A place to share and follow research Submit an Article or Content File →

Plantas terrestres

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS DIRETORIA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PROJETO ESTRATÉGIA NACIONAL DE DIVERSIDADE BIOLÓGICA (BRA 97 G 31)

AVALIAÇÃO DO ESTADO DO CONHECIMENTO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA DO BRASIL COBIO/MMA ? GTB/CNPq ? NEPAM/UNICAMP

PLANTAS TERRESTRES Versão Preliminar GEORGE J. SHEPHERD DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA INSTITUTO DE BIOLOGIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP

Summary From the viewpoint of terrestrial plants, Brazil is the most biodiverse country in the world and contains from 15 ? 20% of the known species. This represents a substantial fraction of our globe's total biodiversity and gives Brazil both a privileged position and a heavy responsibility in the exploration, exploitation and preservation of This report discusses what is known about this diversity and attempts to evaluate capacity to deal with it in terms Terrestrial plants are treated here as four major groups ? Bryophytes, Pteridophytes, Gymnosperms and Angiosperms.

of groups still requiring taxonomic revision. Although this group is of limited economic importance (mainly ornamental plants), it is of considerable interest from an ecological and evolutionary viewpoint. Major recommendations : ¾ An increase in the total number of researchers working with the group ¾ Formation of new researchers can be probably mainly be completed within Brazil, but the number of potential supervisors is very limited and it may be necessary to send students for overseas training, ¾ Considerable investment in new collections and studies of geographical distributions is required ¾ Conservation of these organisms depends on the conservation of entire habitats, especially forests. Although some ferns are commonly cultivated, there are no comprehensive live collections and some of the other groups of pteridophytes are more difficult to cultivate. Spore storage is probably not a viable option.

The Gymnosperms are a predominantly woody group, with most species forming moderate or large trees. There are probably only 14-16 species of Gymnosperms in Brazil, representing only about 2% of the world total. This is not surprising since the group is commonest in cold-temperate climates. There appear to be no Brazilian specialists working exclusively with this group, but most of the species can be identified without great difficulty, except for the genus Gnetum in the Amazonian area. Economic value is chiefly confined to Araucaria (wood) and Ephedra (ephedrine production), but the genera Gnetum, Ephedra and Zamia are of great interest from an evolutionary point of view. Main recommendations : ¾ Training and formation of specialists in taxonomy of the group is probably not justified, given the small number of species, but investigation of genetic variation and preservation of germplasm of natural ¾ Strong efforts should be made to investigate the ecology and reproductive biology of Gnetum, Zamia and Ephedra to ensure adequate protection for natural populations of these genera, given their great evolutionary significance and relative rarity world-wide.

The Angiosperms (flowering plants) are by far the most abundant and dominant of all the terrestrial plants. The Brazilian flora probably contains about 50,000 or more species, representing about 16-20% of the world total. There are probably around 200 researchers in Brazil working actively with the taxonomy and identification of this group of plants, with a further group capable of identifying at least commoner species, and other researchers working with ecology, reproductive biology, cytology and genetic variation. Although this number of researchers is impressive when compared with those working with other groups, they are far from sufficient in the face of the large size of this group and the overwhelming economic and ecological importance of these plants. No recent floras or identification manuals are available for the whole of the Brazilian flora and it is unlikely that such an undertaking can be contemplated in the immediate future. For the moment, a strategy of developing floras at state level or more restricted areas seems to be a consensus among researchers in Brazil, and attempts to produce a complete flora would require a huge expenditure of time and effort which is simply not feasible at present. Knowledge of geographical and ecological distribution is much more abundant than in other groups but is not available in a concentrated and systematic form, and it is difficult to give accurate data for regional and biome-level diversity. Major recommendations for this group are : ¾ An increase in the number of researchers working in the group is highly necessary. Many large families have very few taxonomists or researchers capable of identifying them with any certainty.

¾ Although this group has been more heavily collected than any other group of terrestrial plants, collections are still manifestly inadequate to estimate total floras and regional or local biodiversity. Much effort needs to be expended on improving existing collections and their preservation and in improving the distribution of ¾ Support should be given to flora projects at state and local level, but the total number of taxonomists available is insufficient to permit simultaneous execution of all flora projects now being planned.

A number of recommendations are equally applicable to all of the groups considered up to now :- ¾ Investment in formation of human resources is highly necessary if Brazil is ever to become reasonably self- sufficient in managing and identifying its own biodiversity. For many groups, especially in the Amazonian region, the only taxonomists capable of identifying to species level live and work in Europe or the US, and ¾ Training and development of new techniques to speed taxonomic and floristic studies should be a high priority. The use of computerised methods for taxonomic description and identification show enormous promise, but require a massive investment in training and resources to succeed. ¾ A large investment in physical infrastructure and informatization of collections is necessary if these are to adequately serve their purpose of documenting biodiversity and as research instruments. Much of the information required for current decisions on biodiversity management and exploitation can probably only be obtained by an extensive and urgent program of databasing of herbaria and other collections. ¾ Progress in taxonomy and ecology for many groups depends on the availability of identification manuals. Materials suitable for teaching at undergraduate and post-graduate level are almost non-existent for many groups and production of such manuals should be give high priority. Elaboration of well-illustrated, interactive, computerised identification keys could be of great use in teaching and training and should be ¾ Repatriation of data and images of type specimens and other materials held in herbaria and other collections abroad would be enormously useful in speeding and facilitating taxonomic research in Brazilian plants. Consideration should be given to establishing a national effort to remedy the lack of such materials and to make them widely available through the internet or on electronic media such as CD-ROMS ¾ The distribution of researchers and collections throughout the country is very uneven, with a great concentration of workers in the Southeast and South. A strong effort is required to increase the number of taxonomists and ecologists working in hyperdiverse regions such as the Amazon basin and Centre-West ¾ The use of molecular techniques in plant systematics is currently ?fashionable? and of great importance and needs to be further developed in Brazil, but this should not divert efforts and resources from more basic activities of collecting and alpha taxonomy, which form the basis for all other biodiversity studies and supply the raw materials for more sophisticated applications.

1. Introdução Neste texto, as plantas terrestres serão tratadas como quatro grandes grupos - Briófitas, Pteridófitas, Gimnospermas e Angiospermas, tradicionalmente considerados filos (ou divisões). Alguns autores mais recentes tendem a dividir estas plantas em pelo menos 12 subfilos ou filos diferentes (com diversos nomes usados): - Angiospermas - Magnoliophyta - Gimnospermas - Coniferophyta, Cycadophyta, Ginkgophyta, Gnetophyta - Pteridófitas - Sphenophyta, Psilophyta, Lycopodophyta, Filicinophyta - Briófitas - Anthocerophyta, Hepatophyta, Bryophyta Recentes estudos com seqüências de genes sugerem que uma série de reajustes é necessária, mas a situação destes grandes grupos ainda é confusa. Optamos, portanto, por utilizar as divisões mais antigas, por serem mais convenientes e bem conhecidas, até que haja um consenso sobre os nomes e Entre estas plantas, as Angiospermas são as mais numerosas, mais conhecidas e economicamente mais importantes. São as plantas que dominam praticamente todos os ecossistemas terrestres e, com raras exceções, formam a maior parte da biomassa destes sistemas. Também este grupo reúne o maior número de especialistas em taxonomia, ecologia e fisiologia. Os outros três grupos são bem menores, menos abundantes e geralmente economicamente menos importantes, embora as Gimnospermas sejam de grande valor como fonte de madeira.

2. Briófitas Figura 2.1 incluir As briófitas são um grupo de plantas relativamente pequenas e delicadas que tendem a preferir Tipicamente são epífitas ou formam pequenas touceiras ou camadas finas na superfície do solo e raramente atingem tamanhos além de alguns centímetros de altura (max. 40 cm). Possuem um ciclo de vida com duas fases distintas - o gametófito e o esporófito - onde, ao contrário das outras plantas terrestres, o gametófito haplóide é dominante. Três classes são reconhecidas tradicionalmente - Anthocerotae, Hepaticae e Musci, mas a maioria das classificações recentes trata estes grupos como três filos - Anthocerophyta, Hepatophyta e Bryophyta.

As relações filogenéticas entre estes grupos são obscuras e talvez não sejam muito próximos. Dados recentes de seqüências genéticas sugerem que um realinhamento destes grupos seja necessário, com parte das hepáticas mais próxima aos musgos do que as restantes. Face à incerteza no nível e subdivisão apropriados para os subgrupos, no resto deste texto optamos por manter o uso das classes As briófitas geralmente são descritas como plantas avasculares, mas pelo menos algumas espécies têm tecidos condutores no caule, embora não sejam idênticos em estrutura aos tecidos As briófitas são de importância econômica muito reduzida, mas possuem grande interesse do Em termos evolutivos, formam um elo de ligação entre as plantas terrestres e as algas, embora seja praticamente certo que não são diretamente ancestrais das demais plantas terrestres, sendo uma linha ou conjunto de linhas evolutivas independentes. São de grande interesse do ponto de vista de mecanismos de evolução pois a parte principal da planta (a parte verde) é o gametófito haplóide. Não existe outro grupo de plantas terrestres onde os genes estão expostos a pressões de seleção nesta forma. Também são interessantes em termos morfológicos pois o grupo contém diversos gêneros talosos (sem caule e folhas diferenciados) nas Hepaticae e Anthocerotae, formas que talvez sejam parecidas com alguns dos mais primitivos ancestrais das plantas terrestres. Briófitas também são de grande interesse em ecologia, sendo valiosos indicadores ecológicos, muito sensíveis a pequenas mudanças em condições ambientais e especialmente como indicadores de poluição. No Brasil, normalmente não formam uma parte predominante da vegetação como ocorre em algumas regiões de tundra ou em brejos ácidos em regiões temperadas, mas em serras e em matas úmidas costumam ser uma parte importante da vegetação com biomassa significante.

