Apostila axiliar de farmácia -438-pag

168 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD
Ferrari Red Power Masculino Baner Horizontal(728x90)
Cursos Online - Cursos 24 Horas
168 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD

Presidente da República Luíz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário de Políticas Públicas de Emprego – SPPE Remígio Todeschini Diretor do Departamento de Qualificação Profissional – DQP Antônio Almerico Biondi Lima Coordenadora-Geral de Qualificação Profissional – CGQUA Tatiana Scalco Silveira Coordenador-Geral de Certificação e Orientação Profissional – CGCOP Marcelo Alvares de Sousa Coordenador-Geral de Empreendedorismo Juvenil Misael Goyos de Oliveira

© copyright 2006 – Ministério do Trabalho e Emprego Secretaria de Políticas Públicas de Emprego – SPPE Departamento de Qualificação DEQ Esplanada dos Ministérios, Bloco F, 3º andar, Sala 306 CEP:70059-900 Brasília DF Telefones: (0XX61) 317-6239 / 317-6004 FAX: (0XX61) 224-7593 E-mail: qualificacao@mte.org.br

Tiragem: 500 exemplares (Venda Proibida) Elaboração, Edição e Distribuição: CATALISA – Rede de Cooperação para Sustentabilidade São Paulo – SP www.catalisa.org.br E-mail: catalisa@catalisa.org.br

Entidade Conveniada: Instituto Educação e Pesquisa Data Brasil R. Moreira Cezar, 2715 – Sala 2B – Centro – Caxias do Sul – RS

Ficha Catalográfica: Obs.: Os textos não refletem necessariamente a posição do Ministério do Trabalho e Emprego

Qualificação Profissional – Apostila AUXILIAR DE FARMÁCIA SP – julho de 2006

AGRADECIMENTOS AUXILIAR DE FARMÁCIA Existe uma lacuna no mercado de farmácias e drogarias, que carecem de Auxiliares devida- mente capacitados e motivados a seguir carreira farmacêutica, sendo crescente a busca por profis- sionais qualificados em redes de farmácia de todo o país e em hospitais públicos e privados.

O profissional da área de farmácia tem um compromisso com a promoção da saúde, contri- buindo com a saúde pública e a qualidade de vida da comunidade.

Receber, conferir, organizar e encaminhar medicamentos e produtos correlatos; organizar e manter o estoque de medicamentos em prateleiras; separar requisições e receitas; providenciar por meio de microcomputador a atualização das entradas e saídas de medicamentos; manter a ordem e higiene de materiais e equipamentos sob sua responsabilidade, entre diversas outras, são atribuições do profissional Auxiliar de Farmácia, tanto em estabelecimentos como em hospitais e sempre sob a supervisão de um Farmacêutico.

A aparente simplicidade dessa ação profissional encobre grande responsabilidade, razão pela qual temas como Ética Profissional, Atendimento ao Cliente, Técnicas de Vendas, Fisiologia Huma- na, Classificação e Conservação de Medicamentos, Tarjas, Aviamento de Receitas, Primeiros Socor- ros, Lei dos Genéricos e medicamentos que exigem retenção de receita são de grande importância.

Procurando atender a essa lacuna, a CATALISA – Rede de Cooperação para Sustentabilidade (www.catalisa.org.br) desenvolveu o presente material didático, tendo por objetivo oferecer qua- lificação social e profissional em Auxiliar de Farmácia, a todos aqueles que desejam ingressar nessa área ou necessitam de orientações para aprimoramento de sua atuação profissional.

Essa publicação foi antecedida do Seminário “Orientação e Qualidade de Vida”, realizado pela CATALISA no Nikkey Palace Hotel, em São Paulo, capital, sob a organização da Spot Produções e Eventos, nos dias 02 e 03 de maio de 2006, tendo seu conteúdo aprofundado por meio de uma oficina de desenvolvimento metodológico, experimentação em diversas regiões do país e validada em escala nacional, com o envolvimento de uma numerosa equipe de profissionais.

Esperamos que os resultados previstos nesse projeto possam representar significativa con- tribuição na qualificação profissional de Auxiliares de Farmácia em todas as regiões do país. Sendo resultado de um trabalho de cooperação, queremos agradecer as seguintes participações:

COORDENAÇÃO GERAL Eduardo Coutinho de Paula Gesualdo D´Avola Filho Coordenação técnica Denise Simas Lamarão Patrícia de Oliveira Duarte Coordenação pedagógica Maria do Carmo Santos Nascimento (Lia) SEMINÁRIO, SÃO PAULO/SP Denise Simas Lamarão Gilson Barbosa de Lima Patrícia de Oliveira Duarte Roseli Espindola Chaves Isabel Barros Murilo Leandro Leite OFICINA METODOLÓGICA E CURSO DE EXPERIMENTAÇÃO Arlete Sales Cristaldo – Cuiabá/MT Elaine Aurora Praes – Belo Horizonte/MG Fernando Luiz Chaves Pessoa – Recife/PE Gilson Barbosa de Lima – Santana de Parnaíba/SP Ivanio Reisdorfer Koshhann – Caxias do Sul/RS Izabel C. de Araújo Barros – Belém/PA Paulo Costa Coelho – Curitiba/PR Severino Job de Sousa – Recife/PE Vanessa Trabuco da Cruz – Camaçari/BA Viviane Torres Gentil – Camaçari/BA Tânia Cecília Trevisan – Cuiabá/MT SUPORTE Luiz Roberto Segala Gomes Digital Mix Ltda: José Roberto Negrão Marcelo Augusto Dias Paulo Cezar Barbosa Mello Reinaldo Fonseca Spot Produção e Eventos: Fernanda de Souza Pinto César Augusto de Bourbon

1- ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS ………………………………… 1 7

CÉLULA ………………………………………………………………………………………. 17

FORMA ……………………………………………………………………………………………………………. 1 8

CONSTITUIÇÃO ……………………………………………………………………………………………………. 1 8

MEMBRANA CELULAR ………………………………………………………………………………………………. 1 8

CITOPLASMA ………………………………………………………………………………………………………. 1 8

NÚCLEO …………………………………………………………………………………………………………… 1 9

HISTOLOGIA ………………………………………………………………………………. 20

TECIDO EPITELIAL ………………………………………………………………………………………………… 2 0

FUNÇÕES: ………………………………………………………………………………………………………… 2 0

TECIDO CONJUNTIVO ……………………………………………………………………………………………… 2 1

SISTEMA URINÁRIO ……………………………………………………………………… 22

FUNÇÃO ………………………………………………………………………………………………………….. 2 2

COMPOSIÇÃO ……………………………………………………………………………………………………… 2 2

SISTEMA NERVOSO ……………………………………………………………………… 24

FUNÇÃO ………………………………………………………………………………………………………….. 2 4

NEURÔNIOS SENSORIAIS ………………………………………………………………………………………….. 2 4

NEURÔNIOS DE ASSOCIAÇÃO ………………………………………………………………………………………. 2 4

NEURÔNIO MOTOR ………………………………………………………………………………………………… 2 4

FIBRAS NERVOSAS ………………………………………………………………………………………………… 2 5

SNC (SISTEMA NERVOSO CENTRAL) ………………………………………………………………………………. 2 5

ENCÉFALO ………………………………………………………………………………………………………… 2 5

CÉREBRO ………………………………………………………………………………………………………….. 2 5

CEREBELO …………………………………………………………………………………………………………. 2 6

TRONCO ENCEFÁLICO ……………………………………………………………………………………………… 2 6

MEDULA ESPINHAL ………………………………………………………………………………………………… 2 7

MENINGES ……………………………………………………………………………………………………….. 2 7

SUBSTÂNCIA BRANCA ……………………………………………………………………………………………… 2 8

SUBSTÂNCIA CINZENTA ……………………………………………………………………………………………. 2 8

SNP (SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO) …………………………………………………………………………… 2 8

NERVOS CRANIANOS ………………………………………………………………………………………………. 2 8

NERVOS RAQUIDIANOS …………………………………………………………………………………………….. 2 9

SNE (SISTEMA NERVOSO EMOTIVO) ……………………………………………………………………………. 2 9

SNA (SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO) ……………………………………………………………………………. 2 9

SNA PARASSIMPÁTICO ……………………………………………………………………………………………. 3 0

SNA SIMPÁTICO …………………………………………………………………………………………………. 3 1

ALGUMAS FUNÇÕES DO SNA PARASSIMPÁTICO E SIMPÁTICO ………………………………………………………. 3 1

ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA NERVOSO ……………………………………………………………… 3 1

