópolis Mallet Mamborê Mandaguaçu Mandaguari Mandirituba Manfrinópolis Mangueirinha Manoel Ribas Marechal Cândido Rondon Maria Helena Marialva Marilândia do Sul Marilena Mariluz Maringá Mariópolis (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 152.689,55 81.759,56 30,1 – 60,0 18.859,55 18.859,55 90,1 – 100,0 32.185,57 32.185,57 90,1 – 100,0 19.768,89 19.768,89 90,1 – 100,0 16.915,56 39.632,41 16.915,56 39.632,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.831,33 12.831,33 90,1 – 100,0 16.824,01 16.824,01 90,1 – 100,0 26.858,52 26.858,52 90,1 – 100,0 29.012,13 29.012,13 90,1 – 100,0 30.321,79 34.988,27 30.321,79 34.988,27 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.595,51 21.595,51 90,1 – 100,0 19.523,50 19.523,50 90,1 – 100,0 209.759,31 209.759,31 90,1 – 100,0 71.761,87 71.761,87 90,1 – 100,0 60.218,49 36.447,49 60.218,49 36.447,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.856,98 16.856,98 90,1 – 100,0 35.016,12 35.016,12 90,1 – 100,0 72.188,93 72.188,93 90,1 – 100,0 24.058,47 24.058,47 90,1 – 100,0 172.856,80 90.591,25 172.856,80 90.591,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 19.373,84 19.373,8 4 90,1 – 100,0 12.042,42 12.042,42 90,1 – 100,0 76.614,35 76.614,35 90,1 – 100,0 73.852,73 73.852,73 90,1 – 100,0 29.389,18 33.627,26 29.389,18 33.627,26 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 40.161,6 4 40.161,64 90,1 – 100,0 21.583,73 21.583,73 90,1 – 100,0 102.651,12 102.651,12 90,1 – 100,0 56.162,76 56.162,76 90,1 – 100,0 67.085,63 47.079,50 67.070,82 47.079,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 47.625,93 47.625,93 90,1 – 100,0 39.063,65 39.063,65 90,1 – 100,0 21.629,40 21.629,40 90,1 – 100,0 44.450,38 44.450,38 90,1 – 100,0 49.097,61 23.172,24 49.097,61 23.172,24 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Maripá Marmeleiro Marquinho Marumbi Matelândia Matinhos Mato Rico Mauá da Serra Medianeira Mercedes Mirador Miraselva Missal Moreira Sales Morretes Munhoz de Melo Nossa Senhora das Graças Nova Aliança do Ivaí Nova América da Colina Nova Aurora Nova Cantu Nova Esperança Nova Esperança do Sudoeste Nova Fátima Nova Laranjeiras Nova Londrina Nova Olímpia Nova Santa Bárbara Nova Santa Rosa Nova Prata do Iguaçu Nova Tebas Novo Itacolomi Ortigueira Ourizona Ouro Verde do Oeste Paiçandu Palmas Palmeira Palmital Palotina Paraíso do Norte Paranacity (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 32.046,49 32.046,49 90,1 – 100,0 39.210,91 39.210,91 90,1 – 100,0 50.999,02 50.999,02 90,1 – 100,0 20.871,22 20.871,22 90,1 – 100,0 65.076,24 11.758,07 65.076,24 11.721,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 39.331,68 39.331,68 90,1 – 100,0 10.987,74 10.987,74 90,1 – 100,0 29.543,20 29.543,20 90,1 – 100,0 20.136,16 20.130,83 90,1 – 100,0 21.386,54 9.149,39 21.386,54 9.149,39 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.712,82 34.712,82 90,1 – 100,0 34.585,65 34.585,65 90,1 – 100,0 69.499,35 69.499,35 90,1 – 100,0 13.619,14 13.619,14 90,1 – 100,0 18.303,77 12.943,04 18.303,77 12.943,04 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.481,58 12.481,58 90,1 – 100,0 47.242,24 47.242,24 90,1 – 100,0 58.637,02 58.637,02 90,1 – 100,0 40.250,37 40.250,37 90,1 – 100,0 20.280,98 28.041,40 20.280,98 28.041,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 119.205,49 119.205,49 90,1 – 100,0 26.960,81 26.960,81 90,1 – 100,0 13.401,47 13.401,47 90,1 – 100,0 7.508,55 7.508,55 90,1 – 100,0 20.787,92 34.453,51 20.787,92 34.453,51 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.386,66 55.386,66 90,1 – 100,0 15.927,55 15.927,55 90,1 – 100,0 245.194,33 245.194,33 90,1 – 100,0 17.581,17 17.581,17 90,1 – 100,0 29.438,11 17.100,63 29.438,11 17.100,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 158.616,68 158.616,68 90,1 – 100,0 146.527,04 137.792,36 90,1 – 100,0 66.091,85 66.091,85 90,1 – 100,0 57.575,51 57.575,51 90,1 – 100,0 20.467,55 34.417,73 20.467,55 34.417,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Paranaguá Paranapoema Paranavaí Pato Bragado Pato Branco Paula Freitas Paulo Frontin Peabiru Perobal Pérola Pérola d’Oeste Piên Pinhais Pinhalão Pinhal de São Bento Pinhão Piraí do Sul Piraquara Pitanga Pitangueiras Planaltina do Paraná Planalto Ponta Grossa Pontal do Paraná Porecatu Porto Amazonas Porto Barreiro Porto Rico Porto Vitória Prado Ferreira Pranchita Presidente Cas telo Branco Primeiro de Maio Prudentópolis Quarto Centenário Quatiguá Quatro Barras Quatro Pontes Quedas do Iguaçu Querência do Norte Quinta do Sol Quitandinha (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 80.693,11 80.547,50 90,1 – 100,0 18.207,75 18.207,75 90,1 – 100,0 120.558,93 120.558,93 90,1 – 100,0 12.864,09 12.854,99 90,1 – 100,0 54.005,41 42.106,91 54.005,41 42.106,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 36.771,37 36.771,37 90,1 – 100,0 46.730,20 46.730,20 90,1 – 100,0 42.866,95 42.866,95 90,1 – 100,0 23.237,05 23.237,05 90,1 – 100,0 22.450,55 26.021,62 22.330,87 26.021,62 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.088,67 6.088,67 90,1 – 100,0 24.483,36 24.483,36 90,1 – 100,0 9.711,53 9.711,53 90,1 – 100,0 200.554,72 200.554,72 90,1 – 100,0 140.613,16 22.763,65 74.500,59 22.763,65 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 167.640,37 167.640,37 90,1 – 100,0 12.312,58 12.312,58 90,1 – 100,0 35.379,36 35.379,36 90,1 – 100,0 33.016,28 32.897,14 90,1 – 100,0 206.790,64 20.200,02 123.609,66 20.178,55 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 29.136,73 29.136,73 90,1 – 100,0 17.900,70 17.875,31 90,1 – 100,0 36.593,68 36.593,68 90,1 – 100,0 22.197,11 22.197,11 90,1 – 100,0 20.159,21 16.452,37 20.159,21 16.452,37 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.650,83 22.465,85 90,1 – 100,0 15.724,36 15.724,36 90,1 – 100,0 40.977,45 40.977,45 90,1 – 100,0 228.064,30 228.064,30 90,1 – 100,0 36.164,77 11.987,82 36.164,77 11.987,82 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.033,90 18.033,90 90,1 – 100,0 19.718,51 19.718,51 90,1 – 100,0 81.960,55 81.960,55 90,1 – 100,0 89.843,75 89.843,75 90,1 – 100,0 32.784,89 43.024,53 32.784,89 43.024,53 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Ramilândia Rancho Alegre Rancho Alegre d’Oeste Realeza Rebouças Renascença Reserva Reserva do Iguaçu Ribeirão Claro Ribeirão do Pinhal Rio Azul Rio Bom Rio Bonito do Iguaçu Rio Branco do Ivaí Rio Branco do Sul Rio Negro Rolândia Roncador Rondon Rosário do Ivaí Sabáudia Salgado Filho Salto do Itararé Salto do Lontra Santa Amélia Santa Cecília do Pavão Santa Cruz de Monte Castelo Santa Fé Santa Helena Santa Inês Santa Isabel do Ivaí Santa Izabel do Oeste Santa Lúcia Santa Maria do Oeste Santa Mariana Santa Mônica Santana do Itararé Santa Tereza do Oeste Santa Terezinha de Itaipu Santo Antônio da Platina Santo Antônio do Caiuá Santo Antônio do Paraíso (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99 ) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 24.670,33 24.670,33 90,1 – 100,0 16.912,92 16.912,92 90,1 – 100,0 24.517,23 24.517,23 90,1 – 100,0 35.499,43 35.499,43 90,1 – 100,0 48.214,95 44.617,07 48.214,95 44.617,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 168.621,91 168.621,91 90,1 – 100,0 83.662,61 83.662,61 90,1 – 100,0 62.918,22 62.918,22 90,1 – 100,0 37.421,03 37.421,03 90,1 – 100,0 59.426,44 17.748,50 59.426,44 17.748,5 0 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 70.117,37 70.117,37 90,1 – 100,0 31.584,92 31.584,92 90,1 – 100,0 82.169,76 82.169,76 90,1 – 100,0 60.447,54 60.447,54 90,1 – 100,0 45.997,19 71.608,91 45.997,19 71.608,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.685,54 55.685,54 90,1 – 100,0 44.600,64 44.600,64 90,1 – 100,0 19.083,17 19.083,17 90,1 – 100,0 18.136,91 18.136,91 90,1 – 100,0 20.327,72 32.747,18 20.327,72 32.747,18 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.118,05 8.118,05 90,1 – 100,0 10.780,84 10.780,84 90,1 – 100,0 44.547,16 44.547,16 90,1 – 100,0 27.783,28 27.783,28 90,1 – 100,0 75.467,07 12.745,34 75.437,38 12.745,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.849,31 34.849,31 90,1 – 100,0 32.176,55 32.176,55 90,1 – 100,0 17.285,51 17.285,51 90,1 – 100,0 84.877,13 84.877,13 90,1 – 100,0 42.467,51 25.990,73 42.467,51 25.990,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.237,47 25.237,47 90,1 – 100,0 34.876,60 34.876,60 90,1 – 100,0 28.896,57 28.896,57 90,1 – 100,0 72.270,52 72.270,52 90,1 – 100,0 21.939,70 16.736,29 21.939,70 16.736,29 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Santo Antônio do Sudoeste Santo Inácio São Carlos do Ivaí São Jerônimo da Serra São João São João do Caiuá São João do Ivaí São João do Triunfo São Jorge d’Oeste São Jorge do Ivaí São Jorge do Patrocínio São José da Boa Vista São José das Palmeiras São José dos Pinhais São Manuel do Paraná São Mateus do Sul São Miguel do Iguaçu São Pedro do Iguaçu São Pedro do Ivaí São Pedro do Paraná São Sebastião da Amoreira São Tomé Sapopema Sarandi Saudade do Iguaçu Sengés Serranópolis do Iguaçu Sertaneja Sertanópolis Siqueira Campos Sulina Tamarana Tamboara Tapejara Tapira Teixeira Soares Telêmaco Borba Terra Boa Terra Rica Terra Roxa Tibagi Tijucas do Sul (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 32.438,85 32.396,86 90,1 – 100,0 29.475,62 29.475,62 90,1 – 100,0 21.600,34 21.600,34 90,1 – 100,0 82.655,96 82.655,96 90,1 – 100,0 37.170,72 30.404,50 37.170,72 30.404,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.173,13 35.173,13 90,1 – 100,0 71.700,74 71.700,74 90,1 – 100,0 38.260,72 38.260,72 90,1 – 100,0 32.062,14 32.062,14 90,1 – 100,0 24.274,93 40.359,14 24.274,93 40.359,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.118,70 18.118,70 90,1 – 100,0 93.177,55 93.177,55 90,1 – 100,0 9.512,24 9.512,24 90,1 – 100,0 134.521,80 134.521,80 90,1 – 100,0 85.332,16 29.182,23 85.305,99 29.182,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.338,37 32.338,37 90,1 – 100,0 26.713,70 26.713,70 90,1 – 100,0 22.712,49 22.712,49 90,1 – 100,0 21.945,61 21.945,61 90,1 – 100,0 67.157,11 10.429,07 67.157,11 10.429,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.129,54 15.129,54 90,1 – 100,0 137.424,04 59.189,32 30,1 – 60,0 48.401,03 48.369,53 90,1 – 100,0 44.120,85 44.120,85 90,1 – 100,0 51.285,68 27.617,26 51.285,68 27.617,26 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.784,81 16.784,81 90,1 – 100,0 40.906,07 40.906,07 90,1 – 100,0 19.440,61 19.440,61 90,1 – 100,0 59.645,49 59.645,49 90,1 – 100,0 43.636,26 89.367,53 43.636,26 89.367,53 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 138.696,64 133.973,38 90,1 – 100,0 31.589,19 31.589,19 90,1 – 100,0 70.367,69 70.367,69 90,1 – 100,0 84.508,05 84.508,05 90,1 – 100,0 299.520,25 66.669,25 222.004,25 66.669,25 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Paraná inseridos no Domínio da Mata Atlântica (399 Municípios – continuação) Município (1) Toledo Tomazina Três Barras do Paraná Tunas do Paraná Tuneiras do Oeste Tupãssi Turvo Ubiratã Umuarama União da Vitória Uniflor Uraí Wenceslau Braz Ventania Vera Cruz do Oeste Verê Vila Alta Doutor Ulysses Virmond Vitorino Xambrê (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 120.268,94 120.268,94 90,1 – 100,0 59.164,87 59.164,87 90,1 – 100,0 50.900,25 50.900,25 90,1 – 100,0 68.449,03 68.449,03 90,1 – 100,0 70.205,67 30.290,66 70.205,67 30.290,66 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 91.369,04 91.369,04 90,1 – 100,0 65.533,52 65.533,52 90,1 – 100,0 123.226,05 123.226,05 90,1 – 100,0 73.314,73 73.314,73 90,1 – 100,0 9.773,77 23.580,73 9.773,77 23.580,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 39.399,04 39.399,04 90,1 – 100,0 74.518,58 68.150,75 90,1 – 100,0 31.239,96 31.239,96 90,1 – 100,0 32.476,50 32.476,50 90,1 – 100,0 95.833,77 78.031,59 95.833,77 78.031,59 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.512,87 24.512,87 90,1 – 100,0 29.402,41 29.402,41 90,1 – 100,0 36.334,57 36.334,57 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio de Janeiroinseridos no Domínio da Mata Atlântica (91 Municípios) Município (1) Angra dos Reis Aperibé Araruama Areal Armação de Búzios Arraial do Cabo Barra do Piraí Barra Mansa Belford Roxo Bom Jardim Bom Jesus do Itabapoana Cabo Frio Cachoeiras de Macacu Cambuci Campos dos Goytacazes Cantagalo Carapebus Cardoso Moreira Carmo Casimiro de Abreu Comendador Levy Gasparian Conceição de Macabu Cordeiro Duas Barras Duque de Caxias Engenheiro Paulo de Frontin Guapimirim Iguaba Grande Itaboraí Itaguaí Italva Itaocara Itaperuna Itatiaia Japeri Laje do Muriaé Macaé Macuco Magé Mangaratiba Maricá Mendes (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 81.629,49 79.369,42 90,1 – 100,0 8.943,36 8.943,36 90,1 – 100,0 63.526,14 63.523,52 90,1 – 100,0 11.159,23 11.159,23 90,1 – 100,0 6.974,91 15.841,35 6.811,37 15.128,43 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 57.989,70 57.989,70 90,1 – 100,0 54.911,10 54.911,10 90,1 – 100,0 8.006,11 8.006,11 90,1 – 100,0 38.622,33 38.622,33 90,1 – 100,0 60.050,67 40.402,85 60.050,67 40.140,17 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 95.821,70 95.821,70 90,1 – 100,0 56.356,76 56.356,76 90,1 – 100,0 403.813,49 403.782,24 90,1 – 100,0 71.874,70 71.874,70 90,1 – 100,0 30.582,99 51.620,41 30.568,78 51.620,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.457,73 35.457,73 90,1 – 100,0 46.272,97 46.257,76 90,1 – 100,0 10.750,49 10.750,49 90,1 – 100,0 34.882,30 34.882,30 90,1 – 100,0 11.659,82 34.386,52 11.659,82 34.386,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 46.547,99 46.513,40 90,1 – 100,0 13.950,01 13.950,0 1 90,1 – 100,0 36.176,59 36.153,31 90,1 – 100,0 3.635,61 3.635,61 90,1 – 100,0 42.836,37 27.816,62 42.831,66 27.064,04 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 29.671,02 29.671,02 90,1 – 100,0 42.958,19 42.958,19 90,1 – 100,0 110.881,55 110.881,55 90,1 – 100,0 22.512,97 22.512,97 90,1 – 100,0 8.289,52 25.109,92 8.289,52 25.109,92 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 121.830,96 121.804,36 90,1 – 100,0 13.371,66 13.371,66 90,1 – 100,0 38.673,69 38.612,05 90,1 – 100,0 36.083,69 28.757,33 60,1 – 90,0 36.400,61 7.747,18 36.320,70 7.747,18 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio de Janeiroinseridos no Domínio da Mata Atlântica (91 Municípios – continuação) Município (1) Miguel Pereira Miracema Natividade Nilópolis Niterói Nova Friburgo Nova Iguaçu Paracambi Paraíba do Sul Parati Paty do Alferes Petrópolis Pinheiral Piraí Porciúncula Porto Real Quatis Queimados Quissamã Resende Rio Bonito Rio Claro Rio das Flores Rio das Ostras Rio de Janeiro Santa Maria Madalena Santo Antônio de Pádua São Fidélis São Francisco de Itabapoana São Gonçalo São João da Barra São João de Meriti São José de Ubá São José do Vale do Rio Preto São Pedro da Aldeia São Sebastião do Alto Sapucaia Saquarema Seropédica Silva Jardim Sumidouro Tanguá (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 28.816,38 28.816,38 90,1 – 100,0 30.215,16 30.215,16 90,1 – 100,0 38.704,33 38.704,33 90,1 – 100,0 1.925,08 1.925,08 90,1 – 100,0 13.175,72 93.491,00 12.794,31 93.491,00 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.946,76 55.946,76 90,1 – 100,0 17.980,70 17.980,70 90,1 – 100,0 58.247,72 58.247,72 90,1 – 100,0 93.038,34 91.453,90 90,1 – 100,0 31.989,62 77.664,53 31.989,62 77.664,53 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.706,83 7.706,83 90,1 – 100,0 50.677,76 50.677,76 90,1 – 100,0 30.278,08 30.278,08 90,1 – 100,0 5.068,19 5.068,19 90,1 – 100,0 28.684,60 7.788,14 28.684,60 7.788,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 71.772,63 71.736,80 90,1 – 100,0 111.672,17 111.672,17 90,1 – 100,0 46.328,65 46.328,65 90,1 – 100,0 84.346,46 84.346,46 90,1 – 100,0 47.880,56 23.021,70 47.880,56 22.972,19 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 126.413,77 125.190,99 90,1 – 100,0 81.792,67 81.792,67 90,1 – 100,0 61.540,02 61.540,02 90,1 – 100,0 103.092,49 103.092,49 90,1 – 100,0 111.784,73 25.116,19 111.738,84 24.822,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 46.189,50 46.156,52 90,1 – 100,0 3.492,72 3.492,72 90,1 – 100,0 25.094,74 25.094,74 90,1 – 100,0 24.062,35 24.062,35 90,1 – 100,0 35.751,71 37.310,12 35.751,71 37.310,12 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 54.167,59 54.167,59 90,1 – 100,0 35.561,59 35.548,09 90,1 – 100,0 26.784,70 26.784,70 90,1 – 100,0 94.072,18 94.072,18 90,1 – 100,0 39.592,21 14.384,55 39.592,21 14.384,55 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio de Janeiroinseridos no Domínio da Mata Atlântica (91 Municípios) Município (1) Teresópolis Trajano de Morais Três Rios Valença Varre-Sai Vassouras Volta Redonda (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 77.232,13 77.232,13 90,1 – 100,0 59.097,52 59.097,52 90,1 – 100,0 32.538,52 32.538,52 90,1 – 100,0 130.802,24 130.802,24 90,1 – 100,0 19.021,02 55.378,81 19.021,02 55.378,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.280,96 18.280,96 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Norte inseridos no Domínio da Mata Atlântica (27 Municípios) Município (1) Arês Baía Formosa Brejinho Canguaretama Ceará-Mirim Espírito Santo Extremoz Goianinha Macaíba Maxaranguape Montanhas Monte Alegre Natal Nísia Floresta Nova Cruz Parnamirim Passagem Pedro Velho Pureza Rio do Fogo São Gonçalo do Amarante São José de Mipibu Senador Georgino Avelino Tibau do Sul Touros Várzea Vila Flor (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 11.597,20 11.597,20 90,1 – 100,0 25.027,04 24.996,23 90,1 – 100,0 5.895,60 1.436,41 10,1 – 30,0 28.010,81 27.999,37 90,1 – 100,0 72.976,43 15.777,21 24.707,61 15.777,21 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 13.539,39 11.665,96 60,1 – 90,0 18.067,10 18.067,10 90,1 – 100,0 49.173,00 4.651,18 0,1 – 10,0 13.179,63 10.813,61 60,1 – 90,0 6.505,58 21.101,08 2,30 4.056,73 0,1 – 10,0 10,1 – 30,0 16.988,43 16.952,39 90,1 – 100,0 31.368,54 31.326,58 90,1 – 100,0 28.328,06 149,34 0,1 – 10,0 12.663,51 12.646,07 90,1 – 100,0 4.278,49 18.144,94 642,59 16.624,32 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 50.891,91 4.332,63 0,1 – 10,0 15.102,79 13.535,45 60,1 – 90,0 26.161,00 3.390,93 10,1 – 30,0 29.440,70 23.721,23 60,1 – 90,0 2.319,05 10.409,04 2.317,07 10.385,15 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 82.174,74 26.697,73 30,1 – 60,0 12.051,46 5.842,72 30,1 – 60,0 4.435,77 4.435,77 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios) Município (1) Água Santa Agudo Ajuricaba Alecrim Alegria Alpestre Alto Alegre Alto Feliz Alvorada Amaral Ferrador Ametista do Sul André da Rocha Anta Gorda Antônio Prado Arambaré Araricá Aratiba Arroio do Meio Arroio do Sal Arroio do Tigre Arroio Grande Arvorezinha Augusto Pestana Áurea Balneário Pinhal Barão Barão de Cotegipe Barão do Triunfo Barra do Guarita Barra do Ribeiro Barra do Rio Azul Barra Funda Barracão Barros Cassal Benjamin Constant do Sul Bento Gonçalves Boa Vista do Buricá Boa Vista do Sul Bom Jesus Bom Princípio Bom Progresso Bom Retiro do Sul (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atl ântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 35.266,11 34.601,01 90,1 – 100,0 53.289,80 53.289,80 90,1 – 100,0 33.538,55 33.374,55 90,1 – 100,0 32.012,11 31.982,40 90,1 – 100,0 17.508,15 32.502,01 17.508,15 32.502,01 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.057,84 10.315,81 90,1 – 100,0 8.530,26 8.530,26 90,1 – 100,0 7.287,53 7.287,53 90,1 – 100,0 50.667,10 21.112,47 30,1 – 60,0 7.600,66 33.338,35 7.600,66 33.338,35 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.034,18 24.034,18 90,1 – 100,0 34.312,41 34.312,41 90,1 – 100,0 51.765,20 50.727,82 90,1 – 100,0 3.753,71 3.753,71 90,1 – 100,0 34.196,01 15.346,65 34.196,01 15.346,65 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.761,47 12.742,34 90,1 – 100,0 31.456,60 31.456,60 90,1 – 100,0 254.461,70 157.478,44 60,1 – 90,0 27.832,14 27.832,14 90,1 – 100,0 38.857,27 15.927,40 28.791,36 15.927,40 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 10.625,24 10.621,83 90,1 – 100,0 12.233,92 12.233,92 90,1 – 100,0 29.461,66 29.461,66 90,1 – 100,0 43.613,62 23.157,51 30,1 – 60,0 6.742,85 73.981,45 6.742,85 70.140,93 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 14.260,82 14.260,82 90,1 – 100,0 6.408,09 6.408,09 90,1 – 100,0 52.691,70 5.2691,7 90,1 – 100,0 64.804,97 64.804,97 90,1 – 100,0 13.246,76 38.092,02 8.533,80 38.092,02 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 10.877,82 10.877,82 90,1 – 100,0 9.515,04 9.515,04 90,1 – 100,0 263.333,46 263.333,46 90,1 – 100,0 9.025,14 9.025,14 90,1 – 100,0 8.294,00 10.272,67 8.294,00 10.272,67 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Boqueirão do Leão Braga Brochier Butiá Caçapava do Sul Cachoeira do Sul Cachoeirinha Cacique Doble Caibaté Caiçara Camaquã Camargo Cambará do Sul Campestre da Serra Campina das Missões Campinas do Sul Campo Bom Campo Novo Campos Borges Candelária Cândido Godói Canela Canguçu Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capela de Santana Capitão Capivari do Sul Caraã Carazinho Carlos Barbosa Carlos Gomes Casca Caseiros Catuípe Caxias do Sul Centenário Cerrito Cerro Branco Cerro Grande Cerro Grande do Sul Cerro Largo (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 27.447,34 27.447,34 90,1 – 100,0 13.050,79 13.050,79 90,1 – 100,0 11.546,60 1.1546,6 90,1 – 100,0 74.592,75 6.786,95 0,1 – 10,0 304.467,35 371.581,37 1.536,67 147.976,46 0,1 – 10,0 30,1 – 60,0 4.373,54 4.373,54 90,1 – 100,0 20.590,96 20.590,96 90,1 – 100,0 37.481,71 24.371,98 60,1 – 90,0 18.948,70 1.8948,7 90,1 – 100,0 168.330,98 13.782,46 166.354,68 13.782,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 115.890,13 115.890,13 90,1 – 100,0 53.889,15 53.889,15 90,1 – 100,0 22.764,36 22.764,36 90,1 – 100,0 45.069,52 1.610,59 0,1 – 10,0 5.985,25 22.270,06 5.985,25 22.270,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.004,95 9.120,65 30,1 – 60,0 93.998,66 93.998,66 90,1 – 100,0 24.738,19 24.738,19 90,1 – 100,0 25.278,86 25.278,86 90,1 – 100,0 352.085,55 13.125,97 55.595,31 13.013,55 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 9.689,43 9.672,93 90,1 – 100,0 78.391,20 60.409,92 60,1 – 90,0 18.174,73 18.174,73 90,1 – 100,0 7.005,28 7.005,28 90,1 – 100,0 41.376,10 39.620,09 90,1 – 100,0 29.538,25 29.538,25 90,1 – 100,0 90.979,79 3.063,78 0,1 – 10,0 20.805,71 20.805,71 90,1 – 100,0 8.405,55 8.405,55 90,1 – 100,0 27.079,54 27.079,54 90,1 – 100,0 24.004,60 2.4004,6 90,1 – 100,0 61.249,27 61.249,27 90,1 – 100,0 158.818,15 158.818,15 90,1 – 100,0 13.371,95 13.371,95 90,1 – 100,0 46.166,12 4.697,96 10,1 – 30,0 15.639,94 15.639,94 90,1 – 100,0 7.456,07 7.456,07 90,1 – 100,0 32.460,60 3.2460,6 90,1 – 100,0 17.456,28 16.720,75 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Chapada Charqueadas Charrua Chiapeta Chuí Chuvisca Cidreira Ciríaco Colinas Colorado Condor Constantina Coqueiros do Sul Coronel Barros Coronel Bicaco Cotiporã Coxilha Crissiumal Cristal Cristal do Sul Cruz Alta Cruzeiro do Sul David Canabarro Derrubadas Dezesseis de Novembro Dois Irmãos Dois Irmãos das Missões Dois Lajeados Dom Feliciano Dom Pedro de Alcântara Dona Francisca Doutor Maurício Cardoso Doutor Ricardo Eldorado do Sul Encantado Engenho Velho Entre Rios do Sul Entre-Ijuís Erechim Ernestina Erval Grande Erval Seco Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 69.555,49 17.476,29 10,1 – 30,0 21.496,29 41,51 0,1 – 10,0 19.939,32 19.939,32 90,1 – 100,0 39.746,00 39746 90,1 – 100,0 20.081,04 19.890,52 90,1 – 100,0 21.414,55 24.191,60 21.414,55 24.185,90 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 27.775,07 27.775,07 90,1 – 100,0 5.886,79 5.886,79 90,1 – 100,0 28.459,46 27.177,08 90,1 – 100,0 46.551,10 15.573,47 30,1 – 60,0 27.845,59 25.744,99 27.845,59 5.890,15 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 16.170,78 16.170,78 90,1 – 100,0 49.459,93 17.447,02 30,1 – 60,0 18.349,83 18.349,83 90,1 – 100,0 42.131,29 140,52 0,1 – 10,0 36.405,41 68.216,79 36.399,79 55.893,77 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 9.681,39 9.681,39 90,1 – 100,0 243.621,87 493,99 0,1 – 10,0 15.543,67 15.543,67 90,1 – 100,0 17.495,61 17.495,61 90,1 – 100,0 36.528,11 21.593,56 36.492,53 11.183,39 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 7.299,71 7.299,71 90,1 – 100,0 24.975,62 43,58 0,1 – 10,0 12.325,90 12.325,9 90,1 – 100,0 126.292,72 504.33,42 30,1 – 60,0 7.932,10 10.520,40 7.932,10 10.520,40 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.323,11 25.295,45 90,1 – 100,0 11.024,58 11.024,58 90,1 – 100,0 52.032,38 11.110,08 10,1 – 30,0 14.086,78 14.086,78 90,1 – 100,0 7.363,78 7.363,78 90,1 – 100,0 11.862,63 55.303,48 1.226,12 24.656,59 10,1 – 30,0 30,1 – 60,0 76.335,72 45.481,65 30,1 – 60,0 29.407,31 27.661,87 90,1 – 100,0 28.512,29 28.512,29 90,1 – 100,0 34.539,08 2.6133,7 60,1 – 90,0 Esmeralda 128.238,62 128.238,62 90,1 – 100,0 (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99)

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Esperança do Sul Espumoso Estação Estância Velha Esteio Estrela Estrela Velha Eugênio de Castro Fagundes Varela Farroupilha Faxinal do Soturno Faxinalzinho Fazenda Vilanova Feliz Flores da Cunha Floriano Peixoto Fontoura Xavier Formigueiro Fortaleza dos Valos Frederico Westphalen Garibaldi Garruchos Gaurama General Câmara Gentil Getúlio Vargas Giruá Glorinha Gramado Gramado dos Loureiros Gramado Xavier Gravataí Guabiju Guaíba Guaporé Guarani das Missões Harmonia Herveiras Horizontina Humaitá Ibarama Ibiaçá (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 14.622,68 14.620,31 90,1 – 100,0 88.767,85 85.238,43 90,1 – 100,0 9.675,58 0,75 0,1 – 10,0 5.162,61 5.162,61 90,1 – 100,0 2.747,35 18.404,76 2.747,35 18.404,76 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 28.297,82 27.481,00 90,1 – 100,0 42.151,26 5.319,44 10,1 – 30,0 13.221,23 13.221,23 90,1 – 100,0 39.397,16 39.397,16 90,1 – 100,0 16.607,22 14.393,10 16.607,22 14.393,10 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.543,41 8.543,41 90,1 – 100,0 9.257,54 9.257,54 90,1 – 100,0 29.368,09 29.368,09 90,1 – 100,0 16.230,79 16.230,79 90,1 – 100,0 57.605,99 58.766,96 57.605,99 55.684,27 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 68.946,53 119,86 0,1 – 10,0 26.440,60 26.440,60 90,1 – 100,0 27.306,54 27.306,54 90,1 – 100,0 83.092,34 219,89 0,1 – 10,0 20.096,22 49.400,77 20.096,22 47.059,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.383,57 18.383,57 90,1 – 100,0 28.604,93 22.566,87 60,1 – 90,0 82.732,20 8.2732,20 90,1 – 100,0 33.620,02 33.620,02 90,1 – 100,0 24.284,61 14.172,05 24.284,61 12.847,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.682,03 21.682,03 90,1 – 100,0 47.889,99 47.889,99 90,1 – 100,0 14.744,45 14.744,45 90,1 – 100,0 37.706,02 2.903,79 0,1 – 10,0 31.239,86 29.268,06 31.239,86 29.268,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 4.857,15 4.857,15 90,1 – 100,0 11.871,55 11.871,55 90,1 – 100,0 23.121,45 23.121,45 90,1 – 100,0 14.245,22 14.245,22 90,1 – 100,0 19.497,8 5 39.821,76 19.497,85 39.821,76 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Ibiraiaras Ibirapuitã Ibirubá Igrejinha Ijuí Ilópolis Imbé Imigrante Independência Inhacorá Ipê Iraí Itaara Itapuca Itatiba do Sul Ivorá Ivoti Jaboticaba Jacutinga Jaguarão Jaguari Jaquirana Jari Jóia Júlio de Castilhos Lagoa Dos Patos Lagoa dos Três Cantos Lagoa Mirim Lagoa Vermelha Lagoão Lajeado Lajeado do Bugre Liberato Salzano Lindolfo Collor Linha Nova Machadinho Mampituba Maquiné Maratá Marau Marcelino Ramos Mariana Pimentel (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 31.625,92 31.625,92 90,1 – 100,0 37.492,32 37.492,32 90,1 – 100,0 62.512,34 36.529,84 30,1 – 60,0 14.446,88 14.446,88 90,1 – 100,0 90.747,77 11.551,40 81.157,53 1.1551,4 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 3.949,10 3.944,84 90,1 – 100,0 10.055,76 10.055,76 90,1 – 100,0 35.301,07 35.301,07 90,1 – 100,0 11.317,81 11.317,81 90,1 – 100,0 60.092,04 20.017,03 60.092,04 20.017,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.269,98 14.764,12 60,1 – 90,0 18.437,13 18.437,13 90,1 – 100,0 21.529,68 21.529,68 90,1 – 100,0 13.157,85 12.959,01 90,1 – 100,0 6.514,12 12.882,48 6.514,12 6.902,63 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 22.439,68 8.494,96 30,1 – 60,0 207.089,79 59.753,66 10,1 – 30,0 68.501,21 40.447,67 30,1 – 60,0 91.745,46 91.745,46 90,1 – 100,0 87.161,77 124.616,05 34.951,67 5.084,41 30,1 – 60,0 0,1 – 10,0 185.836,17 17.817,99 0,1 – 10,0 1.009.943,04 67.181,78 0,1 – 10,0 13.578,23 13.578,23 90,1 – 100,0 280.758,80 39.697,52 10,1 – 30,0 177.859,89 38.417,19 177.859,89 38.417,19 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.090,12 24.090,12 90,1 – 100,0 7.362,45 4.582,14 60,1 – 90,0 25.001,07 25.001,07 90,1 – 100,0 3.177,44 3.177,44 90,1 – 100,0 6.290,99 33.354,51 6.290,99 33.354,51 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.699,72 15.699,72 90,1 – 100,0 62.526,06 62.200,11 90,1 – 100,0 8.633,57 8.633,57 90,1 – 100,0 61.152,13 61.152,13 90,1 – 100,0 22.990,62 32.657,73 22.990,62 19,915,00 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Mariano Moro Marques de Souza Mata Mato Castelhano Mato Leitão Maximili ano de Almeida Minas do Leão Miraguaí Montauri Monte Alegre dos Campos Monte Belo do Sul Montenegro Mormaço Morrinhos do Sul Morro Redondo Morro Reuter Mostardas Muçum Muitos Capões Muliterno Não-Me-Toque Nicolau Vergueiro Nonoai Nova Alvorada Nova Araçá Nova Bassano Nova Boa Vista Nova Bréscia Nova Candelária Nova Esperança do Sul Nova Hartz Nova Pádua Nova Palma Nova Petrópolis Nova Prata Nova Ramada Nova Roma do Sul Nova Santa Rita Novo Barreiro Novo Cabrais Novo Hamburgo Novo Machado (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 10.277,71 10.277,71 90,1 – 100,0 12.723,60 12.723,60 90,1 – 100,0 29.965,47 15.912,57 30,1 – 60,0 24.519,08 16.521,54 60,1 – 90,0 4.959,58 21.585,82 4.959,58 21.585,82 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 42.623,56 425,72 10,1 – 30,0% 12.959,53 12.959,53 90,1 – 100,0 7.070,36 7.070,36 90,1 – 100,0 55.220,59 55.220,59 90,1 – 100,0 6.772,42 44.081,42 6.772,42 44.081,42 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 14.627,77 14.627,77 90,1 – 100,0 16.657,30 1.6657,3 90,1 – 100,0 24.709,78 8,33 0,1 – 10,0 8.591,59 8.591,59 90,1 – 100,0 194.229,89 10.902,47 18.7833,9 10.902,47 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 119.250,94 119.250,94 90,1 – 100,0 11.270,36 11.270,36 90,1 – 100,0 37.904,20 35.986,51 90,1 – 100,0 15.707,24 15.707,24 90,1 – 100,0 45.906,33 14.936,02 4.4164,8 14.936,02 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 5.429,70 5.429,70 90,1 – 100,0 22.552,70 22.552,70 90,1 – 100,0 9.606,94 8.432,23 60,1 – 90,0 20.101,12 20.101,12 90,1 – 100,0 9.838,86 19.082,01 9.838,86 12.405,80 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 5.783,81 5.783,81 90,1 – 100,0 10.232,85 10.232,85 90,1 – 100,0 35.203,80 35.203,80 90,1 – 100,0 29.317,25 29.317,25 90,1 – 100,0 25.907,70 25.597,64 25.907,70 20.787,39 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 15.250,12 15.250,12 90,1 – 100,0 21.815,87 21.813,65 90,1 – 100,0 12.391,73 12.282,21 90,1 – 100,0 19.377,73 19.377,73 90,1 – 100,0 21.581,81 22.303,74 21.581,81 22.289,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Novo Tiradentes Osório Paim Filho Palmares do Sul Palmeira das Missões Palmitinho Panambi Pantano Grande Paraí Paraíso do Sul Pareci Novo Parobé Passa Sete Passo do Sobrado Passo Fundo Paverama Pedro Osório Pejuçara Pelotas Picada Café Pinhal Pinhal Grande Pinheirinho do Vale Pirapó Planalto Poço das Antas Pontão Ponte Preta Portão Porto Alegre Porto Lucena Porto Mauá Porto Vera Cruz Porto Xavier Pouso Novo Presidente Lucena Progresso Protásio Alves Putinga Quevedos Quinze de Novembro Redentora (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 7.384,46 7.384,46 90,1 – 100,0 67.109,10 58.604,02 60,1 – 90,0 17.564,67 17.564,67 90,1 – 100,0 94.728,06 92.183,85 90,1 – 100,0 154.968,78 14.436,46 13.055,86 14.436,46 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 49.130,45 30.503,19 60,1 – 90,0 84.776,78 10.742,68 10,1 – 30,0 12.112,61 12.112,61 90,1 – 100,0 34.288,00 34.288,00 90,1 – 100,0 5.995,61 11.144,47 5.995,61 11.144,47 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.346,51 30.346,51 90,1 – 100,0 28.087,29 28.087,29 90,1 – 100,0 75.946,29 37.947,69 30,1 – 60,0 16.917,59 16.917,59 90,1 – 100,0 59.843,20 41.480,95 17.837,22 3.883,69 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 164.786,21 148.337,44 90,1 – 100,0 8.338,27 8.338,27 90,1 – 100,0 7.269,06 7.269,06 90,1 – 100,0 47.750,47 39.083,73 60,1 – 90,0 10.607,58 27.475,60 10.607,58 27.470,43 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.716,59 23.716,59 90,1 – 100,0 5.929,74 5.929,74 90,1 – 100,0 52.424,03 5.107,67 0,1 – 10,0 10.622,88 10.397,27 90,1 – 100,0 15.858,43 49.603,50 15.858,43 40.445,93 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 23.097,38 23.080,36 90,1 – 100,0 10.633,86 10.622,08 90,1 – 100,0 11.432,45 11.424,21 90,1 – 100,0 26.899,55 26.883,56 90,1 – 100,0 10.692,89 4.939,49 10.692,89 4.939,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 27.760,62 27.760,62 90,1 – 100,0 17.251,02 17.251,02 90,1 – 100,0 21.830,62 21.830,62 90,1 – 100,0 54.227,91 13.683,85 10,1 – 30,0 22.806,06 31.011,56 13.104,29 30.067,25 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Relvado Restinga Seca Rio dos µndios Rio Grande Rio Pardo Riozinho Roca Sales Rodeio Bonito Rolante Ronda Alta Rondinha Roque Gonzales Sagrada Família Saldanha Marinho Salto do Jacuí Salvador das Missões Salvador do Sul Sananduva Santa Bárbara do Sul Santa Clara do Sul Santa Cruz do Sul Santa Maria Santa Maria do Herval Santa Rosa Santa Tereza Santa Vitória do Palmar Santiago Santo Ângelo Santo Antônio da Patrulha Santo Antônio do Palma Santo Antônio do Planalto Santo Augusto Santo Cristo Santo Expedito do Sul São Domingos do Sul São Francisco de Assis São Francisco de Paula São Gabriel São Jerônimo São João da Urtiga São João do Polêsine São Jorge (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 11.541,79 11.541,79 90,1 – 100,0 95.932,99 95.932,99 90,1 – 100,0 23.705,59 23.705,59 90,1 – 100,0 283.550,08 268.409,43 90,1 – 100,0 218.756,18 23.669,40 165.712,56 2.3669,4 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 20.872,37 20.872,37 90,1 – 100,0 8.140,93 8.140,93 90,1 – 100,0 27.045,46 27.045,46 90,1 – 100,0 41.983,70 6.631,60 10,1 – 30,0 25.903,19 36.512,24 24.279,28 36.141,48 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.746,60 7.746,60 90,1 – 100,0 22.055,65 21.662,12 90,1 – 100,0 82.757,31 14.028,96 10,1 – 30,0 9.745,18 9.745,18 90,1 – 100,0 12.854,96 50.516,82 12.854,96 50.516,82 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 95.898,60 5.332,59 0,1 – 10,0 8.868,55 8.868,55 90,1 – 100,0 61.706,93 61.706,93 90,1 – 100,0 182.547,86 10.9390,2 30,1 – 60,0 13.272,26 48.855,31 13.272,2 6 48.855,31 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.766,86 7.766,86 90,1 – 100,0 524.309,47 454.002,87 60,1 – 90,0 326.465,21 31.876,79 0,1 – 10,0 67.653,97 67.653,97 90,1 – 100,0 106.945,00 12.617,14 104.327,31 12.617,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.749,29 7.664,30 30,1 – 60,0 41.768,02 32.849,09 60,1 – 90,0 36.285,09 36.285,09 90,1 – 100,0 12.546,35 12.546,35 90,1 – 100,0 8.111,53 250.413,56 8.111,53 30.217,75 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 333.370,46 333.370,46 90,1 – 100,0 601.137,63 16.648,63 0,1 – 10,0 97.023,25 18.779,37 10,1 – 30,0 17.140,02 17.140,02 90,1 – 100,0 8.602,04 11.628,46 8.602,04 11.628,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) São José das Missões São José do Herval São José do Hortêncio São José do Inhacorá São José do Norte São José do Ouro São José dos Ausentes São Leopoldo São Lourenço do Sul São Luiz Gonzaga São Marcos São Martinho São Martinho da Serra São Miguel das Missões São Nicolau São Paulo das Missões São Pedro da Serra São Pedro do Butiá São Pedro do Sul São Sebastião do Caí São Sepé São Valentim São Valentim do Sul São Valério do Sul São Vendelino Sapiranga Sapucaia do Sul Sarandi Seberi Sede Nova Segredo Selbach Senador Salgado Filho Sentinela do Sul Serafina Corrêa Sério Sertão Sertão Santana Sete de Setembro Severiano de Almeida Silveira Martins Sinimbu (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 9.622,99 9.622,99 90,1 – 100,0 10.148,83 10.148,83 90,1 – 100,0 6.454,45 6.454,45 90,1 – 100,0 7.736,04 7.736,04 90,1 – 100,0 113.547,76 31.726,97 110.186,78 31.726,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 117.561,02 117.561,02 90,1 – 100,0 10.708,65 10.708,65 90,1 – 100,0 202.830,75 197.008,19 90,1 – 100,0 159.388,25 2.1461,8 10,1 – 30,0 26.374,96 16.764,08 26.374,96 16.764,08 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 66.510,45 20.156,09 30,1 – 60,0 138.340,49 5.793,03 0,1 – 10,0 50.862,55 14.757,73 10,1 – 30,0 23.875,14 23.875,14 90,1 – 100,0 3.514,22 10.572,06 3.514,22 10.485,71 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 88.584,85 25.435,76 10,1 – 30,0 11.401,54 11.401,54 90,1 – 100,0 217.603,79 39.138,14 10,1 – 30,0 15.242,9 2 11.976,09 60,1 – 90,0 9.654,17 11.569,81 9.654,17 11.569,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 3.796,25 3.796,25 90,1 – 100,0 13.341,91 13.341,91 90,1 – 100,0 5.809,32 5.809,32 90,1 – 100,0 34.299,93 26.825,35 60,1 – 90,0 30.379,88 11.780,54 25.123,61 11.780,54 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 24.876,24 24.876,24 90,1 – 100,0 17.736,48 17.736,48 90,1 – 100,0 14.710,98 14.710,98 90,1 – 100,0 28.251,65 28.251,65 90,1 – 100,0 16.154,91 9.911,52 16.154,91 9.911,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.387,71 12.171,36 10,1 – 30,0 25.048,21 25.048,21 90,1 – 100,0 14.510,04 14.510,04 90,1 – 100,0 16.277,16 16.277,16 90,1 – 100,0 12.246,21 50.793,34 12.246,21 50.793,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Sobradinho Soledade Tabaí Tapejara Tapera Tapes Taquara Taquari Taquaruçu do Sul Tavares Tenente Portela Terra de Areia Teutônia Tiradentes do Sul Toropi Torres Tramandaí Travesseiro Três Arroios Três Cachoeiras Três Coroas Três de Maio Três Forquilhas Três Palmeiras Três Passos Trindade do Sul Triunfo Tucunduva Tunas Tupanci do Sul Tupandi Tuparendi Turuçu Ubiretama União da Serra Vacaria Vale do Sol Vale Real Vale Verde Vanini Venâncio Aires Vera Cruz (1) IBGE, 1997 (2) SistemadeInformaçõesGeográficasdoISA–InstitutoSocioambiental(2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 23.830,37 23.830,37 90,1 – 100,0 120.919,35 120.919,35 90,1 – 100,0 9.459,45 9.459,45 90,1 – 100,0 31.514,08 31.514,08 90,1 – 100,0 18.239,18 80.558,24 18.239,18 78.701,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.571,04 44.571,04 90,1 – 100,0 34.656,50 33.620,10 90,1 – 100,0 7.695,04 7.695,04 90,1 – 100,0 65.191,92 58.932,59 90,1 – 100,0 34.163,53 33.825,17 34.163,53 33.825,17 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.555,10 21.555,10 90,1 – 100,0 23.337,82 23.318,41 90,1 – 100,0 18.325,37 18.029,93 90,1 – 100,0 16.175,23 16.161,87 90,1 – 100,0 14.376,29 9.532,63 14.364,27 9.532,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.094,43 15.094,43 90,1 – 100,0 25.282,18 25.282,18 90,1 – 100,0 15.915,95 15.915,95 90,1 – 100,0 42.430,28 42.430,28 90,1 – 100,0 21.663,14 17.579,28 21.663,14 8.979,06 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 27.375,13 27.375,13 90,1 – 100,0 27.001,54 17.818,44 60,1 – 90,0 82.388,19 71.507,56 60,1 – 90,0 17.577,60 17.577,60 90,1 – 100,0 21.806,25 14.219,33 21.790,67 14.219,33 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.695,08 6.695,08 90,1 – 100,0 30.836,78 30.836,78 90,1 – 100,0 28.600,51 2.7006,9 90,1 – 100,0 12.682,57 12.682,57 90,1 – 100,0 12.851,95 210.494,52 12.851,95 210.494,52 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 33.040,91 33.040,91 90,1 – 100,0 5.715,38 5.715,38 90,1 – 100,0 33.467,55 33.467,55 90,1 – 100,0 6.379,01 6.379,01 90,1 – 100,0 75.661,51 30.389,51 75.661,51 30.389,51 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado do Rio Grande do Sul inseridos no Domínio da Mata Atlântica (436 Municípios – continuação) Município (1) Veranópolis Vespasiano Correa Viadutos Viamão Vicente Dutra Victor Graeff Vila Flores Vila Lângaro Vila Maria Vista Alegre Vista Alegre do Prata Vista Gaúcha Vitória das Missões Xangri-lá (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 27.649,31 27.649,31 90,1 – 100,0 12.437,24 12.437,24 90,1 – 100,0 27.145,11 27.145,11 90,1 – 100,0 149.435,70 144.674,76 90,1 – 100,0 19.501,42 26.721,57 19.501,42 26.721,57 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.513,11 12.513,11 90,1 – 100,0 15.474,84 8.943,24 30,1 – 60,0 18.485,83 18.485,83 90,1 – 100,0 7.652,65 7.652,65 90,1 – 100,0 11.616,61 8.237,97 11.616,61 8.237,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.052,15 22.345,11 60,1 – 90,0 6.036,59 6.029,25 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios) Município (1) Abdon Batista Abelardo Luz Agrolândia Agronômica Água Doce Águas de Chapecó Águas Frias Águas Mornas Alfredo Wagner Alto Bela Vista Anchieta Angelina Anita Garibaldi Anitápolis Antônio Carlos Apiúna Arabutã Araquari Araranguá Armazém Arroio Trinta Arvoredo Ascurra Atalanta Aurora Balneário Arroio do Silva Balneário Barra do Sul Balneário Camboriú Balneário Gaivota Bandeirante Barra Bonita Barra Velha Bela Vista do Toldo Belmonte Benedito Novo Biguaçu Blumenau Bocaina do Sul Bom Jardim da Serra Bom Jesus Bom Jesus do Oeste Bom Retiro (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 19.809,99 19.809,99 90,1 – 100,0 103.794,61 103.794,61 90,1 – 100,0 19.247,15 19.247,15 90,1 – 100,0 11.676,01 11.676,01 90,1 – 100,0 132.115,16 13.884,23 132.115,16 13.884,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.689,44 7.689,44 90,1 – 100,0 32.825,98 32.825,98 90,1 – 100,0 73.327,39 73.327,39 90,1 – 100,0 10.441,18 10.441,18 90,1 – 100,0 23.013,40 52.467,20 23.013,40 52.467,20 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 60.599,09 60.599,09 90,1 – 100,0 57.627,40 57.627,40 90,1 – 100,0 24.269,07 24.269,07 90,1 – 100,0 48.904,93 48.904,93 90,1 – 100,0 13.107,53 40.281,14 13.107,53 40.278,41 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 29.819,45 29.815,95 90,1 – 100,0 13.870,17 13.870,17 90,1 – 100,0 11.242,10 11.242,10 90,1 – 100,0 9.118,77 9.118,77 90,1 – 100,0 11.916,0 8 9.793,49 11.916,08 9.793,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.639,76 22.639,76 90,1 – 100,0 9.372,37 9.360,98 90,1 – 100,0 11.051,60 11.035,88 90,1 – 100,0 4.662,42 4.588,98 90,1 – 100,0 15.086,90 14.729,94 15.072,28 14.615,11 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 6.242,84 6.242,84 90,1 – 100,0 14.236,15 14.223,62 90,1 – 100,0 52.760,34 52.760,34 90,1 – 100,0 9.296,32 9.281,58 90,1 – 100,0 38.597,48 30.309,25 38.597,48 30.284,30 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 51.010,51 51.010,51 90,1 – 100,0 49.637,17 49.637,17 90,1 – 100,0 93.507,3 7 93.507,37 90,1 – 100,0 6.849,88 6.849,88 90,1 – 100,0 6.710,71 106.562,11 6.710,71 106.562,11 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Bombinhas Botuverá Braço do Norte Braço do Trombudo Brunópolis Brusque Caçador Caibi Calmon Camboriú Campo Alegre Campo Belo do Sul Campo Erê Campos Novos Canelinha Canoinhas Capão Alto Capinzal Capivari de Baixo Catanduvas Caxambu do Sul Celso Ramos Cerro Negro Chapadão do Lageado Chapecó Cocal do Sul Concórdia Cordilheira Alta Coronel Freitas Coronel Martins Correia Pinto Corupá Criciúma Cunha Porã Cunhataí Curitibanos Descanso Dionísio Cerqueira Dona Emma Doutor Pedrinho Entre Rios Ermo (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 3.745,80 3.498,27 90,1 – 100,0 31.792,75 31.792,75 90,1 – 100,0 19.433,75 19.433,75 90,1 – 100,0 9.015,97 9.015,97 90,1 – 100,0 33.656,31 28.064,34 33.656,31 28.064,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 100.016,36 100.016,36 90,1 – 100,0 17.823,71 17.823,71 90,1 – 100,0 63.501,12 63.501,12 90,1 – 100,0 21.180,48 21.180,48 90,1 – 100,0 50.210,85 102.335,85 50.210,85 102.335,85 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 45.835,06 45.835,06 90,1 – 100,0 163.469,06 163.469,06 90,1 – 100,0 15.138,61 15.138,61 90,1 – 100,0 114.358,19 114.358,19 90,1 – 100,0 135.173,95 22.482,59 135.173,95 22.482,59 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 4.692,93 4.692,93 90,1 – 100,0 19.683,31 19.683,31 90,1 – 100,0 14.354,56 14.354,56 90,1 – 100,0 19.007,31 19.007,31 90,1 – 100,0 41.799,21 11.377,92 41.799,21 11.377,92 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 62.539,44 62.539,44 90,1 – 100,0 7.845,85 7.845,85 90,1 – 100,0 80.781,30 80.781,30 90,1 – 100,0 8.460,13 8.460,13 90,1 – 100,0 23.482,30 9.962,73 23.482,30 9.962,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 62.390,06 62.390,06 90,1 – 100,0 40.783,63 40.783,63 90,1 – 100,0 21.017,59 21.017,59 90,1 – 100,0 21.777,67 21.777,67 90,1 – 100,0 5.528,48 95.368,25 5.528,48 95.368,25 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 28.611,62 28.611,62 90,1 – 100,0 37.687,27 37.584,74 90,1 – 100,0 14.642,09 14.642,09 90,1 – 100,0 37.505,87 37.505,87 90,1 – 100,0 10.557,96 6.493,14 10.557,96 6.493,14 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Veral Velho Faxinal dos Guedes Flor do Sertão Florianópolis Formosa do Sul Forquilhinha Fraiburgo Frei Rogério Galvão Garopaba Garuva Gaspar Governador Celso Ramos Grão Pará Gravatal Guabiruba Guaraciaba Guaramirim Guarujá do Sul Guatambú Herval d’Oeste Ibiam Ibicaré Ibirama Içara Ilhota Imaruí Imbituba Imbuia Indaial Iomerê Ipira Iporã do Oeste Ipuaçu Ipumirim Iraceminha Irani Irati Irineópolis Itá Itaiópolis Itajaí (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 23.173,65 23.173,65 90,1 – 100,0 28.031,37 28.031,37 90,1 – 100,0 6.521,84 6.521,84 90,1 – 100,0 43.698,39 42.953,74 90,1 – 100,0 9.541,62 18.412,67 9.541,62 18.412,67 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 43.549,00 43.549,00 90,1 – 100,0 15.725,20 15.725,20 90,1 – 100,0 13.123,41 13.123,41 90,1 – 100,0 10.846,45 10.782,02 90,1 – 100,0 49.937,89 36.997,62 49.937,89 36.997,62 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 10.510,94 10.003,00 90,1 – 100,0 32.897,12 32.897,12 90,1 – 100,0 19.417,79 19.417,79 90,1 – 100,0 17.325,53 17.325,53 90,1 – 100,0 34.845,34 24.301,59 34.706,48 24.301,59 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.962,49 9.962,49 90,1 – 100,0 20.624,98 20.624,98 90,1 – 100,0 21.294,76 21.294,76 90,1 – 100,0 14.714,35 14.714,35 90,1 – 100,0 16.634,57 26.852,88 16.634,57 26.852,88 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 31.552,49 31.542,38 90,1 – 100,0 24.502,18 24.502,18 90,1 – 100,0 54.152,55 54.152,55 90,1 – 100,0 18.589,99 18.417,00 90,1 – 100,0 12.376,85 42.988,61 12.376,85 42.988,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.174,61 11.174,61 90,1 – 100,0 15.022,97 15.022,97 90,1 – 100,0 18.428,37 18.428,37 90,1 – 100,0 25.884,72 25.884,72 90,1 – 100,0 23.992,33 15.868,57 23.992,33 15.868,57 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 31.877,03 31.877,03 90,1 – 100,0 7.912,17 7.912,17 90,1 – 100,0 58.113,87 58.113,87 90,1 – 100,0 16.578,88 16.578,88 90,1 – 100,0 124.257,46 30.369,90 124.257,46 30.350,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Itapema Itapiranga Itapoá Ituporanga Jaborá Jacinto Machado Jaguaruna Jaraguá do Sul Jardinópolis Joaçaba Joinville José Boiteux Jupiá Lacerdópolis Lages Laguna Lajeado Grande Laurentino Lauro Muller Lebon Régis Leoberto Leal Lindóia do Sul Lontras Luiz Alves Luzerna Macieira Mafra Major Gercino Major Vieira Maracajá Maravilha Marema Massaranduba Matos Costa Meleiro Mirim Doce Modelo Mondaí Monte Carlo Monte Castelo Morro da Fumaça Morro Grande (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 5.889,80 5.865,03 90,1 – 100,0 28.578,95 28.365,66 90,1 – 100,0 25.557,59 25.544,71 90,1 – 100,0 33.603,62 33.603,62 90,1 – 100,0 18.786,41 41.720,81 18.786,41 41.720,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.811,38 32.779,61 90,1 – 100,0 54.022,66 54.022,66 90,1 – 100,0 6.715,06 6.715,06 90,1 – 100,0 24.066,37 24.066,37 90,1 – 100,0 108.164,00 35.871,81 108.164,00 35.871,81 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.143,82 9.143,82 90,1 – 100,0 6.914,63 6.914,63 90,1 – 100,0 265.025,36 265.025,36 90,1 – 100,0 44.571,56 44.449,53 90,1 – 100,0 6.694,21 6.789,07 6.694,21 6.789,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.704,12 26.704,12 90,1 – 100,0 99.076,60 99.076,60 90,1 – 100,0 29.837,38 29.837,38 90,1 – 100,0 19.045,14 19.045,14 90,1 – 100,0 19.744,52 26.092,66 19.744,52 26.092,66 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.666,62 11.666,62 90,1 – 100,0 23.594,87 23.594,87 90,1 – 100,0 178.835,53 178.835,53 90,1 – 100,0 27.849,92 27.849,92 90,1 – 100,0 54.452,34 7.058,88 54.452,34 7.058,88 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.904,21 16.904,21 90,1 – 100,0 9.969,18 9.969,18 90,1 – 100,0 39.462,86 39.462,86 90,1 – 100,0 37.144,65 37.144,65 90,1 – 100,0 18.583,45 33.387,84 18.583,45 33.387,84 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.550,56 9.550,56 90,1 – 100,0 21.533,25 21.533,25 90,1 – 100,0 16.675,57 16.675,57 90,1 – 100,0 56.638,25 56.638,25 90,1 – 100,0 8.280,54 25.107,43 8.280,54 25.107,43 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Navegantes Nova Erechim Nova Itaberaba Nova Trento Nova Veneza Novo Horizonte Orleans Otacílio Costa Ouro Ouro Verde Paial Painel Palhoça Palma Sola Palmeira Palmitos Papanduva Paraíso Passo de Torres Passos Maia Paulo Lopes Pedras Grandes Penha Peritiba Petrolândia Piçarras Pinhalzinho Pinheiro Preto Piratuba Planalto Alegre Pomerode Ponte Alta Ponte Alta do Norte Ponte Serrada Porto Belo Porto União Pouso Redondo Praia Grande Presidente Castelo Branco Presidente Getúlio Presidente Nereu Princesa (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 11.956,01 11.952,85 90,1 – 100,0 6.301,54 6.301,54 90,1 – 100,0 13.570,16 13.570,16 90,1 – 100,0 39.863,41 39.863,41 90,1 – 100,0 29.046,60 15.143,36 29.046,60 15.143,36 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 60.069,83 60.069,83 90,1 – 100,0 92.399,78 92.399,78 90,1 – 100,0 20.943,01 20.943,01 90,1 – 100,0 20.156,51 20.156,51 90,1 – 100,0 8.486,52 76.537,50 8.486,52 76.537,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.295,17 32.038,81 90,1 – 100,0 31.442,89 31.442,89 90,1 – 100,0 29.227,41 29.227,41 90,1 – 100,0 34.758,03 34.758,03 90,1 – 100,0 77.750,65 18.289,96 77.750,65 18.189,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.058,68 9.043,66 90,1 – 100,0 58.974,37 58.974,37 90,1 – 100,0 44.774,53 44.735,20 90,1 – 100,0 15.312,07 15.312,07 90,1 – 100,0 6.052,73 9.679,86 5.914,50 9.679,86 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.154,41 25.154,41 90,1 – 100,0 8.564,33 8.564,03 90,1 – 100,0 13.437,62 13.437,62 90,1 – 100,0 6.675,54 6.675,54 90,1 – 100,0 14.897,78 6.113,31 14.897,78 6.113,31 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.782,02 21.782,02 90,1 – 100,0 55.879,72 55.879,72 90,1 – 100,0 38.386,62 38.386,62 90,1 – 100,0 56.979,87 56.979,87 90,1 – 100,0 9.294,85 92.556,61 9.192,62 92.556,61 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 36.390,21 36.390,21 90,1 – 100,0 28.614,52 28.614,52 90,1 – 100,0 7.011,79 7.011,79 90,1 – 100,0 32.223,09 32.223,09 90,1 – 100,0 22.495,87 8.857,45 22.495,87 8.855,38 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) Quilombo Rancho Queimado Rio d’Oeste Rio das Antas Rio do Campo Rio do Sul Rio dos Cedros Rio Fortuna Rio Negrinho Rio Rufino Riqueza Rodeio Romelândia Salete Saltinho Salto Veloso Sangão Santa Cecília Santa Helena Santa Rosa de Lima Santa Rosa do Sul Santa Terezinha Santa Terezinha do Progresso Santiago do Sul Santo Amaro da Imperatriz São Bento do Sul São Bernardino São Bonifácio São Carlos São Cristovão do Sul São Domingos São Francisco do Sul São João Batista São João do Itaperiú São João do Oeste São João do Sul São Joaquim São José São José do Cedro São José do Cerrito São Lourenço d’Oeste São Ludgero (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 28.336,84 28.336,84 90,1 – 100,0 27.013,77 27.013,77 90,1 – 100,0 24.472,27 24.472,27 90,1 – 100,0 34.340,76 34.340,76 90,1 – 100,0 49.695,75 26.120,91 49.695,75 26.120,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.602,91 55.602,91 90,1 – 100,0 28.634,37 28.634,37 90,1 – 100,0 58.928,99 58.928,99 90,1 – 100,0 33.373,55 33.373,55 90,1 – 100,0 19.175,11 13.407,83 19.175,11 13.407,83 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 23.762,54 23.762,54 90,1 – 100,0 16.744,97 16.744,97 90,1 – 100,0 15.336,45 15.336,45 90,1 – 100,0 10.194,83 10.194,83 90,1 – 100,0 8.308,76 117.582,48 8.308,76 117.582,48 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.070,89 8.051,10 90,1 – 100,0 18.441,73 18.441,73 90,1 – 100,0 16.438,94 16.438,94 90,1 – 100,0 72.207,11 72.207,11 90,1 – 100,0 11.317,12 7.422,27 11.317,12 7.422,27 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.301,36 35.301,36 90,1 – 100,0 48.766,92 48.766,92 90,1 – 100,0 21.037,94 21.037,94 90,1 – 100,0 45.234,52 45.234,52 90,1 – 100,0 15.837,68 35.072,72 15.837,68 35.072,72 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 38.503,11 38.503,11 90,1 – 100,0 54.218,48 54.045,34 90,1 – 100,0 22.011,19 22.011,19 90,1 – 100,0 15.123,64 15.123,64 90,1 – 100,0 16.154,47 17.542,09 16.154,47 17.542,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 188.869,24 188.869,24 90,1 – 100,0 11.489,16 11.463,00 90,1 – 100,0 26.111,33 25.968,47 90,1 – 100,0 96.891,91 96.891,91 90,1 – 100,0 36.134,52 12.001,33 36.134,52 12.001,33 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Santa Catarina inseridos no Domínio da Mata Atlântica (293 Municípios – continuação) Município (1) São Martinho São Miguel d’Oeste São Miguel da Boa Vista São Pedro de Alcântara Saudades Schroeder Seara Serra Alta Siderópolis Sombrio Sul Brasil Taió Tangará Tigrinhos Tijucas Timbé do Sul Timbó Timbó Grande Três Barras Treviso Treze de Maio Treze Tílias Trombudo Central Tubarão Tunápolis Turvo União do Oeste Urubici Urupema Urussanga Vargeão Vargem Vargem Bonita Vidal Ramos Videira Vitor Meireles Witmarsum Xanxerê Xavantina Xaxim Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 23.608,14 23.608,14 90,1 – 100,0 23.622,56 23.622,56 90,1 – 100,0 7.200,83 7.200,83 90,1 – 100,0 14.057,97 14.057,97 90,1 – 100,0 20.017,93 14.938,47 20.017,93 14.938,47 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 31.634,72 31.634,72 90,1 – 100,0 9.121,71 9.121,71 90,1 – 100,0 26.314,81 26.314,81 90,1 – 100,0 15.135,98 15.135,98 90,1 – 100,0 11.337,47 71.510,63 11.337,47 71.510,63 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 45.997,51 45.997,51 90,1 – 100,0 5.817,97 5.817,97 90,1 – 100,0 27.880,26 27.871,80 90,1 – 100,0 33.431,10 33.431,10 90,1 – 100,0 12.986,60 54.991,02 12.986,60 54.991,02 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 41.893,96 41.893,96 90,1 – 100,0 15.663,23 15.663,23 90,1 – 100,0 17.977,05 17.977,05 90,1 – 100,0 17.776,97 17.776,97 90,1 – 100,0 10.163,16 28.435,59 10.163,16 28.435,59 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 13.394,73 13.366,45 90,1 – 100,0 24.437,73 24.437,73 90,1 – 100,0 8.864,76 8.864,76 90,1 – 100,0 101.900,45 101.900,45 90,1 – 100,0 27.869,56 23.736,36 27.869,56 23.736,36 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 15.140,25 15.140,25 90,1 – 100,0 39.673,25 39.673,25 90,1 – 100,0 30.752,24 30.752,24 90,1 – 100,0 34.395,64 34.395,64 90,1 – 100,0 37.818,27 42.370,91 37.818,27 42.370,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 13.013,72 13.013,72 90,1 – 100,0 38.132,19 38.132,19 90,1 – 100,0 21.207,68 21.207,68 90,1 – 100,0 29.414,69 29.414,69 90,1 – 100,0 Zortéa 29.781,45 29.781,45 90,1 – 100,0 (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99)