2.1. Diversidade no Brasil e no mundo Dados sobre Briófitas no Brasil ainda são muito escassos, mas existem diversos ?checklists? do grupo produzidos por Yano (1981,1984,1989,1995 e 1996). Os dados utilizados aqui são derivados das publicações de Yano.

2.1.1. Geral Os números de espécies ocorrentes no Brasil e estimados para o mundo são apresentados na tabela 2.1.

Musci 1.964 8.000 Total 3.125 14.000 É difícil avaliar o grau de confiança que se pode ter nesta estimativa para o Brasil. De um lado, representa um número mínimo, sendo baseado em nomes citados em publicações e herbários, mas por outro lado, é possível que alguns nomes devam ser sinonimizados ou revistos. Parece razoável, porém, tratar esta estimativa como provável número mínimo de espécies que ocorrem no Neste caso, o Brasil possui aproximadamente 22% de todas as briófitas conhecidas no mundo.

2.1.2. Estudos fitogeográficos e fitossociológicos Estudos fitossociológicos e fitogeográficos sobre briófitas são muito raros no Brasil e geralmente muito restritos em abrangência. Foram realizados diversos inventários de briófitas para pequenas áreas (por exemplo Costa 1992, 1994, Yano & Carvalho 1995, Vital & Pursell 1991) e alguns estudos para regiões mais amplas (por exemplo Yano & Lisboa, 1988), mas estudos utilizando métodos fitossociológicos praticamente não existem. Estudos fitogeográficos também são muito raros e restritos em abrangência, embora existem padrões de distribuição extremamente interessantes (Egunyomi & Vital 1984; Gradstein et al. 2001) 2.2. Observações sobre subgrupos específicos Os três principais subgrupos (Musci, Hepaticae e Anthocerotae) estão todos bem representados no Brasil, particularmente no caso das Anthocerotae onde quase 50% das espécies conhecidas ocorrem no país.

2.3. Biomas A maior riqueza de Briófitas ocorre, com grande diferença, no bioma da Mata Atlântica e nas matas do sul, em ambientes úmidos, mas estas plantas também ocorrem em abundância em outras biomas quando condições são apropriadas. Não possuímos informações suficientes para estimar números de espécies em todos os diferentes biomas. Gradstein et al.(2001) sugerem que as florestas das partes mais baixas da bacia Amazônica (incluindo partes de Peru, Colômbia, Bolívia, Equador, Venezuela e as Guianas) contêm ao redor de 400 hepáticas e 300 musgos, uma diversidade relativamente baixa. O grande bioma dos cerrados também é relativamente pobre, mas localmente pode ter uma diversidade elevada onde condições são apropriadas, enquanto o bioma das caatingas tem uma diversidade muito mais baixa. As briófitas do Pantanal são pouco conhecidas.

2.4. Regiões Até o momento, estudos de Briófitas para as diferentes regiões são muito escassos. Praticamente todos os estudos feitos até agora são de áreas muito restritas e não fornecem uma boa base para discutir a riqueza de espécies ao nível de região em detalhes. Com sua preferência marcada por ambientes mais úmidos, o grupo como um todo tende a ser muito bem representado nas regiões Sul e Sudeste, e provavelmente relativamente pouco representado no Nordeste, pelo menos em áreas de clima mais seco. Pôrto (1996) indica um total de aproximadamente 450 espécies conhecidas para a região Nordeste. As regiões Sul e Sudeste contêm pelo menos 130 gêneros de hepáticas e 242 de musgos, mas o número total de espécies não é conhecido (Gradstein et al. 2001). Estas regiões também contêm diversos gêneros endêmicos e algumas espécies mostram distribuições disjuntas, ocorrendo também nos Andes. No estado de São Paulo, Yano (1998) compilou uma lista de 1.166 espécies, confirmando a maior riqueza da flora briofítica na região sudeste. Yano e outros pesquisadores estão atualmente compilando levantamentos por estado, mas estes dados não estão disponíveis ainda.

2.5. Coleções e infra-estrutura taxonômica As coleções de Briófitas nos herbários do Brasil em geral são muito limitadas. Ainda não temos dados para todos os poucos herbários que possuem coletas de briófitas. Um dos maiores é o Instituto de Botânica em São Paulo com aproximadamente 51.000 espécimes. Nos outros herbários do estado, não chegam a 1.500 espécimes. É provável que o total de coletas no Brasil não passe de 150.000 exsicatas, mas isso ainda precisa ser confirmado. Uma proporção significativa das coletas feitas no Brasil só pode ser encontrada em herbários no exterior (Paris, Kew, Bruxelas, Berlim, Munique, New York, Michigan, Viena e Estocolmo), incluindo a grande maioria dos tipos. É evidente que as coletas disponíveis até agora são totalmente inadequadas e há necessidade de um programa intensivo de coleta de Briófitas. O principal impedimento é a falta de pesquisadores e Os herbários onde trabalham a maioria dos pesquisadores de Briófitas em geral têm infra- estrutura razoável, mas tendem a ter deficiências em equipamentos óticos (lupas e microscópios) essenciais para estudos deste grupo onde a maioria das características taxonômicas não são visíveis ao olho nu. Coleções de briófitas geralmente necessitam de condições específicas, com armários especiais e locais adequados para armazenamento de lâminas temporárias e permanentes.

(Sphagnum) e contribuíram para a formação de extensos depósitos de turfa, usada como combustível e condicionador de solo. Existem alguns indícios de Briófitas que produzem substâncias com ação Ecologicamente, o grupo tem uma importância muito maior. Não chegam a ser dominantes em qualquer tipo de vegetação brasileira, mas são abundantes e bastante diversificadas em diversos tipos de mata e especialmente nas serras. São muito sensíveis a pequenas modificações ambientais e funcionam como excelentes indicadores ecológicos em muitos casos. Briófitas têm sido bastante utilizadas como indicadores de poluição atmosférica na Europa e América do Norte, mas este tipo de uso tem sido muito limitado no Brasil, em grande parte por falta de identificações e conhecimento de distribuição e ecologia. Esta sensibilidade característica provavelmente se deve às peculiaridades fisiológicas do grupo, pois muitas espécies absorvem água da chuva diretamente pelas folhas e caules e não via raízes como nas outras plantas terrestres, tornando-as muito susceptíveis a poluentes atmosféricos pois não podem ?filtrar? substâncias tóxicas.

2.7. Recursos humanos O número de pessoas no Brasil capazes de identificar Briófitas é extremamente limitado e representa o maior impedimento ao conhecimento maior da diversidade no grupo. Aproximadamente 15 pessoas atualmente estudam o grupo no país, e destes, somente 9 ou 10 têm emprego em alguma instituição. Pelo menos dois já estão aposentados, embora ainda estejam ativos. Praticamente não há pesquisadores estudando ecologia e biologia destes organismos, embora algumas das pessoas citadas acima tenham se envolvido com levantamentos florísticos e fitossociológicos. O treinamento básico necessário para formação de um pesquisador capaz de identificar espécies e trabalhar com taxonomia neste grupo demora 3 ? 4 anos. É possível fazer boa parte deste treinamento no país, mas o fator limitante é o número reduzido de orientadores potenciais. No futuro imediato, parece interessante que pelo menos algumas pessoas sejam treinadas no exterior para permitir a formação de um corpo de pesquisadores com o mínimo de demora. Para quase todos as pessoas sendo formadas neste grupo, é importante o acesso a herbários no exterior para consulta de tipos e coleções inacessíveis no país.

2.8. Perspectivas e necessidades Uma das maiores prioridades para este grupo é a formação de novos pesquisadores capacitados para coletar, identificar e estudar estas plantas. Dado o limitado conhecimento que se tem do grupo e a relativa falta de coletas, seria razoável propor que se deveria ter pelo menos 25 a 30 pesquisadores em tempo integral trabalhando com briófitas no Brasil, especialmente considerando que talvez um quinto de todas as espécies no mundo ocorrem no país. O número de orientadores potenciais é limitado e este é um grupo onde se pode justificar a formação de alguns pesquisadores no exterior para suplementar os orientadores no Brasil.

Um programa intensivo de coletas seria altamente desejável e urgente. Como as briófitas geralmente são quase totalmente dependentes da vegetação formada por outros grupos de plantas para sua sobrevivência, a destruição de matas e outros tipos de vegetação natural tem o efeito de eliminar quase completamente as espécies de briófitas associadas. Neste sentido, briófitas provavelmente são mais vulneráveis à perda de ambientes do que as angiospermas e não existe qualquer coleção de material vivo ou armazenamento de esporos. Em geral, não podem ser facilmente cultivadas e assim, A ausência total de literatura acessível que permita identificação, pelo menos ao nível de gênero, é um grande impedimento à formação de novos pesquisadores, particularmente em cursos de graduação nas universidades onde a matéria que inclui este grupo geralmente é ministrada por docentes que não são especialistas. Foi publicada, em 2001, uma extensa publicação sobre briófitas de América Tropical por Gradstein e colaboradores (Gradstein et al. 2001), que inclui chaves até o nível de gênero e muitas informações sobre distribuição e ecologia da região neotropical, mas esta obra foi escrita em inglês e inclui uma área muito maior que o Brasil. Existem alguns manuais como Bastos e Nunes (1996), mas estes são muito limitados e não têm ampla circulação. Um programa que estimulasse a produção de chaves ilustradas que permitem identificação ao nível de gênero, especificamente para o Brasil, seria muito interessante, especialmente se também visará a produção de No momento, a elaboração de uma flora de briófitas para o Brasil parece ser pouco viável, dado o baixo número de pesquisadores trabalhando com o grupo no país e a falta de coletas e conhecimento da flora briofítica local para extensas regiões. O número de espécies não é grande em comparação com algumas floras sobre Angiospermas, mas o grau de conhecimento das espécies é bem menor. Parece mais viável concentrar esforços em floras estaduais ou regionais e na formação de novos pesquisadores, até chegar no ponto onde seria realista contemplar uma flora para todo o território nacional. Qualquer projeto deste tipo necessariamente envolveria um número considerável de pesquisadores e instituições do exterior e devem ser contemplados mecanismos que permitam a Além da produção de floras, para muitos grupos de briófitas no Brasil, revisões taxonômicas são altamente desejáveis e necessárias. Em muitos gêneros foram descritas grandes números de espécies sem uma revisão criteriosa de variabilidade infraespecífica e exame de tipos, resultando numa grande quantidade de nomes que deverão ser sinonimizados ou revisados. Um fator que complica a taxonomia é a ampla distribuição de muitas espécies de briófitas que foram descritas com nomes diferentes em diferentes países ou continentes. Nestes casos, revisões taxonômicas precisam consultar uma diversidade de material bem maior daquela habitualmente consultada em revisões de angiospermas, por exemplo.