SIMPÁTICO (VIGÍLIA) …………………………………………………………………. 3 1

AUTÔNOMO …………………………………………………………………………….. 3 1

PARASSIMPÁTICO (REPOUSO) ………………………………………………………….. 3 1

SISTEMA NERVOSO CENTRAL ………………………………………………………….. 3 1

NERVOS CRANIANOS (CABEÇA, PESCOÇO, OMBROS) …………………………………… 3 1

PERIFÉRICO ……………………………………………………………………………. 3 1

NERVOS RAQUIDIANO (CORPO INTEIRO) ……………………………………………… 3 1

SISTEMA CIRCULATÓRIO ………………………………………………………………. 32

SISTEMA CARDIOVASCULAR ………………………………………………………………………………………… 3 2

CIRCULAÇÃO PULMONAR ……………………………………………………………………………………………. 3 2

CIRCULAÇÃO SISTÊMICA …………………………………………………………………………………………… 3 3

OUTRAS DEFINIÇÕES ……………………………………………………………………………………………… 3 3

CARDIOVASCULAR ……………………………………………………………………………….. 34

ESQUEMA DE FUNIONAMENTO …………………………………………………………………… 34

SISTEMA CIRCULATÓRIO ………………………………………………………………………… 34

– PRODUÇÃO DE ANTICORPOS (DEFESA) …………………………………………………………. 34

– PASSAGEM DA LINFA PARA SISTEMA VENOSO (LIMPEZA) ………………………………………. 34

LINFÁTICO ………………………………………………………………………………………. 34

LINFA (LIMPEZA E IMUNIDADE) …………………………………………………………………. 34

LINFONODOS …………………………………………………………………………………….. 34

SISTEMA LINFÁTICO / IMUNOLÓGICO ……………………………………………… 35

LINFA …………………………………………………………………………………………………………….. 3 5

LINFONODOS ……………………………………………………………………………………………………… 3 5

LEUCÓCITOS ………………………………………………………………………………………………………. 3 6

ANTICORPOS ……………………………………………………………………………………………………… 3 6

TONSILAS ………………………………………………………………………………………………………… 3 6

TIMO …………………………………………………………………………………………………………….. 3 7

BAÇO …………………………………………………………………………………………………………….. 3 7

APÊNDICE ………………………………………………………………………………………………………… 3 7

SISTEMA RESPIRATÓRIO ………………………………………………………………. 37

FOSSAS NASAIS …………………………………………………………………………………………………… 3 8

FARINGE ………………………………………………………………………………………………………….. 3 8

LARINGE ………………………………………………………………………………………………………….. 3 8

TRAQUÉIA ………………………………………………………………………………………………………… 3 8

PULMÕES …………………………………………………………………………………………………………. 3 8

BRÔNQUIOS/BRONQUÍOLOS ………………………………………………………………………………………. 3 9

ALVÉOLOS ………………………………………………………………………………………………………… 3 9

DIAFRAGMA ………………………………………………………………………………………………………. 3 9

COSTELA E MÚSCULOS INTERCOSTAIS ………………………………………………………………………………. 3 9

SISTEMA DIGESTÓRIO ………………………………………………………………….. 40

BOCA …………………………………………………………………………………………………………….. 4 0

LÍNGUA …………………………………………………………………………………………………………… 4 0

DENTES ………………………………………………………………………………………………………….. 4 1

GLÂNDULAS SALIVARES ……………………………………………………………………………………………. 4 1

ÚVULA ……………………………………………………………………………………………………………. 4 1

FARINGE ………………………………………………………………………………………………………….. 4 1

ESÔFAGO …………………………………………………………………………………………………………. 4 1

ESTÔMAGO ……………………………………………………………………………………………………….. 4 2

PROCESSO DIGESTIVO …………………………………………………………………………………………….. 4 2

PILORO …………………………………………………………………………………………………………… 4 2

INTESTINO ……………………………………………………………………………………………………….. 4 2

FÍGADO ……………………………………………………………………………………………………….. 4 4

VESÍCULA BILIAR ………………………………………………………………………………………….. 4 4

PÂNCREAS ………………………………………………………………………………………………………… 4 5

VÁLVULA ILEOCECAL ……………………………………………………………………………………………….. 4 5

ESFÍNCTER ANAL ………………………………………………………………………………………………….. 4 5

SISTEMA ESQUELÉTICO ……………………………………………………………….. 46

OSSOS ……………………………………………………………………………………………………………. 4 6

ESQUELETO ……………………………………………………………………………………………………….. 4 7

ARTICULAÇÕES ……………………………………………………………………………………………………. 4 9

SISTEMA MUSCULAR ……………………………………………………………………. 50

TIPOS DE MÚSCULOS ……………………………………………………………………………………………… 5 1

TENDÕES …………………………………………………………………………………………………………. 5 2

LIGAMENTO ………………………………………………………………………………………………………. 5 2

SISTEMA ENDÓCRINO ………………………………………………………………….. 53

HIPOTÁLAMO ……………………………………………………………………………………………………… 5 4

HIPÓFISE ………………………………………………………………………………………………………… 5 4

PINEAL – EPÍFISE ……………………………………………………………………………………………….. 5 5

TIREÓIDE ………………………………………………………………………………………………………… 5 6

PARATIREÓIDES …………………………………………………………………………………………………… 5 6

TIMO …………………………………………………………………………………………………………….. 5 7

SUPRA-RENAIS ……………………………………………………………………………………………………. 5 7

MEDULA SUPRA-RENAL ………………………………………………………………………………………….. 5 8

PÂNCREAS ………………………………………………………………………………………………………… 5 9

OVÁRIOS …………………………………………………………………………………………………………. 5 9

E OVARIANOS DURANTE O CICLO MENSTRUAL ……………………………………………………………………….. 6 0

SISTEMA GENITAL FEMININO …………………………………………………………. 62

SISTEMA GENITAL MASCULINO ………………………………………………………. 68

SISTEMA SENSORIAL …………………………………………………………………… 70

VISÃO ……………………………………………………………………………………………………………. 7 1

AUDIÇÃO …………………………………………………………………………………………………………. 7 4

OLFATO …………………………………………………………………………………………………………… 7 6

PALADAR ………………………………………………………………………………………………………….. 7 6

TATO …………………………………………………………………………………………………………….. 7 8

SISTEMA TEGUMENTAR …………………………………………………………………. 79

PELE ……………………………………………………………………………………………………………… 7 9

PÊLOS ……………………………………………………………………………………………………………. 8 1

UNHAS …………………………………………………………………………………………………………… 8 1

GLÂNDULAS SUDORÍPARAS …………………………………………………………………………………………. 8 2

GLÂNDULAS SEBÁCEAS …………………………………………………………………………………………….. 8 2

2. MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA …………………………………. 8 4

FUNGOS ……………………………………………………………………………………. 84

HERÓIS E VILÕES DA BIOSFERA …………………………………………………………………………………… 8 4

BIORREGULADORES ……………………………………………………………………………………………….. 8 6

CONSTITUIÇÃO ……………………………………………………………………………………………………. 8 7

FUNGOS PATÓGENOS ……………………………………………………………………………………………… 8 7

USO NA FARMÁCIA ………………………………………………………………………………………………… 8 8

ASPECTOS POSITIVOS DOS FUNGOS ……………………………………………………………………………….. 8 9

ASPECTOS NEGATIVOS DOS FUNGOS ……………………………………………………………………………….. 8 9

MICOTOXINAS …………………………………………………………………………………………………….. 8 9

MICOSES CUTÂNEAS ………………………………………………………………………………………………. 9 0

MANIFESTAÇÕES ………………………………………………………………………………………………….. 9 0

COMO EVITAR …………………………………………………………………………………………………….. 9 0

MICOSE DE PRAIA (PITIRÍASE VERSICOLOR) ……………………………………………………………………… 9 1

CUIDADOS ………………………………………………………………………………………………………… 9 1

MICOSE DE UNHA OU ONICOMICOSE ………………………………………………………………………………. 9 1

CUIDADOS ………………………………………………………………………………………………………… 9 1

MICOSE DOS PÉS …………………………………………………………………………………………………. 9 1

TIPOS ……………………………………………………………………………………………………………. 9 1

CUIDADOS ………………………………………………………………………………………………………… 9 2

TRATAMENTO DAS MICOSES ……………………………………………………………………………………….. 9 2

BACTÉRIAS ……………………………………………………………………………………………………….. 9 2

FORMAS DAS BACTÉRIAS: ………………………………………………………………………………………….. 9 3

INFECÇÃO ………………………………………………………………………………………………………… 9 4

CLASSIFICAÇÃO ……………………………………………………………………………………………………. 9 4

CORANTE DE GRAM ……………………………………………………………………………………………….. 9 4

ESTREPTOCOCOS ………………………………………………………………………………………………….. 9 5

INFECÇÕES CAUSADAS POR ESTREPTOCOCOS: ………………………………………………………………………. 9 5

ESTAFILOCOCOS …………………………………………………………………………………………………… 9 6

ENTEROCOCOS …………………………………………………………………………………………………….. 9 6

AS INFECÇÕES POR ENTEROCOCOS INCLUEM: ………………………………………………………………………. 9 7

PRINCIPAIS DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS …………………………………………………………………… 9 8

VÍRUS ………………………………………………………………………………………. 99

ESTRUTURA VIRAL ……………………………………………………………………………………………….. 100

O CAPSÍDEO E O ENVELOPE VIRAL ……………………………………………………………………………….. 100

O GENOMA VIRAL ……………………………………………………………………………………………….. 100

DOENÇAS CAUSADAS POR VÍRUS …………………………………………………………………………………. 101

ROTAVÍRUS …………………………………………………………………………………………………….. 101

TRANSMISSÃO …………………………………………………………………………………………………… 101

SINTOMAS ……………………………………………………………………………………………………… 101

TRATAMENTO ……………………………………………………………………………………………………. 102

COMBATE E PREVENÇÃO ………………………………………………………………………………………….. 102

PARASITAS ………………………………………………………………………………. 102

CLASSIFICAÇÃO ………………………………………………………………………………………………….. 103

ADAPTAÇÕES DO PARASITA ………………………………………………………………………………………. 103

PARASITOLOGIA ……………………………………………………………………………. 104

TOXOPLASMOSE …………………………………………………………………………………………………. 104

ASCARIDÍASE ……………………………………………………………………………………………………. 106

GIARDÍASE ……………………………………………………………………………………………………… 107

TENÍASE/CISTICERCOSE ………………………………………………………………………………………… 108

SINONÍMIA – SOLITÁRIA, LOMBRIGA NA CABEÇA. ……………………………………………………………….. 109

O QUE É PATOLOGIA ………………………………………………………………………… 112

O QUE É DOENÇA? ……………………………………………………………………………………………… 113

PATOLOGIA DE ALGUMAS DOENÇAS COMUNS ……………………………………………………………………… 113

HEMORRAGIA ……………………………………………………………………………………………………. 113

TUBERCULOSE …………………………………………………………………………………………………… 115

REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO …………………………………………………………………………………… 119

SARAMPO ……………………………………………………………………………………………………….. 122

SARAMPO MODIFICADO ………………………………………………………………………………………….. 123

CISTITE ………………………………………………………………………………………………………… 124

PROSTATITE …………………………………………………………………………………………………….. 128

URETRITE ………………………………………………………………………………………………………. 128

4. FARMACOLOGIA ……………………………………………………………. 130

O QUE É FARMACOLOGIA ………………………………………………………………………………………… 130

DIVISÕES DA FARMACOLOGIA ……………………………………………………………………………………. 131

FARMACOCINÉTICA ………………………………………………………………………………………………. 131

FARMACOLOGIA ………………………………………………………………………………………………….. 131

COMO SE MODIFICA O MEDICAMENTO AO ENTRAR NO ORGANISMO ……………………………. 132

ABSORÇÃO ………………………………………………………………………………………………………. 132

DISTRIBUIÇÃO ………………………………………………………………………………………………….. 132

METABOLISMO ………………………………………………………………………………………………….. 133

ELIMINAÇÃO …………………………………………………………………………………………………….. 133

FATORES QUE AFETAM A RESPOSTA AOS MEDICAMENTOS ………………………………………………………….. 133

GENÉTICA ………………………………………………………………………………………………………. 134

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS ………………………………………………………………. 136

EFEITOS DE DUPLICAÇÃO ………………………………………………………………………………………… 136

EFEITOS OPOSTOS ………………………………………………………………………………………………. 137

ALTERAÇÕES NA ABSORÇÃO ………………………………………………………………………………………. 137

ALTERAÇÕES NO METABOLISMO ………………………………………………………………………………….. 138

ALTERAÇÕES NA EXCREÇÃO ………………………………………………………………………………………. 138

COMO REDUZIR O RISCO DE INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS ………………………………….. 138

INTERAÇÕES DO TIPO MEDICAMENTO-DOENÇA …………………………………………………………………… 139

FARMACODINÂMICA: SELETIVIDADE DA AÇÃO DOS MEDICAMENTOS ………………………………………………… 139

RECEPTORES ……………………………………………………………………………………………………. 139

FÁRMACO ……………………………………………………………………………………………………….. 139

SELETIVIDADE E NÃO-SELETIVIDADE …………………………………………………………………………….. 140

UM ENCAIXE PERFEITO ………………………………………………………………………………………….. 140

RECEPTORES ……………………………………………………………………………………………………. 140

ENZIMAS ……………………………………………………………………………………………………….. 142

AFINIDADE E ATIVIDADE INTRÍNSECA ……………………………………………………………………………. 142

POTÊNCIA E EFICÁCIA …………………………………………………………………………………………… 143

TOLERÂNCIA …………………………………………………………………………………………………….. 143

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS MEDICAMENTOS ……………………………………………………….. 143

CLASSIFICAÇÃO DE MEDICAMENTOS ………………………………………………………………………………. 144

ALGUNS CONCEITOS BÁSICOS DE FARMACOLOGIA …………………………………………………………………. 147

GRUPOS FARMACOLÓGICOS …………………………………………………………………. 151

ANTIINFLAMATÓRIOS ……………………………………………………………………………………………. 151

ANALGÉSICOS …………………………………………………………………………………………………… 151

PRINCIPAIS GRUPOS ANALGÉSICOS: …………………………………………………………………………….. 151

ANTIALÉRGICOS …………………………………………………………………………………………………. 151

ANTIBIÓTICOS ………………………………………………………………………………………………….. 152

PRINCIPAIS GRUPOS DE ANTIBIÓTICOS …………………………………………………………………………. 152

ANTIVIRAIS …………………………………………………………………………………………………….. 152

ANTIFÚNGICOS …………………………………………………………………………………………………. 153

ANTIINFECCIOSOS ………………………………………………………………………………………………. 153

AÇÃO DOS MEDICAMENTOS SOBRE O ORGANISMO ……………………………………………. 153

SISTEMA CIRCULATÓRIO ………………………………………………………………………………………… 153

SISTEMA RESPIRATÓRIO ………………………………………………………………………………………… 154

SISTEMA DIGESTÓRIO ………………………………………………………………………………………….. 154

SISTEMA URINÁRIO …………………………………………………………………………………………….. 154

5. QUÍMICA ……………………………………………………………………… 155

ESTUDANDO OS FENÔMENOS QUÍMICOS ………………………………………………………. 155

A QUÍMICA DA SAÚDE …………………………………………………………………………………………… 156

QUÍMICA MEDICINAL ……………………………………………………………………………………………. 156

O PAPEL ESSENCIAL DA FÍSICO-QUÍMICA NA FORMULAÇÃO DE MEDICAMENTOS ……………………………………. 159

DISTINTOS ASPECTOS PRESENTES NA ETAPA DE PRÉ-FORMULAÇÃO ……………………………………………….. 159

A SÍNTESE DE FÁRMACOS ……………………………………………………………………………………….. 160

AÇÃO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS NO ORGANISMO ……………………………………………………………….. 162