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Sergipe inseridos no Domínio da Mata Atlântica (54 Municípios) Município (1) Amparo de São Francisco Aquidabã Aracaju Arauá Areia Branca Barra dos Coqueiros Boquim Brejo Grande Canhoba Capela Carmópolis Cedro de São João Cristinápolis Cumbe Divina Pastora Estância Feira Nova General Maynard Ilha das Flores Indiaroba Itabaianinha Itaporanga d’Ajuda Japaratuba Japoatã Lagarto Laranjeiras Malhada dos Bois Malhador Maruim Moita Bonita Muribeca Neópolis Nossa Senhora das Dores Nossa Senhora do Socorro Pacatuba Pedrinhas Pirambu Propriá Riachão do Dantas Riachuelo Rosário do Catete Salgado (4) IBGE, 1997 (5) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (6) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 3.954,24 2.608,13 60,1 – 90,0 37.007,11 13.452,64 30,1 – 60,0 18.148,75 18.116,72 90,1 – 100,0 19.472,91 19.472,91 90,1 – 100,0 12.897,71 8.795,65 7,06 8.771,08 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 21.380,20 20.968,22 90,1 – 100,0 14.886,81 12.657,42 60,1 – 90,0 16.614,90 5.206,37 30,1 – 60,0 43.176,31 12.028,10 10,1 – 30,0 3.999,68 7.301,93 3.999,68 6.428,98 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 25.113,05 25.113,05 90,1 – 100,0 13.141,39 1.867,17 10,1 – 30,0 9.300,60 9.300,60 90,1 – 100,0 64.951,53 51.731,89 60,1 – 90,0 18.937,66 1.812,11 3.651,56 1.812,11 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 5.746,20 5.746,20 90,1 – 100,0 31.149,43 31.149,43 90,1 – 100,0 48.010,30 35.842,28 60,1 – 90,0 75.740,70 35.114,02 30,1 – 60,0 37.406,17 39.718,01 37.406,17 33.002,00 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 96.224,12 17.849,22 10,1 – 30,0 16.337,10 7.466,03 30,1 – 60,0 5.947,08 5.947,08 90,1 – 100,0 10.225,19 6.681,75 60,1 – 90,0 9.519,13 9.588,76 9.519,13 989,76 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 8.206,75 7.985,13 90,1 – 100,0 24.999,36 12.213,50 30,1 – 60,0 48.260,69 42.831,45 60,1 – 90,0 15.726,75 12.098,93 60,1 – 90,0 40.738,21 3.987,97 40.525,81 3.987,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 19.937,21 19.916,01 90,1 – 100,0 9.554,18 833,67 0,1 – 10,0 52.836,51 21.586,62 30,1 – 60,0 7.863,47 6.239,15 60,1 – 90,0 10.373,97 25.575,66 10.106,18 8.742,61 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de Sergipe inseridos no Domínio da Mata Atlântica (54 Municípios – continuação) Município (1) Santa Luzia do Itanhy Santa Rosa de Lima Santana do São Francisco Santo Amaro das Brotas São Cristóvão São Francisco São Miguel do Aleixo Siriri Telha Tobias Barreto Tomar do Geru Umbaúba (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 33.603,37 33.603,37 90,1 – 100,0 6.615,84 6.615,84 90,1 – 100,0 4.702,53 2.102,28 30,1 – 60,0 23.814,62 23.814,62 90,1 – 100,0 43.239,09 8.672,85 39.371,69 7.798,00 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 14.317,92 6.205,54 30,1 – 60,0 16.713,13 12.230,98 60,1 – 90,0 5.648,93 4.323,40 60,1 – 90,0 111.895,88 10,35 0,1 – 10,0 33.707,54 12.416,87 9.378,81 12.416,87 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios) Município (1) Adamantina Adolfo Aguaí Águas da Prata Águas de Lindóia Alambari Alfredo Marcondes Altair Altinópolis Alto Alegre Alumínio Álvares Florence Álvares Machado Álvaro de Carvalho Alvinlândia Americana Américo Brasiliense Américo de Campos Amparo Andradina Angatuba Anhembi Anhumas Aparecida Aparecida d’Oeste Apiaí Araçariguama Araçatuba Araçoiaba da Serra Aramina Arandu Arapeí Araraquara Araras Arco-Íris Arealva Areias Areiópolis Ariranha Artur Nogueira Arujá Aspásia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 41.285,70 41.285,70 90,1 – 100,0 21.147,14 21.147,14 90,1 – 100,0 47.452,70 47.452,70 90,1 – 100,0 14.300,08 14.300,08 90,1 – 100,0 6.003,86 15.941,59 6.003,86 15.008,90 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 11.974,16 11.974,16 90,1 – 100,0 31.681,85 31.681,85 90,1 – 100,0 93.204,49 635,85 0,1 – 10,0 31.877,48 31.877,48 90,1 – 100,0 8.398,64 36.286,68 8.398,64 36.286,68 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.666,43 34.666,43 90,1 – 100,0 15.305,13 15.305,13 90,1 – 100,0 8.506,10 5.964,61 60,1 – 90,0 13.389,07 13.389,07 90,1 – 100,0 12.389,00 25.458,41 5.769,15 25.458,41 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 44.712,99 44.712,99 90,1 – 100,0 96.278,36 96.278,36 90,1 – 100,0 103.102,21 47.135,13 30,1 – 60,0 73.838,32 11.871,56 10,1 – 30,0 32.180,52 12.110,06 32.180,52 12.110,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.951,40 17.951,40 90,1 – 100,0 94.952,53 94.940,40 90,1 – 100,0 14.671,06 14.671,06 90,1 – 100,0 117.080,65 117.080,65 90,1 – 100,0 25.617,30 20.337,50 25.617,30 19.618,54 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 28.677,41 10.405,05 30,1 – 60,0 15.345,45 15.345,45 90,1 – 100,0 100.856,65 42.750,61 30,1 – 60,0 64.515,08 64.515,08 90,1 – 100,0 26.283,14 50.752,08 26.283,14 50.107,12 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 30.723,74 30.723,74 90,1 – 100,0 8.608,38 1.109,25 10,1 – 30,0 13.335,86 13.335,86 90,1 – 100,0 17.826,95 17.826,95 90,1 – 100,0 9.775,12 6.943,44 9.775,12 6.943,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Assis Atibaia Auriflama Avaí Avanhandava Avaré Bady Bassitt Balbinos Bálsamo Bananal Barão de Antonina Barbosa Bariri Barra Bonita Barra do Chapéu Barra do Turvo Barretos Barrinha Barueri Bastos Batatais Bauru Bebedouro Bento de Abreu Bernardino de Campos Bertioga Bilac Birigui Biritiba -Mirim Boa Esperança do Sul Bocaina Bofete Boituva Bom Jesus dos Perdões Bom Sucesso de Itararé Borá Boracéia Borborema Botucatu Bragança Paulista Braúna Brejo Alegre (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 46.284,85 1.445,93 0,1 – 10,0 47.907,54 47.907,54 90,1 – 100,0 43.398,17 43.398,17 90,1 – 100,0 54.364,62 54.364,62 90,1 – 100,0 34.150,66 121.983,99 34.150,66 11.193,02 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 10.992,31 10.992,31 90,1 – 100,0 9.111,84 9.111,84 90,1 – 100,0 15.090,30 15.090,30 90,1 – 100,0 62.012,74 62.012,74 90,1 – 100,0 15.528,42 20.570,31 15.528,42 20.570,31 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.198,33 44.198,33 90,1 – 100,0 15.051,44 13.999,26 90,1 – 100,0 40.816,88 40.816,88 90,1 – 100,0 100.744,34 100.744,34 90,1 – 100,0 156.822,11 14.690,65 47.670,94 14.636,78 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 6.432,07 6.432,07 90,1 – 100,0 17.073,83 17.073,83 90,1 – 100,0 85.310,65 35.555,88 30,1 – 60,0 67.537,95 56.326,83 60,1 – 90,0 68.442,92 30.242,94 30.057,02 30.242,94 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 24.457,55 24.457,55 90,1 – 100,0 49.263,85 49.185,73 90,1 – 100,0 15.781,97 15.781,97 90,1 – 100,0 53.191,48 53.191,48 90,1 – 100,0 31.725,31 67.061,28 31.725,31 65.093,57 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 36.497,04 36.497,04 90,1 – 100,0 65.506,46 40.253,80 60,1 – 90,0 24.952,80 24.952,80 90,1 – 100,0 10.882,34 10.882,34 90,1 – 100,0 13.363,30 11.901,76 7.989,38 11.901,76 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0 12.111,74 12.111,74 90,1 – 100,0 55.419,82 55.419,82 90,1 – 100,0 148.643,83 11.202,77 0,1 – 10,0 51.502,33 51.502,33 90,1 – 100,0 19.588,53 10.515,30 19.588,53 10.515,30 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Brodósqui Brotas Buri Buritama Buritizal Cabrália Paulista Cabreúva Caçapava Cachoeira Paulista Caconde Cafelândia Caiabu Caieiras Caiuá Cajamar Cajati Cajobi Cajuru Campina do Monte Alegre Campinas Campo Limpo Paulista Campos do Jordão Campos Novos Paulista Cananéia Canas Cândido Mota Cândido Rodrigues Canitar Capâo Bonito Capela do Alto Capivari Caraguatatuba Carapicuíba Cardoso Casa Branca Cássia dos Coqueiros Castilho Catanduva Catiguá Cedral Cerqueira César Cerquilho (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 28.060,72 10.440,92 30,1 – 60,0 110.434,24 42.935,19 30,1 – 60,0 119.767,09 63.390,73 30,1 – 60,0 32.761,16 32.761,16 90,1 – 100,0 26.695,65 23.968,92 16.425,34 1.270,07 60,1 – 90,0 0,1 – 10,0 26.037,44 26.037,44 90,1 – 100,0 37.062,65 37.062,65 90,1 – 100,0 28.852,85 28.852,85 90,1 – 100,0 47.196,92 47.196,92 90,1 – 100,0 92.220,00 25.257,96 92.220,00 25.257,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 9.617,51 9.617,51 90,1 – 100,0 53.696,84 53.696,84 90,1 – 100,0 12.857,42 12.857,42 90,1 – 100,0 45.568,52 45.568,52 90,1 – 100,0 17.724,14 66.221,24 17.724,14 39.440,57 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 18.459,68 9.594,58 30,1 – 60,0 79.770,96 79.770,96 90,1 – 100,0 8.017,57 8.017,57 90,1 – 100,0 29.010,23 29.010,23 90,1 – 100,0 48.574,98 124.433,36 1.499,56 124.357,13 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 5.085,92 5.085,92 90,1 – 100,0 59.742,16 55.071,96 90,1 – 100,0 6.976,94 6.976,94 90,1 – 100,0 5.750,55 5.750,55 90,1 – 100,0 164.466,33 17.046,08 156.736,22 17.046,08 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 32.410,36 32.410,36 90,1 – 100,0 48.504,73 48.356,26 90,1 – 100,0 3.501,24 3.501,24 90,1 – 100,0 63.908,54 63.908,54 90,1 – 100,0 86.780,02 19.146,79 86.780,02 13.029,75 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 106.556,36 106.556,36 90,1 – 100,0 29.299,07 29.299,07 90,1 – 100,0 14.582,66 14.582,66 90,1 – 100,0 19.844,14 19.844,14 90,1 – 100,0 50.486,31 12.799,22 4.580,67 12.799,22 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Cesário Lange Charqueada Chavantes Clementina Colina Colômbi a Conchal Conchas Cordeirópolis Coroados Coronel Macedo Corumbataí Cosmópolis Cosmorama Cotia Cravinhos Cristais Paulista Cruzália Cruzeiro Cubatão Cunha Descalvado Diadema Dirce Reis Divinolândia Dobrada Dois Córregos Dolcinópolis Dourado Dracena Duartina Dumont Echaporã Eldorado Elias Fausto Elisiário Embaúba Embu Embu-Guaçu Emilianópolis Engenheiro Coelho Espírito Santo do Pinhal (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 19.079,31 19.079,31 90,1 – 100,0 17.641,20 8.139,27 30,1 – 60,0 18.819,01 18.819,01 90,1 – 100,0 16.921,58 16.921,58 90,1 – 100,0 42.513,13 73.118,16 7.334,95 2.746,86 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 18.443,52 18.443,52 90,1 – 100,0 46.932,57 31.054,38 60,1 – 90,0 13.782,54 13.782,54 90,1 – 100,0 24.730,58 24.730,58 90,1 – 100,0 30.522,15 27.886,88 19.283,72 9.364,12 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 15.520,13 15.520,13 90,1 – 100,0 44.237,75 44.237,75 90,1 – 100,0 32.473,66 32.473,66 90,1 – 100,0 31.229,88 25.664,48 60,1 – 90,0 38.762,57 14.952,65 5.441,64 14.952,65 10,1 – 30,0 90,1 – 100,0 30.537,59 30.537,59 90,1 – 100,0 14.273,01 14.273,01 90,1 – 100,0 141.054,25 141.054,25 90,1 – 100,0 75.715,43 2.737,77 0,1 – 10,0 3.077,57 8.855,49 3.077,57 8.855,49 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.267,83 22.267,83 90,1 – 100,0 15.050,41 9.129,65 60,1 – 90,0 63.398,82 48.257,68 60,1 – 90,0 7.844,17 7.844,17 90,1 – 100,0 20.645,44 48.942,65 20.071,78 48.942,65 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.495,94 20.075,24 60,1 – 90,0 11.124,09 11.124,09 90,1 – 100,0 51.618,55 13.483,54 10,1 – 30,0 166.062,74 166.062,74 90,1 – 100,0 20.170,13 9.296,95 20.170,13 9.296,95 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.381,93 8.381,93 90,1 – 100,0 7.018,22 7.018,22 90,1 – 100,0 15.584,95 15.584,95 90,1 – 100,0 22.399,94 22.399,94 90,1 – 100,0 11.014,99 39.138,93 11.014,99 39.138,93 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Estiva Gerbi Estrela do Norte Estrela d’Oeste Euclides da Cunha Paulista Fartura Fernando Prestes Fernandópolis Fernão Ferraz de Vasconcelos Flora Rica Floreal Flórida Paulista Florínia Franca Francisco Morato Franco da Rocha Gabriel Monteiro Gália Garça Gastão Vidigal Gavião Peixoto General Salgado Getulina Glicério Guaiçara Guaimbê Guaíra Guapiaçu Guapiara Guará Guaraçaí Guaraci Guarani d’Oeste Guarantã Guararapes Guararema Guaratinguetá Guareí Guarujá Guarulhos Guatapará Guzolândia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município n o DMA (ha) (2) % (3) 7.370,48 7.370,48 90,1 – 100,0 26.390,95 26.390,95 90,1 – 100,0 29.703,83 29.703,83 90,1 – 100,0 57.824,93 57.824,93 90,1 – 100,0 43.038,16 17.048,46 43.038,16 17.048,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.098,51 55.098,51 90,1 – 100,0 10.055,88 8.284,24 60,1 – 90,0 2.840,35 2.840,35 90,1 – 100,0 22.569,63 22.569,63 90,1 – 100,0 20.445,06 52.605,96 20.445,06 52.605,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.793,24 22.793,24 90,1 – 100,0 60.909,71 20.685,40 30,1 – 60,0 4.928,76 4.928,76 90,1 – 100,0 13.409,67 13.409,67 90,1 – 100,0 13.886,34 35.677,09 13.886,34 35.677,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.715,61 55.715,61 90,1 – 100,0 18.114,44 18.114,44 90,1 – 100,0 24.432,20 11.364,21 30,1 – 60,0 49.474,28 49.474,28 90,1 – 100,0 67.725,48 27.498,07 67.725,48 27.498,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.985,43 26.985,43 90,1 – 100,0 21.803,51 21.803,51 90,1 – 100,0 126.214,36 99.895,25 60,1 – 90,0 32.604,81 32.604,81 90,1 – 100,0 40.844,14 36.381,34 40.844,14 31.974,10 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 57.013,37 57.013,37 90,1 – 100,0 64.093,88 49.148,82 60,1 – 90,0 8.481,88 8.481,88 90,1 – 100,0 46.299,93 46.299,93 90,1 – 100,0 95.915,60 27.121,67 95.915,60 27.121,67 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 75.335,76 75.335,76 90,1 – 100,0 56.756,80 44.163,97 60,1 – 90,0 14.319,71 14.134,79 90,1 – 100,0 31.771,14 31.771,14 90,1 – 100,0 41.364,44 25.410,88 12.940,23 25.410,88 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Herculândia Holambra Hortolândia Iacanga Iacri Ibaté Ibirá Ibirarema Ibitinga Ibiúna Icém Iepê Igaraçu do Tietê Igarapava Igaratá Iguape Ilha Comprida Ilha Solteira Ilhabela Indaiatuba Indiana Indiaporã Inúbia Paulista Ipauçu Iperó Ipeúna Ipiguá Iporanga Ipuã Iracemápolis Irapuã Irapuru Itaberá Itaí Itajobi Itaju Itanhaém Itaóca Itapecerica da Serra Itapetininga Itapeva Itapevi (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 36.625,72 36.625,72 90,1 – 100,0 6.436,76 6.436,76 90,1 – 100,0 6.234,91 6.234,91 90,1 – 100,0 54.937,13 54.937,13 90,1 – 100,0 32.499,50 29.010,15 32.499,50 476,44 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 27.135,94 27.135,94 90,1 – 100,0 22.896,64 21.264,38 90,1 – 100,0 69.057,00 69.057,00 90,1 – 100,0 106.213,80 106.213,80 90,1 – 100,0 36.416,00 59.770,30 28.675,10 58.364,38 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 9.685,67 9.162,03 90,1 – 100,0 46.865,30 46.511,57 90,1 – 100,0 29.415,62 29.415,62 90,1 – 100,0 198.574,71 198.518,17 90,1 – 100,0 18.840,70 66.131,15 18.745,96 66.131,15 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.819,32 33.456,70 90,1 – 100,0 31.130,85 31.130,85 90,1 – 100,0 12.806,08 12.806,08 90,1 – 100,0 28.032,25 28.032,25 90,1 – 100,0 8.698,91 20.951,38 8.698,91 20.951,38 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 17.128,45 17.128,45 90,1 – 100,0 19.109,73 7.428,64 30,1 – 60,0 13.433,11 13.433,11 90,1 – 100,0 116.260,15 116.260,15 90,1 – 100,0 46.708,64 11.585,08 46.708,64 11.585,08 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.793,75 25.793,75 90,1 – 100,0 21.418,87 21.418,87 90,1 – 100,0 108.544,63 5.122,03 0,1 – 10,0 111.493,75 17.485,27 10,1 – 30,0 50.328,38 22.942,91 50.328,38 22.942,91 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 59.747,33 59.724,02 90,1 – 100,0 20.457,65 20.457,65 90,1 – 100,0 15.187,71 15.187,71 90,1 – 100,0 179.613,99 102.165,93 30,1 – 60,0 183.035,15 9.153,17 65.441,48 9.153,17 30,1 – 60,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Itapira Itapirapuã Paulista Itápolis Itaporanga Itapuí Itapura Itaquaquecetuba Itararé Itariri Itatiba Itatinga Itirapina Itirapuã Itobi Itu Itupeva Ituverava Jaborandi Jaboticabal Jacareí Jaci Jacupiranga Jaguariúna Jales Jambeiro Jandira Jardinópolis Jarinu Jaú Jeriquara Joanópolis João Ramalho José Bonifácio Júlio Mesquita Jumirim Jundiaí Junqueirópolis Juquiá Juquitiba Lagoinha Laranjal Paulista Lavínia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 51.874,66 51.874,66 90,1 – 100,0 40.706,45 40.706,45 90,1 – 100,0 99.975,11 99.975,11 90,1 – 100,0 50.901,27 50.893,13 90,1 – 100,0 13.996,89 30.781,50 13.996,89 30.781,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 8.191,28 8.191,28 90,1 – 100,0 100.551,82 39.811,81 30,1 – 60,0 27.419,77 27.419,77 90,1 – 100,0 32.321,13 32.321,13 90,1 – 100,0 98.227,84 56.545,36 28.514,67 17.516,01 10,1 – 30,0 30,1 – 60,0 16.187,67 10.845,24 60,1 – 90,0 13.887,53 13.887,53 90,1 – 100,0 64.175,88 64.175,88 90,1 – 100,0 20.100,05 20.100,05 90,1 – 100,0 69.959,65 27.486,79 60.584,03 14.544,03 60,1 – 90,0 30,1 – 60,0 70.872,99 21.588,78 30,1 – 60,0 46.099,90 46.099,90 90,1 – 100,0 14.485,85 14.485,85 90,1 – 100,0 71.001,77 71.001,77 90,1 – 100,0 14.272,09 36.996,96 14.272,09 36.996,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 18.425,28 18.425,28 90,1 – 100,0 1.756,66 1.756,66 90,1 – 100,0 50.447,86 46.775,63 90,1 – 100,0 20.820,25 20.820,25 90,1 – 100,0 69.022,27 14.131,03 69.022,27 40,47 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 37.527,01 37.527,01 90,1 – 100,0 41.729,35 33.986,88 60,1 – 90,0 86.110,74 86.110,74 90,1 – 100,0 12.855,38 12.855,38 90,1 – 100,0 5.672,40 43.286,65 5.672,40 43.286,65 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 58.444,44 58.444,44 90,1 – 100,0 82.290,53 82.290,53 90,1 – 100,0 52.279,39 52.279,39 90,1 – 100,0 25.657,22 25.657,22 90,1 – 100,0 38.883,10 53.987,50 36.303,87 53.987,50 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Lavrinhas Leme Lençóis Paulista Limeira Lindóia Lins Lorena Lourdes Louveira Lucélia Lucianópolis Luís Antônio Luiziânia Lupércio Lutécia Macatuba Macaubal Macedônia Magda Mairinque Mairiporã Manduri Marabá Paulista Maracaí Marapoama Mariápolis Marília Marinópolis Martinópolis Matão Mauá Mendonça Meridiano Mesópolis Miguelópolis Mineiros do Tietê Mira Estrela Miracatu Mirandopólis Mirante do Paranapanema Mirassol Mi rassolândia (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 16.724,72 16.724,72 90,1 – 100,0 40.412,56 40.140,44 90,1 – 100,0 80.630,26 0,81 0,1 – 10,0 58.227,81 58.227,81 90,1 – 100,0 4.885,89 57.278,44 4.885,89 57.278,44 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 41.770,99 41.770,99 90,1 – 100,0 11.419,04 11.419,04 90,1 – 100,0 5.551,09 5.551,09 90,1 – 100,0 31.527,75 31.527,75 90,1 – 100,0 19.138,94 59.924,82 2.024,48 4.820,96 10,1 – 30,0 0,1 – 10,0 16.750,73 16.750,73 90,1 – 100,0 15.546,70 12.437,30 60,1 – 90,0 47.575,23 26.283,33 30,1 – 60,0 22.655,09 14.461,54 60,1 – 90,0 24.944,75 33.032,34 24.944,75 33.032,34 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 31.278,53 31.278,53 90,1 – 100,0 21.023,37 21.023,37 90,1 – 100,0 32.234,90 32.234,90 90,1 – 100,0 22.933,85 11.285,90 30,1 – 60,0 91.937,22 53.437,54 91.937,22 38.655,73 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 11.375,26 11.375,26 90,1 – 100,0 18.664,81 18.664,81 90,1 – 100,0 117.274,59 113.236,21 90,1 – 100,0 7.834,87 7.834,87 90,1 – 100,0 125.642,34 52.818,57 89.720,39 49.981,05 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 6.269,06 6.269,06 90,1 – 100,0 19.554,36 19.554,36 90,1 – 100,0 22.885,83 22.885,83 90,1 – 100,0 16.165,23 16.165,23 90,1 – 100,0 82.935,54 21.244,70 66.488,61 13.603,92 60,1 – 90,0 60,1 – 90,0 21.781,67 21.781,67 90,1 – 100,0 100.302,57 100.302,57 90,1 – 100,0 92.055,69 92.055,69 90,1 – 100,0 124.097,19 124.097,19 90,1 – 100,0 24.449,00 16.704,20 24.449,00 16.704,20 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Mococa Mogi Guaçu Moji das Cruzes Moji-Mirim Mombuca Monções Mongaguá Monte Alegre do Sul Monte Alto Monte Aprazível Monte Azul Paulista Monte Castelo Monte Mor Monteiro Lobato Morro Agudo Morungaba Murutinga do Sul Nantes Narandiba Natividade da Serra Nazaré Paulista Neves Paulista Nhandeara Nipoã Nova Aliança Nova Campina Nova Canaã Paulista Nova Castilho Nova Europa Nova Granada Nova Guataporanga Nova Independência Nova Luzitânia Nova Odessa Novais Novo Horizonte Nuporanga Ocauçu Óleo Olímpia Onda Verde Oriente (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 85.626,26 85.626,26 90,1 – 100,0 81.517,73 81.517,73 90,1 – 100,0 72.703,78 72.703,78 90,1 – 100,0 50.038,45 50.038,45 90,1 – 100,0 13.351,95 10.477,89 13.351,95 10.477,89 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 13.722,41 13.719,12 90,1 – 100,0 11.112,58 11.112,58 90,1 – 100,0 34.809,26 33.292,12 90,1 – 100,0 48.441,37 48.441,37 90,1 – 100,0 26.433,29 23.370,28 25.800,51 23.370,28 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 24.144,91 24.144,91 90,1 – 100,0 33.345,40 33.345,40 90,1 – 100,0 138.994,89 136.844,71 90,1 – 100,0 14.698,03 14.698,03 90,1 – 100,0 24.884,68 28.601,39 24.884,68 26.467,33 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 35.908,37 35.908,37 90,1 – 100,0 83.441,36 83.441,36 90,1 – 100,0 32.732,18 32.732,18 90,1 – 100,0 23.275,61 23.275,61 90,1 – 100,0 43.875,18 13.843,97 43.875,18 13.843,97 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 21.845,41 21.845,41 90,1 – 100,0 38.647,03 23.672,83 60,1 – 90,0 12.446,87 12.446,87 90,1 – 100,0 18.442,51 18.442,51 90,1 – 100,0 16.139,03 53.317,06 14.983,69 53.317,06 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 3.422,67 3.422,67 90,1 – 100,0 26.595,79 26.595,79 90,1 – 100,0 7.425,99 7.425,99 90,1 – 100,0 7.342,32 7.342,32 90,1 – 100,0 11.727,75 93.531,96 11.727,75 93.531,96 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.795,02 8.563,82 10,1 – 30,0 30.107,22 15.755,06 30,1 – 60,0 19.841,65 18.531,57 90,1 – 100,0 80.561,13 80.561,13 90,1 – 100,0 24.410,48 21.824,73 24.410,48 21.824,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Orindiúva Orlândia Osasco Oscar Bressane Osvaldo Cruz Ourinhos Ouro Verde Ouroeste Pacaembu Palestina Palmares Paulista Palmeira d’Oeste Palmital Panorama Paraguaçu Paulista Paraibuna Paraíso Paranapanema Paranapuã Parapuã Pardinho Pariquera-Açu Parisi Patrocínio Paulista Paulicéia Paulínia Paulo de Faria Pederneiras Pedra Bela Pedranópolis Pedregulho Pedreira Pedrinhas Paulista Pedro de Toledo Penápolis Pereira Barreto Pereiras Peruíbe Piacatu Piedade Pilar do Sul Pindamonhangaba (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 24.914,27 23.639,26 90,1 – 100,0 29.723,45 25.326,76 60,1 – 90,0 6.504,63 6.504,63 90,1 – 100,0 22.197,88 22.026,22 90,1 – 100,0 24.874,87 29.683,00 24.874,87 29.683,00 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.704,79 26.704,79 90,1 – 100,0 28.831,93 28.831,93 90,1 – 100,0 34.038,07 34.038,07 90,1 – 100,0 69.745,03 69.745,03 90,1 – 100,0 8.261,18 32.108,94 8.261,18 31.283,51 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 55.031,11 54.812,71 90,1 – 100,0 35.410,19 35.410,19 90,1 – 100,0 100.365,55 31.662,13 30,1 – 60,0 81.154,37 81.154,37 90,1 – 100,0 15.487,15 102.219,90 15.487,15 47.060,73 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 12.819,63 12.819,63 90,1 – 100,0 36.605,23 36.605,23 90,1 – 100,0 21.059,89 18.855,13 60,1 – 90,0 36.045,48 36.045,48 90,1 – 100,0 8.484,73 60.208,30 8.484,73 10.710,69 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 37.591,35 37.591,35 90,1 – 100,0 13.953,60 13.953,60 90,1 – 100,0 74.266,96 66.967,03 90,1 – 100,0 73.103,32 35.204,61 30,1 – 60,0 15.751,84 26.068,85 15.751,84 26.068,85 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 70.288,95 28.394,79 30,1 – 60,0 11.006,35 11.006,35 90,1 – 100,0 15.260,35 15.260,35 90,1 – 100,0 67.222,42 67.222,42 90,1 – 100,0 71.045,10 98.292,92 71.045,10 98.292,92 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 22.269,09 22.269,09 90,1 – 100,0 32.154,06 32.089,42 90,1 – 100,0 23.320,88 23.320,88 90,1 – 100,0 74.718,41 74.718,41 90,1 – 100,0 68.419,08 73.201,87 68.419,08 73.201,87 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Pindorama Pinhalzinho Piquerobi Piquete Piracaia Piracicaba Piraju Pirajuí Pirangi Pirapora do Bom Jesus Pirapozinho Pirassununga Piratininga Pitangueiras Planalto Platina Poá Poloni Pompéia Pongaí Pontal Pontalinda Pontes Gestal Populina Porangaba Porto Feliz Porto Ferreira Potim Potirendaba Pracinha Pradópolis Praia Grande Presidente Alves Presidente Bernardes Presidente Epitácio Presidente Prudente Presidente Venceslau Promissão Quadra Quatá Queiroz Queluz (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 18.505,93 18.505,93 90,1 – 100,0 15.542,29 15.542,29 90,1 – 100,0 48.365,11 48.365,11 90,1 – 100,0 17.625,42 17.625,42 90,1 – 100,0 38.571,61 137.189,18 38.571,61 60.030,12 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 50.659,02 40.806,00 60,1 – 90,0 82.147,61 82.147,61 90,1 – 100,0 21.636,70 21.636,70 90,1 – 100,0 11.119,78 11.119,78 90,1 – 100,0 48.199,79 72.889,65 48.199,79 54.512,29 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 39.815,65 21.770,90 30,1 – 60,0 43.063,55 39.438,42 90,1 – 100,0 29.014,54 29.014,54 90,1 – 100,0 32.852,95 778,56 0,1 – 10,0 1.733,08 13.516,74 1.733,08 13.516,74 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 78.862,05 78.862,05 90,1 – 100,0 18.377,56 18.377,56 90,1 – 100,0 35.616,57 35.616,57 90,1 – 100,0 21.091,48 21.091,48 90,1 – 100,0 21.787,02 31.629,03 21.787,02 31.629,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 26.735,08 26.735,08 90,1 – 100,0 55.779,10 55.779,10 90,1 – 100,0 24.457,97 23.130,23 90,1 – 100,0 4.470,12 4.470,12 90,1 – 100,0 34.327,12 6.331,78 34.327,12 6.331,78 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 16.763,76 8.661,25 30,1 – 60,0 14.399,44 14.320,90 90,1 – 100,0 28.935,85 28.935,85 90,1 – 100,0 75.587,66 75.587,66 90,1 – 100,0 128.497,68 56.366,03 128.497,68 56.366,03 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 75.698,87 75.698,87 90,1 – 100,0 78.430,82 78.430,82 90,1 – 100,0 20.556,01 20.556,01 90,1 – 100,0 65.413,72 62.261,55 90,1 – 100,0 23.712,73 25.009,46 23.712,73 25.009,46 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Quintana Rafard Rancharia Redenção da Serra Regente Feijó Reginópolis Registro Restinga Ribeira Ribeirão Bonito Ribeirão Branco Ribeirão Corrente Ribeirão do Sul Ribeirão dos Índios Ribeirão Grande Ribeirão Pires Ribeirão Preto Rifaina Rincão Rinópolis Rio Claro Rio das Pedras Rio Grande da Serra Riolândia Riversul Rosana Roseira Rubiácea Rubinéia Sabino Sagres Sales Sales Oliveira Salesópolis Salmourão Saltinho Salto Salto de Pirapora Salto Grande Sandovalina Santa Adélia Santa Albertina (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 32.068,63 32.068,63 90,1 – 100,0 12.207,64 12.207,64 90,1 – 100,0 158.857,19 125.715,09 60,1 – 90,0 30.978,82 30.978,82 90,1 – 100,0 26.568,47 41.110,07 26.568,47 41.110,07 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 71.768,04 71.768,04 90,1 – 100,0 24.622,57 24.622,4 1 90,1 – 100,0 33.585,00 33.585,00 90,1 – 100,0 47.262,91 20.924,86 30,1 – 60,0 69.920,42 14.896,95 69.920,42 432,39 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0 13.704,23 6.041,32 30,1 – 60,0 19.762,02 19.762,02 90,1 – 100,0 33.280,74 33.280,74 90,1 – 100,0 9.926,24 9.926,24 90,1 – 100,0 65.197,70 17.199,26 56.070,47 17.132,96 60,1 – 90,0 90,1 – 100,0 31.437,13 5.974,91 10,1 – 30,0 35.945,74 35.945,74 90,1 – 100,0 49.979,77 45.304,70 90,1 – 100,0 22.749,60 22.749,60 90,1 – 100,0 3.677,50 63.272,53 3.677,50 63.272,53 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 38.715,76 38.715,76 90,1 – 100,0 74.047,59 74.047,59 90,1 – 100,0 13.065,39 13.065,39 90,1 – 100,0 23.752,74 23.752,74 90,1 – 100,0 23.513,01 31.285,78 23.513,01 31.285,78 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 14.921,60 14.921,60 90,1 – 100,0 30.947,70 30.947,70 90,1 – 100,0 30.457,30 30.223,69 90,1 – 100,0 42.686,99 42.686,99 90,1 – 100,0 17.320,28 9.913,97 17.320,28 6.751,93 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 13.446,10 13.446,10 90,1 – 100,0 28.076,61 28.076,61 90,1 – 100,0 21.089,73 21.089,73 90,1 – 100,0 45.646,02 45.646,02 90,1 – 100,0 33.186,00 27.502,73 33.186,00 27.502,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Santa Bárbara d’Oeste Santa Branca Santa Clara d’Oeste Santa Cruz da Conceição Santa Cruz da Esperança Santa Cruz das Palmeiras Santa Cruz do Rio Pardo Santa Ernestina Santa Fé do Sul Santa Gertrudes Santa Isabel Santa Lúcia Santa Maria da Serra Santa Mercedes Santa Rita do Passa Quatro Santa Rita d’Oeste Santa Rosa de Viterbo Santa Salete Santana da Ponte Pensa Santana de Parnaíba Santo Anastácio Santo André Santo Antônio da Alegria Santo Antônio de Posse Santo Antônio do Aracanguá Santo Antônio do Jardim Santo Antônio do Pinhal Santo Expedito Santópolis do Aguapeí Santos São Bento do Sapucaí São Bernardo do Campo São Caetano do Sul São Carlos São Francisco São João da Boa Vista São João das Duas Pontes São João de Iracema São João do Pau d’Alho São Joaquim da Barra São José da Bela Vista São José do Barreiro (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 27.226,80 27.226,80 90,1 – 100,0 27.570,78 27.570,78 90,1 – 100,0 18.383,99 18.383,99 90,1 – 100,0 14.967,53 3.588,98 10,1 – 30,0 14.818,07 29.652,57 364,42 29.652,57 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 111.900,91 77.831,22 60,1 – 90,0 13.522,72 5.540,97 30,1 – 60,0 20.878,70 20.878,70 90,1 – 100,0 9.776,82 9.776,82 90,1 – 100,0 36.242,05 15.271,58 36.242,05 5.344,01 90,1 – 100,0 30,1 – 60,0 25.715,55 8.582,69 30,1 – 60,0 16.733,08 16.733,08 90,1 – 100,0 75.471,57 39.706,67 30,1 – 60,0 21.113,14 21.113,14 90,1 – 100,0 29.036,38 7.944,37 142,14 7.944,37 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 13.029,32 13.029,32 90,1 – 100,0 18.165,02 18.165,02 90,1 – 100,0 55.392,69 55.392,69 90,1 – 100,0 17.521,60 17.521,60 90,1 – 100,0 31.055,24 15.450,05 102,87 15.450,05 0,1 – 10,0 90,1 – 100,0 130.976,33 130.976,33 90,1 – 100,0 10.979,31 10.979,31 90,1 – 100,0 13.307,88 13.307,88 90,1 – 100,0 9.415,04 9.415,04 90,1 – 100,0 12.792,54 28.098,87 12.792,54 28.089,54 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.112,93 25.112,93 90,1 – 100,0 40.699,21 40.699,21 90,1 – 100,0 1.546,03 1.546,03 90,1 – 100,0 114.398,48 852,02 0,1 – 10,0 7.554,63 51.738,88 7.554,63 51.738,88 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 12.984,98 12.984,98 90,1 – 100,0 17.836,10 17.836,10 90,1 – 100,0 11.816,76 11.816,76 90,1 – 100,0 41.348,91 33.152,14 60,1 – 90,0 27.770,37 57.242,00 27.009,41 57.242,00 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) São José do Rio Pardo São José do Rio Preto São José dos Campos São Lourenço da Serra São Luís do Paraitinga São Manuel São Miguel Arcanjo São Paulo São Pedro São Pedro do Turvo São Roque São Sebastião São Sebastião da Grama São Simão São Vicente Sarapuí Sarutaiá Sebastianópolis do Sul Serra Negra Serrana Sertãozinho Sete Barras Severínia Silveiras Socorro Sorocaba Sud Mennucci Sumaré Suzanápolis Suzano Tabapuã Tabatinga Taboão da Serra Taciba Taguaí Taiaçu Taiúva Tambaú Tanabi Tapiraí Tapiratiba Taquaral (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 42.026,10 42.026,10 90,1 – 100,0 43.401,20 43.401,20 90,1 – 100,0 110.246,60 110.246,60 90,1 – 100,0 18.694,05 18.694,05 90,1 – 100,0 61.850,32 65.250,28 61.850,32 8.526,66 90,1 – 100,0 10,1 – 30,0 93.231,74 93.231,74 90,1 – 100,0 152.836,37 152.836,37 90,1 – 100,0 61.960,46 5.515,51 0,1 – 10,0 77.841,12 23.449,86 30,1 – 60,0 30.815,40 40.238,68 30.815,40 39.842,16 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 25.290,54 25.290,54 90,1 – 100,0 61.963,10 8.639,04 10,1 – 30,0 14.873,37 14.834,93 90,1 – 100,0 35.517,26 35.511,91 90,1 – 100,0 14.165,39 16.855,93 14.165,39 16.855,93 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 20.336,68 20.336,68 90,1 – 100,0 12.624,81 7,92 0,1 – 10,0 40.430,24 40.430,24 90,1 – 100,0 105.435,20 105.435,20 90,1 – 100,0 14.085,88 41.562,43 14.085,88 41.562,43 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 44.927,70 44.927,70 90,1 – 100,0 45.012,46 45.012,46 90,1 – 100,0 59.252,00 59.252,00 90,1 – 100,0 15.333,65 15.333,65 90,1 – 100,0 32.884,78 19.498,09 32.884,78 19.498,09 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 34.644,52 34.644,52 90,1 – 100,0 36.738,02 36.738,02 90,1 – 100,0 2.048,50 2.048,50 90,1 – 100,0 60.976,73 59.654,78 90,1 – 100,0 14.611,47 10.727,52 14.611,47 8.785,92 90,1 – 100,0 60,1 – 90,0 13.253,83 727,35 0,1 – 10,0 56.327,21 32.270,57 30,1 – 60,0 74.723,24 74.723,24 90,1 – 100,0 75.685,02 75.685,02 90,1 – 100,0 22.102,88 5.417,60 22.102,88 77,07 90,1 – 100,0 0,1 – 10,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Taquaritinga Taquarituba Taquarivaí Tarabai Tarumã Tatuí Taubaté Tejupá Teodoro Sampaio Terra Roxa Tietê Timburi Torre de Pedra Torrinha Trabiju Tremembé Três Fronteiras Tuiuti Tupã Tupi Paulista Turiúba Turmalina Ubarana Ubatuba Ubirajara Uchoa União Paulista Urânia Uru Urupês Valentim Gentil Valinhos Valparaíso Vargem Vargem Grande do Sul Vargem Grande Paulista Várzea Paulista Vera Cruz Vinhedo Viradouro Vista Alegre do Alto Vitória Brasil (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 59.574,29 47.929,66 60,1 – 90,0 44.817,61 18.265,26 30,1 – 60,0 23.351,56 18.204,98 60,1 – 90,0 19.773,41 19.773,41 90,1 – 100,0 30.431,41 52.559,32 29.652,18 52.559,32 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 62.742,18 62.742,18 90,1 – 100,0 29.701,12 23.051,16 60,1 – 90,0 156.094,13 156.094,13 90,1 – 100,0 22.056,80 16.037,39 60,1 – 90,0 40.683,00 19.763,84 40.642,76 19.763,84 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 7.129,33 7.129,33 90,1 – 100,0 31.191,98 29.789,46 90,1 – 100,0 8.595,73 8.595,73 90,1 – 100,0 19.290,72 19.290,72 90,1 – 100,0 15.301,19 12.677,28 15.301,19 12.677,28 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 63.031,54 63.031,54 90,1 – 100,0 24.537,02 24.537,02 90,1 – 100,0 15.330,92 15.330,92 90,1 – 100,0 14.773,45 14.773,45 90,1 – 100,0 21.070,33 71.348,66 21.070,33 69.798,47 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 28.380,98 3.814,66 10,1 – 30,0 25.285,21 25.285,21 90,1 – 100,0 7.913,18 7.913,18 90,1 – 100,0 20.998,46 20.998,46 90,1 – 100,0 14.799,29 32.563,62 14.799,29 32.563,62 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 14.967,20 14.967,20 90,1 – 100,0 14.889,21 14.889,21 90,1 – 100,0 86.132,58 86.132,58 90,1 – 100,0 14.296,46 14.296,46 90,1 – 100,0 26.742,11 3.360,23 26.742,11 3.360,23 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0 3.476,17 3.476,17 90,1 – 100,0 24.853,18 24.853,18 90,1 – 100,0 8.195,81 8.195,81 90,1 – 100,0 21.971,52 21.971,52 90,1 – 100,0 9.560,06 4.991,73 9.560,06 4.991,73 90,1 – 100,0 90,1 – 100,0

Capítulo I – A Mata Atlântica Municípios do Estado de São Paulo inseridos no Domínio da Mata Atlântica (633 Municípios – continuação) Município (1) Votorantim Votuporanga Zacarias (1) IBGE, 1997 (2) Sistema de Informações Geográficas do ISA – Instituto Socioambiental (2.000) (3) Porcentagem aproximada por faixas, devido ao cálculo ter sido realizado a partir da escala de 1:5.000.000 DMA – Domínio da Mata Atlântica (CONAMA, 1992 e PL 285/99) Área total do Município (ha) (2) Área do Município no DMA (ha) (2) % (3) 18.450,89 18.450,89 90,1 – 100,0 42.294,68 42.294,68 90,1 – 100,0 31.998,26 31.998,26 90,1 – 100,0

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO DA MATA ATLÂNTICA Legislação em vigor I – Quadro resumo da legislação ANO INSTRUMENTOLEGAL 1993 Decreto Federal n 750/93 1993 Resolução Conama no 10/93 1994 Resolução Conama no 1/94 1994 Resolução Conama no2/94 1994 Resolução Conama no4/94 1994 Resolução Conama no 5/94 1994 Resolução Conama no6/94 1994 Resolução Conama no12/94 1994 Resolução Conama n o 25/94 1994 Resolução Conama no26/94 1994 Resolução Conama no28/94 1994 Resolução Conama no29/94 EMENTA o Dispõe sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação primária ou nos estágios avançado e médio de Estabelece os parâmetros básicos para análise dos estágios de sucessão da Mata Atlântica (regulamentação dos artigos Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado de São Paulo (regulamentação do artigo 6º do Definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Paraná (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93) Define ve getação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado de Santa Catarina (regulamentação do artigo 6º do Definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado da Bahia (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93) Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro(regulamentação do artigo 6º do Aprova o Glossário de Termos Técnicos, elaborado pela Câmara Técnica Temporária para Assuntos de Mata Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Ceará (regulamentação do artigo 6º do Decreto Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Piauí (regulamentação do artigo 6º do Decreto Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado de Alagoas (regulamentação do artigo 6º do Decreto Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Espírito Santo (regulamentação do artigo 6º do Decreto 750/93).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

ANO 1994 INSTRUMENTOLEGAL Resolução Conama no30/94 1994 Resolução Conama no 31/94 1994 Resolução Conama no 32/94 1994 Resolução Conama no 33/94 1994 Resolução Conama no 34/94 1994 Resolução Conjunta SMA/SP – Ibama no002/94 1996 Resolução Conama no 3/96 1996 Resolução Conama no 7/96 1996 Resolução Conama no 9/96 1996 Resolução Conjunta SMA/SP- Ibama no5/96 EMENTA Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Mato Grosso do Sul (regulamentação do artigo Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Pernambuco (regulamentação do artigo 6º do Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Norte (regulamentação do artigo Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Rio Grande do Sul (regulamentação do artigo 6º Define vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado do Sergipe (regulamentação do artigo 6º do Decreto Estabelece as definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para a aplicação do disposto no Artigo 4º do Decreto Federal 750/93, referente ao parcelamentos do solo ou qualquer edificação para fins urbanos nos perímetros urbanos ou de expansão urbana Com vistas ao esclarecimento da aplicação do Decreto 750/93, define que a “vegetação remanescente de mata atlântica, expressa no parágrafo único do artigo 4º,do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993”, abrange a totalidade de vegetação primária e secundária em estágio Aprova os parâmetros básicos para análise dos estágios de sucessão de vegetação de restinga para o Estado de São Define corredores entre remanescentes de vegetação primária e em estágio médio e avançado de regeneração da Acrescenta dispositivos à Resolução Conjunta 2, de 12 -05-94, que regulamenta o artigo 4º do Decreto Federal 750, de 10- 02-93, dispondo sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação secundária no estágio inicial de regeneração de 1997 Deliberação Consema/SP no 18/97

Dossiê Mata Atlântica 2001 Dispõe sobre os procedimentos para a aplicação do art. 5° do Decreto Federal n° 750, de 10 de fevereiro de 1993, no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente doEstado de São Paulo, que trata da supressão de vegetação secundária de Mata Atlântica, nos estágios médio e avançado de regeneração, relativos ao parcelamento do solo ou qualquer edificação para fins urbanos.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica) ANO 1998 INSTRUMENTOLEGAL Resolução Conama no 240/98 1999 Resolução Conama n 248/99 1999 Resolução Conama n 249/99 1999 Resolução Conama n 261/99 2001 Medida Provisóriano2.080- 59/01 EMENTA Determina ao IBAMA e aos órgãos ambientais da Bahia, em conformidade com suas competências, a imediata suspensão das atividades madeireiras que utilizem como matéria-prima árvores nativas da Mata Atlântica, bem como de qualquer tipo de autorização de exploração ou desmate de flores tas nativas concedidas pelo IBAMA ou pelos órgãos ambientais estaduais, na área de Mata Atlântica doEstado da Bahia.

o Determina as diretrizes para as atividades econômicas envolvendo a utilização sustentada de recursos florestais procedentes de áreas cobertas por floresta ombrófila densa, em estágio primário, médio e avançado de regeneração da o Aprova as Diretrizes para a Política de Conservação e o Aprova os parâmetros básicos para análise dos estágios de sucessão de vegetação de restinga para o Estado de Santa Altera os arts. 1o, 4o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como altera o art. 10 da Lei n o 9.393, de 19 de dezembro de 1996, que dispõe sobre o Imposto Territorial Rural – ITR, e dá outras providências.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

DECRETO Nº 750/93 10 de fevereiro de 1993 Dispõe sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação primária ou nos estágios avançado e médio de regeneração da Mata Atlântica, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o Artigo 84, incisos IV e tendo em vista o disposto no Artigo 225, Parágrafo 4º, da Constituição, e de acordo com o disposto no Art. 14, Alíneas “a” e “b”, da Lei 4.771, de 15 de Setembro de 1965, no Decreto -Lei 289, de 28 de Fevereiro de 1967, e na Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, DECRETA: Artigo 1º – Ficam proibidos o corte, a exploração e a supressão de vegetação primária ou nos estágios avançado e médio de regeneração da Mata Atlântica.

Parágrafo Único – Excepcionalmente, a supressão da vegetação primária ou em estágio avançado e médio de regeneração da Mata Atlântica poderá ser autorizada, mediante decisão motivada do órgão estadual competente, com anuência prévia do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, informando-se ao Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA, quando necessária a obras, planos, atividades ou projetos de utilidade pública social, mediante aprovação de estudo e relatório de impacto ambiental.

Artigo 2° – A exploração seletiva de determinadas espécies nativas nas áreas cobertas por vegetação primária ou nos estágios avançados e médio de regeneração da Mata Atlântica poderá ser efetuada desde que observados os seguintes requisitos: I – não promova a supressão de espécies distintas das autorizadas através de prática de roçadas, bosqueamento e similares;

II – elaboração de proje1 estudos prévios técnico-científicos de estoque e de garantia de capacidade de manutenção da espécie;

IV – prévia autorização do órgão estadual competente, de acordo com as diretrizes e critérios técnicos por ele estabelecidos.

Parágrafo Único – Os requisitos deste artigo não se aplicam à exploração eventual de espécies da flora, utilizadas para consumo nas propriedades ou posses das populações tradicionais, mas ficara sujeita à autorização pelo órgão estadual competente.

Artigo 3° – Para os efeitos deste Decreto, considera-se Mata Atlântica as formações florestais e ecossistemas associados inseridos no domínio Mata Atlântica, com as respectivas delimitações estabelecidas pelo Mapa de Vegetação do Brasil, IBGE 1988: Floresta Ombrófila Densa Atlântica, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estaci onal Semidecidual, Floresta Estacional Decidual, manguezais, restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste.

Artigo 4° – A supressão e a exploração da vegetação secundária, em regeneração da Mata Atlântica, serão regulamentadas por ato do IBAMA, estadual competente e o Conselho Estadual do Meio Ambiente respectivo, CONAMA.

Dossiê Mata Atlântica 2001 estágio inicial de ouvidos o órgão informando-se ao

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

Parágrafo Único – A supressão de que trata este artigo, nos Estados em que a vegetação remanescente da Mata Atlântica seja inferior a cinco por cento da área original, obedecerá ao que estabelece o Parágrafo Único do Artigo 1° deste Decreto.

Artigo 5° – Nos casos de vegetação secundária nos estágios médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica, o parcelamento do solo ou qualquer edificação para fins urbanos só serão admitidos quando de conformidade com o plano diretor do Município e demais legislações de proteção ambiental, mediante prévia autorização dos órgãos estaduais competentes e desde que a vegetação não apresente qualquer das seguintes características: I – ser abrigo de espécies da flora e fauna silvestres ameaçadas de extinção;

Artigo 6° – A definição de vegetação primária e secundária nos estágios avançado, médio e inicial de regeneração da Mata Atlântica será de iniciativa do IBAMA, ouvido o órgão competente, aprovado pelo CONAMA.

Parágrafo Único – Qualquer intervenção na Mata Atlântica primária ou nos estágios avançados e médio de regeneração só poderá ocorrer após o atendimento do disposto no “caput” deste artigo.

Artigo 7° – Fica proibida a exploração de vegetação que tenha a função de proteger espécies da flora e fauna silvestres ameaçadas de extinção, formar corredores entre remanescentes de vegetação primária ou em estágio avançado e médio de regeneração, ou ainda de proteger o entorno de unidades de conservação, bem como a utilização das áreas de preservação permanente, de que tratam os artigos 2° e 3° da Lei 4.771, de 15 de Setembro de 1965.

Artigo 8° – A floresta primária ou em estágio avançado e médio de regeneração não perderá esta classificação nos casos de incêndio e/ou desmatamento não licenciados a partir da vigência deste Decreto.

Artigo 9° – O CONAMA será a instância de recurso administrativo sobre as decisões decorrentes do disposto neste Decreto, nos termos do artigo 8°, Inciso III, da Lei 6.938, de 31 de Agosto de 1981.

Artigo 10 – São nulos de pleno direito os atos praticados em desconformidade com as disposições do presente Decreto.

§ 1° – Os empreendimentos ou atividades iniciados ou sendo executados em desconformidade com o disposto neste Decreto deverão adaptar-se às suas disposições, no prazo determinado pela autoridade competente.

§ 2° – Para os fins previstos no parágrafo anterior, os interessados darão ciência do empreendimento ou da atividade ao órgão de fiscalização local, no prazo de cinco dias, que fará as exigências pertinentes.

Artigo 11 – O IBAMA, em articulação com autoridades estaduais competentes, coordenará rigorosa fiscalização dos projetos existentes em área da Mata Atlântica.

Parágrafo Único – Incumbe aos órgãos do Sistema Nacional do Meio Ambiente – SISNAMA, noscasos de infrações às disposições deste Decreto: a) aplicar as sanções administrativas cabíveis;

b) informar imediatamente ao Ministério Público, para fins de requisição de inquérito policial, instauração de inquérito civil e propositura de ação penal e civilpública;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

c) representar aos conselhos profissionais competentes em que inscritos o responsável técnico pelo projeto, para apuração de sua responsabilidade, consoante a legislação específica.

Artigo 12 – O Ministério do Meio Ambiente adotará as providências visando o rigoroso e fiel cumprimento do presente Decreto, e estimulará estudos técnicos e científicos visando a conservação e o manejo racional da Mata Atlântica e sua biodiversidade.

ITAMAR FRANCO Presidente da República Fernando Coutinho Jorge Ministro do Meio Ambiente e da Amazônia Legal

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 10/93 1º de outubro de 1993 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas na Lei 6.938, de 31 de Agosto de 1990, com as alterações introduzidas pela Lei 8.028, de 12 de Abril de 1990, Lei 8.490, de 19 de Novembro de 1992, e pela Medida Provisória 350, de 14 de Setembro de 1993, e com base no Decreto 99.274, de 06 de Junho de 1990, e no Regimento Interno aprovado pela Resolução/CONAMA/025, de 03 de Dezembro de 1986.

Considerando a deliberação contida na Resolução/CONAMA/003, de 15 de Junho de 1993, RESOLVE: Artigo 1º – Para efeito desta Resolução e considerando o que dispõem os artigos 3º, 6º e 7º do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993, são estabelecidos os seguintes parâmetros básicos III – distribuição diamétrica e altura VIII – diversidade de dominância de espécies.

§ 1º – O detalhamento dos parâmetros estabelecidos neste artigo, bem como a definição dos valores mensuráveis, tais como altura e diâmetro, serão definidos pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA e pelo órgão estadual integrante do SISNAMA, no prazo de 30 dias, contatos da publicação desta Resolução e submetidos à aprovação do Presidente do CONAMA, “ad referendum” do Plenário que se pronunciará na reunião ordinária subseqüente.

§ 2º – Poderão também ser estabelecidos parâmetros complementares aos definidos neste artigo notadamente à área basal e outros desde que justificados técnica e cientificamente.

Artigo 2º – Com base nos parâmetros indicados no artigo 1º desta Resolução, ficam definidos os seguintes conceitos: I – Vegetação Primária vegetação de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécies; II – Vegetação Secundária ou em Regeneração: vegetação resultante de processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial da vegetação primária por ações antrópicas ou causas naturais podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação primária.

Artigo 3º – Os estágios de regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6º do Decreto 750/93, passam a ser assim definidos: I – Estágio Inicial: a) fisionomia herbáceo/arbustiva de porte baixo, com cobertura vegetal variando de b) espécies lenhosas com distribuição diamétrica de pequena amplitude; c) epífitas, se existentes, são representadas principalmente por liquens, briófitas e e) serapilheira, quando existente, forma uma camada fina pouco decomposta, contínua ou não;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

f) diversidade biológica variável com poucas espécies arbóreas ou arborescentes, podendo apresentar plântulas de espécies características de outros estágios; h) ausência de subosque.

II – Estágio Médio: a) fisionomia arbórea e/ou arbustiva, predominando sobre a herbácea, podendo constituir b) cobertura arbórea, variando de aberta a fechada, com a ocorrência eventual de c) distribuição diamétrica apresentando amplitude moderada, com predomínio de d) epífitas aparecendo com maior número de indivíduos e espécies em relação ao estágio f) serapilheira presente, variando de espessura de acordo com as estações do ano e da h) subosque presente.

III – Estágio Avançado: a) fisionomia arbórea, dominante sobre as demais, formando um dossel fechado e relativamente uniforme no porte, podendo apresentar árvores emergentes; b) espécies emergentes, ocorrendo com diferentes graus de intensidade; e) epífitas, presentes em grande número de espécies e com grande abundância, f) trepadeiras, geralmente lenhosas, sendo mais abundantes e ricas em espécies na h) diversidade biológica muito grande devido à complexidade estrutural; j) florestas neste estágio podem apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária; l) dependendo da formação florestal, pode haver espécies dominantes.

Artigo 4º – A caracterização dos estágios de regeneração da vegetação, definidos no artigo 3º desta Resolução, não é aplicável aos ecossistemas associados às formações vegetais do domínio da Mata Atlântica, tais como manguezal, restinga, campo de altitude, brejo interiorano e encrave florestal do nordeste.

Parágrafo Único – Para as formações vegetais referidas no “caput” des te artigo, à exceção de manguezal, aplicam-se as disposições contidas nos parágrafos 1º e 2º do artigo 1º desta Resolução, respeitadas a legislação protetora pertinente, em especial a Lei 4771, de 15 de Setembro de 1965, a Lei 5.197, de 03 de Janeiro de 1967, a Lei 6.902, de 27 de Abril de 1981, a Lei 6.938 de 31/02/91, e a Resolução/CONAMA/004, de 18 de Setembro de 1985.

Artigo 5º – As definições adotadas para as formações vegetais de que trata o artigo 4º, para efeito desta Resolução, são as seguintes: I – Manguezal – vegetação com influência flúvio-marinha, típica de solos limosos de regiões estuarinas e dispersão descontínua ao longo da costa brasileira, entre os Estados do Amapá e Santa Catarina. Nesse ambiente halófito, desenvolve-se uma flora especializada, ora dominada por gramíneas (Spartina) e amarilidáceas (Crinun), que lhe conferem uma fisionomia herbácea, ora dominada por espécies arbóreas dos gêneros Rhizophora, Laguncularia e Avincennia. De acordo com a dominância de cada gênero, o manguezal pode ser classificado em mangue vermelho (Rhizophora), mangue branco (Laguncularia) e mangue siriúba (Avicennia), os dois primeiros colonizando locais mais baixos e o terceiro os locais mais altos e

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

mais afastados da influência das marés. Quando o mangue penetra em locais arenosos denomina-se mangue seco.

II – Restinga – vegetação que recebe influência marinha, presente ao longo do litoral brasileiro, também considerada comunidade edáfica, por depender mais da natureza do solo do que do clima. Ocorre em mosaico e encontra-se em praias, cordões arenosos, dunas e depressões, apresentando de acordo com o estágio sucessional, estrato herbáceo, arbustivo de arbóreo, este último mais interiorizado.

III – Campo de Altitude – vegetação típica de ambientes monta no e alto-montano, com estrutura arbustiva e/ou herbácea, que ocorre geralmente nos cumes litólicos das serras com altitudes elevadas, predominando em clima subtropical ou temperado. Caracteriza-se por uma ruptura na seqüência natural das espécies presentes nas formações fisionômicas circunvizinhas. As comunidades florísticas próprias dessa vegetação são caracterizadas por endemismos.

IV – Brejo Interiorano – mancha de floresta que ocorre no nordeste do País, em elevações e platôs onde eventos úmidos condensam o excesso de vapor e criam um ambiente de maior umidade. É também chamado de brejo de altitude.

V – Encrave Florestal do Nordeste – floresta tropical baixa, xerófita, latifoliada e decídua, que ocorre em caatinga florestal, ou mata semi-úmida decídua, higrófila e mesófila com camada arbórea fechada, constituída devido à maior umidade do ar e à maior quantidade de chuvas nas encostas das montanhas. Constitui uma transição para o agreste. No ecótono com a caatinga são encontradas com mais frequência palmeiras e algumas cactáceas arbóreas.

Artigo 6º – Para efeito desta Resolução, e tendo em vista o disposto nos artigo 5º e 7º do Decreto 750/93, são definidos: I – Flora e Fauna Silvestres Ameaçadas de Extinção – espécies constantes das listas oficiais do IBAMA, acrescidas de outras indicadas nas lista eventualmente elaboradas pelos órgãos ambientais dos Estados, referentes as suas respectivas biotas.

II – Vegetação de Excepcional Valor Paisagístico – Vegetação existente no sítios considerados de excepcional valor paisagístico em legislação do Poder Público Federal, Estadual ou Municipal.

III – Corredor entre Remanescentes – faixa de cobertura vegetal existente entre remanescentes de vegetação primária ou em estágio médio e avançado de regeneração, capaz de propiciar hábitat ou servir de área de trânsito para a fauna residente nos remanescentes, sendo que a largura do corredor e suas demais características, serão estudadas pela Câmara Técnica Temporária para Assuntos de Mata Atlântica e sua definição se dará no prazo de 90 (noventa) dias.

IV – Entorno de Unidades de Conservação – área de cobertura vegetal contígua aos limites de Unidade de Conservação, que for proposta em seu respectivo Plano de Manejo, Zoneamento Ecológico/Econômico ou Plano Diretor de acordo com as categorias de manejo, Inexistindo estes instrumentos legais ou deles não constando a área de entorno, o licenciamento se dará sem prejuízo da aplicação do disposto no artigo 2º da Resolução/CONAMA/013/90.

Artigo 7º – As áreas rurais cobertas por vegetação primária ou nos estágios avançado e médio de regeneração da Mata Atlântica, que não forem objeto de exploração seletiva, conforme previsto no Artigo 2º do Decreto 750/93, são consideradas de interesse ecológico para a proteção dos ecossistemas.

Artigo 8º – A Câmara Técnica Temporária para Assuntos de Mata Atlântica, instituída pela Resolução/CONAMA/003/93, editará um glossário dos termos técnicos citados nesta Resolução.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

Artigo 10 – Ficam revogadas as disposições em contrário especialmente as alíneas “n” e “o” do artigo 2º da Resolução/CONAMA/004/85.

RUBENS RICUPERO Presidente do CONAMA SIMÃO MARRUL FILHO Secretário-Executivo

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 12/94 4 de maio de 1994 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, alterada pela Lei 8.028, de 12 de abril de 1990, e Lei n. 8.746, de 09 de dezembro de 1993, considerando o disposto na Lei 8.490, de 19 de novembro de 1992, e tendo em vista o disposto em seu Regimento interno, e Considerando o disposto no artigo 8º da Resolução CONAMA n. 010, de 10 de outubro de 1993, RESOLVE: Artigo 1º – Aprovar o Glossário de Termos Técnicos, elaborado pela Câmara Técnica Temporária para Assuntos de Mata Atlântica.

AGRESTE: zona fitogeográfica do Nordeste, entre a Mata e o Sertão, caracterizada pelo solo pedregoso e pela vegetação escassa e de pequeno porte.

BRIÓFITAS: vegetal de pequenas dimensões, sem canais internos condutores de seiva, como os musgos.

CACTÁCEAS: família de plantas peculiarmente destituídas de folhas, mas que têm o caule muito engrossado, em virtude de amplas reservas de água. Quase sempre conduzem espinhos, flores ornamentais, dotadas de numerosas pétalas e estames, frutos por vezes comestíveis.

COMUNIDADE EDÁFICA: conjunto de populações vegetais dependentes de determinado tipo de solo.

COMPLEXIDADE ESTRUTURAL: grupo ou conjunto de espécies ocorrentes em uma floresta, cujos indivíduos interagem imprimindo características próprias a mesma, em virtude de distribuição e abundância de espécies, formação de estratos, diversidade biológica.

CUMES LITÓLICOS: ponto mais alto de um morro ou elevação constituídos basicamente de rochas.

DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA: maneira como se apresenta os diâmetros dos troncos medidos à 1,30 metros do solo (DAP).

DIVERSIDADE BIOLÓGICA: variedade de indivíduos, comunidades, populações, espécies e ecossistemas existentes em um determinada região.

DOMINÂNCIA DE ESPÉCIES: grau em que determinadas espécies dominam em uma comunidade, devido ao tamanho, abundância ou cobertura, e que afeta as potencialidades das demais espécies.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

ECÓTONO: zona de contato ou transição entre duas formações vegetais com características distintas.

EPÍFITA: planta que cresce sobre a outra planta sem retirar alimento ou tecido vivo do hospedeiro.

ESPÉCIE EMERGENTE: aquela que se sobressai devido a sua copa ultrapassar o dossel da floresta, em busca de luminosidade.

ESPÉCIE INDICADORA: aquela cuja presença indica a existência de determinadas condições no ambiente em que ocorre.

ESPÉCIE PIONEIRA: aquela que se instala em uma região, área ou hábitat anteriormente não ocupada por ela, indicando a colonização de áreas desabitadas.

ESTRATO: determinada camada de vegetação em uma comunidade vegetal. Ex: estratos herbáceos, arbustivo e arbóreo.

EXPLOTAÇÃO SELETIVA: o mesmo que exploração seletiva. Extração de espécies ou produtos de origem vegetal previamente determinados.

FLORESTA ESTACIONAL: floresta que sofre ação climática desfavorável, seca ou fria, com perda de folhas.

FLORESTA OMBRÓFILA: floresta que ocorre em ambientes sombreados onde a umidade é alta e constante ao longo do ano.

LÍQUENS: associação permanente entre uma alga e um fungo, comumente encontrada nos troncos das árvores e sobre rochas.

MESÓFILA: vegetação adaptada a viver em ambiente com mediana disponibilidade de água, no solo e na atmosfera.

MONTANO: relativo a ambientes que ocupam a faixa de altitude geralmente situada entre 500 a 1.500m.

PTERIDÓFITAS: plantas sem flores que se reproduzem por esporos. Ex: samambaias, xaxins e avencas.

REMANESCENTES: manchas de vegetação Primária ou Secundária do domínio da Mata Atlântica.

SERAPILHEIRA: camadas de folhas, galhos e matéria orgânica morta que cobre o solo das matas.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA NILDE LAGO PINHEIRO Secretária- Executiva

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 3/96 18 de abril de 1996 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso I, do artigo 4º, da Lei 6.938, de 31 de Agosto de 1981, incisos II e X, do artigo 7º, do Decreto 99.274, de 06 de Junho de 1990. com vistas ao esclarecimento da aplicação do Decreto 750/93, RESOLVE: Artigo 1º – Compreende-se que: Vegetação remanescente de mata atlântica, expressa no parágrafo único do artigo 4º, do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993, abrange a totalidade de vegetação primária e secundária em estágio inicial, médio e avançado de regeneração.

GUSTAVO KRAUSE GONÇALVES SOBRINHO Presidente do CONAMA AÉCIO GOMES DE MATOS Secretário Executivo Substituto

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 09/96 24 de outubro de 1996 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE- CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, alterada pela Lei nº 8.028, de 12 de abril de 1990, regulamentadas pelo Decreto nº 99.274, de 06 de junho de 1990, e Lei nº 8.746, de 09 de dezembro de 1993, considerando o disposto na Lei nº 8.470, de 19 de novembro de 1992, e tendo em vista o disposto no seu Regimento Interno, e Considerando o disposto no artigo 225 da Constituição Federal, em especial a definição da Mata Atlântica como Patrimônio Nacional;

Considerando a necessidade de dinamizar a implementação do Decreto nº 750/93, referente à proteção da Mata Atlântica;

Considerando a necessidade de se definir “corredores entre remanescentes” citado no artigo 7º do Decreto nº 750 / 93, assim como estabelecer parâmetros e procedimentos para a sua identificação e proteção, RESOLVE: Artigo 1º – Corredor entre remanescentes caracteriza-se como sendo faixa de cobertura vegetal existente entre remanescentes de vegetação primária e em estágio médio e avançado de regeneração, capaz de propiciar habitat ou servir de área de trânsito para a fauna residente nos remanescentes.

Parágrafo único: Os corredores entre remanescentes constituem-se: a) pelas matas ciliares em toda sua extensão e pelas faixas marginais definidas por b) pelas faixas de cobertura vegetal existentes nas quais seja possível a interligação de remanescentes, em especial, às unidades de conservação e áreas de preservação permanente.

Artigo 2º – Nas áreas que se prestem a tal finalidade onde sejam necessárias intervenções visando sua recomposição florística, esta deverá ser feita com espécies nativas regionais, definindo-se previamente se essas áreas serão de preservação ou de uso.

Artigo 3º – A largura dos corredores será fixada previamente em 10% ( dez por cento ) do seu Parágrafo único: Quando em faixas marginais, a largura mínima estabelecida se fará em ambas as margens do rio.

GUSTAVO KRAUSE GONÇALVES SOBRINHO Presidente do CONAMA EDUARDO DE SOUZA MARTINS Secretário-Executivo

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 249/99 01 de fevereiro de 1999 O Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto nº 99.274, de 6 de junho de 1990, tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando que o bioma Mata Atlântica tem sido amplamente discutido pela sociedade brasileira, devido a suas dimensões e diversidade biológica;

Considerando que a discussão ocorrida no âmbito dos Grupos de Trabalho constituídos a partir da Câmara Técnica de Assuntos de Mata Atlântica resultou na apresentação das Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável para a Mata Atlântica;

Considerando as contribuições do Grupo de Trabalho Interministerial, com vistas a incluir diversos componentes da estratégia contida na proposta de Diretrizes da Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica;

Considerando o consenso entre os diversos segmentos da comunidade científica, setorial, governamental e ambientalista, para que haja instrumentos que possibilitem a reversão do quadro predatório e o estabelecimento de mecanismos que garantam a sustentabilidade do Bioma;

Considerando a necessidade de se estabelecer linhas de atuação por parte do governo, sempre baseadas no marco conceitual de conservação e uso sustentável, preconizado na Constituição Federal sobre a Mata Atlântica;

Considerando que foram realizados diversas reuniões e workshops com a participação de instituições e técnicos envolvidos com a temática, objetivando a discussão e definição dos marcos principais para a proposta de uma política;

Considerando que os resultados da interação interinstitucional e multidisciplinar serviram como base para a formulação das linhas de ação que mantêm e asseguram às comunidades envolvidas melhores condições de vida; às agências e órgãos governamentais, maior capacidade de indução do desenvolvimento com sustentabilidade ambiental; o firme propósito de contribuir para o desenvolvimento sustentável em nível nacional, através da implementação dos elementos que compõem a estratégia, as diretrizes da Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica e o Plano de Ação para a Mata Atlântica;

RESOLVE: Artigo 1º – Aprovar as Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Ma ta Atlântica, conforme publicado no Boletim de Serviço, ano V, nº 12/98 – Suplemento, 07/01/99, do Ministério do Meio Ambiente – MMA.

Artigo 2º – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

JOSÉ SARNEY FILHO Presidente do CONAMA RAIMUNDO DEUSDARÁ FILHO Secretário-Executivo

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

MEDIDA PROVISÓRIA No 2.080-59, Altera os arts. 1o, 4o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como altera o art. 10 da Lei no 9.393, de 19 de dezembro de 1996, que dispõe sobre o Imposto Territorial Rural – ITR, e dá outras providências.

“Art. 1o ………………………………………………………………….

§ 1o As ações ou omissões contrárias às disposições deste Código na utilização e exploração das florestas e demais formas de vegetação são consideradas uso nocivo da propriedade, aplicando-se, para o caso, o procedimento sumário previsto no art. 275, inciso II, do Código de Processo Civil.

§ 2o Para os efeitos deste Código, entende-se por: I – Pequena propriedade rural ou posse rural familiar: aquela explorada mediante o trabalho pessoal do proprietário ou posseiro e de sua família, admitida a ajuda eventual de terceiro e cuja renda bruta seja proveniente, no mínimo, em oitenta por cento, de atividade agroflorestal ou do extrativismo, cuja área não supere: a) cento e cinqüenta hectares se localizada nos Estados do Acre, Pará, Amazonas, Roraima, Rondônia, Amapá e Mato Grosso e nas regiões situadas ao norte do paralelo 13o S, dos Estados de Tocantins e Goiás, e ao oeste do meridiano de 44o W, do Estado do Maranhão ou no Pantanal mato-grossense ou sul-mato- b) cinqüenta hectares, se localizada no polígono das secas ou a leste do Meridiano de 44º W, do Estado do Maranhão; e c) trinta hectares, se localizada em qualquer outra região do País;

II – Área de preservação permanente: área protegida nos te rmos dos arts. 2o e 3o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas;

III – Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, excetuada a de preservação permanente, necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação dos processos ecológicos , à conservação da biodiversidade e ao abrigo e proteção de fauna e flora nativas;

IV – Utilidade pública: b) as obras essenciais de infra-estrutura destinadas aos serviços públicos de transporte, saneamento e energia; e c) demais obras, planos, atividades ou projetos previstos em resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente- CONAMA;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

a) as atividades imprescindíveis à proteção da integridade da vegetação nativa, tais como: prevenção, combate e controle do fogo, controle da erosão, erradicação de invasoras e proteção de plantios com espécies nativas, conforme resolução do b) as atividades de manejo agroflorestal sustentável praticadas na pequena propriedade ou posse rural familiar, que não descaracterizem a cobertura vegetal e não prejudiquem a função ambiental da área; e c) demais obras, planos, atividades ou projetos definidos em resolução do CONAMA;

VI – Amazônia Legal: os Estados do Acre, Pará, Amazonas, Roraima, Rondônia, Amapá e Mato Grosso e as regiões situadas ao norte do paralelo 13o S, dos Estados de Tocantins e Goiás, e ao oeste do meridiano de 44o W, do Estado do Maranhão. (NR) “Art. 4o A supressão de vegetação em área de preservação permanente somente poderá ser autori zada em caso de utilidade pública ou de interesse social, devidamente caracterizados e motivados em procedimento administrativo próprio, quando inexistir alternativa técnica e locacional ao empreendimento proposto.

§ 1o A supressão de que trata o caput deste artigo dependerá de autorização do órgão ambiental estadual competente, com anuência prévia, quando couber, do órgão federal ou municipal de meio ambiente, ressalvado o disposto no § 2o deste artigo.

§ 2o A supressão de vegetação em área de preservação permanente situada em área urbana, dependerá de autorização do órgão ambiental competente, desde que o município possua conselho de meio ambiente com caráter deliberativo e plano diretor, mediante anuência prévia do órgão ambiental estadual competente fundamentada em parecer técnico.

§ 3o O órgão ambiental competente poderá autorizar a supressão eventual e de baixo impacto ambiental, assim definido em regulamento, da vegetação em área de preservação permanente.

§ 4o O órgão ambiental competente indicará, previamente à emissão da autorização para a supressão de vegetação em área de preservação permanente, as medidas mitigadoras e compensatórias que deverão ser adotadas pelo empreendedor.

§ 5o A supressão de vegetação nativa protetora de nascentes, ou de dunas e mangues, de que tratam, respectivamente, as alíneas “c” e “f” do art. 2o deste Código, somente poderá ser autorizada em caso de utilidade pública.

§ 6o Na implantação de reservatório artificial é obrigatória a desapropriação ou aquisição, pelo empreendedor, das áreas de preservação permanente criadas no seu entorno, cujos parâmetros e regime de uso serão definidos por resolução do CONAMA.

“Art. 14. ………………………………………………………………..

……………………………………………………………………” (NR)

“Art. 16. As florestas e outras formas de vegetação nativa, ressalvadas as situadas em área de preservação permanente, assim como aquelas não sujeitas ao regime de utilização li mitada ou objeto de legislação específica, são suscetíveis de supressão, desde que sejam mantidas, a título de reserva legal, no mínimo:

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

I – oitenta por cento, na propriedade rural situada em área de floresta localizada na Amazônia II – trinta e cinco por cento, na propriedade rural situada em área de cerrado localizada na Amazônia Legal, sendo no mínimo vinte por cento na propriedade e quinze por cento na forma de compensação em outra área, desde que esteja localizada na mesma microbacia, e seja III – vinte por cento, na propriedade rural situada em área de floresta ou outras formas de vegetação nativa localizada nas demais regiões do País; e IV – vinte por cento, na propriedade rural em área de campos gerais localizada em qualquer região do País.

§ 1o O percentual de reserva legal na propriedade situada em área de floresta e cerrado será definido considerando separadamente os índices contidos nos incisos I e II deste artigo.

§ 2o A vegetação da reserva legal não pode ser suprimida, podendo apenas ser utilizada sob regime de manejo florestal sustentável, de acordo com princípios e critérios técnicos e científicos estabelecidos no regulamento, ressalvadas as hipóteses previstas no § 3o deste artigo, sem prejuízo das demais legislações específicas.

§ 3o Para cumprimento da manutenção ou compensação da área de reserva legal em pequena propriedade ou posse rural familiar, podem ser computados os plantios de árvores frutíferas ornamentais ou industriais, compostos por espécies exóticas, cultivadas em sistema intercalar ou em consórcio com espécies nativas.

§ 4o A localização da reserva legal deve ser aprovada pelo órgão ambiental estadual competente ou, mediante convênio, pelo órgão ambiental municipal ou outra instituição devidamente habilitada, devendo ser considerados, no processo de aprovação, a função social da propriedade, e os seguintes critérios e instrumentos, quando houver: IV – outras categorias de zoneamento ambiental; e V – a proximidade com outra Reserva Legal, Área de Preservação Permanente, unidade de conservação ou outra área legalmente protegida.

§ 5o O Poder Executivo, se for indicado pelo Zoneamento Ecológico Econômico – ZEE e pelo Zoneamento Agrícola, ouvidos o CONAMA, o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério da Agricultura e do Abastecimento, poderá: I – reduzir, para fins de recomposição, a reserva legal, na Amazônia Legal, para até cinqüenta por cento da propriedade, excluídas, em qualquer caso, as Áreas de Preservação Permanente, os ecótonos, os sítios e ecossistemas especialmente protegidos, os locais de expressiva biodiversidade e os corredores ecológicos; e II – ampliar as áreas de reserva legal, em até cinqüenta por cento dos índices previstos neste Código, em todo o território nacional.

§ 6o Será admitido, pelo órgão ambiental competente, o cômputo das áreas relativas à vegetação nativa existente em área de preservação permanente no cálculo do percentual de reserva legal, desde que não implique em conversão de novas áreas para o uso alternativo do solo, e quando a soma da vegetação nativa em área de preservação permanente e reserva legal exceder a: I – oitenta por cento da propriedade rural localizada na Amazônia Legal; II – cinqüenta por cento da propriedade rural localizada nas demais regiões do País; e III – vinte e cinco por cento da pequena propriedade definida pelas alíneas “b” e “c” do inciso I do § 2o do art. 1o.

§ 7o O regime de uso da área de preservação permanente não se altera na hipótese prevista no parágrafo anterior.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

§ 8o A área de reserva legal deve ser averbada à margem da inscrição de matrícula do imóvel, no registro de imóveis competente, sendo vedada a alteração de sua destinação, nos casos de transmissão, a qualquer título, de desmembramento ou de retificação da área, com as exceções previstas neste Código.

§ 9o A averbação da reserva legal da pequena propriedade ou posse rural familiar é gratuita, devendo oPoder Público prestar apoio técnico e jurídico, quando necessário.

§ 10. Na posse, a reserva legal é assegurada por Termo de Ajustamento de Conduta, firmado pelo possuidor com o órgão ambiental estadual ou federal competente, com força de título executivo e contendo, no mínimo, a localização da reserva legal, as suas características ecológicas básicas e a proibição de supressão de sua vegetação, aplicando-se, no que couber, as mesmas disposições previstas neste Código para a propriedade rural.

§ 11. Poderá ser instituída reserva legal em regime de condomínio entre mais de uma propriedade, respeitado o percentual legal em relação a cada imóvel, mediante a aprovação do órgão ambiental estadual competente e as devidas averbações referentes a todos os imóveisenvolvidos.” (NR) “Art. 44. O proprietário ou possuidor de imóvel rural com área de floresta nativa, natural, primitiva ou regenerada ou outra forma de vegetação nativa em extensão inferior ao estabelecido nos incisos I, II, III e IV do art. 16, ressalvado o disposto nos seus §§ 5o e 6o, deve adotar as seguintes alternativas, isoladas ou conjuntamente: I – recompor a reserva legal de sua propriedade mediante o plantio, a cada três anos, de no mínimo 1/10 da área total necessária à sua complementação, com espécies nativas, de acordo II – conduzir a regeneração natural da reserva legal; e III – compensar a reserva legal por outra área equivalente em importância ecológica e extensão, desde que pertença ao mesmo ecossistema e esteja localizada na mesma microbacia, conforme critérios estabelecidos em regulamento.

§ 1o Na recomposição de que trata o inciso I, o órgão ambiental estadual competente deve apoiar tecnicamente a pequena propriedade ou posse rural familiar.

§ 2o A recomposição de que trata o inciso I pode ser realizada mediante o plantio temporário de espécies exóticas como pioneiras, visando a restauração do ecossistema original, de acordo com critérios técnicos gerais estabelecidos pelo CONAMA.

§ 3o A regeneração de que trata o inciso II será autorizada, pelo órgão ambiental estadual competente, quando sua viabilidade for comprovada por laudo técnico, podendo ser exigido o isolamento da área.

§ 4o Na impossibilidade de compensação da reserva legal dentro da mesma micro- bacia hidrográfica, deve o órgão ambiental estadual competente aplicar o critério de maior proximidade possível entre a propriedade desprovida de reserva legal e a área escolhida para compensação, desde que na mesma bacia hidrográfica e no mesmo Estado, atendido, quando houver, o respectivo Plano de Bacia Hidrográfica, e respeitadas as demais condicionantes estabelecidas no inciso III.

§ 5o A compensação de que trata o inciso III deste artigo, deverá ser submetida à aprovação pelo órgão ambiental estadual competente, e pode ser implementada mediante o arrendamento de área sob regime de servidão florestal ou reserva legal, ou aquisição de cotas de que trata o art. 44-B.

§ 6o O proprietário rural poderá ser desonerado, pelo período de trinta anos, das obrigações previstas neste artigo, mediante a doação, ao órgão ambiental competente, de área localizada no interior de Parque Nacional ou Estadual, Floresta Nacional, Reserva Extrativista, Reserva Biológica ou Estação Ecológica pendente de

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

regularização fundiária, respeitados os critérios previstos no inciso III deste artigo.” (NR) Art. 2o Ficam acrescidos os seguintes dispositivos à Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965: “Art. 3o -A. A exploração dos recursos florestais em terras indígenas somente poderá ser realizada pelas comunidades indígenas em regime de manejo florestal sustentável, para atender a sua subsistência, respeitados os arts. 2o e 3o deste Código.” (NR) “Art. 37-A. Não é permitida a conversão de florestas ou outra forma de vegetação nativa para uso alternativo do solo na propriedade rural que possui área desmatada, quando for verificado que a referida área encontra-se abandonada, subutilizada ou utilizada de forma inadequada, segundo a vocação e capacidade de suporte do solo.

§ 1o Entende-se por área abandonada, subutilizada ou utilizada de forma inadequada, aquela não efetivamente utilizada, nos termos do § 3o, do art. 6o da Lei no 8.629, de 25 de fevereiro de 1993, ou que não atenda aos índices previsto s no art. 6o da referida Lei, ressalvadas as áreas de pousio na pequena propriedade ou posse rural familiar ou de população tradicional.

§ 2o As normas e mecanismos para a comprovação da necessidade de conversão serão estabelecidos em regulamento, considerando, dentre outros dados relevantes, o desempenho da propriedade nos últimos três anos, apurado nas declarações anuais do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural – ITR.

§ 3o A regulamentação de que trata o parágrafo anterior estabelecerá procedimentos simplificados: I – para a pequena propriedade rural; e II – para as demais propriedades que venham atingindo os parâmetros de produtividade da região e que não tenham restrições perante os órgãos ambientais.

§ 4o Nas áreas passíveis de uso alternativo do solo, a supressão da vegetação que abrigue espécie ameaçada de extinção, dependerá da adoção de medidas compensatórias e mitigadoras que assegurem a conservação da espécie.

§ 5o Se as medidas necessárias para a conservação da espécie impossibilitarem a adequada exploração econômica da propriedade, observar-s e-á o disposto na alínea “b” do art. 14.

§ 6o É proibida, em área com cobertura florestal primária ou secundária em estágio avançado de regeneração, a implantação de projetos de assentamento humano ou de colonização para fim de reforma agrária, ressalvados os projetos de assentamento agro-extrativista, respeitadas as legislações específicas.” (NR) “Art. 44-A. O proprietário rural poderá instituir servidão florestal, mediante a qual voluntariamente renuncia, em caráter permanente ou temporário, a direitos de supressão ou exploração da vegetação nativa, localizada fora da reserva legal e da área com vegetação de preservação permanente.

§ 1o A limitação ao uso da vegetação da área sob regime de servidão florestal deve ser, no mínimo, a mesma estabelecida para a Reserva Legal.

§ 2o A servidão florestal deve ser averbada à margem da inscrição de matrícula do imóvel, no registro de imóveis competente, após anuência do órgão ambiental estadual competente, sendo vedada, durante o prazo de sua vigência, a alteração da destinação da área, nos casos de transmissão a qualquer título, de desmembramento ou de retificação dos limites da propriedade.” (NR) “Art. 44-B. Fica instituída a Cota de Reserva Florestal – CRF, título representativo de vegetação nativa sob regime de servidão florestal, de Reserva Particular do Patrimônio Natural

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Legislação de abrangência nacional (Domínio da Mata Atlântica)

ou reserva legal instituída voluntariamente sobre a vegetação que exceder os percentuais estabelecidos no art. 16 deste Código.

“Art. 10. …………………………………………………………….

§ 1 o ………………………………………………………………….

I – ………………………………………………………………………

II – ……………………………………………………………………..

a) ………………………………………………………………………

b) ………………………………………………………………………

c) ……………………………………………………………………..

……………………………………………………………………….

§ 7o A declaração para fim de isenção do ITR relativa às área s de que tratam as alíneas “a” e “d” do inciso II, § 1o, deste artigo, não está sujeita à prévia comprovação por parte do declarante, ficando o mesmo responsável pelo pagamento do imposto correspondente, com juros e multa previstos nesta Lei, caso fique comprovado que a sua declaração não é verdadeira, sem prejuízo de outras sanções aplicáveis.” (NR) Art. 4 o Ficam convalidados os atos praticados com base na Medida Provisória no 2.080-58, de 27 de dezembro de 2000.

Brasília, 25 de janeiro de 2001; 180o da Independência e 113o da República. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Silvano Gianni Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de 26.1.2001

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas ALAGOAS RESOLUÇÃO CONAMA Nº 28/94 7 de dezembro de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela lei nº 6 938 , de 31 de agosto de 1981 , regulamentada pelo decreto nº 99.274 de 06 de junho de 1990 , alterado pelo decreto nº 1.205 ,de agosto de 1994 e seu anexo I, tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando o que preceitua o artigo 6º do Decreto Federal nº 750, de 10 de fevereiro de 1993, na resolução/CONAMA/nº 10, de 1º de outubro de 1994 , em face da necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial ,médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica e para efeito de orientar os procedimentos de licenciamento de exploração de recursos florestais no estado de Alagoas, RESOLVE: Artigo 1º – Vegetação primária : vegetação caracterizada como de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos , a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estr utura e de espécie.

Artigo 2º – Vegetação secundária ou em regeneração : vegetação resultante de processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial de vegetação primária por ações antrópicas ou causas naturais, podendo ocorrer árvores remanescentes de vegetação primária.

Artigo 3º – Os estágios em regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6º do Decreto 750/93 , passam a ser assim definidos , em suas delimitações para o estado, estabelecidas pelo mapa de vegetação do Brasil – IBGE – 1988: I – Estágio inicial de regeneração : a) altura media até 5 metros para as florestas ombrófilas e até 3 metros para a floresta b) espécies lenhosas com distribuição diamétrica de baixa amplitude: DAP médio até 8 centímetros para as florestas ombrófilas e até 5 centímetros para a estacional semi- c) epífitas, se existentes, são representadas principalmente por liquens, briófitas e e) serapilheira, quando existente , forma uma camada fina pouco decomposta , continua , ou f) diversidade biológica variável com poucas espécies arbóreas ou arborescentes, podendo h.1) floresta ombrófila: Cecropia sp. (imbaúba); stryphnodendron sp. (favinha); byrsonina sp (murici); Eschweilera sp (embiriba); Tapirira quimensi ( cupiúba); himatanthus bracteatus (banana de papagaio); Sapulm sp (leiteiro); thyrsodium schomburgkianum (cabotã-de-leite); cocoloba sp (cabaçu); cróton sp (marmeleiro); h.2) floresta estacional semi-decidual: stryphnodendron sp (canzenze); hortila arboreaengl (laranjinha); xilopia sp (sucupira); cupania sp (cabotão-de-rego); pithecolobium sp (barbatimão); cocoloba sp (cabaçu); pouteira sp (leiteiro branco).

II – Estágio médio de regeneração: a) fisionomia arbórea e/ou arbustiva predominando sobre a herbácea, podendo constituir estratos diferenciados, apresentando altura media superior a 5 metros e inferior a 15

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas metros para as florestas ombrófilas e acima de 3 metros e inferior a 9 metros para a b) cobertura arbórea , variando de aberta a fechada, com a ocorrência eventual de indivíduos c) distribuição diamétrica apresentando amplitude moderada, com predomínio de pequenos diâmetros: DAP médio até 15 centímetros para as florestas ombrófilas e estacional semi- d) epífitas aparecendo com maior número de indivíduos e espécies em relação ao estágio f) serapilheira presente, variando de espessura de acordo com as estações do ano e a i) espécies indicadoras: i.1) floresta ombrófila: himathantus bracteatus (banana-de-papagaio); byrsonima sp (murici); manilkara sp (macaranduba); bombax sp (munguba); attalea sp (catolé); ditymopanax morototoni (sambaquim); lecythys sp (sapucaia); thyrodium schomburgkianum (cabotã-de-leite); eschweilera sp (embiriba); cecropia sp (embaúba); tapirira quianensis i2) floresta estacional semi-decidual: stryphndendron sp(cazenze); syagrus coronata (ouricuri); cupania sp (cabotã-de-rego); mimosa sp (espinheiro); hortia arbórea (laranjinha); bowdichia sp (sucupira); pisonia sp (piranha); cocoloba sp (cabaçu); byrsonima sp (murici); strynodentron sp (favinha); anarcadium sp (cajueiro-bravo); cecrópia sp (embauba); cuepia sp (carrapeta).

III – Estágio avançado de regeneração: a) fisionomia arbórea, dominante sobre as demais, formando um dossel fechado e relativamente uniforme no porte, podendo apresentar árvores emergentes, apresentando altura media superior a 15 metros para as florestas ombrófilas e superior a 9 metros para a b) espécies emergentes, ocorrendo com diferentes graus de intensidade; d) distribuição diamétrica de grande amplitude, com DAP médio acima de 15 centímetros para e) epifitas, presentes em grande número de espécies e em abundância, principalmente na f) trepadeiras, geralmente lenhosas, sendo mais abundante e ricas em espécies na floresta j) florestas neste estágio podem apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária; l) dependendo da formação florestal, pode haver espécies dominantes; m) espécies indicadoras: m.1) floresta ombrófila: attalea sp (palmeira pindoba); didymopanax sp (sambaquim); taipirira quymenys (pau-pombo); bombax sp (manguba); hortia sp (laranjinha); parkia sp (visgueiro); lecythis sp (sapucaia); cassia sp (coração-de-negro); copaifera sp (pau-dóleo); eschweilera sp (embiriba); byrsonima sp (murici); luehea divaricata (açoita-cavalo); m.2) floresta estacional semi-decidual: bowdichia sp (sucupira); bombax sp (munguba); eschweilera sp (imbiriba); pouteira sp (leiteiro branco); trysodium sp (cabotã de leite); byrsonima sp (murirci); pouteira sp (leiteiro); terminalia sp (canzenze); syagrus sp (coco ouricuri); didymopanax sp (sambaquim); byrsonima sp (murici); simaruba (praiba).

Artigo 4º – A caracterização dos estágios de regeneração da vegetação definidos no artigo 3º desta Resolução não é aplicável para manguezais e restingas.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas Artigo 5º – Os parâmetros de altura media e DAP médio definidos estão válidos para todas as formações florestais existentes no território do estado de Alagoas na área de domínio da Mata Atlântica estabelecida pelo mapa de vegetação do Brasil IBGE – 1988, prevista no Decreto 750/93. Os demais parâmetros podem apresentar variações dependendo das condições de relevo, de clima e solos locais, histórico de uso da terra e localização geográfica.

Artigo 6º – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA ROBERTO SÉRGIO STUDART WIEMER Secretário-Executivo Substituto

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

BAHIA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 5/94 4 de maio de 1994 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de Agosto de 1981, alterada pela Lei nº 8.028, de 12 de Abril de 1990, regulamentadas pelo Decreto nº 99.274, de 6 de Junho de 1990 e Lei nº 8.746, de 9 de Dezembro de 1993, considerando o disposto na Lei nº 8.490, de 19 de Novembro de 1992, e tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica em cumprimento ao disposto o artigo 6º do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993, na Resolução/CONAMA/ nº 10, de 01 de Outubro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos de licenciamento de atividades florestais no Estado da Bahia, RESOLVE: Artigo 1º – Vegetação primária é aquela de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e espécies.

Artigo 2º – Vegetação secundária ou em regeneração é aquela resultante dos processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial da vegetação primária por ações antrópicas ou causas naturais, podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação primária.

Artigo 3º – Os estágios em regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6º do Decreto 750/93, passam a ser assim definidos: I – Estágio inicial de regeneração: a) Fisionomia herbácea/arbustiva de porte baixo, altura média inferior a 5 metros para as florestas ombrófila densa e estacional semidecidual e altura média inferior a 3 metros para as demais formações florestais, com cobertura vegetal variando de fechada e aberta; b) Espécies lenhosas com distribuição diamétrica de pequena amplitude: DAP médio inferior a c) Epífitas, se existentes, são representadas principalmente por líquens, briófitas e e) Serapilhadeira, quando existente, forma uma camada fina pouco decomposta, contínua ou f) Diversidade biológica variável com poucas espécies arbóreas ou arborescentes, podendo i) A florística está representada em maior frequência para as florestas ombrófila densa e estacional semidecidual: bete (Piper); tiririca (Scleria); erva-de-rato (Pshychotria), (Palicouren); canela de velho, mundururu (Clidemia), (Mociria), (Henriettea); quaresmeira (Tibouchina); corindiba (Trema); bananeirinha, paquevira (Helicônia); (Telepteres) piaçaba, indaiá (Attalea); Sapé (Imperata); (Minosa); assa peixe (Venonia); lacre, capianga (Vismia). Para as demais formações florestais: gogóia, coerana (Solanum) (Cestrum); velame, pinhão bravo (Cróton) (Jatropha) (Cnidoscolus); cansação (Cnidoscolus); Jurema, candeia, calumbi (Mimosa) (Piptadenia); cipós (Anemopaegma) (Pyrostegia): cipó tingui (Sejania).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas a) Fisionomia arbórea e/ou arbustiva predominando sobre a herbácea, podendo constituir estratos diferenciados, a altura média é de 5 a 12 metros para as florestas ombrófila densa e estacional semidescidual e de 3 a 5 metros para as demais formações florestais; b) Cobertura arbórea variando de aberta a fechada, com ocorrência eventual de indivíduos c) Distribuição diamétrica apresentando amplitude moderada, com predomínio dos pequenos diâmetros; DAP médio de 8 a 18 centímetros para as florestas ombrófila densa e estacional semidecidual e DAP médio de 8 a 12 centímetros para as demais formações florestais; d) Epífitas aparecendo com maior número de indivíduos e espécies em relação ao estágio f) Serapilheira presente, variando de espessura de acordo com as estações do ano e a i) A florística está representada em maior frequência para as florestas ombrófila densa e estacional semidecidual: amescla (Protium); sucupira (Bowdichia); pau d’arco (Tabeluia); murci (Byrsonima); pau pombo (Tapíriri), bicuíba (Virola); ingá (Ingá); boleira (Joannesia); cocão (Pogonophora); morototó, sambaquim (Didymopanax); pau paraíba (Simarouba); açoita cavalo (Luebea); araticum (Dugbetia) (Guatteria); amoreira (Heliocostylis) (Maclura); Para as demais formações florestais: surucuru, angico (Piptadenia) (Ansdenanthera); pau ferro (Enterolobium); flor de são joão (Senna); mororó (Baubinia); Baraúna, cajá (Schinopsis); aroeira (Astronium); (amburama); (Centrolobium); pereiro, peroba (Aspidosperma); quixabeira (Bumelia); pau d’arco (Tabebuia).

III – Estágio avançado de regeneração: a) Fisionomia arbórea dominante sobre as demais, formando um dossel fechado e relativamente uniforme no porte, podendo apresentar árvores emergentes; a altura média é superior a 12 metros para as florestas ombrófila densa e estacional semidecidual e superior b) Espécies emergentes ocorrendo com diferentes graus de intensidade; d) Epífitas presentes em grande número de espécies e com grande abundância, e) Distribuição diamátrica de grande amplitude: DAP médio superior a 18 centímetros para as florestas ombrófila densa e estacional semidecidual e DAP médio superior a 12 centímetros f) Trepadeiras geralmente lenhosas, sendo mais abundantes e ricas em espécies na floresta h) Diversidade biológica muito grande devido a complexidade estrutural; j) Florestas neste estágio podem apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária; l) A florística está representada em maior frequência para as florestas ombrófila densa e estacional semidecidual: oiti (Licania) (Couepia); louros (Octoea) (nectandra); manaiuba, jundiba (Sloanea); manguba, muçanbê (Buchenavia); juerana, tambaipê (Prkia) (Streyphonodendron); conduru (Brosimun) (Helicostylis); oiticica, catrus (Clarisia); camaçari (caraipa) bacupari (Rheedia); sapucaia (Lecythis) juerana branca, inga (macrosamanea) (inga); maçaranduba, paraju (Manilxara); fruta de pomba (Pouteria) (Chrysophillum); pau paraíba (Simarouba); pau jangada (Apeíba); mucugê (Couma); imbiruçu (Bombax). Para as demais formações florestais: barriguda (Cavanillesia); vilão, madeira nova (Pterogyne); violeta., jacarandá (Machaerium) (Dalbergia); pau sangue (Pterocarpus); sucupira branca (Pterodon); peroba (Aspidosperma); baraúna (Schynopsis); pau d’arco (Tabebuia); freijó claraíba (Cordia), tapicuru (Gomiorrachis); mussabê (Manikara).

Artigo 4º – A Caracterização dos estágios de regeneração da vegetação definidos no artigo 3º desta Resolução não é aplicável para manguezais e restingas.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

Artigo 5º – Os parâmetros de altura média e DAP médio definidos nesta Resolução, excetuando-se manguezais e restingas, estão válidos para todas as demais formações florestais existentes no território do Estado da Bahia previstas no Decreto 750/93; os demais parâmetros podem apresentar diferenciações em função das condições de relevo, clima e dos locais, e do histórico do uso da terra.

Artigo 6º – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do Conama NILDE LAGO PINHEIRO PINTO Secretária Executiva

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas BAHIA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 240/98 16 de abril de 1998

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das atribuições previstas na Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto n º 99.274, de 06 de junho de 1990, e tendo em vista o disposto no Regimento Interno, e Considerando a vital importância dos remanescentes de Mata Atlântica brasileira, protegidos por Decreto do Poder Público federal e Resoluções dos Conselhos ambientais federais e estaduais;

Considerando o disposto no art. 1º, Parágrafo único, art. 2º, incisos II e III, art. 4º, Parágrafo único e art. 7º do Decreto nº 750, de 10 de fevereiro de 1993;

Considerando ser prioritária para o Governo do Estado da Bahia a garantia de perenidade e conservação dos ecossistemas nativos, em particular os remanescentes de Mata Atlântica primária e em estágio avançado de regeneração; e Considerando os resultados das vistorias realizadas pelas equipes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais renováveis – IBAMA, do Centro de Recursos Ambientais – CRA e do Departamento de Desenvolvimento Florestal – DDF, incluindo as realizadas nos Projetos de Manejo Florestal Sustentado, que constataram as operações de extração madeireira de árvores nativas da Mata Atlântica, e, ainda, a exposição do Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica da Bahia, os relatórios e os pareceres oriundos de auditoria, RESOLVE: Artigo 1º Determinar ao IBAMA e aos órgãos ambientais da Bahia, em conformidade com suas competências, a imediata suspensão das atividades madeireiras que utilizem como matéria- prima árvores nativas da Mata Atlântica, bem como de qualquer tipo de autorização de exploração ou desmate de florestas nativas concedidas pelo IBAMA ou pelos órgãos ambientais estaduais, na área de Mata Atlântica d o Estado da Bahia.

§ 1º A suspensão de que trata este artigo tem caráter provisório, até que se concluam os levantamentos da área de remanescentes florestais, das populações das espécies florestais de interesse comercial e os estudos dos efeitos da exploração florestal sobre a dinâmica das populações § 2º Após a conclusão dos estudos citados no parágrafo anterior, e de outros que se fizerem necessários, deverá ser elaborado o zoneamento ecológico-econômico que determinará as áreas e os estoques mínimos para extrações madeireiras.