3. Pteridófitas Figura 3.1 incluir Figura 3.1 Uma pteridófita ? Lycopodium cernuum As pteridófitas são predominantemente plantas herbáceas, mas variam desde pequenas ervas epifíticas ou aquáticas até formas arborescentes que atingem 4 metros ou mais de altura. São plantas vasculares como as angiospermas e gimnospermas mas se reproduzem por esporos. Como as briófitas, têm duas fases distintas no ciclo de vida, ambas formando plantas que pelo menos por parte de seus ciclos são de vida livre. Em contraste com as briófitas, nas pteridófitas o esporófito diplóide é dominante, semelhante as angiospermas e gimnospermas, e o gametófito é As pteridófitas atuais geralmente são divididas em quatro grupos principais, tradicionalmente tratados como classes - Psilotatae, Lycopodiatae, Equistatae e Filicatae. Destes, somente as Filicatae ou samambaias são bem conhecidas por não especialistas. Também aqui, classificações mais recentes tendem a elevar estes grupos ao nível de filo (Psilophyta, Lycopodophyta, Sphenophyta e Filicinophyta) mas não há consenso sobre este nível e os nomes que devem ser utilizados. Estudos recentes com seqüências de genes sugerem, por exemplo, que Psilotatae, freqüentemente citados como possíveis sobreviventes de um grupo extremamente primitivo de Pteridófitas que se originou no Devoniano, provavelmente são parentes relativamente próximos de um grupo de samambaias (Filicatae). Sua morfologia, aparentemente primitiva, provavelmente é resultado de redução de um grupo morfologicamente mais complexo. É possível, também, que Equistatae representam um caso Em termos econômicos o grupo geralmente não é de grande importância (mas veja abaixo), porém formam uma parte importante da vegetação em muitas regiões e são importantes em termos de estudos de morfologia e filogenia pois representam um nível de organização e tipo de ciclo de vida que foi ancestral aos outros grupos de plantas terrestres. É impossível entender a evolução dos gimnospermas e angiospermas sem detalhes do ciclo de vida das pteridófitas.

3.1. Diversidade no Brasil e no mundo Não existem listagens completas das pteridófitas do Brasil. A obra mais geral é o livro de Tryon e Tryon (1982) mas este não permite identificação ao nível de espécies. Os dados usados aqui foram fornecidos por J. Prado (Instituto de Botânica de São Paulo).

3.1.1. Geral Uma estimativa do número total presumido de espécies (incluindo espécies ainda não descritas) no Brasil e no mundo é apresentada na tabela 3.1 Tabela 3.1 Diversidade de Pteridófitas no Brasil e no mundo (fonte: principalmente dados de J. Prado e P. Windisch) GRUPO BRASIL MUNDO Psilotatae 1 12-18 ou mais Lycopodiatae 52 + ? 1.100-1.400 Equistatae 1 (2?) 15-22 Filicatae 1.200-1.300 8.500-9.000 Total 1.200-1.400 9.000-12.000 O grau de erro nestas estimativas é difícil de determinar pois diversas famílias ainda estão pouco conhecidas taxonomicamente. Esta estimativa provavelmente deve ser tratada como um mínimo. A flora brasileira, portanto contém aproximadamente 10% das pteridófitas hoje conhecidas, mas está proporção poderá se revelar consideravelmente maior no futuro.

3.1.2. Estudos fitogeográficos e fitossociológicos Dados sobre fitogeografia e fitossociologia são bastante limitados. Existem alguns trabalhos mais gerais como Tryon (1972, 1986) e também alguns estudos como Tuomisto & Poulsen (1996), uma investigação do efeito de condições edáficas sobre a composição da flora de pteridófitas na Amazônia, e Windisch (1996) cita alguns estudos interessantes na área de biogeografia , mas no geral, é difícil encontrar estudos específicos para este grupo, especialmente trabalhos especificamente sobre o Brasil.

3.2. Observações sobre subgrupos específicos O gênero Psilotum (Psilotatae) é de grande interesse do ponto de vista de evolução, talvez representando um dos poucos sobreviventes de uma linha evolutiva muito antiga ou uma forma extremamente reduzida de algum outro grupo desconhecido. Dados moleculares recentes, porém, indicam que as plantas deste grupo são mais próximas às samambaias (talvez Ophioglossum) e que sua suposta semelhança com pteridófitas primitivas é resultado de redução e convergência. A situação ainda não está clara, porém, e ainda espera estudos mais aprofundados para confirmar esta hipótese.

3.3. Biomas Informações sobre distribuição por bioma são escassas e incompletas, e provavelmente não muito confiáveis. Os dados disponíveis sugerem que o número de espécies presentes na caatinga (somente 280 espécies para a região nordeste inteira) e cerrados é relativamente baixo e que o bioma mais rico no Brasil é a Floresta Atlântica. Barros et al. (1994) e Barros (1996) comentam que em regiões mais áridas de Pernambuco, a pteridoflora é menos rica e ?relictual?, com baixo proporção espécies/gêneros, mas não citam o número total de espécies encontradas. Mendonça et al. (1998) citam 267 espécies para os cerrados, enquanto uma grande parte das espécies das regiões Sul e Sudeste são da Mata Atlântica (possivelmente 500 espécies ou mais neste bioma). Este padrão é semelhante àquele observado para briófitas.

3.4. Regiões No momento não há informações suficientes para boas estimativas. Windisch (1996) cita uma estimativa de Tryon & Tryon de 600 espécies para as regiões Sul e Sudeste (com talvez 490 espécies na região Sul) e outros dados sugerindo perto de 300 espécies para as partes de baixa altitude da bacia amazônica e 280 para a região Nordeste. Dados não publicados de A. Salino2 mostram um padrão semelhante para a família Thelypteridaceae, gênero Thelypteris, com 41 espécies na região Sul, 65 no Dados mais ou menos confiáveis ao nível de estado estão disponíveis para Santa Catarina (420) e Rio Grande do Sul (270). Chama atenção o fato de haver relativamente pouca diversidade na região amazônica e uma forte concentração no Sul e Sudeste, um padrão semelhante àquele observado para briófitas.

3.5. Coleções e infra-estrutura taxonômica As coleções de pteridófitas no Brasil são, com poucas exceções, muito limitadas e mal identificadas. Estima-se que no estado de São Paulo tem cerca de 30.000 espécimes deste grupo. Para o Brasil, o total não deve ultrapassar muito mais que 100.000 exsicatas (Windisch, 1996). Esta amostragem ainda é muito incompleta, especialmente para alguns grupos que apresentam sérios problemas taxonômicos e ainda necessitam de estudos muito mais intensivos. Windisch (1996) estima que seria necessário triplicar o número de coletas para o Brasil para atingir uma amostragem minimamente suficiente. Herbários no exterior têm importantes acervos de coleções clássicas não representados no Brasil, incluindo um grande número de tipos. Prado (1998) cita Kew (K), Paris (P), Bruxelas (BR), Berlim (B), Munique (M) Nova Iorque (NY), Smithsonian (US) e Missouri (MO) como os principais. Também existem coleções importantes no Natural History Museum de Londres (antigo British Museum, BM).

3.6. Importância econômica e ecológica Este grupo tem relativamente pouco importância econômica, geralmente na forma de plantas ornamentais e fornecendo o ?xaxim? muito usado em jardinagem no Brasil. Uma exceção é Salvinia molesta, uma planta aquática invasora que tem infestado enormes áreas de lagos e rios na África após ser introduzida. Esta planta provavelmente é um híbrido triplóide estéril e pode ter se originado no Brasil ou algum lugar na América do Sul, onde seus supostos ancestrais ocorrem naturalmente sem causar grandes problemas. Pteridium aquilinum, espécie cosmopolita, ocupa agressivamente especialmente terrenos queimados com freqüência e é tida entre as plantas invasoras mais difíceis de erradicar.

3.7. Recursos humanos Poucos pesquisadores trabalham com este grupo no Brasil, com um total de 10 ?15 pessoas, dos quais poucos (6-7 ?) têm emprego permanente. Alguns alunos estão sendo formados mas o número de pesquisadores ainda é insuficiente. Dado que o número total de espécies é menor que no caso de briófitas, seria razoável estimar que 15 a 25 pessoas trabalhando em tempo integral seria um nível minimamente adequado para levantar e identificar pteridófitas no país. As necessidades e dificuldades são semelhantes àquelas apontadas para briófitas: 3 - 4 anos de formação, a falta de orientadores e a necessidade de acesso a coleções no exterior.

3.8. Perspectivas e necessidades As necessidades deste grupo são parecidas com aquelas das briófitas - um maior número de pesquisadores em empregos permanentes, um maior esforço de coleta e melhorias na infra-estrutura dos herbários, junto com uma ênfase grande em estudos de ecologia.