6. FARMACOBOTÂNICA E FARMACOGNOSIA …………………………. 167

A IMPORTÂNCIA DAS PLANTAS MEDICINAIS ………………………………………………….. 167

METABÓLITOS SECUNDÁRIOS DE PLANTAS ……………………………………………………. 169

PLANTA MEDICINAL, FITOTERÁPICO E FITOFÁRMACO ………………………………………… 170

FITOTERÁPICOS: ENTRE O CONHECIMENTO POPULAR E O CIENTÍFICO …………………………. 170

FITOTERÁPICOS – ALTERNATIVA PARA O BRASIL …………………………………………… 172

OS SEGREDOS DOS CHÁS …………………………………………………………………….. 176

SALVOS PELO CHÁ ………………………………………………………………………………………………. 177

JAPONESES CONSUMIDORES DE CHÁ ……………………………………………………………………………… 177

INDICAÇÃO DO CHÁ ……………………………………………………………………………………………… 177

PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS DAS FRUTAS ………………………………………………….. 179

7. FARMACOTÉCNICA ………………………………………………………… 182

FORMAS E FÓRMULAS FARMACÊUTICAS ………………………………………………………. 183

FORMA FARMACÊUTICA …………………………………………………………………………………………… 183

FORMAS FARMACÊUTICAS E VIAS DE ADMINISTRAÇÃO …………………………………………………………….. 186

FÓRMULA FARMACÊUTICA ………………………………………………………………………………………… 187

ALGUNS COMPONENTES DA FÓRMULA FARMACÊUTICA ……………………………………………………………… 188

TOS …………………………………………………………………………….. 191

CUIDADOS BÁSICOS COM MEDICAMENTOS …………………………………….. 191

UMIDADE ……………………………………………………………………………………………………….. 192

EXPOSIÇÃO AO SOL ……………………………………………………………………………………………… 192

ÁLCOOL/ACETONA/ÉTER/BENZINA ………………………………………………………………………………. 192

COMO RECONHECER MEDICAMENTOS DETERIORADOS ………………………………………….. 192

VALIDADE DOS MEDICAMENTOS ………………………………………………………………………………….. 194

TERMINOLOGIA …………………………………………………………………………………………………. 194

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS ………………………………………………………….. 195

MICROBIOLOGIA DA PELE ……………………………………………………………………………………….. 195

INDICAÇÕES DA LAVAGEM DAS MÃOS …………………………………………………………………………….. 196

USO DO ÁLCOOL GLICERINADO …………………………………………………………………………………… 197

ANTI-SEPSIA DAS MÃOS ………………………………………………………………………………………… 198

INSTALAÇÕES FÍSICAS: ………………………………………………………………………………………….. 198

TÉCNICA DA ANTI-SEPSIA (ESCOVAÇÃO) DAS MÃOS: ……………………………………………………………. 199

DESINFECÇÃO ………………………………………………………………………….. 199

PRODUTOS UTILIZADOS: ………………………………………………………………………………………… 200

9 – BIOSSEGURANÇA …………………………………………………………. 203

O QUE É BIOSSEGURANÇA? ………………………………………………………………….. 203

PROTEÇÃO NO DIA-A-DIA ………………………………………………………………….. 204

PRECAUÇÕES-PADRÃO ………………………………………………………………………. 204

LAVAGEM DAS MÃOS …………………………………………………………………………………………….. 204

MANIPULAÇÃO DE INSTRUMENTOS E MATERIAIS ……………………………………………… 204

MANIPULAÇÃO DE MATERIAIS CORTANTES E DE PUNÇÃO ………………………………………………………….. 205

AMBIENTE E EQUIPAMENTOS …………………………………………………………………………………….. 205

VACINAÇÃO ……………………………………………………………………………………………………… 205

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL ……………………………………………………………………… 206

PROTETOR RESPIRATÓRIO (RESPIRADORES) ……………………………………………………………………… 207

AVENTAL E GORRO ………………………………………………………………………………………………. 208

CALÇADOS ………………………………………………………………………………………………………. 208

PREPARO DO FERIMENTO, PELE OU MUCOSA DO PACIENTE ……………………………………………………….. 208

COLETA SELETIVA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SAÚDE ………………………………………… 210

RESÍDUOS COMUNS ………………………………………………………………………….. 210

RELAÇÃO DOS RESÍDUOS: …………………………………………………………………… 210

COMO ACONDICIONAR DENTRO DA SALA: …………………………………………………………………………. 210

ONDE ARMAZENAR ATÉ A COLETA FINAL: …………………………………………………………………………. 211

RESÍDUOS RECICLÁVEIS …………………………………………………………………………………………. 211

RELAÇÃO DOS RESÍDUOS: ……………………………………………………………………………………….. 211

COMO ACONDICIONAR DENTRO DA SALA: …………………………………………………………………………. 211

ONDE ARMAZENAR ATÉ A COLETA FINAL: …………………………………………………………………………. 211

RESÍDUOS INFECTANTES ……………………………………………………………………… 212

RELAÇÃO DOS RESÍDUOS: ……………………………………………………………………………………….. 212

COMO ACONDICIONAR DENTRO DA SALA: …………………………………………………………………………. 212

RELAÇÃO DOS RESÍDUOS PÉRFURO-CORTANTES: ……………………………………………………………….. 212

COMO ACONDICIONAR DENTRO DA SALA: …………………………………………………………………………. 212

ONDE ARMAZENAR ATÉ A COLETA: ……………………………………………………………………………….. 213

RESÍDUOS FARMACÊUTICOS E QUÍMICOS ……………………………………………………… 213

RELAÇÃO DOS RESÍDUOS: ……………………………………………………………………………………….. 213

COMO ACONDICIONAR DENTRO DA SALA: …………………………………………………………………………. 213

10 – PRIMEIROS SOCORROS ………………………………………………. 214

TIPOS DE ACIDENTES ………………………………………………………………………… 216

QUEIMADURAS ………………………………………………………………………………. 216

QUEIMADURAS QUÍMICAS ……………………………………………………………………………………….. 216

QUEIMADURAS SOLARES …………………………………………………………………………………………. 217

QUEIMADURAS POR ELETRICIDADE ……………………………………………………………………………….. 217

FRATURAS, ENTORSES, LUXAÇÕES E CONTUSÕES ……………………………………………… 217

FRATURA ………………………………………………………………………………………………………… 217

ENTORSE ……………………………………………………………………………………………………….. 218

LUXAÇÃO ………………………………………………………………………………………………………… 218

CONTUSÃO ……………………………………………………………………………………………………… 218

INTOXICAÇÕES E ENVENENAMENTOS ………………………………………………………….. 219

PICADAS DE ANIMAIS PEÇONHENTOS …………………………………………………………. 220

PICADAS DE INSETOS …………………………………………………………………………………………… 220

PICADAS DE CARRAPATOS ……………………………………………………………………………………….. 220

PICADAS DE ESCORPIÕES ……………………………………………………………………………………….. 220

PICADAS DE COBRAS …………………………………………………………………………………………….. 221

SANGRAMENTOS …………………………………………………………………………….. 221

SANGRAMENTO EXTERNO ………………………………………………………………………………………… 221

SANGRAMENTO INTERNO ………………………………………………………………………………………… 222

SANGRAMENTOS NASAIS …………………………………………………………………………………………. 222

CHOQUE ELÉTRICO ………………………………………………………………………….. 223

CORPOS ESTRANHOS E ASFIXIA ……………………………………………………………… 224

NO OUVIDO …………………………………………………………………………………………………….. 224

NOS OLHOS …………………………………………………………………………………………………….. 224

NO NARIZ ………………………………………………………………………………………………………. 224

OBJETOS ENGOLIDOS ……………………………………………………………………………………………. 225

PARADA CÁRDIO-RESPIRATÓRIA ………………………………………………………………………………….. 225

PROCEDIMENTOS PRELIMINARES …………………………………………………………………………………. 225

A RESSUSCITAÇÃO CÁRDIO-PULMONAR …………………………………………………………………………… 225

EMERGÊNCIAS CLÍNICAS ……………………………………………………………………… 226

DESMAIO ……………………………………………………………………………………………………….. 226

CONVULSÕES ……………………………………………………………………………………………………. 226

11. FARMÁCIA HOSPITALAR ………………………………………………. 227

ADMINISTRAÇÃO DA FARMÁCIA HOSPITALAR ………………………………….. 228

DESAFIOS PARA A FARMÁCIA HOSPITALAR BRASILEIRA …………………………………………………………….. 228

AÇÕES GERENCIAIS PARA FARMÁCIAS HOSPITALARES ……………………………………………………………… 228

PESQUISA FARMACOLÓGICA CLÍNICA ……………………………………………………………………………… 235

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS ………………………………. 236

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO COLETIVO DE MEDICAMENTOS ……………………………………………………….. 237

NUTRIÇÃO PARENTERAL ……………………………………………………………… 245

COMUNICAÇÃO E ACONSELHAMENTO AO PACIENTE ………………………………………………………………… 247

COMUNICAÇÃO COM OS DEMAIS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ……………………………………………………….. 247

SEGUIMENTO DO PACIENTE EM TERAPIA NUTRICIONAL …………………………………………………………… 248

PARTICIPAÇÃO NA EDUCAÇÃO CONTINUADA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ……………………………………….. 248

PARTICIPAÇÃO EM PESQUISA CLÍNICA ……………………………………………………………………………. 248

FORMULAÇÕES DE NUTRIÇÃO PARENTERAL ………………………………………………………………………… 249

PREPARO INTRA-HOSPITALAR DA NUTRIÇÃO PARENTERAL ………………………………………………………….. 249

MÉTODOS USUALMENTE UTILIZADOS NA MANIPULAÇÃO NO BRASIL E NO EXTERIOR ……………………………….. 250

BARREIRA DE ISOLAMENTO ………………………………………………………………………………………. 251

CONTROLE DE QUALIDADE DA NUTRIÇÃO PARENTERAL …………………………………………………………….. 251

NOVOS SUBSTRATOS EM TERAPIA NUTRICIONAL …………………………………………………………………… 252

CONSIDERAÇÕES FINAIS …………………………………………………………………………………………. 252

12. SAÚDE PÚBLICA E EPIDEMIOLOGIA ……………………………….. 253

CONCEITO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PÚBLICA ……………………………….. 253

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES ……………………………………….. 257

SAÚDE PÚBLICA E IMUNIZAÇÃO ……………………………………………………………… 258

SOROS ……………………………………………………………………………………… 259

EPIDEMIOLOGIA ……………………………………………………………………….. 259

AIDS ………………………………………………………………………………………. 259

SINONÍMIA …………………………………………………………………………………………………….. 260

AGENTE ETIOLÓGICO ……………………………………………………………………………………………. 260

RESERVATÓRIO ………………………………………………………………………………………………….. 260

MODO DE TRANSMISSÃO ………………………………………………………………………………………… 260

PERÍODO DE INCUBAÇÃO ………………………………………………………………………………………… 261

PERÍODO DE LATÊNCIA ………………………………………………………………………………………….. 261

PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE ………………………………………………………………………………. 261

DIAGNÓSTICO …………………………………………………………………………………………………… 261

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ……………………………………………………………………………………… 262

TRATAMENTO ……………………………………………………………………………………………………. 262

OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA …………………………………………………………………….. 262

NOTIFICAÇÃO …………………………………………………………………………………………………… 262

DEFINIÇÃO DE CASO ……………………………………………………………………………………………. 263

MEDIDAS DE CONTROLE …………………………………………………………………………………………. 263

SÍFILIS CONGÊNITA …………………………………………………………………………. 264

DESCRIÇÃO ……………………………………………………………………………………………………… 264

SINONÍMIA …………………………………………………………………………………………………….. 266

AGENTE ETIOLÓGICO ……………………………………………………………………………………………. 266

RESERVATÓRIO ………………………………………………………………………………………………….. 266

MODO DE TRANSMISSÃO ………………………………………………………………………………………… 266

PERÍODO DE INCUBAÇÃO ………………………………………………………………………………………… 266

DIAGNÓSTICO …………………………………………………………………………………………………… 266

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ……………………………………………………………………………………… 267

TRATAMENTO ……………………………………………………………………………………………………. 267

OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA …………………………………………………………………….. 268