Artigo 2º Esta Resolução entra em vigor na data da sua publicação, devendo os atos oficiais de inspeção, fiscalização e paralisação serem encaminhados ao conhecimento do CONAMA, em sua próxima Reunião Ordinária.

GUSTAVOKRAUSEGONÇALVESSOBRINHO Presidente do Conselho RAIMUNDO DEUSDARÁ FILHO Secretário-Executivo

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas BAHIA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 248/99 11 de fevereiro de 1999

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, no uso das suas atribuições previstas na Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto no 99.274, de 6 de junho de 1990, e tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, Considerando ser prioritária a garantia da perenidade e da recuperação dos ecossistemas naturais, em particular os remanescentes primários e em estágio médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica;

Considerando a importância, para o desenvolvimento sustentável, da implementação de Corredores Ecológicos e da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica e, ainda, que o sistema da agricultura de “cabruca”, empregado para a cultura do cacau, é um dos melhores exemplos de produtividade da atividade econômica com conservação de espécies nativas da Mata Atlântica e de valor ecológico;

Considerando o disposto nos arts. 1o, 2o, incisos II e III, 4o, parágrafo único e 7o do Decreto no 750, de 10 de fevereiro 1993;

Considerando o conceito de Manejo Florestal, onde o acesso aos recursos florestais nativos deve ser feito de acordo com a capacidade de auto-sustentação do ecossistema;

Considerando o Pacto Federativo assinado em 17 de julho de 1998 entre o Governo Federal e o Governo do Estado da Bahia, publicado no Diário Oficial da União em 20 de julho de 1998 e no Diário Oficial do Estado em 4 de agosto de 1998;

Considerando o disposto nas Resoluções CONAMA nos 237, de 19 de dezembro de 1997 e 240, de 16 de abril de 1998, RESOLVE: Artigo 1º Determinar que as atividades econômicas envolvendo a utilização sustentada de recursos florestais procedentes de áreas cobertas por floresta ombrófila densa, em estágio primário, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica no Estado da Bahia, somente poderão ser efetuadas mediante as seguintes diretrizes: I – Manejo florestal sustentável, aprovado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA ou pelo órgão estadual de meio ambiente que obedeça, os seguintes princípios gerais e fundamentos técnicos: h) intensidade de exploração compatível com a capacidade do sítio e das tipologias florestais j) adoção de tratos silviculturais adequados, inclusive replantio, quando necessário; m) garantia da viabilidade técnico-econômica e dos benefícios sociais; n) apresentação de planejamento logístico das áreas a serem anualmente exploradas.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas II – Licenciamento Ambiental, pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente do Estado da Bahia – CEPRAM, do empreendimento de base florestal, levando-se em consideração: b) pleno abastecimento de matéria-prima florestal e indicação de alternativas de fornecimento de matéria-prima, a partir de formação de plantios florestais com espécies de rápido c) comprovação do suprimento de matéria-prima florestal para um período no mínimo igual ao d) garantia do suprimento de matéria-prima florestal, com um ano de antecedência, para o período subsequente ao vencimento da licença.

III – Controle e Monitorização dos empreendimentos de base florestal por meio das seguintes atividades: a) auditoria externa do empreendimento, com periodicidade semestral, nas áreas de exploração e de processamento, para acompanhamento do planejamento logístico; b) geo-referenciamento das unidades de manejo e de processamento na base de dados c) apresentação de programa anual de exploração, contendo: 1) Levantamento das espécies de interesse comercial; e 2) Mapeamento logístico da área de manejo a ser explorada anualmente.

Artigo 2º Para fins de Licenciamento Ambiental dos empreendimentos de base florestal e da Autorização do Plano de Manejo Florestal Sustentável nas regiões do Baixo Sul, Sul e Extremo Sul do Estado da Bahia, em área de floresta ombrófila densa, será necessária a prévia realização dos estudos preconizados na Resolução CONAMA no 240/98, contendo: I – levantamento atualizado da área de cobertura florestal remanescente, na escala 1:100.000 utilizando-se sensores remotos e levantamento de campo;

III – proposta de cronograma, pelo empreendedor, de substituição gradual da matéria-prima nativa, no plano de pleno abastecimento, por espécies plantadas, originárias ou exóticas, na região da Mata Atlântica local do Estado da Bahia.

§ 1º Os estudos a que se refere a este artigo, poderão ser feitos com a participação de entidades ambientalistas e/ou acadêmicas dos Estados que se interessarem, ou diretamente pelo setor empresarial envolvido, de forma isolada ou associada com o setor público.

§ 2º O prazo para a realização dos estudos a que se refere a este artigo deverá ser de até noventa dias, a partir da data de publicação desta Resolução.

§ 3º Os estudos a que se refere a este artigo serão encaminhados para conhecimento do Conselho Estadual de Meio Ambiente do Estado da Bahia – CEPRAM, para subsidiar o licenciamento ambiental de que trata o art. 1o, inciso II, por meio do estabelecimento de normas que julgar cabíveis.

Artigo 3º Determinar que a supressão de vegetação nativa em áreas de atividades agrícolas com sombreamento de árvores de espécies da Mata Atlântica, “cabruca”, ou em áreas cobertas por vegetação em estágio inicial de regeneração, somente será permitida após estudo ambiental e autorização do órgão estadual de meio ambiente, obedecendo os critérios aprovados pela Resolução no 1.157/96, do CEPRAM, pela Lei Estadual no 6.569, de 19 de abril de 1994 e pelo Pacto Federativo, sem prejuízo de outras normas que venham a ser instituídas.

Artigo 4º Determinar que a supressão de vegetação nativa da Mata Atlântica para a realização de obras, planos, atividades ou projetos de utilidade pública ou de interesse social, ou para fins

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas urbanos, conforme o disposto no Decreto no 750/93 e na Lei Estadual no 6.569/94, somente será permitida após estudo ambiental e autorização do órgão estadual de meio ambiente e/ou do CEPRAM, obedecendo os critérios estipulados por este Conselho em normas técnicas específicas pelo Pacto Federativo.

JOSÉ SARNEY FILHO Presidente do CONAMA RAIMUNDO DEUSDARÁ FILHO Secretário-Executivo

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas CEARÁ RESOLUÇÃO CONAMA Nº 25/94 7 de dezembro de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto 1.205, de 1º de agosto de 1994 e seu Anexo I, tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica em cumprimento ao disposto no artigo 6º do Decreto 750, de 10 de fevereiro de 1993, na Resolução CONAMA nº 10, de 01 de outubro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos para licenciamento de atividades florestais no Estado do Ceará, RESOLVE: Artigo 1º – Vegetação primária é aquela de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécies.

Artigo 2º – Vegetação secundária ou em regeneração é aquela resultante dos processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial da vegetação primária por ações antrópicas ou causas naturais, podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação primária.

Artigo 3º – Os estágios em regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6º do Decreto 750/93, passam a ser assim definidos: I – Estágio inicial de regeneração: a) fisionomia herbáceo/arbustiva, formando um estrato que varia de fechado a aberto, com presença de espécies predominantemente heliófitas, altura média de até 4 metros; b) distribuição diamétrica de pequena amplitude, DAP médio até 5 centímetros, área basal c) as epífitas são representadas, principalmente por líquens, briófitas e pteridófitas com baixa e) serapilheira, quando existente, forma uma camada fina, pouco decomposta, contínua ou f) diversidade biológica variável, com poucas espécies arbóreas ou arborescentes, podendo i) espécies indicadoras: Psychotria colorata, Clidenia sp, Miconia sp, Pteridium sp, Pteridium aquilium, Brumfelsia uniflora.

II – Estado médio de regeneração: b) neste estágio a área basal média varia de 5 a 14m2/ha, com DAP médio de 5 a 14 c) cobertura arbórea variando de aberta a fechada, com ocorrência eventual de indivíduos d) epífitas em maior número de indivíduos e diversidade de espécies em relação ao estágio f) serapilheira presente, variando conforme a estação do ano e a inclinação das vertentes; i) espécies indicadoras: Machaerium amplum (espinho-de-judeu), Bauchinia jorticata (mororó), Cordia trichotoma (freijó), Braosimun gudichaudii (inharê).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas III – Estágio avançado de regeneração: a) fisionomia arbórea dominante sobre as demais, formando dossel contínuo e uniforme no porte, podendo apresentar árvores emergentes. Apresenta copas horizontalmente amplas. b) DAP médio superior a 14 centímetros, área basal média superior a 14m2/ha e altura média c) epífitas com grande número de espécies e indivíduos, especialmente na floresta ombrófila. f) florestas neste estágio podem apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária. h) espécies indicadoras: Manilkara rufula (massaranduba), Miroxtlon peruiferum (bálsamo), Copaifera langsdorffii (copaíba), Bulchenavia capitata (mirindiba), Olaleia ovata (amarelão), Basiloxylon brasiliense (piroá).

Artigo 4º – A caracterização dos estágios de regeneração da vegetação definidos no artigo 3º desta Resolução e os parâmetros de DAP médio, altura média e área basal média não são aplicáveis para manguezais e restingas.

Parágrafo único – Para os efeitos desta Resolução, as restingas serão objetos de regulamentação específica.

Artigo 5º – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

ROBERTO SÉRGIO STUDART WIEMER Secretário Executivo HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO CONAMA N° 29/94 7 de dezembro de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de Agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto 99.274, de 6 de Junho de 1990, alterado pelo Decreto 1.025, de 1 de Agosto de 1994 e seu Anexo I, tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando decisão conjunta entre a Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente, e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA no Estado do Espírito Santo, a Secretaria Estado para Assuntos do Meio Ambiente – SEAMA, e o Instituto de Terras, Cartografia e Florestas – ITCF, em cumprimento ao disposto nos artigos 6° e 4° de Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993, e na Resolução/CONAMA/10, de 10 de Outubro de 1993;

Considerando a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração das Mata Atlântica e de se definir o corte, a exploração e a supressão da vegetação secundária no Estado do Espírito Santo, RESOLVE: Artigo 1° – Vegetação primária é aquela de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos de ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécies, sendo que as espécies caracterizam esse estágio sucessional são, principalmente: peroba-amarela (Aspidosperma polyneuron), óleo-de-copaíba (Copaifera langsdorfii); araribá (Centrolobium robustum); ipê-roxo (Tecoma heptaphilla), pau-ferro (Caessalpinia férrea), pau-de-cortiça (Sterculia chicha); ipê-amarelo (tabebuia spp), roxinho (Peltogyne ongustiflora); canela (Ocotea sp); jequitibá (Cariniana sp), louro (Cordia trichotoma); cedro-rosa (Cedrela odorata), jacarandá-cavinha (Dalbergia nigra); angico (Piptadenia sp); vinhático (Platymenia foliolosa).

Artigo 2° – Vegetação secundária ou em regeneração é aquela resultante de processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial da vegetação primária por ações antrópicas ou causas naturais, podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação primária. Artigo 3° – Os estágios de regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6° do Decreto 750/93 passam a ser assim definidos: I – Estágio inicial de regeneração da Mata Atlântica é a formação florestal secundária que apresenta as seguintes características: a) fisionomia herbáceo/arbustiva de porte baixo, com altura média variando até 7 metros e b) espécies lenhosas com distribuição diamétrica de pequena amplitude, com DAP médio variando de até 13 centímetros e área basal variando entre 2 até 10 m2/ha; c) epífitas, se existentes, são representadas principalmente por líquens, briófitas e pteridófitas e) serapilheira, quando existente, forma uma camada fina pouco decomposta, contínua ou f) diversidade biológica variável com poucas espécies arbóreas ou arborescentes, podendo i) as espécies vegetais que caracterizam esse estágio sucessional são principalmente: embaúba (Cecropia sp), jacaré (Piptadenia communis), goiabeira (Psidium quaiava), assa- peixa (Vernonia polyanthes), pindaúva-vermelha (Xylopia seriacea), cam ará (Mosquina polymorpha), ipê-felpudo (Zeyhera tuberculosa), aroeira (Schinus terebenthifolius), alecrim (Rosmarinus officianalis), fedegoso (Cassia spp), araçá (Psidium catteuanum), oitizeiro (Licania tomentosa), corindiba (Trema micranta), pindaíba (Xi lopia emarginata), caviúns (Dalbergia villosa).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

II – Entende-se também como estágio inicial de regeneração da Mata Atlântica o tipo de vegetação fortemente alterado onde há predominância de indivíduos de porte herbáceo, podendo haver alguns de porte arbus tivo e raramente indivíduos de porte arbóreo, com altura média inferior a 3 metros. O DAP médio é inferior a 8 centímetros e a área basal não ultrapassa 2m2/ha. Trepadeiras, quando presentes, são geralmente herbáceas. As espécies Vegetais que apresentam maior frequência são, principalmente: araçá (Psidium cattleyanum), jacaré (Piptadenia communis), aroeira (Schinus terebenthfolius), buganvilha (Bougainvillea sp), assa-peixe (Vernonia polyanthes) samambaia-do-mato (Nephrolepis escaltata), maria-preta (Cordia verbenaceae) alecrim (Rosmarinus officianalis).

III – Estágio médio de regeneração da Mata Atlântica é a formação florestal secundária que apresenta as seguintes características: a) fisionomia arbórea e/ou arbustiva predominando sobre a herbácea, podendo constituir b) cobertura arbórea variando de aberta a fechada, com a ocorrência eventual de indivíduos c) distribuição diamétrica apresentando amplitudes moderadas, com DAP médio variando de d) epífitas aparecendo com maior número de indivíduos e espécies em relação ao estágio f) serapilheira presente, variando de espessura de cordo com as estações do ano e a i) as espécies vegetais que caracterizam esse estágio sucessional são, principalmente: cinco-folhas (Sparattosperma vernicosun), boleira (Joaneisa princeps), pau-d’alho (Gallesia forazema), goiabeira (Psidium quaiava), jacaré (Piptadenia communis), quaresmeira-roxa (Tibouchina grandiflora), ipê-felpudo (Zeyhera tuberculosa), araribá (Centrolobium sp), caixeta (Tabebuia spp), jenipapo (Genipa americana), guapuruvu (Schizolobium parahyba), cajueiro (Anacardium sp), oitizeiro (Licania tomentosa), quaresma (Annona cacans), ipê- roxo (Tecoma heptaphila).

IV – Estágio avançado de regeneração da Mata Atlântica é a formação florestal secundária que apresenta as seguintes características: a) fisionomia arbórea dominante sobre as demais, formando um dossel fechado e relativamente uniforme no porte, com altura média superior a 10 metros, podendo apresentar árvores emergentes ocorrendo com diferentes graus de intensidade; c) distribuição diamétrica de grande amplitude com DAP médio superior a 18 centímetros e d) epífitas presentes em grande número de espécies e com grande abundância, e) trepadeiras geralmente lenhosas, sendo mais abundantes e ricas em espécies na Floresta g) diversidade biológica muito grande devido à complexi dade estrutural; i) florestas neste estágio podem apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária; l) dependendo da formação florestal podem haver espécies dominantes; m) as espécies vegetais que caracterizam esse estágio sucessional são, principalmente: guapuruvu (Schizolobium parahyba), cinco-folhas (Sparattosperma vernicosum), boleira (Joanesia princeps), pau-d’alho (Gallesia gorazema), jacaré (Piptadenia communis), quaresmeira-roxa (Tibouchina grandiflora), cedro (Cedrela fissilis), farinha-seca (Pterigota brasiliensis), ipê-roxo (Teoma heptaphilla), pau-ferro (Caesapinia férrea), óleo-de-copaíba (Copaifera langsdorffii), araribá-vermelho (Centrolobium robustum), sapucaia-vermelha (Lecythis pisogis), pau-sangue (Pterocarpus violeceus), caviuna (Dalbergia villlosa).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas Artigo 4° – Os parâmetros relacionados no artigo 3° que definem o estágio de regeneração da Floresta Secundária podem apres entar diferenciações de acordo com as condições topográficas, climáticas e edáficas do local, além do histórico do uso da terra.

Artigo 5° – Com relação ao corte, exploração e supressão da vegetação secundária no estágio inicial de regeneração da Mata Atlântica, fica somente permitida a supressão ou exploração sustentada nas propriedades rurais que apresentarem áreas excedentes às áreas de reserva legal, ressalvadas as de preservação permanente.

Artigo 6° – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário, especialmente a Instrução Normativa do IBAMA 079, de 24 de Setembro de 1991.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA ROBERTO SERGIO STUDART WIENER Secretário-Executivo Substituto

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas MATOGROSSODOSUL RESOLUÇÃO CONAMA Nº 30/94 7 de dezembro de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto 99.274, de 06 de junho de 1990, alterado pelo Decreto 1.205, de 1º de agosto de 1994 e seu Anexo I, tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica, em cumprimento ao disposto no artigo 6º do Decreto 750, de 10 de fevereiro de 1993, na Resolução/CONAMA/nº 10, de 1º de outubro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos de licenciamento de atividades florestais no Estado de Mato Grosso do Sul, RESOLVE: Artigo 1º – Considera-se vegetação primária aquela de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos antrópicos mínimos a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécies.

Parágrafo único – A vegetação de que trata este artigo é composta pelas formações florestais denominadas Floresta Estacional Decidual (Floresta das Terras Baixas com dossel emergente, Floresta Submontana, Floresta Submontana com dossel emergente) e Floresta Estacional Semidecidual (Floresta Aluvial, Floresta Aluvial com dossel emergente, Floresta Susmontana).

Artigo 2º – Considera-se vegetação secundária em regeneração aquela resultante dos processos naturais de sucessão, após supressão total ou par cial da vegetação primária, por ações antrópicas ou causas naturais, podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação primária.

Parágrafo único – Os estágios em regeneração da vegetação secundária, passam a ser assim definidos.

I – Estágio inicial: a) fisionomia herbáceo/arbustiva, formando um estrato, variando de fechado a aberto b) as espécies lenhosas ocorrentes variam entre 01 a 10 espécies, apresentando amplitude diamétrica e altura pequenas, podendo a altura das espécies lenhosas do dossel chegar até 10 metros, com área basal (m2/ha) variando entre 7 a 20 m2/ha, com distribuição diamétrica variando até 15cm, e média de amplitude do c) as epífitas são raras, as lianas herbáceas abundantes, e as lianas lenhosas apresentam-se ausentes. As espécies gramíneas são abundantes. A serapilheira, quando presente, pode ser contínua ou não, formando uma camada fina pouco d) no subosque (sinúsias arbustivas) é comum a ocorrência de arbustos um brófilos, e) a diversidade biológica é baixa, podendo ocorrer ao redor de 10 (dez) espécies f) as espécies mais comuns, indicadoras dos estágios iniciais de regeneração, entre outras, são: cancorosa (Maytenus sp), assa-peixe (Vernonia sp), araticum (Annana sp), araçá (psidium sp), pimenta-de-macaco (Xylópia aromática), fumo-bravo (Solanum granuloso-lebrosum), goiabeira (Psidium guiava), sangra-d´água (Cróton urucurama), murici (Byrsonima spp), mutambo (Guazumo ulmifolia), sapuva (Machacrium sp), arranha-gato (Acácia spp), acoita-cavalo (Luchea speciosa), envira (Xilópia sp), amendoim-bravo (Pterogyne nitens) e urtigão (jatropha bahiana).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

II – Estágio Médio: a) fisionomia arbustiva e/ou arbórea, formando de 1 a 2 estratos, sendo que no estrato superior poucas espécies são predominantes e a maioria ocorre b) as espécies lenhosas ocorrentes variam entre 10 a 30 espécies, apresentam amplitude de diâmetro e altura médias. A altura das espécies lenhosas do dossel varia entre 10 e 18 metros, com área basal variando entre 15 a 30m2/ha, com distribuição diamétrica, variando entre 10 a 35cm e média de amplitude do DAP c) as epífitas e as lianas herbáceas são poucas e as lianas lenhosas raras. As espécies gramíneas são poucas. A serapilheira pode apresentar variações de d) a diversidade biológica é significativa podendo haver em alguns casos a e) as espécies mais comuns como indicadoras do estágio médio de regeneração são, entre outras, a aroeira (Astronium urundeúva), angico (Piptadenia pergrina), guapeva (Pouteria sp), jatobá (Hymenaea stilbocarpa), pau-marfim (Balphouradendron riedelianum), pau-d´óleo (Copaifera langsdorffii), caroba (Jacaranda sp), jacaranda ( Macherium spp), louro-pardo (CordiaTrichotoma), farinha-seca (Pithecellobium edwallii), amburana (Amburana cearensis), cedro (Cedrela fissilis), canjerana (Cabralea canierana), canafístula (Peltrophorum dubium), canelas (Dcotea spp e Nectandra spp), vinhático (Plathymenia spp), ipês (Tabebuia spp), mamica-de-cadela (Brosimum gaudichauddi), mandiocão (Didimopanex spp), peito-de-pombo (Tapira guianensis), pau-jacaré (Callisthene fabrirulata), sucupira-branca (Pterodon pubescens), sucupira-preta (Bowdichia virgiloides), tarumã (Vitex sp), tamboril (Enterolbium contortisilquem),pluna (Psidium sp), monjoleiro (Acacia polyphulla), palmiteiro (Euterpe edulis), e bocaiúva (Acrocomia sclerocarpa).

III- Estágio Avançado: a) fisionomia arbórea fechada, tendendo a ocorrer distribuição contígua de copas, b) grande número de estratos, com árvores, arbustos, ervas terrícolas, trepadeiras e epífitas, cuja abundância e número de espécies variam em função edafoclimática. c) as espécies lenhosas ocorrentes são superiores a 30 espécies, a amplitude de diâmetro e altura das espécies lenhosas do dossel é superior a 18 metros, com área basal (m 2/ha) superior a 30m2/ha, com distribuição diamétrica variando entre d) as epífitas são abundantes, as lianas herbáceas raras e as lianas lenhosas encontram-se presentes. As gramíneas são raras. A serapilheira está presente, variando em função do tempo e da localização, apresentando intensa e) no subosque, os estratos arbustivos e herbáceos aparecem com maior frequência, sendo os arbustivos aqueles que foram citados no estágio médio de regeneração (arbustos umbrófilos) e o herbáceo formado por bromeliáceas, aráceas, f) as espécies mais comuns, indicadoras do estágio avançado de regeneração, são entre outras, a peroba (Aspidosperma sp), canafístula (Peltophorum dobium), jequitibá (Cariniana estrellensis), louro-preto (Cordia chamissoniana), figueira (Ficus sp), breu (Protium sp), bálsamo (Myrocarpus frondosus), canjerana (Cabralea sp), quebracho (Schinopsis spp), maria-preta (Diatenopterux sorbifolia), pau-ferro (Cacsalpinia ferrea), jatobá (Hymenea spp), pau-marfim (Balfourodendron riedelianum ), paineira (Chostia speciosa), guaratã (Esenbeckia leiocarpa), alecrim (Holocalyk balansae), erva -mate (Ilex paraguariensis), dentre outras.

Artigo 3º – Os parâmetros definidos nos artigos 1º e 2º desta Resolução, para tipificar os diferentes estágios de regeneração da vegetação secundária, podem variar de uma região geográfica para outra, dependendo:

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

IV – da localização geográfica, e Parágrafo único – A variação de tipologia de que tratam os artigos 1º e 2º desta Resolução será analisada no exame dos casos submetidos à consideração do órgão ambiental competente.

Artigo 4º – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA ROBERTO SERGIO STUDART WIEMER Secretário Executivo Substituto

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas PARANÁ RESOLUÇÃO CONAMA Nº 2/94 18 de março de 1994

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, AD REFERENDUM do Plenário, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto no Artigo 9º, do Decreto 99.274, de 6 de Junho de 1990;

Considerando ação conjunta entre o Secretário do Meio Ambiente do Estado do Paraná e o Superintendente do IBAMA no Estado do Paraná;

Considerando a necessidade de se definir as formações vegetais primárias, bem como os estágios sucessionais de vegetação secundária, com finalidade de orientar os procedimentos de licenciamento de exploração da vegetação nativa no Estado do Paraná, RESOLVE: Artigo 1º – Considera-se como vegetação primária, toda comunidade vegetal, de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos antrópicos mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécie.

Artigo 2º – As formações florestais abrangidas pela Floresta Ombrófila Densa (terras baixas, submontana e montana), Floresta Ombrófila Mista (montana) e a Floresta Estacional Semidecidual (submontana), em seus diferentes estágios de sucessão de vegetação secundária, apresentam os seguintes parâmetros, no Estado do Paraná, tendo como critério a amostragem dos indivíduos arbóreos com DAP igual ou maior que 20cm.

§ 1º – Estágio inicial: a) fisionomia herbáceo/arbustiva, formando um extrato, variando de fechado a aberto, b) as espécies lenhosas ocorrentes variam entre um a dez espécies, apresentam amplitude diamétrica pequena a amplitude de altura pequena, podendo a altura das espécies lenhosas do dossel chegar até 10m, com área basal (m2/ha) variando entre 8 a 20 m2/ha; com distribuição diamétrica variando entre 5 a 15cm, e média c) o crescimento das árvores do dossel é rápido e a vida média das árvores do dossel d) as epífitas são raras, as lianas herbáceas abundantes, e as lianas lenhosas apresentam-se ausentes. As espécies gramíneas são abundantes. A serapilheira quando presente pode ser contínua ou não, formando uma camada fina pouco f) as espécies mais comuns, indicadoras do estágio inicial de regeneração, entre outras podem ser consideradas: bracatinga (Mimosa scabrella), vassourão (Vernonia discolor), aroeira (Schinus terebenthifolius), jacatirão (Tibouchina Selowiana e Miconia circrescens), embaúba (Cecropia adenopus), marica (Mimosa bimucronata), taquara e taquaruçu (Bambusa spp).

§ 2º – Estágio médio: a) fisionomia arbustiva e/ou arbórea, formando de 1 a 2 estratos, com a presença de b) as espécies lenhosas ocorrentes variam entre 5 a 30 espécies, apresentam amplitude diamétrica média e amplitude de altura média: a altura das espécies lenhosas do dossel varia entre 8 e 17 metros, com área basal (m2/ha) variando entre 15 e 35 m2/ha; com distribuição diamétrica variando entre 10 a 40cm, e média c) o crescimento das árvores do dossel é moderado e a vida média das árvores do dossel é média;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas d) as epífitas são poucas , as lianas herbáceas poucas e as lianas lenhosas raras. As espécies gramíneas são poucas. A serapilheira pode apresentar variações de f) as espécies mais comuns, indicadoras do estágio médio de regeneração, entre outras, podem ser consideradas: congonha (Ilexthezans), vassourão-branco (Piptocarpha angustifólia), canela guaicá (Ocotea puberula ), palmito (Euterpe edulis), guapuruvu (Schizolobium parahyba), guaricica (Vochysia bifalcata), cedro (Cedrela fissilis ), caxeta (Tabebuia cassinóides), etc.

§ 3º – Estágio avançado: a) fisionomia arbórea dominante sobre as demais, formando dossel fechado e uniforme do porte, com a presença de mais de 2 estratos e espécies b) as espécies lenhosas ocorrentes apresentam número superior a 30 espécies, amplitude diamétrica grande e amplitude de altura grande. A altura das espécies lenhosas do dossel é superior a 15 metros, com área basal (m2/ha) superior a 30 m2/ha; com distribuição diamétrica variando entre 20 a 60cm, a média da amplitude c) o crescimento das árvores do dossel é lento e a vida média da árvore do dossel é d) as epífitas são abundantes, as lianas herbáceas raras e as lianas lenhosas encontram-se presentes. As gramíneas são raras. A serapilheira está presente, variando em função do tempo e da localização, apresentando intensa f) as espécies mais comuns, indicadoras do estágio avançado de regeneração, entre outras podem ser consideradas: pinheiro (Araúcaria angustifólia), imbuia (Ocotea porosa), canafístula (Peltophorum dubgium), ipê, (Tabebuia alba), angico (Parapiptadenia rígida), figueira (Fícus sp).

Artigo 3º – Difere deste contexto, a vegetação da Floresta Ombrófila Densa altomontana, por ser constituída por um número menor de espécies arbóreas, ser de porte baixo e com pequena amplitude diamétrica e de altura.

Artigo 4º – Os Parâmetros definidos para tipificar os diferentes estágios de sucessão da vegetação secundária, podem variar de uma região geográfica para outra, dependendo das condições topográficas e edafo-climáticas, localização geográfica, bem como do uso anterior da área em que se encontra uma determinada formação florestal.

Artigo 5º – De acordo com o artigo 3º do Decreto nº 750, de 10 de fevereiro de 1993, e para os efeitos desta Resolução, considera-se Mata Atlântica, no Estado do Paraná, as formações florestais e ecossistemas associados inser idos no domínio Mata Atlântica, com as respectivas delimitações estabelecidas pelo Mapa de Vegetação do Brasil, IBGE 1988: Floresta Ombrófila Densa Atlântica, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Estacional Semidecidual, Manguezais e Restingas.

Artigo 6º – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

RUBENS RICUPERO Presidente do CONAMA ANEXO Parâmetros para a classificação dos estágios sucessionais da vegetação secundária

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas PERNAMBUCO RESOLUÇÃO CONAMA Nº 31/94 7 de dezembro de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de Agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto nº 99.274, de 6 de Junho de 1990, alterado pelo Decreto nº 1.205, de 1º de Agosto de 1994 e seu Anexo I, tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e: Considerando a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica em cumprimento ao disposto no artigo 6º do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos para licenciamento de atividades florestais no Estado de Pernambuco, RESOLVE: Artigo 1º – Vegetação primária é aquela de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécies, onde são observadas área basal média superior a 30m2/ha, DAP médio superior a 0,18 metros e altura total média superior a 20 metros.

Artigo 2º – Vegetação secundária ou em regeneração é aquela resultante dos processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial de vegetação primária por ações antrópicas ou causas n aturais, podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação primária.

Artigo 3º – Os estágios de regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6º do Decreto 750/93, passam a ser assim definidos: I – Estágio inicial de regeneração: a) fisionomia herbácea/arbustiva de porte baixo, altura média inferior a 6 metros, com b) espécies lenhosas com distribuição diamétrica de pequena amplitude, com DAP médio c) epífitas, se existentes, são representadas principalmente por líquens, briófitas e e) serapilheira, quando existente, forma camada fina pouco decomposta, contínua ou não; f) diversidade biológica variável com poucas espécies arbóreas, podendo apresentar i) a composição florística está representada principalmente pelas seguintes espécies indicadoras Cecropia adenopus Mart. vel aff (imbaúba); Stryehnodendron pulcherrinum Hochr (favinha); Byrsonisa sericra DC (murici), Didymopanax morototoni Decno e Planch (sambaquim) Cupania revoluta Radlk (cabatan de rego); Xylopia frutescens Aubbi (imbira vermelha); Guazuma ulmifolia Lan; Trema micrantha Bluse (periquiteria); Himatanthus bracteatus DC Woods (angélica), Tapirira guianensis Aubl, (cupiúba); Mimosa sepiaria (espinheiro), Cassia hoffmansegil (mata pasto), Scleria braquiteada DC (tiririca), Heliconia angustifolia Hook (paquevira), Cnidoscu olus urens L. M. Are (urtiga branca).

II – Estágio médio de regeneração: a) fisionomia arbórea e/ou arbustiva predominando sobre a herbácea, podendo constituir b) cobertura arbórea variando de aberta a fechada, com ocorrência eventual de indivíduos c) distribuição diamétrica apresentando amplitude moderada com DAP médio de 8 a 15 cm; d) epífitas aparecendo com maior número de indivíduos e espécies em relação ao estágio inicial;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas f) serapilheira presente, variando de espessura de acordo com as estações do ano e a i) a composição florística está presente principalmente pelas seguintes espécies indicadoras: Bowdicha Virgilioides H.B.K (sucupira) Sclerolobium densiflorum, Benth (ingá porco), Tapirica guianensis Aubl, (cupiuba), Slonea obtusifolia Moric Scum (mamajuda); Caraípa densifolia Mart (camaçari); Escheweilera luschnathi Miers (imbiriba); inga spp (ingá); Didymopanax morotoni Decne e Planc (sambaquim); protion heptaphyllun Aubl March (amescla), Heliconia angustifolis Hook (paquevira); Lasiaci divaricata Hitch (taquari); Costu aff discolor Roscor (banana de macaco).

III – Estágio avançado de regeneração: a) fisionomia arbórea dominante sobre as demais, formando dossel fechado e relativamente uniforme no porte, podendo apresentar árvores emergentes, a altura média é superior a 15 b) espécies emergentes ocorrendo com diferentes graus de intensidade; d) epífitas presentes em grande número de espécies e com grande abundância; e) distribuição diamétrica de grande amplitude DAP médio superior a 15m; j) florestas neste estágio podem apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária, m) a composição florística está representada principalmente pelas seguintes espécies indicadoras: Parkia pendula Benth (visqueiro) Vizola gardneri (DC) Warb (urucuba); Ficus spp (gameleira); Sloanea obtusifolia (Moric) Schum (mamajuda); Boudichia Virgilioides HBK (sucupira) Caraipa densifolia Mart. (camaçari) Manilkara salzannil (A.DC) Lan (maçaranduba);Sinmarouba amara Aubl (praíba); Didymopanax morototoni Decne at Planc (sambaquim); Tabebuia se (paud’arco amarelo); Ocotea spp (louro); Plathymenia foliolosa Benth (amarelo) Licania Kunthiana vel aff (oiti da mata), Sclerolobium des iflorum Benth (ingá porco); protium heptaphyllum (Aubl) March (amescla) Pterocarpus violaceus Vogel (pau sangua); Aspidosperma limac Wooks(gararoba); Coumaruna adorata Aubl (cumaru da mata); Bombax gracilipes Schum (manuba).

Artigo 4º – A caracterização dos estágios de regeneração da vegetação definidos no artigo 3º desta Resolução, não é aplicável para manguezais e restingas.

Artigo 5º – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA ROBERTO SERGIO STUDART WIEMER Secretário-Executivo Substituto

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas PIAUÍ RESOLUÇÃO CONAMA Nº 26/94 7 de junho de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de Agosto de 1981, alterada pelo Decreto nº 99.274, de 6 de Junho de 1990, alterado pelo Decreto nº 1.205, de 1º de Agosto de 1994 e seu Anexo I, tendo em vista o dispos to em seu Regimento Interno, e: Considerando a necessidade de definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica em cumprimento ao disposto no artigo 6º do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993, na Resolução CONAMA n° 10, de 1 de Outubro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos para licenciamento de atividades florestais no Estado do Piauí, RESOLVE: Artigo 1º – Vegetação primária é aquela de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécies.

Parágrafo Único – A vegetação de que trata este artigo é composta pelas formações florestais, denominadas Floresta Estacional Decidual (Florestas das Terras Baixas, Floresta Submontana e Floresta Montana), Floresta Estacional Semidecidual (Floresta Submontana e Floresta Montana), restingas e manguezais.

Artigo 2º – Vegetação secundária ou em regeneração é aquela resultante dos processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial de vegetação primária por ações antrópicas ou causas naturais, podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação primária.

Artigo 3º – Os estágios em regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6º do Decreto nº 750/93, passam a ser assim definidos: I – estágio inicial de regeneração: a) fisionomia herbácea/arbustiva, de porte baixo, com altura média inferior a 5 metros, e b) espécies lenhosas com distribuição diamétrica de pequena amplitude, DAP médio inferior a c) espífitas, se existentes, são representadas principalmente por líquens, briófitas e e) serapilheira, quando existente, forma uma camada fina, pouco composta, contínua ou não; f) diversidade biológica variável, com poucas espécies arbóreas ou arborescentes, podendo i) a florística está representada em maior frequência por Cnidoscolus sp (urtiga branca); Cássia sp (mata pasto); Mimosa sp (unha de gato); Vernonia sp (assa peixe); Cecropia sp (limbauba ou pau de preguiça); Guazuma sp (mutamba); Mimosa sp (espinheiro); Vismia sp (lacre ou pau de lacre); Himathanthus sp (janaguba ou pau de leite); Attalea sp (piaçaba); Psidium sp (araça); Latana sp (cambaré); Tibouchina sp (quaresmeira); Scleria sp (tiririca); Psychotria sp (erva de rato); Platymenia so (candeia); Pithecelobium sp (jurema) e Croton sp (velame).

II – Estágio médio de regeneração: a) fisionomia arbórea e/ou arbustiva, podendo constituir estratos diferenciados; altura média é b) cobertura arbórea, variando de aberta e fechada com ocorrência eventual de indivíduos emergentes;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas c) distribuição diamétrica apresentando amplitude moderada com predomínio dos pequenos d) epífitas, aparecendo com maior número de indivíduos em relação ao estágio inicial; f) serapilheira presente, variando de espessura de acordo com a estação do ano e a i) a florística está representada em maior frequência por: Caesalpina sp (catingueiro); Thiloa sp (sipauba); Bowdichia sp (sucupira); Sclerolobium sp (pau pombo); Inga sp (ingá); Simarouba sp (pau paraíba); Luehea sp (acoita cavalo); An nona sp (araticum); Myrci sp (murta); Enterolobium sp (tamboril); Caesalpina sp (pau ferro); Bauhinia sp (mororó); Astronium sp (aroeira); Bursera sp (imburana de cheiro); Aspidosperma sp (peroba); Tabebuia sp (pau-d’arco).

III – Estágio avançado de regeneração: a) fisionomia arbórea dominante sobre as demais, formando dossel fechado e relativamente uniforme no porte, podendo ou não apresentar árvores emergentes, a altura média é b) espécies emergentes ocorrendo com diferentes graus de intensidade; d) distribuição diamétrica de grande amplitude; DAP médio superior a 18 centímetros; e) epífitas, presentes em grande número de espécies e com grande abundância; h) grande diversidade biológica significativa devido à complexidade estrutural; j) florestas neste estágio podem apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária, n) a florística está representada em maior frequência por: Guatteria sp (conduru); Licania sp (oiticica); Caraipa sp (Camaçari); Rheedia sp (bacuparí); Lecythis sp (sapucaia); paraíba sp (jurema branca); Simarouba sp (pau paraiba); Apeíba sp (jangada); Caryocar sp (piqui ou pequi); Rombax sp (imbiruçu); Cleome sp (missambê); Cavannilesia sp (barriguda); Macherium sp (violeta); Dalbergia sp (jacarandá); Pterodon sp (sucupira branca); Aspidosperma sp (peroba); Schynopsis sp (baraúna); Tabebuia sp (pau d’arco); Cordia sp (freijó).

Artigo 4º – A caracterização dos estágios de regeneração da vegetação definidos no artigo 3º Parágrafo Único- As restingas serão objeto de regulamentação específica.

Artigo 5º – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA ROBERTO SÉRGIO STUDART WIEMER Secretário-Executivo Substituto

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CONAMA Nº 6/94 4 de maio de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de Agosto de 1981, alterada pela Lei 8.028, de 12 de Abril de 1990, regulamentadas pelo Decreto 99.274, de 6 de Junho de 1990, e Lei 8.746, de 9 de Dezembro de 1993, considerando o disposto na Lei 8.490, de 19 de Novembro de 1992, e tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando o disposto no § 1º, da Artigo 1º, da Resolução CONAMA 10, de 1 de Outubro de 1993, publicada no D.O.U. de 03.11.93, que determina a apresentação de parâmetros mensuráveis para análise dos estágios de sucessão ecológica da Mata Atlântica, RESOLVE: Artigo 1º – Considera-se vegetação florestal primária, no Estado do Rio de Janeiro, a forma de vegetação de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécies.

Artigo 2º – As formações florestais abrangidas pela Mata Atlântica, no Estado do Rio de Janeiro, compreendem a Floresta Ombrófila Densa e a Floresta Estacional Semidecidual que, em seus estágios sucessionais secundários, apresentam os seguintes parâmetros estipulados com base em amostragens que consideraram indivíduos arbóreos com DAP médio de 10 centímetros.

§ 1º – Estágio Inicial: a) fisionomia herbáceo/arbustiva, cobertura aberta ou fechada, com a presença de espécies predominantemente heliófitas; plantas lenhosas, quando ocorrerem, b) os indivíduos lenhosos pertencem a, no máximo, 20 espécies botânicas por h) serapilheira, quando existente, forma uma camada fina pouco decomposta, i) as espécies herbáceas ou de pequeno porte mais comuns e indicadoras desse estágio são: alecrim-do-campo – Baccharis dracunculifolia (Compositae); assa- peixe – Vernonia polyanthes (Compositae); cambará – Lantana camara (Verbenaceae); guaximba – Urena lobata (Malvaceae); guizo-de-cascavel – Crotalaria mucronata (Leguminosae); era-colégio – Elephantopus mollis (Compositae); juá – Solanum aculeatissimum (Solanaceae); jurubeba – Solanum paniculatum (Solanaceae); pindoba – Attalea humilis (palmae); pixirica – Clidemia hirta (Melastomataceae); sapê – Imperata brasiliensis (Gramineae); samambaia- das-taperas – Pteridium aguílinum (Polypodiaceae); oficial-de-sala – Asclepias curassavica (Asclepiadaceae); vassourinha – Sida spp (Malvaceae); falsa-poaia – Borreria verticillata (Rubiaceae); cipó-cabeludo – Mikania spp (Compositae). j) espécies lenhosas mais freqüentes e indicadoras desse estágio são: angico – Aradenanthera colubrina (Leguminosae); araçá – Psidium catteleyanum (Myrtaceae); aroeira – Schinus terebinthifolius (Anacardiaceae); crindiúva – Trema micrantha (Ulmaceae); embaúbas – Cecropia spp (Moraceae); esperta – Peschieira laeta (Apoynaceae); goiabeira – Psidium guayara (Myrtaceae); maricá – Mimosa bimucronata (Leguminosae); candeia – Vanillosmopsis erythropappa (Compositae); tapiá – Alchornea iricurana (Euphorbiacea); sangue-se-drago – Cróton urucurana (Euphorbiacea).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

§ 2º – Estágio Médio: a) fisionomia arbustivo/arbórea, cobertura fechada com início de diferenciação em b) as espécies lenhosas, por sombreamento, eliminam as componentes herbáceas ou c) as árvores tem DAP médio variando de 10 a 20 centímetros, altura média variado d) sempre existe uma serapilheira, na qual há sempre muitas plântulas; f) muitas das árvores do estágio inicial podem permanecer, porém mais grossas e i) outras espécies arbóreas surgem nesse estágio sendo dela indicadoras: açoita- cavalo – Luethea grandiflora (Tiliaceae); carrapeta – Guarea guidonia (Meliaceae); maminha-de-porca – Zanthoxylon rhoifolium (Rutaceae); jacatirão – Miconia fairchildiana (Melastomataceae); guaraperê – Lamanonia ternata (Cunoniaceae); ipê-amarelo – Tabebui chysotricha (Bignoniaceae); cinco-folhas – Sparattosperma leucanthum (Bignoniaceae); caroba Cybistax antisyphilitica (Bignoniaceae); guapuruvu – Schizolobium parabiba (Leguminosae); aleluia – Senna multijuga (Leguminosae); canudeiro – Senna macranthera (Leguminosae); pindaíba – Xylopia brasiliensis (Annonaceae); camboatá – Cupania oblongifólia (Sapindaceae). j) as espécies mais freqüentes que estruturam o subosque são: aperta -ruão, jaborandi – Piper spp (Piperaceae); caapeba – Potomorphe spp (Piperaceae); fumo- bravo – Solanum sp (Soloanaceae); grandiúva-d’anta – Pshychotria leiocarpa (Rubiaceae); sonhos-d’ouro – Pshychotria nuda (Rubiaceae); caetá – Maranta spp Ctenanthe spp (Marantaceae); pacová – Helioconia spp (Musaceae).

§ 3º- Estágio Avançado: a) fisionomia arbórea, cobertura fechada formando um dossel relativamente uniforme no porte, podendo apresentar árvores emergentes com subosque já diferenciado b) grande variedade de espécies lenhosas com DAP médio 20 centímetros e altura g) as espécies arbóreas podem ser remanescentes do estágio médio acrescidas de outras que caracterizam esse estágio, como: canela-santa – Vochysia laurifólia (Vochysiaceae); araribá – Centrolobium robustum (Leguminosae); canela – Ocotea Nectandra, Cryptocarya (Lauraceae); canjerana – Cabralea canjerana (Meliaceae); cedro – Cedrela fissilis (Meliaceae); xixá – Sterculia chicha (Sterculiaceae); sapucaia – Lecythis pisonis (Lecythidaceae); cotieira – Johannesia princeps (Euphorbiaceae); garapa – Apuleia leiocarpa (Leguminosae); figueira – Fícus spp (Moraceae); jequitibá-branco – Cariniana legalis (Lecythidaceae); jequitibá-rosa – Cariniana estrellensis; jequitibá-rosa – Couratari pyramidata (Lecythidaceae); bicuíba – Virola oleífera (Miristicaceae); vinhático – Plathymenia foliolosa (Leguminosae); perodas – Aspidosperma spp (Apocynaceae); guapeba – Pouteria sp (Sapotaceae); pau-d’alho – Gallezia integrifólia (Phyttolaccaceae); airi – Astrocaryum aculeatissimum (Palmae); aricanga – Geonoma spp (Palmae); palmito h) o subosque é menos esciófilas que no estágio médio é geralmente muito rico em espécies esciófilas; aumenta o número de espécies de rubiácas e de marantáceas, principalmente, surgido, ainda criciúma Olyra spp (Gramineae), Leandra spp (Melastomataceae), e muitas espécies e famílias de Pteridophyta.

§ 4º – Os parâmetros definidos neste artigo não são aplicáveis para restingas que serão objeto de regulamentação específica.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

Artigo 3º – Os parâmetros apresentados para tipificar os diferentes estágios de sucessão ecológica secundária variam de uma região geográfica para outra e dependem das condições topográficas, edáficas, climáticas, assim como do uso pretérito que teve a área onde se situa uma determinada formação florestal, devendo os casos de dúvida ou aqueles não previstos nesta Resolução serem analisados e definidos pelo órgão competente.

Artigo 4º – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA NILDE LAGO PINHEIRO Secretária Executiva

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas RIO GRANDE DO NORTE RESOLUÇÃO CONAMA Nº 32/94 7 de dezembro de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto 99.274, de 06 de junho de 1990, alterado pelo Decreto n. 1.205, de 1º de agosto de 1994 e seu Anexo I, tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica em cumprimento ao disposto no artigo 6º do Decreto 750, de 10 de fevereiro de 1993, na Resolução CONAMA n. 10, de 1º de outubro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos para licenciamento de atividades lforestais no Estado do Rio Grande do Norte, RESOLVE: Artigo 1º – Considera-se vegetação primária aquela de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécies.

Artigo 2º – Considera-se vegetação secundária ou em regeneração aquela resultante dos processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial da vegetação primária por ações antrópicas ou causas naturais, podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação primária.

Artigo 3º – Os estágios em regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6º do Decreto 750/93, passam a ser assim definidos: I – Estágio inicial de regeneração: a) nesse estágio a área basal média é de até 4,00 m2 (quatro metros quadrados) por ha; b) fisionomia herbáceo/ arbustiva de porte baixo, altura total média de até 4,00 (quatro c) espécies lenhosas por distribuição diamétrica de pequena amplitude, com Diâmetro e d) as epífitas são representadas principalmente por líquens, orquídeas e briófitas, com baixa f) serapilheira, quando existentes, forma uma camada fina pouco decomposta, contínua ou g) diversidade biológica variável com poucas espécies arbóreas ou arborescentes, podendo j) espécies indicadoras: j.1) Floresta Ombrófila Densa: Cortadelia selowiana (capim navalha), Cyatopodium aliciares (orquídea rabo-de-tatu), Ibatia Suinguelobata (jitirana), Anthurium affine (antúrio), Aechoea ligulata (xinxo), Hancornia speciosa (mangabeira), Guettarda angélica (angélica), Eugenia crenata (camboim), Cupania vernalia (caboatã), Bolanum paniculatum (jurubeba roxa), crassifólia crassifolia e Byerbascifolia (murici), Cecropia sp (embaúba), Irema micranta (candiúba), Chamaecrista bahiea (pau-ferro); j.2) Floresta Estacional Semidecidual: Cecropia sp (embaúba), Piptadenia moniliformes (catanduba), Trema micranta (candiúba), Digitaria langiflora (capim- rasteiro), Myrcia lundiana (araçá-cheiroso), Sebastiana corniculata (milona-roxa), Ximenia americana (ameixa), Licania paryifolia (cega-machado), Tecoyena brasiliensis (jenipapo-bravo), Maytenus Cássia (pau-mondé), Cassia esplendida (canagistinha), Cyatopodium aliciares (orquídea rabo-de-tatu), Ibatia guinguelobata (jitirana).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas a) nesse estágio a área basal média varia de 4,00 (quatro) a 14,00 m2 (quatorze metros b) fisionomia arbórea e arbustiva predominando sobre a herbácea podendo constituir estratos diferenciados, altura média variando entre 4,00 (quatro) e 10,00 m (dez metros); c) cobertura arbórea variando de aberta a fechada, com ocorrência eventual de indivíduos d) distribuição diamétrica apresentando amplitude moderada com predomínio dos pequenos diâmetros, com DAP médio variando de 04 (quatro) a 10 cm (dez centímetros); e) epífitas aparecendo com maior número de indivíduos e espécies em relação ao estágio g) serapilheiras presentes, variando de espessura de acordo com as estações do ano e a j) espécies indicadoras: j.1) Floresta Ombrófila Densa: Ximenia americana (ameixa), Eugenia prásina (batinga), Myrcia multiflora (pau-mulato), Chamaecrista bahiea (pau-ferro), Vitex polygama (maria preta), Combretum laxum (cipó-bugi), Dioclea Grandiflora (mucuna), Simaba trichilioides (cajarana), Eugenia speciosa (ubaia-doce), Eugenia nanica (murta -branca), Guazuma ulmifolia (mutumba), Roupala cearenses (castanheira), Baubinia cheilantra (mororó), Anseis pickelli (pau candeia), Apuleia leiocarpa (jitaí), Paullinea elegans (cipó-mata-fome), j.2) Floresta Estacional Semidecidual: Manilkara aff amazônica (maçaramduba), Bauhinia cheilantra (mororó), Lecythis pisonis (sapucaia), Polypodium martonianum (samambaia), Vanilla chamissonis (orquídea baunilha), Tetrácera breyniana (cipó-de-brocha), Cobretum laxum (cipó-bugi), Apuleia leiocarpa (jitaí), Philodendrom imbé (imbé), Bowdichia virgiliodes (sucupira), Byrsonima crassifólia (murici), Clausia nemorossa (pororoca), Syagrus coronata (catolé), Brunfelgia uniflora (manacá), Maytenus impressa (pau-mondê), Psidue oligospermum (araça-de-jacu).

III – Estágio avançado de regeneração: a) nesse estágio a área basal varia de 14,00 (quatorze) a 18,00m2 (dezoito metros quadrados) por ha: b) fisionomia arbórea dominante sobre as demais, formando um dossel fechado e relativamente uniforme no porte, podendo apresentar árvores emergentes; altura média c) espécies emergentes ocorrentes com diferentes graus de intensidade; e) epífitas presentes em pequeno número de espécies, na floresta ombrófila; f) distribuição diamétrica de média amplitude, com DAP médio variando de 10 (dez) a 15cm g) trepadeiras geralmente lenhosas, sendo mais abundantes e ricas em espécie na floresta k) a floresta nesse estágio pode apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária; n) espécies indicadoras: n.1) Floresta Ombrófila Densa: Polypodium martonianum (samambaia), Philodendrom imbé (imbé), Vanilla chamissonia (orquídea baunilha). Hymenaea courbaril (jatobá), Bowdichia virgiliodes (sucupira), Manilkara off amazonica (maçaranduba), Caesalpinea echinita (pau- brasil), Tabebuia roseoalba (peroba), Tabebuia impetiginosa (pau d’arco roxo), Inga fagifolia (pau-d’óleo), Tratacera breyniana (cipó-de-brocha), Combretum laxum (cipó-de- n.2) Floresta Estacional Semidecidual: Ficus nymphaeifolia (gameleira), Bowdichia virgiliodes (sucupira), Hymenaea corbaril (jatobá), Manilkara aff amazonica (maçaranduba), Inga fagifolia (pau d´óleo), Corida superba (grão-de-galo), Campomanesia dichotoma

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas (guabiraba-de-pau), Lucuma dukei (golti-trubá), Brosium goianense ( kiri), Apuleia leiocarpa (jibi).

Artigo 4º – A caracterização dos estágios de regeneração da vegetação definidos no artigo 3º desta Resolução, não é aplicável para manguezais e restingas.

Artigo 5º – Os parâmetros de área basal média, altura média e DAP médio definidos nesta Resolução, executando-se manguezais e restinga, estão válidos para todas as demais formações florestais existentes no território do Estado do Rio Grande do Norte, previstas no Decreto 750/93; os demais parâmetros podem apresentar diferenciações em função das condições de relevo, clima e solos locais e do histórico do uso da terra, que também podem determinar a não ocorrência de uma ou mais espécies indicadoras, citadas no artigo 3º, o que não descaracteriza o seu estágio sucessional.

Artigo 6º – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA ROBERTO SÉRGIO STUDART WIEMER Secretário-Executivo Substituto

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas RIO GRANDE DO SUL RESOLUÇÃO CONAMA Nº 33/94 7 de dezembro de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de Agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto nº 99.274, de 6 de Junho de 1990, alterado pelo Decreto nº 1.205, de 1º de Agosto de 1994 e seu Anexo I, tendo em vi sta o disposto em seu Regimento Interno, e: Considerando o disposto no artigo 6º, do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993;

Considerando a necessidade de se definir os estágios sucessionais das formações vegetais que ocorrem na região de Mata Atlântica do Rio Grande do Sul, visando viabilizar critérios, normas e procedimentos para o manejo, utilização racional e conservação de sua vegetação natural, RESOLVE: Artigo 1º – Considera-se vegetação primária a vegetação de máxima expressão local com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimas, a ponto de não afetar significamente suas características originais de estrutura e de espécies.

Artigo 2º – Como vegetação secundária ou em regeneração, consideram-se aquelas formações herbáceas, arbutivas ou arbóreas decorrentes de processos naturais de sucessão, após supressão total ou parcial da vegetação original por ações antrópicas ou causas naturais.

Parágrafo único – Os estágios sucessionais de regeneração da vegetação secundária referida no artigo anterior, para efeito de normatização, referente ao manejo, utilização racional e conservação da biodiversidade que ocorre na Mata Atlântica, passam a ser assim definidos: I – Estágio inicial de regeneração: a) vegetação sucessora com fisionomia herbácia/arbustiva, apresentando altura média da formação até 03 (três) metros e Diâmetro a Altura do Peito (DAP); menor ou igual a 08 (oito) centímetros, podendo eventualmente apresentar dispersos na b) epífitas, quando existentes, são representadas principalmente por Líquens, d) serapilheira, quando existente, forma uma camada fina, pouco decomposta, e) a diversividade biológica é variável, com poucas espécies arbóreas, podendo g) com posição florística basicamente de: Androposon, bicornia: (rabo-de-burro), pteridium aquilinium (samambaias), Rapanea ferrugínea (capororoca); Baccharias app (vassouras), entre outras espécies de arbustos e arboretas.

II – Estágio médio de regeneração: a) vegetação que apresenta fisionomia de porte arbustivo/arbóreo cuja formação florestal apresenta altura de até 08 (oito) metros e Diâmetro a Altura do Peito b) cobertura arbórea variando de aberta e fechada com ocorrência eventual de c) epífitas ocorrendo em maior número de indivíduos em relação ao estágio inicial d) trepadeiras, quando presentes, são geralmente lenhosas;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas e) serapilheira presente com espessura variável, conforme estação do ano e h) composição florística caracterizada pela presença de: Rapanea ferrugínea (capororoca); Borraccharia dracuculifolia, B – articulata e B discolor (vassouro); Ingá marginata (ingá-feijão), Bauhinia candicans (pata-de-vaca), Irema micrantha (grandiuva); Mimosa scabrelia (bracatinga); Solanum auriculatum (fumo-bravo).

III – Estágio avançado de regeneração: a) vegetação com fisionomia arbórea predominando sobre os demais estratos, formando um dossel fechado, uniforme, de grande amplitude diamétrica, apresentando altura superior a 8 (oito) metros e Diâmetro a Altura do Peito (DAP) b) espécie emergentes, ocorrendo com diferentes graus de intensidade; c) copas superiores, horizontalmente amplas, sobre os estratos arbustivos e d) epífitas presentes com grande número de espécies, grande abundância, h) florestas neste estágio podem apresentar fisionomia semelhante a vegetação j) a composição florística pode ser caracterizada pela presença de: Cecropia adenopus (embaúba); Hieronyma alchorneiodes (licurana); Nectandra leucothyrsus (canela branca); Schinus terebinthifolius (aroeira vermelha); Cupania vernalis (camboatá-vermelho); Ocotoa puberular (canela-guaicá); Piptocarpha angustifólia (vassourão branco); Parapiptadenia rígida (angico vermelho); Patagonula americana (guajuvira); Matayba salsagnoides (camboatá branco); Enterolobium contortimiliquium (timbaúva).

Artigo 3º – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições e m contrário.

GUSTAVO KRAUSE GONÇALVES SOBRINHO Presidente do CONAMA RAUL JUNGMANN PINTO Secretário-Executivo

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas SANTACATARINA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 4/94 4 de maio de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe s ão conferidas pela Lei 6.938, de 31 de Agosto de 1981, alterada pela Lei 8.028, de 12 de Junho de 1990, regulamentadas pelo Decreto 99.274, de 6 Junho de 1990, e Lei 8.746, de 9 de Dezembro de 1993, considerando o disposto na Lei 8.490, de 19 de Novembro de 1992, e tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica em cumprimento ao disposto no artigo 6º do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993, na Resolução/CONAMA/10, de 1 de Outubro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos de licenciamento de atividade florestais no Estado de Santa Catarina, RESOLVE: Artigo 1º – Vegetação primária é aquela de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécies, onde são observadas área basal média superior a 20,00 metros quadrados por hectare, DAP superior a 25 centímetros e altura total média superior a 20 metros.

Artigo 2º – Vegetação secundária ou em regeneração é aquela resultante dos processos naturais de sucessão total ou parcial da vegetação primária por ações antrópicas ou causas naturais, podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação primária.

Artigo 3º – Os estágios em regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6º do Decreto 750/93, passaram a ser assim definidos: I – Estágio inicial de regeneração: a) Nesse estágio a área basal média é de até 8 metros quadrados por hectare; b) Fisionomia herbáceo/arbustiva de porte baixo: altura total média até 4 metros, com c) Espécies lenhosas com distribuição diamétrica de pequena amplitude: DAP médio até 8 d) Epífitas, se existentes, são representadas principalmente por líquens, briófitas e f) Serapilheira, quando existente, forma uma camada fina pouco decomposta, contínua ou g) Diversidade biológica variável com poucas espécies arbóreas ou arborescentes, podendo j) Espécies indicadoras: j.1) Floresta Ombrófila Densa: Pteridium aquilium (Samambaia-das-Taperas), e as hemicriptófitas Melinis minutiflora (Capim-gordura) e Andropogon bicornis (capim- andaime ou capim-rabo-de-burro) cujas ervas são, mais expressivas e invasoras na primeira fase de cobertura dos solos degradados, bem assim as tenófitas Biden pilosa

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas j.3) Floresta Estacional Decidual: Pteridium quilium (Sambaia-das -Taperas), Melinis minutiflora (Capim-gordura), Andropogon bicornis (Capim-andaime ou Capim-rabo-de- burro, Solidago microglossa (Vara-de-foguete), Baccharis elaeagnoides (Vassoura), Baccharis dracunculifolia (Vassoura-braba), senecio braasiliensis (Flôr-das-almas), Cortadelia sellowiana (Capim-naval ou macegão), Solanun erianthum (fumo-bravo).

II – Estágio médio de regeneração: a) Nesse estágio a área basal média é de até 15,00 metros quadrados por hectare; b) Fisionomia arbórea e arbustiva predominando sobre a herbácea podendo constituir c) Cobertura arbórea variando de aberta a fechada, com ocorrência eventual de indivíduos d) Distribuição diamétrica apresentado amplitude moderada, com predomínio dos pequenos e) Epífitas aparecendo com maior número de indivíduos e espécies em relação ao estágio g) Serapilheira presente, variando de espessura, de acordo com as estações do ano e a j.1) Floresta Ombrófila Densa: Rapanea Ferrugínea (Caporroca), árvore de 7,00 a 15,00 j.2) Floresta Ombrófila Mista: Cupanea vernalis (Cambotá-vermelho) Schinus therebentbifolius (aroeira-vermelha), Cesearia silvestris (Cafezinho-de-mato). j.3) Floresta Estacional Decidual: inga marginata (Ingá feijão), Baunilba candicans (Pata – de-vaca).

III – Estágio avançado de regeneração: a) Nesse estágio a área basal média é de até 20,00 metros quadrados por hectare; b) Fisionomia arbórea dominante sobre as demais, formando um dossel fechado e relativamente uniforme no porte, podendo apresentar árvores emergentes, altura total c) Espécies emergentes ocorrendo com diferentes graus de intensidade; e) Epífitas presentes em grande número de espécies e com grande abundância, f) Distribuição diamétrica em grande amplitude: DAP médio de até 25 centímetros; g) Trepadeiras geralmente lenhosas, sendo mais abundantes e ricas em espécies na floresta i) Diversidade biológica muito grande devido à complexidade estrutural; k) Florestas nesse estágio podem apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária; n.1) Floresta Ombrófita Densa: Miconia cinnamomifolia, (catirão-açu), árvore de 15,00 a 20,00 metros de altura, formando acampamentos bastante densos, com copas arredondadas e folhagem verde curva, sendo seu limite austral a região de Tubarão, Psychotria longipea (Caxeta), Cecropia denopus (Embaúba), que formarão os primeiros elementos da vegetação secundária, começando a aparecer Euterpe edulis (palmiteiro), Schiozolobium parahiba (Guapuruvu), Bathiza meridionalis (Macuqueiro), Piptadenia gonoacanta (pau-jacaré) e Hieronyma alchorneiodes (licurana), começa a substituir a Miconia cinnamomifolia (Jacutirão-açu), aparecendo também alchornea triplinarvia (Tanheiro), Mestandra leucothyrsus (Canela-branca), Ocotea catharinensis (Canela-preta), Euterpe-edulis (palmiteiro), Talauma evata (Baguaçu) Chrysophylum víride (Águai) e Aspidosperma olivacem (peroba-vermalha), entre outras.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas n.2) Floresta Onmbrófila Mista: Octea pubérula (Canela-guaicá), Piptocarpa angustifólia (Vassourão-branco), Vernonia discolor (Vassourão-preto), Mimosa scabrella (Bracatinga). n.3) Floresta Estacional Decidual: Octoea pubérula (Canela-guacá) alchornea triplinervia (Tanheiro), Parapitademia rígida (angico-vermelho), patagonula americana (Guajurivá), Enterolobium contortisiligumm (Timbaúva).

Artigo 4º – A caracterização dos estágios de regeneração da vegetação definidos no artigo 3º e os parâmetros de DAP médio, altura e área basal do artigo 1º desta Resolução, não são aplicáveis para manguezais e restingas.

Artigo 5º – Os parâmetros de área basal média e DAP, médio definidos nesta Resolução executando-se manguezais e restingas, estão válidos para todas as demais formações florestais existentes no território do Estado de Santa Catarina, previstas no Decreto 750/93, os demais parâmetros podem apresentar diferenciações em função das condições de relevo, clima e solos locais, e do histórico do uso da terra. Da mesma forma, estes fatores podem determinar a não ocorrência de uma ou mais espécies indicadoras, citadas no artigo 3º, o que não descaracteriza, entretanto, o seu estágio sucessional.

Artigo 6º – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA NILDE LAGO PINHEIRO Secretária-Executiva

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas SANTACATARINA RESOLUÇÃO CONAMA nº 261/99 30 de junho de 1999

O Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto nº 99.274, de 6 de junho de 1990, alterado pelo Decreto nº 2. 120, de 13 de janeiro de 1997, tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno e, Considerando o disposto no artigo 6° do Decreto n.o 750, de 10 de fevereiro de 1993, RESOLVE: Artigo 1° – Aprovar, como parâmetro básico para análise dos estágios sucessionais de vegetação de restinga para o Estado de Santa Catarina, as diretrizes constantes no Anexo desta Resolução.

JOSÉ SARNEY FILHO Presidente do CONAMA JOSÉ CARLOS CARVALHO Secretário-Executivo

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas ANEXO 1. INTRODUÇÃO Entende-se por restinga um conjunto de ecossistemas que compreende comunidades vegetais florísticas e fisionomicamente distintas, situadas em terrenos predominantemente arenosos, de origens marinha, fluvial, lagunar, eólica ou combinações destas, de idade quaternária, em geral com solos pouco desenvolvidos. Estas comunidades vegetais formam um complexo vegetacional edáfico e pioneiro, que depende mais da natureza do solo que do clima, encontrando-se em praias, cordões arenosos, dunas e depressões associadas, planícies e terraços.

A vegetação de restinga compreende formações originalmente herbáceas, subarbustivas, arbustivas ou arbóreas, que podem ocorrer em mosaicos e também possuir áreas ainda naturalmente desprovidas de vegetação; tais formações podem ter-se mantido primárias ou passado a secundárias, como resultado de processos naturais ou de intervenções humanas. Em função da fragilidade dos ecossistemas de restinga, sua vegetação exerce papel fundamental para a estabilização dos sedimentos e a manutenção da drenagem natural, bem como para a preservação da fauna residente e migratória associada à restinga e que encontra neste ambiente disponibilidade de alimentos e locais seguros para nidificar e proteger-se dos predadores.

A vegetação de ambientes rochosos associados à restinga, tais como costões e afloramentos, quando composta por espécies também encontradas nos locais citados no primeiro parágrafo, será considerada como vegetação de restinga, para efeito desta Resolução. A vegetação encontrada nas áreas de transição entre a restinga e as formações da floresta ombrófila densa, igualmente será considerada como restinga. As áreas de transição entre a restinga e o manguezal, bem como entre este e a floresta ombrófila densa, serão consideradas como manguezal, para fins de licenciamento de atividades localizadas no Domínio Mata Atlântica.

A composição florística e estrutural das três fitofisionomias originais ou primárias da restinga e de seus estágios sucessionais passa a ser caracterizada a seguir.

2. RESTINGA HERBÁCEA E/OU SUBARBUSTIVA Vegetação composta por espécies predominantemente herbáceas ou subarbustivas, atingindo geralmente até cerca de 1 (um) metro de altura, apresentando uma diversidade relativamente baixa de espécies. Está presente principalmente em: praias, dunas frontais e internas (móveis, semifixas e fixas), lagunas e suas margens, planícies e terraços arenosos, banhados e depressões. Na restinga herbácea e/ou subarbustiva, em função de uma morfodinâmica intensa (causada pela instável ação de ondas, ventos, chuvas e marés), não são definidos estágios sucessionais naturais ou decorrentes de atividades humanas.

2.1 – Vegetação de praias e dunas frontais a) A vegetação é constituída predominantemente por plantas herbáceas geralmente providas de estolões ou rizomas, com distribuição geralmente esparsa ou formando touceiras, podendo compreender vegetação lenhosa, com subarbustos em densos agrupamentos, fixando e cobrindo totalmente o solo. Corresponde aos agrupamentos vegetais mais próximos do mar, recebendo maior influência da salinidade marinha, através de ondas e respingos levados pelo vento.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas f) A serapilheira é considerada irrelevante para a caracterização dessa vegetação.

h) Principais elementos da flora vascular: espécies herbáceas mais características: Ipomoea pes-caprae (batateira-da-praia); Canavalia rosea* (feijão-de-porco); Panicum racemosum, Paspalum vaginatum, Sporobolus virginicus, Stenotaphrum secundatum, Spartina ciliata (capim -da-praia); Blutaparon portulacoides* ; Polygala cyparissias; Acicarpha spathulata (rosetão); Cenchrus spp. (capim -roseta); Centella asiatica; Remirea maritima (pinheirinho- da-praia); Alternanthera maritima; Ipomoea imperati *; Petunia littoralis; Vigna luteola, Vigna longifolia (feijão-da-praia); Oxypetalum spp. (cipó-leiteiro). espécies subarbustivas mais características: Lantana camara (cambará); Achyrocline spp. (marcela); Cordia curassavica* (baleeira); Sophora tomentosa; Scaevola plumieri; Epidendrum fulgens *, Cyrtopodium polyphyllum* (orquídea); Eupatorium casarettoi (vassourinha); Noticastrum spp. (margaridinha); Porophyllum ruderale; Dalbergia ecastaphylla; Desmodium spp. (pega- pega); Stylosanthes viscosa (meladinha); Tibouchina urvilleana (quaresmeira); Oenothera mollissima; Smilax campestris (salsaparrilha); Diodia radula, Diodia apiculata; Vitex megapotamica (tarumã); Aechmea spp., Vriesea friburgensis (bromélia, gravatá); Cereus sp., Opuntia arechavaletae (cacto); Dodonaea viscosa (vassoura-vermelha); Rumohra adiantiformis *, Polyp odium lepidopteris (samambaia); Sebastiania corniculata.

i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Petunia littoralis (Rio Vermelho, Campeche e Pântano do Sul, em Florianópolis; Laguna), Gunnera herteri (Sombrio), Aristolochia robertii (Rio Vermelho, em Florianópolis), Plantago catharinea (São Francisco do Sul, Araquari, Barra Velha, Florianópolis, Palhoça).

2.2 – Vegetação de dunas internas e planícies a) A vegetação é constituída predominantemente por espécies subarbustivas, podendo haver algumas herbáceas ou também pequenos arbustos. Desenvolve-se sobre dunas móveis, semifixas ou fixas, além de também ocorrer em planícies arenosas após a praia ou associadas a dunas e lagunas. Algumas áreas podem apresentar cobertura vegetal muito esparsa ou mesmo estar desprovidas de vegetação. Situando-se após a faixa de praia e/ou dunas frontais, está mais distante do mar e recebe menor ou nenhuma influência da salinidade marinha.

h) Principais elementos da flora vascular (além dos citados em 2.1): Alternanthera brasiliana, Alternanthera moquinii; Schinus terebinthifolius (aroeira-vermelha); Baccharis articulata (carquejinha); Baccharis radicans; Senecio platensis; Chenopodium spp. (erva-de-santa- maria); Davilla rugosa (cipó-lixa); Gaylussacia brasiliensis (camarinha); Centrosema virginianum; Plantago catharinea (tansagem); Androtrichum trigynum; Andropogon arenarius, Andropogon bicornis; Aristida circinalis; Schizachyrium spp.; Chloris retusa; Ambrosia elatior; Conyza spp.; Gamochaeta spp.; Pterocaulon spp.; Desmodium spp. (pega-pega); Cordia monosperma (baleeira).

i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Senecio reitzianus (dunas da Lagoa da Conceição, em Florianópolis); Petunia littoralis (Florianópolis, Laguna); Vernonia ulei (Laguna); Noticastrum hatschbachii (Garopaba, Laguna), Noticastrum

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas psammophilum (Imbituba, Araranguá), Noticastrum malmei (Massiambu, em Palhoça); Eupatorium ulei (Florianópolis, Palhoça, Laguna), Eupatorium littorale (Massiambu, em Palhoça; Sombrio); Buchnera integrifolia (Palhoça); Plantago catharinea (São Francisco do Sul, Araquari, Barra Velha, Florianópolis, Palhoça); Rollinia maritima (Florianópolis, Garopaba).

2.3 – Vegetação de lagunas, banhados e baixadas a) Essa vegetação desenvolve -se principalmente em depressões, com ou sem água corrente, podendo haver influência salina ou não. É constituída predominantemente por espécies herbáceas ou subarbustivas. Em locais com inundação mais duradoura, geralmente dominam as macrófitas aquáticas, que são principalmente emergentes ou anfíbias, mas também podem ser flutuantes ou submersas.

c) A altura das plantas é variável; em regiões menos úmidas ou com inundações menos duradouras, o porte da vegetação em geral não atinge 1 (um) metro, mas algumas macrófitas aquáticas podem atingir cerca de 1-2 m de altura.

e) As lianas (trepadeiras) geralmente são poucas (Rhabdadenia pohlii, Mikania spp.) ou inexistem.

h) Principais elementos da flora vascular: Drosera spp. (papa-mosca); Utricularia spp.; Paepalanthus spp., Syngonanthus spp., Eriocaulon spp. (sempre-viva); Eleocharis spp.; Juncus acutus, Juncus spp. (junco); Cyperus spp., Rhynchospora spp., Scirpus maritimus; Scirpus spp. (junco, piri); Xyris spp. (botão-de-ouro, sempre-viva), Polygonum spp. (erva- de-bicho), Ludwigia spp. (cruz-de-malta), Typha domingensis (taboa); Tibouchina asperior, Tibouchina trichopoda* , Rhynchanthera spp. (quaresmeira); Sphagnum spp.; Nymphoides indica (soldanela-d’água), Lycopodium spp. (pinheirinho); Pontederia lanceolata, Eichhornia spp. (aguapé); Acrostichum danaeifolium (samambaia); Fimbristylis spadicea, Cladium mariscus, Salicornia sp.; Limonium brasiliense (guaicuru), Sporobolus virginicus; espécies de Lemnaceae (lentilha-d’água); Salvinia spp., Hydrolea spinosa, Bacopa monnieri; Senecio bonariensis (margarida-do-banhado); Mayaca spp., Spartina densiflora, Spartina alterniflora; Erianthus asper (capim-pluma), Ischaemum minus (grama-de-banho), Paspalum spp., Panicum spp., Potamogeton spp.; Eryngium spp. (gravatá, caraguatá), Pista stratiotes (alface-d’água, repolho-d’água), Crinum sp. (cebolama), Myriophyllum aquaticum* (pinheirinho-d’água), Echinodorus spp. (chapéu-de-couro).

i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Regnellidium diphyllum (Sombrio), Senecio oligophyllus (Massiambu, em Palhoça; Sombrio), Tibouchina asperior (Florianópolis, Sombrio), Cuphea aperta (Palhoça), Gunnera herteri (Sombrio).

2.4 – Além das espécies vegetais citadas nos itens anteriores, podem ocorrer também espécies cultivadas (Casuarina sp., Pinus spp., etc.) ou plantas ditas invasoras, secundárias alóctones ou ruderais, resultantes de intervenções humanas, tais como: Bidens pilosa (picão), Crotalaria spp. (chocalho-de-cascavel), Ricinus communis (mamona); Sida spp., Urena lobata, Malvastrum coromandelianum (guanxumas); Ageratum conyzoides (mentrasto), Solanum spp. (joá, mata-cavalo); Xanthium spp., Triumfetta spp. (carrapicho); Elephantopus mollis, etc.

3. RESTINGA ARBUSTIVA Vegetação constituída predominantemente por plantas arbustivas apresentando cerca de 1 (um) metro a 5 (cinco) metros de altura, com possibilidade de ocorrência de estratificação,

epífitas, trepadeiras e acúmulo florística do que o tipo anterior e Ocorre principalmente em: dunas terraços arenosos.

3.1 – Primária ou Original Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas de serapilheira. Apresenta geralmente maior diversidade semi-fixas e fixas, depressões, cordões arenosos, planícies e

a) Vegetação densa, formando agrupamentos contínuos ou moitas intercaladas com locais menos densos; plantas arbustivas com vigoroso esgalhamento desde pouco acima da base, entremeando-se com ervas e subarbustos; podem ocorrer palmeiras (butiazeiros) destacando-se na fitofisionomia; em áreas mais abertas e secas, podem ocorrer líquens terrícolas.

d) Poucas epífitas, representadas principalmente por liquens, briófitas, samambaias (Microgramma spp., Polypodium spp.) e bromélias (Tillandsia spp., Vriesea spp.). Algumas orquídeas epifíticas podem estar presentes.

e) As trepadeiras geralmente não são abundantes, mas podem ocorrer: Oxypetalum spp., Mandevilla spp. (cipó-leiteiro, leite-de-cachorro); Mikania spp., Ipomea spp., Merremia spp.; Paullinia cristata, Paullinia trigonia, Serjania sp. (cipó-timbó); Trigonia pubescens (cipó-de- paina), Chiococca alba; Stigmaphyllon spp. e outras espécies de malpiguiáceas; Smilax spp. (salsaparrilha); Davilla rugosa, Doliocarpus spp., Tetracera spp. (cipó-lixa, cipó-caboclo, cipó- vermelho); Pyrostegia venusta (cipó-são-joão); Centrosema virginianum, Canavalia bonariensis, Dalechampia micromeria; Vanilla chamissonis (orquídea-baunilha).

f) A serapilheira pode acumular-se em alguns locais, especialmente em moitas densas ou áreas mais baixas.

h) Principais elementos da flora vascular: Estrato Arbustivo: Dalbergia ecastaphylla; Dodonaea viscosa (vassoura-vermelha); Schinus terebinthifolius (aroeira-vermelha); Lithrea brasiliensis (aroeira-braba); Ocotea pulchella (canelinha-da-praia); Butia capitata (butiazeiro); Gomidesia palustris, Eugenia spp., Myrcia spp. (guamirim); Vitex megapotamica (tarumã); Ilex spp. (caúna); Campomanesia littoralis (guabiroba-da-praia); Eugenia uniflora (pitangueira); Tibouchina urvilleana, Tibouchina trichopoda* , Tibouchina asperior (quaresmeira); Cordia curassavica* , Cordia monosperma (baleeira); Guapira opposita (maria-mole); Gaylussacia brasiliensis (camarinha); Senna pendula* (cássia); Myrsine parvifolia* , Myrsine spp.* (capororoca); Calliandra tweediei (topete-de-cardeal); Psidium cattleyanum (araçazeiro); Erythroxylum argentinum, Erythroxylum spp. (cocão); Tabebuia spp. (ipê-amarelo), Pera glabrata (seca-ligeiro); Cereus sp., Opuntia arechavaletae (cacto, tuna); Sapium glandulatum (pau-leiteiro), Schinus polygamus (aroeira, assobieira), Sebastiania sp. (branquilho). Em locais úmidos, Huberia semiserrata (jacatirão-do-brejo), Hibiscus tiliaceus (uvira), Ternstroemia brasiliensis, Annona glabra (cortiça), Pouteria lasiocarpa (guapeba). Estrato Herbáceo: Peperomia spp.; Anthurium spp., Philodendron spp. (imbé); Epidendrum fulgens* , Cleistes spp., Cyrtopodium polyphyllum* (orquídeas terrícolas); Vriesea friburgensis, Vriesea spp., Aechmea lindenii, Aechmea spp., Nidularium spp., Bromelia antiacantha, Dyckia encholirioides, Canistrum spp. (e outras bromélias terrícolas); Rumohra adiantiformis* , Polypodium lepidopteris, Cmistrum spp, ( e outras bromélias terrícolas; Rumohra adiantiforms* , Polypodium lepdopteris, Polypodium spp,, Blechnum serrulatum (e outras samambaias terrícolas); Desmodium spp. (pega-pega); Stylosanthes viscosa (meladinha), Oenothera mollissima; Smilax campestris (salsaparrilha); Diodia radula, Diodia apiculata. A ocorrência de espécies ditas invasoras, ruderais ou cultivadas não necessariamente descaracteriza o caráter primário da restinga.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Prunus ulei (Laguna, Sombrio), Miconia lagunensis (Laguna), Mimosa catharinensis (Rio Vermelho, em Florianópolis), Aristolochia robertii (Rio Vermelho, em Florianópolis), Vernonia ulei (Laguna), Eupatorium ulei (Florianópolis; Massiambu, em Palhoça; Laguna), Eupatorium littorale (Palhoça, Sombrio), Weinmannia discolor (Florianópolis), Campomanesia reitziana (Itajaí), Campomanesia littoralis (Florianópolis, Palhoça, Garopaba, Laguna, Sombrio), Calyptranthes rubella (Itapoá, Florianópolis, Palhoça, Sombrio), Aechmea pimenti-velosoi (Praia Braba, em Itajaí), Aechmea kertesziae (Itajaí, Porto Belo, Laguna), Aechmea lindenii (Porto Belo, Florianópolis, Palhoça), Rudgea littoralis (Massiambu, em Palhoça), Rollinia maritima (Florianópolis, Garopaba), Tibouchina asperior (Florianópolis, Sombrio).

3.2 – Estágio Inicial de Regeneração da Restinga Arbustiva a) Fisionomia predominantemente herbácea, podendo haver indivíduos remanescentes da vegetação arbustiva original.

h) A diversidade específica é bem menor em relação à vegetação original. Principais elementos da flora vascular: Bidens pilosa (picão), Pteridium aquilinum (samambaia-das- taperas), Andropogon bicornis (capim-rabo-de-burro), Melinis minutiflora (capim-gordura), Rhynchelytrum repens (capim-rosado), Sporobolus indicus, Solidago chilensis (erva- lanceta, rabo-de-foguete), Phyllanthus spp. (quebra-pedra), Leonurus sibiricus; Ageratum conyzoides (mentrasto), Amaranthus spp. (caruru), Baccharis trimera (carqueja), Eleusine indica (capim-pé-de-galinha), Vernonia scorpioides (erva-são-simão), Crotalaria spp. (chocalho-de-cascavel), Ricinus communis (mamona); Scoparia dulcis (vassourinha); Sida spp., Malvastrum coromandelianum, Urena lobata (guanxuma); Solanum americanum (erva-moura), Solanum sisymbriifolium (joá, mata-cavalo); Xantbhium spp., Triumfeta spp. (carrapicho); Aster squamatus; Asclepias curassavica (oficial-de-sala), Apium leptophyllum, Anagallis arvensis, Elephantopus mollis, Emilia fosbergii* , Erechtites valerianifolia, Erechtites hieraciifolia; Galinsoga spp. (picão-branco), Sigesbeckia orientalis; Senecio brasiliensis (flor-das-almas, maria-mole), Sonchus spp. (serralha), Tagetes minuta (cravo- de-defunto), Lepidium virginicum (mastruço); Euphorbia hirta, Euphorbia heterophylla (leiteira); Portulaca oleracea (beldroega). Em locais úmidos , após as intervenções antrópicas pode ocorrer Hedychium coronarium (lírio-do-brejo).

i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Noticastrum hatschbachii (Garopaba, Laguna), Noticastrum psammophilum (Imbituba, Araranguá), Noticastrum malmei (Massiambu, em Palhoça); Petunia littoralis (Florianópolis, Laguna).

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas e) Possível ocorrência de algumas trepadeiras, geralmente de pequeno porte: Smilax campestris, Smilax spp. (salsaparrilha); Davilla rugosa, Doliocarpus spp., Tetracera spp. (cipó-lixa, cipó-caboclo, cipó-vermelho); Mikania spp.; Pyrostegia venusta (cipó-são-joão), Ipomoea cairica, Ipomoea spp., Merremia spp.; Tragia polyandra, Dalechampia micromeria (cipó-urtiguinha); Centrosema virginianum, Mutisiaspp.

h) Principais elementos da flora vascular: Dodonaea viscosa (vassoura-vermelha), Gaylussacia brasiliensis (camarinha), Tibouchina urvilleana (quaresmeira); Baccharis dracunculifolia, Baccharis rufescens (vas soura-branca); Cordia curassavica* , Cordia monosperma (baleeira), Dalbergia ecastaphylla; Senna pendula* (cássia), Eupatorium casarettoi (vassourinha), Solanum paniculatum (jurubeba), Solanum erianthum (fumo- bravo), Schinus terebinthifolius (aroeira-vermelha), Mimosa bimucronata (maricá, espinheiro, silva), Lithrea brasiliensis (aroeira-brava), Myrsine parvifolia* (capororoquinha); Sebastiania corniculata, Diodia radula, Diodia apiculata; Vriesea friburgensis (gravatá), Noticastrum spp. (margaridinha), Epidendrum fulgens* (orquídea), Stylosanthes viscosa (meladinha), Oenothera mollissima; Remirea maritima (pinheirinho-da-praia), Petunia littoralis; Hydrocotyle bonariensis (erva-capitão); Rumohra adiantiformis* , Blechnum serrulatum, Polypodium lepidopteris (samambaia).

i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Noticastrum hatschbachii (Garopaba, Laguna), Noticastrum psammophilum (Imbituba, Araranguá), Noticastrum malmei (Massiambu, em Palhoça), Eupatorium ulei (Florianópolis; Massiambu, em Palhoça; Laguna), Miconia lagunensis (Laguna), Tibouchina asperior (Florianópolis, Sombrio), Aechmea lindenii (Porto Belo, Florianópolis, Palhoça).