4. Gimnospermas Fig 4.1 incluir Este é o menor dos grupos de plantas terrestres e é pouco representado no Brasil. As gimnospermas são em grande parte arbóreas, mas pelo menos dois dos gêneros que ocorrem no Brasil são trepadeiras ou quase herbáceas. Em comum com as angiospermas, as gimnospermas produzem sementes e têm a fase gametofítica Figura 4.1 Uma gimnosperma ? Podocarpus lambertii extremamente reduzida e fechada dentro de um óvulo. As sementes, porém, são produzidas nuas, em cima de estruturas escamosas que geralmente são agrupadas em estróbilos mas não formam flores. Tem importância econômica grande como fonte de madeira - no Brasil, a espécie nativa Araucaria angustifolia e espécies introduzidas do gênero Pinus. Este grupo tradicionalmente tem sido dividido em diversas maneiras, mas muitos autores reconheciam duas subdivisões com 4 classes - Coniferophytina (Ginkgoatae + Pinatae) e Cycadophytina (Cycadatae + Gnetatae). As relações entre estes grupos são, porém, bastante obscuras e polêmicas e autores mais recentes tendem a dividir o grupo em 4 filos - Coniferophyta, Ginkgophyta, Cycadophyta e Gnetophyta. Aqui, apesar de manter o antigo grupo gimnospermas, preferimos este último arranjo pois cada uma destas linhas parece ter evoluído independentemente e tem Não foi localizado qualquer especialista que só trabalha com este grupo no Brasil. Dados para Cycadophytina (Cycadophyta) foram extraídos de ?The Cycad Page? (http://plantnet.rbgsyd.gov.au/PlantNet/ cycad/index.html) e de Sabato (1990) e Stevenson et al. (1990) 4.1. Diversidade no Brasil e no mundo Com um número muito reduzido de espécies, não há muito dúvida para estimar o número de espécies. As estimativas apresentadas aqui foram tirados da literatura.

Tabela 4.1 Estimativa do número de Gimnospermas conhecidas no Brasil e no mundo (fonte : G.J. Shepherd, Mabberley 1987 e Page 1990) GRUPO BRASIL MUNDO Coniferophyta 4-5 614 Gingkophyta 0 1 Cycadophyta 2* 121 Gnetophyta 8-9 70 Total 14-16 806 *Stevenson et al. (1990) indicam um total de 4 nomes, mas Sabato (1990) reconhece somente 2 espécies válidas, com talvez mais uma ainda não descrita.

Os números apresentados aqui provavelmente são razoavelmente confiáveis pois trata-se de um grupo pequeno e relativamente bem conhecido. Ainda existe incerteza quanto ao número de espécies de Gnetum, um gênero que necessita de uma revisão para as espécies da América do Sul. Este grupo tende a ser melhor representado em climas frios. As espécies brasileiras representam somente 2% do total mundial, mas incluem algumas formas especialmente interessantes.

4.2. Observações sobre subgrupos específicos Os gêneros Ephedra e Gnetum, membros do filo Gnetophyta, são particularmente interessantes pois exibem muitas características em comum com as angiospermas. Muitos autores consideram que as Gnetophyta representam o grupo-irmão das angiospermas. O gênero Gnetum merece destaque pois tem uma distribuição amazônica, e pelo menos algumas espécies são polinizadas por insetos, ambas características muito raras em gimnospermas.

4.3. Biomas Tabela 4.2 Número de espécies de Gimnospermas por bioma BIOMA NÚMERO DE ESPÉCIES Mata Atlântica 2-3 Podocarpus, 1 Araucaria Campos do Sul 1 Ephedra Floresta Amazônica 6 ou 7 Gnetum, 1 (talvez 2) Podocarpus, 2 Zamia Cerrados 2-3 Podocarpus

Tabela 4.3. Distribuição das espécies de Gimnospermas por região REGIÃO NÚMERO DE ESPÉCIES Norte 9-10 Centro-Oeste 2-3 Sudeste 3 Sul 4 Nordeste 1 ou 2

4.5. Coleções As coleções atuais provavelmente são suficientes para representar a diversidade geral das gimnospermas, mas não para descrever padrões de variação e diversidade intra-específica,, particularmente para as espécies amazônicas. Deve ser notado, também, que a descoberta de Podocarpus em Rondônia é relativamente recente, e que ainda não está clara se existem somente duas ou talvez até quatro espécies deste gênero no Brasil e qual é a distribuição de cada uma. Ainda é possível que apareçam mais espécies para o Brasil. A ampliação e manutenção de coleções vivas de Araucaria angustifolia deve receber atenção, dada a importância econômica desta espécie e seria muito importante ter coleções vivas dos representantes das Gnetophyta e Cycadophyta.

4.6. Importância econômica e ecológica Araucaria angustifolia teve grande importância como fonte de madeira e é a espécie dominante em florestas de Araucaria nas regiões Sul e Sudeste. Atualmente é de menor importância pois grande parte das florestas naturais desta espécie já foram exploradas e derrubadas. Espécies de Ephedra são uma fonte para efedrina, e estas plantas têm sido utilizadas como plantas medicinais desde a antigüidade.

4.7. Recursos humanos 4.8. Perspectivas e necessidades Dado o número reduzido de espécies, não se justifica um especialista trabalhando em tempo integral somente com a sistemática deste grupo, embora existe necessidade de uma revisão taxonômica de Gnetum e ainda ocorram dúvidas sobre o número real de espécies de Zamia no Brasil. Estudos adicionais de variação genética, ecologia e cultivo de Araucaria seriam certamente muito úteis e são economicamente justificados. Estudos de morfologia e biologia reprodutiva seriam de grande interesse nos gêneros Gnetum e Zamia.

5. Angiospermas Este é o maior e economicamente mais importante grupo de plantas. Inclui praticamente todas as plantas cultivadas, e é dominante em quase todos os ambientes terrestres, formando a maior parte da vegetação visível. É também o grupo mais numeroso em termos de espécies e por causa de sua enorme importância econômica (alimentos, madeira, fármacos, ornamentais, etc.) e ecológica e é claramente prioritário em programas de biodiversidade As angiospermas têm um ciclo de vida parecido com as gimnospermas, mas diferem deste último grupo, possuindo flores e tendo as sementes fechadas dentro de uma estrutura chamado ?carpelo?. Existem mais algumas diferenças em detalhes da estrutura anatômica, fertilização e morfologia.

Fig. 5.1 inlcuir Figura 5.1 Uma angiosperma - Bromelia antiacantha

5.1. Diversidade no Brasil e no Mundo As angiospermas são o grupo mais diverso e rico entre todas as plantas. Existe muita dificuldade para estimar o número total de espécies em diferentes regiões, embora a maioria de autores concorde nas estimativas do número total de espécies. Não existe qualquer tratamento completo e atualizado das angiospermas para o mundo inteiro.

recentes e relativamente confiáveis (Apêndice 4) indica que, em média, estes estimativas tendem a ser 1,96 vezes maior que o total de espécies citadas na flora, dando um total de 1,96 x 22.000 = 43.120. Estas estimativas não devem ser consideradas muito confiáveis pois dependem de uma série de suposições sobre a distribuição de espécies, inclusive que a amostra usada não é viciada, e a base usada para os cálculos é muito limitada. Se as premissas usadas nos cálculos forem aproximadamente corretas, parece provável que o número total de espécies de fanerógamas ocorrentes no território É evidente que ainda existem muitas espécies a serem descritas, particularmente na Amazônia. Os dados da Flora Fanerogâmica de São Paulo indicam pelo menos 50 espécies novas dentro de uma flora total de 8.000 espécies (0,63%), e sugerem que o número de espécies novas ainda não descritas no Sudeste e Sul é relativamente modesto. Para o Brasil como um todo, parece pouco provável que a percentagem de espécies ainda não descritas seja maior que 10% (e provavelmente mais baixo), dando uma estimativa de 44.000 - 50.000 espécies, dependendo qual dos totais citados acima for utilizado como base. No momento, portanto, nosso estimativa do número de espécies que ocorrem no Brasil é mais baixo que muitos das estimativas já publicadas. Deve ser notado que algumas estimativas para a flora de Colômbia sugerem 40.000 ? 50.000 espécies, um total comparável com aquele indicado para o Brasil, mas a confiabilidade destas estimativas também é sujeita a questionamento. Apesar de serem um pouco mais baixos de que muitos dos números citados na literatura, estas estimativas sugerem que a flora do Brasil representa algo em torno de 16 a 20% do flora mundial de fanerógamas, uma proporção espantosamente alta para um único país, e talvez o patrimônio genético mais rico do mundo neste grupo, com a possível exceção da Colômbia.

Edinburgh, Escócia) e J.F. Ribeiro (Embrapa Cerrados, Planaltina) com cerrados (Ratter & Dargie, 1992; Ratter et al. 1996; Ribeiro, 1998) Dado a importância deste tipo de estudo e as informações importantes e complementares que podem ser extraídas, devem ser estimulados trabalhos de fitossociologia, especialmente em regiões até agora pouco estudadas e em tipos de vegetação que foram pouco levantados. Também deve ser dada atenção à possibilidade de montagem de um, ou diversos, bancos de dados que reúnem as informações contidas nestes estudos. Uma abordagem inicial neste sentido está sendo explorado por F.R. Martins (UNICAMP). Um banco de dados mais completo permitiria uma abordagem muito mais ampla do Deve ser destacado, também, que estes dados não são ideais porque incluem muitos erros de identificação (muitos vezes, os autores não são taxonomistas) e materiais que não foram identificados. Em princípio, todas as espécies devem estar representadas por exsicatas depositadas em herbários e citadas no trabalho. Se houvesse um sistema de herbários informatizados (veja seção 7) que pudessem ser consultados pelo Internet, seria possível corrigir identificações em listas fitossociológicas via consultas aos herbários onde o material está depositado. É notável, porém, que muitos estudos deste tipo não depositam materiais testemunhas ou não citam estes materiais na publicação final. Nestes casos, a confiabilidade do estudo é bem menor e não é possível voltar e confirmar identificações. Deve ser exigência de editores e assessores nesta área o depósito e citação de exsicatas testemunhas para aceitar um trabalho para publicação. Desta maneira, seria possível garantir e melhorar a qualidade Estudos fitogeográficos são mais escassos e, no geral, tendem a discutir a delimitação de tipos de vegetação e condições climáticas/edáficas necessários para sua ocorrência e manutenção (por exemplo, Rizzini, 1976). Informações sobre distribuições individuais e interpretação destas distribuições em termos históricos e ecológicos são bem mais raras. Notáveis exceções são Oliveira- Filho & Ratter (1995) e Prado & Gibbs (1993). No geral, é difícil encontrar informações sobre a distribuição geográfica de uma dada espécie, a não ser que tenha aparecido numa revisão taxonômica recente. Informações que permitem traçar um ?perfil ecológico?, como tem sido feito na Austrália e com alguns grupos de organismos nos Estados Unidos praticamente inexistem. Uma solução parcial, de novo, pode ser encontrada na informatização das coleções e seu acesso via Internet, desde que uma proporção alta das coleções esteja informatizada e desde que a manutenção dos bancos de dados resultantes seja adequada.