NOTIFICAÇÃO …………………………………………………………………………………………………… 269

DEFINIÇÃO DE CASO ……………………………………………………………………………………………. 269

MEDIDAS DE CONTROLE …………………………………………………………………………………………. 270

DENGUE …………………………………………………………………………………….. 270

DESCRIÇÃO ……………………………………………………………………………………………………… 270

SINONÍMIA …………………………………………………………………………………………………….. 271

AGENTE ETIOLÓGICO ……………………………………………………………………………………………. 271

VETORES HOSPEDEIROS …………………………………………………………………………………………. 271

MODO DE TRANSMISSÃO ………………………………………………………………………………………… 271

PERÍODO DE INCUBAÇÃO ………………………………………………………………………………………… 271

PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE ………………………………………………………………………………. 271

COMPLICAÇÕES ………………………………………………………………………………………………….. 272

DIAGNÓSTICO …………………………………………………………………………………………………… 272

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ……………………………………………………………………………………… 272

TRATAMENTO ……………………………………………………………………………………………………. 272

CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS …………………………………………………………………………….. 272

OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA …………………………………………………………………….. 273

NOTIFICAÇÃO …………………………………………………………………………………………………… 273

DEFINIÇÃO DE CASO ……………………………………………………………………………………………. 273

MEDIDAS DE CONTROLE …………………………………………………………………………………………. 274

TUBERCULOSE ……………………………………………………………………………….. 276

DESCRIÇÃO ……………………………………………………………………………………………………… 276

AGENTE ETIOLÓGICO ……………………………………………………………………………………………. 277

RESERVATÓRIO ………………………………………………………………………………………………….. 277

MODO DE TRANSMISSÃO ………………………………………………………………………………………… 277

PERÍODO DE INCUBAÇÃO ………………………………………………………………………………………… 277

PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE ………………………………………………………………………………. 277

COMPLICAÇÕES ………………………………………………………………………………………………….. 277

DIAGNÓSTICO …………………………………………………………………………………………………… 277

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ……………………………………………………………………………………… 278

TRATAMENTO ……………………………………………………………………………………………………. 279

CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS …………………………………………………………………………….. 279

OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA …………………………………………………………………….. 279

NOTIFICAÇÃO …………………………………………………………………………………………………… 279

DEFINIÇÃO DE CASO: …………………………………………………………………………………………… 279

MEDIDAS DE CONTROLE …………………………………………………………………………………………. 280

OBSERVAÇÕES …………………………………………………………………………………………………… 283

POLIOMIELITE ………………………………………………………………………………. 283

DESCRIÇÃO ……………………………………………………………………………………………………… 283

SINONÍMIA …………………………………………………………………………………………………….. 284

AGENTE ETIOLÓGICO ……………………………………………………………………………………………. 284

RESERVATÓRIO ………………………………………………………………………………………………….. 284

MODO DE TRANSMISSÃO ………………………………………………………………………………………… 284

PERÍODO DE INCUBAÇÃO ………………………………………………………………………………………… 284

PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE ………………………………………………………………………………. 284

COMPLICAÇÕES ………………………………………………………………………………………………….. 284

DIAGNÓSTICO …………………………………………………………………………………………………… 284

TRATAMENTO ……………………………………………………………………………………………………. 286

CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS …………………………………………………………………………….. 286

OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA …………………………………………………………………….. 286

NOTIFICAÇÃO …………………………………………………………………………………………………… 286

DEFINIÇÃO DE CASO ……………………………………………………………………………………………. 287

MEDIDAS DE CONTROLE …………………………………………………………………………………………. 288

13. POLÍTICA DE MEDICAMENTOS ………………………………………. 289

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ……………………………………………………. 289

PROGRAMAS ESTRATÉGICOS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE …………………….. 292

PROGRAMA NACIONAL DE DST/AIDS ………………………………………………………………………… 292

PROGRAMA NACIONAL DE ELIMINAÇÃO DA HANSENÍASE …………………………………………………………. 293

PROGRAMA DE MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS – ALTO CUSTO ………………………………………………….. 294

PROGRAMA DE PNEUMOLOGIA SANITÁRIA (TUBERCULOSE) ……………………………………………………… 294

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA DENGUE ……………………………………………………………….. 295

FARMÁCIA POPULAR ……………………………………………………………………………………………… 296

PROJETO FARMÁCIAS NOTIFICADORAS …………………………………………………………………………… 297

MEDICAMENTOS GENÉRICOS – LEI 9787/99 ……………………………………………………. 298

PRESCRIÇÃO E DISPENSAÇÃO DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS ……………………………………………………. 300

LISTA DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS REGISTRADOS ……………………………………………………………… 301

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO FARMACÊUTICA …………………………… 310

CAPÍTULO I …………………………………………………………………………………………………….. 311

CAPÍTULO II …………………………………………………………………………………………………… 312

CAPÍTULO III ………………………………………………………………………………………………….. 314

CAPÍTULO IV …………………………………………………………………………………………………… 316

CAPÍTULO V ……………………………………………………………………………………………………. 317

TARJAS E RÓTULOS ……………………………………………………………………. 321

MEDICAMENTOS MANIPULADOS ………………………………………………………………. 321

TIPOS DE RECEITAS …………………………………………………………………………………………….. 322

AVIAMENTO DE RECEITAS ……………………………………………………………………………………….. 322

PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE NA ATIVIDADE FARMACÊUTICA ………………………….. 327

COMO ADMINISTRAR MEDICAMENTOS ………………………………………………………… 328

16. TÉCNICAS DE VENDAS ………………………………………………….. 336

RELAÇÃO TÉCNICO DE FARMÁCIA – CLIENTE …………………………………… 336

FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE ………………………………………………………….. 339

O RESPEITO FIDELIZA …………………………………………………………………………………………… 339

CONFIANÇA PARA A FIDELIZAÇÃO ………………………………………………………………………………… 339

PROATIVIDADE: POSTURA DO VENDEDOR …………………………………………………………………………. 340

MARKETING PESSOAL ……………………………………………………………………………………………. 340

RAPPORT – PERCEPÇÃO E COMUNICAÇÃO ………………………………………………………………………… 340

PRINCÍPIOS DO ATENDIMENTO QUE VENDE …………………………………….. 341

LIDANDO COM CLIENTES IRRITADOS ……………………………………………………………………………… 344

DIFERENCIAL NO ATENDIMENTO: ………………………………………………………………………………… 345

SONDAGEM ……………………………………………………………………………………………………… 345

DEMONSTRAÇÃO …………………………………………………………………………………………………. 346

FECHAMENTO DA VENDA …………………………………………………………………………………………. 347

EXPANSÃO DA VENDA ……………………………………………………………………………………………. 347

17. NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DA FARMÁCIA ……………………… 349

COMO ORGANIZAR A FARMÁCIA …………………………………………………… 349

ORGANIZAÇÃO DOS MEDICAMENTOS ……………………………………………………………………………… 350

CAIXA DE EMERGÊNCIA ………………………………………………………………………………………….. 350

CUIDADOS COM A GELADEIRA ……………………………………………………………………………………. 351

RECEBIMENTO DE MEDICAMENTOS ………………………………………………………………………………. 351

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS: ……………………………………………………………………………………… 352

MOVIMENTAÇÃO DE ESTOQUES DE MEDICAMENTOS ……………………………………………………………….. 352

FICHA DE PRATELEIRA …………………………………………………………………………………………… 353

PROCEDIMENTOS PARA O PREENCHIMENTO DA FICHA DE PRATELEIRA: …………………………………………….. 353

CONTAGEM FÍSICA DO ESTOQUE …………………………………………………………………………………. 354

O PROGRAMA 5S …………………………………………………………………………… 354

NOÇÕES DE CONTABILIDADE…………………………………………..356

NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO ………………………………………………………. 356

SISTEMA DE OPERAÇÃO DE LOJA …………………………………………………………………………………. 356

SISTEMA DE COMPRA ……………………………………………………………………………………………. 356

SISTEMA DE VENDAS E MARKETING ……………………………………………………………………………… 357

SISTEMA DE SERVIÇO AO CLIENTE ……………………………………………………………………………….. 357

SISTEMA DE APOIO ……………………………………………………………………………………………… 357

SISTEMA DE OPERAÇÃO DE LOJA …………………………………………………………………………………. 357

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ……………………………………………………………………………………. 358

INDICADORES DE DESEMPENHO ………………………………………………………………………………….. 358

NOÇÕES DE CONTABILIDADE ……………………………………………………….. 359

HISTÓRIA DA CONTABILIDADE …………………………………………………………………………………… 359

CAMPO DE ATUAÇÃO DA CONTABILIDADE …………………………………………………………………………. 360

CONCEITO DE CONTABILIDADE …………………………………………………………………………………… 360

FUNÇÃO DA CONTABILIDADE …………………………………………………………………………………….. 360

FINALIDADE DA CONTABILIDADE …………………………………………………………………………………. 360

O CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE …………………………………………………………………….. 361

ESCRITURAÇÃO ………………………………………………………………………………………………….. 361

CONTA ………………………………………………………………………………………………………….. 361

REGRAS BÁSICAS DA ESCRITURAÇÃO COMERCIAL ………………………………………………………………….. 361

OBRIGATORIEDADE DE MANTER A ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL ………………………………………………………. 362

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL ………………………………………………………………………………. 362

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS ……………………………………………………………………………… 363

19. INFORMÁTICA BÁSICA …………………………………………………. 372

INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA ……………………………………………………… 372