3.4 – Estágio Avançado de Regeneração da Restinga Arbustiva e) Maior diversidade e quantidade de trepadeiras em relação ao estágio médio, como Smilax campestris (salsaparrilha); Davilla rugosa, Doliocarpus spp., Tetracera spp. (cipó-lixa, cipó- caboclo, cipó-vermelho); Paullinia cristata, Paullinia trigonia, Serjania sp. (cipó-timbó); Trigonia pubescens (cipó-de-paina), Mikania spp.; Pyrostegia venusta (cipó-são-joão), Ipomoea cairica, Ipomoea spp, Merremia spp.; Tragia polyandra, Dalechampia micromeria (cipó-urtiguinha); Centrosema virginianum, Canavalia bonariensis, Mutisia spp.; Vanilla chamissonis (orquídea-baunilha); espécies de malpiguiáceas.

h) Principais elementos da flora vascular: Myrsine spp.* (capororoca), Schinus terebinthifolius (aroeira-vermelha), Lithrea brasiliensis (aroeira-brava), Pera glabrata (seca-ligeiro); Erythroxylum argentinum, Erythroxylum spp. (cocão); Guapira opposita (maria-mole), Vitex megapotamica (tarumã), Butia capitata (butiazeiro), Psidium cattleyanum (araçazeiro); Gomidesia palustris, Eugenia spp., Myrcia spp. (guamirim); Vitex megapotamica (tarumã); Ilex spp. (caúna); Sapium glandulatum (pau-leiteiro); Calliandra tweediei (topete -de- cardeal); Hibiscus tiliaceus (uvira); Annona glabra (cortiça); Huberia semiserrata (jacatirão- do-brejo); Cecropia glazioui* (embaúba); Campomanesia littoralis (guabiroba-da-praia); Cordia curassavica* , Cordia monosperma (baleeira); Dalbergia ecastaphylla, Diodia

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas apiculata, Diodia radular; Rumohra adiantiformis* , Blechnum serrulatum, Polypodium lepidopteris (e outras samambaias terrícolas); Peperomia spp.; Anthurium spp, Philodendron spp. (imbé); Epidendrum fulgens* , Cleistes spp., Cyrtopodium polyphyllum* (e outras orquídeas terrícolas); bromélias terrícolas como Vriesea friburgensis, Vriesea spp., Aechmea lindenii, Aechmea spp., Nidularium spp., Bromelia antiacantha, Dyckia encholirioides, Canistrum spp.

i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Campomanesia littoralis (Florianópolis, Palhoça, Garopaba, Laguna, Sombrio), Miconia lagunensis (Laguna), Tibouchina asperior (Florianópolis, Sombrio), Prunus ulei (Laguna, Sombrio), Aechmea lindenii (Porto Belo, Florianópolis, Palhoça).

4. Restinga Arbórea ou Mata de Restinga 4.1 – Primária ou Original a) Fisionomia arbórea, com estratos arbustivos e herbáceos geralmente desenvolvidos. Pode ser encontrada em áreas bem drenadas ou paludosas.

c) Altura das árvores geralmente variando entre 5 e 15 metros, podendo haver árvores emergentes com até 20 metros.

d) Epífitas: Aechmea nudicaulis, Aechmea spp., Vriesea philippo-coburgii, Vriesea vagans, Vriesea gigantea, Vriesea incurvata, Vriesea carinata, Vriesea flammea, Nidularium innocentii, Canistrum lindenii (gravatá); Tilandsia usneoides (barba-de-pau), Tillandsia spp. (cravo -do-mato); Philodendron imbe (cipó-imbé); Anthurium spp., Philodendron spp. (imbé); Codonanthe spp., Peperomia spp.; Cattleya intermedia, Brassavola spp., Pleurothallis spp. (orquídea); Rhipsalis spp. (rabo-de-rato), Polypodium spp. (samambaia).

e) Trepadeiras: Strychnos trinervis (esporão-de-galo), Vanilla chamissonis (orquídea- baunilha), Norantea brasiliensis, Marcgravia polyantha; Dioscorea spp. (cará), Passiflora spp. (maracujá-de-cobra); Smilax spp. (salsaparrilha); Paullinia spp., Serjania sp. (cipó- timbó); Forsteronia spp., Mimosa pseudo-obovata; Stigmaphyllon spp. e outras espécies de malpiguiáceas; Mutisia spp., Mendoncia puberula; Davilla rugosa, Doliocarpus spp., Tetracera spp. (cipó-lixa, cipó-caboclo, cipó-vermelho).

h) Principais elementos da flora vascular: Estrato Arbóreo: Clusia parviflora* (mangue- formiga); Alchornea triplinervia, Alchornea iricurana (tanheiro, tapiá-guaçu); Arecastrum romanzoffianum (jerivá, coquinho-de-cachorro); Ficus organensis, Coussapoa microcarpa (figueira); Inga dulcis* , Inga luschnathiana (ingá); Pithecellobium langsdorffii (pau-gambá), Nectandra oppositifolia* (canela-amarela), Nectandra megapotamica (canela-merda), Ocotea pulchella (canela-da-praia, canela-do-brejo), Tapirira guianensis (cupiúva), Psidium cattleyanum (araçazeiro), Byrsonima ligustrifolia (baga-de-pomba); Ilex theezans, Ilex spp. (caúna); Pera glabrata (seca-ligeiro), Laplacea fruticosa (santa-rita), Posoqueria latifolia (baga-de-macaco); Sapium glandulatum (pau-leiteiro); Cecropia glazioui* (embaúba); Myrsine umbellata* , Myrsine spp.* (capororoca); Eugenia umbelliflora (baguaçu), Guapira opposita (maria-mole); Gomidesia schaueriana, Eugenia spp., Myrcia spp. (guamirim); Ormosia arborea (pau-ripa), Citharexylum myrianthum (tucaneira), Pouteria lasiocarpa (guapeba), Jacaranda puberula (carobinha), Cupania vernalis (camboatá -vermelho), Matayba guianensis (cam boatá-branco), Ternstroemia brasiliensis. Especialmente em solos úmidos, podem ser freqüentes: Tabebuia umbellata (ipê-amarelo), Calophyllum brasiliense (especialmente na metade norte de Santa Catarina; olandi), Hibiscus tiliaceus (uvira); Myrcia multiflora, Myrcia dichrophylla (guamirim); Annona glabra (cortiça), Huberia semiserrata (jacatirão-do-brejo). Sub-bosque: Geonoma spp. (guaricana), Bactris

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas lindmaniana (tucum); Allophylus edulis (chal-chal), Esenbeckia grandiflora (cutia), Actinostemon concolor (laranjeira-do-mato); Ilex pseudobuxus, Ilex spp. (caúna); Mollinedia spp. (pimenteira-do-mato), Alsophila spp. (xaxim), Amaioua guianensis; Guarea macrophylla (baga-de-morcego), Heliconia velloziana (caeté); Faramea spp., Psychotria spp. (grandiúva-d’anta); Rudgea spp., Peperomia spp., Piper spp., Coccocypselum spp., Alibertia concolor; Blechnum spp., Rumohra adiantiformis* , Polypodium robustum, Polypodium spp. (e outras samambaias terrícolas); Aechmea spp., Vriesea spp., Nidularium innocentii, Bromelia antiacantha (e outras bromélias terrícolas). A ocorrência de espécies ditas invasoras, ruderais ou cultivadas não necessariamente descaracteriza o caráter primário da restinga.

i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Eupatorium rosengurttii (São Francisco do Sul), Campomanesia reitziana (Itajaí), Neomitranthes cordifolia (Itapoá, Palhoça, Sombrio), Eugenia tristis (Garuva, Itapoá), Gomidesia flagellaris (Garuva, Itajaí), Myrceugenia reitzii (Itapoá, Itajaí), Myrceugenia kleinii (Itajaí), Eugenia lanosa (Florianópolis), Eugenia cycliantha (Governador Celso Ramos), Marlierea reitzii (Itapoá), Calyptranthes rubella (Itapoá, Florianópolis, Palhoça, Sombrio), Eugenia sclerocalyx (Itapoá), Cyphomandra maritima (Porto Belo, Florianópolis), Cam pomanesia littoralis (Florianópolis, Palhoça, Garopaba, Laguna, Sombrio), Aechmea kertesziae (Itajaí, Porto Belo, Laguna), Aechmea lindenii (Porto Belo, Florianópolis, Palhoça), Aechmea pectinata (Itapoá, São Francisco do Sul, Araquari), Aechmea candida (Araquari), Vriesea pinottii (Itapoá), Cannarus rostratus (Florianópolis), Rourea gracilis (Itapoá), Cecropia catarinensis (embaúba-branca; Laguna, Sombrio), Mimosa catharinensis (Rio Vermelho, em Florianópolis), Rudgea littoralis (Massiambu, em Palhoça).

4.2 – Estágio Inicial de Regeneração da Restinga Arbórea a) Fisionomia herbáceo-arbustiva, podendo ocorrer indivíduos arbóreos isolados, remanescentes da floresta original, como Arecastrum romanzoffianum (coqueiro, jerivá) e Ficus organensis (figueira-de-folha-miúda).

c) Altura dos arbustos geralmente de 1 a 3 metros. Áreas originalmente de restinga arbórea, hoje totalmente dominadas por Mimosa bimucronata (maricá, espinheiro, silva), mesmo com alturas superiores a 3 metros, serão consideradas como estágio inicial de regeneração.

d) Epífitas, se presentes, representadas por liquens, briófitas e pequenas bromélias (Tillandsia spp., cravos-do-mato), com baixa riqueza de espécies e pequena quantidade de indivíduos.

e) Trepadeiras, se presentes, representadas por Mikania spp., Ipomoea spp., com baixa riqueza de espécies.

h) Principais elementos da flora vascular: Mimosa bimucronata (maricá, espinheiro, silva); Baccharis dracunculifolia, Baccharis rufescens (vassoura-branca); Dodonaea viscosa (vassoura-vermelha); Baccharis trimera (carqueja); Vernonia tweediana (chamarrita, assapeixe); Vernonia scorpioides (erva-são-simão), Vernonia chamissonis; Pteridium aquilinum (samambaia-das -taperas), Gleichenia spp. (samambaia), Senecio brasiliensis (maria-mole, flor-das-almas), Sonchus spp. (serralha), Tagetes minuta (cravo-de-defunto); Eupatorium inulifolium, Eupatorium laevigatum, Erechtites valerianifolia, Erechtites hieraciifolia, Elephantoupus mollis; Bidens pilosa (picão), Crotalaria spp. (chocalho-de- cascavel), Ricinus communis (mamona); Sida spp., Urena lobata, Malvastrum coromandelianum (guanxuma); Ageratum conyzoides (mentrasto), Centratherum punctatum (perpétua), Solanum sisymbriifolium (joá, mata -cavalo), Solanum erianthum

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas (fumo-bravo), Solanum americanum (erva-moura), Solanum paniculatum (jurubeba), Heimia myrtifolia (erva-da-vida), Asclepias curassavica (oficial-de-sala), Raphanus raphanistrum (nabiça), Lepidium virginicum (mastruço), Amaranthus spp. (caruru), Apium leptophyllum; Andropogon bicornis (capim-rabo-de-burro), Melinis minutiflora (capim- gordura), Aster squamatus, Anagallis arvensis; Rumex spp. (língua-de-vaca), Sigesbeckia orientalis, Solidago chilensis (rabo-de-foguete, erva-lanceta), Sporobolus indicus; Eleusine indica (capim -pé-de-galinha), Rhynchelytrum repens (capim-rosado), Phyllanthus spp. (quebra-pedra), Emilia fosbergii *; Galinsoga spp. (picão-branco), Leomurus sibiricus; Euphorbia heterophylla, Euphorbia hirta (leiteira); Scoparia dulcis (vassourinha); Xanthium spp., Triumfetta spp. (carrapicho). Em locais mais úmidos, pode dominar Hedychium coronarium (lírio-do-brejo).

4.3 – Estágio Médio de Regeneração da Restinga Arbórea d) Epífitas geralmente com bromélias já desenvolvidas e espécies de orquídeas, samambaias, cactáceas e outras iniciando a sua instalação.

e) Trepadeiras com maior riqueza de espécies que no estágio anterior, podendo aparecer: Pyrostegia venusta (cipó-são-joão), Mucuna urens, Dalechampia micromeria; Dioscorea spp. (cará), Dioclea sp. (estojo-de-luneta), Ipomoea spp., Merremia spp.; Serjania sp., Paullinia spp. (cipó-timbó); Mikania spp.; Passiflora spp. (maracujá-de-cobra); Smilax spp. (salsaparrilha); espécies de malpiguiáceas; Vanilla chamissonis (orquídea-baunilha), Forsteronia spp., Mutisia spp., Canavalia bonariensis, Mendoncia puberula; Davilla rugosa, Doliocarpus spp., Tetracera spp. (cipó-lixa, cipó-caboclo, cipó-vermelho).

h) Principais elementos da flora vascular: Miconia ligustroides (jacatirãozinho), Guapira opposita (maria-mole), Myrsine coriacea* (capororoca), Casearia sylvestris (chá-de-bugre, guaçatunga, cafezeiro-do-mato), Pera glabrata (seca-ligeiro), Clusia parviflora* (mangue- formiga), Solanum pseudoquina* (canema), Eugenia umbelliflora (baguaçu), Tibouchina pulchra (apenas no norte de SC; manacá), Cecropia glazioui* (embaúba), Vernonia puberula (pau-toucinho), Huberia semiserrata (jacatirão-do-brejo), Schinus terebinthifolius (aroeira-vermelha); Ilex theezans, Ilex dumosa, Ilex pseudobuxus (caúna); Gomidesia schaueriana, Gomidesia palustris (guamirim); Myrcia rostrata (guamirim-de-folha-fina); Myrcia spp., Eugenia spp. (guamirim); Jacaranda puberula (carobinha), Psychotria spp. (grandiúva-d’anta), Pschiera sp. (jasmim-catavento, leiteira), Erythroxylum spp. (cocão), Ocotea pulchella (canelinha-da-praia), Andira sp. (pau-angelim), Miconia sellowiana, Miconia rigidiuscula; Sapium glandulatum (pau-leiteiro); Cupania vernalis (camboatá- vermelho), Matayba guianensis (camboatá-branco), Citharexylum myrianthum (tucaneira), Heliconia velloziana (caeté), Faramea spp., Rudgea spp., Coccocypselum spp., Alibertia concolor; Polypodium spp. (e outras samambaias terrícolas); Aechmea spp., Vriesea spp., Nidularium innocentii, Bromelia antiacantha (e outras bromélias terrícolas).

i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Cecropia catarinensis (embaúba-branca; Laguna, Sombrio), Aechmea lindenii (Porto Belo, Florianópolis, Palhoça), Cyphomandra maritima (Porto Belo, Florianópolis).

l) 4.4 – Estágio Avançado de Regeneração da Restinga Arbórea a) Fisionomia arbórea.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

c) Altura das maiores árvores geralmente de 6 a 15 metros, podendo haver árvores emergentes com até 20 metros.

d) Desenvolvimento expressivo de epífitas, representadas por liquens, briófitas, samambaias, Aechmea nudicaulis, Aechmea spp., Vriesea philippo-coburgii, Vriesea vagans, Vriesea gigantea, Vriesea incurvata, Vriesea carinata, Vriesea flammea, Nidularium innocentii, Canistrum lindenii (gravatá); Tillandsia usneoides (barba-de-pau), Tillandsia spp. (cravo-do- mato); Philodendron imbe (cipó-imbé); Anthurium spp., Philodendron spp. (imbé); Codonanthe spp., Cattleya intermedia, Brassavola spp., Pleurothallis spp. (orquídea); Rhipsalis spp. (rabo-de-rato), Polypodium spp. (samambaia).

e) Ocorrência de várias espécies de trepadeiras, como Norantea brasiliensis, Marcgravia polyantha; Dioscorea spp. (cará), Passiflora spp. (maracujá-de-cobra), Dioclea sp. (estojo- de-luneta ); Mucuna urens, Mikania spp.; Strychnos trinervis (esporão-de-galo), Vanilla chamissonis (orquídea-baunilha), Smilax spp. (salsaparrilha); Paullinia spp., Serjania sp. (cipó-timbó); Forsteronia spp., Mimosa pseudo-obovata; Stigmaphyllon spp. e outras espécies de malpiguiáceas; Mutisia spp., Canavalia bonariensis, Mendoncia puberula; Davilla rugosa, Doliocarpus spp., Tetracera spp. (cipó-lixa, cipó-caboclo, cipó-vermelho).

f) Ocorre um certo acúmulo de serapilheira; as folhas podem estar já em adiantado estado de decomposição.

h) Principais elementos da flora vascular: Clusia parviflora* (mangue-formiga), Gomidesia spp. (guamirim), Psidium cattleyanum (araçazeiro), Alchornea triplinervia (tanheiro, tapiá-guaçu), Ocotea pulchella (canelinha-da-praia), Calophyllum brasiliense (especialmente na metade norte de Santa Catarina; olandi), Tapirira guianensis (cupiúva), Guapira opposita (maria- mole), Nectandra oppositifolia* (canela-amarela), Nectandra megapotamica (canela- merda), Citharexylum myrianthum (tucaneira), Inga spp. (ingá), Jacaranda puberula (carobinha), Cupania vernalis (camboatá-vermelho), Matayba guianensis (camboatá – branco), Geonoma spp. (gamiova); Aechmea spp., Vriesea spp., Nidularium innocentii, Bromelia antiacantha (e outras bromélias terrícolas); Polypodium robustum, Polypodium spp., Blechnum spp. (e outras samambaias terrícolas); Heliconia velloziana (caeté), Faramea spp., Psychotria spp. (grandiúva-d’anta), Rudgea spp., Coccocypselum spp., Alibertia concolor.

i) Espécies vegetais endêmicas ou raras ou ameaçadas de extinção: Cecropia catarinensis (embaúba-branca; Laguna, Sombrio), Aechmea lindenii (Porto Belo, Florianópolis, Palhoça).

5. Apêndice Várias espécies, assinaladas com * nesta Resolução e citadas abaixo em ordem alfabética, foram tratadas com outros nomes na literatura botânica catarinense: Blutaparon portulacoides – como Iresine portulacoides, Philoxerus portulacoides Canavalia rosea – como Canavalia obtusifolia, Canavalia maritima Cecropia glazioui – como Cecropia adenopus Clusia parviflora – como Clusia criuva Cordia curassavica – como Cordia verbenacea Cyrtopodium polyphyllum – como Cyrtopodium paranaense Emilia fosbergii – como Emilia coccinea Epidendrum fulgens – como Epidendrum mosenii Inga dulcis – como Inga striata Ipomoea imperati – como Ipomoea stolonifera Myriophyllum aquaticum – como Myriophyllum brasiliense Myrsine coriacea, Myrsine spp.- como Rapanea ferruginea, Rapanea spp., respectivamente

Nectandra oppositifolia – como Nectandra rigida Rumohra adiantiformis – como Polystichum adiantiforme Senna pendula – como Cassia bicapsularis Solanum pseudoquina – como Solanum inaequale Tibouchina trichopoda – como Tibouchina multiceps.

Dossiê Mata Atlântica 2001 Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas SÃO PAULO RESOLUÇÃO CONAMA Nº 1/94 31 de janeiro de 1994

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, AD REFERENDUM do Plenário, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto no Artigo 9º, do Decreto 99.274, de 6 de Junho de 1990;

Considerando ação conjunta entre o Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 94 do Decreto Estadual 30.555, de 03 de outubro de 1989, e o Superintendente do Instituto Brasileir o do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA em São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 68 do Regimento Interno aprovado pela Portaria Ministerial 445, de 16 de agosto de 1989;

Considerando o disposto no artigo 23, incisos VI e VII da Constituição Federal e a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios pioneiro, inicial, médio e avançado de regeneração de Mata Atlântica em cumprimento ao disposto no artigo 6º, do Decreto 750, de 10 de fevereiro de 1993, na Resolução CONAMA nº 10, de 10 de outubro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos de licenciamento de exploração da vegetação nativa no Estado de São Paulo, RESOLVE: Artigo 1º – Considera-se vegetação primária aquela vegetação de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e de espécie.

Artigo 2º – São características da vegetação s ecundária das Florestas Ombrófilas Estacionais: § 1º – Em estágio inicial de regeneração: a) fisionomia que varia de savânica a florestal baixa, podendo ocorrer estrato b) estratos lenhosos variando de abertos a fechados, apresentando plantas com c) alturas das plantas lenhosas estão situadas geralmente entre 1,5m e 8,0m e o diâmetro médio dos troncos à altura do peito (DAP 1,30m do solo) é de até 10cm, apresentando pequeno produto lenhoso, sendo que a distribuição diamétrica das d) epífitas, quando presentes, são pouco abundantes, representadas por musgos, f) a serapilheira, quando presente, pode ser contínua ou não, formando uma camada g) no subosque podem ocorrer plantas jovens de espécies arbóreas dos estágios h) a diversidade biológica é baixa, podendo ocorrer ao redor de dez espécies i) as espécies vegetais mais abundantes e características, além das citadas no estágio pioneiro, são: cambará ou candeia (Gochnatia polimorpha), leiteiro (Peschieria fuchsiaefolia), maria-mole (Guapira ssp.), mamona (Ricinus communis), arranha-gato (Acácia spp.), falso-ipê (Stenolobium stans), crindiúva (Trema micrantha), fumo-bravo (Solanum granuloso-lebrosum), goiabeira (Psidium guaiava), sangra d’água (Cróton urucurana), lixinha (Aloysia virgata), amendoim- bravo (Pterogyne nitens), embaúbas (Cecropia spp.), pimenta-de-macaco (Xylopia aromática), murici (Byrsonima spp.), mutambo (Guazumaulmifolia), manacá ou jacatirão (Tibouchina ssp. e Miconia spp.), capororoca (Rapanea spp.), tapiás (Alchornea spp.), primeira brava (Schinus terebinthifolius), guaçatonga (Casearia sylvestris), sapuva (Machaerium stipitatum), caquera (Cássia sp.);

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

§ 2º – Em estágio médio de regeneração: b) presença de camadas de diferentes alturas, sendo que cada camada apresenta-se com cobertura variando de aberta a fechada, podendo a superfície da camada c) dependendo da localização da vegetação a altura das árvores pode variar de 4 a 12m e o DAP médio pode atingir até 20cm. A distribuição diamétrica das árvores apresenta amplitude moderada, com predomínio de pequenos diâmetros podendo d) epífitas aparecem em maior número de indivíduos e espécies (líquens, musgos, hepáticas, orquídeas, bromélias, cactáceas, piperáceas, etc.), sendo mais abundantes e apresentando maior número de espécies no domínio da Floresta f) a serapilheira pode apresentar variações de espessura de acordo com a estação g) no subosque (sinúsias arbustivas) é comum a ocorrência de arbustos umbrófilos principalmente de espécies de rubiáceas, mirtáceas, melastomatáceas e h) a diversidade biológica é significativa, podendo haver em alguns casos a dominância de poucas espécies, geralmente de rápido crescimento. Além destas, podem estar surgindo o palmito (Euterpe edulis), outras palmáceas e i) as espécies mais abundantes e características, além das citadas para os estágios anteriores, são: jacarandás (Machaerium spp.), jacaranda-do-campo (Platypodium elegans), louro-pardo (Cordia tricho toma), farinha-seca (Pithecellobium urundeúva), aroeira (Myracroduonurundeuva), guapuruvu (Schizolobium parahyba), burana (Amburana cearensis), pau-de-espeto (Casearia gossypiosperma), cedro (Cedrela spp.), canjarana (Cabralea canjarana), açoita-cavalo (Luehea spp.), óleo- de-copaíba (Copaifera langsdorfii), canafístula (Peltophorum dubium), embiras-de- sapo (Lonchocarpus spp.), faveiro (Pterodon pubescens), canelas (Ocotea spp., Nectandra spp., Crytocaria spp.), vinhático (Plathymenia spp.), araribá (Centrolobium tomentosum), ipês (Tabebuia spp.), angelim (Andira spp.), marinheiro (Guarea spp.), monjoleiro (Acácia polyphylla), mamica-de-porca (Zanthoxyllum spp.), tamboril (Enterolobium contor siliquum), mandiocão (Araucária spp.), araucária (Araucaria Terminália folia), pinheiro-bravo (Podocarpus spp.), amarelinho (Terminalia spp.), peito-de-pomba (cambuí guianensis), cuvatã (Matayba spp.), caixeta (Tabebuia cassionoides), cambui (Myrcia spp.), taiúva (Machlura tinctoria), pau-jacaré (Piptadenia gonoacantha), guaiuvira (Patagonula americana), angicos (Anadenanthera spp.) entre outras;

§ 3º – Em estágio avançado de regeneração: a) fisionomia florestal fechada, tendendo a ocorrer distribuição contígua de copas, b) grande número de estratos, com árvores, arbustos, ervas terrícolas, trepadeiras, epífitas, etc., cuja abundância e número de espécies variam em função do clima e c) as alturas máximas ultrapassam 10m, sendo que o DAP médio dos troncos é sempre superior a 20cm. A distribuição diamétrica tem grande amplitude, d) epífitas estão presentes em grande número de espécies e com abundância, e) trepadeiras são geralmente lenhosas (leguminosas, bignoniáceas, compostas, malpiguiáceas e sapocindáceas, principalmente), sendo mais abundantes e mais f) a serapilheira está presente, variando em função do tempo e da localização, g) no subosque os estratos arbustivos e herbáceos aparecem com maior ou menor frequência, sendo os arbustivos predominantemente aqueles já citados para o

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas estágio anterior (arbustos umbrófilos) e o herbáceo formado predominantemente por broméliaceas, aráceas, marantáceas e heliconiáceas, notadamente nas áreas h) a diversidade biológica é muito grande devido à complexidade estrutural e ao i) além das espécies já citadas para os estágios anteriores e de espécies da mata madura, é comum a ocorrência de: jequitibás (Cariniana spp.), jatobás (Hymenaea spp.), pau-marfim (Balfourodendron riedelianum), caviúna (Machaerium spp.), paineira (Chorisia speciosa), guarantã (Esenbeckia leiocarpa), imbúia (Ocotea porosa), figueira (Fícus spp.), maçaranduba (Manilkara spp. e Pérsea spp.), suiná ou mulungú (Erythryna spp.), guarandi (Calophyllum brasiliensis), pixiricas (Miconia spp.), pau-d’álho (Gallesia integrifólia), perobas e guatambus (Aspidosperma spp.), jacarandás (Dalbergia spp.), entre outras;

§ 4º – Considera-se vegetação secundária em estágio pioneiro de regeneração aquela cuja fisionomia, geralmente campestre, tem inicialmente o predomínio de estratos herbáceos, podendo haver estratos arbustivos e ocorrer predomínio de um ou outro. O estrato arbustivo pode ser aberto ou fechado, com tendência a apresentar altura dos indivíduos das espécies dominantes uniforme, geralmente até 2m. Os arbustos apresentam ao redor de 3 cm como diâmetro do caule ao nível do solo e não geram produto lenhoso. Não ocorrem epífitas. Trepadeiras podem ou não estar presentes e, se pres entes, são geralmente herbáceas. A camada de serapilheira, se presente é descontínua e/ou incipiente. As espécies vegetais mais abundantes são tipicamente heliófilas, incluindo forrageiras, espécies exóticas e invasoras de culturas, sendo comum ocorrência de: vassoura ou alecrim (Baccharis spp.), assa-peixe (Vernonia spp.), cambará (gochnatia polymorpha), leiteiro (Peschieria fuchsiaefolia), maria-mole (Guapira spp.), mamona (Ricinus communis), arranha-gato (Acácia spp.), samambaias (Gleichenia spp., Pteridium sp., etc.), lobeira e Joá (Solanum spp.). A diversidade biológica é baixa, com poucas espécies dominantes.

Artigo 3º – Os parâmetros definidos no artigo 2º para tipificar os diferentes estágios de regeneração da vegetação secundária podem variar, de uma região geográfica para outra, dependendo: IV – da localização geográfica; e V – da área e da configuração da formação analisada.

Parágrafo único – A variação de tipologia de que trata este artigo será analisada e considerada no exame dos casos submetidos à consideração da autoridade competente.

Artigo 4º – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas SÃO PAULO RESOLUÇÃOCONJUNTASMA/SP-IBAMA-Nº002/94 12 de maio de 1994

Regulamenta o Artigo 4º do Decreto Federal 750, de 10 de Fevereiro de 1993, que dispõe sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação secundária no estágio inicial de regeneração da Mata Atlântica, no Estado de São Paulo.

O SECRETÁRIO DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 94 do Decreto Estadual 30.555, de 3 de Outubro de 1989, e o Superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA em São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 68 do Regimento Interno aprovado pela Portaria Ministerial 445, de 16 de Agosto de 1989;

Considerando o estabelecido no Artigo 14 Alínea “a” da Lei Federal 4.771, de 15 de Setembro de 1965, modificada pela Lei 7.803 de 18 de Julho de 1989, e o disposto no Termo de Cooperação Institucional firmado entre os dois órgãos em 4 de Março de 1993, publicado no Diário Oficial da União em 10 de Março de 1993 e no Diário Oficial do Estado de São Paulo em 30 de Abril de 1993;

Considerando a necessidade de regulamentação e o estabelecimento das definições, das responsabilidades, dos critérios básicos e das diretrizes gerais para a aplicação do disposto no Artigo 4º do Decreto Federal 750/93, RESOLVEM: TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Artigo 1º – Para efeitos desta Resolução, consideram -se parcelamentos do solo ou qualquer edificação para fins urbanos, aqueles situados em zonas urbanas, assim entendidas as compreendidas nos perímetros urbanos ou de expansão urbana definidos por lei municipal.

Parágrafo Único – As áreas que não estiverem efetivamente urbanizadas, ou seja, que apresentarem qualquer das características abaixo exemplificadas, sujeitar-s e-ão a tratamento diferenciado para fins de licenciamento de supressão, corte e exploração de b) – Áreas contíguas ou inseridas em extensos maciços florestais ou outra forma de d) – Ausência de 4 (quatro) ou mais equipamentos púbicos urbanos, conforme conceitua o Artigo 5º da Lei Federal 6.766/79.

Artigo 2º – Para efeitos desta Resolução, consideram-se áreas verdes, aquelas com cobertura vegetal de porte arbustivo-arbóreo, não impermeabilizáveis, visando a contribuir para a melhoria da qualidade de vida urbana, permitindo-se seu uso para atividades de lazer.

§ 1º – Estas áreas não poderão, em qualquer hipótese, ter sua destinação, fim e objetivos originalmente estabelecidos, alterados, conforme estabelece o Item VII do § 2º – Estas áreas poderão incluir as áreas de preservação permanente, definidas pelos Artigos 2º e 3º da Lei Federal 4.771/65, as áreas com vegetação exótica porventura existentes, e os espaços livres de uso público, a critério do órgão estadual competente;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

§ 3º – Quando as áreas verdes estiverem situadas em áreas de preservação permanente, seu uso dependerá de anuência do Poder Executivo Federal.

§ 4º – Onde houver necessidade de implantação dessas áreas verdes, esta deverá ser feita, preferencialmente, com espécies nativas, após análise e aprovação de projeto específico, pelo órgão estadual competente.

TÍTULO II DOS FINS URBANOS Artigo 3º – A autorização para corte, supressão ou exploração de vegetação nativa secundária de Mata Atlântica, no estágio inicial de regeneração, para fins de parcelamentos do solo, conjuntos habitacionais, condomínios ou similares, em áreas urbanizadas, será de competência do órgão estadual, e se dará mediante o atendimento das seguintes condicionantes: I – Quando em conformidade com plano diretor aprovado e/ou demais legislações municipais e II – Aprovação de projetos de recuperação ou enriquecimento da vegetação das áreas verdes, preferencialmente com espécies nativas, em local e percentual a serem submetidos à III – Termo de Compromisso de Preservação da Área verde, devidamente locada em planta, firmado pelo empreendedor junto ao órgão estadual competente durante a implantação do empreendimento.

SUBSEÇÃO I NAS ÁREAS NÃO EFETIVAMENTE URBANIZADAS Artigo 4º – A autorização para corte, supressão ou exploração de vegetação secundária de Mata Atl ântica, no estágio inicial de regeneração, para fins de parcelamento do solo, conjuntos habitacionais, condomínios ou similares, em áreas não efetivamente urbanizadas, é de competência do órgão estadual e se dará mediante o atendimento das seguintes condi cionantes: I – Quando em conformidade com plano diretor aprovado, conforme Artigo 182 Parágrafo 1º da III – Não seja antigo de espécies da flora e fauna silvestres ameaçadas de extinção, conforme IV – Não exerça função de proteção de mananciais ou de prevenção e controle de erosão; V – Não tenha excepcional valor paisagístico ou seja considerada patrimônio ambiental, VI – Não forme corredores entre remanescentes de vegetação primária ou em estágio avançado de regeneração.

SUBSEÇÃO III DOS PARCELAMENTOS DE SOLO APROVADOS ANTES DA LEI FEDERAL 6.766/79 Artigo 5º – Os parcelamentos de solo aprovados antes da Lei Federal 6.766/79, não implantados ou parcialmente implantados, estarão sujeitos ao que estabelece esta Resolução.

§ 1º – A anterioridade de execução do parcelamento em relação à Lei Federal 6.766/79, § 2º – O órgão estadual competente levará em conta, quando da análise do pedido da supressão ou emissão do Atestado de Regularidade Florestal, as situações efetivamente consolidadas, comprovadas e os reflexos sócio-econômicos daí advindos, a fim de adequar o empreendimento à legislação ambiental vigente;

§ 3º – Quando trata -se de parcelamentos de solo localizados em Áreas de Proteção de Mananciais da Região Metropolitana de São Paulo, executando anteriormente à edição

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas da Lei Estadual 1.172/76, o empreendedor deverá submetê-lo à análise do órgão estadual competente, visando a indicação das medidas de adaptação cabíveis.

SUBSEÇÃO IV DA RESPONSABILIDADE PELA MANUTENÇÃO E PRESERVAÇÃO DAS ÁREAS VERDES Artigo 6º – A partir da data em que as vias, praças, espaços livres, e as áreas destinadas a edifícios públicos e outros equipamentos urbanos passarem a integrar o domínio do Município, conforme estabelece o Artigo 22 da Lei Federal 6.766/79, fica o Poder Público Municipal responsável pela manutenção e preservação das áreas verdes.

SEÇÃO III DAS EDIFICAÇÕES OU OBRAS PARA FINS URBANOS, EM LOTES OU TERRENOS Artigo 7º – A autorização para corte, supressão ou exploração de vegetação nativa secundária no estágio inicial de regeneração, em lotes ou terrenos, quando necessárias à edificações ou obras para fins urbanos, será de competência do órgão estadual e só serão admitidos quando em conformidade com plano diretor aprovado, conforme Artigo 182 § 1º da Constituição Federal e/ou demais legislações municipais e ambientais, e se fará da seguinte forma: a) Para lotes ou terrenos maiores que 1.000 m2, a supressão será autorizada mediante a averbação a margem da matrícula do imóvel, em Cartório de Registro de Imóveis, e de área verde, conforme 2º desta Resolução em local a ser submetido à aprovação do órgão estadual competente, nunca inferior a 10% da área do lote ou terreno.

TÍTULO III DAS ÁREAS RURAIS Artigo 8º – A autorização para corte, supressão ou exploração de vegetação nativa secundária de Mata Atlântica, no estágio inicial de regeneração será de competência do órgão estadual, e somente será emitida após a averbação da Reserva Legal.

Parágrafo único – Para a definição das áreas a serem destinadas à Reserva Legal, deverão ser considerados fatores como: classe de capacidade de uso do solo, função de abrigo da flora e fauna silvestres ameaçadas de extinção, vegetação que exerça função de proteção de mananciais, de prevenção e controle de processos erosivos ou tenha excepcional valor paisagístico.

TÍTULO IV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 9º – É livre o corte ou a supressão de vegetação nativa secundária em estágio pioneiro de regeneração definido na Resolução Conjunta SMA/IBAMA/SP e Resolução CONAMA 01/94.

Artigo 10 – Estando a área, objeto de pretendida supressão, abrangida por zoneamentos ambientais ou Áreas de Proteção Ambiental promovidos pelo Poder Público, serão ainda Artigo 11 – Os municípios localizados em área de ocorrência de Mata Atlântica deverão fomentar, em suas áreas urbanas, a arborização de ruas e demais logradouros públicos, prioritariamente com espécies nativas e adequadas à manutenção e melhoria da qualidade de vida, visando atingir o estabelecimento de no mínimo 8 m2 de área verde por habitante.

Artigo 12 – A não observância do disposto nesta Resolução sujeitará o infrator à sanções previstas pela Lei Federal 6.938/81 e Decreto Federal 99.274/90.

Artigo 13 – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogam-se as disposições em contrário.

Secretário Adjunto do Meio Ambiente (em exercício) JORGE LINHARES FERREIRA JORGE Superintendente do IBAMA-SP

Dossiê Mata Atlântica 2001 Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas SÃO PAULO RESOLUÇÃO CONAMA Nº 07/96 23 de julho de 1996

O Presidente do CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, AD REFERENDUN deste conselho, e por delegação a ele conferida pelo artigo 1º, § 1º, da Resolução nº 10 de 1º de outubro de 1993, e Considerando que o disposto no artigo 6º, do Decreto Federal nº 750, de 10 de fevereiro de 1993, RESOLVE: Artigo 1º – Aprovar como parâmetro básico para análise dos estágios de sucessão de vegetação de restinga para o Estado de são Paulo, as diretrizes constantes no anexo desta Resolução.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas

ANEXO I – INTRODUÇÃO Entende-se por vegetação de restinga o conjunto das comunidades vegetais, fisionomicamente distintas, sob influência marinha e fluvio-marinha. Essas comunidades, distribuídas em mosaico, ocorrem em áreas de grande diversidade ecológica, sendo consideradas comunidades edáficas por dependerem mais da natureza do solo que do clima.

Essas formações, para efeito desta Resolução, são divididas em: Vegetação de Praias e Dunas, Vegetação Sobre Cordões Arenosos e Vegetação Associada às Depressões.

Na restinga os estágios sucessionais diferem das formações ombrófilas e estacionais, ocorrendo notadamente de forma mais lenta, em função do substrato que não favorece o estabelecimento inicial da vegetação, principalmente por dessecação e ausência de nutrientes.

O corte da vegetação ocasiona uma reposição lenta, geralmente de porte e diversidade menores, onde algumas espécies passam a predominar.

Dada a fragilidade desse ecossistema a vegetação exerce papel fundamental para a estabilização de dunas e mangues, assim como para a manutenção da drenagem natural.

A dinâmica sucessional da restinga passa a ser caracterizada a seguir: II – VEGETAÇÃO DE PRAIAS E DUNAS Por serem áreas em contínua modificação pela ação dos ventos, chuvas e ondas, caracterizam -se como vegetação em constante e rápido dinamismo, mantendo-se sempre como vegetação pioneira de primeira ocupação (climax edáfico) também determinado por a) Na zona entremarés (estirâncio) existe criptógamas representadas por microalgas e fungos não observáveis a olho nu. Na área posterior surgem plantas herbáceas providas de estolões ou de rizomas, em alguns casos formando touceiras, com distribuição esparsa ou recobrindo totalmente a areia, podendo ocorrer a presença de arbustos, chegando em c) no estrato herbáceo não se consideram parâmetros como altura e diâmetro. No estrato arbustivo a altura varia entre 1,0 e 1,5 metros e o diâmetro raramente ultrapassa 3 d) as epífitas, quando presentes, no estrato arbustivo, podem ser briófitas, líquens, bromélias e) espécies que em outras formações ocorrem como trepadeiras, nesta formação recobrem o solo tais como: Oxypetalum tomentosum, Vigna luteola, Canavalia obtusifolia, Stigmaphyllon spp, Smilax spp, abraço-de-rei (Mikania sp), cipó-caboclo (Davilla rugosa); h) nas praias é comum a ocorrência de grande diversidade de fungos: Ceriosporopsis halina, Corollospora spp, Halosphaeria spp, Cirrenalia macrocephala, Clavariospsis bulbosa, Halosarphelia fibrosa, Didymosphaeria enalia, Pestalotia spp, Lulworthia fucicola, Lentescospora spp, Trichocladium achrasporum, Humicola alopallonella, com a dominância de Halosphaeria spp, Ceriosporopsis halina e Corollospora maritima. Nas dunas i) espécies indicadoras: Blutaparon portulacoides, Ipomoea spp, timutu ou pinheirinho-de- praia (Polygala cyparissias), carrapicho-de-praia (Acicarpha spathulata); gramíneas (Panicum spp, Spartina spp, Paspalum spp), grama-de-praia (Stenotaphrum secundatum), carrapicho (Cenchrus spp), ciperáceas (Androtrichum polycephalum, Fimbristylis spp, cladium mariscus), acariçoba (Hydrocotile bonariensis), cairussu (Centella asiatica) e as cactáceas (Cereus peruvianus, Opuntia monoacantha). Se houver ocorrência de arbustos, as espécies geralmente são: camarinha (Gaylussacia brasiliensis), canelinha-do-brejo

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas (Ocotea pulchella), caúna ou congonhinha (Ilex theezans), Dodonaea viscosa, feijão-de- praia (Sophora tomentosa), Erythroxylum amplifolium, pitanga (Eugenia uniflora), araça-de- j) nas praias, o substrato é composto por areia de origem marinha e conchas, periodicamente inundado pela maré. Nas dunas o substrato é arenoso e seco, retrabalhado pelo vento, m) as áreas entremarés (estirâncio) constituem-se em pontos de descanso, alimentação e rota migratória de aves provenientes dos hemisférios boreal e austral, como o maçarico (Caladris sp e tringa sp), batuira (Charadrius sp); pinguim (Spheniscus magellanicus) e gaivotão (Larus dominicanus); ponto de reprodução de tartarugas marinhas (Caretta caretta e Chelonia mydas) e ponto de descanso, alimentação e rota migratória de mamíferos marinhos: elefante-marinho (Mirouga sp), lobo-marinho (Arctocephalus sp) e leão-marinho (Otaria sp), 3e criptofauna característica não observável a olho nu;

As áreas de dunas caracterizam-se como zona de descanso, alimentação e rota migratória de Charadriiformes e Falconiformes – falcão-peregrino (Falco peregrinus), águia-pescadora (Pandion haliaetus); batuira (Charadrius collaris); maçarico (Gallinago); migratória: piru-piru (Haematopus palliatus); batuiruçus (Pluvialis squatarola e Pluvialis dominica); batuira (Charadrius spp); maçaricos (Tringa spp, calidris spp, Arenaria interpres, Numerius phaeopus, Limosa haemastica) e Passeriforme – caminheiro (Anthus sp). Nas áreas abertas ou alteradas desaparecem as espécies migratórias e ocor re a colonização por espécies oportunistas como: chopim (Molothrus bonariensis), coruja-buraqueira (Speotyto cunicularia); anu-branco (Guira guira); gavião-carrapateiro (milvago chimachima).

III – VEGETAÇÃO SOBRE CORDÕES ARENOSOS III.1 – ESCRUBE III.1.1.- PRIMÁRIA / ORIGINAL a) fisionomia arbustiva com predominância de arbustos de ramos retorcidos formando moitas intercaladas com espaços desnudos ou aglomerados contínuos que dificultam a passagem; c) altura das plantas: cerca de 3 metros de diâmetro da base do caule das lenhosas em torno d) poucas epífitas, representadas por líquens (Usnea barbata, Parmelia spp), briófitas, pteridófitas (Microgramma vaccinifolia), bromeliáceas (Tillandsia spp, Vriesea spp), orquidáceas Epidendrum spp, chuva-de-ouro (Oncidium flexuosum) e Encyclia spp; e) quantidade e diversidade significativa de trepadeiras, podendo ocorrer Stigmaphyllon spp, Oxypetalum sp, Mandevilla spp, Smilax spp, Mikania spp, Cassitha spp, Davilla rugosa; f) camada fina de serapilheira, podendo em alguns locais acumular-se sob as moitas; h) no estrato herbáceo pode haver predominância de gramíneas ou ciperáceas; no herbáceo- arbustivo, qualquer uma das espécies ocorrentes pode predominar; nas áreas abertas e i) espécies indicadoras: Dalbergia ecastaphylla; Dodonaea viscosa; monjoleiro (Abarema ssp), canelinha-do-brejo (Ocotea pulchella), aroeirinha (Schinus terebinthifolius); orelha-da- onça (Tibouchina holosericea), maria-mole (Guapira opposita); feijão-de-praia (Sophora tomentosa); erva-baleera (Cordia verbenacea), araça (Psidium cattleyanum), camarinha (Gaylussacia brasiliensis), caúna ou congonhinha (Ilex spp), maça-de-praia (Chrysobalanius icaco); Erythroxyllum spp,Pera glabrata, pinta-noiva (Ternstroemia brasiliensis), pitanga (Eugenia uniflora); orquídeas terrestres (Epidendrum fulgens, Catasetum trulla, Cleistes libonii, sumaré ou sumbaré (Cyrtopodium polyphyllum); bromeliáceas te rrestres (Nidularium innocentili; Quesnelia arvensis; Dyckia encholirioides; Aechmea nudicaulis), pteridófitas: samambaia-de-buquê (Rumohra adiantiforme); j) substrato arenoso de origem marinha, seco. Em alguns trechos pode acumular água na l) endemismos não conhecidos;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas m) ocorrência de aves migratórias e residentes como: saíras (Tangara spp); gaturamos (Euphonia spp); tucanos e araçaris (Ramphastos spp, Selenidera maculirostris e Baillonius bailloni); arapongas (Procnias nidicollis); bem -te-vis (Pitangus sulphuratus); macucos (Tinamus solitarius); jaós (Crypturellus sp); jacús (Penelope obscura).

III.1.2.- ESTÁGIO INICIAL DE REGENERAÇÃO DO ESCRUBE a) fisionomia predominantemente herbácea podendo haver testemunhos lenhosos da c) se ocorrerem espécies lenhosas, são de pequeno porte, altura de até 1 metro, com e) trepadeiras, quando presentes, ocorrem como reptantes, sendo as mesmas espécies da h) diversidade menor em relação à vegetação original, com predominância de algumas espécies (dependendo do local). Podem ocorrer espécies ruderais como picão-preto (Bidens pilosa), Gleichenia spp., samambaia-das -taperas (Pteridium aquilinum) e sapé i) as espécies indicadoras vão depender do tipo de alteração ocorrida no substrato e na m) fauna com espécies menos exigentes e oportunistas.

III.1.3.- ESTÁGIO MÉDIO DE REGENERAÇÃO DO ESCRUBE c) vegetação sub-arbustiva, com até 2 metros de altura e diâmetro caulinar com cerca de 2 d) maior diversidade e quantidade de epífitas que no estágio inicial: Tillandisia spp, barba-de- e) trepadeiras, são as mesmas do estágio anterior porém em maior quantidade; h) maior diversidade em relação ao estágio inicial podendo haver dominância de uma ou mais espécies, sendo comum invasão por vassourais: (Vernonia spp), carqueja (Baccharis i) espécies indicadoras: as mesmas da vegetação original, podendo haver predominância de m) espécies da fauna mais exigentes, endêmicas ou restritas desaparecem, ocorrendo somente espécies menos exigentes;

III.1.4.- ESTÁGIO AVANÇADO DE REGENERAÇÃO DO ESCRUBE c) altura das plantas podendo chegar a 3 metros e diâmetro caulinar cerca de 3 centímetros; d) maior diversidade e quantidade de epífitas em relação ao estágio médio; e) maior diversidade e quantidade de trepadeiras que no estágio médio havendo, entretanto, h) grande diversidade de espécies. Nas áreas com areia desnuda podem ocorrer líquens (Cladonia spp) e briófitas (musgos e hepáticas). Ocorre dominância de uma ou mais espécies, variando conforme o local;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas i) as espécies indicadoras são: Dalbergia ecastaphylla, Dodonaea viscosa aroeirinha (Schinus terebinthifolius); Sophora tomentosa; orelha-de-onça (Tibouchina holosericea), araça-de-praia (Psidium cattleyanum); Gaylussacia brasiliensis, Eugenia spp; m) fauna semelhante a original variando a quantidade e diversidade;

III.2. FLORESTA BAIXA RESTINGA III.2.1.- PRIMÁRIA / ORIGINAL a) fisionomia arbórea com dossel aberto, estrato inferior aberto e árvores emergentes; c) árvores em geral de 3 a 10 metros de altura, sendo que as emergentes chegam a 15 metros, com grande número de plantas com caules ramificados desde a base. Pequena amplitude diamétrica (5 a 10 cm), dificilmente ultrapassando 15 centímetros; d) grande quantidade e diversidade de epífitas com destaque para as bromeliáceas, orquidáceas, aráceas, piperáceas, gesneriáceas, pteridófitas, briófitas e líquens; e) pequena quantidade e diversidade de trepadeiras, ocorrendo a presença de baunilha (Vanilla chamissonis), Smilax spp, abre-caminho (Lygodium spp), cará (Dioscorea spp); f) camada fina de serapilheira (entre 4 e 5 cm), com grande quantidade de folhas não h) grande diversidade de espécies, podendo haver predominância de mirtáceas: guamirim (Mycria spp), araça-da-praia (Psidium cattleyanum), guabiroba-de-praia (Campomanesia spp), murta (Blepharocalyx spp), guamirim (Gimidesia spp), pitanga (Eugenia spp). Presença de palmáceas: guaricangas (Geonoma spp), tucum (Bactris setosa), brejaúva (Astrocaryum aculeatissimum); gerivá (Arecastrum romanzoffianum); grande quantidade de i) espécies indicadoras: mirtáceas, Geonoma schottiana, Clusia criuva e pinta-noiva j) substrato arenoso de origem predominantemente marinha, seco, com as raízes formando l) endemismo conhecido: cambuí (Siphoneugena guilfoyleiana), na Ilha do Cardoso – m) é importante zona de pouso, alimentação, reprodução, dormitório e rota migratória de aves florestais, passeriformes e não passeriformes, muitos endêmicos como saíra peruviana (Tangara peruviana) e papa moscas de restinga (Philloscartes Kronei).

III.2.2.- ESTÁGIO INICIAL DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA BAIXA DE RESTINGA a) fisionomia herbácea, podendo ocorrer remanescentes da vegetação original; d) pequena quantidade e diversidade de epífitas, briófitas e líquens na base das plantas; e) pequena quantidade e diversidade de trepadeiras: Smilax spp, Mandevilla spp, Davilla h) mediana diversidade de espécies, apresentando muitas espécies da formação original, porém no estágio de plântulas; apresenta invasoras ruderais como Solanum spp, Baccharis spp. No substrato desnudo, inicia-se a recolonização, com espécies das dunas e ruderais; i) espécies indicadoras: mirtáceas, Tibouchina holoserícea e Clusia criuva; m) ocorre o desaparecimento da fauna existente na vegetação original, com ocupação por espécies oportunistas.

III.2.3.- ESTÁGIO MÉDIO DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA BAIXA DE RESTINGA b) estratos predominantes: herbáceo e arbustivo-arbóreo;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas c) árvores com até 6 metros de altura, pequena amplitude diamétrica, diâmetros de até 10 d) epífitas representadas por líquens, briófitas, pteridófitas e bromeliáceas de pequeno porte, g) subosque (estrato herbáceo) representado por bromeliáceas, pteridófitas, briófitas e h) média diversidade, apresentando muitas espécies da formação original podendo haver j) substrato arenoso de origem predominantemente marinha, seco, com as raízes formando m) fauna semelhante à das formações originais.

III.3.- FLORESTA ALTA DE RESTINGA III.3.1.- PRIMÁRIA/ORIGINAL c) altura variando entre 10 e 15 metros, sendo que as emergentes podem atingir 20 metros. Amplitude diamétrica mediana variando de 12 a 25 centímetros, com algumas plantas d) alta diversidade e quantidade de epífitas. Possível ocorrência de Clusia criuva como hemi- e) trepadeiras, se presentes, representadas por Smilax spp, Mikania spp, Davilla rugosa e h) baixa diversidade de espécies, podendo haver predominância de uma ou algumas i) espécies indicadoras: gramíneas (Chusquea spp), ciperáceas, capororoca (Rapanea ferruginea), embaúba (Cecropia pachystachia), congonha (Ilex spp), podendo ocorrer j) substrato arenoso de origem predominantemente marinha, podendo ocorrer deposição de areia e argila de origem continental. Ocasionalmente pode haver inundação; m) fauna com predominância de indivíduos de áreas abertas, pouca diversidade.

III.3.2.- ESTÁGIO INICIAL DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA ALTA DE RESTINGA a) fisionomia herbáceo-arbustiva podendo ocorrer remanescentes arbóreos; c) arbustos e arvoretas com até 3 metros de altura, pequena amplitude diamétrica, com d) epífitas, se presentes, representadas por líquens, briófitas e bromeliáceas pequenas, com baixa diversidade e pequena quantidade; bromeliáceas (Vriesea spp, Aechmea spp, Billbergia spp), orquidáceas (Epidendrum spp, Phymatidium spp, Octomeria spp, Pleurothallis spp, Maxillaria spp), samambaias (Asplenium spp, Vittaria spp, Polypodium e) significativa quantidade de trepadeiras: Asplundia rivularis; Smilax sp; f) espessa camada de húmus e serapilheira, sendo esta variável de acordo com a época do g) subosque presente: plantas jovens do estrato arbóreo, arbustos como: Weinmannia paulliniifolia, pinta-noiva (Ternstroemia brasiliensis), Erythroxylum spp, Amaioua intermedia, fetos arborescentes (Trichipteris atrovirens), guaricangas (Geonoma spp) e tucum (Bactris h) grande diversidade de espécies; sendo que no estrato arbóreo há dominância de: mirtáceas, lauráceas (Ocotea spp), guanandi (Calophyllum brasiliensis), caúna (Ilex spp)

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas mandioqueira (Didymopanax spp), Pera glabrata, palmito ou juçara (Euterpe edulis), indaiá i) espécies indicadoras: Clusia criuva, canelinha-do-brejo (Ocotea pulchella), guanandi (Calophyllum brasiliensis), Psidium cattleyanum, guaricanga (Geonoma schottiana), palmito j) substrato arenoso de origem predominantemente marinha, podendo haver deposição de areia e argila de origem continental, ocorrendo inundações ocasionais em determinadas m) fauna – aves: guaxe (Cacicus haemorrhous), choquinha (Mymotherula unicolor), jaó do litoral (Crypturellus noctivagus), cricrió (Carponis melanocephalus), papagaio-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis), saracura-três-potes (Aramides caianea); – mamíferos: mico-leão- caiçara (Leontopithecus caissara), queixada (Tayassu pecari), bugio (Alouatta fusca), mono-carvoeiro (Brachyteles arachnoides).

III.3.3.- ESTÁGIO MÉDIO DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA ALTA DE RESTINGA c) árvores com até 8 metros de altura, pequena amplitude diamétrica, com diâmetros de até d) epífitas representadas por líquens, briófitas, pteridófitas e bromeliáceas pequenas; g) subosque representado por bromeliáceas, pteridófitas e aráceas terrestres, plantas jovens i) espécies indicadoras: pinta-noiva (Ternstroemia brasiliensis), canelinha-do-brejo (Ocotea j) substrato arenoso, de origem predominantemente marinha, podendo ocorrer deposição de areia e argilade origem continental. Ocasionalmente pode haver inundação; m) fauna com aumento da diversidade e quantidade em relação ao estágio anterior.

III.3.4.- ESTÁGIO AVANÇADO DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA ALTA DE RESTINGA c) árvores de até 12 metros de altura, com as emergentes podendo ultrapassar 15 metros, média amplitude diamétrica, com diâmetros variando de 10 a 15 centímetros, com algumas d) epífitas representadas por líquens, briófitas, pteridófitas, bromeliáceas, orquidáceas, f) camada espessa de serapilheira, com as folhas em avançado grau de decomposição; g) presença de subosque, com características semelhantes ao original; i) espécies indicadoras, representadas principalmente pelas: mirtáceas, lauráceas, j) substrato arenoso de origem predominantemente marinha, podendo ocorrer deposição de areia e argila de origem continental. Ocasionalmente pode ocorrer inundação. Raízes m) fauna semelhante à da formação original;

IV – VEGETAÇÃO ASSOCIADA ÀS DEPRESSÕES Ocorrem entre cordões arenosos e em áreas originadas pelo assoreamento de antigas lagoas, lagunas e braços de rio, ou mesmo pelo afloramento do lençol freático.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas A vegetação entre cordões arenosos e a dos brejos de restinga, por estarem localizadas em áreas em contínuas modificações, em função das variações do teor de umidade e dinamismo (altura e extensão) dos cordões, caracterizam -se como vegetação de primeira ocupação (Clímax Edáfico) e portanto não são considerados estágios sucessionais. Alterações nessas formações podem levar ao desaparecimento das mesmas e/ou a substituição por outro tipo de formação.

IV.1.- ENTRE CORDÕES ARENOSOS g) pequena diversidade de espécies, podendo ocorrer pteridófitas (Lycopodium spp, Ophioglossum sp), gramíneas, ciperáceas, saprófitas (Utricularia nervosa), além de botão- h) espécies indicadoras: Tibouchina holosericea, Drosera villosa e Lycopodium spp e i) substrato arenoso de origem marinha, encharcado, com grande quantidade de matéria m) são importantes sítios de reprodução de aves aquáticas: guará (Eudocimus ruber), narceja (Gallinago gallinago); quero-quero (Vanellus chilensis); irerê (Dendrocygna viduata); pato – do-mato (Cairina moschata); saracura-três -potes (Aramides caianea); – mamíferos: lontra (Lutra longicaudis) e répteis como o jacaré-do-papo-amarelo (Caiman latirostris);

IV.2.- BREJO DE RESTINGA c) pequena altura podendo chegar até a 2 metros no caso da taboa (Typha spp) e Scirpus sp; g) nos brejos onde há maior influência de água salobra ocorrem gramíneas (Paspalum maritimum, Spartina spp), ciperáceas (Scirpus sp, Cyperus spp, Scheria spp) e taboa (Thypha domingensis). Nos brejos com menor ou nenhuma influência de água salobra a diversidade é maior: ciperáceas (Eleocharis spp, Cyperus spp, Scleria spp, Fuirena spp), taboa (Thypha spp), a exótica lírio-do-brejo (Hedychium coronarium), onagráceas: cruz-de- malta (Ludwigia spp); melastomatáceas (Pterolepis glomerata) chapéu-de-couro (Echinodorus spp), cebolana (Crinum erubescens), orelha-de-burro (Pontederia lanceolata); gramíneas (Panicum spp), aguapé (Eichhornia crassipes), lentilha-d’agua (Lemna spp), Nymphaea spp, erva-de-Santa -Luzia (Pistia stratiotes), murerê (Salvinia spp), samambaia- h) espécies indicadoras de brejo salobro – Scirpus sp, Paspalum maritimum; de brejo doce- taboa (Thypha spp), lírio-do-brejo (Hedychium coronarium), chapéu-de-couro (Echinodorus m) importante zona de pouso, alimentação, reprodução, dormitório e rota migratória de aves florestais passeriformes e não passeriformes; narceja (Gallinago gallinago); saracura-três- potes (Aramides cajanea).

IV.3.- FLORESTA PALUDOSA c) no estrato arbóreo a altura das árvores é de 8 a 10 metros, com média amplitude diamétrica, com diâmetro das plantas em torno de 15 centímetros;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas d) grande quantidade e diversidade de epífitas: bromeliáceas, orquidáceas, gesneriáceas, g) nas bordas da floresta paludosa, nos locais mais secos, pode ocorrer Trichipteris atrovirens, Bactris setosa e garapuruna ou guapuruva (Marliera tomentosa); h) a dominância pode ser de caxeta (Tabebuia cas sinoides) ou guanandi (Calophyllum brasiliensis), há baixa diversidade de espécies, podendo ocorrer arbustos heliófilos: i) espécies indicadoras: caxeta (Tabebuia cassinoides) e guanandi (Calophyllum j) substrato arenoso de origem marinha, permanentemente inundado, com deposição de m) florestas paludosas com predomínio de caxeta são importantes para reprodução, alimentação, pouso e dormitório de passeriformes e não passeriformes (Anatidae, Falconidae, Psittacidae, Tyrannidae), destacando-se: papagaio-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis), pássaro preto (Agelaius cyanopus), e pato-do-mato (Cairina moschata), alguns mamíferos, como lontra (Lutra longicaudis), peixes cíclicos e pererecas. A dispersão do guanandi é feita por morcegos, grandes aves e mamíferos.

IV.4.- FLORESTA PALUDOSA SOBRE SUBSTRATO TURFOSO IV.4.1.- PRIMÁRIA / ORIGINAL c) altura em torno de 15 metros, podendo haver emergentes de até 20 metros. Grande distribuição diamétrica com os maiores diâmetros ao redor de 20 a 30 centímetros; d) grande quantidade e diversidade de epífitas: brom eliáceas (Aechmea spp, Billbergia spp, Tillandsia spp, Vriesea spp), orquidáceas (Anacheilon spp, Cattleya forbesii, Promenaea rolissonii, Epidendrum spp, Maxillaria spp, Oncidium trulla, O. flexuosum, Pleurothallis spp, Octomeria spp., Stelis spp), aráceas (Philodendron spp, Anthurium spp, Monstera adansonii); Microgramma vaccinifolia, Polypodium spp, Asplenium spp, Trichomanes spp; e) pequena diversidade e quantidade de trepadeiras: Mikanis cordifolia, Davilla rugosa, Mandevilla spp, Dioscorea spp, Quamoclit coccinea e trepadeiras lenhosas, representadas g) subosque formado por espécies jovens do estrato arbóreo, com predomínio de rubiáceas h) alta diversidade de espécies, notadamente em relação às epífitas, menos número de espécies arbóreas do que nas florestas ombrófilas, podendo haver dominância por l) i ) espécies indicadoras: peito-de-pomba (Tapirira guianensis), cuvatã (Matayba elaegnoides), canela-amarela, (Nectandra mollis), guanandi (Callophylum brasiliensis), maçaranduba (Manilkara subsericea), juçara (Euterpe edulis), muitas mirtáceas e i) substrato turfoso, pH ácido (em torno de 2-3), trama de raízes superficial, com grande quantidade de material orgânico, com pequena ou nenhuma quantidade de material m) fauna: guaxinim (Procyon cancrivorus); cachorro-do-mato (Cerdocyon thous) que se alimenta de frutos de gerivá (Arecastrum romanzoffianum); papagaio-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis) se alimenta de Arecastrum romanzoffianum, Psidium cattleyanum e guanandi (Callophylum brasiliensis); jacú-guaçu (Penelope obscura), anú-branco (Guira guira); saíras (Tangara spp); gaturamos (Euphonia spp) e pererecas: Aparasphenodon brunoi (associada às bromélias), Osteocephalus langsdorffii e phyllomedusa rhodei;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas IV.4.2.- ESTÁGIO INICIAL DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA PALUDOSA SOBRE SUBSTRATOTURFOSO c) árvores de até 8 metros de altura, pequena amplitude diamétrica, com menos de 10 e) trepadeiras herbáceas, representadas por Ipomoea spp, Quamoclit spp e Mandevilla spp; i) espécies indicadoras: taboa (Typha spp), ciperáceas (Cyperus spp), capororoca (Rapanea j) substrato turfoso, com grande quantidade de material orgânico e pequena ou nenhuma quantidade de material mineral. Presença de restos vegetais semidecompostos; m) fauna descaracteriza -se, diminuindo a diversidade.

IV.4.3.- ESTÁGIO MÉDIO DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA PALUDOSA SOBRE SUBSTRATOTURFOSO c) árvores com até 10 metros de altura, podendo ocorrer plantas com altura maior (Rapanea d) epífitas presentes, representadas principalmente por bromeliáceas de pequeno porte; g) subosque pouco expressivo, representado por bromeliáceas e aráceas; i) espécies indicadoras: Cecropia pachystachia, Rapanea spp e Clethra scabra; j) substrato turfoso, com grande quantidade de material orgânico e pequena ou nenhuma quantidade de material mineral. Presença de restos de vegetais semi-decompostos; m) fauna com pouca diversidade.

IV.4.4.- ESTÁGIO AVANÇADO DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA PALUDOSA SOBRE SUBSTRATOTURFOSO c) árvores com 10 a 12 metros de altura, as emergentes chegando a 15 metros; maior d) grande quantidade de epífitas, representadas por bromeliáceas, orquidáceas, cactáceas, e) trepadeiras lenhosas, representadas principalmente por leguminosas, sapindáceas e h) alta diversidade de espécies, principalmente em epífitas. Pode haver dominância por i) espécies indicadoras: mirtáceas, lauráceas, Tapiria guianensis, Matayba elaeagnoides e j) substrato turfoso, com grande quantidade de material orgânico, com pequena ou nenhuma quantidade de material mineral. Presença de restos vegetais semidecompostos; m) fauna semelhante à da formação original.

V – FLORESTA DE TRANSIÇÃO RESTINGA-ENCOSTA Estas formações ocorrem ainda na planície, em íntimo contato com as formações citadas anteriormente, desenvolvendo-se sobre substratos mais secos, avançando sobre substratos de

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas origem continental ou indiferenciados, mais ou menos argilosos, podendo estar em contato e apresentar grande similaridade com Floresta Ombrófila Densa de Encosta, porém com padrão de regeneração diferente. Para efeito desta regulamentação serão consideradas como pertencentes ao complexo de vegetação de restinga.

V.1.- PRIMÁRIA / ORIGINAL c) altura variando entre 12 e 18 metros, com as emergentes podendo ultrapassar 20 metros. Grande amplitude diamétrica com diâmetros variando de 15 a 30 centímetros, alguns d) alta diversidade e quantidade de epífitas: aráceas (Phillodendron spp, Monstera spp), bromeliáceas (Vriesea spp, Aechmea spp, Billbergia spp), orquidáceas (Epidendrum spp, Phymatidium spp, Octomeria spp, Pleurothais spp), gesneriáceas, pteridófitas (Asplenium spp, Vittaria spp, Polypodium spp, Hymenophyllum spp), briófitas e líquens; e) pequena quantidade e média diversidade de trepadeira: Asplundia rivularis; Smilax spp, f) espessa camada de húmus e serapilheira, sendo esta variável de acordo com a época dos g) subosque presente, com plantas jovens do estrato arbóreo e arbustos como: Psychotria nuda, Laplacea fruticosa, Amaioua intermedia, gauaricangas (Geonoma spp) e tucum (Bactris setosa); samammbaia-açú (Trichipteris corcovadensis). Estrato herbáceo pouco h) grande diversidade de espécies sendo que no estrato arbóreo há dominância de: mirtáceas, lauráceas (Ocotea spp e Nectsndra spp),Didymopanax sp, Pera glabrata, palmito (Euterpe edulis) , jequitibá-rosa (Cariniana estrelensis), Pouteria psammophilla; i) espécies indicadoras: Euterpe edulis, carne-de-vaca (Roupala spp), bico-de-pato j) substrato arenoso, com deposição variável de areia e argila de origem continental; m) fauna: – aves: guaxe (Cacicus haemorrhous), papagaio-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis), saracura-três -potes (Aramides cajanea); – mamíferos: mico-leão-caiçara (Leontopithecus caissara), queixada (Tayassu pecari), bugio (Alouatta fusca), mono- carvoeiro (Brachyteles arachnoides), grandes felinos como jaguatirica (Felis pardalis), onça parda (Felis concolor) e a onça pintada (Panthera onca), assim como os felinos de menor porte como gato do mato (Felis tigrina), e gato maracajá (Felis wieddii).

V.2.- ESTÁGIO INICIAL DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA DE TRANSIÇÃO RESTINGA- ENCOSTA a) fisionomia arbustivo-herbácea, podendo ocorrer remanescentes arbóreos; c) arbustos e arvoretas com até 5 metros de altura pequena amplitude diamétrica, com d) epífitas, se presentes, representadas por líquens, briófitas e bromeliáceas pequenas, com e) trepadeiras, se presentes, representadas por Smilax spp, Mikania spp, Davilla rugosa e h) baixa diversidade de espécies, podendo haver predominância de uma ou algumas i) espécies indicadoras: gramíneas e ciperáceas, Rapanea ferruginea, Cecropia pachystachia, Solanum spp, Tibouchina glazioviana, podendo ocorrer ruderais; j) substrato arenoso, com deposição variável de areia e argila de origem continental; m) fauna com predominância de indivíduos de áreas abertas, com baixa diversidade.

V.3.- ESTÁGIO MÉDIO DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA DE TRANSIÇÃO RESTINGA- ENCOSTA a) fisionomia arbustivo-arbórea;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas c) árvores com até 10 metros de altura, média amplitude diamétrica, com diâmetros de até 15 d) epífitas representadas por líquens, briófitas, pteridófitas e bromeliáceas; e) trepadeiras herbáceas: Smilax spp, Mikania spp, Mandevilla spp, Dioscorea spp e Davilla g) subosque representado por bromeliáceas, pteridófitas e aráceas terrestres, plantas jovens i) espécies indicadoras: chá-de-bugre (Hedyosmum brasiliense), Guarea macrophylla, fruto- de-cavalo (Andira fraxinifolia), tapiá (Alchornea spp), Solanum spp, além das já citadas no j) substrato arenoso, com deposição variável de areia e argila de origem continental; m) fauna com aumento de diversidade e quantidade em relação ao estágio inicial.

V.4.- ESTÁGIO AVANÇADO DE REGENERAÇÃO DA FLORESTA DE TRANSIÇÃO RESTINGA-ENCOSTA c) árvores com até 13 metros de altura, com as emergentes ultrapassando 15 metros, maior amplitude diamétrica, com diâm etros variando de 12 a 20 centímetros, com algumas d) epífitas representadas por líquens, briófitas, pteridófitas, bromeliáceas, orquidáceas, e) trepadeiras representadas por leguminosas e sapindáceas, Smilax spp e Dioscorea spp; f) camada espessa de serapilheira, com as folhas em avançado grau de decomposição; g) presença de subosque, com as mesmas características do estágio médio, com espécies de i) espécies indicadoras representadas principalmente pelas mirtáceas, lauráceas, palmáceas j) substrato arenoso com decomposição variável de areia e argila de origem continental; m) fauna semelhante à da formação original.

VI – DISPOSIÇÕES GERAIS Considera-se Floresta ou Mata Degradada aquela que sofreu ou vem sofrendo perturbações antrópicas tais como exploração de espécies de interesse comercial ou uso próprio, fogo, pastoreio, bosqueamento, entre outras, ocasionando eventual adensamento de cipós, trepadeiras e taquarais, e espécies de estágios pioneiros e iniciais de regeneração.

Os parâmetros definidos para tipificar os diferentes estágios de regeneração da vegetação secundária podem variar, de uma região geográfica para outra, dependendo: E- da área e da configuração da formação analisada.

A variação da tipologia das diferentes formações vegetais, será analisada e considerada no exame dos casos submetidos à consideração da autoridade competente.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas SÃO PAULO RESOLUÇÃO CONJUNTA SMA/SP-IBAMA-5/96 04 de novembro de 1996 Acrescenta dispositivos à Resolução Conjunta 2, de 12-05-94, que regulamenta o artigo 4º do Decreto Federal 750, de 10-02- 93, dispondo sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação secundária no estágio inicial de regeneração de Mata Atlântica no Estado de São Paulo.

O Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, e a Superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, em São Paulo, aprovado pela Portaria Ministerial 445, de 16.08.89; considerando as características peculiares de vegetação de restinga e seu relevante papel na fixação de dunas; na estabilização de mangues e praias e na proteção contra erosão costeira e inundações, RESOLVEM: Artigo 1º – Dá nova redação ao caput do artigo 1º, aos artigos 7º, 10, 12 e 13 da Resolução Conjunta 2, de 12-05-94, e acrescenta-lhe o art. 14.

“Artigo 1º – Para efeitos desta Resolução, consideram-se parcelamentos do solo, ou qualquer edificação para fins urbanos, aqueles situados em zonas urbanas, assim entendidas as compreendidas nos perímetros urbanos ou de expansão urbana, definidos por lei municipal, obedecidos os demais dispositivos legais.

Artigo 7º – A autorização para corte, supressão ou exploração de vegetação nativa secundária no estágio de regeneração, em lotes ou terrenos, quando necessárias a edificações ou obras para fins urbanos, será de competência do órgão estadual e só serão admitidos quando em conformidade com plano diretor aprovado, conforme artigo 182, parágrafo 1º da Constituição Federal e/ou demais legislações municipais e ambientais e se dará da seguinte forma: §1º – Para lotes ou terrenos maiores que 1.000 m2, a supressão somente poderá ser autorizada mediante averbação de área verde à margem da matrícula do imóvel no Cartório de Registro de Imóve is, cuja extensão nunca deverá ser inferior a 20% da área do lote ou terreno e cujo local deverá ser aprovado pelo órgão competente, além de obedecer-se o disposto no artigo 2º dessa Resolução.

I – Não havendo condição técnica para a manutenção da vegetação original remanescente da área a averbar nos limites do lote ou terreno, deverá ser efetuado o replantio com vegetação do Domínio Atlântico.

§ 2º – Para a supressão de vegetação de restinga nos estágios iniciais de regeneração, deverão ser atendidas as seguintes exigências adicionais: I – Para implantação de empreendimentos imobiliários, a autorização para a supressão deverá ficar condicionada à existência de sistema público de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários ou de outra solução compatível, o que deverá ser comprovado através de atestado emitido pelos órgãos estaduais competentes, sem II – Em áreas com lençol freático com profundidade igual ou inferior a 1,5 m e cuja ocupação implique na necessidade de executarem-se aterros, valas ou outras obras de drenagem, será necessária a aprovação pelo órgão estadual competente, de estudo técnico e projeto executivo elaborado por profissional legalmente habilitado, comprovando-se que as obras pretendidas não causarão consequências danosas à vegetação, à fauna, às drenagens superficial e subterrânea e à qualidade das águas.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas Artigo 10 – Estando a área, cuja vegetação é objeto da pretendida supressão abrangida por zoneamentos ambientais, inclusive o costeiro, ou possua espaços territoriais especialmente protegidos ou de interesse ambiental ou cultural promovidos pelo Poder Público, deverão ser obedecidas todas as disposições legais pertinentes.

Artigo 12 – A não observância do disposto nesta Resolução sujeitará o infrator e o responsável técnico indicado na respectiva ART às sanções previstas nos artigos 14 e 15 da Lei 6.938 / 81 e Decreto 99.274 / 90.

Parágrafo único – O responsável pelo empreendimento e o responsável técnico indicado na respectiva ART deverão subscrever Termo de Responsabilidade perante os órgãos licenciadores, conforme modelo anexo.

Artigo 13 – As disposições desta Resolução não excluem o atendimento à legislação ambiental e de interesse histórico e cultural e em especial, aquela que rege o uso e o parcelamento do solo urbano, sejam leis federais, estaduais ou municipais.

Artigo 14 – Esta Resolução aplica-se aos estágios iniciais de vegetação de Mata Atlântica definidos pela Resolução Conama nº 1, de 31-01-94, para as florestas ombrófilas e estacionais, e pela Resolução CONAMA nº 7, de 26/08/96, para vegetação de restinga”.

Artigo 3º – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário.

TERMO DE RESPONSABILIDADE (Nome) _________________ (Profissão)________________ (RG) __________________ CPF/CIC_________________ responsável pelo empreendimento ___________________ a ser licenciado através do Processo SMA _____________ e (nome/razão social) ______________________________ (profissão) _________________ CREA ______________, responsável técnico do citado empreendimento, conforme ART ______, responsabiliza-se solidariamente sobre as informações, documentos, mapas e projetos referentes ao empreendimento, garantindo que a sua implantação não causará danos à vegetação, fauna, drenagem superficial e subterrânea, bem como a qualidade das águas.

A inobservância do contido no presente termo sujeita os signatários às sanções previstas nos artigos 14 e 15 da Lei nº 6938/81 e demais dispositivos legais pertinentes.

(Município) , (Data) Resp. pelo Empreendimento Resp. Técnico * GABINETE DO SECRETÁRIO Retificação do D.O. de 06-11-96 No parágrafo único do art. 12, da Resolução Conjunta SMA / IBAMA / SP nº 5-96, de 04-11-96, onde se lê: “…e o responsável pelo técnico indicado, leia-se: “… e o responsável técnico indicado”.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas SÃO PAULO SECRETARIA DO ESTADO DO MEIO AMBIENTE Conselho Estadual do Meio Ambiente – CONSEMA Deliberação Consema/SP 18/97 28 de maio de 1997

O Conselho Estadual do Meio Ambiente, em sua 120º Reunião Plenária Ordinária, tomou as seguintes decisões: 1. acolher o relatório elaborado pela Comissão Especial de Políticas Florestais (Del. Consema 66/94) sobre a regulamentação do artigo 5° do Decreto Federal 750/93 do qual consta a Minuta da Resolução SMA abaixo transcrita; 2. submeter esta Minuta de Resolução ao Secretário de Meio Ambiente para apreciação e aprovação, com a ressalvado que não se aplique o disposto no seu artigo 3°, até que o Grupo de Trabalho, criado pela Deliberação Consema 21/97, estabeleça critérios para licenciamento da supressão de vegetação para loteamentos já licenciados, registrados e implantados ou parcialmente implantados; e 3. recomendar ao Secretário do Meio Ambiente que crie grupo técnico de apoio ao licenciamento para apreciar o estudo previsto nessa minuta.

“Minuta de Resolução SMA n° , de…de…………..de 1997.

Dispõe sobre os procedimentos para a aplicação do art. 5° do Decreto Federal n° 750, de 10 de fevereiro de 1993, no âmbito da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, que trata da supressão de vegetação secundária de mata atlântica, nos estágios médio e avançado de regeneração, relativo s ao parcelamento do solo ou qualquer edificação para fins urbanos.

O Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 94 do Decreto Estadual n° 30.555, de 3 de outubro de 1989: Considerando o estabelecido no artigo 23, incisos VI e VII da Constituição Federal;

Considerando o estabelecido no artigo 14 alínea “a” da Lei Federal n° 4.771, de 15 de setembro de 1965, modificada pela Lei n° 7.803 de 18 de julho de 1989;

Considerando a conveniência em definirem-se as responsabilidades, as critérios básicos e as diretrizes gerais para a aplicação do disposto no artigo 5° do Decreto Federal n° 750/93, que objetiva o uso e ocupação racional e sustentável das áreas cobertas por vegetação de Mata Atlântica em estágios médio e avançado de regeneração.

RESOLVE: TITULO 1- DAS DEFINIÇÕES Artigo 1º – Para efeitos desta Resolução, considera-se parcelamento do solo ou qualquer edificação para fins urbanos aquele situado em zonas urbanas, assim entendido aqueles localizados nos perímetros urbanos ou de expansão urbana definidos por lei municipal, obedecidos os demais dispositivos legais.

Parágrafo único – As áreas que não estiverem efetivamente urbanizadas, ou seja, que apresentarem qualquer das características abaixo exemplificadas, sujeitar-se-ão às exigências previstas no artigo 7° desta Resolução, para fins de licenciamento de b) áreas contíguas ou inseridas em extensos maciços florestais ou outra forma de c) áreas com predomínio de chácaras de lazer

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas d) ausência de 4 (quatro) ou mais equipamentos públicos urbanos, conforme conceitua o artigo 5º da Lei Fed. n° 6.766/79 Artigo 2º – Para efeitos desta Resolução, consideram -se áreas verdes aquelas com cobertura vegetal de porte arbustivo -arbóreo, que não devem ser impermeabilizadas, podendo assim contribuir para a melhoria da qualidade de vida urbana e serem usadas para atividades de lazer.

§ 1º – Estas áreas não poderão, em qualquer hipótese, ter alterados sua destinação e objetivos originalmente estabelecidos, conforme estabelece o item VII, do artigo 180 da Constituição Estadual;

§ 2º – Estas áreas poderão incluir as áreas de Preservação Permanente, definidas pelos artigos 2º e 3º da Lei Federal. n° 4771/65, aquelas com vegetação exótica porventura existentes e os espaços livres de uso público, a critério do órgão estadual competente.

§ 3º – Quando as áreas verdes estiverem situadas em áreas de Preservação Permanente, seu uso dependerá da anuência do Poder Executivo Federal.

§ 4º – Onde houver necessidade de implantação dessas áreas verdes, ela deverá ser feita, preferencialmente, com espécies nativas, após análise e aprovação de projeto especifico, pelo órgão estadual competente.

Artigo 3º – Para efeitos desta Resolução consideram-se loteamentos implantados aqueles que possuem infra-estrutura básica como arruamento, guia e sarjeta, luz elétrica, água encanada e/ou redes de esgotos. Loteamentos não implantados são aqueles que não possuem esse tipo de infra-estrutura e os lotes não se encontram individualizados.

TITULO II – DO ESTUDO TÉCNICO Artigo 4º – Para fins de aplicação do artigo 5º, do Decreto Federal n° 750/93, o licenciamento do corte, exploração e supressão de vegetação secundária nos estágios médio e avançado de regeneração de Mata Atlântica (ombrófila, estacional e vegetação de restinga) com vistas ao parcelamento do solo ou qualquer edificação para fins urbanos, dependerá, a partir da publicação desta Resolução, da apresentação, pelo interessado, ao órgão estadual competente, para análise, de estudo técnico especifico, que contenha, no mínimo, os seguintes itens: I – caracterização da vegetação da área e do entorno, baseada, no caso das ombrófilas e das estacionais, na Resolução Conama na 01/94, e, no caso da vegetação de restinga, na Resolução Conama n° 07/96, acompanhada de representações cartográficas e fotográficas; além dessa caracterização o estudo deverá conter informações sobre suas condições atu ais de conservação e sobre as espécies da flora ameaçadas de extinção, segundo a lista vigente. II – estudo de fauna, que deverá seguir metodologia e critérios estipulados no termo de referência regulamentado por portaria do DEPRN e que contenha informações sobre hábitos, zona e época de ocorrência, classes de freqüência, tamanho da área e zona de distribuição, uso do habitat, pressão antrópica, alterações ambientais, capacidade adaptativa, variação da III – caracterização do entorno imediato da área objeto do licenciamento, em função das eventuais intervenções já ocorridas, que aponte as pressões sobre a vegetação remanescente, IV – informações sobre a existência de mananciais de importância para o abastecimento público, de acordo com a legislação vigente, que devem ser acompanhadas de representações V – estudo sobre o potencial de erosão do solo, que deverá seguir os critérios estipulados no termo de referência regulamentado por portaria do DEPRN e que contenha informações sobre a localização, a caracterização detalhada do meio físico, dos processos erosivos e das intervenções antrópicas já existentes na área e em seu entorno, dos impactos associados e das obras a serem executadas: sistema de drenagem e proteção do solo contra a erosão;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas VI – especificação das medidas de proteção e conservação da vegetação original remanescente dentro dos limites da área objeto do licenciamento e de seu entorno imediato, com vistas à minimização dos impactos negativos ao seu processo de sucessão natural.

§ 1º – No caso da vegetação de restinga, o estudo referido neste artigo deverá também contemplar os itens propostos no artigo 10 desta Resolução.

§ 2º – O órgão estadual competente poderá exigir informações complementares não previstas neste artigo, em função de peculiaridades locais que justifiquem tal exigência.

§ 3º – No caso de ser necessária a apresentação de Relatório Ambiental Preliminar – RAP ou de Estudo de Impacto Ambiental – EIA/RIMA, este estudo deverá ser obrigatoriamente incluído § 4º – Para que o órgão estadual competente dê inicio à análise do estudo referido no artigo 1° desta Resolução, o interessado, caso pretenda implantar o empreendimento em área não efetivamente urbanizada deverá publicar (em corpo 7. ou em outro superior*) informações mínimas sobre ele, no Diário Oficial do Estado – DOE e em periódico de grande circulação no local onde pretende instalá-lo, conforme o seguinte modelo: “*(Nome da empresa-sigla), com sede na (endereço) torna público que pretende obter, junto à Secretaria do Meio Ambiente, autorização para desmatamento de (X) ha. de vegetação de Mata Atlântica em estágios médio e/ou avançado de regeneração, localizada em (rua, bairro e município), mediante a apresentação de estudo técnico, nos termos da Resolução SMA nº XXX / 97 e o Decreto Federal nº 750/93. Declara aberto o prazo de 30 (trinta) dias a partir da publicação desta nota, para manifestação, por escrito, de qualquer interessado, a qual deve ser protocolada ou enviada por carta registrada, postada no prazo acima referido e dirigida ao Departamento Estadual de Proteção do Recursos Naturais – DEPRN / SMA, rua , nº , CEP , município.” § 5º – Publicada a nota referida no parágrafo anterior, abre-se o prazo de 30 (trinta) dias para manifestação, por escrito, de qualquer interessado, a qual deverá ser protocolada ou enviada por carta registrada, postada dentro do prazo mencionado e dirigida ao DEPRN.