5.2. Observações sobre subgrupos específicos Embora as angiospermas no Brasil sejam um grupo bastante diversificado, existe uma certa dominância de algumas famílias grandes que possuem muito mais espécies que o resto. (tabela 5.1).

Tabela 5.1 - Principais famílias de angiospermas no Brasil (estimativas de espécies de dicotiledôneas de Barroso et al. (1978, 1984, 1986), monocotiledôneas da atual consulta) FAMÍLIA NO. DE ESPÉCIES Asteraceae 1900 Fabaceae 1800 Euphorbiaceae 1100 Rubiaceae 1010 Myrtaceae 820 Caesalpiniaceae 790 Mimosaceae 580 Orchidaceae 3.500 Poaceae 1.200

5.3. Biomas Dados sobre biomas são muito incompletos3. Algumas compilações tem sido produzidos recentemente, listando espécies por bioma , a partir de levantamentos florísticos e fitossociológicos. Estas incluem Mendonça et al. (1998) e Castro et al. (1999) [cerrado], Rodal (1992)[Caatinga], Siqueira (1994)[Mata Atlântica], Oliveira Filho & Ratter (1995) [Matas semidecíduas] e Ratter et al.(1996) [Cerrados]. Estes dados ainda estão sendo compilados, mas é possível extrair algumas Mendonça et al. (1998) indicam um total de 6.060 espécies no bioma cerrado, mas a lista que estes autores apresentam contém diversos problemas de citação de nomes que são sinônimos ou possíveis erros de identificação em certos grupos, e deve ser tratado com alguma cautela. Os dados de Castro sugerem uma estimativa de 3.000 a 7.000 espécies para cerrados, dependendo da maneira em que se calcula os totais. Os dados de Castro também permitem visualizar a distribuição geográfica de riqueza nos cerrados, mostrando um padrão até surpreendente (fig. 5.2), pois mostra a maior riqueza na periferia sul e oeste dos cerrados.

3 Foram apresentadas algumas estimativas de biodiversidade em diferentes biomas durante 53º Congresso Nacional de Botânica em Recife, 2002, mas estes ainda não estão publicadas e consolidadas.

Fig. 5.2 Superfície representando riqueza de espécies arbóreas em áreas de cerrado (fonte : A.A.J.F. Castro)

No. de espécies em levantamentos de cerrado fonte : A.A.J.F. Castro (1994)

Belo Horizonte l Su 5.4. Regiões Brasília Cuiabá Leste 24 Oeste 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 50 45 40 35 30 25 20 15 Norte Os dados disponíveis sobre a distribuição de biodiversidade por regiões geográficas são muito escassos ou inteiramente ausentes para a maioria das famílias de angiospermas. No momento, não é possível fornecer estimativas confiáveis de número de espécies para cada região. A região Amazônica certamente é a mais rica e a região Sul mais pobre em número total de espécies, mais entre as outras regiões é difícil ter certeza de sua ordenação.

5.5. Importância econômica e ecológica É difícil superestimar o valor econômico e ecológico deste grupo pois praticamente toda a vida terrestre é direta- ou indiretamente dependente destas plantas. Quase todas nossas plantas cultivadas pertencem a este grupo e são a principal fonte de madeiras, fármacos e numerosos outros produtos. A maioria das plantas invasoras nocivas também pertencem a este grupo. A vegetação de praticamente todas as regiões do Brasil é predominantemente composta de angiospermas, com os outros grupos de plantas terrestres formando um componente relativamente reduzido do ecossistema.

Tabela 5.6.1. Distribuição de taxonomistas nos estados do Brasil (fonte : Index Herbariorum http://www.nybg.org/bsci/ih/ Nov. 1999 ) Estado Taxonomistas AL 2 AM 5 BA 9 CE 3 ES 5 GO+DF 12 MG 14 MS 1 MT 3 PA 8 PB 4 PE 10 PI 2 PR 9 RJ 43 RS 21 SC 7 SP 58

Figura 5.3 Distribuição de taxonomistas de Fanerógamas no Brasil por estado (fonte: Index Herbariorum http://www.nybg.org/bsci/ih/ Nov. 1999)

Taxonomistas de Fanerógamas no Brasil (por Estado) SP RJ 50 45 40 35 30 25 20 15 10

para pelo menos as espécies mais abundantes e dominantes nos diferentes ecossistemas presentes no país.

5.7. Perspectivas e necessidades Além da evidente necessidade de estudos taxonômicos em si, é claro que ainda existe uma grande necessidade de aumentar e melhorar as coletas de angiospermas. O número de exsicatas existentes nos herbários não é suficiente para fornecer uma boa representação da flora, e sofre de uma forte concentração de coletas em algumas regiões, deixando enormes áreas ainda praticamente desconhecidas, especialmente na Amazônia. As coleções mais antigas estão quase inteiramente em herbários no exterior (principalmente na Europa e Estados Unidos). A melhoria das coleções é essencial, não só para taxonomia, mas também para melhorar nosso conhecimento da biogeografia e ecologia das espécies deste grupo.

6. Manuais de Identificação A única flora completa é a Flora Brasiliensis de Martius, iniciada no século passado e terminado no início deste (1840-1906). Embora seja ainda uma obra de referência obrigatória, esta flora está completamente desatualizada, não incluindo uma grande quantidade de espécies descritas posteriormente e tem nomenclatura muito defasada para a maioria das famílias. Uma nova flora para o país seria altamente desejável, mas é pouco provável que possa ser realizada num futuro próximo, mesmo contando com o apoio de instituições estrangeiras. Em reuniões mais recentes sobre o Plano Nacional de Botânica, foi adotada uma estratégia de estimular a produção de floras ao nível estadual, com a intenção de acumular uma massa crítica de trabalhos ao nível estadual que eventualmente permitiriam a preparação de uma nova ?Flora Brasiliensis?. Floras estaduais estão em andamento ou sendo planejadas em diversos estados (Tabela 6.1).

Tabela 6.1 ? Projetos de Flora em andamento ou planejados (por estado). Referências específicas constam Estado atividade atual AM Projeto da Reserva Ducke já publicado. Nenhum projeto para todo o estado. BA Projeto aprovado e em andamento. Ainda em fase relativamente inicial. GO Em andamento. 23 famílias publicadas MG Projeto de flora do estado em fase de planejamento. Diversos projetos mais limitados em andamento ou completados (Serra do Cipó, Serra de Canastra, Ibitipoca) MT Checklist publicado (Dubs). Qualidade problemática em pelo menos alguns grupos. PB Em fase de planejamento. Por enquanto não tem recursos PE Projeto flora dos brejos/caatingas já em andamento PR Em fase de planejamento RJ Flora de Macaé de Cima bem adiantado (2 volumes publicados). Nenhum projeto ao nível do estado RS Algumas partes publicadas mas até agora muito limitado. Projeto sendo retomado. SC Flora já bastante adiantada. Interrompida durante algum tempo, mas sendo reativada. Talvez cerca de 80% completo (até 1989, 149 famílias publicadas, faltando 74. Inclui Pteridófitas) SP Em andamento. 2 volumes publicados até 2002.

grau de desalento observar que numa amostra de 126 famílias listadas no página do ?Web? para este projeto (Nov. 1999), somente 20% tiveram pelo menos alguma parte publicada e outros 20 % indicam uma data para término dos trabalhos. Em diversos casos, esta data já está ultrapassada, sem a publicação da família ou previsão de publicação iminente. Mais de 40% das famílias sequer têm indicação de um coordenador. Uma dificuldade desta publicação é a exigência de um número mínimo de espécies (atualmente 50) para publicar um fascículo. A maioria dos projetos de tese que formariam uma boa base para tratamentos na Flora Neotropica incluem, por motivos de prazo, um número menor de espécies e não são diretamente aceitáveis. Gostaríamos de realçar que a qualidade dos trabalhos produzidos é excelente e, na maioria dos casos, representam um tratamento ?definitivo? para Existem, também, diversas ?flórulas? de áreas mais restritas, mas estas geralmente têm um escopo mais limitado e não são de grande utilidade para muitas partes do Brasil pois não incluem a maioria das espécies encontradas em regiões mais distantes do local onde foi feito a flórula. Alguns exemplos podem ser citados: Barros, F., Melo, M.M.R.F., Cheia, S.A.C., Kirizawa, M., Wanderley, M.G.L. & Jung-Mendaçolli, S.L. 1991 ? 1997. Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso. vol. 1 - 5. Instituto de Botânica. São Paulo. [ainda incompleta] Giulietti, A.M., Menezes, N.L., Pirani, J.R., Meguro, M. & Wanderley, M.G.L. 1987. Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais: caracterização e lista de espécies. Bol. Bot. Univ. São Paulo. 9: 1- 151. [52 famílias já publicadas no Bol. Bot. Univ. São Paulo 1987 ? 1999] Harley, R.M. & Simmons, N.A. 1986. Florula of Mucugê. Royal Botanic Gardens, Kew. Richmond. pp. 227.

Lewis, G.P. & Owen, P.E. 1989. Legumes of the Ilha de Maracá. Royal Botanic Gardens, Kew. Richmond. pp. 95.