O CÉREBRO ELETRÔNICO …………………………………………………………… 373

O COMPUTADOR …………………………………………………………………………………………. 373

OS DISCOS …………………………………………………………………………………………………. 374

MICROSOFT WINDOWS XP ……………………………………………………………. 374

INICIALIZANDO O WINDOWS XP ………………………………………………………………………………. 375

ÁREA DE TRABALHO (DESKTOP) ………………………………………………………………………………… 376

TRABALHANDO COM O MICROSOFT WORDPAD ……………………………………………… 377

WINDOWS EXPLORER ………………………………………………………………………. 378

WORD (VERSÃO 2000) ……………………………………………………………….. 382

INICIAR O EDITOR DE TEXTOS …………………………………………………………………………………… 382

CONFIGURAR AMBIENTE DE TRABALHO ……………………………………………………………………………. 382

FORMATANDO FONTES …………………………………………………………………………………………… 383

ALINHAMENTO DO TEXTO ……………………………………………………………………………………….. 384

COR DA FONTE ………………………………………………………………………………………………….. 384

ABRIR DOCUMENTO/SALVAR/SALVAR COMO …………………………………………………………………….. 384

NUMERAÇÃO E MARCADORES …………………………………………………………………………………….. 385

SELECIONANDO, COPIANDO E COLANDO PARTES DO TEXTO ……………………………………………………….. 386

TECLAS DE ATALHO ……………………………………………………………………………………………… 386

LOCALIZANDO TEXTOS E PALAVRAS ……………………………………………………………………………….. 387

SUBSTITUINDO TEXTOS E PALAVRAS ……………………………………………………………………………… 387

VERIFICANDO ORTOGRAFIA E GRAMÁTICA ……………………………………………………………………….. 387

MÚLTIPLAS COLUNAS ……………………………………………………………………………………………. 389

TABELAS ………………………………………………………………………………………………………… 389

AUTOFORMATAÇÃO DE TABELAS ………………………………………………………………………………….. 390

ALTERAR LARGURA DE LINHAS E COLUNAS DAS TABELAS …………………………………………………………… 390

ACRESCENTAR E EXCLUIR LINHAS DA TABELA ……………………………………………………………………… 391

ACRESCENTAR OU EXCLUIR COLUNAS DA TABELA ………………………………………………………………….. 391

FORMATAR BORDAS DA TABELA …………………………………………………………………………………… 392

ORDENAÇÃO DE DADOS EM UMA TABELA …………………………………………………………………………. 392

INSERIR FIGURAS ………………………………………………………………………………………………. 393

MODIFICAR A FIGURA. ………………………………………………………………………………………….. 393

INSERINDO AUTOFORMAS ……………………………………………………………………………………….. 394

TRABALHANDO COM WORD ART …………………………………………………………………………………. 394

EXCEL …………………………………………………………………………………….. 395

CARREGANDO O EXCEL 7 ……………………………………………………………………………………….. 395

A TELA DE TRABALHO …………………………………………………………………………………………… 396

MOVIMENTANDO-SE PELA PLANILHA ……………………………………………………………………………… 397

USANDO TECLAS ………………………………………………………………………………………………… 397

USANDO A CAIXA DE DIÁLOGO …………………………………………………………………………………… 398

USANDO O MOUSE ………………………………………………………………………………………………. 398

INSERINDO OS DADOS …………………………………………………………………………………………… 399

ENTRADA DE NÚMEROS ………………………………………………………………………………………….. 399

ENTRADA DE TEXTOS ……………………………………………………………………………………………. 400

ENTRADA DE FÓRMULAS …………………………………………………………………………………………. 401

A AUTO-SOMA …………………………………………………………………………………………………. 402

ALTERAÇÃO DO CONTEÚDO DE UMA CÉLULA ………………………………………………………………………. 402

SALVANDO UMA PLANILHA ……………………………………………………………………………………….. 403

CARREGANDO UMA PLANILHA …………………………………………………………………………………….. 404

FORMATAÇÃO DE CÉLULAS ……………………………………………………………………………………….. 405

SELEÇÃO DE FAIXAS …………………………………………………………………………………………….. 405

SELECIONANDO COM O MOUSE ………………………………………………………………………………….. 405

SELECIONANDO COM O TECLADO …………………………………………………………………………………. 406

DESMARCANDO UMA FAIXA ………………………………………………………………………………………. 406

FORMATAÇÃO DE TEXTOS E NÚMEROS ……………………………………………………………………………. 406

FORMATAÇÃO DE NÚMEROS ………………………………………………………………………………………. 406

ALTERAÇÃO DA LARGURA DAS COLUNAS …………………………………………………………………………… 407

ALTERANDO A LARGURA DA COLUNA COM O MOUSE ……………………………………………………………….. 407

ALTERANDO A LARGURA DA COLUNA POR MEIO DA CAIXA DE DIÁLOGO …………………………………………….. 407

APAGANDO O CONTEÚDO DE UMA OU MAIS CÉLULAS ……………………………………………………………… 408

CRIANDO GRÁFICOS ……………………………………………………………………………………………… 408

IMPRESSÃO DA PLANILHA ………………………………………………………………………………………… 411

FECHANDO A PLANILHA ATUAL ……………………………………………………………………………………. 411

CRIAÇÃO DE UMA NOVA PLANILHA ……………………………………………………………………………….. 411

ABANDONANDO O EXCEL 7 ……………………………………………………………………………………. 412

INTERNET EXPLORER …………………………………………………………………. 412

O QUE É A INTERNET? …………………………………………………………………………………………. 412

WORLD WIDE WEB (WWW) ………………………………………………………………………………… 412

ENDEREÇOS ELETRÔNICOS ……………………………………………………………………………………….. 413

O PROGRAMA INTERNET EXPLORER ………………………………………………………………………………. 413

OS BOTÕES DE NAVEGAÇÃO. …………………………………………………………………………………….. 414

CORREIO ELETRÔNICO ………………………………………………………………. 415

O QUE É UM CORREIO ELETRÔNICO? …………………………………………………………………………….. 415

GERENCIAR A CAIXA DE CORREIO ………………………………………………………………………………… 416

GUARDAR MENSAGENS EM ARQUIVOS CONVENCIONAIS ……………………………………………………………. 416

RESPONDER E RETRANSMITIR MENSAGENS ……………………………………………………………………….. 416

CRIAR E USAR APELIDOS ………………………………………………………………………………………… 416

IMPRIMIR MENSAGENS ………………………………………………………………………………………….. 416

O QUE É UMA MENSAGEM? ……………………………………………………………………………………… 417

ESTRUTURA DOS ENDEREÇOS ELETRÔNICOS ……………………………………………………………………… 417

QUANTO AO CONTEÚDO DAS MENSAGENS ………………………………………………………………………… 418

QUANTO AO ENVIO E RECEBIMENTO DE MENSAGENS ……………………………………………………………… 420

20. PSICOLOGIA APLICADA ……………………………………………….. 421

ADESÃO …………………………………………………………………………………….. 421

ACOLHIMENTO ………………………………………………………………………………. 422

ATENÇÃO FARMACÊUTICA ……………………………………………………………………. 424

ANTÍDOTO PARA A “EMPURROTERAPIA” ………………………………………………………………………….. 425

NOVO PARADIGMA ………………………………………………………………………………………………. 425

LUCRO EM SEGUNDO PLANO ……………………………………………………………………………………… 426

SEM PRESCRIÇÃO ……………………………………………………………………………. 427

“AGORA EU QUESTIONO” ……………………………………………………………………. 428

O PLACEBO E A ARTE DE CURAR …………………………………………………………….. 429

EFEITOS COLATERAIS INDUZIDOS PELOS PLACEBOS ……………………………………………………………….. 430

1. O PACIENTE …………………………………………………………………………………………………. 431

2. QUEM CURA …………………………………………………………………………………………………. 432

3. O “REMÉDIO” EM SI ……………………………………………………………………………………….. 433

Nesse capítulo vamos abordar algumas das principais funções do corpo humano, bem como conhecer melhor suas estruturas e órgãos.

CÉLULA É a unidade viva fundamental. As células são consideradas como a menor porção viva do orga- nismo. São tão pequenas que somente podem ser vistas depois de aumentadas centenas de vezes pelo microscópio. Cada órgão é um agregado de nume- rosas células, que se mantêm unidas por estruturas intercelulares.

FORMA É muito variável a forma das células que constituem o organismo humano. Nosso sangue possui células vermelhas (em forma de disco) e células brancas (globulosas). As células que formam os órgãos nervosos são estreladas e piramidais, e as que se encontram nos ossos são também estreladas.

CONSTITUIÇÃO As células se compõem de numerosos elementos, mas fundamentalmente são formadas por três partes:

MEMBRANA CELULAR É a camada que envolve a célula. Nas células vegetais, e em muitas células animais (células da pele, músculo), ela é visível ao mi- croscópio, mas em muitos outros tipos de células a membrana é tão fina que somente processos mais Através de seus diminutos poros ela seleciona os alimentos a serem ab- sorvidos pelo organismo (tecido).

Veja alguns exemplos dos elementos citoplasmáticos: -Retículo endoplasmático: o retículo endoplasmático aumenta o contato entre a célula e o exterior, facilitando a entrada e saída de substâncias.

-Complexo de Golgi: o complexo ou aparelho de Golgi tem sua função associada à secreção de elementos desnecessários à célula. Ele também produz material orgâ- nico necessário para o desenvolvimento da célula.

-Lisossomos: são bolsas que contém enzimas capazes de digerir diversas substân- cias orgânicas encontradas na célula.

-Centríolos: eles têm duas funções básicas. Eles participam da divisão celular e formam “cílios” que ajudam na locomoção e na captura de alimentos para a célula..

-Ribossomos: são responsáveis pela síntese das proteínas, nutriente vital para o corpo humano.

NÚCLEO É um corpúsculo imerso no citoplasma, geralmente globuloso e central. Sua forma e posição são muito variáveis. Ele regula as funções químicas das células e é formado pela membrana nuclear, cromossomos e nucléolo.

Nos cromossomos existem os genes, que representam e transmitem determi- nados caracteres (exemplo: a cor dos olhos).

A membrana celular, o citoplasma e o núcleo atuam de maneira integrada nos pro- cessos vitais da célula, como: absorção, me- tabolismo, eliminação das toxinas, armazenamento das substâncias oferecidas em excesso, fagocitose e locomoção.

HISTOLOGIA O corpo humano possui grupos de célu- las diferenciadas, com características adapta- das à sua função mas, de ação independente.

Os tecidos humanos são denominados: EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO

TECIDO EPITELIAL Forma as membranas, que são a camada mais superficial do corpo e, dessa forma, reveste a superfície corpórea, inclusive as cavidades (estômago, bexiga, etc.).

FUNÇÕES: · Protege o organismo contra as ações mecâ- · Absorve as substâncias (por exemplo, o epitélio intestinal absorve nutrientes).

TECIDO CONJUNTIVO É também conhecido como tecido conectivo. É o arcabouço básico de sustenta- ção, pois se caracteriza por possuir grande quantidade de substâncias intercelulares. Suas fibras podem ser de três tipos: colágenas, elastinas e reticulares. O tecido con- juntivo divide-se em: -Tecido conjuntivo frouxo: é formado por células com capacidade de proliferar e se modificar durante os processos inflamatórios e de cicatrização. Encontra-se sob a pele, na região subcutânea.

-Tecido conjuntivo fibroso: sua característica é a resistência à tensão e grande flexibilidade. É representado pelos tendões dos músculos, aponeuroses e cápsulas envoltórias de órgãos.

-Tecido elástico: sua característica é a elasticidade; é encontrado nas artérias maiores e nos ligamentos vocais da faringe.

-Tecido adiposo: é formado por células adiposas; é encontrado na forma de gordura de armazenamento (na parede do trato intestinal e no subcutâneo) e de gordura estrutural (preenchendo todos os espaços vazios). Funciona como reserva alimen- tar e como sustentação para órgãos; protege contra o frio e ações mecânicas.

-Tecido cartilaginoso: é formado por substâncias que promovem a sustentação do corpo com resistência elástica à pressão. São três os tipos de cartilagem: hialina, fibrosa (ou fibrocartilagem) e elástica.

-Tecido ósseo: constitui os ossos do nosso organismo; é formado por células ósseas (osteófitos) separadas por uma substância intersticial (ou fundamental).

-Tecido hematopoético: é responsável pela produção dos elementos sólidos do sangue. Encontra-se nas formas de tecido mielóide e tecido linfóide.

-Tecido muscular: é formado por células que se transformam em fibras e adquirem a propriedade de se contrair e relaxar. A musculatura é responsável pelos movi- mentos do organismo. As células musculares alongadas são conhecidas como fi- bras musculares. Elas apresentam diferentes estruturas:

sua contração independe da nossa vonta- -Músculo estriado: é composto por fibras que, vistas no microscópio, exibem estri- as verticais; esses músculos são de ação voluntária.

– Músculo cardíaco: apresenta fibras SISTEMA URINÁRIO FUNÇÃO A formação de urina e sua eliminação estão entre as mais importantes funções do organismo, permitindo que a composição do sangue não se altere com o acúmulo de substâncias nocivas. A depuração do sangue é feita pelo sistema urinário.

COMPOSIÇÃO RIM Tem como funções atuar no controle dos sais do corpo, sobre os líquidos e no aproveitamento de substancias utilizáveis pelo organismo. Forma a urina. É composto por três áreas: córtex renal, medula renal e pelve renal.

URETERES São dois condutores musculares dotados de paredes grossas capazes de se contrair ritmicamente, a fim de impulsionar a urina. Sua função é conduzir a urina da pelve renal para a bexiga.

BEXIGA Órgão oco, músculo-membranoso, de forma esférica. Trata-se de um “depósito inteligente”: quando a bexiga fica cheia, uma série de correntes nervosas avisa

o cérebro de que é necessário esvaziá-la. Se isso não for possível, a bexiga relaxa suas paredes para receber mais urina e aperta o esfíncter para não “vazar”. O mecanismo de retenção ou esvaziamento é controlado pelo SNA (sistema nervoso autônomo). O SNA simpático atua na retenção; o SNA parassimpático, no esvaziamento. Sua função é receber urina dos rins trans- portada pelos ureteres e armazená-la temporariamente.

COMPOSIÇÃO DA URINA: . 2% – Sais mine- rais: sódio, potás- . 3% – substâncias orgânicas: uréia, ácido úrico, ácido hipúrico, creatina.

URETRA Último segmento do sistema urinário. Sua função é conduzir a uri- na para fora do orga- nismo. No homem, além de conduzir a uri- na, a uretra conduz o esperma.

PRÓSTATA Glândula acinosa situ- ada na porção inicial da uretra masculina, abaixo da bexiga, tem a forma de um cone cuja base está voltada para a bexiga. No sistema urinário tem a função de fazer a conexão da bexiga com a uretra, bloqueando as vias seminais e liberan- do as vias urinárias.

SISTEMA NERVOSO FUNÇÃO Controla e coordena as funções de todos os sistemas do organismo. Permite a possibilidade de sentir o meio ambiente, mover-se e gerenciar diferentes atos psíquicos.

É composto por células nervosas chamadas neurônios, que se comunicam por impulsos eletroquímicos entre terminações chamadas axônios e dendritos, que for- mam enormes redes de comunicações.