TITULO III DOS EMPREENDIMENTOS URBANÍSTICOS SEÇÃO I Empreendimentos novos e/ou não implantados Artigo 5º – Para o licenciamento da supressão de vegetação secundária nos estágios médio e avançado de regeneração com vistas à implantação de empreendimentos urba nísticos novos e/ou não-implantados, deverá ser exigido o estudo definido no artigo 4º desta Resolução.

§ 1º – Quando a localização for em área urbanizada, o empreendimento estará sujeito também ao disposto no artigo 6º.

§ 2º – Quando a localização for em área que não se encontra efetivamente urbanizada, ele estará sujeito também ao que estabelece o artigo 7º desta Resolução.

§ 3º – No caso de empreendimentos não-implantados em áreas efetivamente urbanizadas, a critério técnico, considerando-se a extensão, estado de conservação, viabilidade e importância ecológica, poderá o órgão estadual, fundamentadamente, exigir um estudo técnico simplificado.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas Artigo 6º – A autorização para corte, supressão ou exploração de vegetação nativa secundária de Mata Atlântica, nos estágios médio e avançado de regeneração, com vistas ao parcelamento do solo ou a qualquer edificação pana fins urbano em áreas efetivamente urbanizadas, deverá atender ao disposto no artigo 5º do Decreto Federal n° 750/93 e será fornecida mediante o atendimento das seguintes condicionantes: I – manutenção, no mínimo, de 20% de área verde coberta por vegetação original II – Temo de Compromisso firmado pelo empreendedor, junto ao órgão estadual competente, de preservar a vegetação original remanescente mencionada no item 1 deste artigo, ou, se for o caso, monitorar e promover a manutenção da recuperação mencionada no parágrafo único deste artigo, e/ou averbar, à mar gem do livro de matricula do imóvel do Cartório de Registro de Imóveis competente, da área coberta por vegetação original remanescente mencionada no item 1 deste artigo, ou, quando for o caso, da área a ser recuperada referida no parágrafo único deste artigo, devendo esses atos serem praticados pelo empreendedor antes do inicio da implantação do empreendimento.

Parágrafo único – Inexistindo condições técnicas para manutenção da vegetação original remanescente no interior da área objeto deste licenciamento, inexistência esta que deve ser inequivocamente comprovada pelas conclusões do estudo proposto nos termos do artigo 1° desta Resolução, o interessado deverá apresentar, ao órgão estadual competente, projeto de recuperação com espécies de vegetação nativa em área a ser aprovada por esse órgão e que não deve ser inferior a 20% do total do empreendimento em análise.

SEÇÃO III Das áreas não efetivamente urbanizadas Artigo 7º – A autorização para corte, supressão ou exploração de vegetação secundária de Mata Atlântica, nos estágios médio e avançado de regeneração, com vistas ao parcelamento do solo ou qualquer edificação para fins urbanos em áreas não efetivamente urbanizadas, deverá atender a disposto no artigo 5º do Decreto Federal n° 750/93 e será fornecida mediante o atendimento das seguintes condicionantes: I – manutenção de 50%, no mínimo, de área coberta por vegetação original remanescente, a II – Termo de Compromisso firmado pelo empreendedor junto ao órgão estadual competente de preservar a vegetação original remanescente prevista no item I deste artigo, ou monitorar e promover a manutenção da recuperação mencionada no parágrafo 1º deste artigo, e/ou averbar, à margem do livro de matrícula do imóvel do Cartório de Registro de Imóveis competente, a área coberta por vegetação original remanescente prevista no item I deste artigo., ou, quando for o caso, a área a ser recuperada, mencionada no § 1º deste artigo, atos estes que devem ser praticados antes do inicio da implantação do empreendimento. § 1º – Inexistindo condições técnicas para manutenção da vegetação original remanescente no interior da área objeto deste licenciamento, inexistência esta que deve ser inequivocamente comprovada pelas conclusões do estudo proposto nos termos do artigo 1° desta Resolução, o empreendedor deverá apresentar, ao órgão estadual competente, projeto de recuperação com espécies de vegetação nativa, em área a ser aprovada pelo mesmo órgão citado e que não deve ser inferior a 5O% do total do empreendimento em análise.

§ 2º – Não será autorizado o corte ou a supressão da vegetação mencionada no caput deste artigo que forme corredores entre remanescentes de vegetação primária ou em estágios médio e avançado de regeneração que abriguem fauna e/ou flora ameaçadas de extinção ou, ainda, tenham por função proteger Unidades de Conservação, nos termos do artigo 7º, do Decreto Federal n° 750/93.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas Artigo 8º – A autorização, pelo órgão estadual competente, para corte, supressão ou exploração de vegetação nativa secundária nos estágios médio e avançado de regeneração em lotes ou terrenos localizados em loteamentos implantados, quando necessária às edificações ou obras para fins urbanos, somente será dada quando em conformidade com o Plano Diretor do Município aprovado nos terrenos do § 1º do artigo 182 da Constituição Federal de l988 e demais legislações municipais de proteção ambiental e mediante o atendimento das seguintes condicionantes: I – para lotes ou terrenos com área igual ou superior a 1.000 m2, a supressão será autorizada mediante a averbação, à margem do livro de matrícula do imóvel do Cartório de Registro de Imóveis competente, de área coberta por remanescente de vegetação original, cuja extensão não poderá ser inferior a 30% da área de lote ou terreno e cujo local deve ser previamente submetido à aprovação do órgão estadual competente, obedecendo -se o disposto no artigo 3º II – Para lotes ou terrenos com área entre 500 e 1000m2, a supressão será autorizada mediante a averbação, à margem do livro de matrícula do imóvel do Cartório de Registro de Imóveis competente, de área verde cuja extensão não poderá ser inferior a 20% da área do lote ou terreno e em local a ser previamente submetido à aprovaç ão do órgão estadual competente, III – Para lotes e terrenos com área menor de 500m2. deverá ser mantida, no mínimo, uma área verde de 10% do lote.

Parágrafo único – Não havendo condição técnica para a manutenção da vegetação original remanescente da área a averbar nos limites do lote ou terreno, deverá ser efetuado o replantio com vegetação do Domínio Atlântico, mantido percentual de 20 ou 30% dependendo da extensão do lote.

SEÇÃO V Dos empreendimentos Urbanísticos não implantados ou parcialmente implantados, aprovados antes da Lei Federal 6766/79 Artigo 9º – Os empreendimentos urbanísticos aprovados antes da Lei Federal n° 6766/79 não- implantados ou parcialmente implantados estarão sujeitos ao que estabelece esta Resolução.

§ 1º – A anterioridade de aprovação do empreendimento deverá ser comprovada pelo empreendedor mediante documento oficial.

§ 2º – Com base na documentação apresentada, o órgão estadual deverá avaliar a adequação do empreendimento à legislação vigente a época da sua aprovação. § 3º – Órgão estadual competente levará em conta, quando da análise do pedido de supressão ou emissão do Atestado de Regularidade Florestal, as situações efetivas e comprovadamente consolidadas, os reflexos sócio-econômicos dai advindos, o estado atual de conservação da vegetação e a sua importância, a fim de adequar o empreendimento à legislação ambiental vigente, podendo, para isso, exigir o estudo técnico referido no artigo 4º.

§ 4º – Quando se tratar de empreendimentos urbanísticos localizados em áreas de Proteção e Mananciais da Região Metropolitana de São Paulo, implantados anteriormente à edição da Lei Estadual n°1172/76, o empreendedor deverá submetê -lo à análise do órgão estadual competente, com vistas a serem indicadas as medidas de adaptação cabíveis, bem como deverão ser observadas as determinações estabelecidas pelas demais legislações sobre mananciais pertinentes.

TITULO IV DA VEGETAÇÃO DE RESTINGA Artigo 10 – Para a supressão de vegetação de restinga nos estágios médio e avançado de regeneração, deverá ser atendida a seguinte exigência adicional:

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas I – em áreas com lençol freático com profundidade igual ou inferior a 1,5 m e cuja ocupação implique na necessidade de executarem-se aterros, valas ou outras obras de drenagem, será necessária a aprovação, pelo órgão estadual competente de estudo técnico e projeto executivo elaborado por profissional legalmente habilitado, comprovando-se que as obras pretendidas não causarão consequências danosas à vegetação, à fauna, às drenagens superficial e subterrânea e a qualidade das águas.

TITULO V DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 11 – Para implantação de empreendimentos imobiliários, a autorização para a supressão deverá ficar condicionada à existência de sis tema público de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários ou de outra solução compatível, o que deverá ser comprovado através de atestado emitido pelos órgãos estaduais competentes, sem prejuízo do licenciamento segundo as normas vigentes.

Artigo 12 – Estando a área, cuja vegetação é objeto da pretendida supressão, abrangida por zoneamentos ambientais, inclusive o costeiro, ou por espaços territoriais especialmente protegidos ou de interesse ambiental ou cultural promovidos pelo Poder Público, deverão ser obedecidas todas as disposições legais pertinentes.

Artigo 13 – A não-observância do disposto nesta Resolução sujeitará o infrator e o responsável técnico indicado na respectiva ART às sanções previstas nos artigos 14 e 15 da Lei Federal n° 6.938/81 e no Decreto Federal n° 99.274/90.

Parágrafo único – O responsável pelo empreendimento e o responsável técnico indicado na respectiva ART deverão subscrever Termo de Responsabilidade perante os órgãos licenciadores, conforme modelo anexo.

Artigo 14 – As disposições desta Resolução não excluem o atendimento à legislação ambiental e de interesse histórico e cultural e, em especial, àquela que rege o uso e o parcelamento do solo urbano, sejam leis federais, estaduais ou municipais.

Artigo 15 – Os Municípios localizados em área de ocorrência de Mata Atlântica deverão fomentar, em suas áreas urbanas, a arborização de ruas e demais logradouros públicos, prioritariamente com espécies nativas e adequadas à manutenção e melhoria da qualidade de vida, visando atingir o estabelecimento, no mínimo, de 8m2 de área verde por habitante.

Artigo 16 – A autorização para supressão de vegetação ficará condicionada a aprovação do empreendimento junto aos órgãos licenciadores competentes.

Artigo 17 – A não observância do disposto nesta Resolução, sujeitará o infrator às sanções previstas pela Lei Federal n° 6938/81 e Decreto Federal n° 99274/90.

Artigo 18 – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário.”

STELAGOLDENSTEIN Secretária Adjunta do Meio Ambiente Presidente do Consema em Exercício

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas SERGIPE RESOLUÇÃO CONAMA Nº 34/94 7 de dezembro de 1994

O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de Agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto 99.274, de 6 de Junho de 1990, alterado pelo Decreto 1.205, de 1 de Agosto de 1994 e seu Anexo I, tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e Considerando a necessidade de se definir vegetação primária e secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica em cumprimento ao Disposto no artigo 6º do Decreto 750, de 10 de Fevereiro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos de licenciamento de atividades florestais no Estado de Sergipe, RESOLVE: Artigo 1º – Vegetação primária é aquela de máxima expressão local, com grande diversidade biológica, sendo os efeitos das ações antrópicas mínimos, a ponto de não afetar significativamente suas características originais de estrutura e espécies.

Artigo 2º – Vegetação secundária ou em regeneração é aquela resultante dos processos naturais de sucessão total ou parcial da vegetação primária por ações antrópicas ou causas naturais, podendo ocorrer árvores remanescentes da vegetação pr imária.

Artigo 3º – Os estágios em regeneração da vegetação secundária a que se refere o artigo 6º do Decreto 750/93, passam a ser assim definidos: I – Estágio inicial de regeneração: a) – fisionomia herbáceo/arbustiva de porte baixo, com cobertura vegetal variando de fechada b) – Espécies lenhosas com distribuição diamétrica de pequena amplitude com DAP médio inferior a 4,00 cm e altura média de até 4,00 m: c) – epífitas, se existentes, são representadas principalmente por líquens, briófitas e e) – serapilheira, quando presente, pode ser contínua ou não, formando uma camada fina f) – baixa diversidade biológica com poucas espécies arbóreas ou arborescentes, podendo i) – A florística está representada em maior frequência por: Psidium spp (murta); Myrcia sp (araçá); Myciaria sp (cambuí); Lantaba spp (alecrim); Solanun spp (jurubeba-braba); Vismia sp (latre); Cordianodosa (grão-de-galo); Cecropia sp (umbaúba); Micopnia spp (folha-de- fogo); Vernonia sp (candela).

II – Estágio médio de regeneração: a) – fisionomia arbórea e/ou arbustiva, predominando sobre a herbácea, com ocorrência de b) – cobertura arbórea, variando de aberta a fechada, com a ocorrência eventual de c) – distribuição diamétrica apresentando amplitude moderada com predomínio dos pequenos diâmetros, DAP médio entre 4,00 a 14,00 cm e altura média de até 12,00 m; d) – epífitas aparecendo com maior número de indivíduos e espécies em relação ao estágio f) – serapilheira pode apresentar variações de espessura de acordo com as estações do ano g) – diversidade biológica significativa;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Resoluções Conama de abrangência estadual e deliberações dos Consemas i) – A florística está representada em maior frequência por: Sclerolobium densiflorum (ingá porca); Casearia quianens is (camarão); Byrsonima serícea (murici); Cupania revolta (cambota); Apeíba tibourbou (pau-de-jangada); Viertex sp (maria-preta); Guaruma umlifolia (umbigo-de-caçador); Cordia tricholoma (freijó-da-folha-larga).

III – Estágio avançado de regeneração: a) – fisionomia arbórea dominante sobre as demais, formando dossel fechado e relativamente b) – espécies emergentes ocorrendo com diferentes graus de intensidade; d) – distribuição diamétrica de grande amplitude: com DAP médio acima de 14,00 cm e altura e) – epífitas, presentes em grande número de espécies e com grande abundância, j) – florestas neste estágio podem apresentar fisionomia semelhante à vegetação primária; m) – dependendo da formação florestal, pode haver espécies dominantes; n) – a florística está representada em maior frequência: Tabeluia spp (pau-d’arco); Manilkara salzmanni (maçaranduba); Lecythis sp (sapucaia); Ingá spp (ingá); Oc otea (louro); Sclerolobium densiflorum (ingá porca); Protium .(amescia); Bowdichia viroiliodes (sucupira), Xilopia brasiliensis (pindaíba); Cedrella sp (cedro); Astroniua fraxinifolium (gonçalo-alves); Tapirira quianensis (pau-pombo).

Artigo 4º – A caracteriza ção dos estágios de regeneração da vegetação definidos no artigo 3º desta Resolução não é aplicável a restingas e manguezais.

Artigo 5º – Os parâmetros de altura média e DAP médio definidos nesta Resolução, executando-se manguezais e restingas, estão válidos para todas as demais formações florestais existentes no território do Estado de Sergipe previstas no Decreto 750/93, os demais parâmetros podem apresentar diferenciações em função das condições de relevo, clima e solos locais, e do histórico do uso da terra.

Artigo 6º – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

HENRIQUE BRANDÃO CAVALCANTI Presidente do CONAMA ROBERTO SÉRGIO STUDART WIEMER Secretário-Executivo Substituto

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

Projeto de Lei nº 3.285, de 1992 (Dep. Fabio Feldmann) Substitutivo do Dep. Paulo Bornhausen, aprovado na Comissão de Minas e Energia, em outubro de 1997.

Dê-se ao Projeto de Lei No 3.285/92 a seguinte redação: Dispõe sobre a utilização e a proteção da Mata Atlântica

O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A utilização e a proteção da Mata Atlântica, tendo em vista o disposto nos artigos 182, 186 e 225 da Constituição Federal, far-s e-ão de acordo com o que dispõe a presente Lei, obedecidas a Lei 4.771, de 15 de Setembro de 1965, com as alterações promovidas pela Lei nº 7.803, de 18 de julho de 1989, e a legislação dos Estados.

Art. 2º Para os efeitos desta Lei, considera-se Mata Atlântica as formações florestais e ecossistemas associados inseridos no domínio Mata Atlântica, com as respectivas delimitações estabelecidas pelo Mapa de Vegetação do Brasil, IBGE 1993, que inclui: Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Estacional Decidual; manguezais, restingas e campos de altitude associados; brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste.

Art. 3o A utilização e a proteção da Mata Atlântica far-se-ão dentro de condições que assegurem: I – a manutenção e a recuperação da vegetação de Mata Atlântica e sua biodiversidade;

II – o estímulo ao desenvolvimento de pesquisas, a difusão de tecnologias de manejo sustentável da vegetação de Mata Atlântica e a formação de uma consciência pública sobre a necessidade de recuperação e manutenção do ecossistema;

III – o fomento de atividades públicas e privadas compatíveis com a manutenção do equilíbrio ecológico;

IV – o controle da ocupação agrícola e urbana, de forma a harmonizar o desenvolvimento econômico-social com a manutenção do equilíbrio ecológico.

Art. 4º São proibidos o corte, a supressão e a exploração da vegetação primária da Mata Atlântica.

§ 1º Excetuam-se do disposto no “caput” deste artigo o corte e a supressão de vegetação primária da Mata Atlântica, em caráter excepcional, quando necessários à realização de obras, projetos ou atividades declarados oficialmente de utilidade pública.

§ 2º O corte e a supressão previstos no parágrafo anterior dependerão: a) da realização, a critério do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA, de estudo impacto ambiental, sem prejuízo do disposto na legislação para obras, projetos ou atividades de significativo impacto ambiental;

b) de prévio licenciamento pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA;

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

c) de prévia aprovação, devidamente motivada, do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA.

Art. 5º São proibidos o corte e a supressão da vegetação secundária nos estágios avançado e médio de regeneração da Mata Atlântica.

§ 1º Excetuam-se do disposto neste artigo, ressalvado o disposto no art 9º, o corte e a supressão: a) da vegetação secundária em estágio avançado de regeneração, em caráter excepcional, quando necessários à execução de obras, atividades ou projetos declarados oficialmente de utilidade pública;

b) da vegetação secundária em estágio médio de regeneração, em caráter excepcional, quando necessários à execução de obras, atividades ou projetos declarados oficialmente de utilidade pública ou de interesse social;

c) da vegetação secundária em estágio médio de regeneração, quando necessários ao desenvolvimento, pelo pequeno produtor rural, de atividades imprescindíveis à sua subsistência e de sua família, ressalvadas as áreas de preservação permanente e de reserva legal, estabelecidas na Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, e modificações posteriores.

§ 2º Para os efeitos desta Lei, considera-se pequeno produtor rural aquele que, residindo na zona rural, detenha a posse de uma única gleba rural não superior a 40 hectares, explorando-a mediante o trabalho pessoal e o de sua família, admitida a ajuda eventual de terceiros, bem como as populações tradicionais com posse coletiva de terra, e cuja renda bruta seja proveniente da atividade agropecuária ou do extrativismo rural em 80% (oitenta por cento) no mínimo.

§ 3º O corte e a supressão da vegetação, nas hipóteses previstas nas alíneas “a” e “b” do § 1º deste artigo, dependerão: a) de prévia autorização, devidamente motivada, do órgão estadual competente, integrante do SISNAMA, e do IBAMA, em caráter supletivo, informando-se ao CONAMA;

b) da realização, a critério do Conselho Estadual do Meio Ambiente, de estudo de impacto ambiental, sem prejuízo do disposto na legislação para obras de significativo impacto ambiental.

§ 4º O corte e a supressão da vegetação, na hipótese prevista na alínea “c” do § 1º deste artigo, dependerá de licença prévia, devidamente motivada, do órgão estadual competente, integrante do SISNAMA e da averbação em cartório da área de reserva legal estabelecida na Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, e modificações posteriores.

§ 5º Os estudos e levantamentos necessários à averbação da reserva legal pelo pequeno produtor rural, para efeito no disposto no parágrafo anterior, poderão ser realizados ou custeados pelo Poder Público.

Art. 6º O corte eventual de vegetação primária ou de vegetação secundária em estágio avançado ou médio de regeneração da Mata Atlântica, necessário ao desenvolvimento de práticas conservacionistas, será regulamentado pelo CONAMA.

Art. 7º É proibido, nas regiões metropolitanas e áreas urbanas, assim consideradas em Lei, o parcelamento do solo para fins de loteamento ou qualquer edificação em área de vegetação primária ou de vegetação secundária no estágio avançado de regeneração da Mata Atlântica.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

Art. 8º Nas regiões metropolitanas e áreas urbanas, assim consideradas em Lei, o parcelamento do solo para fins de loteamento ou qualquer edificação em área de vegetação secundária no estágio médio de regeneração da Mata Atlântica, devem obedecer o disposto no plano diretor do município e nas demais legislações correlatas, e dependerão de prévia autorização do órgão estadual competente, integrante do SISNAMA, ressalvado o disposto no art. 9º.

Art. 9º São proibidos o corte e a supressão da vegetação ou o parcelamento do solo, nas hipóteses previstas no art. 4º, § 1º, no art. 5o, § 1o ,alíneas “a”, “b” e “c” e no art. 8º, se a vegetação: I – abrigar espécie da flora e da fauna silvestres ameaçadas de extinção, no território nacional ou em âmbito estadual, assim declaradas pela União ou pelos Estados e a supressão ou parcelamento puserem em risco a sobrevivência dessas espécies;

III – formar corredores entre remanescentes de vegetação primária ou de vegetação secundária no estágio avançado de regeneração da Mata Atlântica;

IV – proteger o entorno das unidades de conservação; ou Parágrafo único. Verificada a ocorrência do previsto no inciso I deste artigo, os órgãos integrantes do SISNAMA adotarão as medidas necessárias para proteger as espécies da flora e da fauna silvestres ameaçadas de extinção.

Art. 10º É permitida a exploração seletiva de espécies da flora nativa em área de vegetação secundária nos estágios médio ou avançado de regeneração da Mata Atlântica, obedecidas as seguintes condições: I – a exploração deve ser feita de forma sustentável, de acordo com projeto técnica e cientificamente fundamentado;

II – devem ser asseguradas as condições necessárias para a reprodução e a sobrevivência da espécie explorada;

IV – é proibido o corte de espécies distintas das autorizadas, por meio de práticas de roçadas, bosqueamento e similares;

V – a exploração não pode prejudicar o fluxo gênico e o trânsito de animais da fauna silvestre entre remanescentes de vegetação primária ou secundária;

§ 1º As diretrizes e critérios para os projetos de que trata o inciso I deste artigo serão propostos pelo órgão estadual competente integrante do SISNAMA e aprovados pelo CONAMA § 2o As atividades de que trata este artigo dependem de autorização do órgão estadual competente e, em caráter supletivo, do IBAMA.

§ 3º O Poder Público fomentará o manejo sustentável da Araucária (Araucaria angustifolia), da Caixeta (Tabebuia cassinoides), do Palmito (Euterpes edulis) e de outras espécies de significativa importância econômica.

§ 4º A exploração de espécies da flora nativa comprovadamente plantadas em terra de pequeno produtor rural, conforme definição do § o desta Lei, será autorizada 2º do art. 5

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

mediante procedimentos simplificados, regulamentados pelos conselhos estaduais de meio ambiente, informando-se ao CONAMA.

Art. 11o A exploração eventual, sem propósito comercial direto ou indireto, de espécies da flora nativa, para consumo nas propriedades ou posses das populações tradicionais, ou dos pequenos produtores rurais, conforme definição do § 2º do art. 5o desta Lei, independe de autorização dos órgãos competentes e demais exigências previstas no art. 10o.

Parágrafo único. Os órgãos competentes, sem prejuízo do disposto no “caput” deste artigo, deverão assistir às populações tradicionais e os pequenos produtores no manejo e exploração sustentável das espécies da flora nativa.

Art. 12. O Poder Público fomentará o enriquecimento da vegetação secundária nos estágios inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica, através de técnicas de manejo sustentado, bem como o plantio e o reflorestamento com espécies nativas da Mata Atlântica.

Parágrafo único. As técnicas e métodos de manejo e enriquecimento de que tratam este artigo serão estabelecidos pelo órgão estadual competente, integrante do SISNAMA, e pelo IBAMA, em caráter supletivo, e aprovados pelo CONAMA.

Art. 13 – Os órgãos integrantes do SISNAMA adotarão, normas e procedimentos especiais para assegurar ao pequeno produtor e às comunidades tradicionais, nos pedidos de autorização e licença de que trata esta Lei: a) acesso fácil à autoridade administrativa, em local próximo ao seu lugar de moradia;

Art. 14. A vegetação primária ou a vegetação secundária em qualquer estágio de regeneração da Mata Atlântica não perderão esta classificação nos casos de incêndio, desmatamento ou qualquer outro tipo de intervenção não autorizada ou licenciada a partir da vigência desta Lei.

Art. 15. O corte, a supressão e a exploração da vegetação secundária em estágio inicial de regeneração da Mata Atlântica serão regulamentados por ato do IBAMA, ouvidos os órgãos estaduais competentes, integrantes do SISNAMA, e o Conselho Estadual do Meio Ambiente respectivo, informando-se ao CONAMA.

Parágrafo único. O corte e a supressão de que trata este artigo, nos Estados em que a vegetação remanescente da Mata Atlântica for inferior a cinco por cento da área original, obedecerão ao que estabelece o artigo 4° desta Lei.

Art. 16 A definição de vegetação primária e de vegetação secundária nos estágios avançado, médio e inicial de regeneração da Mata Atlântica é de iniciativa do IBAMA, ouvidos os órgãos estaduais competentes, integrantes do SISNAMA, e aprovadas pelo CONAMA.

Parágrafo único. Qualquer intervenção na vegetação primária ou secundária nos estágios avançado e médio de regeneração somente poderá ocorrer após atendido o disposto neste artigo.

Art. 17. Não são passíveis de licenciamento novos empreendimentos, obras ou atividades que impliquem no corte ou supressão de vegetação de Mata Atlântica, nos termos previstos nos artigos 4o e 5o desta Lei, quando for comprovada, em estudo de impacto ambiental, a existência de alternativa locacional em área já degradada.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

Art. 18. A conservação, em imóvel rural ou urbano, da vegetação primária e da vegetação secundária em qualquer estágio de regeneração da Mata Atlântica, tem uma função social.

Art. 19. As áreas de vegetação primária e de vegetação secundária nos estágios avançado e médio de regeneração da Mata Atlântica são consideradas área não aproveitável para fins de aplicação do Imposto Territorial Rural – ITR.

Parágrafo único. O Poder Executivo regulamentará, no prazo de 120 dias a partir da publicação desta Lei, os procedimentos necessários à aplicação do disposto no caput deste artigo.

Art. 20. O não cumprimento do disposto nesta Lei sujeitará o infrator a penas administrativas, civis e penais, conforme as leis vigentes dispondo sobre condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, sem prejuízo da obrigação de reparar os danos causados.

Art. 21. O corte ou a supressão não autorizados, nos termos desta Lei, da vegetação primária da Mata Atlântica, sujeitará o infrator à pena de reclusão de um a quatro anos e multa.

Art. 22. A exploração não autorizada, nos termos desta Lei, da vegetação primária da Mata Atlântica, com finalidade comercial, sujeitará o infrator à pena de detenção de seis meses a dois anos e multa.

Parágrafo único. Se a exploração for feita sem finalidade comercial, a pena será de dois a seis meses de detenção e multa.

Art. 23. O corte ou a supressão não autorizado, nos termos desta Lei, da vegetação secundaria no estagio avançado de regeneração da Mata Atlântica, sujeitará o infrator à pena de detenção de seis meses a dois anos e multa.

Art. 24. A exploração não autorizada, nos termos desta Lei, da vegetação secundaria no estagio avançado de regeneração da Mata Atlântica, com finalidade comercial, sujeitará o infrator à pena de detenção de três meses a um ano e multa.

Art. 25. O corte ou a supressão não autorizado, nos termos desta Lei, da vegetação secundaria no estagio médio de regeneração da Mata Atlântica, sujeitará o infrator à pena de detenção de três meses a um ano e multa.

Art. 26. A exploração não autorizada, nos termos desta Lei, da vegetação secundaria no estagio médio de regeneração da Mata Atlântica, com finalidade comercial, sujeitará o infrator à pena de detenção de um a seis meses e multa.

Art. 27. Nas hipóteses previstas nos artigos 21, 23, 24, 25 e 26 desta Lei, se houver reconhecimento judicial de que o ato tenha sido praticado por pequeno produtor rural ou integrante de comunidade tradicional, com o propósito de desenvolver atividades imprescindíveis à sua subsistência e de sua família, excluir -s e-á de criminalidade.

Parágrafo único. No caso de reincidência do ato, a pena restritiva de liberdade será convertida em restritiva de direitos e multa, a critério do juiz.

Art. 28. É vedado, às instituições financeiras oficiais, a concessão, à pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, financiamento destinado à realização de obras, empreendimentos e atividades localizadas na região de que trata o art. 2o, que não estejam em conformidade com as disposições desta Lei.

Art. 29. O servidor público que conceder licença ou autorização para o corte, supressão ou exploração de vegetação da Mata Atlântica em desacordo com o estabelecido nesta Lei sujeitar -s e-á a pena de detenção de um a três anos, e multa.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

Art. 30. Quem, de qualquer forma, concorre para a pratica dos crimes previstos nesta Lei, incide nas penas a estas cominadas, na medida da sua culpabilidade, bem como o diretor, o controlador, o administrador, o membro de conselho e de órgão técnico, o auditor, o gerente, o preposto ou o mandatário de pessoa jurídica que: a) sabendo da conduta criminosa de outrem, deixar de impedir a sua prática, quando podia agir para evitá-la;

b) deixar de informar e orientar, de forma expressa, pessoa sob sua autoridade, subordinação ou supervisão, sobre as normas e restrições ao uso da Mata Atlântica estabelecidas nesta Lei.

Art. 31. A autoridade competente, ao aplicar as sanções penais, observará: I – a gravidade do fato, tendo em vista os motivos da infração e suas conseqüências para a conservação da Mata Atlântica.

Art. 32. As penas privativas de liberdade estabelecidas nesta lei poderão ser substituídas por penas restritivas de direitos quando: I – o réu não for reincidente nos crimes contra o meio ambiente;

II – a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do condenado, bem como os motivos e as circunstancias do crime indicarem que a substituição é suficiente para efeitos de reprovação e prevenção do crime.

Art. 33. aos órgãos integrantes do SISNAMA, dentre outras atribuições previstas nesta e nas demais leis, compete: a) – fiscalizar as atividades e projetos existentes na Mata Atlântica;

c) – informar imediatamente ao Ministério Público, para a adoção das providências cíveis e penais cabíveis;

d) – representar junto ao conselho profissional competente aonde estiver inscrito o responsável técnico por projeto conduzido com infração ao disposto nesta Lei, para apuração de sua responsabilidade, consoante a legislação específica.

Art. 34. Os órgãos integrantes do SISNAMA adotarão as providências necessárias para o rigoroso e fiel cumprimento desta Lei, e estimularão estudos técnicos e científicos visando a conservação e o manejo racional da Mata Atlântica e sua biodiversidade.

Art. 35. Esta lei será regulamentada, no que couber, no prazo de 120 (cento e vinte) dias.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

Projeto de Lei nº 285, de 1999 (Dep. Jacques Wagner) Substitutivo do Dep. Luciano Pizzatto, aprovado na Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias, em novembro de 1999.

SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 285 / 1999 Regulamenta o parágrafo 4º, do artigo 225, da Constituição Federal, estabelecendo normas e critérios para a conservação, proteção e utilização dos Ecossistemas Atlânticos, patrimônio nacional, e dá outras providências.

O Congresso Nacional decreta: TÍTULO I DAS DEFINIÇÕES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DOS ECOSSISTEMAS ATLÂNTICOS Art. 1º. A conservação, proteção e a utilização dos Ecossistemas Atlânticos, patrimônio nacional, observarão o que estabelece a presente Lei, respeitados os artigos 170, inciso VI, 182, 186, inciso II, e 225 da Constituição Federal, bem como o disposto na Lei nº 4.771, de 15 de Setembro de 1965, com as alterações promovidas pela Lei nº 7.803, de 18 de julho de 1989, na Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, na Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1.981 e na Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998.

CAPÍTULO I DASDEFINIÇÕES Art. 2º. Para os efeitos desta Lei, consideram-se Ecossistemas Atlânticos a vegetação nativa da Mata Atlântica e ecossistemas associados, da Serra do Mar e da Zona Costeira, com as seguintes delimitações estabelecidas pelo Mapa de Vegetação do Brasil, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, de 1993: a totalidade das florestas Ombrófila Densa, Ombrófila Mista, também denominada de Mata de Araucárias, Ombrófila Aberta, Estacional Semidecidual e Estacional Decidual, localizadas nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí, as Florestas Estacionais Semideciduais e Deciduais do Estado de Mato Grosso do Sul localizadas nos vales dos rios da margem direita do Rio Paraná e Serra da Bodoquena e do Estado de Goiás localizadas nas margens do Rio Paranaíba, bem como os manguezais, as vegetações de restingas, de dunas e de cordões arenosos, as ilhas litorâneas e os demais ecossistemas associados às formações an teriormente descritas conforme segue: I – os encraves de savanas, também denominados de cerrados, compreendidos II – os encraves de estepes, também denominados de campos, compreendidos III – os encraves de campos de altitude, compreendidos no interior das IV – as matas de topo de morro e de encostas do Nordeste, também V – as formações vegetais nativas dos Arquipélagos de Fernando de Noronha e VI – as áreas de tensão ecológica, também denominadas de contatos, entre os tipos de vegetação descritos nas alíneas anteriores.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

I – pequeno produtor rural: aquele que, residindo na zona rural, detenha a posse de gleba rural não superior a cinqüenta hectares, explorando-a mediante o trabalho pessoal e de sua família, admitida a ajuda eventual de terceiros, bem como as posses coletivas de terra considerando-se a fração individual não superior a cinqüenta hectares, cuja renda bruta seja proveniente da atividade agrosilvopastoril ou do extrativismo rural em oitenta por II – população tradicional: população vivendo em estreita relação com o ambiente natural, dependendo de seus recursos naturais para a sua reprodução sociocultural, III – pousio: prática que prevê a interrupção do uso agrosilvopastoril do solo por um ou mais anos para possibilitar a recuperação de sua fertilidade, em período que a IV – prática preservacionista: atividade técnica e cientificamente fundamentada, imprescindível à proteção da integridade da vegetação nativa, tais como controle de fogo, V – exploração sustentável: exploração do ambiente de maneira a garantir a perenidade dos recursos ambientais renováveis e dos processos ecológicos, mantendo a biodiversidade e os demais atributos ecológicos, de forma socialmente justa e economicamente VI – enriquecimento ecológico: atividade técnica e cientificamente fundamentada, que vise a recuperação da diversidade biológica em áreas de vegetação nativa, através da reintrodução de espécies nativas.

Art. 4 º . A definição de vegetação primária e de vegetação secundária nos estágios avançado, médio e inicial de regeneração dos Ecossistemas Atlânticos, nas hipóteses de vegetação nativa localizada, será de iniciativa do IBAMA, ouvidos os órgãos estaduais § 1º. Qualquer intervenção na vegetação primária ou secundária nos estágios avançado e médio de regeneração somente poderá ocorrer após atendido o disposto neste § 2 º . Na definição referida no caput deste artigo, serão observados os seguintes parâmetros básicos: IX – espécies vegetais indicadoras.

Art. 5º. A vegetação primária ou a vegetação secundária em qualquer estágio de regeneração dos Ecossistemas Atlânticos não perderão esta classificação nos casos de incêndio, desmatamento ou qualquer outro tipo de intervenção não autorizada ou não licenciada.

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DO REGIME JURÍDICO DOS ECOSSISTEMAS ATLÂNTICOS Art. 6º. A proteção e a utilização dos Ecossistemas Atlânticos têm por objetivo geral o desenvolvimento sustentável e, por objetivos específicos, a salvaguarda da biodiversidade, da saúde humana, dos valores paisagísticos, estéticos e turísticos, do regime Parágrafo único – Na proteção e na utilização dos Ecossistemas Atlânticos serão observados os princípios da função socioambiental da propriedade, da eqüidade intergeracional, da prevenção, da precaução, do usuário-pagador, da transparência das informações e atos, da gestão democrática, da celeridade procedimental e da gratuidade dos serviços administrativos prestados ao pequeno produtor rural e às populações tradicionais.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

Art. 7º. A proteção e a utilização dos Ecossistemas Atlânticos far-s e-ão dentro de condições que assegurem: I – a manutenção e a recuperação da biodiversidade, vegetação, fauna e regime hídrico dos Ecossistemas Atlânticos para as presentes e futuras gerações; II – o estímulo à pesquisa, à difusã o de tecnologias de manejo sustentável da vegetação e à formação de uma consciência pública sobre a necessidade de recuperação e III – o fomento de atividades públicas e privadas compatíveis com a IV – o disciplinamento da ocupação agrícola e urbana, de forma a harmonizar o crescimento econômico com a manutenção do equilíbrio ecológico.

TÍTULO II DO REGIME JURÍDICO GERAL DOS ECOSSISTEMAS ATLÂNTICOS Art. 8º . O corte, a supressão e a exploração da vegetação dos Ecossistemas Atlânticos far -s e-ão de maneira diferenciada, conforme se trate de vegetação primária ou secundária, nesta levando-se em conta o seu estágio de regeneração.

Art. 9º . A exploração eventual, sem propósito comercial direto ou indireto, de espécies da flora nativa, para consumo nas propriedades rurais ou posse das populações tradicionais ou dos pequenos produtores rurais, independe de autorização dos órgãos Parágrafo único – Os órgãos competentes, sem prejuízo do disposto no caput deste artigo, deverão assistir às populações tradicionais e os pequenos produtores no manejo e exploração sustentáveis das espécies da flora nativa.

Art. 10. O Poder Público fomentará o enriquecimento ecológico da vegetação dos Ecossistemas Atlânticos, bem como o plantio e o reflorestamento com espécies nativas, em especial as iniciativas voluntárias de proprietários rurais, sem prejuízo da obrigação de § 1º. Nos casos em que o enriquecimento ecológico exigir a supressão de espécies nativas, que gerem produtos ou subprodutos comercializáveis, será exigida a autorização pelo órgão estadual competente, ou pelo Ibama em caráter supletivo, mediante § 2º. Visando controlar oefeito de borda, nas áreas de entorno de fragmentos de vegetação nativa, o Poder Público fomentará o plantio de espécies florestais, nativas ou exóticas.

Art. 11. O corte e a supressão da vegetação ou o parcelamento do solo dos Ecossistemas Atlânticos previstos nesta Lei, ficam vedados, dentre outros casos, quando: I – a vegetação: a) abrigar espécies da flora e da fauna silvestres ameaçadas de extinção, no território nacional ou em âmbito estadual, assim declaradas pela União ou pelos Estados, e a intervenção ou o parcelamento puserem em risco a sobrevivência dessas espécies; b) exercer a função de proteção de mananciais ou de prevenção e controle de c) formar corredores entre remanescentes de vegetação primária ou d) proteger o entorno das unidades de conservação; ou, II – o proprietário ou posseiro não cumprir os dispositivos da legislação ambiental, em especial as exigências da Lei nº 4.771, de 15 de Setembro de 1965, no que respeita às Áreas de Preservação Permanente e à Reserva Legal.

Parágrafo deste artigo, os órgãos proteger as espécies da

Dossiê Mata Atlântica 2001 único. Verificada a ocorrência do previsto na alínea a, do inciso I integrantes do SISNAMA adotarão as medidas necessárias para flora e da fauna silvestres ameaçadas de extinção, caso existam

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

fatores que o exijam, ou fomentarão e apoiarão as ações e os proprietários de áreas que estejam mantendo ou sustentando a sobrevivência destas espécies.

Art. 12. Novos empreendimentos que impliquem o corte ou supressão de vegetação dos Ecossistemas Atlânticos deverão ser implantados em áreas já substancialmente alteradas ou degradadas.

Art. 13. Os órgãos integrantes do SISNAMA adotarão normas e procedimentos especiais para assegurar ao pequeno produtor e às populações tradicionais, nos pedidos de autorização de que trata esta Lei: I – acesso fácil à autoridade administrativa, em local próximo ao seu lugar de II – procedimentos gratuitos, céleres e simplificados, compatíveis com o seu III – análise e julgamento prioritários dos pedidos.

Art. 14. Para fins ambientais, na hipótese de vegetação primária ou secundária em estágio avançado de regeneração, a declaração de utilidade pública ou interesse social é de competência do CONAMA, por proposta do órgão estadual integrante do SISNAMA, após a anuência do IBAMA. No caso de vegetação secundária em estágio médio de regeneração, a § 1 º . Na proposta de declaração de utilidade pública, o órgão proponente, dentre outros requisitos, indicará, de forma detalhada, a alta relevância da atividade ou intervenção para a segurança nacional, proteção sanitária e obras de infra-estrutura de interesse nacional, indicando, ainda a inexistência de alternativa técnica e locacional § 2º. Na proposta de declaração de interesse social, o órgão proponente, dentre outros requisitos, indicará, de forma detalhada, a inexistência de alternativa técnica e locacional e a alta relevância da atividade ou intervenção para a construção de casas populares, para a implantação de projetos de comprovada importância social e econômica, ou para o aproveitamento de recursos minerários que, no contexto nacional, sejam preciosos ou estratégicos.

Art. 15. Na hipótese de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, o órgão competente exigirá a elaboração de Estudo Prévio de Impacto Ambiental, ao qual se dará publicidade, assegurada a participação pública.

Art. 16. Na regulamentação desta lei, deverão ser adotadas normas e procedimentos especiais, simplificados e céleres, para os casos de reutilização das áreas agrícolas submetidas ao pousio.

Art. 17. O corte ou supres são de vegetação dos Ecossistemas Atlânticos, autorizados por esta Lei, ficam condicionados à compensação ambiental, na forma de destinação de área equivalente à extensão da área desmatada, com as mesmas características ecológicas, na mesma bacia hidrográfica, sempre que possível na mesma micro-bacia § 1º Não sendo possível a compensação ambiental prevista no caput deste artigo, será exigida a reposição florestal, com espécies nativas, em área equivalente à desmatada, na mesma bacia hidrográfica, sempre que possível na mesma micro-bacia § 2º A compensação ambiental a que se refere este artigo não se aplica aos casos previstos no artigo 23, inciso III, ou de corte ou supressão ilegais.

Art. 18. Nos Ecossistemas Atlânticos, é livre a coleta de subprodutos florestais tais como frutos, folhas ou sementes, bem como as atividades de uso indireto, desde que não coloquem em risco as espécies da fauna e flora, observando-se as limitações legais especificas e em particular as relativas à biossegurança.

Art. 19. O corte eventual de vegetação primária ou secundária nos estágios médio e avançado de regeneração dos Ecossistemas Atlânticos, para fins de práticas

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

preservacionistas, será regulamentado pelo CONAMA e autorizado pelo órgão estadual integrante do SISNAMA.

TÍTULO III DO REGIME JURÍDICO ESPECIAL DOS ECOSSISTEMAS ATLÂNTICOS CAPÍTULO I DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO PRIMÁRIA Art. 20. O corte e a supressão da vegetação primária dos Ecossistemas Atlânticos somente serão autorizados em caráte r excepcional, quando necessários à realização de obras, projetos ou atividades de utilidade pública, pesquisas científicas e práticas preservacionistas.

Parágrafo único. O corte e a supressão, no caso de utilidade pública, dependerão de autorização do órgão estadual competente integrante do SISNAMA, mediante aprovação de Estudo Prévio de Impacto Ambiental, anuência prévia do IBAMA, e decisão devidamente motivada do CONAMA, na forma da regulamentação desta Lei.

CAPÍTULO II DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO AVANÇADO DE REGENERAÇÃO Art. 21. O corte, a supressão e a exploração da vegetação secundária no estágio avançado de regeneração dos Ecossistemas Atlânticos somente serão autorizados: I – em caráter excepcional, quando necessários à exec ução de obras, atividades ou projetos de utilidade pública, pesquisa científica e práticas preservacionistas; II – para a exploração seletiva de espécies da flora, conforme disposto no artigo 27 desta Lei.

Art. 22. O corte e a supressão previsto no artigo 21, inciso I, no caso de utilidade pública, dependerão de autorização motivada do órgão estadual competente, integrante do SISNAMA, anuência prévia do IBAMA, informando-se o CONAMA, na forma da regulamentação desta Lei, sem prejuízo da exigibilidade de Es tudo Prévio de Impacto Parágrafo único – Ao IBAMA compete, em caráter supletivo, expedir a autorização referida no caput deste artigo, informando-se ao CONAMA.

CAPÍTULO III DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO MÉDIO DE REGENERAÇÃO Art. 23. O corte, a supressão e a exploração da vegetação secundária em estágio médio de regeneração dos Ecossistemas Atlânticos somente serão autorizados: I – em caráter excepcional, quando necessários à execução de obras, atividades ou projetos de utilidade pública ou de interesse social, pesquisa científica e práticas II – para a exploração seletiva de espécies da flora, conforme disposto no artigo III – quando necessários ao pequeno produtor rural e populações tradicionais para o exercício de atividades agrosilvopastoris imprescindíveis à sua subsistência e de sua família, ressalvadas as áreas de preservação permanente e, quando for o caso, após averbação da reserva legal, nos termos da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965.

Art. 24. O corte e a supressão da vegetação em estágio médio de regeneração, de que trata o Art. 23, inciso I, nos casos de utilidade pública ou interesse social, dependerão de autorização motivada do órgão estadual integrante do SISNAMA, após § 1º. Compete ao IBAMA, em caráter supletivo, expedir a autorização referida no caput deste artigo, informando-se ao CONAMA.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

§ 2º.Na hipótese do inciso III do artigo 23, a autorização é de competência do órgão estadual integrante do SISNAMA, informando-se ao IBAMA, na forma da regulamentação desta Lei.

CAPÍTULO IV DA PROTEÇÃO DA VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIO INICIAL DE REGENERAÇÃO Art. 25. O corte, a supressão e a exploração da vegetação secundária em estágio inicial de regeneração dos Ecossistemas Atlânticos serão regulamentados por ato do Conselho Estadual do Meio Ambiente, informando-se ao CONAMA.

Parágrafo único. O corte, a supressão e a exploração de que trata este artigo, nos Estados em que a vegetação primária e secundária remanescente de Ecossistemas Atlânticos for inferior a cinco por cento da área original, submeter -s e-ão ao regime jurídico aplicável à vegetação secundária em estágio médio de regeneração.

Art. 26. Será admitida a prática agrícola do pousio, nos Estados da Federação onde tal procedimento é utilizado tradicionalmente.

CAPÍTULO V DA EXPLORAÇÃO SELETIVA DE VEGETAÇÃO SECUNDÁRIA EM ESTÁGIOS AVANÇADO E MÉDIO DE REGENERAÇÃO Art. 27. É permitida a exploração seletiva de espécies da flora nativa em área de vegetação secundária nos estágios inicial, médio ou avançado de regeneração dos Ecossistemas Atlânticos, obedecidos, dentre outros, os seguintes pressupostos: I – exploração sustentável, de acordo com projeto técnica e cientificamente II – manutenção das condições necessárias para a reprodução e a III – adoção de medidas para a minimização dos impactos ambientais, inclusive,senecessário,naspráticasderoçadas,bosqueamentoseinfra-estrutura. V – exploração não-prejudicial ao fluxo gênico e ao trânsito de animais da fauna VI – coerência entre o prazo previsto para a exploração e o ciclo biológico das VII – apresentação de relatórios anuais de execução pelo responsável técnico; VIII – realização de auditorias independentes, com periodicidade compatível § 1º As diretrizes e critérios gerais para os projetos de que trata o inciso I deste artigo serão propostos pelo órgão estadual competente integrante do SISNAMA e aprovados § 2º A elaboração e execução dos projetos de que trata o inciso I deste artigo, observado o disposto nesta Lei, seguirá as especificações definidas pelo responsável técnico, que será co-responsável, nos termos da legislação em vigor, pelo seu fiel cumprimento. § 3º O Poder Público fomentará o manejo sustentável de espécies da flora de significativa importância econômica, garantindo-se a perenidade das mesmas. § 4º As atividades de que trata este artigo dependem de autorização do órgão estadual competente integrante do SISNAMA e, em caráter supletivo, do IBAMA. § 5º. O corte e a exploração de espécies nativas comprovadamente plantadas, ressalvadas as vinculadas à reposição florestal e recomposição de áreas de preservação permanentes, serão autorizados pelo órgão estadual competente integrante do SISNAMA mediante procedimento simplificado a ser regulamentado pelo Conselho Estadual de Meio § 6º Na hipótese do parágrafo anterior, é livre o corte, transporte, utilização ou industrialização quando destinados ao consumo, sem finalidade econômica direta ou indireta, dentro da mesma propriedade rural.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

§ 7º Ao término de cada período de exploração devidamente aprovado e executado nos termos previstos nesta Lei, fica assegurado o direito de continuidade no período subsequente, mediante apresentação de novo projeto previsto no inciso I deste artigo . § 8º O manejo de espécies arbóreas pioneiras nativas em fragmentos florestais em estágio médio de regeneração, em que sua presença for superior a 60% em relação às demais espécies, será autorizado pelo órgão estadual competente, integrante do SISNAMA, mediante normas simplificadas estabelecidas pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente.

Art. 28. No caso de exploração seletiva de espécies vulneráveis, ainda que sob a forma de manejo sustentável, o CONAMA poderá determinar a realização de estudos que comprovem a sustentabilidade ecológica e econômica da atividade e a manutenção da § 1º Os termos de referência para a realização do estudo de que trata o caput deste artigo serão definidos pelo CONAMA, ouvidos o Ibama e os órgãos estaduais competentes integrantes do SISNAMA dos estados que abriguem as espécies.

§ 2º A autorização para exploração de espécies vulneráveis, de que trata este artigo será de competência do Ibama, informando-se ao CONAMA.

CAPÍTULO VI DA PROTEÇÃO DOS ECOSSISTEMAS ATLÂNTICOS NAS ÁREAS URBANAS E REGIÕES METROPOLITANAS Art. 29. É proibido, nas regiões metropolitanas e áreas urbanas, assim consideradas em Lei, o parcelamento do solo para fins de loteamento ou qualquer edificação em área coberta por vegetação primária ou secundária no estágio avançado de regeneração de Ecossistemas Atlânticos.

Art 30. Nas regiões metropolitanas e áreas urbanas, assim consideradas em Lei, o parcelamento do solo para fins de loteamento ou qualquer edificação, em área de vegetação secundária no estágio médio de regeneração de Ecossistemas Atlânticos, devem obedecer o disposto no Plano Diretor do município e demais legislações ambientais aplicáveis, e dependerão de prévia autorização do órgão estadual competente integrante do SISNAMA, ressalvado o disposto nos arts. 11 e 12.

TÍTULO IV DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS Art. 31. O Poder Público, sem prejuízo das obrigações dos proprietários e posseiros estabelecidas na legislação ambiental, estimulará, com incentivos econômicos, a § 1 º . Na regulamentação dos incentivos econômicos ambientais, serão observados, dentre outros, as seguintes características da área beneficiada: I – a importância e representatividade ambientais do ecossistema e da gleba; § 2º. Os incentivos de que trata esta Seção não excluem ou reduzem outros benefícios, abatimentos e deduções em vigor, em especial as doaç ões a entidades de utilidade pública efetuadas por pessoas físicas ou jurídicas.

Art. 32. As infrações aos dispositivos que regem os benefícios econômicos ambientais, sem prejuízo das sanções penais e administrativas cabíveis, sujeitarão os responsáveis à multa civil de três vezes o valor, atualizado, recebido ou do imposto devido em relação a cada exercício financeiro, além das penalidades e demais acréscimos previstos na legislação fiscal.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

§ 1º. Para os efeitos deste artigo, considera-se solidariamente responsável por inadimplência ou irregularidade a pessoa física ou jurídica doadora ou propositora do projeto ou § 2º.A existência de pendências ou irregularidades na execução de projetos do proponente junto ao IBAMA suspenderá a análise ou concessão de novos incentivos, até a efetiva regularização.

Art. 33. A conservação, em imóvel rural ou urbano, da vegetação primária ou da vegetação secundária em qualquer estágio de regeneração dos Ecossistemas Atlânticos cumpre função social e é de interesse público.

CAPÍTULO I DO FUNDO DE RESTAURAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS ATLÂNTICOS Art. 34. Fica instituído o Fundo de Restauração dos Ecossistemas Atlânticos, destinado ao financiamento de projetos de restauração ambiental.

§1º O Fundo de Restauração dos Ecossistemas Atlântico será administrado por um Comitê Executivo composto por treze membros, a saber: III – um representante do Ministério da Agricultura e do Abastecimento; VI – três representantes de organizações não governamentais que atuem na VIII – um representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores na X– um representante da Associação dos Órgãos Estaduais do Meio Ambiente XI – um representante de populações tradicionais;

§2º A participação no comitê é considerada de relevante interesse público e não será remunerada.

§3º O funcionamento do comitê e as atribuições dos membros, bem como as diretrizes de aplicações dos recursos financeiros serão estabelecidos, respectivamente, no regimento interno e em pano operativo anual, os quais deverão ser aprovados em reunião plenária do conselho especifica para estes fins, por deliberação de maioria absoluta dos seus membros.

Art. 35.Constituirão recursos do Fundo que trata o art. 34 desta Lei : II – recursos resultantes de doações, contribuições em dinheiro, valores, bens móveis e imóveis, que venha a receber de pessoas físicas e jurídicas, nacionais ou III – rendimentos de qualquer natureza, que venha a auferir como remuneração IV – outros, previstos em lei.

Parágrafo único. As pessoas físicas ou jurídicas que fizerem doações ao Fundo de Restauração dos Ecossistemas Atlânticos gozarão dos benefícios da Lei n. 7.505, de 2 de julho de 1986, conforme se dispuser em regulamento.

Art. 36. Serão beneficiários dos financiamentos objeto do Fundo de que trata esta Lei os proprietários rurais que tenham interesse na restauração da vegetação de Ecossistemas Atlânticos, especialmente das áreas consideradas de preservação permanente, reserva legal e RPPN.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

Parágrafo único. As Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, qualificadas de acordo com a Lei 9.790, de 23 de março de 1999, poderão elaborar e executar em parceria com os beneficiários, projetos e ações voltadas à restauração dos Ecossistemas Atlânticos.

CAPÍTULO II DA SERVIDÃO AMBIENTAL Art. 37. O proprietário de imóvel com cobertura vegetal típica de Ecossistema Atlântico poderá, por contrato ou ato de última vontade, constituir servidão ambiental, renunciando a direitos sobre o corte, a supressão e a exploração de que seja titular.

Parágrafo único. Na constituição de servidão ambiental, o proprietário amplia a proteção da flora da área serviente, reclassificando-a, voluntariamente, e aceitando elevar o grau das restrições legais aplicáveis, tomando por base os regimes jurídicos previstos nesta Lei para os vários estágios de sucessão dos Ecossistemas Atlânticos (vegetação secundária em estágio inicial médio ou avançado de regeneração e vegetação primária).

Art. 38. A servidão ambiental poderá ser gratuita ou onerosa, temporária ou § 2º. Se temporária, a servidão ambiental não poderá ser constituída por prazo § 3 º .É livre ao titular da servidão ambiental aliená-la ou transferi-la a outrem.

Art. 39. A servidão ambiental poderá incidir sobre qualquer espaço protegido como Ecossistema Atlântico, inclusive a Reserva Legal, desde que averbada, excluídas as Áreas de Preservação Permanente.

Art. 40. A servidão ambiental deverá ser averbada na transcrição ou matrícula § 1º. Após a averbação e durante a sua duração, se temporária, a servidão ambiental torna-se indivisível, vedado, a qualquer título, seu cancelamento, mesmo judicial, ou § 2º. No caso de partilha, a servidão ambiental subsiste e continua a gravar cada uma das parcelas servientes, salvo se, por força da divisão do imóvel, sua área de abrangência não afetar todas elas.

Art. 41. O proprietário do imóvel serviente, dentre outras obrigações, deverá: I – cuidar e manter a flora, fauna e recursos hídricos da propriedade serviente, II – fazer relatório anual simplificado ao titular da servidão e ao órgão ambiental III – permitir ao titular da servidão, pelo menos uma vez ao ano, inspecionar a Parágrafo único – Na hipótese de servidão ambiental tributária, o relatório previsto no inciso II, do caput deste artigo, também será enviado ao IBAMA, ao Departamento da Receita Federal, do Ministério da Fazenda, e ao Ministério Público, ou aos orgãos equivalentes no estado quando for o caso, utilizando formulário aprovado pelo CONAMA.

CAPÍTULO III DOS INCENTIVOS TRIBUTÁRIOS SEÇÃO I DA NÃO INCIDÊNCIA DE IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE TERRITORIAL RURAL Art. 42. Não incidirá Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural – ITR sobre as área de vegetação primária e de vegetação secundária nos estágios avançado e médio de regeneração de Ecossistemas Atlânticos.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

SEÇÃO II DA DEDUÇÃO DE IMPOSTO SOBRE A RENDA DE DOADOR AMBIENTAL Art. 43. A pessoa física ou jurídica poderá aplicar parcelas do Imposto sobre a Renda – IR na constituição de áreas conservadas e em projetos específicos de melhoria ambiental.

Parágrafo único – As condições, critérios e mecanismos de controle do benefício tributário previsto neste artigo serão disciplinados, sob pena de responsabilidade, em noventa dias, por Resolução do CONAMA, após anuência do Departamento da Receita Federal, do Mi nistério da Fazenda.

Art. 44. Os contribuintes poderão deduzir do imposto de renda devido apenas as quantias efetivamente despendidas em projetos de preservação ou conservação dos Ecossistemas Atlânticos, desde que previamente aprovados pelo IBAMA, em especial na constituição de Servidão Ambiental, Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN ou conservação de espécies listadas pelo CONAMA como prioritárias para serem protegidas .

Parágrafo único – A aprovação somente terá eficácia após publicação de ato oficial contendo o título do projeto analisado, a identificação do proprietário ou posseiro, a instituição ou pessoa por ele responsável, a denominação e localização da propriedade, as características da flora e fauna, o valor autorizado e o prazo de va lidade da autorização.

Art. 45. O IBAMA publicará anualmente, até 28 de fevereiro, o montante dos recursos autorizados pelo Ministério da Fazenda para a renúncia fiscal no exercício anterior, devidamente discriminados por beneficiário.

Parágrafo único – Nas mesmas condições do caput deste artigo, o IBAMA publicará lista com os projetos em andamento, o grau de cumprimento dos termos avençados, indicando, ademais, aqueles que tenham sido cancelados, suspensos ou inabilitados.

Art. 46. Para a aprovação dos projetos será observado o princípio da não- concentração geográfica e por beneficiário, a ser aferido pelo montante de recursos, pela quantidade de projetos, pela respectiva capacidade executiva e pela disponibilidade do valor absoluto anual de renúncia fi scal.

Parágrafo único. O princípio da não-concentração geográfica e por beneficiário poderá ser afastado quando as várias propriedades ou posses formarem um conjunto que, por razões ambientais, deva ser beneficiado na sua totalidade.

Art. 47. Os projetos aprovados serão, durante sua execução, acompanhados e avaliados pelo IBAMA ou por quem receber a delegação destas atribuições, sem prejuízo da fiscalização por parte do titular da Servidão Ambiental, quando for o caso, do Departamento da § 1º. O IBAMA, após o término da execução dos projetos previstos neste artigo, deverá, no prazo de seis meses, fazer uma avaliação final da aplicação dos recursos concedidos, podendo inabilitar seus responsáveis por irregularidades pelo prazo de cinco a dez § 2º. Da decisão a que se refere o parágrafo anterior, caberá recurso ao Art. 48. As transferências de recursos definidas nesta seção não estão sujeitas ao recolhimento do Imposto sobre a Renda na fonte.

Art. 49. O doador ambiental poderá deduzir do imposto devido na declaração do Imposto sobre a Renda os valores efetivamente contribuídos em favor da proteção dos Ecossistemas Atlânticos aprovados de acordo com os dispositivos desta Seção, tendo como base os seguintes percentuais: I – no caso das pessoas físicas, até noventa por cento dos valores devidos; II – no caso das pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real, até sessenta por cento dos valores devidos.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

§ 1º. A pessoa jurídica tributada com base no lucro real poderá abater as § 2º. O valor máximo das deduções de que trata o caput deste artigo será fixado anualmente pelo Presidente da República, com base em um percentual da renda tributável das pessoas físicas e do imposto devido por pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real.

Art. 50. A doação não poderá se efetuada a pessoa ou instituição vinculada ao doador.

Parágrafo único. Consideram-se vinculados ao doador ou titular da servidão ambiental: I – a pessoa jurídica da qual o doador ambiental seja titular, administrador, gerente, acionista ou sócio, na data da operação, ou nos vinte e quatro meses anteriores; II – o cônjuge, os parentes até o terceiro grau, inclusive os afins, e os dependentes do doador ambiental ou dos titulares, administradores, acionistas ou sócios de pessoa jurídica vinculada ao doador ou beneficiário da servidão ambiental, nos termos da III – outra pessoa jurídica da qual o doador ambiental seja sócio.

Art. 51. Nenhuma aplicação dos recursos previstos nesta Lei poderá ser feita através de qualquer tipo de intermediação.

Parágrafo único. A contratação, com remuneração razoável, de serviços necessários à elaboração de projetos para a obtenção de doação ou constituição de servidão ambiental, bem como a captação de recursos ou a sua execução por pessoa jurídica de natureza ambiental, qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, de acordo com a Lei 9.790, de 23 de março de 1999, não configura a intermediação referida neste CAPÍTULO IV DOS INCENTIVOS CREDITÍCIOS Art. 52. O proprietário ou posseiro que tenha vegetação primária ou secundária em estágios avançado e médio de regeneração de Ecossistemas Atlânticos receberá das instituições financeiras benefícios creditícios, entre os quais: I – prioridade na concessão de crédito agrícola, para os pequenos produtores II – prazo diferenciado para pagamento dos débitos agrícolas, nunca inferior a III – juros inferiores aos cobrados, com desconto que será, no mínimo, de 25% Parágrafo único – Os critérios, condições e mecanismos de controle dos benefícios referidos neste artigo serão definidos, anualmente, sob pena de responsabilidade, pelo CONAMA, após anuência do Departamento da Receita Federal, do Ministério da Fazenda.

CAPÍTULO V DO SELO AMBIENTAL PARA PRODUTOS OU SERVIÇOS PROCEDENTES DOS ECOSSISTEMAS ATLÂNTICOS Art. 53. O CONAMA, em noventa dias, promulgará Resolução instituindo o Selo Verde dos Ecossistemas Atlânticos, destinado a certificar a procedência e o respeito à legislação ambiental de produtos ou serviços procedentes ou fornecidos nas regiões incluídas na definição do art. 2 o desta Lei, em especial para os de origem florestal .

Parágrafo único – O produto agrosilvopastorial oriundo de área que não utilize cobertura florestal nativa, situado em região de Ecossistema Atlântico, receberá, caso o produtor desejar, do órgão estadual integrante do SISNAMA , ou supletivamente pelo IBAMA, certificado de origem, declarando que seu produto não afeta ou prejudica diretamente vegetação dos Ecossistemas Atlânticos.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

CAPITULO VI DASFAZENDASFLORESTAIS Art. 54 – A propriedade rural que possuir cobertura florestal nativa primária ou nos estágios médio e avançado de regeneração de Ecossistema Atlântico em percentual superior a 50% (cinquenta porcento) de sua área total, poderá ser declarada “Fazenda Florestal”, por solicitação de seu proprietário, através de ato do órgão estadual competente, integrante do SISNAMA, ou supletivamente pelo IBAMA , observando-se ainda: I – prioridade nas ações de incentivos econômicos, tributário, crediticio, fomento, estimulo fiscal, recebimento do Selo Verde dos Ecossistemas Atlânticos e outros benefícios, bem como suas solicitações legais junto aos órgãos competentes . II – para manutenção da categoria de Fazenda Florestal a propriedade deverá ser avaliada pelo menos a cada cinco anos por vistoria orientativa do órgão estadual competente, integrante do SISNAMA , ou através de auditoria independente que encaminhará a cada dois anos relatório ao órgão competente , com análise da existência do percentual mínimo de cobertura florestal, observância da legislação ambiental e prática de atividades conservacionistas .

TÍTULO V DAS INFRAÇÕES PENAIS E ADMINISTRATIVAS Art. 55. As condutas das pessoas físicas e jurídicas que violarem o disposto nesta Lei serão punidas na forma dos artigos seguintes, sem prejuízo do dever de reparar os danos causados, independentemente de existência de culpa, e das sanções administrativas, civis e criminais previstas no Código Penal, na Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1.998 e demais normas especiais.

Art. 56. Dificultar ou negar a autoridade tributária ou o agente financeiro, sem justa causa, a concessão ao proprietário ou possuidor dos benefícios econômicos assegurados § 1 º . Se o crime é culposo, detenção, de seis meses a um ano, e multa. § 2º. Nas mesmas penas incorre o servidor público que deixa de informar, imediatamente, ao Ministério Público violação de deveres ambientais previstos na legislação ambiental, em especial aqueles relacionados ao direito a benefícios tributários e creditícios.

Art. 57. Receber o doador ou titular de servidão ambiental qualquer vantagem financeira ou material em decorrência de operação de caráter tributário ou creditício destinada Pena – Reclusão, de um a dois anos, e multa.

Art. 58. Descumprir o proprietário ou posseiro, na forma do projeto ou negócio jurídico pactuado, suas obrigações ambientais, desviar ou deixar de aplicar os recursos Pena – Reclusão, de dois a quatro anos, e multa.

Parágrafo único- Se o crime é culposo: Art. 59. Sonegar, dificultar ou omitir informação visando obter benefício tributário ou creditício ambiental, bem como selo verde ou qualquer outra modalidade de certificação, ou prestá-la de forma falsa, incorreta, dúbia ou enganosa. Pena – Detenção de dois a quatro anos, e multa.

Parágrafo único- Se o crime é culposo: Pena – Detenção, de um a dois anos, e multa Art. 60. Estendem-se aos auditores ambientais, aos responsáveis técnicos de projetos e aos integrantes de equipe multidisciplinar de avaliação de impactos ambientais,

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Projetos de Lei de P roteção da Mata Atlântica

naquilo que couber, as penalidades previstas pela legislação penal e de improbidade administrativa aplicáveis aos funcionários públicos.

TÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 61. Os órgãos integrantes do SISNAMA adotarão as providências necessárias para o rigoroso e fiel cumprimento desta Lei, e estimularão estudos técnicos e científicos visando a conservação e o manejo racional dos Ecossistemas Atlânticos e de sua biodiversidade.

Art. 62. Para os efeitos do Art. 3o, inciso I, somente serão consideradas as propriedades rurais com área de até cinquenta hectares, registradas em cartório até o dia 31 de dezembro de 1999.

Art. 63. Esta Lei será regulamentada, no que couber, no prazo de cento e vinte dias.

Art. 64. Acrescente-se à Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1.981, o seguinte dispositivo, renumerando-se os seguintes: “Art. 20. Aplicam -se a esta Lei, no que for cabível, os dispositivos da Lei dos Ecossistemas Atlânticos”.

Art. 65. Revogam -se as disposições em contrário, em particular aquelas constantes do Decreto nº 750, de 10 de fevereiro de 1.993 Parágrafo único – Ficam convalidadas as obrigações decorrentes da aplicação do Decreto n. 750, de 10 de fevereiro de 1.993.

TRAJETÓRIA DAS PROPOSTAS DE ATLÂNTICA NO CONGRESSO NACIONAL* Agosto de 1992 O Deputado Renato Vianna (PMDB-SC) apresenta sobre a utilização e a proteção da Mata Atlântica.

Setembro de 1992 Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Trajetória das propostas de regulamentação

REGULAMENTAÇÃO DA MATA o Projeto de Lei nº 3.144/92, dispondo

O Deputado Fábio Feldmann (PSDB-SP) apresenta o Projeto de Lei nº 3.285/92, dispondo sobre a utilização e a proteção da Mata Atlântica.

A proposição do Dep. Fábio Feldmann tirou proveito do trabalho do CONAMA de redação de uma minuta de Decreto para substituir o polêmico Decreto nº 99.547/90 (e que resultou no atual Decreto 750/93). O autor revela que sua proposição foi elaborada “a partir de uma proposta conjunta com a Fundação SOS Mata Atlântica e a versão da Minuta de Decreto aprovada em reunião do CONAMA em 21/05/92″.

Janeiro de 1993 Fevereiro de 1993 O PL 3.144/92, principal, e o PL 3.285/92, apensado, são despachados para a Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias – CDCMAM, única Comissão de Mérito indicada para se pronunciar sobre a matéria, e encaminhados à relatora, Deputada Rita Camata.

Fevereiro de 1995 Com o término da Legislatura 1991-1994, os PLs 3.144/92 e 3.285/92 são arquivados. Os PLs permaneceram dois anos na CDCMAM sem serem apreciados.

Por solicitação do Dep. Fábio Feldmann, reeleito para a legislatura 1995-1999, o PL 3.285/92 é desarquivado, e passa a ser o principal. O PL 3.144/92 é arquivado definitivamente.

O Deputado Hugo Biehl (PPB-SC) apresenta o Projeto de Lei nº 69/95, que “considera Mata Atlântica as formações florestais integrantes da região fitoecológica da Floresta Ombrófila Densa”.

Março de 1995 O PL 3.285/92 é novamente encaminhado à CDCMAM a ao novo relator, Deputado Wilson Branco.

Junho de 1995 O Dep. Rivaldo Macari (PMDB-SC) apresenta o Projeto de Lei nº 635/95, que “conceitua Mata Atlântica para fins de regulamentação do (…) art. 225 da Constituição Federal”. O objetivo da proposta é excluir da definição de Mata Atlântica a Floresta Ombrófila Mista, vale dizer, as Matas de Araucárias.

* Maurício Mercadante. Engenheiro florestal, com Mestrado em Ecologia e Consultor Parlamentar da Câmara dos deputados

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Trajetória das propostas de regulamentação

Agosto de 1995 Depois de aguerrido embate político, o PL 3.285 é aprovado na CDCMAM, com emendas, nos termos do parecer do relator, Dep. Wilson Branco. Os PLs 69/95 e 635/95 são rejeitados. Os defensores da Mata Atlântica foram liderados pelo Dep. Fábio Feldmann e contaram com o apoio fundamental do Dep. Sarney Filho (PFL-MA), então presidente da Comissão, que articulou a aprovação do Projeto, mesmo contrariando a orientação do seu partido. Os representantes dos madeireiros e ruralistas foram liderados pelo Dep. Paulo Bornhausen (PFL – SC) que, inclusive, não era membro da CDCMAM.

Setembro de 1995 Aprovado na CDCMAM, o PL 3.285/92 deveria ser encaminhado à Comissão de Con stituição e Justiça e Redação – CCJR. Mas, derrotado na CDCMAM, o Dep. Paulo Bornhausen, junto com o Dep. José Carlos Aleluia (PFL-BA), conseguiu aprovar junto à Mesa da Câmara dos Deputados requerimento concedendo à Comissão de Minas e Energia – CME, oportunidade para se manifestar sobre o Projeto, com base no “consistente” argumento de que ele teria implicações sobre a produção de lenha e carvão na região da Mata Atlântica. O Dep. Paulo Bornhausen foi indicado relator na CME.

Outubro de 1997 Depois de segurar a tramitação do Projeto por dois anos, o Dep. Paulo Bornhausen, pressionado, entrega seu parecer à CME, pela aprovação do PL 3.285/92 e rejeição dos apensados, na forma de um Substitutivo. A intenção inicial do Deputado era, no mínimo, excluir as Ma tas de Araucária da definição de Mata Atlântica, como está registrado no seu parecer, onde afirma o equívoco da conceituação do bioma do Decreto 750/93 “em relação aos seus limites geográficos e composição florística”. Diante da forte repercussão negativa junto à opinião pública, com direito, inclusive, a troféu “moto -serra”, o relator manteve a definição ampla de Mata Atlântica mas, em contrapartida, facilitou a exploração madeireira e a supressão da vegetação. O Substitutivo do Dep. Bornhausen, entre outras medidas: a) autoriza a exploração da vegetação primária e secundária em estágio avançado e médio de regeneração mediante plano de manejo florestal e o corte de indivíduos de Araucária com DAP superior a 40cm; b) atribui a competência para autorizar a supressão da Mata Atlântica, em área rural, ao Estado e, em área urbana, a um conselho municipal; c) atribui aos Estados a competência para definir os limites das áreas de preservação permanente, na área rural, e aos Municípios, em área urbana, mediante os Planos Diretores e leis de uso do solo.

O Deputado Luciano Zica (PT-SP) requer à Mesa da Câmara dos Deputados que o parecer do Dep. Paulo Bornhausen seja considerado não escrito, com base no argumento de que o Deputado só poderia se manifestar sobre os as pectos de competência da Comissão de Minas e Energia e que justificaram a aprovação do requerimento concedendo à Comissão oportunidade para se manifestar sobre a matéria. O Dep. Luciano Zica, na ausência do Dep. Fábio Feldmann, mesmo sem militância anterior na área ambiental, abraça a causa e passa a liderar a batalha pelo PL 3.285/92.

A CME aprova o Substitutivo Antônio Feijão, Octavio Elísio, separado do Dep. Luciano Zica.

Novembro de 1997 É aprovado, a requerimento PT/PDT/PCdoB, e de líderes 3.285/92.

do Dep. Paulo Bornhausen, contra os votos dos Deputados Airton Dipp, Fernando Ferro e Walter Pinheiro e um voto em

do Dep. Luciano Zica, na qualidade de Líder do Bloco de outros blocos e partidos, solicitando urgência para o PL

O Presidente da Câmara dos Deputados, respondendo ao requerimento do Dep. Luciano Zica, devolve o PL 3.285/92 à CME para que o parecer da Comissão seja reformulado. Cria -se, assim, a condições para uma renegociação do PL 3.285/92. Depois de longas e cansativas negociações chega-se a uma proposta consensual.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Trajetória das propostas de regulamentação

Dezembro de 1997 Costurado o acordo político em torno do PL 3.285/92, o Projeto entra na ordem do dia para votação em Plenário em regime de urgência. Na última hora, porém, os ambientalistas, ainda descontentes e inseguros quanto as conseqüências ambientais de determinados dispositivos e com a interferência direta do Dep. Fábio Feldmann entendem mais prudente adiar a votação para uma avaliação mais cuidadosa. O projeto é retirado da pauta.

Junho de 1998 Indeferido requerimento do Dep. Odelmo Leão, solicitando a inclusão da Comissão de Agricultura e Política Rural – CAPR entre as Comissões elencadas para proferir parecer de mérito sobre a matéria, tendo em vista tratar-se de matéria alheia à competência da Comisssão.

Fevereiro de 1999 Finda a legislatura 1995-1998, o PL 3.285/92 é arquivado. Com base na proposta negociada no final de 1997, preparei uma nova proposta e propus ao Deputado Jaques Wagner (PT-BA) sua apresentação. O Deputado, depois de consultar o Deputado Fábio Feldmann e confirmar o arquivamento do PL 3.285/92 decidiu apresentar a nova proposta, que recebeu o nº 285/99.

A mesa da Câmara dos Deputados revê as regras sobre desarquivamento de Projetos de Lei e o PL 3.285/92 é desarquivado, graças aos projetos a ele apensados. Pela regra anterior, nos casos previstos no Regimento Interno, o arquivamento definitivo de um projeto principal, em função da não reeleição do seu autor, impunha o arquivamento dos projetos apensados, mesmo em caso de reeleição dos autores destes. Pela regra atual, apoiada em uma reinterpretação do Regimento Interno, o autor de projeto apensado, uma vez reeleito, pode pedir o seu desarquivamento e, deferido o pedido, o principal também é desarquivado, mesmo que o seu autor não tenha sido reconduzido ao parlamento.

Abril de 1999 Junho de 1999 Indeferimento pela Mesa da Câmara dos Deputados o requerimento da CAPR solicitando a inclusão da Comissão no rol daquelas indicadas para proferir parecer de mérito sobre o PL 285/92. Segunda tentativa frustrada dos ruralistas de levar a discussão para a CAPR com o objetivo de reduzir os limites e as salvaguardas à conservação da Mata Atlântica.

Agosto de 1999 A CME, acompanhando o parecer do Deputado Eliseu Resende, declara-se incompetente para se pronunciar sobre o mérito do PL 3.285/92.

Dezembro de 1999 Depois de alguns meses de debate, negociação e pressão da sociedade civil, o PL 285/99 é aprovado pela CDCMAM, na forma do substitutivo proposto pelo relator, Dep. Luciano Pizzatto. Embora questionando sempre a “cientificidade” do conceito amplo de Mata Atlântica, em particular a inclusão das Matas de Araucárias, o Deputado Luciano Pizzatto manteve os limites propostos no PL 285/99.

Capítulo II -Legislação de Proteção da Mata Atlântica Trajetória das propostas de regulamentação

Abril de 2000 Maio de 2000 A CME é considerada pela Mesa da Câmara dos Deputados incompetente para apreciar o mérito do PL 3.285/92.

Janeiro de 2001 O PL 3.285/92 e o PL 285/99 estão na Comissão de Constituição e Justiça e Redação – CCJR aguardando o parecer do relator, Deputado Fernando Coruja (PDT-SC). Se forem aprovados na CCJR irão a votação em Plenário.

Capítulo III – Documentos de referência MINISTÉRIODOMEIOAMBIENTEDOSRECURSOSHÍDRICOSEDAAMAZÔNIA LEGAL SECRETARIA DE FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS E NORMAS AMBIENTAIS

DIRETRIZES PARA A POLÍTICA DE CONSERVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA MATA ATLÂNTICA

Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

GRUPO DE TRABALHO PARA ELABORAÇÃO DAS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE CONSERVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA MATA ATLÂNTICA Pelo Governo: Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal – MMA Secretaria de Formulação de Políticas e Normas Ambientais – SFP Coordenação Geral: Raimundo Deusdará Filho Hélio dos Santos Pereira Sávio José Jacimara Guerra Fani Mamede Romilda Resende Moreira Secretaria de Implementação de Políticas Ambientais – SIP Marília Marreco Magna Salomão José Machado Ivan Dantas Secretaria Executiva do MMA – SECEX Valéria Rodrigues Secretaria da Amazônia Legal Fredmar Corrêa Secretaria de Recursos Hidrícos – SRH Hidely Grassi Hebert Cardoso Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA Miguel Von Behr (DITAN) Paulo César Ramos (DIREN) Ministério da Agricultura e Abastecimento Ricardo Villela, Luis Novaes de Almeida, Mauricio Carvalho de Oliveira Ministério do Planejamento e Orçamento – MPO Vera Ribeiro Ministério dos Transportes – M T Silvio Barbosa Ministério das Minas e Energia – M M E Nida Coimbra, Carlos Frederico Menezes Pelas Organizações Não Governamentais Reserva da Biosfera da Mata Atlântica José Pedro/Kleyton Fernandes Rede de ONG’s da Mata Atlântica João Paulo Capobianco, Renato Pêgas Paes da Cunha, Maria das Dores de V.C., Melo Mário Mantovani, Wigold B. Schäffer, Miriam Prochnow, Kathia Vasconcellos Monteiro, Rubens Born e Luis Sociedade Brasileira de Silvicultura Rubens Galipp Instituto Brasileiro de Certificação Ambiental e Agricultura – IMAFLORA Virgílio Vianna Associação Brasileira de Entidades de Meio Ambiente – ABEMA Irismar Mendes

Capítulo III – Documentos de referência SUMÁRIO Este documento é o produto de grupo de trabalho multidisciplinar composto por entidades de governo e não governamentais e apresenta a evolução dos instrumentos de gestão dos recursos naturais, estabelecendo os princípios e objetivos que norteiam as Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica.

Adotou-se como metodologia a consulta a diversos estudos, legislação e diagnósticos já elaborados sobre o Bioma e as recomendações oriundas de eventos nacionais de natureza social e ambiental, reforçadas pelos debates no grupo interministerial criado para examinar a matéria.

No documento consta um fluxograma do processo de formulação da Política que demonstra a interelação entre as diretrizes, instrumentos de implementação e as ações a serem desenvolvidas no Plano de Ações.

Capítulo III – Documentos de referência APRESENTAÇÃO O objetivo do presente trabalho é atender aos anseios da sociedade e do governo quanto à necessidade de se estabelecer uma Política que contenha as diretrizes e as linhas de atuação para Mata Atlântica.

O tema Mata Atlântica sempre esteve no centro das discussões do processo de desenvolvimento e meio ambiente do País. A dimensão e a importância desse bioma, para a população brasileira, reflete- se na intensidade dos debates sobre a necessidade de sua proteção.

Na Mata Atlântica, por ser um dos mais importantes biomas brasileiros em termos de composição biológica e estrutura de ocupação, as referências sempre estão relacionadas à necessidade de se impedir a continuação do processo de degradação e recuperar áreas relevantes para o seu equilíbrio. O reflexo do debate ambiental alcança os temas sociais e econômicos que envolvem as questões do uso e da conservação.

O estágio atual de degradação desse bioma preocupa toda a sociedade brasileira, uma que vez que 70% do Produto Interno Bruto do País é gerado a partir da influência econômica e social da área ocupada pela Mata Atlântica.

O processo de formulação das Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica resultou do desenvolvimento de etapas amplamente participativas que envolveram estudos iniciais e sugestões de vários segmentos. A proposta final foi submetida à Câmara Técnica de Mata Atlântica do Conselho Nacional de Meio Ambiente – CONAMA que, posteriormente, após aprovação, encaminhou-a para análise do plenário.

A Política foi definida tendo como referencial o marco conceitual contido na Constituição Federal de 1988, que define a Mata Atlântica como área de Patrimônio Nacional cuja preservação deverá ser feita por todos e com uso condicionado a medidas que garantam sua sustentabilidade.

Após um trabalho de consultas e debates, o Ministério do Meio Ambiente -MMA/Secretaria de Formulação de Políticas – SFP, juntamente com outros ministérios, formulou um conjunto de diretrizes que compõem a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica.

Os elementos e instrumentos estratégicos que compõem essa política buscam compatibilizar as necessidades da sociedade e dos segmentos de governo envolvidos na implementação de instrumentos que garantam a proteção da Mata Atlântica.

O conjunto de instrumentos definidos deve influir sobre as decisões futuras e servir como orientação das ações a serem implementadas na Mata Atlântica.

A estratégia política desenhada parte da premissa que a Mata Atlântica encontra-se atualmente em um estágio grave de degradação, e que as soluções requerem ações imediatas e integradas cujo processo de implementação demanda capacidade de interlocução e busca da valorização dos mecanismos de participação.

Para o delineamento da lógica de uso e conservação desse bioma, as diretrizes devem observar o conceito de equilíbrio dinâmico entre as ações de proteção e as de desenvolvimento, de maneira a garantir a efetiva sustentabilidade dos remanescentes, conter a expansão das populações urbanas sobre áreas naturais, aumentar o número de unidades de conservação e promover a recuperação das áreas degradadas e estimular a criação de corredores ecológicos por meio do reflorestamento e da recomposição da cobertura vegetal. Todos esses fatores visam contribuir para a melhoria da qualidade de vida das populações da Mata Atlântica. No aspecto do equilíbrio entre o uso e a conservação deverá ser garantida a continuidade do desenvolvimento com base na valorização do capital natural e do social.

A Política estabelece linhas programáticas que possam, ao longo do tempo, delinear ações integradas baseadas nos princípios fundamentais de uso múltiplo e gestão participativa, especialmente na valorização dos aspectos sociais. Portanto, entende-se que a gestão participativa, através dos comitês de gestão que envolvem Unidades de Conservacão – UC’s, bacias hidrográficas e o gerenciamento

Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

costeiro, possam servir como elementos focais para implementação das ações e dinamizar as decisões no âmbito dos estados e municípios.

Como estratégia para implementação das diretrizes considerou-se que a elaboração das políticas integradas para a Mata Atlântica deve basear-se no pressuposto de que a interlocução das questões ambientais e das setoriais deve estar respaldada pelo interesse e envolvimento dos diversos segmentos da sociedade. No âmbito do governo, a viabilização das ações será a consulta prévia aos diversos atores, respeitando as decisões dos fóruns de interlocução.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

DIRETRIZES PARA A POLÍTICA DE CONSERVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA MATA ATLÂNTICA

Sumário Apresentação I – Introdução II – Contexto III – Marco Referencial IV – Conceitos Domínio da Mata Atlântica Bioma Ecossistema Vegetação Remanescente Reserva da Biosfera Patrimônio Nacional Ecossistemas associados V – Evolução dos Instrumentos Legais VI – Princípios VII – Objetivo VIII – Estratégia IX – Diretrizes e Linhas Programáticas Proteção da diversidade biológica Desenvolvimento sustentável Recuperação de áreas degradadas Compatibilização das políticas setoriais X – Instrumentos de Implementação Gestão, controle e monitoramento Instrumentos Legais, Tributários e Financeiros Pesquisa dos recursos naturais Educação, extensão ambiental e ecoturismo XI – Referências Bibliográficas

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

I – INTRODUÇÃO A política visa delinear mecanismos de gestão e instrumentos necessários para o estabelecimento de uma ação integrada para a conservação e o desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica.