Lima, M.P.M. de, Guedes-Bruni, R.R. 1994 - 1996. Reserva ecológica de Macaé de Cima, Nova Friburgo- RJ. Aspectos florísticos das espécies vasculares. Vol. 1-2. Jardim Botânico, Rio de Janeiro. [ainda incompleta] Melhem, T.S. 1981- 1999. Flora Fanerogâmica da reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). publicado em Hoehnea (revista do Instituto de Botânica de São Paulo). [ainda incompleta] Mendonça Fº, C.V. 1996. Braúna, Angico, Jacarandá e outras Leguminosas de Mata Atlântica. C.V.Mendonça Fº/ Fundação Margaret Mee/Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte. pp. 100.

Stannard, B.L. 1995. Flora of the Pico das Almas, Chapada Diamantina ? Bahia, Brazil. Royal Botanic Gardens, Kew. Richmond. pp. 853 A ?Flora da Reserva Ducke?, recém-publicada, é um exemplo muito interessante de um manual de identificação que utiliza técnicas modernas de ilustração, e fornece um meio de identificação de plantas que exige muito menos conhecimento técnico do usuário do que uma flora tradicional, numa área com altíssima diversidade onde identificação é particularmente complexa. Manuais deste tipo são muito raros no Brasil, mas são importantes pois tornam acessíveis informações sobre identificação de plantas para um conjunto mais amplo de usuários que nem sempre são especialistas em taxonomia de plantas. Esta flora deve servir como exemplo para o desenvolvimento de futuros manuais de identificação em diferentes regiões do Brasil.

herbários e outras coleções sistemáticas são um componente vital no esforço de descrever, gerenciar e aproveitar sua riqueza biológica. A representatividade e ?saúde?, em termos de conservação, infra- estrutura e recursos humanos, das coleções do país, portanto, devem receber alta prioridade. A situação das coleções botânicas nos herbários brasileiros foi resumida recentemente num relatório de Peixoto e Barbosa (1998), baseado nos dados da Comissão de Herbários da Sociedade Botânica do Brasil, disponível no Web site http://www.bdt.org.br/oea/sib/ariane. A maioria dos dados utilizados aqui foram extraídos deste relatório, com algumas modificações e acréscimos, principalmente de informações do projeto ?Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo?. Dados suplementares também estão disponíveis no relatório ?Biodiversidade: Perspectivas e Oportunidades Tecnológicas?, cap. 2, na seção sobre coleções botânicos por Siqueira e Joly (http://www.bdt.org.br/paper/padctbio/cap2/). As informações deste último relatório são menos A maioria das informações utilizadas aqui se referem a fanerógamas (angiospermas e gimnospermas), pois os dados disponíveis não separam os grupos de criptógamas, e não é possível, no momento determinar que proporção das coleções pertence a grupos não tratados aqui (algas, fungos e Peixoto e Barbosa (1998) listam um total de 116 herbários para o Brasil, nem todos com dados atualizados ou completos, e consideram que 113 são ativos. Estes herbários contêm aproximadamente 4.200.000 espécimes, dos quais quase 3.500.000 são de fanerógamas. A distribuição destes herbários, por estado, é relacionada na tabela 7.1.

Baum (1996) indica um total de 210 herbários e 10.000.000 espécimes para América do Sul, mas estas informações provavelmente já estão bastante desatualizadas. O número de herbários e espécimes no Brasil está mais ou menos proporcional à área territorial (cerca de 48% da área da América do Sul), com talvez mais herbários e menos espécimes do que esperado.

Tabela 7.2 Números de herbários e exsicatas por continente (dados de Baum, 1996) CONTINENTE NO. DE HERBÁRIOS NO. DE EXSICATAS Europa 1022 133.000.000 América do Norte 825 71.000.000 Ásia 374 44.000.000 América do Sul 210 10.000.000 Australásia e Ilhas do Pacífico 76 9.000.000 África 131 6.000.000 Em comparação com as coleções em outros continentes (tabela 7.2), é evidente que as coleções de plantas na América do Sul ainda são muito modestas face a Ásia, América do Norte e Europa.

Fig. 7.1 Superfície representando o acervo total de espécimes de fanerógamas por estado

Observando os dados na tabela 7.1, é patente a forte concentração dos acervos de herbários nas regiões Sudeste e Sul, padrão também refletido no número de especialistas. Esta distribuição pode Se os acervos dos herbários fossem determinados pela riqueza florística regional, o padrão esperado seria quase o inverso do observado. Um problema evidente com este tipo de representação é que os acervos nos estados mais ?ricos? contêm uma proporção significativa de material coletado fora do estado e até fora do Brasil, particularmente no caso dos herbários de Rio de Janeiro e em menor escala no Instituto de Botânica de São Paulo. No caso do último, é provável que menos de 20% do acervo é do estado de São Paulo e para os herbários paulistas como um todo, algo perto de 21% do acervo é do próprio estado. Somente os herbários pequenos têm acervos predominantemente da região ou estado onde estão situados. Qualquer herbário grande que desenvolve pesquisa taxonômica tende a adquirir um acervo bastante diversificado pois comparação com material de diferentes regiões e países é necessário. Como resultado, uma proporção bastante alta (75% ou mais) do acervo nos estados ?ricos? deve ser redistribuída entre os outros estados no gráfico em fig. 7.1 para dar uma idéia mais fiel da real distribuição da amostragem da flora. No momento é impossível determinar quantas exsicatas foram, de fato, coletadas em cada estado, e somente um processo de informatização total dos herbários permitiria responder a este tipo de levantamento. De qualquer modo, continua verdadeiro que o acesso a coleções extensas e bem representativas é muito desigual e incompatível com a distribuição de riqueza florística até onde conhecemos o padrão desta última. É particularmente preocupante o relativo ?vácuo? no Centro-Oeste e limites entre região Norte e as regiões Centro- Oeste, Sudeste e Nordeste, zona de alta riqueza, pelo menos para algumas biomas (ver discussão de Até que ponto o acervo nos herbários pode ser considerado suficiente? Podemos dizer que conhecemos pelo menos minimamente a flora brasileira com a amostragem que temos? É difícil responder diretamente a estas perguntas com os dados disponíveis, em parte porque estas perguntas podem ser feitas em diferentes níveis geográficos, e dependem da riqueza local. Não é necessário coletar muitas amostras em vegetação com poucas espécies. Considerando os dados obtidos com o levantamento dos herbários de São Paulo feito para o projeto ?Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo?, ao nível de regiões administrativas dentro do estado, ficou muito evidente que a ?riqueza? florística registrada para cada região era uma função direta do número de exsicatas coletadas em cada região. Um gráfico mostrando a relação entre densidade de coletas e número de espécies (Fig. 7.2) sugere que o número de espécies aumenta rapidamente até alcançar um patamar de 0,5 a 1,0 exsicatas por km2. Um valor de 1 exsicata/km2 também foi considerado adequado por D.G. Campbell (citado em Baum, 1996) para áreas de vegetação tropical. Se for adotado este padrão, portanto, seria necessário um mínimo de 8,5 milhões de exsicatas para representar o território nacional ? o dobro do acervo atual.

Fig. 7.2 Relação entre número de espécies e densidade de coletas para regiões administrativas no estado de São Paulo (fonte: projeto ?Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo? ) no. de espécies e densidade de coletas

5000 4000 3000 no. de espécies 2000 1000 0 CA SP SJ SO y = 668.52Ln(x) + 2414 R2 = 0.6602 RE CE SA PR BRUP MA PFPR AR BA 0 0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4. 0. 0

-1000 exsicatas/km2 O valor citado de 1 espécime por km2 parece razoável, portanto, para se ter uma idéia geral da riqueza de uma região, mas não é suficiente para um levantamento completo da flora de uma região. A figura 7.2 sugere que a curva de aquisição de espécies ainda está subindo mesmo com densidades de coleta acima de 3 exsicatas por km2 e isso é confirmado pelos resultados do programa de coletas do projeto ?Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo? que mostram numerosas espécies não citadas anteriormente, mesmo para as regiões mais coletadas, além de mais de 40 espécies complemente novas. Para alcançar uma densidade de coleta de 3 exsicatas por km2, seria necessário um acervo total As densidades de coleta para regiões e estados são estimadas na tabela 7.3.

Tabela 7.3 Número de exsicatas de fanerógamas, área e densidade de coletas para estados e regiões (fonte : Peixoto e Barbosa (1998) - Valores diferem ligeiramente devido a algumas atualizações e modificações) ESTADO/REGIÃO Nº DE HERBÁRIOS FANERÓGAMAS ÁREA EXSIC/KM2 AC 2 7000 152589 0.046 AM 3 206006 1564445 0.132 AP 1 8000 140276 0.057 PA 3 297000 1248042 0.238 RO 0 0 243044 0.000 RR 0 0 230104 0.000 TO 0 0 301926 0.000 região Norte 9 518006 3880426 0.133 AL 2 15494 27731 0.559 BA 7 203796 561026 0.363 CE 4 23258 148016 0.157 MA 1 2777 328663 0.008 PB 2 26000 56372 0.461 PE 6 99308 98281 1.010 PI 1 9500 250634 0.038 RN 3 5190 53015 0.098 SE 1 6842 21994 0.311 região Nordeste 27 392165 1545732 0.254 GO+DF 5 291455 345980 0.842 MS 4 17721 350549 0.051 MT 1 12818 881000 0.015 região Centro-Oeste 10 321994 1577529 0.204 ES 3 19800 45597 0.434 MG 11 208848 587172 0.356 RJ 11 830955 44268 18.771 SP 16 611747 247898 2.468 região Sudeste 41 1671350 924935 1.807 PR 8 338766 199554 1.698 RS 17 407463 282184 1.444 SC 4 100200 95985 1.044 região Sul 29 846,429 577723 1.465 Brasil 116 3749944 8506345 0.441

suficiência. As densidades calculadas na tabela 7.3 não tentam corrigir o efeito de material ?extra- região?. Se aplicarmos a proporção de 20% material ?local? para a região Sudeste, a densidade de exsicatas por km2 estaria mais perto de 0,36 do que de 1,81. Percebe-se, portanto, que mesmo regiões supostamente bem coletadas na realidade ainda estão longe de suficiência e não temos como estimar, no momento, como redistribuir o material ?extra-região? para chegar em dados mais confiáveis. Não parece haver muita dúvida que a região Sul provavelmente tem o melhor nível de amostragem seguido pela região Sudeste, e que as regiões restantes, especialmente a região Norte, ainda estão seriamente sub-amostradas. Mesmo nas regiões Sul e Sudeste, porém, estamos longe de possuir um levantamento realmente completo da flora. Provavelmente seria necessário pelo menos dobrar os acervos no caso do Sul e Sudeste e quintuplicar as coletas obtidas até agora na região Norte. Os dados para os estados individuais são menos confiáveis ainda - Rio de Janeiro certamente não tem 18.77 exsicatas coletadas por km2! Um estudo dos dados dos herbários do estado de São Paulo usando o banco de dados do projeto ?Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo? (Shepherd - não publicado) sugere que seria necessário pelo menos dobrar as coleções no estado para alcançar um nível mínimo de suficiência de coleta para estimar riqueza em escala de região administrativa. Uma outra dificuldade no uso de dados de densidade de coleta é que o padrão de concentração de coletas é repetido e até acentuado em escala local (Fig. 7.3). Em parte, no caso de São Paulo, esta distribuição reflete a própria distribuição dos instituições de pesquisa e coleta botânica mas é muito comum encontrar áreas ?favoritas?, intensamente coletadas por botânicos durante muitos anos porque têm floras particularmente ricas ou simplesmente porque o acesso é fácil. Encontra-se exemplos da mesma espécie ou até a mesma planta individual sendo coletados ano após ano no mesmo local.