Os neurônios podem ser classificados em três categorias: NEURÔNIOS SENSORIAIS Transportam ao SNC (sistema nervoso central) mensagens de todos os receptores do corpo. Essas mensagens, chamadas de impulsos nervosos, referem-se a sensações de luz, cheiro, som, gosto, dor (200 terminais por cm2), tato (25 terminais por cm2), calor (12 terminais por cm2), frio (2 terminais por cm2) e pressão.

NEURÔNIOS DE ASSOCIAÇÃO São células nervosas que ligam neurônios motores a neurônios sensoriais e coordenam as respostas do SNC às in- formações por ele recebidas.

NEURÔNIO MOTOR São células nervosas existentes no SNC que transmitem impulsos vindos de outros neurônios; esses impulsos fazem o corpo celular enviar seus próprios im- pulsos ao longo de uma fibra de saída, o axônio, ao músculo por ele controlado.

FIBRAS NERVOSAS São os prolongamentos (axônio ou dendrito) de neurônios cujos corpos situam- se, normalmente, no encéfalo ou na medula. Cada fibra é constituída por um eixo central que contém as neurofibrilas e pode estar envolvido por uma bainha rica de lipídios, denominada bainha de mielina. A função da bainha de mielina é provavelmen- te servir de isolante elétrico, pois devido à sua natureza lipídica ela impede o fluxo de íons.

A conexão entre dois neurônios recebe o nome de sinapse. É uma região contí- nua e não- contínua entre duas células nervosas. A sinapse acontece entre o axônio do primeiro neurônio e os dendritos ou o corpo celular do segundo neurônio.

SNC (SISTEMA NERVOSO CENTRAL) É formado pelo encéfalo (cérebro, cerebelo), tronco encefálico (mesencéfalo, ponte e bulbo) e medula espinhal. É envolvido pelas meninges: pia-máter, aracnóide e dura- máter. O encéfalo localiza-se dentro da caixa craniana. Todos esses órgãos são forma- dos por uma substância branca e outra cinzenta.

ENCÉFALO Centro de controle do corpo, é a mais complexa estrutura do SNC. Preenche a parte superior da cabeça e é protegido pelos ossos cranianos.

Sua função é controlar todas as atividades do corpo como percepção do mundo exterior, movimentos dos ossos, funcionamento do organismo; permite pensar, lem- brar e ter sensações.

CÉREBRO Localizado na caixa craniana, é a parte mais importante do SNC. Tem forma ovóide e é dividido em duas partes simétricas chamadas hemisférios cerebrais, unidos entre si por uma ponte de substância branca chamada “corpo caloso”.

Sua função é controlar o corpo – tudo o que ele faz, sente e pensa. O cérebro recebe informações de todas as partes do organismo, processa-as e envia mensagens aos músculos, avisando-os sobre o que fazer.

Cada saliência do cérebro está relacionada a determinadas funções. Por exem- plo: a parte anterior do cérebro, junto ao osso frontal, está relacionado à elaboração do pensamento.

O hemisfério cerebral direito recebe as informações e controla os movimentos do lado esquerdo do corpo. Parece idêntico ao hemisfério esquerdo, mas na maioria das pessoas ele controla atividades específicas, como as artísticas e criativas.

O hemisfério cerebral esquerdo recebe informações sobre o lado direito do corpo e controla os movimentos dessa região. Na maioria das pessoas, controla certas atividades específicas como, por exemplo, as habilidades matemáticas, científicas e de linguagem.

CEREBELO Sua função está relacionada com a regularização do tônus muscular. Ele contro- la a harmonia dos movimentos da musculatura esquelética.

TRONCO ENCEFÁLICO MESENCÉFALO Importante para o movimento ocular e o controle postural subconsciente; con- Exemplos de estruturas de importância: pedúnculos cerebrais e corpos quadrigêmeos (anteriores = visão; posteriores = audição).

PONTE Contém grande quantidade de neurônios, que retransmitem informações do córtex cerebral para o cerebelo, garantindo assim a coordenação dos movimen- tos e a aprendizagem motora.

Serve de elo entre as informações do córtex que vão para o cerebelo, para que este coordene os movimentos pretendidos e reais. Também vai estar no caminho dos impulsos direcionados à medula. Na ponte também ocorre a inversão da lateralidade das inervações motoras provenientes dos hemisférios direito e esquerdo.

BULBO Sua função é atuar como centro de controle de várias funções vitais, entre elas ritmar as batidas do coração, controlar a pressão do sangue e estabelecer a freqüência e a intensidade da respiração. Também conduz os impulsos nervosos do cérebro para a medula espinhal e vice-versa.

MEDULA ESPINHAL Sua função é recolher estímulos sensitivos do SNA (sistema nervoso autônomo) periférico e encaminhá-los para o restante do SNC; conduzir estímulos do SNC para o SNA periférico e elaborar respostas simples para alguns estímulos, uma resposta à excitação de um nervo sem a intervenção voluntária do indivíduo (arco-reflexo).

MENINGES . Pia-máter – É fina e possui muitos vãos sangüíneos; envolve diretamente os órgãos.

. Aracnóide – Membrana intermediária de consistência esponjosa e muito rica em vasos.

. Dura-máter – Unida aos ossos, é a mais espessa das meninges; dá suporte ao encéfalo.

O espaço entre a aracnóide e a pia-máter é ocupado pelo “liquor” ou “líquido cefalorraquidiano”, que tem a função de amortecer impactos.

SUBSTÂNCIA BRANCA Atua como uma rede de comunicações, interligando partes do encéfalo e ligan- do-as à medula espinhal; é a região que contém fibras nervosas de conexão. Essas fibras e as camadas que as recobrem são esbranquiçadas, daí a expressão “massa branca”.

SUBSTÂNCIA CINZENTA É feita de neurônios e de suas conexões, que recebem, analisam e transmitem impulsos nervosos. Forma no encéfalo o córtex, a camada mais externa do cérebro. Com apenas 4 milímetros de espessura, contém mais de 10 bilhões de neurônios. É o centro de controle do encéfalo. Na medula, espinhal a massa cinzenta forma um núcleo em forma de “H”, no qual ocorre uma comunicação entre neurônios.

SNP (SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO) É formado por uma imensa rede de nervos que partem do encéfalo e da medula espinhal e ramificam-se por todo o corpo ao lado das artérias, veias e vasos linfáticos. No seu percurso (especialmente junto à coluna vertebral) encontram-se gânglios de coloração cinza-rósea. Existem 12 pares cranianos e 31 pares raquidianos.

Sua função é coletar informações para o SNC pela sensibilidade e executar or- dens pela motricidade.

NERVOS CRANIANOS Os nervos cranianos saem diretamente do encéfalo, atuando sobre órgãos e músculos da cabeça e do ombro. Apenas o nervo vago se dirige para o interior do tronco e enerva o coração, o estômago, o intestino e diversos outros órgãos. São em número de 12 pares, dos quais três pares são sensitivos (nervo olfatório, óptico e o auditivo), cinco são motores (oculomotor, troclear, abducente, espinhal e o nervo hipoglosso) e quatro mistos (trigêmeo, facial, glosso faríngeo e o vago).

Têm a função de transmitir percepções de som, cheiro, gosto, tato, pressão, dor, luz, frio e calor.

NERVOS RAQUIDIANOS São 31 pares, que saem da medula espinhal e ramificam-se por todo o corpo. Todos eles são mistos, isto é, coletam percepções de tato, pressão, calor, frio e dor, da pele ou órgãos, levando-as para a medula e, desta, para o cérebro, bem como rece- bem do cérebro, via medula, as ordens emitidas pelo mesmo como resposta aos estí- mulos enviados, executando-as.

São constituídos por: · 8 pares cervicais · 5 pares sacrais · 12 pares dorsais · 1 par coccígeno · 5 pares lombares

SNE (SISTEMA NERVOSO EMOTIVO) Sabemos que as emoções, em sua mais simples definição, são substâncias quí- micas produzidas no hipotálamo. Sabemos também que determinadas emoções (subs- tâncias) costumam somatizar em órgãos preferenciais.

SNA (SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO) Controla a vida vegetativa, sem que o indivíduo tome consciência dessa ação. Exemplos: temperatura corporal, freqüência cardíaca, secreção de suor, expulsão da urina, mobilidade e as secreções digestivas.

O SNA subdivide-se em dois: o parassimpático e o simpático, que trabalham em conjunto para provocar efeitos opostos em muitas áreas do organismo. Exemplo: se o sistema simpático acelera as batidas do coração, o parassimpático entra em ação diminuindo o ritmo cardíaco.

SNA PARASSIMPÁTICO Funções do Sistema Nervoso Parassimpático

OLHO CORAÇÃO Redução do volume-minuto cardíaco, do ritmo de batimentos, da quantidade de estímulos e da sensibilidade aos estímulos.

RESPIRAÇÃO Redução da sensibilidade aos estímulos dos centros respiratórios, contração dos brônquios, redução do volume respiratório e do fluxo san- guíneo destinado aos pulmões.

SISTEMA DIGESTÓRIO Aumento do fluxo salivar, contração da gargan- ta, abertura da entrada do estômago, aumento do tônus da musculatura gástrica, ativação do peristaltismo, aumento da secreção das glân- dulas gástricas, abertura da saída do estôma- go, aumento do tônus dos músculos dos intesti- nos grosso e delgado e ativação do peristaltismo intestinal.

BEXIGA Descarga da urina, ativação do músculo Funções do Sistema Nervoso Simpático

OLHO CORAÇÃO Aumento do volume-minuto cardíaco, da fre- qüência cardíaca, da intensidade de estímulo, da força de contração e da sensibilidade aos estímulos.

RESPIRAÇÃO Aumento da sensibilidade aos estímulos dos centros respiratórios, dilatação dos brônquios, aumento do volume respiratório e do fluxo san- guíneo destinado aos pulmões.

SISTEMA DIGESTÓRIO Redução do fluxo salivar, dilatação da faringe, fe- chamento da entrada gástrica, redução do tônus da musculatura gástrica, inibição do peristaltismo, redução da secreção das glândulas gástricas, fe- chamento da saída do estômago, redução do tônus dos músculos dos intestinos grosso e del- gado e inibição do peristaltismo intestinal.

Origina-se nas porções craniais acompanhando nervos cranianos e sacral, emer- gindo com os nervos raquidianos e acompanhando o nervo vago, que desce ao longo do esôfago para enervar os pulmões, o coração, o estomago, o intestino, o fígado, as vias biliares e urinárias.

SNA SIMPÁTICO Sua função é a de preparar o corpo para situações de emergência, esforço ou inibir o parassimpático. Faz isso aumentando o metabolismo cerebral, a tensão arteri- al, a freqüência cardíaca e a sudação. Estimula as glândulas supra-renais para que liberem adrenalina e noradrenalina, hormônios que mantêm o sistema.

ALGUMAS FUNÇÕES DO SNA PARASSIMPÁTICO E SIMPÁTICO ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO CENTRAL

AUTÔNOMO PERIFÉRICO SIMPÁTICO (VIGÍLIA) PARASSIMPÁTICO (REPOUSO) NERVOS CRANIANOS (CABEÇA, PESCOÇO, OMBROS) NERVOS RAQUIDIANO (CORPO INTEIRO)

SISTEMA CIRCULATÓRIO O sistema circulatório é composto pelo coração e pelos vasos sanguíneos, que são: as artérias, as veias e os capilares. A sua função é realizar a circulação sanguínea para: – Distribuir alimento e oxigênio para as células do corpo.

– Transportar CO , vindo das células, que será eliminado através dos pulmões. 2

– Desempenhar um papel importante no sistema imunológico na defesa contra infecções.

SISTEMA CARDIOVASCULAR O sistema circulatório humano é composto de sangue, sistema vascular e cora- ção. O coração é o órgão que bombeia o sangue. O sistema vascular é composto pelos vasos sanguíneos: artérias, veias e capilares.

As artérias são os vasos pelos quais o sangue sai do coração. As veias são os vasos que trazem o sangue para o coração. Os capilares são vasos microscópicos, com parede de apenas uma célula de espessura e que são responsáveis pelas trocas de gases e nutrientes entre o sangue e o meio interno.