O processo de elaboração de uma política integrada para a conservação da Mata Atlântica reflete o esforço conjugado da sociedade brasileira na busca de ações específicas para a proteção da diversidade biológica, a conservação e o manejo sustentável dos recursos remanescentes da Mata Atlântica.

No histórico do debate das questões ambientais brasileiras a Mata Atlântica sempre ocupou destaque pelos impactos decorrentes do conflito entre a expansão urbana e o desenvolvimento da população brasileira, bem como pelas formas de uso e ocupação das florestas. No entanto, não há registro de uma política nacional ou instrumentos de gestão que tenham se baseado em diretrizes especificas para Mata Atlântica. O Decreto nº 99.547/90 foi a primeira ni iciativa de se estabelecer um instrumento de controle da exploração predatória da Mata Atlântica. Porém, a partir da mobilização dos movimentos sociais e ambientais, o Governo editou o Decreto nº 750/93, que visa melhor definir a gestão dos recursos florestais. A partir desse marco vários instrumentos foram criados, como a Câmara Técnica Temporária do CONAMA sobre Mata Atlântica, resoluções do CONAMA, normas do IBAMA e dos governos estaduais para a proteção da Mata Atlântica.

A estratégia geral das Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica é um conjunto de ações que contribuirão para a reversão do quadro atual de degradação, tendo como característica básica a abrangência dos diferentes aspectos ambientais como: conservação de áreas primárias, recuperação de áreas degradadas e manejo de espécies. Foram considerados também os seguintes temas: diversidade biológica; unidades de conservação; bacias hidrográficas; fragmentos florestais; corredores ecológicos; conservação dos solos; reservas legais; áreas de preservação permanente; expansão urbana; reflorestamento; produção de energia; lazer; habitação, saneamento e assentamentos rurais.

As ações devem buscar a adequação das políticas de gestão ambiental (controle ambiental/ florestas/ pesca/ recursos hídricos/ desertificação/ unidades de conservação/ diversidade biológica) e a integração com políticas extra-setoriais (agricultura/ mineração/ tributária/ financeira/ saneamento urbano/etc.) com vistas à conservaçã o e desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

II – CONTEXTO Desde as primeiras etapas da colonização do Brasil a Mata Atlântica tem passado por uma série de fases de conversão de florestas naturais para outros usos, cujo resultado final observa-se nas paisagens hoje fortemente dominadas pelo homem. A maior parte dos ecossistemas naturais foram eliminados ao longo de diversos ciclos desenvolvimentistas, nem sempre bem planejados, resultando na destruição de habitats extremamente ricos em recursos biológicos . A Mata Atlântica foi tradicionalmente a principal fonte de produtos agrícolas para populações litorâneas e atualmente abriga os maiores pólos industriais e silviculturais do Brasil, além dos mais importantes aglomerados urbanos de todo o país.

A dinâmica da destruição foi mais acentuada durante as últimas décadas, embora já tenha sido estabelecida desde o Século XIX, resultando em alterações severas o suficiente para que os resultados danosos já sejam notados. A vasta maioria dos animais e plantas ameaçados de extinção do Brasil são representados nesse bioma, e das sete espécies brasileiras consideradas extintas em tempos recentes, todas encontravam-se distribuídas na Mata Atlântica.

A Mata Atlântica significa também abrigo para várias populações tradicionais. A maior parte das nações indígenas que habitavam a região não subsistem e estão em situação precária, em terras progressivamente ameaçadas por interesses diversos. Outro aspecto primordial e importante são os recursos hídricos que nascem ou cortam a Mata Atlântica.

Parte significativa de seus remanescentes florestais está localizada em encostas de grande declividade. Sua proteção é a maior garantia para a estabilidade edáfica dessas áreas, evitando assim as grandes catástrofes que já ocorreram onde a floresta foi suprimida, com conseqüências econômicas e sociais extremamente graves. Esta região abriga ainda belíssimas paisagens, verdadeiros paraísos tropicais, cuja proteção é essencial ao desenvolvimento do ecoturismo.

A Mata Atlântica foi inclusa com o status de Patrimônio Nacional na Constituição Federal de 1988 (art. 225, parágrafo 4º), o que, em termos efetivos, não reflete no todo os interesses da coletividade. Essa categorização especial foi dada para destacar a importância de sua conservação e preservação. No entanto, esse destaque por si só não garante os efeitos práticos se não houver mudanças na postura dos proprietários de terras da Região e dos governos locais sobre a expansão desordenada das áreas urbanas e outros fatores que impactam a Mata Atlântica. Isso denota a inquestionável necessidade de se reforçar a atuação dos governos federal, estadual e municipal.

À necessidade de proteger a Mata Atlântica devem ser agregadas mudanças no padrão de uso da propriedade rural para que essa possa cumprir sua função social através da aplicação dos critérios de uso adequado e da preservação do meio ambiente (artigo 186, CF/88), assim como deve-se promover mudanças, no uso do espaço urbano, de forma ordenada com garantia de bem-estar às populações da Mata Atlântica ( artigo 182, CF/88). Essa associação de ações deve refletir os princípios gerais constitucionais.

A Mata Atlântica, por abrigar extensa diversidade biológica, inúmeras comunidades tradicionais, um rico patrimônio cultural e assegura a proteção do solos, sítios turísticos e mananciais. Por isso a UNESCO a Os mananciais fluviais são a garantia de abastecimento de água potável para mais de 100 milhões de pessoas ou cerca de 70da população brasileira, o que faz com que a sua proteção e recuperação sejam consideradas prioridades para o Governo Brasileiro.

Durante a Conferência da Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento – UNCED, celebrada no Rio de Janeiro em Junho de 1992, pretendeu-se identificar os desafios e encontrar os caminhos fundamentais que deverão orientar as políticas das nações para o próximo milênio. Entre esses caminhos, a Agenda 21 dedica vários capítulos para a conservação, proteção e para o manejo dos recursos naturais. Em especial, a Política para a Conservação e o Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica deverá contribuir para a consolidação futura dos compromissos da UNCED/92, na área de influência do Bioma. Essa contribuição deverá ser somada às iniciativas de formulação das Agendas 21 estaduais e locais.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

III – MARCO REFERENCIAL Para o estabelecimentos das diretrizes e instrumentos de implementação, considerou-se o marco conceitual contido na Cons tituição Federal/88, que define a Mata Atlântica como Patrimônio Nacional.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

IV – CONCEITOS Para formulação das Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica foram adotados os seguintes conceitos: Domínio da Mata Atlântica A Mata Atlântica, segundo definição aprovada pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama, em 1992, e incorporada ao Decreto Federal 750/93, corresponde as áreas primitivamente ocupadas pelas seguintes formações vegetais constantes do Mapa de Vegetação do Brasil (IBGE, 1989) que, a exceção dos encraves no Nordeste, formavam originalmente uma cobertura florestal praticamente contínua nas regiões sul, sudeste e parcialmente nordeste e centro-oeste: Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Semidecidual, Floresta Estacional Decidual, manguezais, restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do Nordeste.

Este conceito está baseado na opinião da maioria de botânicos e fitogeógrafos, que admitem que a Mata Atlântica, se estendia originalmente por uma vasta região ao longo do litoral brasileiro, do Rio Grande do Sul ao ao Rio Grande do Norte, adentrando centenas de quilômetros continente a dentro, nas regiões sudeste e sul, chegando a Argentina e Paraguai.

Quanto à composição, fitofisionomia e localização da Mata Atlântica, considerou -se o estudo Plano de Ação para a Mata Atlântica, elaborado pelo Dr. Ibsen de Gusmão Câmara e publicado pela Fundação SOS Mata Atlântica, tendo como base técnica o Mapa de Vegetação do IBGE editado em 1989.

§ a totalidade da Florestal Ombrófila Densa, que vai do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte, ; § as Florestas Estacionais Deciduais e Semideciduais do Rio Grande Sul, Santa Catarina, Paraná, § as Florestas Estacionais Semideciduais de Mato Grosso do Sul (incluindo os vales do rios da margem direita do rio Paraná), Minas Gerais ( vales do rios Paranaíba, Grande e afluentes) e Bahia ( vales dos rios Paraíba do Sul, Jequitinhonha, rios intermediários e afluentes), das regiões litorâneas localizadas no nordeste do País, contíguas às Florestas Ombrófilas de ocorrência nos § a totalidade da Floresta Ombrófila Mista e os encraves de Araucária nos estados de São Paulo, § As formações floristicas associadas (manguezais, vegetação de restingas e das ilhas litorâneas); § os encraves de cerrados , campos e campos de altitude compreendidos no interior das Florestas § as matas de topo de morro e de encostas do Nordeste (brejos e chãs), particularmente localizadas no estado do Ceará, com ênfase nas da Serra de Ibiapaba e de Baturité, e nas da Chapada do Araripe; e § as formações vegetais nativas da Ilha de Fernando de Noronha e Arquipélago de Trindade.

A área abrangida pelas formações que compõem a Mata Atlântica soma cerca de 1.300.000 km2, distribuídos em 4 das 5 regiões geográficas brasileiras. Hoje, a Mata Atlântica está reduzida a cerca de 7,6% de sua cobertura florestal original. As áreas remanescentes não se distribuem uniformemente por todos os ecossistemas do Bioma, e a maior parte encontra-se sob regime de conservação em unidades de conservação – UC ou sob pressão da atividade rural ou da expansão urbana.

Em razão da sua distribuição entre a linha do Equador e o Paralelo 23º de Latitude Sul, tem-se uma tropicalidade predominante que propicia uma composição diversificada, favorecida pela proximidade e pelo relevo da costa do Atlântico.

O regime pluviométrico, de médio a elevado, determina a riqueza em variedades de espécies, alcançando cerca de 20.000 espécies vegetais, sendo que a metade é exclusiva da Mata Atlântica. Esse bioma abriga ainda cerca de 261 espécies de mamíferos (30 são endêmicas), 620 espécies de pássaros (35% são endêmicos) e 260 anfíbios (128 são endêmicos).

Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

Bioma É a comunidade biótica integrada por plantas e animais, que mantêm certa uniformidade fisionômica e clímax entre vegetais e animais existentes (definição adotada pelo MMA derivada de Font Quer – Dicionário de Botânica/1970).

Ecossistema Conjunto de seres vivos e seu meio ambiente em interação constante (Jorge Eiten – Atlas dos Ecossistemas Brasileiros – MMA/96).

Vegetação Remanescente Vegetação de Mata Atlântica que compreende a totalidade de vegetação primária e secundária em estágio inicial, médio e avançado de regeneração (Resolução CONAMA nº03/96).

Reserva da Biosfera É o local ou conjunto de locais onde se realizam as atividades de proteção dos ecossistemas e da diversidade biológica, pesquisas ambientais, experimentação e ações que visem o desenvolvimento sustentável e a educação ambiental (MAB/UNESCO/96).

Patrimônio Nacional Corresponde a um bem (recurso natural) necessário à sadia qualidade de vida de toda da coletividade, cuja conservação para uso e transmissão de geração em geração é responsabilidade constitucional de cada indivíduo (CF/88).

O pressuposto desse conceito relaciona a necessidade de garantir a continuidade e permanência (sustentabilidade) de qualquer recurso natural renovável que estiver sendo usado.

Ecossistemas associados São as formações vegetais, não necessariamente florestais, que aparecem inclusas no Domínio Mata Atlântica. Incluem -se os manguezais, restingas, campos de altitude, brejos interioranos e encraves florestais do nordeste.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

V – EVOLUÇÃO DOS INSTRUMENTOS LEGAIS Os regulamentos referentes à Mata Atlântica derivam dos instrumentos normativos do Código Florestal de 1934, revogado pela Lei 4.771/65 que instituiu o novo código florestal, e da Política Nacional de Meio Ambiente, Lei nº 6.938/81. Esses instrumentos possibilitaram o estabelecimento de unidades de conservação, mecanismos de controle de poluição e instrumentos de gestão descentralizada. No aspecto da gestão, esses instrumentos sempre tiveram como característica o pionerismo de suas práticas. No entanto, nem todos serviram para frear o ímpeto e a gravidade das agressões sobre esse bioma.

Com a inclusão, na Constituição de 1988, da Mata Atlântica no conceito de Patrimônio Nacional, juntamente com a Zona Costeira e a Serra do Mar, passou-se a denominar Domínio da Mata Atlântica o conjunto de florestas: Floresta Ombrófila Densa; Floresta Ombrófila Mista; Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Estacional Decidual.

Mais recentemente foi baixado o Decreto nº 99.547/90, sendo este a primeira iniciativa do governo federal de estabelecer um instrumento que derivasse da Constituição Federal e fornecesse mecanismos de controle do uso e exploração da Mata Atlântica. A natureza desse instrumento definia uma posição de intocabilidade nos remanescentes florestais. As imprecisões do Decreto nº 99.547/90 determinaram um movimento de reformulação de novos textos que pudessem substituí-lo. Nas discussões, um dos pontos mais abordados foi a questão da determinação da localização da Mata Atlântica. Posteriormente, o tema dominante passou a ser a preservação dos remanescentes.

Posteriormente, o Decreto nº 750/93 estabeleceu o limite da Mata Atlântica conforme definido pelo CONAMA, estabeleceu a relação compartilhada entre governo federal e estadual para sua regulamentação e definiu critérios precisos para garantir a conservação da Mata Atlântica e a proteção de sua regeneração natural, considerando os diferentes estágios sucessionais de suas formações secundárias..

Os aspectos da delimitação, conceitos e da natureza do Decreto nº 750/93 permitiram que o CONAMA editasse as resoluções: de nº 3/93, que estabelece os mecanismos de proteção dos diferentes estágios de regeneração das áreas da Mata Atlântica; Resolução nº 10/93, que estabelece os conceitos dos diversos estágios de regeneração da Mata Atlântica; Resolução nº 12/94, que cria o glossário de termos técnicos; Resolução nº 14/94, que fixa parâmetros para avaliação das florestas; Resolução nº 12/95, que estabelece a composição da Câmara Técnica da Mata Atlântica; Resolução nº 03/96, que define a vegetação remanescente da Mata Atlântica; Resolução nº 09/96, que define corredores entre os remanescentes florestais e a Resolução nº 07/96, que aprovou parâmetros básicos para análise dos estágios de sucessão de vegetação de restinga para o estado de São Paulo. Com isso, alcançou-se não só a vegetação primária mas também todas as formas de vegetação secundária, incluindo os estágios inicial, médio e avançado de regeneração. Após a definição desses padrões e instrumentos de avaliação da composição dos remanescentes, necessários à gestão do Decreto nº 750/93, alguns estados com ocorrência de Mata Atlântica editaram resoluções a partir dos Conselhos Estaduais de Meio Ambiente. São eles: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo.

A edição do Decreto nº750/93, trouxe soluções conceituais para a gestão do patrimônio da Mata Atlântica mas não consolidou o processo de normatização que respalda uma ação ambiental integrada. Neste sentido, tramita no Congresso Nacional o Projeto de Lei nº 285/99, baseado no PL3.285/92, .

Os instrumentos legais de gestão estarão sempre referendados na obrigatoriedade de uso condicionado à preservação da integridade da Mata Atlântica. Neste aspecto, reforça -se a tese de que todas as ações que venham a alterar, usar ou explorar recursos naturais da Mata Atlântica deverão conter o principio da prevenção,.

Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

para garantir a conservação da Mata Atlântica, tais como o novo Imposto Territorial Rural – Lei nº9.393/96 e a Lei de RecursosHídricos nº 9.433/97.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

VI – PRINCÍPIOS Para efeito da definição da Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica, consideraram-se os seguintes princípios: § Utilização da Mata Atlântica em condições que assegurem a preservação do meio ambiente e o uso múltiplo de seus recursos naturais;

§ Proteção da diversidade biológica com base na conservação e no manejo sustentável; § Recuperação das áreas degradadas e recomposição das formações florestais;

§ Valorização das iniciativas que promovam o desenvolvimento social em bases sustentáveis, recuperando a importância das populações tradicionais;

§ Ação governamental integrada de modo a promover a gestão descentralizada e participativa dos recursos naturais;

§ Definição e fortalecimento de instrumentos para a conservação e desenvolvimento sustentável dos recursos naturais.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

VII – OBJETIVO As Diretrizes da Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica visam delinear ações integradas que promovam a conservação e o desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

VIII – ESTRATÉGIA Os componentes da estratégia têm como referência o marco constitucional que define a Mata Atlântica como patrimônio nacional, cuja preservação e uso sustentável são pressupostos básicos.

Para dar sustentação a esses elementos, a organização dos componentes estratégicos determinou a formulação das principais diretrizes: alcançar a sustentabilidade da região de Mata Atlântica através da promoção da proteção da diversidade biológica associada ao desenvolvimento sustentável, tendo como mecanismos a recuperação de áreas degradadas e a integração das políticas públicas.

Os instrumentos de implementação definidos visam estabelecer os mecanismos de suporte para se alcançar a conservação e desenvolvimento sustentável. O conjunto de ações de cada diretriz e refletirá no tempo e no espaço através do Plano de Ação.

O Plano de Ação atenderá os componentes estratégicos da Política em duas vertentes conceituais: a de preservação e a de uso sustentável.

O desenvolvimento de ações de curto, médio e longo prazos, a serem incorporadas ao Plano de Ação, terá como unidade de planejamento o enfoque sobre os remanescentes florestais associados às UC’s e bacias hidrográficas. Com isso, a implantação das ações integradas prioriza esses elementos espaciais fundamentais para garantir um bom manejo dos remanescentes florestais, dos mananciais e dos solos. Esses elementos fornecerão as motivações para a preservação das últimas áreas florestais da Mata Atlântica, influenciarão a recomposição de áreas degradadas, a promoção de novas iniciativas integradas para a conservação de áreas públicas e privadas e o estabelecimento de corredores ecológicos em toda a Mata Atlântica.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

IX – DIRETRIZES E LINHAS PROGRAM ÁTICAS Para compatibilizar os objetivos com o conjunto de instrumentos de implementação, foram estabelecidas as seguintes diretrizes:

DIRETRIZ 1. – PROTEÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA ASSOCIADA AOS ECOSSISTEMAS DA MATA ATLÂNTICA Objetivo: Proteger todos os remanescentes da diversidade biológica contida na Mata Atlântica através da ampliação do sistema de unidades de conservação; integração dos instrumentos de gestão; criação de novas unidades de conservação, públicas e privadas; reforço das UC’s já existentes; promoção da regularização fundiária e de novas possibilidades para o estabelecimento dos corredores ecológicos.

Linhas Programáticas: 1.1. Consolidar um sistema integrado de UC’S, fortalecendo os mecanismos de gestão, manejo e monitoramento das UC’s públicas e privadas, em especial as de uso indireto, consolidando os mosaicos florestais, os corredores ecológicos e o sistema de reserva da biosfera; 1.2. Estabelecer instrumentos de compensação que valorizem as áreas de manejo, reservas legais, 1.3. Promover a inserção das UC’s nos planos de desenvolvimento regional dos estados e 1.4. Estabelecer o manejo adequado em áreas de comunidades tradicionais, buscando valorizar os 1.5. Promover a regularização fundiária das UC’s, através da viabilização dos meios financeiros 1.6. Estabelecer ações para reduzir a influência da expansão urbana sobre as UC’s e entorno; 1.8. Estabelecer instrumentos que regulem a utilização das áreas de entorno de UC’s;

DIRETRIZ 2 – DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS NATURAIS DA MATA ATLÂNTICA Objetivo: Adequar o uso dos recursos naturais ao objetivo de obter a conservação dos remanescentes. O conjunto de instrumentos de implementação deve considerar a necessidade de recuperar o papel da floresta para as populações tradicionais, reformular o conceito de uso da te rra, estabelecer o manejo sustentável e proteger a fauna e mananciais da Mata Atlântica.

Linhas Programáticas: 2.1. Recursos Florestais 2.1.1. Identificar, quantificar e dar prioridade aos bens e benefícios das florestas, passíveis de serem transformados em ativos potenciais que possam contribuir para a conservação dos 2.1.2. Promover o desenvolvimento florestal sustentável orientando o manejo e o reflorestamento, valorizando-se os usos múltiplos, o fomento e o associativismo das atividades florestais; 2.1.3. Promover a recuperação de áreas florestais, contribuindo para a formação dos mosaicos, dos corredores ecológicos e para a recomposição de áreas de relevante interesse ambiental; 2.1.4. Promover o reflorestamento com vistas a garantir o pleno abastecimento das indústrias 2.1.5. Estabelecer mecanismos específicos de concessão de uso dos recursos naturais nas áreas florestais privadas na Mata Atlântica;

Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

2.1.6. Estabelecer incentivos às atividades de associativismo florestal para implantação da reposição florestal, manejo florestal e para a formação de mosaicos florestais na Mata Atlântica; 2.1.7. Promover o desenvolvimento tecnológico, tanto no setor público quanto no privado, para a geração de conhecimentos necessários ao manejo sustentado dos remanescentes florestais 2.1.8. Estabelecer critérios e indicadores para o manejo de espécies nativas nos diversos estágios sucessórios da Mata Atlântica.

2.2. Recursos Pesqueiros 2.2.1. Promover o ordenamento da pesca continental e costeira com vistas ã conservação da 2.2.2. Estabelecer instrumentos de licenciamento e avaliação de atividades impactantes sobre os 2.2.3. Promover a organização de sistemas de pesca associativista, amadora e industrial;

2.3. Recursos Hídricos 2.3.1. Estabelecer sistemas de monitoramento dos mananciais tanto em qualidade como em 2.3.2. Estabelecer planos diretores das bacias hidrográficas para disciplinar o uso dos recursos 2.3.3. Estabelecer mecanismos de participação comunitária e mobilização social na gestão dos recursos hídricos 2.3.4. Desenvolver instrumentos de ordenamento da coleta, tratamento e disposição final de efluentes líquidos, assim como de resíduos com vistas à conservação dos recursos hídricos; 2.3.5. Estabelecer ações direcionadas à ampliação do conhecimento sobre a situação dos recu rsos hídricos do bioma Mata Atlântica com vistas à preservação, controle e mitigação dos processos de degradação, bem como visando a recuperação das áreas degradadas e a proteção dos 2.3.6. Estruturar e consolidar os Comitês de Bacias Hidrográficas, prioritariamente daquelas com rios 2.3.7. Realizar estudos específicos de avaliação das águas superficiais e subterrâneas e desenvolver programas e projetos permanentes de conservação e uso racional dos recursos hídricos subterrâneos da Mata Atlântica;

2.4. Recursos Costeiros 2.4.1. Promover atividades que garantam a conservação, preservação e uso sustentável dos recursos que compõem o mosaico dos ecossistemas costeiros da Mata Atlântica, através do zoneamento 2.4.2. Estabelecer instrumentos que levem à sustentabilidade das atividades humanas na zona 2.4.3. Compatibilizar os instrumentos da navegação na zona costeira na região de Mata Atlântica com os princípios de conservação ambiental;

2.5. Fauna Silvestre 2.5.1. Promover o estudo e o monitoramento da fauna em todas as áreas remanescentes; 2.5.4. Promover as iniciativas de manejo e proteção;

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

DIRETRIZ 3. RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA MATA ATLÂNTICA – RAD

Objetivo: Recuperar a estrutura fitogeográfica, contribuindo para a proteção da diversidade biológica, conservação dos solos e garantia da integridade dos ecossistemas naturais.

Linhas Programáticas: 3.1. Estabelecer estratégia específica, no âmbito da Mata Atlântica, para recuperação das áreas degradadas de bacias hidrográficas, com especial referência às áreas de matas ciliares e 3.2. Desenvolver reflorestamento com espécies nativas e manejo da cobertura florestal, identificando as principais possibilidades, os custos, os benefícios e limitações para sua 3.3. Articular e implementar projeto piloto com envolvimento dos setores público e privado, objetivando operacionalizar o cumprimento da legislação específica no que se refere à obrigatoriedade de plantio de espécies nativas visando a recomposição das áreas de reserva 3.4. Identificar as principais metodologias e/ou tecnologias que se adaptam às condições geográficas, sociais e econômicas das diversas áreas que serão objeto do Programa, e as estratégias para a mobilização das comunidades a serem beneficiadas através dos Comitês de 3.5. Avaliar as iniciativas de recuperação de áreas degradadas no âmbito da Mata Atlântica; 3.6. Estabelecer novos programas de pesquisas junto às instituições; 3.7. Promover eventos para discussão de proposições recuperação de áreas degradadas; 3.8. Estabelecer programas de extensão sobre o efeito bordadura e fragmentação, associado as 3.9. Ampliar programa de sementes florestais, compatibilizando-o com ações de recuperação de 3.10. Promover e fomentar ações decorrentes de projetos apoiados pelo Fundo Nacional do Meio Ambiente que visem à recuperação de áreas degradadas.

DIRETRIZ 4. COMPATIBILIZAÇÃO DAS POLÍTICAS SETORIAIS COM VISTAS À CONSERVAÇÃO E AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA MATA ATLÂNTICA

Objetivo: Compatibilizar as políticas ambientais e as políticas setoriais para assegurar a conservação dos recursos naturais e seu uso em bases ecologicamente sustentáveis.

Linhas Programáticas: 4.1. Mineração 4.1.1. Desenvolver metodologia e implementar, no setor mineral, normas regulatórias e ações de fiscalização e controle setorial que priorizem a conservação e o desenvolvimento sustentável do 4.1.2. Aplicar o investimento dos recursos financeiros disponibilizados para a compensação ambiental integralmente nas unidades de conservação, áreas de preservação permanente e no 4.1.3. Desenvolver metodologia com vistas à avaliação ambiental estratégica da política, planos e programas do setor mineral em nível de Mata Atlântica.

Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

4.1.4. I dentificar os principais sítios de recursos minerais passíveis de uso sustentável e aqueles 4.1.5. Estabelecer critérios mais rigorosos nos planos de reabilitação de áreas degradadas pela mineração, de acordo com os objetivos e ações identificadas nesta política.

4.2. Energia 4.2.1. Desenvolver metodologia com vistas à avaliação ambiental estratégica da política, planos e 4.2.2. Elaborar um planejamento de expansão (geração e transmissão de energia) específico para a área de Mata Atlântica, visando a conservação e o desenvolvimento sustentável da região; 4.2.3. Implantar e operar os empreendimentos elétricos priorizando as ações e o uso de tecnologias 4.2.4. Promover o levantamento geológico básico da Mata Atlântica, para o conhecimento das reais potencialidades destas áreas, incluindo aspectos geográficos, geomorfológicos, hidrogeológicos e hidrológicos;

4.3. Agricultura 4.3.1. Adotar as microbacias hidrográficas como unidade de planejamento e de trabalho, por constituírem unidades geográficas naturais e pela faculdade de se encontrar fatores ambientais, econômicos e sociais em condições homogêneas, mais apropriadas para o estabelecimento de planos de uso e manejo, monitoramento e avaliação das interferências do homem no meio 4.3.2. Estabelecer ações em microbacias de forma participativa e multidisciplinar, envolvendo a comunidade e suas organizações, entidades públicas e privadas, na identificação de potencialidades e limitações locais e regionais de forma que assegurem a estabilidade ambiental, a melhoria da produtividade agrosilvopastoril e o bem -estar da população local; 4.3.3. Priorizar as linhas de pesquisa agrícola voltadas para o desenvolvimento de sistemas agrosilvopastoris, visando criar alternativas de produção a partir de espécies nativas e exóticas na Mata Atlântica, buscando a recomposição da sua elevada diversidade biológica através de 4.3.4. Estabelecer um zoneamento territorial no âmbito dos municípios para definir áreas de expansão industrial e urbana e áreas de produção agrícola, objetivando proteger as áreas de preservação ambiental e minimizar a pressão antrópica sobre os ambientes naturais, permitindo uma melhor definição das políticas ambientais, de uso do solo e da água, de bem -estar social, de saúde e 4.3.5. Apoiar projetos voltados para a recuperação de áreas degradadas com espécies nativas mediante a utilização de práticas conservacionistas, com vistas à recomposição da cobertura vegetal ou à melhoria da produtividade do solo, co mo estratégia para reduzir o avanço das 4.3.6. Promover a proteção e o monitoramento dos recursos hídricos disponíveis na microbacia hidrográfica, visando aumentar e assegurar sua disponibilidade para atender às demandas atual e futura e permitir uma maior diversificação das atividades econômicas; 4.3.7. Promover atividades de treinamento e capacitação das comunidades no que se refere ao manejo dos recursos naturais, visando a intensificação da produção por unidade de área de forma sustentável, bem como a especialização da mão-de-obra produtiva, permitindo a agregação de valor aos produtos primários e o aparecimento de novos produtos e mercados 4.3.8. Condicionar a aplicação do crédito rural oficial e de outras formas de incentivos à execução de planos de proteção dos recursos naturais, principalmente do solo e da água, avaliados por critérios e indicadores de sustentabilidade.

4.4. Reforma Agrária 4.4.2. Definir critérios para assentamentos rurais em áreas de remanescentes; 4.4.3. Promover a aplicação dos instrumentos decorrentes do Imposto Territorial Rural, contidos na Lei nº 9.393/96, para garantir a conservação e a proteção dos remanescentes;

Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

4.5. Transportes 4.5.1. Implementar instrumentos de avaliação e controle de impactos ambientais decorrentes de obras 4.5.2. Implementar “estradas parques”, sempre que cabível;

4.6. Desenvolvimento Urbano 4.6.1. Promover ações de caráter preventivo que resultem em melhorias da qualidade de vida no 4.6.2. Promover ações que resultem no saneamento básico, buscando solucionar a falta de 4.6.3. Estabelecer mecanismos de controle do uso do solo urbano buscando equacionar o processo de crescimento desordenado das cidades, principalmente na compatibilização de variáveis de 4.6.4. Definir instrumentos fiscais, econômicos e tributários que permitam viabilizar o ordenamento e o controle do uso do solo na zonas urbanas da região da Mata Atlântica; 4.6.5. Priorizar, no âmbito da Mata Atlântica, a formulação de modelos integrados e descentralizados 4.6.6. Estabelecer plano de ordenamento do uso do solo no entorno das UC’s contemplando: controle de processo de erosão; preservação de áreas naturais nos assentamentos de reforma agrária; proteção de áreas de influência da UC’s; proteção de áreas de relevância cultural e espiritual; 4.6.7. Viabilizar apoio aos municípios para elaboração e implementação dos planos diretores; estabelecer instrumentos de planejamento e gestão que contemplem as UC’s e a interface com os municípios.

4.7 – Compatibilização das Política Ambientais com as Políticas Setoriais 4.7.1. Realizar avaliação estratégica de políticas, planos e programas dos diversos setores; 4.7.2. Estimular a implantação de atividades voluntárias que confiram em ganho de qualidade na 4.7.3. Desenvolver e implementar normas regulatórias e ações de controle e fiscalização setorial que priorizem a conservação e o desenvolvimento sustentável da Mata Atlântica 4.7.4. Identificar os principais sítios de recursos naturais passíveis de uso sustentável e aqueles ecologicamente sensíveis, visando o zoneamento ecológico-econômico.

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

X – INSTRUMENTOS PARA IMPLEMENTAÇÃO Os instrumentos para implementação das Diretrizes da Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica são os seguintes:

Objetivos: § Estabelecer sistema de gestão do bioma, destacando o papel do governo na coordenação das ações em parceira com os estados e municípios buscando uma permanente interlocução com as entidades não governamentais setoriais e ambientalistas, garantindo maior participação nas decisões. Reforçar a competência supletiva do IBAMA e concorrente dos Órgãos Estaduais. § Estabelecer mecanismos e instrumentos legais, tributários e financeiros para viabilizar o § Desenvolver programas setoriais de pesquisa sobre os recursos naturais em nível nacional/regional/estadual com vistas a conservação dos remanescentes e a recomposição da Mata § Estabelecer uma nova aprendizagem de tecnologias que amplie a produtividade com base na sustentabilidade, evite impactos e desastres ambientais, e possa promover o conhecimento e o respeito aos valores do meio ambiente especialmente nas UC’s e áreas privadas de relevante interesse ecológico da Mata Atlântica.

10.1. Gestão, controle e monitoramento dos remanescentes da Mata Atlântica Linhas de Ação: Gestão: § Dar prosseguimento ao processo de descentralização da administração no âmbito da gestão dos recursos florestais, pesqueiros, fauna silvestre, recursos hídricos e marinhos e o do controle ambiental, buscando ampliar os mecanismos de participação da sociedade através de suas entidades representativas, como os Comitês de Bacia, os CONDEMA’S, Comitês Estaduais da § Estabelecer sistema de gestão e coordenação das ações através de parceiras que busquem uma permanente interlocução com as entidades não governamentais setoriais e ambientalistas; § Rever/reorientar os instrumentos e normas de controle, monitoramento, uso e conservação dos remanescentes, adequando-os ao conceito de desenvolvimento sustentável e às exigências de § Completar a reorganização do modelo institucional de gestão ambiental, promovendo a descentralização através da viabilização dos Pactos Federativos de Gestão Ambiental dos estados § Efetivar a instalação de uma Coordenação específica na estrutura do MMA para coordenar a implementação das ações e diretrizes ambientais emanadas da Política de Conservaçào e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica e aquelas oriundas da Comissão de Recursos Naturais Renováveis e da Câmara Técnica de Mata Atlântica do Conselho Nacional de Meio § Reconhecer os órgãos florestais estaduais e/ou seus equivalentes como partes integrantes do Sistema Nacional do Meio Ambiente – SISNAMA, a fim de promover a participação efetiva desses órgãos no processo decisório; e § Implementar as ações previstas no plano de gerenciamento costeiro.

Controle e Fiscalização: § Adequar a aplicação de instrumentos de controle e monitoramento às realidades regionais; § Aperfeiçoar os instrumentos e práticas de controle e monitoramento, incorporando novas tecnologias de sensoreamento remoto às atividades em nível de UC’s e em todas as áreas privadas que contenham remanescentes;

Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

§ Fortalecer e aperfeiçoar o sistema de controle e fiscalização dos recursos florestais/pesqueiros/hídricos/fauna/costeiros na área de influência da Mata Atlântica. § Estabelecer, em articulação com os estados, um Plano Nacional de Controle e Fiscalização dos Recursos Florestais da Mata Atlântica, com vistas a tornar mais eficazes as ações voltadas à proteção e à garantia da sua integridade, aproveitando a capilaridade de ação das instituições § Garantir maior amplitude e abrangência da aplicação dos instrumentos de controle e fiscalização, através do engajamento e da participação mais efetiva de entidades representativas da sociedade civil nessas ações.

10.2. Instrumentos Legais, Tributários e Financeiros Linhas de ação: Planejamento: § Promover a articulação interinstitucional no planejamento e desenvolvimento sustentável da Mata § Integrar o planejamento e as ações dos diferentes setores com as diretrizes ambientais; § Estabelecer um sistema de zoneamento e planejamento do uso e da conservação da Mata Atlântica;Estabelecer mecanismos de financiamento, instrumentos de créditos específicos e de cooperação técnica;Desenvolver ações junto aos municípios para o gerenciamento de projetos e § Incluir nos mecanismos de planejamento e planos diretores dos municípios os instrumentos de conservação da faixa litorânea e remanescentes de Mata Atlântica.

Financiamento: § Destinar recursos e criar linhas de crédito para a recomposição florestal e para a implantação de projetos de manejo florestal sustentado e sistemas agroflorestais, em condições compatíveis com § Adequar, ao manejo florestal sustentado e ao reflorestamento, linhas de financiamento dos Fundos § Exigir a vinculação da base florestal aos empreendimentos industriais para fins de obtenção de financiamento e crédito para o reflorestamento e o manejo florestal sustentado; § Dar prioridade à concessão de crédito aos empreendimentos que atendam às exigências de conservação e manutenção da cobertura florestal em reservas legais e áreas de preservação § Adequar a política tributária, com a finalidade de eliminar suas distorções na conservação e uso dos § Adequar as condições de concessão de crédito e de tributação da atividade agropecuária às § Reforçar o Fundo Nacional do Meio Ambiente, de modo a torná-lo um instrumento de apoio à conservação e ao desenvolvimento sustentável, através de financiamentos e compatíveis com a atividade, além da definição de novos instrumentos para apoiar a ação na Mata Atlântica; § Adotar, como instrumento de planejamento, o ordenamento e as linhas de ação contidas neste documento, visando à conservação, ao uso múltipl o e ao fomento dos recursos naturais; § Estabelecer novos instrumentos de compensação, para áreas de remanescentes privados e públicos, do uso da terra conforme o zoneamento sócio-econômico e ecológico.

Licenciamento Ambiental: § Garantir a aplicação e a complementação das normas legais relativas ao licenciamento, em § Estimular a participação da comunidade nos eventos e processos licenciatórios.

10.3. Pesquisa dos recursos naturais com vistas à conservação e ao uso sustentável Linhas de Ação:

Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

§ Desenvolver programas setoriais de pesquisa sobre os recursos naturais em nível nacional/regional/estadual com vistas à conservação e à recomposição dos remanescentes de Mata § Adequar a estrutura de ensino em nível técnico e vocacional para que seja disponibilizada a mão- de-obra qualificada necessária à implementação de práticas adequadas de manejo e uso § Desenvolver pesquisas sobre diversidade biológica, corredores ecológicos, efeitos bordadura e § Desenvolver estudos que identifiquem o nível de danos as espécies e aos ecossistemas da Mata § Promover ações de apoio às pesquisas em desenvolvimento sobre a recuperaçã o de áreas § Apoiar as instituições e entidades que mantenham coleções de material genético da Mata Atlântica; § Ampliar as atividades da pesquisa cientifica no interior das UC’s; § Estabelecer estudos sobre o clima nas áreas de influência da Mata Atlântica; § Desenvolver programas de parcerias entre municípios/estados com vistas à realização de § Estimular e apoiar a estrutura de ensino e pesquisa existente na área da Mata Atlântica, para que se transforme tal estrutura em elemento mais eficiente e eficaz de apoio ao desenvolvimento § Desenvolver tecnologias de manejo e formação técnica para a Mata Atlântica;

10.4. Educação, extensão ambiental e ecoturismo na Mata Atlântica Linhas de Ação: Educação e Extensão Ambiental: § Promover a educação ambiental aplicada à conservação e ao desenvolvimento sustentável dos § Inserir, na educação formal e nos programas de educação ambiental, as noções e princípios do § Promover o levantamento das iniciativas de educação ambiental na área da Mata Atlântica § Estabelecer ações no âmbito do Programa Nacional de Educação Ambiental- PRONEA; § Estabelecer ações especificas junto às comunidades tradicionais da Mata Atlântica; § Promover mecanismos junto às instituições de pesquisa e ensino no sentido de desenvolver novos quadros de profissionais em pesquisa e extensão ambiental na Mata Atlântica; § Elaborar e sistematizar a divulgação de material que contribua para a conservação da Mata Atlântica .

Ecoturismo: § Articular ações para o desenvolvimento do ecoturismo de forma que esse venha a contribuir para a § Compatibilizar as atividades de ecoturismo com a conservação de áreas naturais privadas e § Fortalecer a cooperação interinstitucional com vistas a ampliar as potencialidades do ecoturismo; § Possibilitar a participação efetiva, de todos os segmentos atuantes no setor de ecoturismo, nos § Promover e estimular a capacitação de recursos humanos para o ecoturismo na Mata Atlântica; § Promover a compatibilização das ações de ecoturismo com as de educação ambiental; § Estabelecer programas de ecoturismo associados ao calendário de eventos tradicionais, com novas § Realizar estudos de oportunidade de ecoturismo na Mata Atlântica § Promover as manifestações culturais e artesanais associadas ao ecoturismo na Mata Atlântica; § Desenvolver programas de ecoturismo nas UC’s.

Cooperação Técnica: § Capacitar as instituições florestais estaduais e extensão florestal em uma estratégia de ação tecnologia e conhecimento aos usuários dos conservação da Mata Atlântica.

Dossiê Mata Atlântica 2001 Capítulo III – Documentos de Referência A Política da Mata Atlântica

outras instituições afins, com vistas a tornar a institucional dotada de capacidade de transferir recursos naturais no sentido de fortalecer a

Capítulo III – Documentos de referência A Política da Mata Atlântica

11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CÂMARA TÉCNICA DE ASSUNTOS JURÍDICOS DO CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE – MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Relatório sobre a proposta de resolução que sugere uma política de nacional para o bioma Mata Atlântica. Brasília (DF),1997. CÂMARA, I.G. Plano de Ação para a Mata Atlântica. Fundação SOS Mata Atlântica, São Paulo (SP), 1994. CIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL. Sistema de Planejamento e Gestão Ambiental da CONGRESSO NORDESTINO DE ECOLOGIA PARA MATA ATLÂNTICA. Relatório do 7º Congresso. Itabuna (BA), DAROLT,M.R. Pequena Propriedade Sustentável- Experiências com Plantio Direto. Ponta Grossa (PR), 1997. FELDMAN, F. Proposta de Substitutivo ao Projeto de Lei nº 3.285/92. Brasília (DF), 1992. INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIO AMBIENTAIS DO SUL DA BAHIA – IESB. Ação das Madeireiras no Sul da MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL – SECRETARIA DE COORDENAÇÃO DOS ASSUNTOS DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO. Diretrizes para a Conservação e Desenvolvimento Sustentável dos Recursos Florestais. Brasília (DF), 1995. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Diretrizes para o Combate à Desertificação – Plano Nacional de Combate a desertificação. Brasília (DF), 1998. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL; MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO. Diretrizes Para o Ecoturismo – Programa Nacional para o MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL – SECRETARIA DE RECURSOSHÍDRICOS. Política Nacional para os Recursos Hídricos. Brasília (DF), 1997. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Diretrizes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Plano Nacional de MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Instrumento Político- MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL . A Caminho da MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL – FUNDO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Projeto Jataí – Relatório Técnico da Fase 1. Brasília (DF),1997. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Lei de Crimes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Diretrizes para a MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Primeiro Relatório Nacional para a Convenção sobre Diversidade Biológica no Brasil. Brasília (DF),1998. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. Programa Piloto para NOFFS, P.S. ; GALLI, L.F. ; GONÇALVES, J.C. Recuperação de Áreas Degradadas Mata Atlântica – Publicação da REDE DE ONG’S DA MATA ATLÂNTICA; SOS MATA ATLÂNTICA. Relatório do Workshop sobre Pesquisa na SOCIEDADE DE PESQUISA EM VIDA SILVESTRE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL – SPVSEA. Programa Floresta USINA HIDRELÉTRICA DE PARA IBANA. Serviço de Implantação de Reflorestamento com Essências Florestais VITAE CIVILLIS. Plataforma Ambiental Mínima para o Desenvolvimento Sustentável do Vale do Vale do Ribeira – Agenda 21 para o Vale do Ribeira. São Paulo (SP), 1995.

Capítulo III – Documentos de Referência PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS

SUBPROGRAMA MATA ATLÂNTICA – PPG7 Versão 4.0 janeiro de 2001

NAPMA – Núcleo Assessor de Planejamento da Mata Atlântica – PPG7 DIFLOR – Diretoria do Programa Nacional de Florestas SBF – Secretaria de Biodiversidade e Florestas MMA – Ministério do Meio Ambiente Esplanada dos Ministérios – Bloco B – 7o andar – sala 733 Brasília/DF Fone: 61 317 1305 – Fone/Fax: 61 317 1305

Sumário executivo Título do Projeto: Duração: Agência Implementadora: Agência Executora: Resumo: Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

Subprograma Mata Atlântica – PPG7 05 anos, em duas fases de 1 e 4 anos Banco Mundial Ministério do Meio Ambiente

Os objetivos do Subprograma Mata Atlântica visam reverter os problemas que levam ao empobrecimento ecológico, à escassez de ações práticas de recuperação de ecossistemas degradados, à desvalorização das culturas tradicionais e ao abandono e uso inapropriado dos ecossistemas remanescentes.

O Subprograma apoiará projetos e atividades nas modalidades de demanda induzida e demanda espontânea e atuará em quatro áreas programáticas: (i) proteção da biodiversidade, (ii) uso sustentável dos recursos naturais, (iii) recuperação de áreas degradadas e (iv) monitoramento e pesquisa.

Poderão apresentar propostas instituições governamentais, instituições de pesquisa e ensino, ONGs, movimentos sociais/organizações de comunidades e empresas privadas, que atendam aos pré-requisitos do Subprograma.

O processo de seleção das propostas recebidas será feito através de uma matriz de avaliação que considerará fatores e critérios que favoreçam aquelas que apresentarem as melhores condições de viabilidade, efetividade e sustentabilidade. Serão valorizados no processo de seleção as propostas que apresentarem parcerias inter-institucionais, como forma de aumentar a eficiência e a sustentabilidade dos projetos e reduzir seus custos de implantação e desenvolvimento.

O Subprograma será implementado em duas fases: Fase 1: com duração de um ano e orçamento de US$ 956,000, (US$ 800,000.00 do RFT e R$ 300.000,00 do PPA) tem como objetivos: – consolidar o Napma – Núcleo Assessor de Planejamento da Mata Atlântica/MMA; – elaborar os manuais técnicos e formulários para a apresentação de propostas; – implementar o primeiro edital de demanda induzida.

Fase 2: com duração de quatro anos e orçamento de US$ 120 milhões

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

I – Apresentação II – Introdução IV – A Mata Atlântica e os Programas de financiamento da área ambiental do Governo Federal Programa Avança Brasil PNMA II – Programa Nacional do Meio Ambiente II PNF – Programa Nacional de Florestas – DIFLOR/MMA PPG7 – Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil FNMA – Fundo Nacional do Meio Ambiente Programa de Conservação da Biodiversidade – Probio FUNBIO – Fundo Brasileiro para a Biodiversidade Quadro 1 – Comparativo entre os programas de financiamento da área ambiental do Governo Federal V – Subprograma Mata Atlântica Antecedentes e o Processo de preparação do Subprograma Mata Atlântica Diretrizes Gerais Objetivos Áreas e Linhas Programáticas Resultados esperados (marco zero, visão geral, resultados específicos) Vantagens comparativas As Especificidades Institucionais e Conjunturais do Bioma VI – Descrição do Subprograma Mata Atlântica Estratégia de Implantação do Subprograma Figura 1 – Organização estrutural do Subprograma Mata Atlântica – PPG7 Figura 2 – Fluxograma de projetos do Subprograma Mata Atlântica Modelo Operacional – Matriz de Avaliação da Eficácia, Viabilidade e Sustentabilidade Relevância ambiental Grau de Inter-institucionalidade Contrapartida Pré-condições Modalidades de Apoio Demanda Induzida Exemplos de linhas temáticas para Demanda Espontânea Anexos ANEXO1-LegislaçãodeProteçãodaMataAtlântica(VerItemII,CapítuloI–AMATA ATLÂNTICA) ANEXO 2 – Mapas de Áreas Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade da Mata ANEXO 3 – Ações e Áreas Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica.

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

I – Apresentação O presente documento, elaborado pelo NAPMA – Núcleo Assessor de Planejamento da Mata Atlântica, apresenta a proposta para a constituição do Subprograma Mata Atlântica no PPG7, em processo de discussão com o conjunto de organizações públicas e privadas, especialistas e demais interessados na conservação do Bioma.

Reúne resultados das discussões ocorridas entre os participantes do I Seminário do Subprograma Mata Atlântica – PPG7, realizado em Brasília (DF) no dia 28 de julho de 2000, Seminário Regional Nordeste, ocorrido em Salvador (BA) nos dias 11 e 12 de setembro de 2000 e do Seminário Regional Sul/Sudeste, ocorrido em São Paulo (SP) nos dias 25 e 26 de setembro de 2000.

A proposta foi concebida adotando como base estruturadora as “Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica”, aprovada pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), em dezembro de 1998.

Foram, ainda, considerados os seguintes documentos: § Programa Piloto para a Proteção da Mata Atlântica (PPG7/MA) – Versão 1,9, disponibilizada em agosto de 1998, pelo Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal – Secretaria de Coordenação dos Assuntos do Meio Ambiente;

§ Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil – Revisão da Estrutura Institucional – Relatório Final, Julho de 1999;

§ Proposta de Reformulação do PPG7 – Ministério do Meio Ambiente – Secretaria de Coordenação da Amazônia– 27 de setembro de 1999;

§ Avaliação Independente do Subprograma Projetos Demonstrativos – PD/A – PPG6 – Márcio Santilli, Mário José de Lima, Valter de Carvalho, Virgílio Viana– 31/07/97 § Núcleo Assessor de Planejamento do Subprograma para a Mata Atlântica – PPG7 – Termo de Referência, e;

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

II – Introdução Área Geográfica de Abrangência do Subprograma O subprograma apoiará projetos e atividades na área do Domínio da Mata Atlântica, definida pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente – Conama e incorporada ao Decreto Federal no 750/93, abarcando a vegetação nativa da Mata Atlântica e ecossistemas associados, da Serra do mar e da Zona Costeira, com as seguintes delimitações estabelecidas pelo Mapa de Vegetação do Brasil, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatístiva – IBGE, de 1993: a totalidade das florestas Ombrófila Densa, Ombrófila Mista, também denominada Mata de Araucárias, Ombrófila Aberta, Estacional Semidecidual e Estacional Decidual, localizadas nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Ser gipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí, as Florestas Estacionais Semideciduais e Deciduais do Estado do Mato Grosso do Sul localizadas nos vales dos rios da margem direita do Rio Paraná e Serra da Bodoquena e do Estado de Go iás, localizadas nas margens do Rio Paranaíba, bem como os manguezais, as vegetações de restingas, de dunas e de cordões arenosos, as ilhas litorâneas e os demais ecossistemas associados às formações anteriormente descritas conforme segue: § os encraves de savana, também denominados de cerrados, compreendidos no interior das § os encraves de estepes, também denominados campos, compreendidos no interior das § os encraves de campos de altitude, compreendidos no interior d as Florestas Ombrófilas; § as matas de topo de morro e de encostas do Nordeste, também denominadas brejos e § as formações vegetais nativas dos Arquipélagos de Fernando de Noronha e Trindade; § as áreas de tensão ecológica, também denominadas contatos, entre os tipos de vegetação descritos nas alíneas anteriores.

A Mata Atlântica e os Programas de financiamento da área ambiental do governo Federal Apesar de ter sido o primeiro ecossistema a sofrer o impacto da colonização e de ser atualmente o mais ameaçado do País, a Mata Atlântica não foi objeto, até o momento, de nenhum programa específico de financiamento baseado em um planejamento estratégico consistentemente definido de forma a buscar a conservação, recuperação e uso sustentável de seus recursos naturais em âmbito nacional. Mesmo o PPG7, concebido para proteger as florestas tropicais brasileiras, não investiu neste sentido, uma vez que concentrou seus esforços e recursos na região Amazônica.

Atualmente as fontes de financiamento do Governo Federal que destinam recursos para a Mata Atlântica estão limitadas a dois fundos (FNMA – Fundo Nacional do Meio Ambiente e Funbio – Fundo Brasileiro para a Biodiversidade) e cinco programas. Dos programas existentes, dois estão em operação (PPG7 – Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras e Probio – Programa Nacional da Diversidade Biológica) e três se encontram em fase de implantação (Programa Avança Brasil, PNF – Programa Nacional de Florestas e PNMA II – Programa Nacional do Meio Ambiente Fase 2).

Além de limitados em termos financeiros, os programas e fundos existentes não contemplam o conjunto de ações e atividades consideradas prioritárias para a reversão do quadro de degradação da Mata Atlântica, conforme pode ser verificado a seguir: 1. Programa Avança Brasi l Estratégias para o Desenvolvimento – 1999 (em implantação) Macroobjetivo 11 – Melhorar a Gestão Ambiental: Estimular o desenvolvimento e criar oportunidades de negócios e investimentos voltados para a proteção e conservação do meio

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

ambiente, uso da biodiversidade, ecoturismo, geração de energia limpa, gestão do patrimônio § Programa Proágua – Gestão – Implantação dos princípios e métodos de gestão estabelecidos na nova Lei das Águas § Florestar e Combate a Desmatamentos – Visa aumentar a oferta de madeiras de áreas plantadas, contribuindo para diminuir a exploração predatória em florestas naturais e o combate efetivo aos desmatamentos § Programa Zoneamento Ecológio-Econômico – Permitirá o mapeamento do território nacional para direcionar o desenvolvimento sustentável Macroobjetivo 21 – Melhorar a Qualidade de Vida nas Aglomerações Urbanas e Regiões Metropolitanas: § Programa Reestruturação de Regiões Metropolitanas – Serão executados projetos nas áreas de recuperação ambiental, entre outros, para melhorar a qualidade de vida nas grandes cidades.

2. PNMA II – Programa Nacional do Meio Ambiente II (em implantação) Objetivo Geral – Estimular a adoção de práticas sustentáveis entre os diversos setores cujas atividades impactam o meio ambiente e contribuir para o fortalecimento da infraestrutura organizacional e de regulamentação do poder público para o exercício da gestão ambiental no país, melhorando efetivamente a qualidade ambiental e gerando benefícios socioeconômicos.

3. PNF – Programa Nacional de Florestas – DIFLOR/MMA (em implantação) Objetivos relacionados ao Bioma Mata Atlântica § Estimular o uso sustentável de florestas nativas e plantadas; fomentar as atividades de reflorestamento, notadamente em pequenas propriedades rurais; recuperar área de preservação permanente, de reserva legal e alteradas; apoiar as iniciativas econômicas e sociais das populações tradicionais e indígenas que vivem nas florestas; reprimir desmatamentos ilegais e a extração predatória de produtos e subprodutos florestais, bem § Estimular a proteção da biodiversidade e dos ecossistemas.

Linhas temáticas e metas relacionadas ao Bioma Mata Atlântica: Monitoramento e Controle § Ampliar o monitoramento do uso dos recursos florestais para todo o território nacional (Mata Atlântica, Cerrados e Caatinga), estabelecendo planos de ação de prevenção, controle e combate a desmatamentos ilegais, queimadas acidentais e incêndios florestais § Revisar os instrumentos normativos que concedem a autorização de desmatamento; § Apoiar os processos de descentralização das atividades de monitoramento, controle e § Aumentar de 17% para 25% a taxa anual de legalidade do desmatamento; Serviços ambientais das florestas § Restaurar 100 mil hectares/ano de florestas de preservação permanente em áreas § Criar mecanismos para captação de recursos financeiros internos e externos para a proteção, recuperação e restauração de áreas de preservação permanente. Fortalecimento institucional e extensão florestal § Criar um fundo de desenvolvimento florestal, com dotação orçamentária de R$ 100 milhões/ano § Realizar cursos de atualização profissional e melhorar a estrutura física das instituições florestais Manejo de florestas nativas em áreas privadas

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

4. PPG7 – Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (em operação) PDA – Projetos Demonstrativos Objetivos: § Contribuir para a preservação e a conservação da Amazônia, da Mata Atlântica e de seus ecossistemas associados e apoiar o desenvolvimento sustentável a partir da participação e § Gerar conhecimentos sobre a conservação, a preservação e o manejo sustentável dos recursos naturais por meio de atividades demonstrativas e com o envolvimento e a § Transferir o conhecimento resultante das experiências para outras comunidades, outras § Fortalecer a capacidade de organização e articulação da spopulações locais, bem como a sua capcidade de elaborar e implementar projetos;

Até o momento foram aprovados 38 projetos na Mata Atlântica Corredores Ecológicos Em sua primeira fase será executados nos Estados do Espírito Santo e Bahia (em implantação) Projetos Bilaterais Em execução: KfW – São Paulo e Paraná e FFEM – São Paulo Em implantação: KfW – Minas Gerais Em negociação: KfW – Rio de Janeiro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul 5. FNMA – Fundo Nacional do Meio Ambiente (em operação) Objetivo: Viabilizar a Política Nacional do Meio Ambiente. Apóia projetos de médio e pequeno portes que visem o uso sustentável dos recursos naturais, a preservação ou a recuperação da qualidade ambiental no Brasil. Criado em 1989 apoiou mais de 660 projetos em todo o país.

Linhas temáticas: Diversidade Biológica Florestal; Silvicultura e Agrosilvicultura com Espécies Nativas; Manejo de Florestas Nativas; Apoio à Gestão de Unidades de Conservação, sob Administração Pública, que possuam Plano de Manejo; Apoio à Gestão de Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs); Projetos para Conservação/Preservação de Espécies de Flora e Fa una Silvestres Nativas; Projetos Voltados à Geração de Renda a partir de Espécies da Flora e Fauna Silvestres Nativas; Gestão Sustentável de Recursos Pesqueiros; Construção de Agenda 21 Local/Regional; Construção de Agendas Ambientais Institucionais e Comunitárias; Educação Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável; Apoio às Comunidades Extrativistas; Gestão Ambiental em Terras Indígenas. Áreas Alteradas; Expansão e Consolidação de Área Protegidas; Desenvolvimento Ambiental Urbano; Resíduos Industriais; Substâncias Químicas; Certificação Ambiental; Poluição do Ar; e Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.

6. Programa de Conservação da Biodiversidade – Probio O Probio é o mecanismo de auxílio técnico e financeiro para a implementação do Programa Nacional da Diversidade Biológica – PRONABIO. Seu objetivo é identificar ações prioritárias, estimular subprojetos que promovam parcerias entre os setores públicos e privados, gerando e § Identificação de Prioridades para a Aplicação de Recursos, Levantamento de Informações e Disseminação de Resultados: Avaliações em nível de bioma através de workshops Atividades Adicionais de Levantamento e de Divulgação da Biodiversidade Criação de uma Rede Nacional de Informações daBiodiversidade

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

§ Apoio a projetos demonstrativos de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira § Subprojetos Demonstrativos Iniciais: Tema: Recursos Genéticos Tema: Conservação e Utilização Sustentável da Biodiversidade § Subprojetos Demonstrativos e Estudos Especiais Tema: Fragmentação de Habitat Tema: Estudos Especiais 7. FUNBIO – Fundo Brasileiro para Biodiversidade Objetivo Operar um fundo para apoio financeiro e material a iniciativas associadas a conservação e ao uso sustentável da biodiversidade no Brasil, a partir dos recursos doados pelo Fundo para o Meio Ambiente Global (GEF – Global Environmental Facility), no valor de US$ 20 milhões.

Programa § Fundos de Parceria: os fundos de parceria visam financiar, de forma consorciada, projetos de interesse comum das instituições parceiras, em área temáticas consideradas prioritárias para a conservação e o uso sustentável da biodiversidade no Brasil: (i) uso direto e indireto de recursos genéticos e biológicos e (ii) criação ou implantação de unidades de conservação (públicas ou privadas) § Programa de Apoio à Produção Sustentável: consolidar iniciativas inovadoras de pequeno porte já em operação, ligadas ao uso sustentável da biodiversidade, que representem uma alternativa às atividades ec onômicas de alto impacto ambiental e que ampliem as possibilidades de geração de emprego e renda para as populações locais. § Melhores Práticas em Ecoturismo: desenvolver uma proposta de programa de capacitação em melhores práticas para o ecoturismo.

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001 PROGRAMAS ATIVIDADES FINANCIADAS FNMA Avança Brasil PNF PD/A (PPG7) Corredores Ecológicos (PPG7) Projetos PNMA II Bilaterais/ KfW (PPG7) PROBIO FUNBIO Subprograma Mata Atlântica (PPG7) Fortalecimento Institucional de órgãos públicos x x xx Fortalecimento Institucional de organiz. da sociedade civl x x Fiscalização x x x xx Licenciamento x x xx Educação Ambiental x Apoio à criação de UCs públicas x Apoio à gestão de UCs públicas x x xx x x Apoio à criação de UCs privadas x Apoio à gestão de UCs privadas x x x Proteção de Remanescentes x x Manejo Florestal x x x Certificação Florestal x x Monitoramento do Bioma x x Campanhas Educativas e de Opinião Pública x Novos mecanismos de geração e captação de recursos financeiros x x Uso sustentável de recursos da biodiversidade x x x x x Capacitação de recursos humanas em conservação x x Ecoturismo x x x Pesquisa científi ca x x Gestão de territórios de populações tradicionais x x Conservação/preservação de espécies da flora e fauna nativas x x Recuperação de áreas degradadas x x x x x

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

III – Subprograma Mata Atlântica Antecedentes e o Processo de preparação do Subprograma Mata Atlântica O PPG7 – Programa Puloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil é uma iniciativa conjunta do Governo Brasileiro, da sociedade civil brasileira e da comunidade internacional, que busca encontrar formas de conservar as florestas tropicais da Amazônia e da Mata Atlântica. É, sem dúvida, o mais importante programa já desenvolvido para a proteção e manejo sustentável das florestas tropicais brasileiras.

O programa foi proposto na reunião do Grupo dos Sete países industrializados (G7), em Houston, Texas, em 1990, sendo aprovado pelo G7 e pela Comissão Européia, em dezembro de 1991, tendo como objetivos: demonstrar que o desenvolvimento econômico sustentável e a conservação das florestas podem ser alcançados simultaneamente; preservar a biodiversidade das florestas tropicais; reduzir a emissão global de gases que produzem efeito estufa e estabelecer um exemplo de cooperação internacional entre países, para a solução de problemas ambientais de escala global.

O programa tem seguido cinco linhas principais de ação: Experimentaçào e Demonstração, Conservação, Fortalecimento Institucional, Pesquisa Científica e Lições e Disseminação, com vários projetos em andamento.

Além destes projetos, fazem parte ainda do PPG7 projetos bilaterais, desenvolvidos diretamente entre os países doadores e instituições brasileiras, devidamente aprovados no âmbito do programa. Como projetos bilaterais na Mata Atlântica, em cooperação com a Alemanha e a França, tem-se apoio a atividades nos Estados de São Paulo e Paraná, estando em negociação projetos com Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Entretanto, desde o seu início, o PPG7 tem concentrado seus esforços e recursos apenas na Floresta Amazônica, com investimentos proporcionalmente reduzidos na Mata Atlântica, o que caracteriza um desvio dos objetivos do próprio programa.

A participarção da Mata Atl6antica tem se restringido ao PDA – Projetos Demonstrativos, onde até o momento estão sendo apoiados 37 projetos em 9 Estados, nas áreas de Sistemas de Preservação Ambiental, Sistemas de Manejo Florestal e Sistemas Agroflorestais e Recuperação Ambiental. Além do PD/A, está em fase de “appraisal” o projeto Corredores Ecológicos, que em sua primeira fase será implementado nos Estados da Bahia e Espírito Santo.

A pressão crescente da sociedade para garantir a inclusão da Mata Atlântica no PPG7, de forma apropriada entre suas oportunidades de financiamento, levou o governo brasileiro a contratar, no final de 1996, um especialista no Bioma para organizar a interlocução entre as partes e dar início ao desenvolvimento da proposta.

Posteriormente, o Ministério do Meio Ambiente convidou um grupo de especialistas para apoiar a elaboração da proposta. O trabalho deste grupo foi concluído em maio de 1997 e apresentado sob o título de “Proposta para o Componente da Mata Atlântica, versão 1.1”.

A partir da divulgação do citado documento, foi acertado um programa de trabalho entre o Ministério do Meio Ambiente e a Rede de ONGs da Mata Atlântica, envolvendo a contratação de consultores com amplo conhecimento na problemática da Mata Atlântica, para a elaboração da proposta detalhada, Como resultado desse trabalho de consultoria, foi elaborado um documento intitulado “Plano de Ação da Mata Atlântica – Componente PPG7”. Esse Plano de Ação contou com a colaboração de Órgãos Públicos e da Rede de ONGs da Mata Atlântica, e foi discutido no Workshop Nacional realizado de 15 a 17 de julho de 1998, em Brasília.

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

Apresentado na reunião dos Participantes do PPG7 (Doadores, Governo Brasileiro, Sociedade Civil e Banco Mundial), em outubro de 1999, o Plano de Ação foi aprovado como subsídio para a elaboração do Subprograma Mata Atlântica no âmbito do PPG7.

Para viabilizar a elaboração desse Subprograma foi elaborado um Termo de Referência no valor de US$ 200,000, aprovado pela CCB e CCC, e foi implantado o NAPMA – Núcleo Assessor de Planejamento da Mata Atlântica, dentro da Secretaria de Biodiversidade e Florestas, no Ministério do Meio Ambiente.

O Subprogram Mata Atlântica vem preencher uma lacuna importante no PPG7, que é a falta de ações direcionadas para a Proteção e Recuperação da Mata Atlântica, e foi amplamente discutido com os setores governamentais e não governamentais, acadêmicos e empresarial, nos seguintes seminários: § I Seminário do Subprograma Mata Atlântica – PPG7, Brasíli (DF) – 28 de julho de 2000; § Seminário Regional Nordeste – Salvador (BA) – 11 e 12 de setembro de 2000 § Seminário Regional Sul/Sudeste – São Paulo (SP) – 25 e 26 de setembro de 2000.

O Subprograma Mata Atlântica adotou como base estruturadora as “Diretrizes para a Política de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Mata Atlântica”, aprovada pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) em dezembro de 1998, após amplo processo de discussão entre todos os setores da sociedade interessados na conservação e uso sustentável do Bioma.

Foram ainda considerados no processo de elaboração do Subprograma vários outros documentos elaborados no âmbito do PPG7 e Ministério do Meio Ambiente, em especial os referentes a Revisão de Meio Termo e o Plano de Ação para a Mata Atlântica (1998). Além destes documentos de referência, os resultados do projeto Avaliação e Ações Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos (Probio/Pronabio, 1999) constituirão elementos para o direcionamento e priorização das ações a serem desenvolvidas.

A implementação do Subprograma foi concebida de forma a estabelecer uma relação de integração e evitar sobreposição de esforços com os demais programas de financiamento para a Mata Atlântica, em execução ou preparação, tais como: Programa Avança Brasil, PNMA II, PNF, FNMA, Probio, Funbio, PDA/PPG7, Corredores Ecológicos/PPG7 e Projetos Bilaterais KFW-FFEM/PPG7.

Diretrizes Gerais § Representatividade das diferentes fisionomias e unidades biogeográficas que compõem o § Desenvolvimento das pesquisas necessárias à implementação dos projetos e ações § Fortalecimento institucional das organizações públicas, comunitárias e privadas responsáveis pela implementação de projetos e atividades desenvolvidos no âmbito do § Financiamento de projetos e atividades relacionadas à utilização econômica de recursos florestais restrita à exploração de produtos não madeireiros.

Objetivos Os objetivos desse Programa estão diretamente relacionados com os problemas que levam ao empobrecimento ecológico, à escassez de ações práticas de recuperação de ecossistemas degradados, à desvalorização de culturas tradicionais e ao abandono e uso inapropriado dos ecossistemas remanescentes.

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

Considerando os objetivos gerais do PPG7, o problema, a relevância e as especificidades que caracterizam a Mata Atlântica e a Política da Mata Atlântica, o Subprograma possui os seguintes objetivos gerais: § Assegurar a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica, reduzindo significativamente seu processo de empobrecimento, através da ampliação das unidades de conservação e § Promover o desenvolvimento sustentável, assegurando a utilização dos recursos naturais de forma ecologicamente sustentável e socialmente justa, contribuindo significativamente para a redução do processo de empobrecimento cultural na Mata Atlântica; § Promover a recuperação da Mata Atlântica.

Áreas e linhas programáticas As Áreas e Linhas Programáticas consideradas prioritárias para investimento em projetos no âmbito do Subprograma Mata Atlântica, foram definidas a partir da seleção e adaptação de linhas programáticas da Política da Mata Atlântica, considerando os objetivos, mandato e forma de operação do PPG7.

Partindo-se das 78 linhas programáticas da Política da Mata Atlântica, a equipe do NAPMA selecionou 26 que melhor se adequavam ao PPG7 e submeteu-as à discussão nos seminários de consulta realizados em Salvador e São Paulo. Ao final desse processo foram priorizadas 16 linhas programáticas, organizadas em quatro áreas programáticas: (i) proteção da biodiversidade, (ii) uso sustentável dos recursos naturais, (iii) recuperação de área degradadas Área Programática 1 – Áreas Protegidas Linhas Programáticas Prioridade 1 – Ampliar e consolidar um sistema integrados de UCs e área protegidas, fortalecendo os mecanismos de gestão participativa, manejo e monitoramento de UCs públicas e privadas, em especial as de uso integral, consolidando os mosaicos florestais, os corredores ecológicos e o sistema de Reserva da Biosfera ALTA 2 – Apoiar a criação de implementação de UCs municipais e áreas protegidas particulares MÉDIA 3 – Promover a inserção das UCs nos planos de desenvolvimento regional dos Estados e municípios MÉDIA 4 – Estabelecer programas para a conservação de espécies MÉDIA Área Programática 2 – Uso sustentável da Mata Atlântica Linhas Programáticas Prioridade 1 – Estabelecer manejo adequado em áreas de comunidades tradicionais, buscando valorizar os conhecimentos sobre manejo e conservação dos remanescentes da Mata Atlântica ALTA 2 – Promover o desenvolvimento florestal sustentável orientando o manejo não madeireiro e o reflorestamento, valorizando-se os usos múltiplos das florestas, contribuindo para a geração de rendo e a segurança alimentar. ALTA 3 – Identificar, caracterizar, valorar e promover a regulamentação dos serviços ambientais da Mata Atlântica, com sua respectiva disseminação na sociedade ALTA 4 – Estabelecer mecanismos específicos de concessão de uso dos recursos naturais nas áreas privadas da Mata Atlântica. MÉDIA Área Programática 3 – Recuperação de Áreas Degradadas Linhas Programáticas Prioridade 1 – Promover a restauração e recuperação da Mata Atlântica, contribuindo para formação de mosaicos e corredores ecológicos e para recomposição de áreas de relevante interesse ambiental, especialmente em regiões de mananciais, recarga de aquíferos, áreas de preservação permanente, reservas legais e entorno de UCs. ALTA 2 – Apoiar programas bioregionais de sementes florestais, compatibilizando-os com ações de restauração e recuperação de áreas degradadas na Mata Atlântica ALTA

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001 Área Programática 4 – Políticas Públicas, Monitoramento e Pesquisa Linhas Programáticas Prioridade 1 – Promover a geração do conhecimento e do desenvolvimento tecnológico, tanto no setor público quanto no privado, necessários à conservação e ao manejo sustentado da Mata Atlântica ALTA 2 – Promover programas de monitoramento da diversidade biológica ALTA 3 – Fortalecer ações de controle da caça e do comércio de espécies ALTA 4 – Estabelecer instrumentos de compensação que valorizem as áreas de manejo, reservas legais, UCs privadas e áreas de preservação permanente ALTA 5 – Implementar programa de monitoramento participativo da Mata Atlântica em âmbito nacional MÉDIA 6 – Estabelecer ações para reduzir a influência da expansão urbana e rural sobre as UCs e remanescentes de Mata Atlântica e regular a utilização das áreas de entorno das UCs. MÉDIA Resultados esperados (marco zero, visão geral, resultados específicos) 2001 Governo Federal regulamenta certificados de emissão de carbono para proteção de áreas naturais e recuperação de áreas degradadas 2002 Brasileiros aumentam preocupação com a Mata Atlântica 2002 Organizado amplo programa de pesquisa da biodiversidade e conservação da Mata Atlântica 2002 Regulamentadas as compensações referentes a serviços ambientais (Públicos e Privados) 2003 Concluído o detalhamento das áreas prioritárias para a conservação de biodiversidade em nível local 2004 Sistema para monitoramento em tempo real da Mata Atlântica disponível na Internet 2004 A fiscalização estruturada e em funcionamento 2005 Desmatamento zero na Mata Atlântica 2007 UCs cujos planos de manejo admitam serão principais destinos de ecoturismo no País 2010 60% dos remanescentes estão convertidos em áreas protegidas públicas e privadas de uso indireto 2010 100% das UCs criadas até 2000 possuem planos de manejo concebidos e implementados e situação fundiária resolvida 2010 Modelos de reabilitação da Mata Atlântica amplamente disseminados 2010 A Mata Atlântica atinge ritmo de recuperação de 3% ao ano 2010 Espécies ameaçadas de extinção possuem estratégias e programas de salvamento 2020 Corredores biológicos geridos de forma integrada com avaliação sistemática da proteção da biodiversidade e dos serviços ambientais.

Vantagens comparativas É importante destacar, no entanto, que a aplicação da “Matriz de avaliação da eficácia, viabilidade e sustentabilidade”, que apresentaremos a seguir, deverá estabelecer as condições para a priorização dos projetos e atividades a serem financiados, sem que seja necessário um fechamento excessivo das linhas programáticas.

O conceito de “Matriz de avaliação” prevê que os projetos prioritários serão aqueles capazes de demonstrar claramente sua eficácia, viabilidade e sustentabilidade, dentro de um gama relativamente ampla de opções em termos de linhas programáticas.

A inserção da Mata Atlântica no Program a Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras deve considerar as características peculiares do Bioma, principalmente quando comparado à Floresta Amazônica. Esta questão é ainda mais importante quando se considera que, até o momento, a experiência acumulada pelas instituições envolvidas com a gestão do PPG7 praticamente restringiu-se àquela região.

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

As especificidades Institucionais e Conjunturais do Bioma O desenvolvimento do Subprograma Mata Atlântica deve considerar as especificidades do Bioma, uma vez que algumas delas limitam as opções de uso sustentável dos recursos florestais e outros podem se constituir em vantagens comparativas em a outras regiões do País para a implantação do PPG7, desde que adequadamente consideradas.

A situação crítica da Mata Atlântica, caracterizada pela intensa fragmentação de suas fitofisionomias na maior parte de sua área original de abrangência, induz, naturalmente, a um direcionamento para a proteção total das áreas remanescentes. Através do controle dos processos de degradação antrópica e do efeito de borda e à regeneração de áreas degradadas.

Desta forma, o Subprograma Mata Atlântica deve ter como objetivos fundamentais a conservação e recuperação do Bioma. Esta orientação implica em se considerar que a opção pelo uso sustentável de recursos florestais como uma alternativa à degradação, largamente utilizada como estratégia do PPG7 na Amazônia, teria aplicação limitada na Mata Atlântica.

Considerando-se a situação ambiental do Bioma, a beleza cênica da maioria de suas áreas remanescentes e a proximidade das mesmas de grandes centros urbanos, o desenvolvimento de atividades de lazer ecoturismo devem ser considerados como uma das principais opções para a geração de renda. A exploração de recursos florestais de baixo impacto (plantas ornamentais, plantas medicinais, palmito, caixeta, etc) pode ser uma opção para algumas poucas regiões onde há uma concentração significativa de formações florestais, como o Vale do Ribeira (litoral sul de São Paulo e litoral norte do Paraná) Entre as especificidades da Mata Atlântica que devem ser consideradas vantagens comparativas em relação a outras regiões do país, destacam-se: 1 – Grau crescente de consciência da sociedade para a necessidade de reversão dos 2 – Capacidade institucional dos órgãos ambientais estaduais e municipais em geral, superior a 3 – Alto grau de organização da sociedade civil na maior parte dos Estados compreendidos 4 – Setor empresarial em geral mais din6amico e capitalizado do que em outras regiões do 7 – Acúmulo de experiências em conservação e recuperação de áreas degradas.

IV – Descrição do Subprograma Estratégia de implantação do Subprograma § A estrutura gerencial do programa deverá contar com uma secretaria técnica permanente (NAPMA – Núcleo Assessor de Planejamento da Mata Atlântica) vinculada à Secretaria da Biodiversidade e Florestas do MMA, sendo destinados para a sua operação até, no § O Programa contará com uma Comissão Coordenadora, especificamente criada, composta, de forma paritária, por representantes governamentais (MMA, MCT, MAA, Ibama, Abema, Anamma) e não governamentais (RMA, CNRBMA, setor acadêmico, setor § A análise de propostas contará com o apoio de pareceristas ad hoc; § A Secretaria Técnica do Programa será res ponsável por elaborar os manuais técnicos, formulários e modelos para apresentação de propostas; propor editais de demandas induzidas; receber, triar e encaminhar para análise de pareceristas ad hoc e da Comissão Coordenadora as solicitações de financiamento recebidas; elaborar os contratos e coordenar o repasse dos recursos; monitorar o desenvolvimento técnico e financeiro dos

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

projetos e atividades financiadas; elaborar o Relatório Anual de Avaliação de Eficácia do § A Comissão Coordenadora será responsável pela aprovação dos manuais técnicos, formulários e modelos para apresentação de propostas; dos editais de demandas induzidas; das propostas encaminhadas pela Secretaria Técnica; e do Relatório Anual de § O Programa operará através de demanda induzida, definidas em editais específicos, a exemplo do que vem sendo feito pelo MMA (Pronabio, Funbio, PD/A, etc) e demanda espontânea, de acordo com as áreas programáticas e prioridades definidas; § A implementação das ações previstas neste programa será feita através de um processo § Para o repasse de recursos deverão ser adotados procedimentos utilizados pelo PD/A, de § Estão credenciados a submeter propostas as instituições governamentais, instituições de pesquisa e ensino, ONGs, movimentos sociais/organizações de comunidades e empresas § Serão valorizados no processo de seleção as propostas que apresentarem parcerias inter- institucionais, como forma de aumentar a eficiência e sustentabilidade dos projetos e § As propostas recebidas serão selecionadas através de uma matriz de avaliação que considerará fatores e critérios que favoreçam aquelas que apresentarem as melhores § O Programa contará com áreas e linhas programáticas prioritárias pré-estabelecidas resultantes de amplo processo de consulta com os diversos setores envolvidos com a conservação da Mata Atlântica, que serão avaliadas a cada dois anos a partir dos § Serão consideradas na definição dos editais de demanda induzida e na análise de proposta s resultantes de demanda espontânea, além das áreas e linhas programáticas prioritárias pré-estabelecidas, as áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade do Bioma, resultantes do Workshop Mata Atlântica (Pronabio/Probio) § O processo de seleção de propostas deverá evitar concentração de recursos em regiões que possuam organizações com maior capacidade técnica ou institucional; § Serão aceitos projetos a longo prazo (máximo 5 anos)

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

Fluxograma de Projetos do Subprograma Mata Atlântica 1 – NAPMA envia propostas de Editais de Demanda Induzida para Comissão Coordenadora 2 – Comissão Coordenadora aprova Editais de Demanda Induzida 3 – NAPMA divulga Editais 4 – Entidades encaminham projetos para demanda induzida e demanda espontânea, com proposta de enquadramento na matriz de avaliação 5 – NAPMA recebe projetos, faz triagem e encaminha para consultores técnicos 6 – Consultores emitem pareceres 7 – NAPMA envia projetos com pareceres para julgamento da Comissão Coordenadora 8 – Comissão coordenadora julga projetos e remeta ao NAPMA 9 – NAPMA faz tramitação dos projetos aprovados às entidades proponentes/executoras 10 – NAPMA monitora projetos em execução 11 – NAPMA elabora relatório anual de avaliação da eficácia do Subprograma 12 – Comissão Coordenadora avalia e aprova relatório anual do Subprograma 13 – NAPMA divulga relatório anual do Subprograma

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

Modelo Operacional – M atriz de Avaliação da Eficácia, Viabilidade e Sustentabilidade A proposta para a operação do Subprograma Mata Atlântica está baseada em um modelo que promova a sinergia entre os diferentes atores que já atuam na conservação e recuperação do Bioma (órgãos públicos das diferentes esferas do poder, ONGs, movimentos sociais, setor empresarial e setor acadêmico/científico).

Para tanto, as iniciativas de conservação e recuperação da Mata Atlântica apresentadas pelos atores interessados em executá-las serão avaliadas através de uma “matriz de avaliação”, que pretende pontuar as diferentes propostas a partir de fatores e critérios que favoreçam aquelas que apresentarem as melhores condições de viabilidade, efetividade e sustentabilidade.

A viabilidade dos projetos e ações propostos é um aspecto essencial para se definir os investimentos no âmbito do Subprograma Mata Atlântica e deve ser um critério de seleção.

A presente proposta considera que a vasta gama de experiências já desenvolvidas na Mata Atlântica permite que o Subprograma avance consistentemente em ações concretas e com razoável previsão de acerto. Desta forma, não se pretende que o Subprograma mantenha um caráter “demonstrativo”.

Os aspectos considerados de maior relevância para se avaliar a viabilidade de uma determinada ação são: (i) básica técnica consistente, (ii) capacidade institucional das entidades proponentes e executoras e (iii) envolvimento do beneficiário.

Por efetividade, compreende-se o significado da ação proposta em relação à solução do problema a ser enfrentado. Aqui, mais uma vez, deve ser considerado com ponto de partida o vasto acervo de experiências já desenvolvidas no âmbito do Domínio da Mata Atlântica, como base para o estabelecimento de modelos de avaliação das propostas a serem desenvolvidas com apoio do Subprograma.

Como subsídio de grande validade para esta definição de modelos de avaliação de efetividade, o Subprograma contará com os resultados do projeto “Avaliação do Esforço de Conservação, Recuperação e Uso Sustentável dos Recursos Naturais da Mata Atlântica”.

Este projeto, com início em outubro de 2000 e conclusão prevista para maio de 2001, tem como objetivos: – reunir, publicar, analisar e divulgar experiências de conservação, recuperação e uso sustentável na Mata Atlântica, executadas a partir de 1990 por érgãos públicos, organizações não governamentais, instituições de pesquisa públicas e privadas, empresas, movimentos sociais e demais atores atuantes no Bioma.

– Promover uma avaliação dos principais programas de financiamento, públicos e privados, que possuem linhas de apoio a projetos de organizações nào governamentais, a partir de 1990.

Por sustentabilidade compreende-se: (i) condições político-institucionais para que a ação se desenvolva dentro do planejamento previsto; (ii) condições para que a atividade/ação tenha permanência após o investimento obtido junto ao Subprograma.

O Subprograma Mata Atlântica terá um forte componente competitivo, pois a análise das diferentes propostas submetidas ao programa não se baseará somente no mérito individual de cada uma delas, modelo que vem sendo aplicado ao PPG& até o momento. Após a análise individual de cada proposta, elas serão analisadas de forma integrada através da “matriz de avaliação”, que considerará os seguintes aspectos: grau de relevância ambiental; grau de inter- institucionalidade e volume de contrapartida.

Os fatores e critérios a serem utilizados na “matriz de avaliação” do Subprograma estão definidos a partir dos seminários de consulta regionais (setembro/outubro de 2000), pois a

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

viabilidade da proposta depende do consenso entre os diferentes atores atuantes no Bioma, questão considerada fundamental para garantir a estabilidade político-institucional da proposta.