Fig. 7.3 Densidades de coleta no estado de São Paulo por município (fonte : projeto ?Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo?) Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo Densidade de coletas nas coleções anteriores (pré-FFESP)

9 8 7 6 5 4 3 2 1 0.01 0 exsicatas/km quadrado © Coordenação Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo

que o número máximo de curadores e técnicos podem participar, trazendo, inclusive, pesquisadores de fora do país onde necessário. Um modelo que pode servir como base para discussão é o programa de informatização de herbários montado na Austrália (ver http://www.erin.gov.au), onde existem muitos problemas parecidos com o que se encontra no Brasil, mas que conta com infra-estrutura bem mais desenvolvida.

8. Métodos de trabalho Um dos problemas que consistentemente aparecem em avaliações de capacidade de identificação e recursos taxonômicos é o longo prazo necessário para produzir floras, revisões e outros manuais de identificação junto com o alto custo de publicação destas obras, especialmente quando incluem ilustrações. Seria importante reconsiderar os métodos de trabalho utilizados por taxonomistas e a maneira em que eles apresentam seus resultados, para ver se existem meios de melhorar a situação. Não é possível discutir estas possibilidades em detalhes aqui, mas podemos mencionar os seguintes itens: ? Uso de bancos de dados para coleções (discutido no item anterior) ? Uso de programas e bancos de dados que facilitam a preparação, manutenção e apresentação de descrições taxonômicas e diminuir o tempo necessário para readaptar estas informações para diferentes publicações. Exemplos : sistema DELTA (CSIRO, Austrália) e Linnaeus (ETI, ? Uso de chaves computadorizadas interativas que facilitam acesso de pessoas sem treinamento extenso em sistemática e permitem um grau de uso de imagens e ilustrações que seria impensável em publicações convencionais em papel. Exemplos : sistema DELTA, LucID (CSIRO, Austrália) ? Uso mais extenso do Internet para facilitar acesso aos trabalhos já completados. Como exemplo, pretende-se colocar no Internet os tratamentos já editorados e aprovados da ?Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo? para permitir acesso antes da publicação da versão em papel que necessariamente terá que esperar o ?fechamento? de todos os tratamentos de cada volume. Um procedimento semelhante foi adotado pelo ?Bryophyte Flora of North America? ? Uso de recursos do Internet e meios eletrônicos de grande capacidade (por ex. CD-ROM) para distribuir e tornar facilmente acessíveis imagens de material tipo, listas de nomes corrigidos, literatura antiga e outros itens necessários para estudos taxonômicos. Recentemente, o New York Botanical Garden iniciou um programa de colocar no Internet imagens de tipos para suplementar o catálogo de tipos já disponível na rede (http://www.nybg.org). Estas imagens são de boa qualidade, e a ampliação desta iniciativa louvável a outros herbários ricos em tipos como Kew e Paris tornaria a prática de taxonomia de fanerógamas no Brasil muito mais fácil. Deve ser dado apoio a iniciativas deste tipo.

Esta lista não é exaustiva, mas pretende apenas indicar alguns possíveis caminhos para tornar a produção de obras taxonômicas e manuais para identificação mais rápida e mais acessível. Nota-se que a ampla adoção destas tecnologias necessitaria de programas de treinamento para taxonomistas atualmente em atividade e um esforço de incluir este tipo de treinamento em cursos de graduação e pós-graduação para os novos profissionais sendo formados atualmente e no futuro.

9. Considerações finais Com os dados do levantamento ainda parcial, é difícil chegar em conclusões muito concretas, mas certos temas já se destacam: O Brasil é provavelmente o país de maior biodiversidade em plantas terrestres no mundo, com Nosso conhecimento da flora de plantas terrestres no Brasil ainda é muito incompleto e necessita de consideráveis investimentos em melhoria de pessoal (formação e treinamento), infra- estrutura das coleções e infra-estrutura taxonômica (acesso a literatura, espécimes tipos, imagens, Embora a infra-estrutura taxonômica do país tenha melhorado sensivelmente nos últimos anos, ainda é muito deficiente em muitos respeitos. Por enquanto, os pesquisadores brasileiros na área sistemática precisam ser suplementados com especialistas estrangeiros e tentativas de barrar o acesso de pesquisadores estrangeiros provavelmente seriam contraproducentes, deixando grupos inteiros sem possibilidade de identificação. Melhor é aproveitar de eventuais visitas para solicitar cursos e treinamento individual de alunos e pesquisadores brasileiros. As leis atuais sobre depósito de materiais resultantes de coleções sistemáticas parecem adequadas, desde que aplicadas corretamente e É necessário um esforço maior para fazer uma amostragem mais uniforme da biodiversidade de plantas terrestres, reduzindo a forte concentração de coletas em relativamente poucas áreas. Coletas precisam utilizar recursos como posicionadores de satélite (GPS) para permitir melhor É preciso discutir também até que ponto deve ser feito um esforço para ?repatriar? informações que estão no exterior, na forma de bancos de dados com informações sobre espécimes, imagens de espécimes (especialmente tipos) e literatura mais antiga. É necessário, também, discutir se Brasil deve manter no exterior (por exemplo em Kew, no Reino Unido) um pesquisador com funções de pesquisar informações especificamente sobre material brasileiro e cuidar de pedidos de informações vindo do Brasil (?liaison officer?). Este tipo de arranjo tem sido usado com algum sucesso por países É necessário uma discussão mais ampla sobre a função e prioridades para coleções botânicas no Brasil. Até que ponto seria mais eficiente concentrar esforços em coleções maiores? É necessário investir no treinamento de alunos de graduação e pós-graduação em técnicas novas que podem aumentar a eficiência dos pesquisadores trabalhando na área de sistemática em geral. Também é importante que sistematas recebem treinamento adequado em técnicas genéticas e ecológicas para estimular intercâmbio entre estas áreas e estudos interdisciplinares que são cada vez mais essenciais.

10. Referência Bibliográficas Barbosa, M.R.V., Mayo, S.J., Castro, A.A.J.F., Freitas, G.L., Pereira, M.S., Gadelha Neto, P.C. & Moreira, H.M. 1996. Checklist preliminar das angiospermas. In. Sampaio, E.V.S.B., Mayo S.J. & Barbosa, M.R.V. Pesquisa botânica nordestina: progresso e perspectivas. Sociedade Botânica do Brasil, Seção Barros, I.C.L 1996. Pteridófitas. In. Sampaio, E.V.S.B., Mayo S.J. & Barbosa, M.R.V. Pesquisa botânica nordestina: progresso e perspectivas. Sociedade Botânica do Brasil, Seção Regional de Pernambuco, Barros, I.C.L., Andrade, L.H.C. & Carvalho, F.A.T. 1994. Riqueza florística e relictualismo da pteridoflora de Pernambuco. Resumos, XLV Congresso Nacional de Botânica, São Leopoldo. p. 308. Barroso, G.M., Guimarães, E.F., Ichaso, C.L.F., Costa, C.G. & Peixoto, A.L. 1978. Sistemática de Angiospermas do Brasil vol. 1. Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., Rio de Janeiro. Barroso, G.M., Peixoto, A.L., Ichaso, C.L.F., Costa, C.G. Guimarães, E.F. & Lima, H.C. 1984. Sistemática de Angiospermas do Brasil vol. 2. Imprensa Universitária, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. Barroso, G.M., Peixoto, A.L., Ichaso, C.L.F., Costa, C.G. Guimarães, E.F. & Lima, H.C. 1986. Sistemática de Angiospermas do Brasil vol. 3. Imprensa Universitária, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. Bastos, C.J.P. & Nunes, J.M.C. 1996. Guia para identificação de material botânico. Série Criptogâmica. I. Manual para estudo prático de Bryophyta. Universidade do Estado da Bahia ? UNEB, Salvador. Baum, B.R. 1996. Statistical adequacy of plant collections. In. Stuessy, T.F. & Sohmer, S.H. (eds.) Sampling the Green World. Innovative Concepts of Collection, Preservation, and Storage of Plant Diversity. Bicudo, C.E.M. & Shepherd, G.J. (1998). Biodiversidade do Estado de São Paulo - Síntese do conhecimento ao final do século XX. vol. 2 Fungos Macroscópicos e Plantas São Paulo, FAPESP. Bramwell, D. 2002. How Many Plant Species Are There? Plant Talk 28. [http://www.plant- talk.org/Pages/28bramw.html] Castro, A.A.J.F 1994. Comparação florístico-geográfica (Brasil) e fitossociológica (Piauí ? São Paulo) de Castro, A.A.J.F., Martins, F.R., Tamashiro, J.Y. & Shepherd, G.J. 1999. How rich is the flora of Brazilian Costa, D.P. 1992. Hepáticas do Pico da Caledônia, Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil. Acta bot. bras. 6:3-39 Costa, D.P. 1994. Musgos do Pico da Caledônia, Município de Nova Friburgo, Estado de Rio de Janeiro, Brasil. Egunyomi, A. & Vital, D.M. 1984. Comparative studies on the bryofloras of the Nigerian savanna and the Gaston, K.J. & May, R.M. 1992. Taxonomy of taxonomists. Nature 356: 281-282. Gentry, A.H. 1982. Neotropical floristic diversity: phytogeographical connections between Central and South America, Pleistocene climatic fluctuations, or an accident of the Andean orogeny? Ann. Missouri Govaerts, R. 2001. How many species of seed plants are there ? Taxon 50: 1085-1090. Gradstein, S.R., Churchill, S.P & Salazar-Allen, N. 2001. Guide to the bryophytes of Tropical America. Groombridge,B. (ed.) 1992. Global Biodiversity: Status of the Earth's Living Resources. Chapman & Hall, Mabberley, D.J. 1987. The Plant Book. Cambridge University Press, Cambridge. pp. 707. Martius, C.F.P.von, Edlicher, S., Eichler, A.G. & Urban, J. (ed.) 1840-1906. Flora Brasiliensis. München, Wien, Leipzig. 15 vols, 40 partes.