O sangue segue um caminho contínuo, passando duas vezes pelo coração antes de fazer um ciclo completo. Pode-se dividir o sistema circulatório em dois segmentos: a circulação pulmonar e a circulação sistêmica.

CIRCULAÇÃO PULMONAR A circulação pulmonar ou pequena circulação inicia-se no tronco da artéria pul- monar, seguindo pelos ramos das artérias pulmonares, arteríolas pulmonares, capila- res pulmonares, vênulas pulmonares, veias pulmonares, e deságua no átrio esquerdo

do coração. Na sua primeira porção, transporta sangue venoso. Nos capilares pulmo- nares o sangue é saturado em oxigênio, transformando-se em sangue arterial.

CIRCULAÇÃO SISTÊMICA A circulação sistêmica ou grande circulação se inicia na aorta, seguindo por seus ramos arteriais e na seqüência pelas arteríolas sistêmicas, capilares sistêmicos, vênulas sistêmicas e veias sistêmicas, estas se unindo em dois grandes troncos: a veia cava inferior e a veia cava superior. Ambas deságuam no átrio direito do coração. Sua primeira porção transporta sangue arterial. Nos capilares sistêmicos o sangue perde oxigênio para os tecidos e aumenta seu teor de gás carbônico, passando a sangue venoso.

OUTRAS DEFINIÇÕES CIRCULAÇÃO VISCERAL CIRCULAÇÃO PORTAL O sangue venoso dos capilares do trato intestinal drena na veia portal, que ao invés de levar o sangue de volta ao coração, leva-o ao fígado. Isso permite que esse órgão receba nutrientes que foram extraídos da comida pelo intestino. O fígado também neutraliza algumas toxinas recolhidas no intestino. O sangue se- gue do fígado às veias hepáticas e então para a veia cava inferior, para seguir ao lado direito do coração, entrando no átrio direito e voltando para o início do ciclo, no ventrículo direito.

CIRCULAÇÃO FETAL O sistema circulatório do feto é diferente, já que o feto não usa pulmão, mas obtém nutrientes e oxigênio pelo cordão umbilical. Após o nascimento, o siste- ma circulatório fetal passa por diversas mudanças anatômicas, incluindo fecha- mento do duto arterioso e do forame oval.

O forame oval é uma importante comunicação entre os dois lados do coração durante a vida intra-uterina. Essa estrutura permite a passagem do fluxo sangüíneo para o ventrículo esquerdo (VE), promovendo o seu adequado de- senvolvimento. A restrição ao fluxo através do forame oval constitui-se em grave distúrbio da circulação pré-natal, com seqüelas potenciais na vida pós- natal. Assim, uma avaliação completa do fluxo sangüíneo interatrial é essencial em fetos de alto risco. A detecção precoce desse problema otimiza o manejo perinatal, gerando desfechos clínicos potencialmente melhores.

CIRCULAÇÃO CORONÁRIA É o conjunto das artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias próprios do coração.

ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO CARDIOVASCULAR LINFÁTICO ESQUEMA DE FUNIONAMENTO LI (LIMP IMUNI NFA EZA E DADE) LINFO NODOS – PRODUÇÃO DE ANTICORPOS (DEFESA) – PASSAGEM DA LINFA PARA SISTEMA VENOSO (LIMPEZA)

SISTEMA LINFÁTICO / IMUNOLÓGICO O sistema linfático tem duas diferentes funções: limpeza e defesa.

Ele atua na limpeza do organismo esvaziando os interstícios celulares de macromoléculas, as quais são le- Participam dessa função de limpeza: a linfa, os vasos lin- fáticos, os linfonodos e os linfócitos de ação fagocitária.

Na função de defesa ele produz linfócitos, aprisio- nando agentes agressores e produzindo anticorpos. Par- ticipam da função de defesa: a linfa (como meio de trans- porte), os linfonodos, os linfócitos, as tonsilas (faríngeas, palatinas e sublingual), o timo, o baço e o apêndice.

LINFA É o liquido que encontramos nos vasos linfáticos. Era líquido intersticial e será sangue venoso quando se misturar a este no ângulo venoso, formado pelas veias subclávia e cava. Percorre os vasos linfáticos que, conforme aumentam de calibre, recebem o nome de: capilares, vasos e ductos linfáticos.

A composição da linfa é praticamente a mesma do sangue, excetuando-se a existência de glóbulos vermelhos, o que faz a linfa ser de coloração transparente. Por ela circulam, além das impurezas retidas do meio intersticial, proteínas, hormônios, glóbulos brancos e, ocasionalmente, dos intestinos ao fígado, nutrientes (moléculas de gordura).

LINFONODOS São expansões nodulares de forma ovalada nas quais vasos linfáticos penetram trazendo linfa e seus componentes. Consistem de tecido linfático, coberto por uma cápsula de tecido conjuntivo fibroso.

LEUCÓCITOS São formados nos ossos e nos órgãos linfáticos. Podem ser divididos nas seguintes classes:

LEUCÓCITOS GRANULARES · Neutrófilos: fazem 65% da população total dos leucócitos; provêm da me- dula óssea.

· Eusinófilos: fazem 3% da população total dos leucócitos; sua concentra- ção aumenta nas reações alérgicas.

LEUCÓCITOS NÃO-GRANULARES · Linfócitos: fazem 30% dos leucócitos; originam-se nos tecidos linfáticos e na · Monócitos: Macrófagos: são os maiores leucócitos; têm ação fagocitária.

ANTICORPOS Facilitam a destruição dos agentes nocivos. São formados por proteínas, como a globulina. Constituem o resultado final da proliferação de linfócitos “B” (Existem linfócitos “B”, que atuam mais eficazmente nas infecções agudas e “T”, que são eficientes nas crônicas).

TONSILAS São órgãos linfáticos constituídos por numerosos folículos de tecido linfóide, dispostos em nódulos, possuindo centros germinativos de anticorpos e linfócitos. Clas- sificam-se em tonsilas faríngeas, tonsilas palatinas e tonsila lingual. Todas atuam como defesa adicional contra agentes infecciosos provenientes da boca e do nariz. Exercem essa função de defesa dando o alarme, formando linfócitos através do seu tecido linfóide e produzindo anticorpos.

TIMO Órgão achatado, seu tamanho aumenta durante a infância Tem um papel crítico no desenvolvimento e proteção do organismo. Produz um hormônio chamado timozina. Combate a invasão por microorganismos infecciosos e também atua na iden- tificação e destruição de qualquer coisa que possa ser descrita como “não própria”, incluindo células malignas.

BAÇO É o maior órgão do sistema imunológico e caracteriza-se por não possuir circu- lação linfática.

Na defesa do organismo, o baço filtra os microorganismos estranhos do sangue, produzindo linfócitos e plasmócitos, que fabricam anticorpos.

APÊNDICE Pequena porção do intestino, produz alguns leucócitos, que contribuem na defe- sa da região em que está localizado.

SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite a captação de oxigê- nio e a eliminação de dióxido de car- bono, propiciando assim a troca de gases.

FOSSAS NASAIS São duas cavidades situadas na face, recobertas por uma membrana chamada “pituitária” ou “mucosa nasal”. Em cada fossa nasal existe uma abertura anterior, a narina, e uma posterior, a coana, que têm comunicação direta com a faringe.

FARINGE É um canal músculo-membranoso dilatável, contráctil e flexível, situado atrás das fossas nasais e da boca, terminando interiormente na laringe e no esôfago.

Tem função digestiva e respiratória. Impede que substâncias não-gasosas pe- netrem no pulmão, acionando a epiglote quando engolimos.

LARINGE É uma estrutura músculo-cartilagínea situada na parte posterior do pescoço.Tem como função evitar a penetração de conteúdo alimentar nas vias respiratórias e filtragem.

TRAQUÉIA Sua função é levar o ar até os pulmões. Contém muco e cílios, cuja finalidade é a de reter as impurezas pelo trato respiratório, varrendo-as para cima.

PULMÕES São dois, um direito e outro esquerdo, situados na caixa torácica e separados pelo coração e pelo esôfago. Constituem os órgãos fundamentais da respiração. Através de seus movimentos de contração e expansão, introduzem e expelem gases.

BRÔNQUIOS/BRONQUÍOLOS Os brônquios são duas ramificações da traquéia que penetram nos pulmões e, à medida que vão se ramificando, diminuem de “calibre”, passando a chamar-se “bronquíolos”.

Função: na inspiração, conduzir o ar proveniente do exterior até os alvéolos pulmonares e, na expiração, devolver os gases ao meio exterior. Também colaboram na filtragem do ar através de mucos, cílios e macrófagos.

ALVÉOLOS Minúsculas bolsas em forma de cachos na ponta dos bronquíolos. Estão envolvi- dos por uma rede de vasos sanguíneos – os capilares.

Função: nas condições apropriadas (limpeza, calor e umidade), o oxigênio, na inspiração, passa através da parede de um alvéolo e prende-se a um glóbulo verme- lho, o dióxido de carbono, oriundo de combustão celular, desprende-se do glóbulo vermelho e, passando pela parede do alvéolo, percorre o caminho da expiração, che- gando ao meio exterior.

DIAFRAGMA Grande músculo disposto horizontalmente e que separa a caixa torácica da cavidade abdominal.

Função: quando se contrai determina o aumento dos diâmetros torácicos, faci- litando a inspiração. A expiração se dá quando ele relaxa e as costelas se contraem. Isto expulsa o ar dos pulmões.

COSTELA E MÚSCULOS INTERCOSTAIS As costelas e os músculos intercostais, por expansão, provocam um aumento da caixa torácica que, vedada pelo diafragma contraído, propicia um vácuo que permi- te a inspiração. Na expiração ocorre o inverso.

SISTEMA DIGESTÓRIO Função: metabolismo dos alimentos ingeridos e sua absorção, além da eliminação de produtos sólidos rejeitados na digestão. Ele é composto por:

BOCA LÍNGUA Órgão muscular ímpar de forma cônica, revestido por mucosa, situado na cavi- dade bucal entre as arcadas dentárias.

Função: indução à salivação, formação e movimentação do bolo alimentar. Ini- cia a quebra e processa a deglutição dos alimentos.

DENTES Função: Os dentes misturam, com auxilio da língua, o alimento e a saliva, sendo que os dentes incisivos cortam, os caninos rasgam e os pré-molares e molares trituram.

GLÂNDULAS SALIVARES São seis e estão localizadas ao redor da cavidade bucal. São denominadas parótidas, submaxilares e sublinguais.

Função: elaborar a saliva, que é um líquido inodoro e que se divide em dois tipos: simpática (espessa e escassa) e parassimpática (fluida e abundante). Quando parassimpática, ativa o suco gástrico, mediante a presença da amilase salivar.

ÚVULA Apesar de não constar como órgão do sistema digestório, acredita-se que a úvula, localizada no final da faringe, no “teto”, em forma de “sino”, exerça função de estimular o peristaltismo do esôfago e estômago.

FARINGE Função: através da válvula epiglote a faringe impede que líquidos e sólidos sejam desviados para os pulmões.

ESÔFAGO É um canal músculo-membranoso que une a faringe ao estômago. Possui, em suas paredes, glândulas que secretam substâncias lubrificantes, facilitando o desloca- mento do alimento até o estômago.

ESTÔMAGO É um órgão cavitário, uma espécie de bolsa, lembrando um “J”. O estômago tem três zonas distintas: a cárdia, que o separa do esôfago; o fundo, onde se encon- tram as glândulas produtoras de suco gástrico; e o piloro, que o separa do duodeno.

Função: receber os alimentos já insalivados, decompô-los em substâncias mais simples e encaminhá-lo para os intestinos.

PROCESSO DIGESTIVO O alimento fica no estômago de trinta minutos a três horas. Nesse período, é amassado e comprimido pelos fortes músculos estomacais, até virar uma pasta cre- mosa. Por causa das inúmeras transformações que ocorrem em seu interior o alimen- to recebe o nome de “quimo”, pasta esbranquiçada e mole que, através do piloro, entra no duodeno.

PILORO Válvula em forma de anel muscular (esfíncter), que promove a comunicação do estômago com o duodeno.

INTESTINO O intestino é formado por uma camada mucosa envolta por uma parede muscular constituída por uma porção externa de fibras longitudinais. O intestino divide-se em duas partes: Intestino delgado: duodeno, jejuno e íleo.