Os participantes dos Seminários de Brasília, Sal vados e São Paulo definiram os seguintes fatores e critérios de avaliação: Quanto a relevância ambiental Fatores diretamente relacionados a projetos, com status de pré-requisito Fator Variáveis para avaliação do pré-requisito a) importância para a conservação da biodiversidade 1 – Presença de sp raras/endêmicas 2 – Presença de sp ameaçadas de extinção 3 – Importância para Conectividade de fragmentos 4 – Importância para restauração/recuperação de fragmentos Fatores diretamente relacionados a projetos que definem prioridades regionais/locais Fator Pontuação a) Áreas prioritárias para conservação da biodiversidade (Workshop da biodiversidade) 5 b) Recuperação de áreas degradadas para formação de corredores 5 c) Reabilitação de APPs 5 d) Áreas flores tais em bom estado de conservação 5 e) Grau de ameaça 5 f) Entorno de UCs 4 g) Proteção de recursos hídricos 4 h) Uso sustentável do recursos 4 i) Fragmentos da Mata Atlântica em área urbana e de expansão urbana 3 j) Projetos cujo objetivo é promover a restauração ambiental 3 Fatores indiretamente relacionados a projetos Fator Pontuação a) Grau de oportunidade (Conjuntura favorável à preservação) 3 b) Programa/atividades de educação ambiental 3 c) Segmentos sociais comprometidos com a proteção/preservação do Bioma 3 d) Serviços ambientais 2 e) Combate da cultura destrutiva 2 f) beleza cênica 1 g) Identificação de capital natural e renda 1 Quanto ao Grau de Inter-institucionalidade Fatores diretamente relacionados a projetos Pontuação a) Diversidade de atores envolvidos (número de parcerias horizontais com representações institucionais e compromissos formalmente definidos) 5 b) Previsão de mecanismos de cogestão (responsabilidades definidas) 5 c) Engajamento das comunidades tradicionais (índios, pescadores, agricultores, quilombolas) nos empreendimentos 5 d) Promoção de interação entre governo-governo, governo-sociedade, sociedade- sociedade 4 e) Parceria previamente formalizada entre instituições 3 f) Experiência anterior com parcerias efetivas 3 Quanto a Contrapartida: Os projetos propostos têm que ter contrapartida mínima (critério eliminatório) Projetos Grandes 30% Projetos Médios 20% Projetos Pequenos 10%

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

A contrapartida poderá ser composta por: – recursos financeiros – recursos humanos – equipamentos e infra-estruturas colocadas à disposição do projeto proposto – serviços oferecidos pela comunidade – investimentos em fundamentação técnica-científica do projeto proposto

Tempo mínimo de existência legal e atuação na área de uma ano (o critério é o registro no cartório) Pré-condições 1 – Fatores relacionados a instituições proponentes/executoras Capacidade institucional Capacidade técnica Capacidade de auto-monitoramente Tempo mínimo de existência legal e atuação na área Cumprimento da Legislação Ambiental (APPs e reserva legal preservadas ou plano de recuperação) 2 – Fatores relacionados ao projeto Projeto elaborado de forma participativa Mecanismos/procedimentos que garantam a disponibilização e a disseminação das informações e resultados obtidos 3 – Fatores relacionados a proponentes/executores governamentais Legislação ambiental compatível com as diretrizes do Conama Existência de conselhos estaduais/municipais de meio ambiente paritários e deliberativos Agenda 21 em implantação Mecanismos para financiamento de ações de conservação ambiental implantados ou em implantação Existência de programas ambientais Órgão ambiental estruturado Obs.: Estados já qualificados pelo PNMA II estarão aptos para a obtenção de recursos do Subprograma da Mata Atlântica, desde que cumpridas as demais pré-condições dos itens: Fatores relacionados a instituições proponentes/executoras e Fatores relacionados ao projeto.

Modalidade de apoio O Subprograma Mata Atlântica apoiará projetos e atividades em duas modalidades de operação induzida e demanda espontânea.

O modelo de demanda induzida será adotado para estimular o desenvolvimento de ações e projetos cujos resultados tenham efeito em âmbito nacional, contribuindo para a conservação e recuperação de todo o Bioma.

O modelo de demanda espontânea será adotado para apoiar as iniciativas que, coerentes com as linhas temáticas definidas para o Subprograma, tenham como objetivo desenvolver atividades, ações e projetos com efeito em âmbito regional/local.

Capítulo III – Documentos de Referência Subprograma Mata Atlântica – versão 4.0 – janeiro 2001

Modalidade de Apoio Demanda Induzida Linha de Ação Temas Pontuação A) Capacitação em Gestão Ambiental B) Campanhas de conscientização e mobilização 6 3 2 – Mecanismos Financeiros e Administrativos C) Aprimoramento da legislação D) Mecanismo financeiros inovadores E) Soluções de questões fundiárias 4 2 2 3 – Implementação em áreas prioritárias de Restauração F) Manejo bioregional em áreas prioritárias G) Implantação e manejo de áreas de Reserva Legal e APPs H) Restauração e outras medidas mitigadoras do efeito de fragmentação de habitats em áreas prioritárias I) Implantação e esforço de sistemas integrados de controle (incêndios, uso do fogo, caça, desmatamento, etc) 7 7

6 3 4 – Avaliação e Monitoramento J) Monitoramento Participativo da Mata Atlântica K) Cadastro nacional e monitoramento participativo de UCs L) Estudos e pesquisas que levem ao detalhamento de áreas prioritárias para conservação em nível local M) Sistematização da informação científica N) Monitoramento de populações silvestres Exemplos de Linhas de Temáticos para Demanda Espontânea 7

5 4 3 – Uso sustentável de recursos naturais e recuperação de áreas degradadas no entorno de UCs – Implantação de corredores biológicos – Elaboração de planos de manejo de UCs – Implantação e manejo de áreas de reserva legal e APPs – Criação e fortalecimento de associações de consumidores de madeira voltadas para a promoção do reflorestamento – Conservação em áreas críticas (cabrucas, encraves e áreas sob pressão).

Capítulo III – Documentos de Referência Fundação SOS Mata Atlântica Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Instituto Socioambiental

ATLAS DA EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO PERÍODO 1990-1995 RelatórioNacional-SíntesedosEstadosdoEspíritoSanto,RiodeJaneiro,MinasGerais,Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

AGRADECIMENTOS A Fundação SOS Mata Atlântica manifesta seus sinceros agradecimentos ao BRADESCO S.A., POLIBRASIL S.A. e Fundo Nacional do Meio Ambiente/MMA pelo importante apoio financeiro concedido e aos consultores técnicos, às equipes de trabalho das instituições envolvidas e a todas as pessoas e instituições que colaboraram direta ou indiretamente para o desenvolvimento deste projeto.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA Roberto Luiz Leme Klabin – Presidente Paulo Nogueira Neto – Vice-Presidente MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA José Israel Vargas – Ministro INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS – INPE Marcio Nogueira Barbosa – Diretor INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL – ISA Neide Esterci – Presidente Eduardo Viveiro de Castro – Vice-Presidente COORDENAÇÃO GERAL DO PROJETO Márcia Makiko Hirota – SOS Mata Atlântica Thelma Krug – INPE João Paulo Ribeiro Capobianco – ISA COORDENAÇÃO TÉCNICA Flávio Jorge Ponzoni – INPE Márcia Makiko Hirota – SOS Mata Atlântica João Paulo Ribeiro Capobianco – ISA EQUIPE DE TRABALHO SOS Mata Atlântica: Mário Mantovani (Diretoria de Relações Institucionais), Adauto Tadeu Basílio (Diretoria Administrativa/Financeira), Márcio Valentim Gomes Corrêa, Jociel Domingos Santos (Documentação). INPE: Paulo Roberto Martins Serra (Centro Espacial de Cachoeira Paulista), José Borges Escada Junior (Divisão de Geração de Imagens), Bernardo Friedrich Theodor Rudorff (Divisão de Sensoriamento Remoto), Ubirajara Moura de Freitas (Divisão de Processamento de Imagens) e Paulo Cesar Gurgel de Albuquerque (Coordenação do Convênio). ISA: Sérgio Mauro dos Santos Filho, Edmar Moretti, Alicia Rola, Rosemeire Rurico Sacó, Edna Amorim dos Santos (Laboratório de Informações Geográficas e Sensoriamento Remoto), Maria Cléa Brito de Figueiredo, Ângela Maria Ribeiro Galvão, Leila Maria Monteiro da Silva (Documentação), Maria Lídia Bueno Fernandes (Banco de Dados de UCs da Mata Atlântica). IMAGEM SENSORIAMENTO REMOTO S/C LTDA: Enéas Rodrigues Brum, Luiz Leonardi e Marcos Covre (Diretoria), Ivone Mariko Masago (Coordenação técnica), Iara Musse Félix, Andréa Miranda Santos, Cláudia Roberta de Souza e Mariângela Aparecida da Silva Martins (Interpretação visual das imagens orbitais), Fabrício dos Santos Lopes, Marcelo de Faria, Suzanleide Moreira Vieira Paula, Keilla dos Reis Ribeiro e Fernanda Cristina da Silva (Digitalização), Carlos Alberto Felgueiras e Fernando Mortara (Consultores).

PROCESSAMENTO DE IMAGENS Earth Satellite Corporation CONSULTORIA TÉCNICA Diana Sarita Hamburger Elaine Cristina Cardoso Fidalgo Marcos Reis Rosa CONSULTORIA DE AVALIAÇÃO Espírito Santo: Ségio Lucena Mendes (Museu de Biologia Mello Leitão), Oberdan José Pereira, Tânia Mara Simões do Carmo, Luciana Dias Thomaz e José Manoel Lúcio Gomes (Universidade Federal do Espírito Santo). Rio de Janeiro: Rejan Rodrigues Guedes-Bruni, Haroldo C. de Lima, Sebastião José da Silva Neto, João Marcelo de Alvarenga Braga, Solange de V. A Pessoa e Pedro Schuback (Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro – Programa Mata Minas Gerais: Gustavo A B. da Fonseca e Luiz Paulo de S. Pinto (Conservation nI ternational do Brasil), Gisela Herrmann, Christiane Furlani, Cássio Soares Martins e Lívia Vanucci Lins (Fundação Biodiversitas), Elena Charlotte Landau e André Hirsch São Paulo: Waldir Mantovani (Universidade de São Paulo) e Eduardo Luís M. Catharino (Instituto de Botânica Estado São Paulo). Paraná: Miguel S. Milano, Sandro Menezes Silva e Ricardo Miranda de Britez (Universidade Federal do Paraná) e Ivan Baptiston Santa Catarina : Ademir Reis e Daniel de Barcellos Falkenberger (Universidade Federal de Santa Catarina). Rio Grande do Sul: Luis Rios de M. Baptista e Jorge Luis Waechter (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

APRESENTAÇÃO A Fundação SOS Mata Atlântica, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE e o Instituto Socioambiental – ISA têm a grata satisfação de apresentar à sociedade o relatório d o “Atlas da Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados no Domínio da Mata Atlântica no Período 1990-95”.

Este relatório apresenta uma análise da dinâmica atual da Mata Atlântica em nove Estados do País, que concentram aproximadamente 80% das áreas remanescentes do Bioma. Sua viabilização, utilizando os mais modernos recursos disponíveis para o monitoramento de cobertura vegetal, só foi possível graças a parceria entre estas instituições, um exemplo marcante de cooperação entre organizações governamentais e não-governamentais.

Ao apresentar os resultados de mais esta etapa, as instituições convenentes cumprem com os objetivos propostos de produzir e disponibilizar informações permanentemente aprimoradas e atualizadas sobre a dinâmica das alterações verificadas na vegetação nativa da área abrangida pelo projeto.

Espera-se que estas informações sejam uma contribuição efetiva para o planejamento e avaliação das ações conservacionistas desenvolvidas pelas instituições públicas e privadas e um instrumento para a conscientização da sociedade em geral para a gravidade da situação da Mata Atlântica, um dos mais ameaçados conjuntos de ecossistemas do Planeta.

Roberto Luiz Leme Klabin presidente da Fundação SOS Mata Atlântica Márcio Nogueira Barbosa diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Neide Esterci presidente do Instituto Socioambiental

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

INTRODUÇÃO A Mata Atlântica e seus ecossistemas associados cobriam originalmente uma área de 1.290.692,46 quilômetros quadrados, que correspondia a cerca de 15% do território brasileiro, espalhados por 17 Estados (RS, SC, PR, SP, GO, MS, RJ, MG, ES, BA, AL, SE, PB, PE, RN, CE e PI).

O processo de ocupação do Brasil levou este Bioma a uma drástica redução de sua cobertura vegetal original, hoje disposta esparsamente ao longo da costa brasileira e no interior das regiões sul e sudeste, além de importantes fragmentos no sul dos estados de Goiás e Mato Grosso do Sul e no interior dos estados do Nordeste.

A partir de meados da década de 1980 inicia-se no País uma intensa mobilização da sociedade civil pela preservação da Mata Atlântica. Inúmeras entidades ecológicas são criadas, sendo muitas delas voltadas especificamente para este fim. Este movimento social, no entanto, contava com poucas informações consistentes sobre a situação desta que foi a primeira floresta a sofrer o impacto do processo de colonização européia. Até então, muito pouco se sabia sobre sua área original, dimensão e distribuição espacial de seus remanescentes.

Com o objetivo de suprir esta lacuna de informações, consideradas fundamentais para orientar uma efetiva ação de conservação, a Fundação SOS Mata Atlântica, em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE e o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA, elaborou o “Atlas dos Remanescentes Florestais do Domínio da Mata Atlântica”, lançado em 1990. Este foi o primeiro mapeamento da Mata Atlântica realizado no País a partir da análise de imagens de satélite e incluiu, além das fisionomias florestais, os ecossistemas associados (mangues e restingas), na escala 1:1.000.000, determinando suas áreas e estabelecendo uma referência inicial para o desenvolvimento de novos estudos.

A escala adotada neste primeiro trabalho apresentou limitações para análises mais detalhadas, pois algumas unidades de pequena extensão não puderam ser mapeadas. Além disto, polígonos de remanescentes descontínuos tiveram de ser agrupados pela sua densidade, oferecendo uma informação inicial, mas que necessitava de aprofundamento.

A fim de aprimorar estas informações, e atendendo a recomendação dos principais cientistas brasileiros atuantes na Mata Atlântica sobre a necessidade de se conhecer a dinâmica contemporânea dos remanescentes do Bioma, a Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE deram início, em 1990, a um novo mapeamento, visando obter informações mais precisas, mais detalhadas e passíveis de atualização permanente.

Para tanto, foi ampliada a escala de trabalho para 1:250.000 e definido período de cinco anos, entre 1985 e 1990, para a avaliação da evolução das fisionomias florestais e ecossistemas associados no Domínio da Mata Atlântica em dez estados brasileiros onde o mapeamento anterior apontava a maior concentração de áreas preservadas (Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul).

Este projeto, denominado “Atlas da Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados no Domínio da Mata Atlântica – Período 1985-1990”, contou com apoio financeiro do BRADESCO S.A., das Indústrias Klabin de Papel e Celulose e Metal Leve e foi concluído em 1993.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

A conclusão dos trabalhos de atualização foi submetida a pesquisadores e especialistas em Mata Atlântica, conhecedores da situação florestal dos Estados analisados pelo projeto, que emitiram pareceres técnicos a respeito dos mapeamentos produzidos.

Dando sequência ao projeto, a Fundação SOS Mata Atlântica e o INPE iniciaram em 1996 a atualização dos dados com base em imagens de satélite de 1995, a fim de analisar a dinâmica do período 1990- 1995.

Para este novo período foram atualizados os dados de nove estados, pois para a Bahia, avaliada no período anterior, não foi possível obter imagens de satélite sem cobertura de nuvens. Em termos metodológicos algumas inovações importantes foram introduzidas nesta nova etapa, como alteração no processamento das imagens de satélite, possibilitando maior precisão na separação entre as diferentes fisionomias vegetais. Graças a este aperfeiçoamento, além da maior confiabilidade dos dados de 1995, foi possível corrigir erros de interpretação verificados do mapeamento realizado nos anos 1985 e 90.

Outro aperfeiçoamento importante no trabalho foi a inclusão de uma avaliação estatística, supervisionada pelo INPE, que apontou o índice de exatidão global do mapeamento do Estado do Espírito Santo, com objetivo de indicar o percentual de confiabilidade das cartas.

Além dos aprimoramentos anteriormente citados, o Instituto Socioambiental, com quem a Fundação SOS Mata Atlântica assinou convênio em 1995, desenvolveu para o projeto um sistema de informação geográfica com a abrangência original das fisionomias vegetais que compõem o Domínio da Mata Atlântica, limites municipais e limites das unidades de conservação. Com base neste sistema, está sendo possível avaliar a dinâmica da Mata Atlântica de forma mais precisa e localizada, permitindo a definição de políticas de conservação mais objetivas e coerentes com cada situação. Este aperfeiçoamento permitiu, ainda, que fossem separados dos dados sobre as formações florestais da Mata Atlântica, dados de outros biomas, principalmente savana e estepe, que na etapa anterior estavam incluídos no cômputo geral.

É importante ressaltar, no entanto, que este estudo permite apenas uma avaliação quantitativa, em termos de área remanescente. Uma avaliação qualitativa, que verifique a situação das áreas florestais e ecossistemas associados identificadas no mapeamento, é fundamental para se obter uma análise adequada da real situação da Mata Atlântica no País.

O trabalho continuará verificando a dinâmica das ações antrópicas na Mata Atlântica, que envolve mais do que o acompanhamento do desmatamento. Envolve também o aprimoramento da legislação e de sua implementação, com a participação da sociedade civil, fiscalização eficiente, recuperação de áreas degradadas, pesquisa científica e conscientização da população. Espera-se que os resultados de mais esta etapa do projeto seja uma importante contribuição para o aperfeiçoamento das ações de conservação desenvolvidas pelas organizações públicas e privadas.

Em cada Estado, o projeto contou com a colaboração de órgãos ambientais, especialistas de universidades e instituições de pesquisa e entidades ambientalistas. A viabilização desta atualização só foi possível graças ao apoio financeiro recebido do BRADESCO S.A., da POLIBRASIL S.A. Indústria e Comércio e do Fundo Nacional do Meio Ambiente/MMA.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

METODOLOGIA O mapeamento temático dos remanescentes florestais, de vegetação de restinga e de mangue do Domínio da Mata Atlântica, entre 1990 e 1995, abrangeu nesta fase nove Estados e utilizou técnicas de interpretação visual de imagens de satélite, levantamentos de campo e outras informações disponíveis sobre a área analisada.

Base cartográfica Como base cartográfica para os mapas temáticos produzidos, foram utilizadas folhas topográficas na escala 1:250.000 do mapeamento sistemático do Território Nacional realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pela Diretoria de Serviço Geográfico (DSG), referente a todos os Estados incluídos neste mapeamento. As informações planimétricas, tais como estradas e rios, foram extraídas destas cartas e serviram para o georeferenciamento das imagens orbitais.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995 542 CIDREIRA RS SH-22-Z-A 545 PEDRO OSÓRIO RS SH-22-Y-C 546 PELOTAS RS SH-22-Y-D 547 MOSTARDAS RS SH-22-Z-C

Legenda adotada Considerando o caráter de monitoramento dos remanescentes florestais e ecossistemas associados do Domínio da Mata Atlântica, a legenda adotada no presente mapeamento incluiu os mesmos temas do mapeamento anterior (período 1985 e 1990), bem como outros itens que foram concebidos com o objetivo de permitir uma avaliação mais detalhada da dinâmica apresentada pelos itens já mapeados. Assim foi definida a seguinte legenda: Remanescentes Florestais Desflorestamento Regeneração Florestal Remanescentes de Vegetação de Restinga Decremento de Vegetação de Restinga Regeneração de Vegetação de Restinga Remanescentes de Vegetação de Mangue Decremento de Vegetação de Mangue Regeneração de Vegetação de Mangue Considerando as diferenças ambientais inerentes à ext ensão geográfica abrangida pelo mapeamento, alguns temas abrangeram tipologias vegetais específicas em cada Estado. Assim, serão apresentados a seguir os temas e as tipologias a eles relacionados em cada Estado incluído no mapeamento.

Rio Grande do Sul § Remanescentes Florestais: formações florestais (primárias e secundárias em estágio avançado de regeneração) de Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista (Mata de Pinheiros) Floresta § Remanescentes de Vegetação de Restinga: refere-se à cobertura vegetal típica de terrenos arenosos da área litorânea, englobando vegetação rasteira, formações arbustivas e florestais; § Remanescentes de Vegetação de Mangue: cobertura vegetal litorânea característica de ambientes salobros.

Santa Catarina § Remanescentes Florestais: formações florestais (primárias e secundárias em estágio avançado de regeneração) de Floresta Ombrófila Mista (Mata de Pinheiros), Floresta Estacional Decidual, Floresta § Remanescentes de Vegetação de Restinga: refere-se à cobertura vegetal típica de terrenos arenosos da área litorânea, englobando a Floresta Ombrófila de Terras Baixas, ou Restinga Higrófila; § Remanescentes de Vegetação de Mangue: cobertura vegetal litorânea característica de ambientes salobros.

Paraná § Remanescentes Florestais: formações florestais (primárias e secundárias em estágio avançado de regeneração) de Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional § Remanescentes de Vegetação de Restinga: refere-se à cobertura vegetal típica de terrenos arenosos da área litorânea, englobando formações arbustivas e florestais. Sua discriminação foi feita com base nos limites visíveis de vegetação nas imagens e também de acordo com a distribuição espacial dos cordões litorâneos arenosos livres de ação antrópica. Foram incluídas nesta classe as

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

áreas de Floresta Ombrófila Densa das terras baixas, ou Restinga Higrófila, conforme mapeamento § Remanescentes de Vegetação de Mangue: cobertura vegetal litorânea característica de ambientes salobros.

São Paulo § Remanescentes Florestais: formações florestais (primárias e secundárias em estágio avançado de regeneração) de Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional § Remanescentes de Vegetação de Restinga: refere-se à cobertura vegetal típica de terrenos arenosos da área litorânea, englobando formações arbustivas e florestais. Sua discriminação foi feita com base nos limites visíveis de vegetação nas imagens e também de acordo com a distribuição espacial dos cordões litorâneos arenosos livres de ação antrópica. Foram incluídas nesta classe as áreas de Floresta Ombrófila Densa das terras baixas, ou Restinga Higrófila; § Remanescentes de Vegetação de Mangue: cobertura vegetal litorânea característica de ambientes salobros.

Rio de Janeiro § Remanescentes Florestais: formações florestais (primárias e secundárias em estágio avançado de § Remanescentes de Vegetação de Restinga: refere-se à cobertura vegetal típica de terrenos arenosos da área litorânea, englobando formações arbustivas e florestais. Sua discriminação foi feita com base nos limites visíveis de vegetação nas imagens e também de acordo com a distribuição espacial dos cordões litorâneos arenosos livres de ação antrópica. Foram incluídas nesta classe as áreas de Floresta Ombrófila Densa das terras baixas, ou Restinga Higrófila; § Remanescentes de Vegetação de Mangue: cobertura vegetal litorânea característica de ambientes salobros.

Minas Gerais § Remanescentes Florestais: formações florestais (primárias e secundárias em estágio avançado de regeneração) de Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Ombrófila Mista, Floresta Estacional Decidual e Floresta Estacional Semidecidual. Áreas de contato entre as formações mencionadas, matas ciliares e remanescentes incrustados em outras formações foram também incluídos.

Espírito Santo § Remanescentes Florestais: formações florestais (primárias e secundárias em estágio avançado de regeneração) de Floresta Ombrófila Densa, Floresta Ombrófila Aberta, Floresta Estacional Decidual e Floresta Estacional Semidecidual. Áreas de cabruca, que são plantios de cacau sombreados com espécies arbóreas das formações florestais mencionadas foram também incluídas; § Remanescentes de Vegetação de Restinga: refere-se à cobertura v egetal típica de terrenos arenosos da área litorânea, englobando formações arbustivas e florestais. Sua discriminação foi feita com base nos limites visíveis de vegetação nas imagens e também de acordo com a distribuição espacial dos cordões litorâneos arenosos livres de ação antrópica. Foram incluídas nesta classe as áreas de Floresta Ombrófila Densa das terras baixas, ou Restinga Higrófila; § Remanescentes de Vegetação de Mangue: cobertura vegetal litorânea característica de ambientes salobros.

Mato Grossodo Sul § Remanescentes Florestais: formações florestais (primárias e secundárias em estágio avançado de regeneração) de Floresta Estacional Decidual e Floresta Estacional Semidecidual. Matas ciliares, remanescentes incrustrados ou limítrofes inseridos em outras formações.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

Goiás § Remanescentes Florestais: formações florestais (primárias e secundárias em estágio avançado de regeneração) de Floresta Estacional Decidual e Floresta Estacional Semidecidual. Matas ciliares, remanescentes incrustrados ou limítrofes inseridos em outras formações.

Produtos de sensoriamento remoto utilizados Para a identificação dos itens da legenda apresentada, foram utilizadas imagens orbitais TM/Landsat em formato analógico (papel fotográfico), referentes aos dois períodos considerados para o mapeamento: período de 1985 -1990 e período de 1990 – 1995. As imagens referentes ao primeiro período (1985 – 1990) foram disponibilizadas sob forma de composições coloridas confeccionadas com as imagens das bandas TM3, TM4 e TM5, com os filtros azul, verde e vermelho, respectivamente; o que conferiu às formações vegetais tonalidades esverdeadas nestas composições. Já as imagens referentes ao período de 1990 – 1995, foram disponibilizadas sob forma de composições coloridas confeccionadas com as mesmas bandas, porém foi invertido o posicionamento dos filtros coloridos, sendo atribuído o filtro azul para a imagem da banda TM3, o filtro vermelho para a imagem da banda TM4 e finalmente o filtro verde para a imagem da banda TM5. Este procedimento conferiu às formações vegetais tonalidades avermelhadas.

A aparência assumida pelas formações vegetais nestas composições coloridas é explicada pelo processo de interação entre a própria vegetação e a radiação eletromagnética (REM). Este processo envolve vários níveis de abordagem, incluindo a análise de folhas isoladas em laboratório e/ou campo e conjuntos de plantas que caracterizam os chamados dosséis, cujas arquiteturas e densidades exercem grande influência sobre a porção de REM refletida, tanto no que se refere à intensidade, quanto às suas características espectrais.

Considerando as características espectrais de uma única folha verde sadia, para a amplitude espectral abrangida pelas bandas TM3, TM4 e TM5, estas poderiam ser resumidamente descritas segundo o gráfico apresentado na Figura 3.1.

FONTE: Novo(1989) A análise da Figura 3.1 indica que a região compreendida entre 0,4 a 2,6 mm pode ser dividida em três áreas: a) região do visível (0,4 a 0,7 mm), b) região do infravermelho próximo (0,7 a 1,3 mm) e c) região do infravermelho médio (1,3 a 2,6 mm). A seguir são comentados alguns aspectos relacionados ao comportamento espectral da folha, em cada uma destas regiões.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

absorção e por espalhamento. A energia é absorvida seletivamente pela clorofila e é convertida em calor ou fluorescência, e também convertida fotoquimicamente em energia estocada na forma de componentes orgânicos através da fotossíntese.

b) região do infravermelho próximo: Nesta região existe uma absorção pequena da REM e considerável espalhamento interno na folha. A absorção da água é geralmente baixa nessa região. A reflectância espectral é quase constante nessa região. Gates (1965) mencionou que a reflectância espectral de folhas nessa região do espectro eletromagnético é o resultado da interação da energia incidente com a estrutura do mesófilo. Fatores externos a folha, como disponibilidade de água por exemplo, podem causar alterações na relação água-ar no mesófilo, podendo alterar a reflectância de uma folha nesta região. De maneira geral, quanto mais lacunosa for a estrutura interna foliar, maior será o espalhamento interno da radiação incidente, e consequentemente, maior será também a reflectância.

c) região do infravermelho médio: A absorção devido a água líquida predomina na reflectância espectral das folhas na região do infravermelho médio. A água absorve consideravelmente a REM incidente na região espectral compreendida entre 1,3 a 2,0 mm. Em termos mais pontuais, a absorção da água se dá em 1,1; 1,45; 1,95; 2,7 e 6,3 mm.

Considerando que a folha é o principal elemento da vegetação sob ponto de vista de sua interação com a REM, as características espectrais de um dossel deverão ser muito semelhantes àquelas apresentadas pelas folhas que o constitui. Contudo existem outros fatores que interferem na interação mencionada. Estes fatores referem-se principalmente aos chamados parâmetros geométricos de iluminação e visada (posição espacial do Sol e do sensor, respectivamente), aos parâmetros biofísicos da vegetação (Índice de Área Foliar e Distribuição Angular de Folhas) e aos parâmetros espectrais das folhas e do solo no qual a vegetação se desenvolve. Alguns detalhes adicionais sobre as diferenças espectrais entre folhas isoladas e dosséis podem ser obtidos em SILVA e PONZONI (1995).

Para o caso das imagens TM aqui relacionadas, os parâmetros geométricos de iluminação e visada são considerados fixos para cada composição colorida utilizada no mapeamento, sendo assim, a identificação visual dos diferentes itens da legenda mencionada anteriormente torna-se função das diferenças existentes entre estes itens, no que se refere aos parâmetros biofísicos e espectrais, bem como na capacidade do sensor TM em detectar e registrar a influências destes parâmetros sobre a reflectância dos dosséis vegetais incluídos nestes itens.

Através de inúmeros trabalhos realizados com dados TM no estudo da vegetação, verificou-se que a separabilidade entre as diferentes formações vegetais existentes na superfície terrestre somente pode ser feita considerando suas diferenças fisionômicas. Dentro de um mesmo tipo fisionômico, possíveis diferenças estruturais precisam alcançar magnitudes bastante significativas para que os padrões presentes nas imagens sofram algum tipo de variação visualmente perceptível. Neste momento, é possível o aparecimento das chamadas ambiguidades, quando diferentes fisionomias podem assumir o mesmo padrão nas imagens.

De maneira geral portanto, considera-se que em uma imagem da banda TM3 (região do vermelho) a tonalidade apresentada por um dossel deverá ser escura, enquanto que em uma imagem da banda TM4 (infravermelho próximo) sua tonalidade deverá ser clara e finalmente numa imagem da banda TM5 (infravermelho médio) a tonalidade deste dossel deverá ser também escura. As diferenças apresentadas nestas tonalidades implicarão em alterações nos padrões de cor/tonalidade presentes nas composições coloridas, as quais deverão ser associadas pelo fotointérprete como alterações fisionômicas/estruturais da vegetação.

Interpretação visual das imagens Esta etapa foi realizada utilizando-se os seguintes materiais: § Imagens TM/Landsat na forma de composições coloridas elaboradas a partir das bandas 3(B), 4 (G) e 5(R), processadas com os níveis 4 e 5 de correção geométrica e referentes ao período de 1985 a 1990;

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

§ Imagens TM/Landsat na forma de composições coloridas elaboradas a partir das bandas 3(B), 4 (R) e 5(G), processadas com o nível 6 de correção geométrica e referentes ao período de 1990 a 1995; § Cartas do mapeamento fito-ecológico do RADAMBRASIL na escala 1:1.000.000;

§ Acetato utilizado no mapeamento do período 1985-1990, contendo a drenagem e as estradas principais extraídas das cartas topográficas, além do conteúdo temático do período em questão.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

Foi adotado um critério de cores para representação gráfica destes temas de forma a garantir a distinção visual entre os temas identificados. Os contornos dos polígonos representativos de cada tema em questão eram definidos mediante a superposição visual da drenagem e estradas principais existentes nos “overlays”, com seus homólogos existentes nas imagens correspondentes. Este procedimento foi adotado para garantir um mínimo de exatidão cartográfica na representação dos polígonos cuja dimensão mínima foi estipulada em 4 mm2, correspondendo a uma superfície no terreno de 0,25 Km2. Seguiram-se as etapas de verificação e auditoria, que incluíam a observação das articulações temáticas entre “overlays” de cartas vizinhas, revisão da interpretação por parte dos próprios intérpretes e esclarecimento de dúvidas junto a um especialista do INPE.

Digitalização dos “overlays” Uma vez concluída a etapa de interpretação visual de imagens, seguiu-se a digitalização do conteúdo temático dos “overlays” realizada no aplicativo denominado Sistema de Informações Geográficas (SGI) desenvolvido pelo INPE, constituindo portanto um banco de dados digitais que possibilitou a edição de mapas temáticos e a quantificação das áreas de cada tema do mapeamento. Esta etapa foi realizada através do uso de mesas digitalizadoras.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

Exatidão de classificação Esta etapa teve como objetivo estimar a exatidão global da classificação, caracterizado por um valor que expressa, de forma genérica para todo um Estado, o percentual de confiabilidade das cartas. Esse percentual é determinado segundo metodologia preconizada por CONGALTON e MEAD (1983), que inclui a verificação de pontos no terreno, cujas coordenadas são definidas mediante a chamada amostragem estratificada sistemática não alinhada, sugerida por FITZPATRICK-LINS (1981), ROSENFIELD et al. (1982) e STEHMAN (1992). Esta técnica de amostragem apresenta como vantagem a ponderação da área de cada tema mapeado.

Esta metodologia foi aplicada inicialmente para o Estado do Espírito Santo, que teve sobre seu território definidos 232 pontos que foram visitados em campo. A equipe de profissionais que realizou este trabalho de campo recebeu orientações sobre a metodologia a ser empregada na estimativa da exatidão de mapeamento, quando foi salientada ainda a importância da decisão tanto no que se referia à localização do ponto no campo, quanto da identificação correta do tema no qual este estava inserido. Neste sentido, foram contactados consultores do Estado que ajudaram na definição de critérios de reconhecimento dos temas em campo. Neste trabalho de campo foram preenchidas fichas individuais por ponto.

Em seguida, foram resgatados das plotagens os temas que haviam sido atribuídos a cada um dos pontos amostrados em campo, mediante a aplicação de um programa computacional especialmente desenvolvido que se utilizava das coordenadas destes pontos, para cada carta topográfica, e listava os temas a que cada um pertencia. Os dados de campo e estes obtidos em cada uma das plotagens, foram organizados sob a forma de uma Matriz de Erro segundo a tabela a seguir.

Restinga Outros Temas Mata Mangue Mata Mangue Restinga Outros

Em cada célula desta matriz são escritos os números de pontos, por tema, que coincidiram com o tema que havia sido interpretado (diagonal da matriz) e os números de pontos que foram confundidos com os demais temas. O tema Outros refere-se a todos os demais temas do mapeamento que não Mata, Mangue e Restinga.

O cálculo da Exatidão Global de mapeamento foi feito mediante a seguinte equação: Total de pontos da diagonal E = —————————————– x 100 Total de pontos amostrados

O relatório deste estudo, que contempla o detalhamento da metodologia, incluindo fórmulas, tabelas e resultados encontra-se à disposição para consultas no acervo da Fundação SOS Mata Atlântica.

Confecção dos mapas temáticos Os temas mapeados foram digitalizados utilizando-se de mesa digitalizadora e do Sistema de Informações Geográficas – SGI, desenvolvido pelo INPE, constituindo um banco de dados.

Informações adicionais obtidas da carta topográfica do IBGE, tais como drenagens, rodovias, ferrovias, limites administrativos e cidades também foram digitalizadas, de maneira que possam servir como pontos de referência para a localização dos remanescentes.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

A quantificação da área coberta pelos diferentes temas avaliados foi efetuada automaticamente através de funções específicas do SGI. Essas áreas são apresentadas em termos absolutos (ha) e relativos (%) à área total avaliada dos Estados contemplados neste estudo.

Parecer técnico e avaliação Como no mapeamento anterior, o objetivo principal da realização do parecer técnico é a avaliação dos dados por especialistas com conhecimento e experiência de campo nas áreas estudadas, que possa identificar, no mapeamento, possíveis omissões de remanescentes significativos existentes ou desmatamentos ocorridos durante o período estudado e eventuais erros de interpretação.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

RESULTADOS POR ESTADO ESPÍRITOSANTO GOIÁS MATO GROSSO DO SUL MINAS GERAIS PARANÁ RIO DE JANEIRO RIO GRANDE DO SUL SANTACATARINA SÃO PAULO

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

ESPÍRITO SANTO 1.1 BASE CARTOGRÁFICA E IMAGENS UTILIZADAS PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

mir carta código imagens 454 Colatina SE-24-Y-C 217/73 – 217/74 – 216/73 – 216/74 467 Cachoeiro de Itapemirim SF-24-V-A 217/74 – 216/74 – 216/75 – 215/74 480 Campos SF-24-V-C 216/74 – 216/75 – 215/75 441 Governador Valadares SE-24-Y-A 216/73 – 216/72 – 217/73 – 217/72 455 Linhares SE-24-Y-D 216/73 – 216/74 – 215/73 – 215/7 429 Nanuque SE-24-V-D 215/72 – 215/73 – 216/72 442 São Mateus SE-24-Y-B 215/72 – 216/72 – 216/73 – 215/73 428 Teófilo Otoni SE-24-V-C 217/72 – 216/72 – 216/73 468 Vitória SE-24-V-B 216/74

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

ESPÍRITO SANTO 1.2 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NOS PERÍODOS 1985-90 E 1990-95 – VALORES PARCIAIS POR CARTA 1:250.000 REMANESCENTES FLORESTAIS cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Colatina 69.861 67.962 64.985 1.899 2.977 Cachoeiro de Itapemirim 139.921 138.548 131.883 1.373 6.665 Campos 27.258 24.944 17.705 2.314 7.239 Governador Valadares 31.204 30.024 26.408 1.180 3.616 Linhares 120.827 112.640 106.372 8.187 6.268 Nanuque São Mateus 937 57.044 766 51.165 653 47.203 171 5.879 113 3.962 Teófilo Otoni 1.023 999 864 24 135 Vitória 17.339 15.882 14.318 1.457 1.564 desmatamento (ha)

RESTINGA cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Cachoeiro de Itapemirim Campos 683 709 559 545 461 504 124 164 98 41 Linhares 24.222 23.438 23.120 784 318 São Mateus 5.498 5.365 5.035 133 330 Vitória 2.201 2.060 1.971 141 89 desmatamento (ha)

MANGUE cartas topográficas Cachoeiro de Itapemirim 1985 ha 1.282 1990 ha 1.282 1995 ha 1.062 85-90 0 90-95 220 Campos 26 26 26 0 0 Linhares 1.942 1.942 1.942 0 0 São Mateus 1.735 1.735 1.735 0 0 Vitória 2.135 2.135 2.084 0 51 desmatamento (ha)

OBS: Os valores absolutos e relativos dos remanescentes florestais nos anos de 1985 e 1990 foram corrigidos a partir da análise das imagens de satélite de 1995, cujo aprimoramento no processamento proporcionou material de maior qualidade para a interpretação visual e assim, apresentam diferenças em relação aos valores divulgados no relatório do Atlas publicado em 1993.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

ESPÍRITO SANTO 1.3 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS FORMAÇÕES FLORESTAIS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO anoárea ha% cobertura florestal natural em relação à área do estado 1500 4.000.000 86,88 1912 2.994.200 65,03 1958 1.367.910 29,71 1975 920.619 19,99 1980 627.025 13,62 1985 461.571 10,01 1990 439.087 9,52 1995 410.391 8,90 (1) (2) (2) (2) (3) (3) (4) 1 Campos, Gonzaga de – Mappa Florestal 2 IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis. Levantamento da Situação Florestal do Estado do Espírito Santo. Brasília, IBAMA, 1990, 57 p. (Relatório Técnico e Mapeamento) 3 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1985 – 1990. 4 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1990 – 1995. Fundação SOS Mata Atlântica/INPE, 1998.

1.4 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO 1990-95 classes de mapeamento 1990 1995 Desmatamento ha %* ha %* 90-95 %** remanescentes florestais 409.741 9,16 387.313 8,65 22.428 5,47 Restinga 31.967 0,72 31.091 0,74 876 2,74 mangue 7.120 0,16 6.849 0,16 271 3,80 (1) (2) (3)

* em relação à área avaliada do Estado ** em relação aos remanescentes de 1990 1 Área avaliada no Estado equivalente a 96,58% (3,42% com cobertura de nuvens) 2 Área avaliada no Estado equivalente a 90,27% (9,73% com cobertura de nuvens) 3 Área avaliada no Estado equivalente a 90,55% (9,45% com cobertura de nuvens)

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

GOIÁS 2.1 BASE CARTOGRÁFICA E IMAGENS UTILIZADAS PARA O ESTADO DE GOIÁS mir carta código imagens 435 Quirinópolis SE-22-Z-A 222/72 – 222/73 – 223/72 – 223/73 436 Uberlândia SE-22-Z-B 221/72 – 221/73 – 222/72 – 222/73 437 Patos de Minas SE-23-Y-A 220/72 – 220/73 – 221/72 – 221/73 447 Paranaíba SE-22-Y-D 222/73 – 222/74 – 223/73 – 223/74 448 Iturama SE-22-Z-C 221/73 – 221/74 – 222/73 – 222/74 – 223/73

2.2 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS NO ESTADO DE GOIÁS NOS PERÍODOS 1985-90 E 1990-95 – VALORES PARCIAIS POR CARTA 1:250.000 Cartas Topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha desmatamento (ha) 85-90 90-95 Quirinópolis 5.991 5.565 4.832 426 733 Uberlândia 4.140 3.683 3.345 457 338 Patos de Minas Paranaíba 823 1.232 823 1.232 769 1.232 – – 54 – Iturama 912 912 865 – 47 OBS: Os valores absolutos e relativos dos remanescentes florestais nos anos de 1985 e 1990 foram corrigidos a partir da análise das imagens de satélite de 1995, cujo aprimoramento no processamento proporcionou material de maior qualidade para a interpretação visual e assim, apresentam diferenças em relação aos valores divulgados no relatório do Atlas publicado em 1993.

2.3 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DE GOIÁS NO PERÍODO 1990-95 classes de 1990 mapeamento ha 1995 Desmatamento %* ha %* 90-95 %** remanescentes florestais 7.119 0,23 6.471 0,21 648 9,10 (1) (2)

* em relação à área avaliada do Est ado equivalente a 11,52%, excluindo -se as áreas de Savanas. ** em relação aos remanescentes de 1990 1 Área avaliada no Estado equivalente a 11,50% (0,02% com cobertura de nuvens) 2 Área avaliada no Estado equivalente a 11,50% (0,02% com cobertura de nuvens)

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

MATO GROSSO DO SUL 3.1 BASE CARTOGRÁFICA E IMAGENS UTILIZADAS PARA O ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL mir carta código imagens 447 Paranaíba SE-22-Y-D 222/73 – 222/74 – 223/73 – 223/74 448 Iturama SE-22-Z-C 221/73 – 221/74 – 222/73 – 222/74 – 223/73 460 Andradina SF-22-V-B 223/74 – 223/75 – 222/74 – 222/75 473 Dracena SF-22-V-D 223/75 – 222/75 484 Loanda SF-22-Y-A 224/75 – 224/76 – 223/75 – 223/76 485 Presidente Prudente SF-22-Y-B 223/75 – 223/76 – 222/75 – 222/76 495 Umuarama SF-22-Y-C 224/76 – 224/77 – 223/76 – 223/77 503 Guaíra SG-21-X-B 225/77 – 224/77

3.2 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL NOS PERÍODOS 1985-90 E 1990-95 – VALORES PARCIAIS POR CARTA 1:250.000 cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Paranaíba 14.873 14.717 13.656 156 1.061 Iturama 0 0 0 0 0 Andradina 6.948 6.948 6.166 0 782 Dracena 826 567 512 259 55 Loanda 46.289 33.206 30.251 13.083 3.093 Presidente prudente 923 923 923 0 0 Umuarama 7.119 7.081 6.080 38 1.001 Guaíra 0 0 0 0 0 desmatamento (ha)

OBS: Os valores absolutos e relativos dos remanescentes florestais nos anos de 1985 e 1990 foram corrigidos a partir da análise das imagens de satélite de 1995, cujo aprimoramento no processamento proporcionou material de maior qualidade para a interpretação visual e assim, apresentam diferenças em relação aos valores divulgados no relatório do Atlas publicado em 1993.

3.3 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL NO PERÍODO 1990-95 classes de mapeamento 1990 1995(1) Desmatamento(2) ha %* ha %* 90-95 %** remanescentes florestais 43.752 2,37 39.555 2,15 4.197 9,59* em relação à área avaliada do Estado equivalente a 13,31%, excluindo -se as áreas de Savanas. ** em relação aos remanescentes de 1990 1 Área avaliada no Estado equivalente a 13,23% (0,08% com cobertura de nuvens) 2 Área avaliada no Estado equivalente a 13,23% (0,08% com cobertura de nuvens)

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

MINAS GERAIS 4.1 BASE CARTOGRÁFICA E IMAGENS UTILIZADAS PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS mir Carta código imagens 381 Guanambi SD-23-Z-B 217/70 – 218/70 397 Janaúba SB-23-Z-D 218/70 – 218/71 – 217/70 – 217/71 398 Pedra Azul SD-24-Y-C 217/70 – 217/71 – 216/70 – 216/71 399/400 Itapetinga SD-24-Y-D 216/70 – 216/71 – 215/70 – 215/71 413 414 Araçuaí Almenara SE-23-X-B SE-24-V-A 217/71 – 217/72 – 218/71 – 218/72 217/71 – 217/72 – 216/71 – 216/72 415/416 Guaratinga SE-24-V-B 216/71 – 216/72 – 215/71 – 215/72 426 Pirapora SE-23-X-C 219/72 – 218/72 – 218/73 427 Capelinha SE-23-X-D 218/72 – 217/72 – 217/73 428 Teófilo Otoni SE-24-V-C 217/72 – 216/72 – 216/73 429 Nanuque SE-24-V-D 215/72 – 215/73 – 216/72 435 Quirinópolis SE-22-Z-A 222/72 – 222/73 – 223/72 – 223/73 436 Uberlândia SE-22-Z-B 221/72 – 221/73 – 222/72 – 222/73 437 Patos de Minas SE-23-Y-A 220/72 – 220/73- 221/72 – 221/73 438 Três Marias SE-23-Y-B 219/72 – 219/73 – 220/72 – 220/73 439 Curvelo SE-23-Z-A 219/72 – 218/72 – 218/73 – 219/73 440 Guanhães SE-23-Z-B 217/72 – 217/73 – 218/72 – 218/73 441 Gov. Valadares SE-24-Y-A 216/73 – 216/72 – 217/73 – 217/72 447 Paranaíba SE-22-Y-D 222/73 – 222/74 – 223/73 – 223/74 448 Iturama SE-22-Z-C 221/73 – 221/74 – 222/73 – 222/74 – 223/73 449 450 Prata Uberaba SE-22-Z-D SE-23-Y-C 220/74 – 221/73 – 221/74 – 222/73 220/73 – 221/73 – 220/73 – 220/74 – 219/74 451 Bom Despacho SE-23-Y-D 220/73 – 219/73 – 219/74 – 218/74 452 Belo Horizonte SE-23-Z-C 219/73 – 219/74 – 218/73 – 218/74 453 Ipatinga SE-23-Z-D 218/73 – 218/74 – 217/73 – 217/74 454 Colatina SE-24-Y-C 217/73 – 217/74 – 216/73 – 216/74 460 Andradina SF-22-V-B 223/74 – 223/75 – 222/74 – 222/75 461 Votuporanga SF-22-X-A 222/74 – 222/75 – 221/74 – 221/75 462 S.José Rio Preto SF-22-X-B 221/74 – 221/75 – 220/74 – 220/75 463 Franca SF-23-V-A 220/74 – 220/75 – 219/74 – 219/75 464 Furnas SF-23-V-B 219/74 – 219/75 – 218/74 – 218/75 465 Divinópolis SF-23-X-A 218/74 – 218/75 – 217/74 – 217/75 466 Ponte Nova SF-23-X-B 218/74 – 217/75 – 216/75 – 216/74 467 Cach. Itapemirim SF-24-V-A 217/74 – 216/74 – 216/75 – 215/74 476 Ribeirão Preto SF-23-V-C 220/74 – 220/75 – 219/75 477 Varginha SF-23-V-D 219/74 – 218/75 – 219/75 478 479 Barbacena Juiz de Fora SF-23-X-C SF-23-X-D 218/74 – 218/75 – 217/75 217/74 – 217/75 – 216/75 488 Campinas SF-23-Y-A 220/75 – 220/76 – 219/75 – 219/76 489 Guaratinguetá SD-23-Z-B 219/75 – 219/76 – 218/75 – 218/76 490 Volta Redonda SF-23-Z-A 218/75 – 218/76 – 217/75 – 217/76 491 Rio de Janeiro SF-23-Z-B 217/75 – 217/76 – 216/75 – 216/76

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

MINAS GERAIS 4.2 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS NO ESTADO DE MINAS GERAIS NOS PERÍODOS 1985-90 E 1990-95 – VALORES PARCIAIS POR CARTA 1:250.000 cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Guanambi 228 170 32 58 138 Pedra Azul 108.883 108.883 108.647 0 236 Araçuaí 728 728 728 0 0 Guaratinga 26.472 26.217 25.352 255 947 Capelinha 1.524 1.243 966 281 277 Nanuque 2.170 1.777 2.445 393 200 Uberlândia Três Marias 9.178 5.311 8.349 4.560 7.997 4.352 829 751 352 208 Guanhães 25.838 24.909 23.534 929 1.375 Paranaíba 94 94 94 0 0 Prata 7.680 6.433 6.123 1.247 310 Bom Despacho 14.277 13.781 13.152 496 664 Ipatinga 84.319 81.708 78.297 2.611 3.411 Andradina 63 63 63 0 0 S.J. Rio Preto 7.809 3.973 3.348 3.836 625 Furnas 18.035 17.880 15.330 155 2.550 Ponte Nova Ribeirão Preto 196.057 3.148 188.043 2.832 180.673 2.317 8.014 316 7.607 515 Barbacena 45.641 43.163 38.234 2.478 4.929 Campinas 2.540 2.099 2.035 441 122 Volta Redonda 134.712 130.870 119.914 3.842 12.107 Janaúba 379 379 333 0 46 Itapetinga 837 837 837 0 0 Almenara 58.652 58.282 58.215 370 67 Pirapora 11.710 10.553 9.106 1.157 1.447 Teófilo Otoni 79.201 76.001 66.353 3.200 9.648 Quirinópolis 2.023 1.979 1.596 44 383 Patos de Minas 7.320 6.725 6.283 595 442 Curvelo 3.866 3.801 3.792 65 9 Gov. Valadares 43.807 37.305 35.146 6.502 2.272 Iturama 5.598 5.143 4.360 455 783 Uberaba 9.486 7.349 5.854 2.137 1.495 Belo Horizonte 13.046 12.013 9.946 1.033 2.067 Colatina 47.420 46.191 44.774 1.229 1.417 Votuporanga 0 0 0 0 0 Franca Divinópolis 5.437 100.437 4.804 92.257 4.215 80.592 633 8.180 589 12.060 Cach. Itapemirim 13.253 13.147 11.647 106 1.533 Varginha 22.165 19.900 17.441 2.265 2.629 Juiz de Fora 163.458 154.391 139.302 9.067 15.360 Guaratinguetá 61.392 58.000 51.668 3.392 7.072 Rio de Janeiro 5.440 3.634 2.435 1.806 1.199 Desmatamento (ha)

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

MINAS GERAIS 4.3 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS FORMAÇÕES FLORESTAIS NO ESTADO DE MINAS GERAIS ano área ha % cobertura florestal natural em relação à área do estado 1500 30.356.792 51,70 1912 27.861.900 47,45 1947 10.553.900 17,97 1953 7.070.400 12,04 1961 5.800.000 9,87 (1) (2) (3) (3) (4) 1985 (5) 1.349.634 2,30 1990(5) 1.280.466 2,18 1995(6) 1.187.528 2,02 1 Chaves, M. de A. Relatório de Avaliação do Estado Geral dos Desmatamentos e dos Remanescentes do 2 Campos, Gonzaga de – Mappa Florestal, 1912 3 Aubreville, A. As florestas do Brasil – Estudo fitogeográfico e florestal. 4 Magnanini, A. Aspectos Fitogeográficos do Brasil: áreas e características no passado e no presente, 1961. 5 Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 6 Evolução dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1990 -1995. Fundação SOS Mata Atlântica/INPE, 1998.

OBS: Os valores absolutos e relativos dos remanescentes florestais nos anos de 1985 e 1990 foram corrigidos a partir da análise das imagens de satélite de 1995, cujo aprimoramento no processamento proporcionou material de maior qualidade para a interpretação visual e assim, apresentam diferenças em relação aos valores divulgados no relatório do Atlas publicado em 1993.

4.4 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DE MINAS GERAIS NO PERÍODO 1990-95 classes de mapeamento 1990 1995 Desmatamento Ha %* ha %* 90-95 %** remanescentes florestais 1.214.059 4,50 1.125.108 4,19 88.951 7,32 (1) (2) (3)

*emrelaçãoàáreaavaliadadoEstadoequivalentea73,81%,excluindo-seasáreasde ** em relação aos remanescentes de 1990 1 Área avaliada no Estado equivalente a 71,63% (2,18% com cobertura de nuvens) 2 Área avaliada no Estado equivalente a 71,23% (2,58% com cobertura de nuvens) 3 Área avaliada no Estado equivalente a 69,08% (4,73% com cobertura de nuvens) Savanas

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

PARANÁ 5.1 BASE CARTOGRÁFICA E IMAGENS UTILIZADAS PARA O ESTADO DO PARANÁ mir Carta código imagens 484 Loanda SF-22-Y-A 224/75 – 224/76 – 223/75 – 223/76 485 Presidente Prudente SF-22-Y-B 223/75 – 223/76 – 222/75 – 222/76 494 Amambaí SF-21-Z-D 224/76 495 Umuarama SF-22-Y-C 224/76 – 224/77 – 223/76 – 223/77 496 Londrina SF-22-Y-D 223/76 – 223/77 – 222/76 – 222/77 486 Marília SF-22-Z-A 222/75 – 222/76 – 221/75 – 221/76 497 Cornélio Procópio SE-22-Z-A 222/76 – 222/77 – 221/76 – 221/77 498 503 Itapetininga Guaíra SF-22-Z-D Carta Imagem Radambrasil 221/76 – 221/77 – 220/76- 220/77 225/77 – 224/77 504 505 Cascavel Campo Mourão SF-22-V-A SG-22-V-B 224/77 – 223/77 223/77 – 222/77 510 Foz do Iguaçú Carta Imagem Radambrasil 224/77 – 223/77 511 Guaraniaçú SG-22-V-C 224/77 – 222/78 – 223/77 – 223/78 512 Guarapuava SG-22-V-D 221/78 – 222/77 – 222/78 – 223/77 – 223/78 506 Telêmaco Borba SG-22-X-A 222/77 – 221/77 507 Itararé SG-22-X-B 221/77 – 220/77 513 Ponta Grossa SG-22-X-C 220/78 – 221/77 – 221/78 – 222/77 – 222/78 514/515 Curitiba SG-22-X-D 220/77 – 220/78 – 221/77 – 221/78 516 Pato Branco SG-22-Y-A 223/78 – 223/79 – 222/78 – 222/79 517 Clevelândia SG-22-Y-B 222/78 – 222/79 – 221/78 – 221/79 518 Mafra SG-22-Z-A 221/78 – 220/78 – 221/79 519 Joinville SG-22-Z-B 220/78 – 220/79

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

PARANÁ 5.2 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO ESTADO DO PARANÁ NOS PERÍODOS 1985-90 E 1990-95 – VALORES PARCIAIS POR CARTA 1:250.000 REMANESCENTES FLORESTAIS cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha desmatamento 85-90 90-95 Amambaí 93 9 0 84 9 Campo Mourão 57.920 47.790 45.686 10.130 2.137 Cascavel 37.744 28.654 27.087 9.090 1.588 Clevelândia 278.378 269.778 262.297 8.600 7.633 Cornélio Procópio 28.567 22.257 21.123 6.310 1.260 Curitiba 465.322 460.897 454.803 4.425 7.589 Foz do Iguaçú 40.946 40.479 39.947 467 532 Guaíra 2.979 2.779 2.715 200 64 Guaraniaçú 254.784 221.810 209.660 32.974 12.268 Guarapuava 221.585 206.148 193.179 15.437 16.039 Itapetininga 0 0 0 0 0 Itararé 67.764 67.128 62.885 636 4.499 Joinville 2.890 2.868 2.612 22 256 Loanda 18.224 16.508 16.084 1.716 477 Londrina 32.366 28.969 27.678 3.397 1.310 Mafra 26.728 22.145 21.311 4.583 834 Marília Pato Branco 1.496 17.489 1.472 14.965 1.169 13.794 24 2.524 344 1.171 Ponta Grossa 220.910 188.164 180.585 32.746 7.844 Presidente Prudente 13.826 10.916 10.542 2.910 374 Telêmaco Borba 155.302 141.104 125.733 14.198 17.642 Umuarama 59.849 53.635 50.559 6.214 3.076 RESTINGA cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Curitiba Joinville 84.740 6.951 83.868 6.951 82.740 6.951 872 0 1.154 0 desmatamento

MANGUE cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Curitiba 24.650 24.622 24.461 28 161 desmatamento

OBS: Os valores absolutos e relativos dos remanescentes florestais nos anos de 1985 e 1990 foram corrigidos a partir da análise das imagens de satélite de 1995, cujo aprimoramento no processamento proporcionou material de maior qualidade para a interpretação visual e assim, apresentam diferenças em relação aos valores divulgados no relatório do Atlas publicado em 1993.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

PARANÁ 5.3 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS FORMAÇÕES FLORESTAIS NO ESTADO DO PARANÁ ano área ha % cobertura florestal natural em relação à área do estado 1500 16.782.400 84,72 1912 16.515.000 83,37 1930 12.902.400 65,13 1937 11.802.200 59,58 1950 7.983.400 40,30 1955 6.913.600 34,90 1960 5.563.600 28,08 1965 4.813.600 24,30 1980 3.407.000 17,20 1985 2.005.162 10,12 1990 1.848.475 9,33 (1) (2) (1) (1) (1) (1) (1) (1) (3) (4) (4) 1995(5) 1.769.449 8,93 3 Adaptado de Inoue, M.T.; Roderjan, C.V.; Kuniyoshi, Y.S. – Projeto Madeira do Paraná. Curitiba, 1984. 4 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1985 – 1990. 5 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1990 – 1995. Fundação SOS Mata Atlântica/INPE, 1998.

5.4 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DO PARANÁ NO PERÍODO 1990-95 classes de mapeamento 1990 1995 Desmatamento ha %* ha %* 90-95 %** remanescentes florestais 1.815.137 9,47 1.730.528 8,90 84.609 4,66 restinga 90.845 0,47 89.691 0,46 1.154 1,27 mangue 24.622 0,12 24.461 0,12 161 0,65 (1) (2) (3)

* em relação à área avaliada do Estado equivalente a 100 %, excluindo -se as áreas de Savanas ** em relação aos remanescentes de 1990 1 Área avaliada no Estado equivalente a 96,72% (3,28% com cobertura de nuvens) 2 Área avaliada no Estado equivalente a 98,19% (1,81% com cobertura de nuvens) 3 Área avaliada no Estado equivalente a 95,00% (5,00% com cobertura de nuvens)

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

RIO DE JANEIRO 6.1 BASE CARTOGRÁFICA E IMAGENS UTILIZADAS PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO mir Carta código imagens 467 Cachoeiro do Itapemirim SF-24-V-A 217/74 – 216/74 – 216/75 – 215/74 480 Campos SF-24-V-C 216/74 – 216/75 – 215/75 501 Ilha Grande SF-23-Z-C 218/76 – 217/76 479 Juiz de Fora SF-23-X-D 217/74 – 217/75 – 216/75 492 466 Macaé SF-24-Y-A Ponte Nova SF-23-X-B 216/75 – 216/76 218/74 – 217/75 – 216/75 – 216/74 491 Rio de Janeiro SF-23-Z-B 217/75 – 217/76 – 216/75 – 216/76 490 Volta Redonda SF-23-Z-A 218/75 – 218/76 – 217/75 – 217/76

6.2 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOS PERÍODOS 1985-90 E 1990-95 – VALORES PARCIAIS POR CARTA 1:250.000 REMANESCENTES FLORESTAIS cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha desmatamento 85-90 90-95 Cachoeiro do Itapemirim 9.766 9.332 5.968 434 3.364 Campos 90.066 83.530 65.018 6.536 21.036 Ilha Grande 96.879 96.690 95.338 189 1.428 Juiz de Fora 35.154 32.436 20.801 2.718 11.685 Macaé 33.552 29.782 26.334 3.770 4.401 Ponte Nova 809 797 797 12 0 Rio de Janeiro Volta Redonda 690.956 239.152 574.033 234.584 488.772 225.830 116.923 4.568 85.261 13.197 RESTINGA cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha desmatamento 85-90 90-95 Campos 8.779 8.498 8.113 281 444 Ilha Grande 2.325 2.325 2.304 0 21 Macaé 15.574 14.877 14.688 697 189 Rio de Janeiro 8.797 8.280 8.195 517 85 Volta Redonda 517 00 517 0 MANGUE cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha desmatamento 85-90 90-95 Campos 450 349 349 101 0 Ilha Grande 2.110 1.870 1.870 240 0 Macaé 347 187 187 160 0 Rio de Janeiro 7.755 7.755 7.610 0 145 Volta Redonda 1.146 1.146 1.146 0 0

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

RIO DE JANEIRO 6.3 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS FORMAÇÕES FLORESTAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ano área ha % cobertura florestal natural em relação à área do estado 1500(1) 4.294.000 97,00 1912(2) 3.585.700 81,00 1960(1) 1.106.700 25,00 1978(3) 973.900 22,00 1985(4) 1.196.334 27,14 1990(4) 1.061.184 24,07 1995(5) 928.858 21,071 Fundação I nstituto Estadual Florestal do Rio de Janeiro. 3 MAGNANINI, Alceu; NEHAB, Maria Alice & MOREIRA, José Carlos – 1º Simpósio Brasileiro de Senso-riamento Remoto. 4 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1985 – 1990. 5 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1990 – 1995. Fundação SOS Mata Atlântica/INPE, 1998.

OBS: Os valores absolutos e relativos dos remanescentes florestais nos anos de 1985 e 1990 foram corrigidos a partir da análise das imagens de satélite de 1995, cujo aprimoramento no processamento proporcionou material de maior qualidade para a interpretação visual e assim, apresentam diferenças em relação aos valores divulgados no relatório do Atlas publicado em 1993.

6.4 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NO PERÍODO 1990-95 classes de 1990 mapeamento ha 1995 Desmatamento %* ha %* 90-95 %** remanescentes florestais 1.069.230 25,01 928.858 21,85 140.372 13,13 restinga 34.039 0,79 33.300 0,78 739 2,17 mangue 11.307 0,26 11.162 0,26 145 1,28 (1) (2) (3)

* em relação à área avaliada do Estado equivalente a 100 % ** em relação aos remanescentes de 1990 1 Área avaliada no Estado equivalente a 96,96% (3,04% com cobertura de nuvens) 2 Área avaliada no Estado equivalente a 96,45% (3,55% com cobertura de nuvens) 3 Área avaliada no Estado equivalente a 93,41% (6,59% com cobertura de nuvens)

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

RIO GRANDE DO SUL 7.1 BASE CARTOGRÁFICA E IMAGENS UTILIZADAS PARA O ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

mir Carta código imagens 521 Chapecó SG-22-Y-C 223/79 – 222/79 522 Erechim SG-22-Y-D 222/79 – 221/79 523 Lages SG-22-Z-C 221/79 – 220/79 527 Cruz Alta SH-22-V-A 223/79 – 223/80 – 222/79 – 222/80 528 Passo Fundo SH-22-V-B 222/79 – 222/80 – 221/79 – 221/80 529 Vacaria SH-22-X-A 220/79 – 220/80 – 221/79 – 221/80 534 535 Santa Maria Caxias do Sul SH-22-V-C SH-22-V-D 223/80 – 223/81 – 222/80 – 222/81 222/80 – 222/81 – 221/80 – 221/81 536 Gravataí SH-22-X-C 221/80 – 221/81 – 220/80 – 220/81 540 Cachoeira do Sul SH-22-Y-A 222/81 – 222/82 – 223/81 541 Porto Alegre SH-22-Y-B 222/81 – 221/82 – 221/81 542 Cidreira SH-22-Z-A 220/81 – 220/82 – 221/81 – 221/82 545 Pedro Osório SH-22-Y-C 223/82 – 222/82 – 222/81 – 221/82 546 Pelotas SH-22-Y-D 222/81 – 222/82 – 221/82 – 221/81 -220/82 547 Mostardas SH-22-Z-C 220/81 – 220/82 – 221/81 – 221/82

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

RIO GRANDE DO SUL 7.2 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL NOS PERÍODOS 1985-90 E 1990-95 – VALORES PARCIAIS POR CARTA 1:250.000 REMANESCENTES FLORESTAIS Cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Chapecó 61.639 59.103 57.893 2.536 1.210 Erechim 20.278 17.679 16.502 2.599 1.177 Lages 183 148 148 35 0 Cruz Alta 35.170 32.410 29.779 2.760 2.631 Passo Fundo 108.099 90.984 86.412 17.115 4.654 Vacaria 96.708 81.625 77.848 15.083 4.024 Santa Maria 179.984 177.817 170.874 2.167 6.968 Caxias do Sul 69.526 66.146 59.251 3.380 7.266 Gravataí 113.610 111.962 109.863 1.648 2.099 Cachoeira do Sul 53.398 50.775 44.206 2.623 6.759 Porto Alegre 38.017 35.614 31.440 2.403 4.226 Cidreira 1.668 1.555 1.465 113 90 Pedro Osório 36.795 34.621 31.127 2.174 3.494 Pelotas 40.388 38.021 32.859 2.367 5.162 Mostardas 0 0 0 0 0 desmatamento

RESTINGA cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Porto Alegre 9.769 9.769 9.992 0 0 Cidreira 55.414 55.414 55.163 0 251 Mostardas 22.542 22.350 22.201 192 149 desmatamento

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

RIO GRANDE DO SUL 7.3 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS FORMAÇÕES FLORESTAIS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ano área ha % cobertura florestal natural em relação à área do estado 1500 11.202.705 39,70 1940 9.898.536 35,08 1959 2.700.501 9,57 1965 2.539.656 9,00 1982 1.667.707 5,91 1983 1.585.874 5,62 1985 855.463 3,06 1990 798.460 2,86 1995 749.667 (1) (2) (3) (4) (2) (4) (5) (5) (6)2,69 1 estimativa baseada no Mapa de Vegetação do Brasil, IBGE, Rio de Janeiro, 1993 2 Schroeder, M. Cobertura Florestal do Rio Grande do Sul – Tendências e Perspectivas, In: 1º Seminário sobre a Situação Florestal do Rio Grande do Sul, Anais, 1991 (com base em dados de Rambo, 1940 e Universidade Federal de Santa Maria, 3 Magnanini, A. Aspectos Fitogeográficos do Brasil: Áreas e características no passado e no presente. Revista Brasileira de 4 Stumpf, E.O. Floresta e Meio Ambiente: Degradação Ambiental no Rio Grande do Sul, In: 1º Seminário sobre a Situação 5 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no eríodo 1985 – 1990. 6 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1990 – 1995. Fundação SOS Mata Atlântica/INPE, 1998.

OBS: Os valores absolutos e relativos dos remanescentes florestais nos anos de 1985 e 1990 foram corrigidos a partir da análise das imagens de satélite de 1995, cujo aprimoramento no processamento proporcionou material de maior qualidade para a interpretação visual e assim, apresentam diferenças em relação aos valores divulgados no relatório do Atlas publicado em 1993.

7.4 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL NO PERÍODO 1990-95 classes de 1990 mapeamento ha 1995 Desmatamento %* ha %* 90-95 %** remanescentes florestais 535.255 3,32 506.462 3,16 28.793 5,38 restinga 87.756 0,55 87.356 0,55 400 0,45 (1) (2) (3)

* em relação à área avaliada do Estado equivalente a 57,82 %, excluindo -se as áreas de Estepe ** em relação aos remanescentes de 1990 1 Área avaliada no Estado equivalente a 57,59 % (0,23% com cobertura de nuvens) 2 Área avaliada no Estado equivalente a 57,25% (0,57% com cobertura de nuvens) 3 Área avaliada no Estado equivalente a 57,13% (0,69% com cobertura de nuvens)

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

SANTA CATARINA 8.1 BASE CARTOGRÁFICA E IMAGENS UTILIZADAS PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA mir Carta código imagens 514/515 Curitiba SG-22-X-D 220/77 – 220/78 – 221/77 – 221/78 516 Pato Branco SG-22-Y-A 223/78 – 223/79 – 222/78 – 222/79 517 Clevelândia SG-22-Y-B 222/78 – 222/79 – 221/78 – 221/79 518 Mafra SG-22-Z-A 221/78 – 220/78 -221/79 519 Joinvile SG-22-Z-B 220/78 – 220/78 521 Chapecó SG-22-Y-C 223/79 – 222/79 522 Erechim SG-22-Y-D 222/79 – 221/79 523 Lages SG-22-Z-C 221/79 – 220/79 524 Florianópolis SG-22-Z-D 220/79 529 Vacaria 530 Criciúma SH-22-X-A SH-22-X-B 220/79 – 220/80 – 221/79 – 221/80 220/79 – 220/80 536/536 A Gravataí SH-22-X-C 221/80 – 221/81 – 220/80 – 220/81

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

SANTA CATARINA 8.2 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO ESTADO DE SANTA CATARINA NOS PERÍODOS 1985-90 E 1990-95 – VALORES PARCIAIS POR CARTA 1:250.000 REMANESCENTES FLORESTAIS cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha desmatamento 85-90 90-95 Curitiba 2.187 2.178 2.321 9 157 Pato Branco 45.958 35.384 30.528 10.574 4.856 Clevelândia 147.259 139.324 131.989 7.935 7.657 Mafra 303.423 262.740 254.949 40.683 8.371 Joinville 336.921 332.354 317.995 4.567 15.411 Chapecó 8.425 7.406 6.351 1.019 1.055 Erechim 24.502 21.250 19.504 3.252 1.746 Lages 208.509 194.095 191.074 14.414 4.197 Florianópolis 509.586 494.336 487.328 15.250 7.008 Vacaria 126.890 120.895 116.430 5.995 4.557 Criciúma 103.990 102.208 95.072 1.782 7.136 Gravataí 14.300 13.468 12.700 832 768 RESTINGA cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha desmatamento 85-90 90-95 Curitiba 8.240 8.240 8.081 0 159 Joinville 47.835 46.373 37.851 1.462 8.522 Florianópolis 8.171 8.171 8.158 0 13 Criciúma 20.675 20.567 20.567 108 0 Gravataí 17.387 17.168 17.168 219 0 MANGUE cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Curitiba 103 103 103 0 0 Joinville 4.402 4.402 4.277 0 125 Florianópolis 2.218 2.218 2.188 0 30 Criciúma 53 53 53 0 0 desmatamento

OBS: Os valores absolutos e relativos dos remanescentes florestais nos anos de 1985 e 1990 foram corrigidos a partir da análise das imagens de satélite de 1995, cujo aprimoramento no processamento proporcionou material de maior qualidade para a interpretação visual e assim, apresentam diferenças em relação aos valores divulgados no relatório do Atlas publicado em 1993.

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

SANTA CATARINA 8.3 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS FORMAÇÕES FLORESTAIS NO ESTADO DE SANTA CATARINA ano área ha % cobertura florestal natural em relação à área do estado 1500 7.768.440 81,50 1912 7.498.690 78,67 1959 2.859.550 30,00 1985 1.831.950 19,14 1990 1.725.638 18,03 1995 1.666.241 17,41 (1) (2) (3) (4) (4) (5) 1 KLEIN, R. M. Parques Nacionais e Estaduais; Reservas Biológicas Estaduais e particulares, bem como a Estação Ecológica do Estado de Santa Catarina. Estudos de Biologia, nº XVIII, setembro de 1988. 3 MAGNANINI, A. – Revista Brasileira de Geografia 13(4), out./dez., 1961. 4 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1985 – 1990. 5 Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1990 – 1995. Fundação SOS Mata Atlântica/INPE, 1998.

8.4 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DE SANTA CATARINA NO PERÍODO 1990-95 classes de 1990 mapeamento ha 1995 Desmatamento %* ha %* 90-95 %** remanescentes florestais 1.729.160 18,57 1.666.241 18,46 62.919 3,64 restinga 100.519 1,08 91.825 1,02 8.694 8,65 mangue 6.776 0,07 6.621 0,07 155 2,29 (1) (2) (3)

* em relação à área avaliada do Estado e quivalente a 100 % ** em relação aos remanescentes de 1990 1 Área avaliada no Estado equivalente a 97,26% (2,74% com cobertura de nuvens) 2 Área avaliada no Estado equivalente a 94,28% (5,72% com cobertura de nuvens) 3 Área avaliada no Estado equivalente a 92,03% (7,97% com cobertura de nuvens)

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

SÃO PAULO 9.1 BASE CARTOGRÁFICA E IMAGENS UTILIZADAS PARA O ESTADO DE SÃO PAULO mir carta código imagens 460 Andradina SF-22-V-B 223/74 – 223/75 – 222/74 – 222/75 474 Araçatuba SF-22-X-C 222/74 – 222/7 5 – 221/75 475 Araraquara SF-22-X-D 220/75 – 221/75 – 221/74 487 Bauru SF-22-Z-B 221/75 – 221/76 – 220/75 – 220/76 488 Campinas SF-23-Y-A 220/75 – 220/76 – 219/75 – 219/76 497 Cornélio Procópio SE-22-Z-C 222/76 – 222/77 – 221/76 – 221/77 514/515 Curitiba SG-22-X-D 220/77 – 220/78 – 221/77 – 221/78 473 Dracena SF-22-V-D 223/75 – 222/75 463 Franca SF-23-V-A 220/74 – 220/75 – 219/74 – 219/75 489 Guaratinguetá SF-23-Y-B 219/75 – 219/76 – 218/75 – 218/76 508 Iguape SG-23-V-A 220/77 – 219/77 501 Ilha Grande SF-23-Z-C 218/76 – 217/76 498 Itapetininga SF-22-Z-D 221/76 – 221/77 – 220/76 – 220/77 507 Itararé SG-22-X-B 221/77 – 220/77 448 484 Iturama Loanda SE-22-Z-C SF-22-Y-A 221/73 – 221/74 – 222/73 – 222/74 – 223/73 224/75 – 224/76 – 223/75 – 223/76 486 Marília SF-22-Z-A 222/75 – 222/76 – 221/75 – 221/76 449 Prata SE-22-Z-D 220/74 – 221/73 – 221/74 – 222/73 462 São José do Rio Preto SF-22-X-B 221/74 – 221/75 – 220/74 – 220/75 485 Pres. Prudente SF-22-Y-B 223/75 – 223/76 – 222/75 – 222/76 476 Ribeirão preto SF-23-V-C 220/74 – 220/75 – 219/75 500 Santos SF-22-Y-D 219/76 – 219/77 – 218/76 – 218/77 499 São Paulo SF-23-Y-C 219/76 – 219/77 – 220/76 – 220/77 450 Uberaba SE-23-Y-C 220/73 – 221/73 – 220/74 – 219/74 490 Volta Redonda SF-23-Z-A 218/75 – 218/76 – 217/75 – 217/76 461 Votuporanga SF-22-X-A 222/74 – 222/75 – 221/74 – 221/75

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

SÃO PAULO 9.2 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO ESTADO DE SÃO PAULO NOS PERÍODOS 1985-90 E 1990-95 – VALORES PARCIAIS POR CARTA 1:250.000 REMANESCENTES FLORESTAIS cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha desmatamento 85-90 90-95 Andradina 7.190 6.448 4.353 742 2.095 Araçatuba 38.548 32.483 30.749 6.065 1.840 Araraquara 25.825 24.034 23.154 1.791 894 Bauru 26.015 24.431 22.212 1.584 2.372 Campinas 17.776 17.072 15.871 704 1.374 Corn. Procópio Curitiba 2.843 45.830 2.732 44.876 2.611 44.468 111 954 121 408 Dracena 15.217 12.698 9.048 2.519 3.729 Franca 6.341 5.722 5.105 619 617 Guaratinguetá 64.197 57.884 59.399 6.313 117 Iguape 498.982 490.180 479.197 8.802 11.244 Ilha Grande 35.405 34.511 34.152 894 390 Itapetininga 25.650 24.841 24.304 809 912 Itararé 466.184 457.074 444.456 9.110 12.952 Iturama 3.221 2.395 1.979 826 416 Loanda Marília 6.485 35.320 5.064 30.866 4.574 28.313 1.421 4.454 553 2.777 Prata 853 791 327 62 464 Pres. Prudente 58.397 53.848 52.104 4.549 1.744 Ribeirão Preto 18.517 17.393 15.713 1.124 1.680 Santos 326.116 315.678 314.032 10.438 4.800 S.J. do Rio Preto 32.721 27.059 24.567 5.662 2.537 São Paulo 155.236 151.214 138.662 4.022 12.954 Uberaba 0 0 0 0 0 Volta Redonda 57.051 55.844 55.672 1.207 269 Votuporanga 17.683 16.754 13.130 929 3.624 RESTINGA cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha 85-90 90-95 Curitiba 19.936 19.936 19.866 0 70 Iguape 132.123 130.866 129.610 1.257 1.256 Santos 22.221 20.991 20.600 1.230 391 São Paulo 538 538 538 0 0 desmatamento

MANGUE cartas topográficas 1985 ha 1990 ha 1995 ha desmatamento 85-90 90-95 Curitiba 3.088 3.088 3.088 0 0 Iguape 4.915 4.915 4.915 0 0 Santos 8.814 8.663 8.583 151 80

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

SÃO PAULO 9.3 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS FORMAÇÕES FLORESTAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ano área ha % cobertura florestal natural em relação à área do estado 1500* 20.450.000 81,80 1854* 19.925.000 79,70 1886* 17.625.000 70,50 1907* 14.500.000 58,00 1920* 11.200.000 44,80 1935* 6.550.000 26,20 1952* 4.550.000 18,20 1962* 3.406.000 13,62 1973* 2.075.000 8,30 1985** 1.987.603 8,22 1990** 1995*** 1.911.892 1.848.152 7,91 7,64 * A Devastação Florestal. Vitor, M. A. de M. – 1975 ** Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1985 – 1990. ** Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Domínio da Mata Atlântica no período 1990 – 1995. Fundação SOS Mata Atlântica/INPE, 1998.

OBS: Os valores absolutos e relativos dos remanescentes florestais nos anos de 1985 e 1990 foram corrigidos a partir da análise das imagens de satélite de 1995, cujo aprimoramento no processamento proporcionou material de maior qualidade para a interpretação visual e assim, apresentam diferenças em relação aos valores divulgados no relatório do Atlas publicado em 1993.

9.4 EVOLUÇÃO DOS REMANESCENTES FLORESTAIS E ECOSSISTEMAS ASSOCIADOS NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO 1990-95

%* ha %* 90-95 %** remanescentes florestais 1.858.959 7,82 1.791.559 7,50 67.400 3,62 restinga 172.331 0,72 170.614 0,71 1.717 0,99 mangue 16.666 0,07 16.586 0,07 80 0,48 classes de 1990 (1) mapeamento ha 1995(2) Desmatamento(3)

* em relação à área avaliada do Es tado equivalente a 100 %, excluindo-se as áreas de ** em relação aos remanescentes de 1990 1 Área avaliada no Estado equivalente a 98,33% (1,67% com cobertura de nuvens) 2 Área avaliada no Estado equivalente a 98,83% (1,17% com cobertura de nuvens) 3 Área avaliada no Estado equivalente a 97,15% (2,85% com cobertura de nuvens) Savana

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

QUADRO RESUMO em ha UF Área UF Área Área DMA Mata Desmatamento Mapeada Mapeada * 1990 1995 ha % ES 4.611.522 4.611.522 4.611.522 409.741 387.313 22.428 5,47 GO 34.016.590 3.918.711 3.055.677 7.119 6.471 648 9,10 MS 35.742.410 4.757.315 1.842.821 43.752 39.555 4.197 9,59 MG 58.717.200 43.339.165 27.539.709 1.214.059 1.125.108 88.951 7,32 PR 19.808.603 RJ 4.408.111 19.808.603 4.408.111 19.315.664 4.408.111 1.815.137 1.069.230 1.730.528 928.858 84.609 140.372 4,66 13,13 RS 27.894.664 16.128.695 8.758.533 535.255 506.462 28.793 5,38 SC 9.571.647 9.571.647 9.571.647 1.729.160 1.666.241 62.919 3,64 SP 24.175.211 24.175.211 19.595.899 1.858.959 1.791.559 67.400 3,62 218.945.958 130.718.980 98.699.583 8.682.412 8.182.095 500.317 5,76 DMA – Domínio da Mata Atlântica

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995

Capítulo III – Documentos de referência Atlas dos Remanescentes – período 1990 a 1995 484 485 Loanda Presidente Prudente MS/PR/SP 254 MS/PR/SP – 785 1.899 486 Marília PR/SP 265 1.239 487 Bauru SP 153 1.676 488 Campinas SP/MG 231 1.349 489 Guaratinguetá SP/MG 2.372 155 490 Volta Redonda MG/SP/RJ 5.691 1.400 – – 491 Rio de Janeiro RJ/MG – 13.685 – – 492 Macaé RJ 953 1.508 – – 494 Amambaí MS/PR – – 495 Umuarama PR/MS – 1.233 496 Londrina PR 19 2.089 497 Cornélio Procópio PR/SP 126 3.555 498 Itapetininga SP/PR 375 367 499 São Paulo SP 402 1.049 – – 500 Santos SP 3.154 3.840 – – 501 Ilha Grande RJ/SP 107 679 – – 503 Guaíra MS/PR – 1.725 504 Cascavel PR 21 6.109 505 506 Campo Mourão Telêmaco Borba PR 33 PR 2.271 5.587 7.220 507 Itararé PR/SP 590 7.405 508 Iguape SP 261 8.459 – 69 510 Foz do Iguaçu PR – 1.260 511 Guaraniaçu PR 118 6.891 512 Guarapuava PR 3.070 1.317 513 Ponta Grossa PR 265 23.173 514/515 Curitiba SC/PR/SP 1.795 17.820 26 – 516 Pato Branco SC/PR – 7.128 517 Clevelândia SC/PR 474 948 518 Mafra SC/PR 580 33.142 519 Joinville SC/PR 1.052 3.576 – – 521 Chapecó SC/PR – 2.057 522 Erechim SC/PR – 7.910 523 Lages SC/PR 1.176 7.122 524 Florianópolis SC – 1.139 – – 527 Cruz Alta RS 528 Passo Fundo RS – – 529 530 Vacaria Criciúma SC/RS 174 SC – 7.439 430 – – 534 Santa Maria RS 247 5.185 535 Caxias do Sul RS 25 233 536 Gravataí SC/RS – 11.209 – – 540 Cachoeira do Sul RS 190 1.533 541 Porto Alegre RS 52 263 223 – 542 Cidreira RS – – – – 545 Pedro Osório RS – 3.649 546 Pelotas RS – 2.011 547 Mostardas RS – 35.361 – 231.671 – 308 – 69

Capítulo III – Documentos de Referência Ministério do Meio Ambiente Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira -PROBIO

Subprojeto “Avaliação e Ações Prioritárias para a Conservação da Mata Atlântica e Campos Sulinos”

República Federativa do Brasil Presidente: Fernando Henrique Cardoso Vice-Presidente: Marco Antonio de Oliveira Maciel Ministério do Meio Ambiente Ministro: José Sarney Filho Secretário-Executivo: José Carlos Carvalho Secretaria de Biodiversidade e Florestas Secretário: José Pedro de Oliveira Costa Diretor do Programa Nacional de Conservação da Biodiversidade: Bráulio Ferreira de Souza Dias Consórcio Coordenador: Conservation International Fundação SOS Mata Atlântica Fundação Biodiversitas Instituto de Pesquisas Ecológicas – IPE Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Instituto Estadual de Florestas do Estado de Minas Gerais – IEF

Capítulo III – Documentos de Referência RESUMO Este documento apresenta o Mapa Síntese e a relação das áreas identificadas como prioritárias para a conservação da biodiversidade, identificadas no âmbito do Subprojeto “Avaliação e Ações Prioritárias para a Conservação da Mata Atlântica e Campos Sulinos”, que faz parte do Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira (PROBIO), o primeiro projeto do Programa Nacional de Biodiversidade (PRONABIO) do Ministério do Meio Ambiente. O Subprojeto tem como objetivo o estabelecimento de áreas e ações prioritárias para a conservação da diversidade biológica na Mata Atlântica e Campos Sulinos, discutindo-se estratégias para sua proteção e o seu uso sustentável.

Utilizou-se como metodologia os workshops de biodiversidade desenvolvidos pela organização não- governamental Conservation International, que envolve a compilação e cruzamento de dados de biodiversidade, distribuição de áreas naturais e antropizadas e indicadores socioeconômicos, utilizando sistemas de informação geográfica, de forma a resumir os principais condicionantes de decisão sobre a base territorial para as ações de conservação. A metodologia consiste em quatro fases: 1. Fase Preparatória – diagnóstico por tema e preparação de mapas de trabalho; 2. Fase Decisória – avaliação dos especialistas em um Workshop, realizando em agosto de 1999, em Atibaia, São Paulo; 3. Fase de Processamento e Síntese dos Resultados e; 4. Fase de Disseminação dos Resultados e Acompanhamento de sua Implementação. Além dos aspectos biológicos e socioeconômicos, são avaliados também a integridade dos ecossistemas e as oportunidades de ações de conservação.

Foram identificadas 184 áreas prioritárias para a conservação da Mata Atlântica e Campos Sulinos distribuídas em quatro categorias de importância biológica: 101 de extrema importância biológica; 35 de muito alta importância biológica; 26 de alta importância biológica e; 22 áreas insuficientemente conhecidas mas de provável importância biológica. Aproximadamente 35% da Mata Atlântica foi coberta por áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade, sendo a maioria (55%) destas indicadas como de extrema importância biológica.