Função: receber o alimento parcialmente digerido (quimo) e dar prosseguimen- to à decomposição das proteínas, hidratos de carbono e gorduras. No intestino delgado, as moléculas que compõem essa massa são transformadas em substâncias mais simples e absorvidas pelo sangue e linfa através das vilosidades intestinais.

A água e algumas vitaminas são absorvidas no intestino grosso. Nele os alimen- tos não aproveitados pelo organismo gradualmente, transformam-se no bolo fecal e são expelidos através do esfíncter anal.

INTESTINO DELGADO DUODENO Função: nele ocorrem as principais funções químicas da digestão. Através da JEJUNO Segunda parte do intestino delgado. O seu nome vem do fato de, no cadáver, estar sempre vazio de alimento. Enche a maior parte do abdômen, desempe- nhando múltiplas circunvoluções. Tem numerosos vasos capilares sangüíneos, que depois se reúnem e vão formar as veias mesentéricas, constituintes da ILEO Último segmento do intestino delgado, mede cerca de 4 metros de comprimen- to e tem 2,5 centímetros de diâmetro. O íleo toma o seu nome do osso ilíaco. Função: absorver nutrientes.

INTESTINO GROSSO É a parte final do tubo digestivo. Mede cerca de 1,70 metros de comprimento e tem 7 centímetros de diâmetro. Começa na parte inferior direita do abdômen, pouco acima da junção da coxa com o tronco, e divide-se em três partes: cecun, cólon e reto. É caracterizado por sua distensibilidade, pela extensão de tempo

que retém seu conteúdo e pela disposição de sua musculatura, que possibilita a Função: absorção da água, vitaminas e sais minerais, transformando o quimo RETO Parte final do intestino grosso, situa-se na superfície anterior do sacro e cóccix, Função: fazer comunicar o cólon sigmóide com o exterior do esfíncter anal e Esses resíduos (fezes) são compostos de alimentos não digeridos, muco, células mortas e bactérias. Ao se acumularem no reto as fezes exercem pressão na parede do tubo, excitando terminais nervosos que, em reação, enviam impul- sos ao sistema nervoso central. Este, então, ordena contrações ao reto, o que gera a vontade de defecar.

Outros órgãos que contribuem para o processo digestivo: FÍGADO É a maior glândula do corpo e está localizado na parte superior da cavidade abdominal, abaixo da cúpula diafragmática.

Tem funções múltiplas, indispensáveis à vida do organismo, como: produção de bile, colesterol e inúmeras proteínas; depósito de glicogênio, gorduras (fonte de ener- gia); intervenção no metabolismo dos lipídios; conversão de substâncias.

VESÍCULA BILIAR Pequeno saco com formato de pêra, localizado posteriormente e na parede inferior do fígado. A bile é um líquido de cor amarela, mas que se torna esverdeado pela oxidação; é secretado pelas células hepáticas através dos canais biliares e lança- do no duodeno, onde colabora para as funções da digestão. A função da bile é auxiliar

na digestão, combatendo a acidez, ativando os demais fermentos, decompondo as gorduras, impedindo a putrefação intestinal e ativando a lípase gástrica.

Função: acumular parte da bile secretada pelas células hepáticas e, num segun- do tempo, lançá-la no duodeno através do ducto cístico e do ducto colédoco.

PÂNCREAS É uma glândula grande e lobulada de dupla função (endócrina e exócrina), que se assemelha em estrutura às glândulas salivares. Localiza-se no abdômen, atrás do estômago.

Possui funções endócrinas (que abordaremos no sistema endócrino) e exócrinas ou digestivas, que formam o suco pancreático.

O suco pancreático atua no duodeno, chegando através do ducto pancreático acessório e colédoco. É composto por enzimas digestivas: protease, para digestão das proteínas; lipase, para digestão dos lipídios; amilase pancreática, para digestão do amido e nuclease, para a digestão dos ácidos nucléicos.

VÁLVULA ILEOCECAL Está situada entre a porção terminal do intestino delgado (íleo) e o cecun, segmento de maior calibre.

Função: impedir o refluxo do material proveniente do cecun e retardar o esva- ziamento do intestino delgado se o cecun estiver repleto.

ESFÍNCTER ANAL É a abertura do canal anal. Tem anéis musculares que podem relaxar, permitin- do o alargamento da passagem durante a defecação (expulsão das fezes).

SISTEMA ESQUELÉTICO Tem a função de suportar tecidos adjacentes, proteger os órgãos vitais e outros tecidos moles do corpo. Auxilia no movimento do corpo, fornecendo inserção dos múscu- los e funcionando como alavanca. Produz células sanguíneas (medula vermelha). Fornece uma área de armazenamento para sais minerais, especialmente fósforo e cálcio, para suprir as necessidades do corpo. Responsável pela forma do corpo. Também é depósito de gordura (medula amarela).

OSSOS O osso é formado por várias substâncias que são responsáveis pela sua consis- tência e por sua firmeza.

Classificação dos ossos: OSSOS LONGOS Existe uma parte mediana comprida, a diáfise, ou corpo ósseo, e duas extremi- dades, as epífises. É o que acontece com o fêmur e o úmero. A parte externa da epífise é formada por uma camada fina de osso compacto, e a parte interna por substância esponjosa. A diáfise encerra uma cavidade em seu interior, a cavida- de medular, rodeada de tecido compacto.

OSSOS CURTOS Verifica-se que as três dimensões são praticamente iguais, o que lhes confere grande resistência, ainda que geralmente possuam pouca mobilidade. Exemplo: ossos do punho.

OSSOS CHATOS São ossos achatados de pequena espessura em relação ao seu comprimento e largura. A escápula é um exemplo.

ESQUELETO O esqueleto é comumente dividido em duas partes principais: o esqueleto axial e o esqueleto apendicular. O esqueleto axial é formado pelo crânio, pela coluna verte- bral, pelas costelas e pelo esterno, enquanto o esqueleto apendicular é formado pelos membros superiores (úmero, rádio, ulna e ossos da mão) e pelos membros inferiores (fêmur, tíbia, fíbula, patela e ossos do pé).

As uniões entre o esqueleto axial e o esqueleto apendicular são realizadas pelas cinturas ou cíngulos. Unindo cada membro superior ao esqueleto axial está a respec- tiva cintura escapular, formada pela escápula e pela clavícula. Unindo cada membro inferior ao esqueleto axial está a cintura pélvica, que na infância é formada pelos ossos ílio, ísquio e púbis, unidos por cartilagem. Durante a adolescência estes três ossos se fundem, formando um osso único, o osso do quadril.

Chamamos de ossos pares aqueles que aparecem em número de dois no esque- leto, e de ímpares os que são únicos.

Conheça a seguir os ossos existentes nas diferentes partes do corpo:

CABEÇA Os ossos da cabeça são divididos em ossos do crânio e ossos da face. Os ossos do crânio envolvem e protegem o cérebro e são ao todo oito, dos quais dois são pares e quatro são ímpares. A face é formada por 14 ossos, sendo seis pares e dois ímpares.

TÓRAX Composto por doze pares de ossos em forma de arco. Esses ossos, denomina- dos costelas, envolvem a cavidade torácica, protegendo os órgãos vitais como o pulmão, o coração e o fígado. São sete pares de costelas que se prendem, por meio de cartilagens, ao osso esterno, recebendo nome de costelas verdadeiras. Há também três pares de costelas que se prendem, por meio de cartilagens, ao sétimo par da costela verdadeira e recebem o nome de costelas falsas. Existem ainda as costelas flutuantes, que são dois pares.

COLUNA A coluna vertebral é um conjunto de ossos curtos e superpostos que recebem o nome de vértebras. Constitui a estrutura básica do esqueleto, pois sustenta a cabeça e o tronco. Além disso protege a medula espinhal, importante compo- Ela serve de apoio para as outras partes do esqueleto. Além disso, as vértebras têm um canal por onde passa a medula nervosa ou medula espinhal, que fica, Como a coluna é feita de vértebras que se articulam, nós podemos realizar Quando a coluna é vista de frente, ela é reta; quando é vista de lado, forma duas curvaturas em forma de S. Essa curvatura dá o equilíbrio necessário para · Região cervical: constituídas pelas sete vértebras do pescoço. A primeira vértebra, chamada atlas, articula-se com o crânio, possibilitando que ele se · Região torácica: constituída por doze vértebras que servem de ponto de · Região lombar: constituída por cinco vértebras grandes. Essa região su- · Região sacrococcigiana: constituída pelo sacro e pelo cóccix. O osso sacro resulta da soldadura de cinco vértebras, servindo de articulação para o osso itálico, que se articula com o fêmur. O osso cóccix é formado pela soldadura das quatro últimas vértebras.

MEMBROS SUPERIORES O osso do braço é o úmero, longo e robusto; o antebraço é formado pelos ossos Com os dois ossos do antebraço, articula-se na sua parte inferior a mão, que é formada por uma série de 13 ossos pequenos: oito são chamados ossos do carpo, que formam o punho; cinco são denominados metacarpos, e correspondem à superfície dorso-palmar da mão. Os dedos da mão são formados pela primei- ra, segunda e terceira falanges (o polegar tem só duas).

MEMBROS INFERIORES São maiores e mais compactos, adaptados para sustentar o peso do corpo e A coxa só tem um osso – o fêmur – que se articula com a bacia pela cavidade catilóide. O fêmur tem volumosa cabeça arredondada, presa à diáfise por uma porção estreitada – o colo anatômico. A extremidade inferior do fêmur possui uma porção articular – a tróclea – que apresenta dois côndilos separados pela chanfradura inter-condiliana. O fêmur é o maior de todos os ossos do esqueleto. Os dedos são prolongamentos articulados que terminam nos pés. O pé é com- posto pelos ossos tarso, metatarso e os ossos dos dedos. O metatarso é a parte do pé situada entre o tarso e os dedos. O tarso é a porção de ossos posterior do esqueleto do pé.

CINTURA PÉLVICA Os membros inferiores estão unidos ao osso sacro por meio de um sistema de ossos que são denominados cintura pélvica ou pélvis, que é formada pela fusão de três ossos: íleo, ísquio e púbis. Com a pélvis, articula-se o fêmur, osso do quadril que é o mais longo e mais robusto de todo o corpo.

ARTICULAÇÕES É a união de dois ou mais ossos contíguos. Os ossos de uma articulação desli- zam uns sobre os outros sem atrito, devido à presença de cartilagens lisas, presentes nas extremidades dos ossos, e a lubrificação proveniente do líquido sinovial ali exis- tente.

Função: proteger os ossos do desgaste do atrito, facilitar o deslocamento de um osso sobre o outro.

· Sínfises: articulações recobertas por cartilagens hialinas e unidas por fibrocartilagens, além de tecido fibroso. Exemplo: sínfise púbica.

· Sinoviais: são superfícies recobertas por cartilagem hialina e unidas pela cápsu- la, com uma cavidade contendo líquido sinovial. Estas permitem liberdade de movi- mentos, porém com menos estabilidade.

Quanto ao grau de mobilidade das articulações: SISTEMA MUSCULAR

A principal função do sistema muscular é propiciar movimentos. Algumas de suas funções secundárias são: · Nas artérias: controlam o fluxo sanguíneo.

Os músculos representam a parte ativa do aparelho locomotor. Existem aproxima- damente 600 músculos no corpo, que desempenham funções determinadas de acordo com seu objetivo. Os músculos são feitos de fibras, que se contraem quando estimuladas por impulsos nervosos.

TIPOS DE MÚSCULOS MÚSCULOS ESQUELÉTICOS OU ESTRIADOS Agem sob comando voluntário do cérebro, produzindo movimentos dos ossos. Suas células são fibras longas e finas, dispostas em feixes. Os filamentos sobrepostos existentes no interior das células lhes dão uma aparência estriada. Esses músculos são fixados aos ossos do esqueleto por meio de tendões e ligamentos e exercem força sobre os mesmos para que se movam.

MÚSCULOS LISOS Estão presentes nos órgãos internos, ocos e tubulares (estômago, intestino, vaso sanguíneo, bexiga urinária, sistema respiratório). Trabalham involuntariamente para o funcionamento regular do corpo.

MÚSCULOCARDÍACO É um músculo especializado que forma a parede do coração. É, também, o único músculo que não cansa.

168 VISUALIZAÇÕES DOWNLOAD