Das dezessete áreas prioritárias com maior sobreposição de indicações dos grupos temáticos, doze estão na Região Nordeste, confirmando informações anteriores que indicavam a grande riqueza de espécies e endemismos de algumas localidades nesta região, como o estudo da CEPLAC e Jardim Botânico de Nova York, que registraram, ao norte de Ilhéus, BA, um dos maiores índices de diversidade de plantas lenhosas no mundo. Este Subprojeto também reforça e mantém os resultados do Workshop “Prioridades para Conservação da Mata Atlântica o Nordeste”, realizado em 1993, em Recife, PE. A valorização da Serra do Mar como área de extrema importância biológica, em quase toda sua extensão, mostra a relevância de se conservar o maior trecho contínuo de Mata Atlântica e com alto nível de integridade ambiental. Da Serra da Bocaina entre São e Rio de Janeiro, até a região de Aparados da Serra entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul, existem evidências da ocorrência de várias espécies endêmicas e grande riqueza biótica.

Os estudos temáticos dos componentes bióticos do Subprojeto indicam ainda uma enorme lacuna de conhecimento sobre a biodiversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos. Umas das ações mais recomendadas em todo o processo desse Subprojeto foi a criação de mecanismos financeiros e a capacitação de pessoal para viabilizar a realização de inventários biológicos e mais pesquisas sobre a fauna e flora desses biomas. O fortalecimento do sistema de áreas protegidas, especialmente a criação de unidades de conservação de proteção integral, foram uma das principais recomendações do Workshop, confirmando a importância desse instrumento para a conservação de biodiversidade.

O Grupo Integrador de Políticas Ambientais indicou cinco políticas estratégicas para a Mata Atlântica e Campos Sulinos: Política de Áreas Protegidas e Ordenamento Territorial; Política de Fortalecimento e Integração Institucional; Política de Recuperação, Monitoramento e Controle; Política de Educação Ambiental, Geração e Difusão de Informações; e a Política de Incentivos Econômicos voltados para a conservação de biodiversidade. Dentre as várias ações prioritárias ressalta-se a importância de uma integração entre as políticas de conservação de florestas e de proteção dos recursos hídricos; a capacitação e valorização do setor ambiental, que ainda é deficiente do ponto de vista de recursos humanos e frágil politicamente; a compatibilização entre a política ambiental e políticas setoriais do governo; o investimento em projetos e programas de recuperação e recomposição de áreas degradadas;

Capítulo III – Documentos de Referência a implementação dos programas e projetos de planejamento regional da biodiversidade; o aumento da interface entre educador ambiental e o pesquisador; e o aumento e diversificação das fontes de financiamentos para ampliar as ações de conservação.

As ações recomendadas neste Subprojeto são fruto de anos de discussões em diversos fóruns, sobre as necessidades mais urgentes e as melhores estratégias para a conservação da Mata Atlântica e Campos Sulinos. No caso da Mata Atlântica, em um estágio mais avançado, os resultados deste Subprojeto contribuirão ainda mais para o fortalecimento das diretrizes, aprovadas pelo CONAMA em 1998, para a conservação e desenvolvimento sustentável do bioma, além de subsidiar o Plano de Ação, que ora vem sendo desenvolvido pelo Ministério do Meio Ambiente.

O relatório completo do Subprojeto “Avaliação e Ações Prioritárias para a Conservação da Mata Atlântica e Campos Sulinos”, pode ser obtido no site http://www.bdt.org.br/workshop/mata.atlantica/BR/.

116 134 MAPA DE ÁREAS PRIORITÁRIAS Legenda – Sintese Extrema importância biológica Muito alta importância biológica Alta importância biológica Insuficientemente conhecida mas de provável importância biológica

325 306 321 319 328 304 312 302 423 327330 301

311 322 315 320 314 331 501 510 309 324 307514 505 515 506 402 329 308 317 503 512

513 603 323 507 601 326 605 602 604 Dossiê Mata Atlântica 2001 509 504 406 303 305 318 316

313 424 422 421 310 403 418 401 410 407

516 415 409 411 408 428 511 414 425 508 502 405 242

412 244 210 417 Capítulo III – Documentos de Referência 111 118 143 148 119 146 104 145 114 126 140 147 131 127

137 103 129 113 152 108 107101 106 149 144 109 151 121 139 142 122 132 150 115 120 141 102 138 130 112 124 135 243 234 238 236 123 105 215 217 226 110 125 239 213 133 128 136251 211 203

250 232248 201 214 224 237 220 233 207 219 212 247 202 227 208 221 229 206 209 230 218 246 231 245 222 235 228 204 205 223 249 225 426 429 216 241 240 416 420 404 427 419

Capítulo III – Documentos de Referência Áreas Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade da Mata Atlânti.ca1 1Avaliação e Ações Prioritárias para a Conservação da Biodiversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos. Conservation International e outros. Brasília : MMA, 2000. A – extrema importância biológica B – muito alta importância biológica C – alta importância biológica D – insuficientemente conhecida mas de provável importância biológica Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 101 Abiaí / Goiana Pitimbu, Goiana, Recife PB, PE A Complexo que abriga diversas unidades de conservação. É considerada uma região de elevada diversidade de espécies de répteis, anfíbios e plantas superiores. Nesta área se localizam os maiores remanescentes de Mata Atlântica do Estado de Pernambuco. Manejo Flora, Invertebrados, Mamíferos, Aves, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 102 Água Branca Água Branca AL D Brejo de interior de provável importância biológica sem, no entanto, informações básicas sobre a flora e fauna. Inventário biológico Invertebrados, Aves 103 Areia Areia PB A Remanescente importante de floresta ombrófila na região mais ocidental da Paraíba – Brejo Paraibano. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Peixes, Aves, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 104 Baixo Jaguaribe Aracati CE B Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993). Manejo Flora, Invertebrados, Aves 105 Bonito Bonito BA B Região dominada por floresta estacional semidecidual em São florestas com árvores de 10-15 m de altura e bem conservadas em algumas áreas, apesar de estarem sofrendo um grande impacto para a retirada de madeira e Criação de unidade de conservação Flora 106 Brejo de Madre de Deus Arcoverde PE A No complexo da Serra de Ororubá, ocorrem diversos brejos de altitude em cotas que variam de 800 m à 1000m. Do ponto de vista geológico e climático, esses brejos Entretanto, no aspecto florístico, as poucas coletas realizadas tem demonstrado que existe uma acentuada diferenciação entre eles. Cada um apresenta uma flora diferenciada, rica em elementos endêmicos, como por Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Anfíbios e Répteis, Aves, Áreas Protegidas

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 107 Brejo de Taquaritinga Taquaritinga do Norte PE A O Brejo de Taquaritinga, localizado na Serra da Cachoeira, a uma altitude de 870 m, apresenta áreas florestais e de transição com os espaços semi-áridos. Boa parte da mata foi retirada para a ocupação da agricultura e pecuária. A sua flora é pouco conhecida pela falta de coletas, mesmo assim, percebe-se que é diferenciada das demais pela presença de conjunto de espécies como Banare brasiliensis, Caslaria brachystechya. A áreas sofre uma forte pressão pelo seu potencial turístico, especialmente com a instalação de infra- estrutura hoteleira. A presença de uma unidade de conservação seria importante para preservar os Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves 108 Brejo de Triunfo Triunfo PE A Na Serra da Baixa Verde ocorrem além das florestas pluvio- nebulares (brejos de altitude), outras formações florestais remanescentes, localmente denominadas de matas serranas, em áreas com cotas de 900 m de altitude, que apresentam uma composição florística praticamente desconhecida. Os levantamentos florísticos realizados nos últimos 2 anos mostram que a sua flora é distinta dos demais brejos, com muitas espécies comuns às matas Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Anfíbios e Répteis 109 Brejo dos Cavalos Caruaru PE A Dentro da área total do brejo, ocorrem várias nascentes e reservatórios naturais. Apesar disso, nos vales dentro da reserva, estão assentadas 60 famílias que vivem do cultivo de flores e hortaliças. Nas encostas, a vegetação vem sendo Apesar de distar cerca de 1 km de Recife, esta área foi muito pouco coletada. Recuperação florestal Flora, Invertebrados, Aves, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 110 Caetités Caetité, Guanambi, Rio de Contas, Macaúbas, Paramirim BA D Área importante de floresta seca e pouco conhecida do ponto de vista biológico, mas de provável importância biológica. Área sob grande ameaça segundo o Grupo Temáticos de Pressão Antrópica. Inventário biológico Pressão Antrópica, Áreas Protegidas 111 Camocim / Jericoacoara Camocim CE C Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993). Mantida a indicação pelo Grupo Temático de Flora, que considera como uma área de maior produção de estacas de sabiá (Mimosa caesalpiniaecolia) no Nordeste e sofre grande Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 112 Catolé Maceió, Rio Largo AL D Remanescentes próximos a Maceió com provável importância biológica. Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993). Ocorrência da espécie de ave endêmica e ameaçada Tangara fastuosa. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Aves 113 Chapada do Araripe Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha CE A Considerando a extensão da Floresta Nacional do Araripe, o lugar é merecedor de maior atenção por parte do governo, uma vez que dali devem surgir importantes mananciais Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves, Mamíferos, Anfíbios e Répteis, Fatores Abióticos, Áreas Protegidas, Pressão Antrópica 114 Chapada Ibiapaba Viçosa do Ceará, Tianguá, Ubajara, Araticum, Ibiapina, São Benedito, Guaraciaba do Norte e Ipú. CE A Remanescente de Mata Atlântica com a presença de espécies ameaçadas como Alouatta belzebul e prováveis Avançado processo do uso da agricultura irrigada (fruticultura, cafeicultura). Forte pressão para urbanização e Ampliação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves, Anfíbios e Répteis, Mamíferos, Fatores Abióticos 115 Complexo Catende Maraial PE A Abriga um complexo de fragmentos, sendo alguns em bom estado de conservação. Área indicada no Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993). Apresenta espécies vegetais de grande porte e uma acentuada frequência de epífitas. Grande riqueza de bromélias, apresentando mais de 30 espécies. A falta de conhecimento da flora dessa região e o provável número de espécies raras justificam a sua recuperação e conservação. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Aves 116 Coribe Santa Maria da Vitória BA, MG A Região central das florestas secas sobre um dos maiores conjuntos de cavernas da América do Sul. Área melhor amostrada da ecorregião em que está inserida. Presença de Criação de unidade de conservação Aves, Pressão Antrópica 117 Corrente Corrente, Formosa do Rio Preto PI, BA A Um dos setores de florestas decíduas com maior continuidade no sul do Piauí e Noroeste da Bahia. Presença Criação de unidade de conservação Aves 118 Foz do Acaraú Icaraí de Amontoada a Mundaú CE B Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993), com Criação de unidade de conservação Flora

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 119 Foz do Rio Ceará Caucaia, Fortaleza, Aquiraz CE C Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Importantes áreas de restinga, mangues e matas interdunares sem conhecimento científico. Manejo Flora, Anfíbios e Répteis 120 Garanhuns Garanhuns PE A A área do Brejo de Garanhuns foi reduzida a fragmentos florestais, localizados principalmente em propriedades privadas ou a elementos isolados. Praticamente inexistem coleções botânicas, sendo sua flora portanto, muito pouco conhecida. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Aves 121 Gurjaú / Camaçari Ipojuca, Serrambi PE D Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993). A falta de conhecimento da flora dessa região e o provável número de espécies raras justificam a sua recuperação e conservação. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Aves 122 Inajá Inajá PE D Importante fragmento de floresta que carecem de inventários básicos de biodiversidade. Inventário biológico Flora, Invertebrados 123 Jacobina Miguel Calmon, Jacobina BA B A região de Miguel Calmon/Jacobina é dominada por caatinga, porém, nas áreas mais altas (acima de 900) ocorrem encraves de florestas estacionais semideciduais e algumas áreas menores de florestas ombrófilas densas nas porções superiores. Historicamente é muito importante, pois, foi área coletada por Blanchet (entre 1830-1850, na época cônsul suiço em Salvador) e os espécimes herborizados foram incluídos na Flora Brasiliensis. Foram descritos muitos gêneros e espécies novas na região. Grande riqueza de Criação de unidade de conservação Flora 124 Jequiá / Fazenda Matão Roteiro, Coruripe AL D Remanescentes da exuberante floresta alagoana preservados na encosta do tabuleiro (grotões) que drenam para as lagoas. Área que tinha última população do Mutum- do-Nordeste, Mitu mitu mitu. Espécies de aves ameaçadas e Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves, Mamíferos, Áreas Protegidas 125 Lençóis / Andaraí Lençois, Andaraí BA A Presença de várias espécies ameaçadas de extinção e Ampliação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves, Anfíbios e Répteis, Pressão Antrópica, Áreas Protegidas 126 Litoral Norte do Rio Grande do Norte Tibau, Macau, São Miguel, Touros, Genipabu RN B Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Ocorrência de aves costeiras migratórias neárticas. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Aves

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 127 Mamanguape / Baía Formosa Mamanguape, Rio Tinto, Barra de Camaratuba, Baía Formosa RN, PB A Existência de importantes remanescentes de floresta ombrófila e restinga, com espécies raras e ameaçadas de Principal sítio de ocorrência de de peixe boi Trichechus manatus no nordeste. Possibilidade de conectividade entre os remanescentes e presença de unidades de conservação Ampliação de unidade de conservação e estabelecimento de corredores ecológicos Flora, Peixes, Aves, Anfíbios e Répteis, Mamíferos, Áreas Protegidas, Pressão Antrópica 128 Maracás Maracás BA B Área era coberta por floresta estacional semidecidual com Atualmente restam alguns fragmentos que estão sofrendo grande pressão para retirada da floresta para cultivo de café e em outras áreas retirada seletiva de madeira. São importantes para estabelecer conectividade com a Estação Criação de unidade de conservação Flora 129 Mata de Santa Rita / Sapé Santa Rita, Cruz do Espírito Santo, Sapé PB A Existência de quatro fragmentos de Mata com dimensões entre 800-3000 ha, em bom estado de conservação, com fragmentos menores de dimensão média de 250 ha Nessa área de remanescentes concentra-se as maiores populações do macaco guariba do nordeste (Alouatta Estabelecimento de corredor ecológico Flora, Invertebrados, Aves, Mamíferos, Pressão Antrópica, Áreas Protegidas 130 Murici Murici AL A Maior remanescente de floresta ao norte do rio São Francisco com aproximadamente 5.000 ha. A região é montanhosa, com áreas planas nos topos, onde há plantação de cana e capim. Há forte pressão antrópica, sobretudo devido ao plantio de bananeiras. Há registro da presença de guariba (Alouatta belzebul ). Existem 12 espécies de aves endêmicas e ameaçadas de extinção, como por exemplo Philydor novaesi, Myrmotherula snowi, Terenura sicki, Touit surda, Iodopleura pipra, Synallaxis Elevada riqueza e existência de endemismo para répteis e Criação de unidade de Conservação Flora, Invertebrados, Mamíferos, Aves, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 131 Natal / Tibau do Sul Natal, Parnamirim, Nisia Floresta, Tibau do Sul RN B Diversidade de paisagens e endemismos de espécies de Criação de unidade de conservação Anfíbios e Répteis 132 Novo Lino Novo Lino AL B Presença de espécies raras, ameaçadas e endêmicas de aves, como por exemplo Terenura sicki. Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993). Inventário biológico Invertebrados, Aves

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 133 Palmas do Monte Alto Palmas de Monte Alto BA A Uma das maiores áreas de floresta decídua da margem direita do rio São Francisco. Riqueza não é tão alta quanto às florestas da margem direita, mas existem importantes diferenças biogeográficas devido a ação do rio como Criação de unidade de conservação Aves, Áreas Protegidas 134 Peruaçu Itacarambi MG A Área de grande importância para a conservação da Algumas iniciativas do governo federal e estadual, pressão Presença de espécies de aves endêmicas e ameaçadas, Criação de unidade de conservação Peixes, Aves, Áreas Protegidas 135 Piaçabuçu / Penedo Piaçabuçu (Pontal do Peba) AL A Trata-se de uma Área de Proteção Ambiental, com cerca de 55 ha, apresentando remanescentes com matas de restinga e mangue. Área sujeita a pressão antrópica devido ao A área é cercada por cultura da cana-de-açucar. Única área Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993). Manejo Anfíbios e Répteis 136 Pico do Barbado Rio de Contas, Abaíra, Erico Cardoso BA A As florestas nos altos de montanhas, apresentam-se disjuntas nos municípios de Picos das Almas e Abairá. São do tipo ombrófila densa nas partes mais altas (aproximadamente 1700 m) e floresta estacional semidecidual nas partes mais baixas (aproximadamente 1500 m). São encraves relictuais de vários tamanhos rodeados por campo rupestre nas partes mais altas e Caatinga abaixo de 900 m. As florestas incluem gêneros e espécies da flora de maior importância biológica como: Driymis wienteri, Podocarpus lamberti , Podocarpus selowii, Hedryosmiun brasiliensis, Rhamnus sp., espécies típicas do sudeste do Brasil e de origem andina. Para o Pico das Almas foi elaborado inventário da flora detalhado com cerca de 850 espécies incluindo florestas e campo das quais cerca de 150 foram novas para a ciência. A área inclui a APA do Barbado com 73000 ha. O Pico das Almas e o Pico do Itobira (florestas bem conservadas entre 1700-1900m de Criação de unidade de conservação Flora

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 137 Pico do Jabre Teixeira PB A Área representativa de mata serrana no interior da Paraíba, abrangendo o pico mais alto do Estado, recentemente decretada como Parque Estadual. Área sujeita a grande pressão antrópica, sendo rapidamente invadida por culturas agrícolas. O Pico do Jabre apresenta uma vegetação distinta da caatinga que a circunda, representando um encrave florestal de grande importância biológica no sertão paraibano. Área com grande riqueza de espécies e Ampliação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Anfíbios e Répteis 138 Quebrângulo / Bom Conselho Quebrângulo, Bom Conselho PE, AL A Estudos de composição florística já iniciados, necessitando um maior esforço de coleta para identificação das espécies raras e endêmicas que se supõem existirem na área. A falta de indenização dos proprietários da REBIO de Pedra Estabelecimento de corredor ecológico Flora, Invertebrados, Aves, Anfíbios e Répteis 139 Quipapá / Água Preta Quipapá PE C Área identificada no Workshop de Prioridades para a Presença de espécies endêmicas e ameaçadas de aves: Tangara cyanocephala corolinea, Tangara fastuosa Inventário biológico Flora, Invertebrados, Aves 140 Quixadá / Estevão Quixadá CE C Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993) Inventário biológico Flora, Anfíbios e Répteis 141 Região de Camaragibe Passo de Camaragibe, Barra de Santo Antônio AL A Presença de espécies de aves e anfíbios raras, ameaçadas e endêmicas. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Aves, Anfíbios e Répteis 142 Saltinho / Barreiros Barreiros PE A Compreende as matas de tabuleiro e restinga da mata sul pernambucana, englobando vários municípios de Barreiros a Catende. Apresenta uma vegetação bastante alta, densa e rica em espécies. A maior disponibilidade hídrica revela-se no acentuado número de epífitas, muitas das quais desconhecidas. Das matas litorâneas de Pernambuco, essa região apresenta a maior diversidade florística e um conjunto florístico relativamente diferenciado da mata norte Estabelecimento de corredor ecológico Flora, Invertebrados, Aves, Áreas Protegidas 143 Serra da Meruoca Sobral CE B Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Importante remanescente de Floresta Atlântica, isolado pelo relevo, sem conhecimento faunístico e em alarmante Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Anfíbios e Répteis, Aves, Mamíferos

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 144 Serra das Confusões São Raimundo Nonato PI D É o setor mais ao norte da ecorregião das florestas secas, na transição para a caatinga. Está nos limites do Parque Nacional das Confusões, uma das maiores áreas protegidas deste tipo de vegetação. Inventário biológico Áreas Protegidas 145 Serra de Baturité Baturité, Guaramiranga, Mulungu, Pacoti, Palmácia, Redenção, Aratuba, Aracoiaba CE A Importante remanescente de Mata Atlântica, com pouco conhecimento científico da flora e fauna, mas incluindo casos de endemismo. Indicada no Workshop de Prioridades Mudança de categoria da unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves, Mamíferos, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 146 Serra de Maranguape / Aratanha Maranguape, Caucaia, Pacatuba, Maracanaú CE A Importante agregado de dois brejos de altitude cobertos com remanescentes de Mata Atlântica. Casos de endemismos de anfíbios e répteis umbrófilos para Maranguape Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves, Anfíbios e Répteis, Mamíferos 147 Serra de São Miguel Pau Ferro, Caraúbas RN A Apresenta um relevo forte e ondulado que ainda suporta sobre seus superiores um recobrimento com material transportado. Sobre os picos ondulados com material cristalino, ocorre uma floresta subperenifolia úmida pouco estudada, apenas observada fisionomicamente. Vale ressaltar a importância deste encrave florestal em meio ao semi-árido. Esta serra tem continuidade com o relevo cristalino do lado cearense que denomina-se Serra do Perreiro. No entanto, a floresta mais úmida localiza-se na Área indicada no Workshop de Prioridades para a Criação de unidade de conservação Flora, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 148 Serra de Uruburetama Itapipoca e Irauçuba CE C Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Nordeste (1993). Esta serra vem apresentando intensivo uso para plantações de fruticultura e acelerado processo de desmatamento. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Anfíbios e Répteis, Aves, Mamíferos, Áreas Protegidas 149 Serra Negra / Bezerros Bezerros PE A Brejo da Serra Negra de Bezerros apresenta uma vegetação com parte florestal e bastante úmida com grande quantidade de epífitas. Assim como outras áreas de brejo, essa área encontra-se altamente ameaçada. Trata-se de um dos poucos brejos onde não existe nenhuma informação a Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 150 Serra Negra / Floresta Floresta PE A A Reserva Biológica de Serra Negra (1.100 ha.) apresenta uma vegetação plúvio-nebular (brejo) assentada sobre terrenos sedimentares a uma altitude de 800 m. Rica em registros fósseis, especialmente ostracóides e peixes. Flora Estabelecimento de corredor ecológico Flora, Invertebrados, Anfíbios e Répteis, Aves, Áreas Protegidas 151 Tapacurá São Lourenço da Mata PE A O maior remanescente de floresta semidecídua do Estado Estação Ecológica de Tapacurá da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Manejo Flora, Invertebrados, Aves 152 Timbaúba / Mata do Estado Ingá, Timbaúba PB, PE A Recomendado pelo Workshop de Prioridades para a Presença de aves ameaçadas de extinção (Terenura sicki, Tangara fastuosa, Iodopleura pipra) e Aves endêmicas (Leptodon cayanensis, Phaethornis ochraceiventris, Estabelecimento de corredor ecológico Invertebrados, Flora, Aves 201 Almenara Almenara, Divisópolis, Jequitinhonha MG A Hábitat muito ameaçado, única área no estado com fragmentos ainda significativos, pressão de desmatamento crescente. Ocorrência de aves ameaçadas (Pyroderus scutatus, Campephilus robustus, Spizaetus ornatus, Jacamaralcyon tridactyla) e primatas (Alouatta fusca fusca, Callicebus personatus melanochir, Callithrix kuhli). A área Criação de unidade de conservação e estabelecimento de corredor ecológico Aves, Mamíferos, Anfíbios e Répteis 202 Alto Rio Santo Antônio Rio Preto do Itambé, Ferros e outros MG C As informações disponíveis indicam alta diversidade de peixes dentro da bacia do Rio Doce (aproximadamente Indicada pelo Workshop de Biodiversidade de Minas Gerais (1998). Inventário biológico Peixes, Mamíferos 203 Boa Nova Boa Nova BA A Única área de ocorrência da espécie de ave Rhopornis adersiaca e importante área para Formicivora iheringi Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves 204 Cafundó / Bananal Norte Cachoeiro de Itapemirim ES B Dois fragmentos florestais de baixada (Cafundó/Boa Esperança 523 ha) e Bananal do Norte (376 ha). Ambas preservam matas de baixada do vale do rio Itapemirim cortadas pelo próprio rio Itapemirim e rio Estrela do Norte – no caso de Cafundó. Essas áreas possuem cerca de 7 Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves, Mamíferos

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 205 Carangola Carangola, Pedra Dourada, Faria Lemos, Vieiras, São Francisco da Glória, Divino, Caparaó, Luisburgo, Alto Jequitibá MG C Presença de mamíferos ameaçados e remanescentes significativos de vegetação nativa. Alto grau de ameaça, sujeita a desmatamento, atividade agropecuária, mineração e queimadas. Indicada pelo Workshop de Biodiversidade de Minas Gerais (1998). Inventário biológico Flora 206 Caratinga – Estação Biológica Caratinga Caratinga MG B Presença de espécies raras e ameaçadas, como Brachyteles hypoxanthus, Alouatta fusca e Callithrix Criação de unidade de conservação Flora, Mamíferos, Anfíbios e Répteis 207 Caravelas Caravelas, Nova Viçosa, Prado, Mucuri BA C Nesta área encontram-se extensas áreas de restinga arbustivas arbóreas e manguezais. Áreas sob pressão antrópica devido às grandes indústrias de celulose implantadas na região e também por culturas de frutas, além da especulação imobiliária para o turismo. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 208 Delta do Rio Doce Linhares, Aracruz ES A Área com vegetação nativa (mata de tabuleiro, restinga, e alagados litorâneos) biologicamente frágeis, com baixa Praias com desova de tartarugas marinhas, especialmente Dermochelys coriacea. Existem plantas de espécies e talvez gêneros novos (Passifloraceae) e muitas espécies de ocorrência restrita na Mata Atlântica (Rutaceae, Euphorbiaceae); pelo menos 12 espécies de borboletas da lista brasileira da fauna ameaçada. Solos hidromórficos que estão sendo aterrados excessivamente. Alguns trechos apresentam enxofre como constituinte mineral formando com a drenagem, ácido sulfúrico. Com isto há um abaixamento excessivo do pH, criando o que se denomina Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Fatores Abióticos 209 Faz. Pindobas IV e fragmentos de Afonso Cláudio Conceição do Castelo, Afonso Cláudio ES A É uma área com alta diversidade de espécies. Pode-se destacar que ocorrem duas espécies de mamíferos ameaçadas (Callithrix flaviceps e Bradypus torquatus)epelo menos 6 espécies de aves ameaçadas. O grande destaque desta área foi a redescoberta em 22/02/98 do traupídeo Nemosia rourei, único local confirmado de sua existência, através de registros documentados através de foto e gravações. A espécie era conhecida até então apenas do exemplar tipo coletado em Muriaé, MG em 1870 e Criação de unidade de conservação Aves, Mamíferos

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 210 Ibitipoca Conceição de Ibitipoca MG A Alta riqueza de espécies com importantes endemismos, em ambiente frágil. Presença de espécies de mamíferos ameaçadas de extinção: Brachyteles arachmoides, Callicebus personatus, Alouatta fusca. Região de encontro de biota de Mata Atlântica com biota do interior do Brasil. Inventário biológico Flora, Mamíferos, Anfíbios e Répteis 211 Ilhéus / Camamu / Valença Uruçuca, Ubaitaba, Itacaré, Maraú, Ilhéus, Valença, Camamu BA A Ocorrência de espécies de primatas ameaçadas de extinção e endêmicas da Mata Atlântica do sul da Bahia (Leontopithecus chrysomelas, Callicebus personatus melanochir e Cebus xanthosternos) e outras espécies de mamíferos endêmicos da Mata Atlântica (Chaetomys subspinosus ). Presença também de diversas espécies de aves globalmente ameaçadas de extinção e ocorrência de espécies de anfíbios e répteis endêmicos; e uma espécie de peixe ameaçada. Maior registro mundial para diversidade de espécies de plantas lenhosas, segundo estudos da CEPLAC e Jardim Botânico de Nova York. A área está inserida em cinco áreas de proteção ambiental: APA Estadual de Guaibim (2.000 hectares); APA Estadual Tinharé/Boipeba (43.300 hectares); APA Municipal Cachoeira da Pancada Grande; APA Estadual Itacaré/Serra Grande; APA Estadual Criação e implantação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Anfíbios e Répteis, Aves, Mamíferos, Áreas Protegidas 212 Itaúnas Pinheiros, Pedro Canário, Conceição da Barra ES B Apresenta trechos significativos de Mata Atlântica preservada em região de alta pressão antrópica. A região possui quatro unidades de conservação, sendo três de uso indireto e uma de uso direto. Áreas frágeis sobre a influência da Bacia do rio São Mateus (floresta de tabuleiro), com elementos de flora interiorana. A área possui uma das maiores populações conhecidas da Amazona rhodocorytha, alta riqueza de espécies de répteis e anfíbios, e a presença Criação de unidade de conservação e estabelecimento de corredor ecológico Invertebrados, Mamíferos, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 213 Jequié Jequié BA C Ambiente muito impactado, com alta riqueza de espécies endêmicas, presença de espécies ameaçadas de extinção e ocorrência de Rhopornis ardesiaca, ave da família dos Uso sustentável dos recursos naturais Flora, Invertebrados, Aves 214 Jordânia Salto da Divisa, Jordânia, Jacinto, Bandeira MG A Presença de primatas de distribuição restrita, Leontopithecus chrysomelas e Cebus xanthosternos, ambas espécies ameaçadas de extinção. Pressões de desmatamento, pecuária, caça. Área indicada no Workshop Criação de unidade de conservação Mamíferos

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 215 Litoral Norte – Linha Verde Conde, Jandaíra, Esplanada, Mata de São João, Entre Rios BA D Últimos remanescentes de Mata Atlântica do litoral norte da Bahia, que vem sofrendo intensa pressão antrópica, após a construção da BA-093 (Linha Verde). Existem alguns Lontra; Sapiranga), onde não se tem informações quali- quantitativas suficientes. São áreas consideradas como banco natural de informações genéticas dessa região. Toda a região está inserida na Área de Proteção Ambiental do Litoral Norte, que já dispõe de zoneamento ecológico- econômico. Presença das espécies raras de aves: Pyriglena atra, Xipholena atropurpurea Inventário biológico Flora, Aves, Áreas Protegidas 216 Mata do Carvão São Francisco do Itabapoana RJ B Último fragmento de mata de tabuleiro relevante do Norte Fluminense. Populações residuais de Amazona rhodocorytha. Limite de distribuição de espécies vegetais da Criação de unidade de conservação Aves 217 Mata do Joanes ao Pojuca Salvador, Lauro de Freitas, Camaçari, Simões Filho, Candeias, Dias D’Ávila BA C Área com diversidade biológica e floristicamente Existe forte pressão antrópica através do Polo Petroquímico de Camaçari e especulação imobiliária, especialmente pela abertura de estradas, desvio de cursos d’água, remoção de vegetação nativa, e abertura de loteamentos. A área está inserida em quatro áreas de proteção ambiental: APA Joanes/Ipitanga (30.000 hectares); APA Lagoas e Dunas de Abaeté (1.800 hectares); APA do Rio Capivara (1.800 hectares); e APA de Guarajuba (230 hectares). Manejo Invertebrados, Peixes 218 Mata do Sossego Simonésia, Santa Rita de Minas MG B Fragmentos florestais com alta conectividade e ocorrência de espécies ameaçadas, como Brachyteles arachnoides e Callithrix flaviceps . Área indicada no Workshop de Biodiversidade de Minas Gerais (1998). Recuperação florestal Flora, Mamíferos 219 Mucuri Médio e Baixo Mucuri, Medeiros Neto BA A Fauna de invertebrados diferenciada das regiões vizinhas com alta taxa de endemismos; alta riqueza de espécies de formigas; grande riqueza de espécies de peixes de importância econômica e biogeográfica. Ocorrência de espécies de aves endêmicas da Mata Atlântica e ameaçadas de extinção como Amazona rhodocorytha, Pyrrhura cruentata, Aratinga auricapilla, Touit surda, Leucopternis polionota. Manejo Invertebrados, Aves, Peixes, Áreas Protegidas

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 220 Parna Monte Pascoal e Parna Descobrimento Porto Seguro, Prado, Itamaraju BA A A área é parte do Corredor Ecológico do Descobrimento na Mata Atlântica e possui concentração dos maiores fragmentos de Mata Atlântica do nordeste. Presença de grandes mamíferos de topo de cadeia e espécies ameaçada de extinção. Um dos únicos e últimos redutos do mutum do Criação de unidade de conservação Invertebrados, Mamíferos, Aves, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 221 Parque Estadual do Rio Doce Ipatinga, Timóteo, Marliéria, Dionísio MG A Área significativa de floresta estacional semidecidual (maior Ocorrência de espécies raras/ameaçadas de aves: Pipile jacutinga, Jacamaralcyon tridactyla, Amazona rhodocorytha, Dysithamnus plumbeus, Triclaria malachitacea, Cotinga maculata, dentre outras. Único local no Estado de ocorrência atual de Oryzoborus maximiliani . Presença dos primatas ameaçados: Callithrix flaviceps, Alouatta fusca e Callicebus personatus. Elevada riqueza de espécies de anfíbios. Inventário biológico Flora, Mamíferos, Aves, Anfíbios e Répteis 222 Pedra Azul / Forno Grande Domingos Martins, Castelo ES A Área de contato de diversas formações com endemismos para vários grupos (mamíferos, aves, flora). Área de alta diversidade de mamíferos e ainda pouco conhecida, incluindo espécies ameaçadas: Callithrix geoffroyi, Chaetomys subspinosus, Bradypus torquatus e Puma concolor. Alta riqueza de espécies de aves endêmicas e ocorrência de inúmeras espécies ameaçadas de extinção, tais como: Penelope obscura, Touit surda, Campephilus robustus, Batara cinerea, Scytalopus speluncae, Myrmotherula minor, Lipaugus lanioides, Amazona vinacea, dentre outras. Alta ameaça antrópica (desmatamento, áreas de cultivo). Inventário biológico Flora, Aves, Mamíferos, Áreas Protegidas 223 Porciúncula / Raposo / Miracema Porciuncula, Natividade, Itaperuna, Laje do Muriaé, Miracema RJ C Ocorrência de Callithrix aurita, primata ameaçado de extinção e único fragmento no Estado do Rio de Janeiro onde ocorre Dysithamnus plumbeus, espécie de ave globalmente ameaçada. Recuperação florestal Mamíferos, Aves 224 Porto Seguro / Belmonte Porto Seguro, Prado, Itamaraju BA A Área com os maiores remanescentes da Mata Atlântica do Nordeste e parte integrante do Corredor Ecológico do Descobrimento. Ocorrência de mamíferos de grande porte e Criação de unidade de conservação de uso sustentável Flora, Invertebrados, Peixes, Anfíbios e Répteis, Aves, Áreas Protegidas

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 225 Praia das Neves / Maroba Presidente Kenedy ES B Trecho com cerca de 200 hectares de restinga arbórea, arbustiva e manguezais com várias espécies de répteis endêmicas, aves migratórias (espécies do gênero Sterna, Charadriiformes, dentre outros) e espécies com populações restritas na Mata Atlântica: Amazona amazonica, Cairina moschata, Thamnophilus ambiguus. Limite sul da distribuição geográfica de Xiphorhynchus picus e ocorrência de outras espécies de aves endêmicas da Mata Atlântica: Myiornis auricularis, Procnias nudicollis, Hylophilus thoracicus , Ramphocelus bresilius , Tachyphonus coronatus, Tangara peruviana. A restinga representa área de invernagem de algumas espécies como:Pipraeidea melanonota, Tachyphonus coronatus, Turdus Criação de unidade de conservação Aves 226 Recôncavo Baiano e Baía de Todos os Santos São Félix, Maragogipe, Itaparica, Nazaré, Jaguaripe BA C Área com grande diversidade de paisagens (manguezais, restingas e mata ombrófila) e sob forte pressão antrópica. A área é o limite norte da distribuição de várias espécies de mamíferos (área de intergradação). Possui alta riqueza em grupos filéticos (ectoparasitas), riqueza de espécies de vegetação secundária com fauna diferenciada de formicidae e de lepidópteros, e ocorrência de espécies ameaçadas e endêmicas de aves. Área indicada pelo Workshop de Prioridades para a Conservação da Mata Atlântica do Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Mamíferos, Anfíbios e Répteis 227 Região de Aimorés / Itueta Aimorés, Resplendor, Itueta MG C Presença de espécies ameaçadas de extinção. Área do único registro da espécie Caprimulgus hirundinaceus vielliardi em Minas Gerais, que apresenta rigorosas exigências ecológicas, sendo estritamente adaptada aos afloramentos rochosos. Área sujeita a desmatamento e caça pisoteio de gado nos afloramentos destruindo ovos e filhotes de Caprimulgus h. vielliardi . Área indicada no Workshop de Criação de unidade de conservação Flora, Aves 228 Região de Domingos Martins / Alfredo Chaves Domingos Martins, Marechal Floriano, Alfredo Chaves, Guarapari e Viana. ES A Área aproximada de 1.000 ha de mata de encosta (entre 500 e 700m). Esta área possui coleções representativas em Os remanescentes montanos e submontanos são bastante pequenos e precisam ser conectados. Existem várias espécies de aves raras nestes remanescentes, tais como: Tinamus solitarius, Spizastur melanoleucus, Spizaetus ornatus, Amazona rhodocorytha, Macropsalis forcipata e Lipaugus lanioides. Inventário biológico Flora, Aves, Anfíbios e Répteis

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 229 Região de Ouro Preto / Serra do Caraça Belo Horizonte, Ouro Preto, Mariana, Caeté, Nova Lima, Raposos, Itabirito MG A Alta riqueza de espécies por conta de inúmeras fitofisionomias e grande intervalo altitudinal. Ocorrência de muitas espécies de aves ameaçadas ou endêmicas, como Penelope obscura, Phibalura flavirostris, Pyroderus scutatus, Polystictus superciliaris. Presença de espécies de mamíferos ameaçadas tais como: Callicebus personatus, Presença também de endemismos de aves, mamíferos, Criação de unidade de conservação e estabelecimento de corredor ecológico Flora, Aves, Anfíbios e Répteis, Mamíferos, Pressão Antrópica 230 Região de Santa Teresa / Duas Bocas Santa Teresa, Santa Leopoldina, Cariacica ES A Região com altíssima diversidade biológica e presença de várias espécies endêmicas e ameaçadas para vários grupos biológicos. Alta diversidade florística, apontada em trabalho realizado como área de maior riqueza específica no sudeste brasileiro. A fauna de opiliões é na grande maioria endêmica. Grande riqueza de formigas, com espécies do sul do Brasil. Presença de várias espécies de mamíferos endêmicas e/ou ameaçadas: Brachyteles arachnoides, Callithrix flaviceps, Bradypus torquatus e Chaetomys subspinosus . Região impactada pela cultura do café e do Criação de unidade de conservação e estabelecimento de corredor ecológico Flora, Invertebrados, Anfíbios e Répteis, Mamíferos, Aves, Áreas Protegidas 231 Região de Viçosa Brás Pires, Viçosa MG A Área indicada no Workshop de Biodiversidade de Minas Gerais (1998). Presença de remanescentes de porte significativo com razoável grau de conservação. Inventário biológico Flora, Mamífero, Aves 232 Remanescentes da Região de Camacã Pau Brasil, Camacã, Potiraguá BA B A região ainda possui populações de mamíferos endêmicos e ameaçados de extinção, como Leontopithecus chrysomelas , Cebus xanthosternos, Callithrix kuhli, Callicebus personatus melanochir, Chaetomys subspinosus e comunidades totalmente desconhecidas de morcegos e pequenos mamíferos não-voadores. Abriga as populações Estabelecimento de corredor ecológico Flora, Invertebrados, Mamíferos 233 Remanescentes na Região de Teófilo Otoni Teófilo Otoni e outros MG D Área indicada no Workshop de Biodiversidade de Minas Gerais (1998). Inventário biológico Flora, Anfíbios e Répteis, Mamíferos 234 Reserva de Santa Isabel / Ponta dos Mangues Japaratuba, Pacatuba, Ilha das Flores SE B Matas de restinga, lagoas e dunas ameaçadas pela especulação imobiliária. Área com ocorrência de espécies de aves migratórias e desova de tartarugas marinhas. Alta produção de pescado; grande incidência de espécies Criação de unidade de conservação Aves

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 235 Restinga de Setiba Guarapari ES C Pelo menos 7 espécies de aves endêmicas: Tinamus solitarius, Spizastur melanoleucus, Spizaetus ornatus, Amazona rhodocorytha, entre outras. Última área de restinga no sul do Estado. Espécies de aves sofrendo captura intensiva. Local de migração de aves aquáticas e florestais. Local de invernagem de espécies da mata de encosta. Ocorrência de espécies raras e ameaçadas de mamíferos: Callithrix geoffroyi , Chaetomys subspinosus e Bradypus torquatus. Manejo Anfíbios e Répteis, Mamíferos, Aves, Áreas Protegidas 236 Restingas de Itaporanga e Estância Santa Luzia do Itanhi, Estância, Cristinápolis SE A Floresta semidecídua apresentando importantes endemismos: primata descrito recentemente como uma nova espécie de sauá (Callicebus coimbrai ) e aves Ocorrência de remanescentes de mangue e restinga sob Criação de unidade de conservação Flora, Aves, Mamíferos 237 Salto da Divisa Salto da Divisa, Jordânia, Itarantim, Itapebi, Itajimirim BA, MG D Fragmento de mata semidecidual com ocorrência de Leontopithecus chrysomelas e Cebus xanthosternos, ambas Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Mamíferos, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 238 Santo Amaro das Brotas / Japaratuba Aracajú, Santo Amaro dos Brotas, Japaratuba, Pacatuba SE A Área de Mata Atlântica extremamente ameaçada, com Recente descrição de uma espécie de primata sauá (Callicebus coimbrai ) para a área. Os remanescentes de Criação de unidade de conservação Aves 239 Serra da Jibóia Santa Terezinha, Castro Alves BA D A Serra da Jibóia é um encrave de floresta ombrófila densa em área de caatinga, sendo rodeada por uma área de transição de floresta estacional semidecidual. Apresenta árvores de grande porte com predominância de Euphorbiaceae, Melastomataceae, Rutaceae e grande número de epífitas (Bromeliaceae e Orchidaceae), herbáceas e arbustivas do sub-bosque como por exemplo: Orchidaceae, Burmaniaceae, Palmae (Geonoma), Commelinaceae (Dichorisandra). Inventário biológico Flora 240 Serra das Cangalhas Guaçuí ES B Esta área, que se localiza no vale do rio Itabapoana, é uma prioridade para conservação por se tratar de um dos últimos remanescentes florestais com mais de 200 ha localizados no oeste capixaba com esta fisionomia. Á área abriga populações de algumas espécies de aves típicas desta formação como Cercomacra brasiliana e Formicivora serrana, que possuem distribuição geográfica restrita na Criação de unidade de conservação Aves

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 241 Serra das Torres Muqui, Mimoso do Sul, Atílio Vivacqua ES B Áreas remanescentes sob forte pressão antrópica por desmatamento e queimadas. O conhecimento da flora é incipiente. Há coleções representativas em herbários e lista preliminares de espécies angiospérmicas. É extremamente rica em espécies de Tabebuia. Um dos maiores fragmentos florestais do extremo sul do estado, com formações Criação de unidade de conservação Flora, Aves, Mamíferos 242 Serra de Carrancas Carrancas, Luminárias, Minduri, Itutinga, Cruzília, Ingaí MG B Área rica em espécies de plantas, especialmente das Presença de Podocarpus. Não existem unidades de conservação na região e os campos naturais estão sendo substituídos por pastagens de Brachiaria. É ainda conservada, com muitos remanescentes significativos de vegetação nativa, e muito rica em recursos hídricos. Ameaça por atividade agropecuária, exploração de pedras nas serras, e turismo desordenado. Área indicada no Workshop de Biodiversidade Minas Gerais (1998). Inventário biológico Flora 243 Serra de Itabaiana e Matas de Areia Branca Itabaiana, Areia Branca, Laranjeira, Campos do Brito SE B Últimos remanescente de mata seca do Estados de Sergipe Presença de espécies de aves ameaçadas: Penelope jacucaca, Herpsilochmus pectoralis. Mosaico faunístico com presença de aves de Cerrado e de Mata Atlântica. Inventário biológico Flora, Aves 244 Serra de São José Prados, São João Del Rei, Tiradentes, Coronel Xavier Chaves, Santa Cruz de Minas MG A Presença de espécies de invertebrados de distribuição Grande variedade de ambientes. Campo rupestre com alto grau de conservação. Ameaças devido a expansão urbana, Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Aves 245 Serra do Brigadeiro Miradouro, Ervália, Araponga MG A Florestas protetoras de drenagens em região muito acidentada. Presença de espécies de mamíferos raras e ameaçadas como Pecari tajacu, Puma concolor, Leopardus pardalis, Alouatta fusca, Panthera onca, Leopardus tigrinus, Callicebus personatus, Callithrix aurita, Tamandua tetradactyla, Brachyteles arachnoides. Presença de espécies raras de aves: Spizaetus ornatus, Baillonius bailloni . Inventário biológico Flora, Mamíferos, Aves, Anfíbios e Répteis

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 246 Serra do Caparaó Alto Caparaó, Caparaó, Alto Jequitinonha, Manhumirim ES, MG A Área relevante para conservação de espécies ameaçadas Ocorrência de espécies de mamíferos ameaçadas e raras, como por exemplo Panthera onca e Brachyteles Para invertebrados é uma área de grande riqueza de espécies, alguns endemismos e grande diversidade de grupos filéticos. Os campos de altitude são limites setentrionais de muitas espécies sulinas (insetos). Inventário biológico Flora, Invertebrados, Mamíferos, Aves, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 247 Sooretama Sooretama e Linhares ES A Maior área de mata de tabuleiro contínua do Estado do Espírito Santo, sendo 60% de floresta primária. Presença de predadores de topo de cadeia, muito ameaçadas de extinção (Pathera onca) e outros vertebrados de grande porte ameaçados de extinção como anta (Tapirus terrestris) e queixada (Tayassu pecari). Região com endemismo de anfíbios e répteis. A área inclui a maioria das espécies de borboletas da região baiana, algumas conhecidas de outras Ampliação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Mamíferos, Anfíbios e Répteis, Aves, Áreas Protegidas 248 Una / Canavieiras Belmonte, Canavieiras, Una, Arataca, Sul de Ilhéus BA A A região possui elevada riqueza de espécies e diversidade filética, alta importância biogeográfica, e presença de espécies ameaçadas de extinção. Ocorrência de várias espécies de mamíferos endêmicas ou ameaçadas de extinção (Bradypus torquatus, Leontopithecus chrysomelas,Cebus xanthosternos, Echimys pictus).Áreade ocorrência de Scytalopus psychopompus, ave globalmente ameaçada. Região sob alta pressão antrópica com a necessidade de manutencão de corredores florestais, hoje mantidos por plantações de cacau na forma de cabruca. Alta incidência de conflitos de terra com pressão sobre os Estabelecimento de corredor ecológico Flora, Invertebrados, Peixes, Anfíbios e Répteis, Mamíferos, Aves, Áreas Protegidas 249 Usina Paineiras Itapemirim ES B Propriedade particular da Usina Paineiras com cerca de 1.000 há, apresentando vários táxons de aves endêmicas e ameaçadas de extinção, como por ex: Thripophaga macroura – só encontrada num trecho deste fragmento no sul do estado, além de Pyrrhura sp., Amazona rhodocorytha, Formicarius colma e Neopelma aurifrons. É o maior fragmento do vale do Itapemirim, mantendo grande e boa representatividade da avifauna. Há coleções representantivas em herbários e listas preliminares de espécies angiospérmicas, mas há necessidade de inventário Criação de unidade de conservação Aves, Mamíferos

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 250 Vitória da Conquista / Jordânia Vitória da Conquista, Itambé, Ribeirão do Largo, Jordânia BA, MG D Área com pouquíssimos remanescentes de mata decídua, conhecida regionalmente como mata de cipó. Ecossistema muitíssimo ameaçado pela atividade agropastoril em especial com a cultura do café. Flora pouco conhecida e bastante diversa daquela da mata higrófila. As florestas estacionais semideciduais da encosta do Planalto Baiano e da Serra do Tombo estão gravemente ameaçados por desmatamentos. A fauna de Formicidae é muito diferente da fauna de mesma latitude da mata úmida. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Mamíferos, Pressão Antrópica 251 Wenceslau Guimarães Wenceslau Guimarães BA B O núcleo desta área prioritária é composto pela Estação Ecológica Estadual de Nova Esperança. Apresenta madeira de lei como o pequi (Caryocar edule), com até 40 metros de altura e a peroba (Paratecona peroba). A região sofre forte pressão antrópica, mas ainda existem numerosos fragmentos que poderiam ser interligados, incorporando-se ao Corredor Ecológico do Dsecobrimento. A mata tem a peculiaridade de encontrar-se em altitudes superiores a 700 metros. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Aves, Mamíferos, Áreas Protegidas 301 Aguapeí Castilho, São João do Pau d’Alho, Monte Castelo, Nova Independência, Juqueirópolis, Guaraçaí, Paulicéia, Mirandópolis, Flórida Paulista, Valparaíso, Adamantina, Bento de Abreu, Lucélia, Rubiácea, Salmourão, Guararapes, Oswaldo Cruz, Piacatú, Rinópolis, Santópolis do Aguapeí, Iacri, Arco Íris, Luiziania, Queiroz SP D Área que contém um ecossistema único no Estado de São Paulo (pantanal paulista). Presença de flora típica de áreas Criação de unidade de conservação Flora, Aves 302 Barreiro Rico – Serra de Botucatu Santa Maria da Serra, Itirapina, Torrinha, Águas de São Pedro, São Pedro, Analândia, Botucatu SP A Área impar em toda a Mata Atlântica, pois comporta a maior diversidade de primatas (5 espécies), sendo que 3 delas estão altamente ameaçadas (Leontopithecus chrysopygus, Callithrix aurita e Brachyteles arachnoides). As áreas Alta pressão antrópica com desmatamento e degradação dos recursos hídricos. Necessidade de recomposição das Criação de unidade de conservação Flora, Aves, Mamíferos

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 303 Barretos Barretos, Olímpia SP C Fragmentos grandes e significativos, um dos últimos da região. Possibilidade de implementação de corredores para conexão destes fragmentos com matas de galeria. Região marginal do rio Mogi-Guaçu, importante do ponto de vista da ictiofauna. Ocorrência de desmatamentos, degradação dos recursos hídricos, atividades agropecuárias e necessidade Criação de unidade de conservação de visando o estabelecimento de corredor ecológico Peixes 304 Caetetus Gália, Alvinlândia, Lupércio, Ocauçu, Marília, Echaporã SP A Área de grande valor biológico, alta riqueza florística e faunística com grande extensão de área contínua. Um dos últimos resquícios de mata de planalto. Uma das maiores áreas de floresta de interior de São Paulo. Região muito susceptível a erosão devido a presença de arenito. Grandes áreas de floresta em regeneração nas encostas da Serra da Torre (Marília), possibilitando ampliação do hábitat para a fauna silvestre. Existência de espécie de primata altamente ameaçado (mico-leão-preto), cuja base genética não pode ser garantida devido à limitação do tamanho da unidade de conservação de proteção integral (Estação Ecológica Estadual de Caetetus). Presença de espécies raras e ameaçadas como: Puma concolor, Tapirus terrestris, Tayassu tajacu, Pecari tajacu. Na Estação Ecológica há elevadas densidades de ungulados (Tayassu tajacu, Pecari tajacu, Tapirus terrestris). Região de grande beleza cênica devido a presença de estruturas ruiniformes nas cuestas de Manejo visando o estabelecimento de corredor ecológico Aves, Áreas Protegidas 305 Poços de Caldas Guaxupé, Poços de Caldas, Águas da Prata, São João da Boa Vista MG, SP A Muitos fragmentos importantes, incluindo a região de Poços de Caldas, com diversas espécies ameaçadas. Ocorrência de 6 espécies de borboletas da lista oficial das espécies ameaçadas de extinção e as seguintes espécies de mamíferos ameaçadas: Callicebus nigrifrons, Callithrix aurita e Leopardus pardalis. Necessidade de formação de corredores interligando os diversos fragmentos, desde Poços de Caldas até Guaxupé, incluindo as matas de Águas Criação de unidade de conservação Invertebrados, Aves, Mamíferos, Anfíbios e Répteis 306 Furnas do Bom Jesus Rifaina, Pedregulho SP B Área de transição entre Cerrado e Mata Atlântica. Região Hábitats de buritis e furnas espetaculares com avifauna muito rica, sendo limite meridional de espécies amazônicas e de cerrado. A região sofre riscos de queimadas e pressão de atividades agrícolas e pecuárias. Manejo Áreas Protegidas

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 307 Giacometti Quedas do Iguaçu, Guarapuava, Rio Bonito do Iguaçu, Chopinzinho PR D A área consta nos mapas como um grande remanescente florestal. No entanto, segundo informações de Considera-se que a área precisa ser assegurada para conservação, embora não se tenha informações biológicas Criação de unidade de conservação 308 Guarita Tenente Portela, Miraguá, Redentora, Coronel Bicaco RS D Uma das últimas áreas de floresta estacional semidecidual do Alto Uruguai. Área indígena vem sofrendo desmatamento. Possibilidade de formação de corredor Implantação de corredor ecológico 309 Iguaçu Céu Azul, Medianeira, Foz do Iguaçu, São Miguel do Iguaçu, Serranópolis do Iguaçu, Matelândia PR A Parte do Corredor Ecológico Trinacional, que necessita de aumento efetivo de áreas núcleos da floresta estacional semidecidual. Área de grande beleza cênica e importante remanescente de floresta contínua. Ocorrência de várias espécies raras e ameaçadas de mamíferos (Panthera onca, Puma concolor, Leopardus tigrinus, Leopardus wiedii e Hepailurus yagouarundi) e alta diversidade de anfíbios. Manejo Flora, Invertebrados, Mamíferos, Aves, Áreas Protegidas 310 Ipanema Iperó, Sorocaba SP C Área de estudo do naturalista Natterer onde fez o levantamento de inúmeras espécies de aves. Existem muitas referências históricas. Atualmente a área está mais degrada na serra e em volta. Existe grande pressão por Criação de unidade de conservação Aves 311 Ivinhema Ivinhema, Angélica, Amandina MS D Fragmentos com área significativa (maior fragmento de mata da região). Possibilidade e necessidade de corredores conectando os fragmentos. Inclui espécies endêmicas e ameaçadas de borboletas. Região sob intensa pressão para reforma agrária. O rio Ivinhema é tributário do rio Paraná, sendo, provavelmente, importante para fenômenos migratórios dos peixes comerciais. Necessidade de preservação de matas ciliares e manutenção da qualidades das águas. Inventário biológico Invertebrados, Peixes 312 Jacaré – Pepira Itirapina, Brotas, Bocaina, Dourados, Ribeirão Bonito, Dois Córregos SP B Área importante de contato com o Cerrado. Atributos favoráveis à implantação de turismo ecológico sustentável (beleza cênica). Fragmentos agrupados com alta riqueza florística. Predisposição política e consciência Ampliação de unidade de conservação Flora Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 313 Lençóis Paulista Lençóis Paulista SP A Mata ciliar de grande importância. Fragmentos Presença de espécies altamente ameaçadas (por exemplo, mico-leão-preto). Pressão agrícola e pecuária. Ecossistema frágil e mal representado no sistema de unidades de conservação. Necessidade de proteção contra erosão e Criação de unidade de conservação Mamíferos, Aves 314 Mata do Godoy Londrina PR A Importante remanescente de floresta estacional semidecidual na região norte do Paraná Estabelecimento de corredor ecológico Invertebrados, Aves 315 Mata do Mosquito Narandiba SP A Presença de espécies ameaçadas de extinção. Alta Últimos remanescentes de mata estacional semidecidual, representados por fragmentos isolados. Área de elevada pressão antrópica devido à presença de assentamentos rurais. Ecossistema frágil e mal representado no sistema de Criação de unidade de conservação Flora, Aves, Mamíferos 316 Matão Matão SP B Área de grande importância biológica pelo estado de conservação da floresta estacional semidecidual. Região de alto risco de incêndios florestais. Ecossistema frágil e mal Fragmentos isolados sujeitos a grande pressão agrícola e Criação de unidade de conservação Flora, Aves 317 Nonoai Gramado dos Loureiros, Liberato Salzano, Nonoai,, Planalto, Rodeio Bonito, Trindade do Sul RS A Uma das últimas áreas de floresta estacional deciual do Alto Uruguai. Possibilidade de formar corredor ecológico ligando Guarita e Turvo. Manejo Aves, Mamíferos, Anfíbios e Répteis 318 Novo Horizonte Novo Horizonte, Sales, Sabino SP D Únicos fragmentos de tamanho relativamente grande e Extrema representatividade regional. Área sob pressão de Criação de unidade de conservação Flora, Aves 319 Orlândia / Morro Agudo Morro Agudo SP B Ecossistema frágil e sob forte pressão agrícola e pecuária. Inventário biológico Flora, Aves

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 320 Paraná (Ilha Grande) Porto Rico, São Pedro do Paraná, Diamante do Norte, Marilena, Guaira, Terra Roxa do Oeste, Altonia, São Jorge do Patrocínio, Vila Alta, Icaraima, Querência do Norte, Santa Cruz de Monte Castelo, Porto Camargo, Eldorado, Porto Caiuá PR, MS A Último trecho do rio Paraná não represado. Alta riqueza de Corredor entre SP, PR, SC e MG importante para manutenção de populações naturais de onça pintada e cervo do pantanal. Área de transição entre vários biomas (Cerrado, Pantanal, Campos e Floresta Atlântica). Várzeas com espécies particulares de hábitats aquáticos. Importância biológica para alimentação, reprodução e migrações de Alto grau de pressão antrópica (ameaça de barramento do rio Paraná). Possibilidade de interligação com países do Mercosul (Argentina e Paraguai). Manejo Aves, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas 321 Paulo de Faria Paulo Faria SP C Única área de proteção estadual no norte do Estado Ocorrência de Crax fasciolata e outras aves de matas decíduas. Fragmentos ilhados, pouco amostrados em levantamentos botânicas e zoológicos. Ecossitema frágil e pouco reprensentado no sistema de unidades de conservação. Risco de queimadas e necessidade de proteção contra erosão e assoreamento. Manejo Aves, Áreas Protegidas 322 Pontal do Paranapanema Teodoro Sampaio, Rosana, Euclides da Cunha, Primavera, Cuiabá Paulista SP A Maior área de floresta contínua no oeste do estado (Morro do Diabo). A região inclui diversos outros fragmentos grandes, com elevado potencial de conectividade para preservação principalmente de mamíferos de grande porte (como onça pintada, anta etc.). Grande diversidade de borboletas, pelo menos 2 espécies endêmicas e presença de elementos amazônicos (única localidade para Posttaggetis pesselea no Estado de São Paulo). Inclui diversas espécies raras e ameaçadas. Inclui ainda espécies- Criação de unidade de conservação e estabelecimento de corredor ecológico Flora, Invertebrados, Aves, Mamíferos 323 Quarta Colônia Santa Maria, São Pedro do Sul, Mata, Itaara, Silveira Martins, Ivorá, São Martinho da Serra, Restinga Seca, Candelária RS B Consideráveis remanescentes da floresta estacional semidecidual no seu limite meridional e áreas de floresta em regeneração. Presença de espécies da floresta ombrófial densa. Importância paleontológica pelas florestas de coníferas petrificadas. Reduto de aves ameaçadas: sabia- cica; bacurau-tesoura-gigante; negrinho-baró. Fauna de mamíferos pouco conhecida. Região ameaçada por Inexistência de unidades de conservação que protejam os fragmentos mais importantes. Limite sul de espécie de Criação de unidade de conservação Invertebrados, Áreas Protegidas 324 Rio Guarani Nova Prata do Iguaçu PR A Importante remanescente de floresta estacional. Área sob pressão de caça e desmatamentos. Inventário biológico Anfíbios e Répteis

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 325 Rio Paranaíba Itumbiara, São Simão, Cachoeira Dourada, Canápolis, Ituiutaba, Uberlândia, Quirinópolis GO, MG D Região com raríssimos remanescentes florestais, que justificam sua conservação independentemente do Criação de unidade de conservação Áreas Protegidas 326 Rolante / Riozinho Rolante, Riozinho RS A Formação única que compreende os canions do sul da Serra Geral, com vegetação de Mata Atlântica de encosta. Área de contato de fauna do planalto com fauna da Mata Atlântica de encosta. Importante corredor de fauna com várias espécies de aves ameaçadas de extinção: Tinamus solitarius, Amazona pretrei, A. vinacea, Spizastur melanoleucus, dentre outras. Possui quatro unidades de Conservação e Criação de unidade de conservação Aves 327 Serra da Bodoquena Bonito, Bodoquena, Jardim MS A Últimos remanescentes de floresta estacional semidecidual em contato com Cerrado. Relevo cárstico com cavernas, sumidouros e sítios espeleológicos. Presença de banhados nas nascentes dos rios Perdido, Formoso e Prata. Região de recarga de aqüífero. Ocorrência de espécies da fauna e flora ameaçadas de extinção. Alta pressão antrópica pela presença de madeireiras, mineradoras e atividades Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Mamíferos, Anfíbios e Répteis, Aves, Áreas Protegidas, Pressão Antrópica 328 Serra dos Rosas Franca, Patrocínio Paulista, Itirapuã SP C Mata à 1100 metros de altitude e último remanescente ao sul da Serra da Mantiqueira Manejo Aves 329 Turvo Derrubadas, Tenente Portela RS A Ameaçado por agricultura e utilização de defensivos agrícolas. Área de mata primária com espécies raras de invertebrados, mamíferos e aves ameaçadas (pelo menos Possibilidade de formação de corredor ligando Nonoai ao Iguaçu. O salto de Incamã é notável acidente geográfico. Manejo Invertebrados, Mamíferos, Aves, Anfíbios e Répteis, 330 Valparaíso Valparaíso, Primeira Aliança, Terceira Aliança, Porto Rio Prado, Santo Antônio do Aracanguá SP C Fragmentos únicos, ilhados, numa região onde não existem unidades de conservação. Presença de espécies altamente Criação de unidade de conservação Flora 331 Vila Rica Fênix, São Pedro do Ivaí PR C Últimos fragmentos de floresta estacional do nordeste do Paraná. Quatro fragmentos florestais conectados, totalizando aproximadamente 1600 ha. Presença de Estabelecimento de corredor ecológico Aves, Áreas Protegidas

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 401 Alto do Paranapanema Apiaí, São Miguel Arcanjo, Jaquarivaí, Pilar do Sul SP D Cabeceira de importante drenagem do Estado de São Paulo em região de confluência das florestas ombrófilas densa, ombrófila mista e estacional semideciual. Nascentes em regiões de calcário, granito e Quartzito. Região com encraves de campos de altitude. Inventário biológico Peixes 402 Alto Itajaí Santa Terezinha, Rio do Campo, Santa Cecília, Taió, Dona Ena, Vitor Meireles, Presidente Getúlio Vargas, José Boiteux, Pedrinho, Itaiópolis SC A Área de tensão ecológica entre a floresta ombrófila densa e ombrófila mista com altíssima diversidade de espécies vegetais. Área com remanescentes grandes relativamente conservados (ex.: município Sta Terezinha – 26.000 de área Ocorrência de endemismo em bromeliácea e de espécies “riófitas”. Área de cabeceiras da Bacia de Itajaí. Existência de esforço e interesse de Prefeituras e ONG na criação de Criação de unidade de conservação e manejo Flora, Peixes, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas, Pressão Antrópica 403 Baixada Santista Santos, Bertioga, Cubatão, Praia Grande, São Vicente SP A Representa a floresta ombrófila densa em região de transição climática de áreas quentes no norte e massas polares ao sul. Área com heterogenaidade ambiental: floresta ombrófila densa, manguezais, campos de altitude e restingas. Área de grande pressão antrópica pela especulação imobiliária e complexo industrial. Ocorrência de espécies endêmicas e raras, como por exemplo a ave Eudocimus ruber. Inventário biológico Flora, Mamíferos, Aves, Áreas Protegidas 404 Cabo Frio Araruama, Cabo Frio, São Pedro da Aldeia, Búzios RJ A Área remanescente de vegetação com alto índice de endemismo relacionados com os períodos mais secos do pleistoceno. Considerada um reduto com algumas disjunções com vegetação do nordeste semi-árido. Extração clandestina de areia, pressão urbana intensa e turismo desordenado. É a formação onde ocorrem áreas naturais de pau-brasil. Abriga de 6-8 espécies de borboletas ameaçadas de extinção e 1 espécie ameaçada de ave endêmica do complexo de restinga da lagoa de Araruama – Formicivora Criação de unidade de conservação Flora, Invertebrados, Mamíferos, Anfíbios e Répteis, Fatores Abióticos, Pressão Antrópica 405 Floresta de Planície Costeira Laguna, Torres, Osório SC, RS C Ambiente extremamente alterado e fragmentado. Limite meridional de distribuição de anfíbios de florestas de planície, de espécie vegetais de Floresta Atlântica e de várias aves endêmicas de Mata Atlântica. Endemismos de répteis e anfíbios. Ocorrência de três espécies de aves Criação de unidade de conservação e recuperação florestal Aves, Anfíbios e Répteis

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 406 Ilha da Queimada Grande Itanhaém SP A Área com inúmeras espécies endêmicas e ameaçadas de Criação de unidade de conservação Anfíbios e Répteis 407 Ilha de Alcatrazes São Sebastião SP A Possui espécies endêmicas e ameaçadas de anfíbios e Criação de unidade de conservação Anfíbios e Répteis 408 Ilha de Currais Pontal do Paraná PR A Importante nicho de nidificação de aves marinhas e rota migratória da lagosta. Área em excelente estado de conservação, apresentando riqueza de ictiofauna e diversas Criação de unidade de conservação Aves 409 Ilha de Figueira Guaraqueçaba PR A Área em excelente estado de conservação, apresentando riqueza de ictiofauna e diversas espécies de peixes de valor Criação de unidade de conservação Anfíbios e Répteis 410 Ilha de São Sebastião São Sebastião SP A Presença de espécies endêmicas, ameaçadas e raras, como por exemplo a serpente Bothrops insularis. Efeito de insularização já diagnosticado para alguns grupos, mas Implementação de unidade de conservação existente Anfíbios e Répteis, Aves 411 Ilha do Mel Paranaguá PR A Área de grande vulnerabilidade, pela pressão do turismo e comunidades caiçaras. Possui Estação Ecológica e área de tombamento cultural do estado. Ocorrência e reprodução de várias espécies ameaçadas de extinção, destacando-se o papagaio da cara roxa (Amazona brasiliensis) Manejo Aves 412 Ilha Grande Angra dos Reis RJ A Área sob forte pressão antrópica (turismo) – presença de áreas de floresta de baixada. A Vila Doce Rio possui o Centro de Estudos Ambientais e Desenvolvimento Sustentável (CEADS) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) que tem infraestrutura para pesquisa e ensino. Área com grande diversidade de ambientes, abrigando espécies endêmicas, raras e ameaçadas de extinção, como as aves: Leucopternis lacernulata, Tangara peruviana, Lipaugus lanioides, Myrmotherula unicolor, Tinamus solitarius . A região inclui algumas unidades de Implementação de unidade de conservação existente Invertebrados, Aves, Anfíbios e Répteis

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 413 Ilhas RJ, SP, PR A Baseado em conhecimento sobre outras ilhas é muito provável a ocorrência de espécies endêmicas. Inventário biológico Grupo Integrador IV 414 Itapoá / Guaratuba Joinvile, Itapoá, Guaratuba PR, SC A Área sob forte pressão da especulação imobiliária e para tornar um setor industrial. Alto endemismo de anfíbios e uma Criação de unidade de conservação Flora, Aves, Anfíbios e Répteis 415 Juréia / Paranaguá Guaraqueçaba, Morretes, Antonina, Campina Grande do Sul SP, PR A A área apresenta uma combinação de excelente estado de conservação com ameaças potenciais (BR 116, BR 101, Usina Hidrelétrica de Tijuco Alto, polo industrial, extração mineral, gaseodutos). Único remanescente contínuo da região. Apresenta heterogeneidade ambiental (planície litorânea, manguezal, afloramentos calcários) e confluência de formações da Mata Atlântica: floresta ombrófila densa, floresta ombrófila mista e estacional semidecidual. Área de alto endemismo para flora e fauna e alta concentração de espécies ameaçadas de extinção. Elevado potencial hídrico e diversidade cultural-histórica Mudança de categoria de unidade de conservação existente Flora, Aves, Anfíbios e Répteis, Mamíferos, Áreas Protegidas 416 Jurubatiba Macaé, Carapebus, Quissamã RJ B Ocorrência de endemismos de espécies de répteis, anfíbios Composição florística com elementos de restinga do nordeste do Brasil e Espírito Santo, que possuem limites de distribuição ao norte do Rio de Janeiro. Necessidade de implementação e ampliação do Parque Nacional de Jurubatiba. (única unidade de conservação em nível federal de uso indireto para restingas no Brasil). Inventário biológico Aves, Anfíbios e Répteis, Mamíferos, Áreas Protegidas, Pressão Antrópica 417 Marambaia Rio de Janeiro, Mangaratiba, Itaguaí RJ B É a maior restinga em boas condições ambientais da região metropolitana do Rio de Janeiro. Grande riqueza em fauna e Criação de unidade de conservação Aves, Mamíferos 418 Morro Grande Ibiúna, São Roque, Cotia SP A Um dos maiores fragmentos de mata de transição do cinturão verde de São Paulo. Alta heterogeneidade ambiental e presença de mananciais. Conectado à Serra de Paranapiacaba por matas secundárias. Vem sofrendo alta Criação de unidade de conservação Flora, Anfíbios e Répteis

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 419 Niterói / Saquarema Itaipú, Niterói, Maricá, Araruama, Saquarema RJ A Remanescentes de sistemas muito variados, sem áreas oficialmente conservadas. Floresta seca associada a encraves rupícolas com representantes endêmicos e características de disjunções com florestas Nordestinas Impactos causados pela expansão imobiliária e assentamentos irregulares. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Mamíferos, Pressão Antrópica 420 Poço das Antas e áreas vizinhas Silvia Jardim, Casemiro Abreu, Rio das Ostras e Rio Bonito RJ A Áreas remanescentes de floresta sobre morros mamelonares e de baixada. Presença de diversas espécies ameaçadas de mamíferos (Leonthopitecus rosalia), aves (Leucopternis lacernulata) e invertebrados. Grande Ocorrência de caça predatória, desmatamento, incêndios, pecuária extensiva, assoreamento, turismo desordenado, pressão urbana na região litorânea, fruticultura (com uso de agrotóxicos); pequenas propriedades de base familiar (banana, inhame). As Reservas Biológicas de Poço das Antas e União estão sob ameaça de reforma agrária na circunvizinhança. Outras ameaças locais são: gasoduto em operação e início da construção de outro, barragem de projetos para construção de micro barragens ao longo do A região se destaca pela presença de outras áreas protegidas como reservas particulares. A área é um sítio tradicional de produção científica e única região de Implementação de unidade de conservação existente Aves, Mamíferos, Áreas Protegidas 421 Serra da Bocaina Parati, Angra dos Reis, Bananal, S. José do Barreiro, Cunha, Ubatuba RJ, SP A A área engloba importantes ecossistemas de campos de Ocorrências de espécies endêmicas e grande riqueza biótica. Área sob alta pressão antrópica. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Aves, Mamíferos, Anfíbios e Répteis 422 Serra da Cantareira Mairiporã, São Paulo, Guarulhos SP A Maior área florestal na região metropolitana de São Paulo, pertence ao cinturão verde da cidade. Alta pressão Estabelecimento de corredor ecológico Flora, Aves, Mamíferos

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 423 Serra da Mantiqueira Campos do Jordão, Camanducaia, Itatiaia, Itamonte, Queluz, Lavrinhas, Cruzeiro, Piquete, São Bento do Sapucaí, Santo Antônio do Pinhal, Monteiro Lobato, Igaratá, Santa Izabel, Nazaré Paulista, Joanópolis, Bragança Paulista, Pedra Bela, Pinhalzinho, Morungaba, Pedreira, Amparo, Monte Alegre do Sul SP, RJ, MG A Confluência da floresta ombrófila densa e da floresta estacional semidecidual. Encraves de floresta ombrófila mista e campos de altitude. Presença de diversas espécies raras, ameaçadas e endêmicas de vários grupos de vertebrados. No caso de mamíferos ressalta-se: Brachyteles hypoxanthus, Delomys dorsalis, Panthera onca, Puma Para aves: Amazona vinacea, Piprites pileatus. Áreas ameaçadas por atividades agropecuárias e pela expansão Implementação de unidade de conservação existente Flora, Aves, Mamíferos 424 Serra do Japi Jundiaí, Cabreuva SP A Área de proteção de mananciais, pertencente ao cinturão verde de São Paulo. Transição entre floresta ombrófila densa e estacional semidecidual montana. Área de alta pressão antrópica, localizada entre grandes centros urbanos. Existência de espécies ameaçadas de extinção de anfíbios e répteis. Manejo Flora, Anfíbios e Répteis 425 Serra do Tabuleiro e Ilhas Catarinenses Florianópolis, Antônio Carlos, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, Palhoça, Paulo Lopes, Imaruí, São Bonifácio, São Martinho, Rancho SC A Área representativa de floresta ombrófila densa com contato (tensão ecológica) com ombrófila mista. Encraves de campos de altitude (Bela Vista) com grande diversidade de hábitats. Endemismo de anfíbios (Aplastodiscus sp., Hyla sp). Endemismo da mastofauna e ocorrência de espécies de Várias espécies de aves ameaçadas, incluindo a única área de ocorrência recente de harpia (Harpia harpyja) no sul do Brasil. Presença de várias unidades de conservação estaduais e municipais, somando aproximadamente 90.000 ha na Serra do Tabuleiro Principais ameaças: indústria madeireira, mineração e especulação imobiliária (restinga), e também pela grande fragmentação em pequenas propriedades. Inclusão de ilhas (de Santa Catarina, Arvoredo, Moleques do Sul, Ratones, Campeche) com endemismos e vegetação típica. Inventário biológico Flora, Aves, Anfíbios e Répteis, Áreas Protegidas

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 426 Serra dos Órgãos Santa Maria Madalena, Campos, Trajano de Moraes, Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, Nova Iguaçú, Miguel Pereira, Duque de Caxias e Queimados RJ A Área contínua de floresta montana e alto-montana mais representativa do Estado do Rio de Janeiro, com diversas unidades de conservação de uso direto e indireto. Em Tinguá há uma expressiva região de floresta de baixada, contígua a uma área de intensa pressão urbana. Ex pressiva riqueza de invertebrados. Área caracterizada pela riqueza, Vários endemismos para aves e mamíferos. Tinguá detém 6 espécies de aves ameaçadas, como por exemplo: Tijuca condita e Calyptura cristata. Expressivo potencial turístico que necessita de ordenamento. Necessidade de criação de outras unidades de conservação e implementação das já Estabelecimento de corredor ecológico Flora, Invertebrados, Mamíferos, Aves, Áreas Protegidas, Pr essão Antrópica 427 Tijuca Rio de Janeiro, Nova Iguaçú, Nilópolis RJ A Remanescentes de floresta mais representativas na região urbana do Rio de Janeiro. A localização dos maçiços, na região litorânea, imprime à vegetação local uma grande variação fisionômica, representada por florestas úmidas até secas e campos rupícolas, além de diversas formas de transição. Sofre forte degradação para o corredor sul, sob intensa pressão antrópica. Presença de espécies de mamíferos características da Mata Atlântica, raras ou Presença de espécies de peixes, anfíbios e répteis raras e ameaçadas. Capacidade institucional já instalada em algumas unidades de conservção e em outras parcialmente instalada, necessitando de consolidação e fiscalização. Manejo Aves, Peixes, Mamíferos 428 Tijucas do Sul Tijuca do Sul PR D Ocorrência de espécie raras de repteis e anfíbios. A região possui uma das últimas populações conhecidas de Considerada pelos ornitólogos, área de extrema importância Criação de unidade de conservação Aves, Anfíbios e Répteis 429 Vale do Médio Rio Paraíba do Sul Municípios do Médio Rio Paraíba do Sul RJ A Composição florística, embora pouco conhecida, possui elementos das florestas das cadeias da Serra do Mar, Mantiqueira e formações interioranas (florestas estacionais) – sendo portanto área de confluência florística. Áreas remanescentes altamente degradadas, representativas de um tipo florestal que ocupava grande extensão no Vale do Pressão antrópica extrema pelo desmatamento, pecuária extensiva, urbanização crrescente e erosão. Elevada riqueza Criação de unidade de conservação Flora, Peixes, Pressão Antrópica

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 501 Alto-Médio Rio Tibagi /Alto Rio Iguaçu Telêmaco Borba, São Jerônimo da Serra, Londrina, Ponta Grossa, Palmeira PR C Presença de espécies de répteis endêmicas de campos limpos (e raros) como Ditaxodon taeniatus e Tupinambis duseni. Muitas espécies de aves ameaçadas como: Pipile jacutinga, Amazona vinaceae, Aratinga auricapilla, Ara Na região observa-se a substituição de campos naturais por pastagens e culturas. A região do rio Tibagí, especialmente, ainda possui remanescentes de matas ciliares em bom Criação de unidade de conservação Aves, Anfíbios e Répteis 502 Barracão Barracão, Vacaria, Anita Garibaldi, Campo Belo do Sul RS, SC A Área com representação de floresta ombrófila mista em faixas contínuas relativamente conservadas. Alta diversidade biológica e endemismos, com destaque para Implantação e ampliação de unidade de conservação Flora, Aves, Anfíbios e Répteis 503 Campos de Lages Urubici, Painel, Lages, Urupema SC C Área com fragmentos de floresta ombrófila mista e extensas áreas de campos de altitude, além da presença de vegetação de savana parque. Área de corredor para fauna, especialmente avifauna. Presença de várias espécies de interesse econômico (Xaxim e Araucária) e vegetação de campos com uso em pecuária. Manejo Invertebrados, Aves 504 Campos Gerais Ponta Grossa, Castro, Tibagi, Palmeira PR B Região com extensas áreas de campos, com diferentes fisionomias e composições, ainda insuficientemente conhecidas do ponto de vista botânico. A utilização destes campos para práticas agropastoris constitui um fator de risco, devido principalmente a utilização do fogo e a própria substituição destes por plantios de espécies exóticas, tanto anuais como perenes, principalmente Pinus spp. Presença de espécies de aves ameaçadas de extinção: Heteroxolmis dominicana, Culicivora caudacuta, Alectrurus tricolor, Anthus nattereri. Inventário biológico Aves, Anfíbios e Répteis 505 Médio Rio Iguaçú / Guarapuava Guarapuava, Inácio Martins, Palmas, Mangueirinha, General Carneiro, Abelardo Luz, Rio Iguaçu, Nascentes do Rio Chopim, Irati, Rebouças, Turvo, Teixeira Soares, Ipiranga, Palmas, União da Vitória, General Carneiro, Mallet, Porto União, Caçador, Catanduvas, PR, SC A Área com importantes remanescentes de campos de altitudes e floresta de araucária, vários destes em alto grau de conservação. Merecem destaque as matas ao longo dos rios Iguaçu, Iratins e nascentes do rio Chopim. Esta última sobre elevada pressão antrópica devido à expansão agropecuária, exploração madeireira e assentamentos. Recuperação florestal Flora, Invertebrados, Anfíbios e RépteisXanxerê.

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 506 Chapecó Chapecó SC D Apresenta fragmentos de florestas e áreas indígenas, os quais apresentam potencialidade de diversidade de espécies. Inventário biológico Mamíferos, Pressão Antrópica 507 Zona Tampão de Aparados da Serra Canela, Gramado, Taquara, Três Coroas, Rolante SC, RS C Área com fragmentos de floresta ombrófila mista. Apresenta remanescentes altamente conservados na circunvizinhança Importante corredor para fauna. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Mamíferos, Aves, Áreas Protegidas 508 Grande Região dos Aparados da Serra São Francisco de Paula, Cambará do Sul, Antônio Prado, São José dos Ausentes, São Joaquim, Urubici, Bom Retiro, Anitápolis, Lauro Müller, Turvo RS, SC A Área com representação de floresta ombrófila mista e Alta diversidade biológica de flora, avifauna, mastofauna e herpetofauna. Presença de várias espécies de aves ameaçadas de extinção como Tinamus solitarius, Amazona pretrei, A. vinacea, Triclaria malachitacea, Macropsalis creagra (=forcipata), Campephilus robustus, Phibalura flavirostris, Piprites pileatus, Amaurospiza moesta, Spizastur melanoleucus. Principal área de invernagem de Amazona pretrei (charão). Presença de mamíferos de grande porte (Tapirus terrestris, Puma concolor). Existência de importantes unidades de conservação (Parque Nacional de São Joaquim, Parque Nacional dos Aparados da Serra, Parque Nacional da Serra Geral, Parque Estadual da Serra do Tabuleiro). Região de cabeceiras de vários rios de importância como o rio Pelotas, rio das Antas, rio Canoas e Implementação e ampliação de unidade de conservação existente Flora, Invertebrados, Mamíferos, Aves, Áreas Protegidas

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 509 Médio Rio Tibagi Telêmaco Borba PR A Área com campos de diferentes fisionomias e composição, ainda insuficientemente conhecidos do ponto de vista botânico. No município de Tibagi existem regiões ecotonais entre os cerrados, a floresta ombrófila mista e a floresta estacional semidecidual, constituindo assim uma zona de tensão ecológica.. Espécies de aves ameaçadas de extinção na área: Heteroxolmis dominicana, Culicivora caudacuta, Alectrurus tricolor, Anthus nattereri. O uso de campos para práticas agropastoris constituem um fator de risco para a área, devido a utilização do fogo e a substituição por Criação de unidade de conservação Flora, Aves 510 Nascentes do Rio Piquiri Turvo, Pitanga, Guarapuava PR D Nascente do rio Piquiri, um dos poucos rios do Paraná que ainda não foi transformado em uma “escada” de hidrelétricas. Populações relictuais de carandá (Trithrinax Criação de unidade de conservação Flora, Aves 511 Planalto Leste São Bento do Sul PR, SC A Área de transição entre floresta ombrófila mista e floresta ombófila densa. Presença de espécies endêmicas, raras e ameaçadas de aves, répteis e mamíferos. Atividade Criação de unidade de conservação Flora, Aves, Anfíbios e Répteis, Mamíferos 512 Rio Pelotas Cambará do Sul RS C Área com fragmentos de floresta ombrófila mista em bom estado de conservação. Importante corredor para fauna. Manejo Flora, Áreas Protegidas 513 Rio Pelotas / São Mateus Campo Belo do Sul, Anita Garibaldi, Barracão, Alto da Serra, Bom Jesus, Alziro Ramos, Tainhas, Maquiné, Ozório, Terra de Areia, Torres, São João do Sul, Grão Pará. RS, SC B Área com fragmentos de floresta ombrófila mista e campos de altitude, formando importante corredor para a fauna. Inventário biológico Flora, Invertebrados, Mamíferos, Aves, Áreas Protegidas 514 São Mateus do Sul I São Mateus do Sul, Fluviópolis, Três Barras, Canoinhas PR, SC C A área inclui remanescentes florestais com erva-mate explorada intensamente. A conservação da erva-mate pode servir como uma forma de proteção da Araucaria angustifolia. Manejo Flora

Capítulo III – Documentos de Referência Nome da Área Prioritária Município Estado Categoria de Importância Biológica Descrição e Justificativa Recomendações Indicações dos Grupos Temáticos 515 São Mateus do Sul II São Mateus do Sul, Porto Amazonas, São João do Triunfo PR B Remanescente em bom estado de conservação. Presença Existência de ervais nativos com intensa exploração econômica. Exploração de imbuia e araucária, ambas Criação de unidade de conservação Flora, Peixes 516 Várzeas e Cabeceiras do Rio Iguaçu e Vila Velha São João do Triunfo, Lapa, Ponta Grossa, Castro, Araucária, Tijucas do Sul, Porto Amazonas, Curitiba PR A Apesar de aparentemente uniformes, os campos têm heterogeneidade ambiental relativamente grande. As várzeas no Paraná são naturalmente restritas e a região em questão possui remanescentes em razoável estado de conservação. Estas várzeas estão abrigando a maior população conhecida de Scytalopus iraiensis (ave recentemente descrita pela ciência). Área das mais características entre os campos sulinos, rica em espécies de Lepidoptera e Hymenoptera. Alto endemismo de peixes no rio Iguaçu e tributários. Presença de aves ameaçadas de extinção como: Heteroxolmis dominicana, Culicivora caudacuta; Anthus nattereri; Alectrurus tricolor. Presença de espécies endêmicas de répteis: Ditaxodon teniatus e Tupinambis duseni . Estas várzeas são alvo de exploração de areia e ocupação irregular, mesmo sendo áreas de Criação de unidade de conservação Invertebrados, Aves, Anfíbios e Répteis, Peixes