Mendonça, R.A., Felfili, J.M., Walter, B.M.T., Silva Jr., M.C., Rezende, A.V., Filgueiras, T.S. e Nogueira, P.E. 1998. Flora vascular do cerrado. In. Sano, S.M. & Almeida, S.P. (eds.) Cerrado: ambiente e flora. Miguel, M.D. & Miguel, O.G. 2000. Desenvolvimento de Fitoterápicos. Robe Editorial, São Paulo. p.21. Nelson,B.W., Ferreira,C.A.C., Silva,M.F. & Kawasaki,M.L. 1990. Endemism centres, refugia and botanical Page, C.N. 1990. Coniferophtina In Kubitzki,K. (ed.) The families and genera of vascular plants v. 1. Springer- Pôrto, K.C. 1996. Briófitas. In. Sampaio, E.V.S.B., Mayo S.J. & Barbosa, M.R.V. Pesquisa botânica nordestina: progresso e perspectivas. Sociedade Botânica do Brasil, Seção Regional de Pernambuco, Recife. pp. Prado, D.E. & Gibbs, P.E. 1993. Patterns of species distribution in the dry seasonal forests of South America. Prado, J. 1998. Pteridófitas do estado de São Paulo. in Bicudo, C.E.M. & Shepherd, G.J. (Eds.). Biodiversidade do Estado de São Paulo - Síntese do conhecimento ao final do século XX. vol. 2 Fungos Ratter, J.A. & Dargie, T.C.D. 1992. An analysis of the floristic composition of 26 Cerrado areas in Brazil. Ratter, J.A., Bridgewater, S., Atkinson, R. & Ribeiro, J.F. 1996. Analysis of the floristic composition of the Brazilian Cerrado vegetation II: comparison of the woody vegetation of 98 areas. Edinburgh Journal of Botany 53 (2): 153-180 Raven, P. 1987. The size of the plant conservation problem world-wide. In. Bramwell, D., Hamann, O., Heywood, V.H. & Sunge, H. (eds.) Botanic gardens and the world conservation strategy. Ribeiro, J.F. 1998. Fitofisionomias do bioma cerrado. In. Sano, S.M. & Almeida, S.P. (eds.) Cerrado: ambiente Rizzini, C.T. 1976. Tratado de fitogeografia do Brasil, vol. 1. Hucitec/EDUSP, São Paulo. pp. 327. Rodal, M.J.N. 1992. Fitossociologia da vegetação arbustivo-arbórea em quatro áreas de caatinga em Sabato, S. 1990. West Indian and South American cycads. Mem. N.Y. Bot. Garden. 57:173-185. Siqueira, M.F. 1994. Análise florística e ordenação de espécies arbóreas da Mata Atlântica através de dados Stevenson, D.W., Osborne, R. & Hendricks, J. 1990. A world list of cycads. Mem. N.Y. Bot. Garden. 57:200- Thorne, R.F. 1973. Floristic relationships between Tropical Africa and Tropical America. In. Meggars, B.J., Ayensu, E.S. & Duckworth, W.D. (eds.) Tropical forest ecosystems in Africa and South America: a comparative review. Smithsonian Institute Press, Washington. pp. 27-47. Tryon, R.M. 1972. Endemic areas and geographic speciation in Tropical American ferns. Biotropica 4:121-131. Tryon, R.M. 1986. The biogeography of species, with special reference to ferns. The Botanical Review 52: Tryon, R.M. & Tryon,A.F. 1982. Ferns and allied plants with special reference to Tropical America. Springer, Tuomisto, H. & Poulsen, A.D. 1996. Influence of edaphic specialization on pteridophyte distribution in Vital, D.M. & Pursell, R.A. 1991. The bryoflora of Fernando de Noronha, Brasil. Tropical Bryology 4:23-24 Windisch, P. 1996. Towards assaying biodiversity in Brazilian Pteridophytes. In C.E.M. Bicudo & N.A. Yano, O. 1981. A checklist of Brazilian Mosses. J. Hattori Bot. Lab. 50: 279-456.

Yano, O. 1984. Checklist of Brazilian liverworts and hornworts. J. Hattori Bot. Lab. 56: 481-548. Yano, O. 1989. An additional checklist of Brazilian bryophytes. J. Hattori Bot. Lab. 66: 371-434. Yano, O. 1995. A new additional annotated checklist of Brazilian bryophytes. J. Hattori Bot. Lab. 78: 137-182. Yano, O. 1996. A checklist of the Brazilian bryophytes. Bol. Inst. Bot. 10: 47-232. Yano, O. 1998. Briófitas do estado de São Paulo. in Bicudo, C.E.M. & Shepherd, G.J. (Eds.). Biodiversidade do Estado de São Paulo - Síntese do conhecimento ao final do século XX. vol. 2. Fungos Macroscópicos Yano, O. & Carvalho, A.B. de 1995. Musgos do manguezal do Rio Itanhaém, Itanhaém, São Paulo. In III Simpósio de Ecossistemas da Costa Brasileira, Serra Negra, SP. São Paulo ACIESP. pp. 362-366. Yano, O. & Lisboa, R.C.L. 1988. Briófitas do Território Federal do Amapá, Brasil. Bol. Mus. para. Emílio Goeldi 4:243-270.

11. Apêndice 1 Famílias de Dicotiledôneas e número de espécies conhecidas (fonte : Barroso et al., 1978, 1984, 1986). Espécies no Brasil (Barroso et al.)- no. de espécies conhecidas no Brasil estimado por Barroso et al.; Mundo (Barroso (et al)) - no. de espécies conhecidas no mundo estimado por Barroso et al.; % BR - porcentagem das espécies encontradas no Brasil (baseado em Barroso et al.); Mundo (Mabberley) - no. de espécies conhecidas no mundo estimado por Mabberley (1987); %BR (Mabberley) - porcentagem das espécies do mundo encontradas no Brasil (baseado em Mabberley 1987). Barroso et al. não separam algumas famílias . * - sem estimativa.

Caryocaraceae 15 25 60,00 24 62,50 Caryophyllaceae4 0 2000 0,00 2070 0,00 Casuarinaceae 0 65 0,00 70 0,00 Cecropiaceae em Moraceae * 200 * Celastraceae 52 850 6,12 1300 4,00 Ceratophyllaceae 2 6 33,33 2 100,00 Chenopodiaceae 18 1500 1,20 1300 1,38 Chloranthaceae 5 70 7,14 56 8,93 Chrysobalanaceae 180 420 42,86 460 39,13 Clethraceae 5 30 16,67 64 7,81 Clusiaceae 183 1000 18,30 1350 13,56 Combretaceae 58 475 12,21 500 11,60 Connaraceae 70 300 23,33 380 18,42 Convolvulaceae 320 1800 17,78 1650 19,39 Cornaceae 1 90 1,11 90 1,11 Crassulaceae 1 1400 0,07 1500 0,07 Cucurbitaceae 200 1280 15,63 760 26,32 Cunoniaceae 17 265 6,42 340 5,00 Cuscutaceae 5 170 2,94 145 3,45 Dichapetalaceae 21 240 8,75 125 16,80 Dilleniaceae 30 530 5,66 300 10,00 Dipsacaceae 1 150 0,67 250 0,40 Droseraceae 11 90 12,22 85 12,94 Ebenaceae 35 300 11,67 485 7,22 Elaeocarpaceae 5 125 4,00 520 0,96 Elatinaceae 2 45 4,44 32 6,25 Eremolepidaceae em Loranthaceae * 13 * Ericaceae 34 2500 1,36 3350 1,01 Erythroxylaceae 105 200 52,50 260 40,38 Euphorbiaceae 1100 7500 14,67 7950 13,84 Fabaceae5 1800 12000 15,00 11300 15,93 Fagaceae 0 * * 1050 0,00 Flacourtiaceae 92 1300 7,08 875 10,51 Fumariaceae 3 320 0,94 450 0,67 Gentianaceae 130 550 23,64 1200 10,83 Geraniaceae 5 600 0,83 730 0,68 Gesneriaceae 196 1800 10,89 2400 8,17 Goodeniaceae 1 320 0,31 430 0,23 Grossulariaceae 0 em Saxifragaceae * 340 Gunneraceae 2 48 4,17 40 5,00 Haloragaceae 6 175 3,43 120 5,00 Hamamelidaceae 0 * * 90 0,00 Hernandiaceae 5 44 11,36 68 7,35 Hippocrateaceae 45 300 15,00 Celastraceae * Humiriaceae 6 ? ? ? 50 ?

4 Barroso et al. não indicam qualquer espécie nativa ou subespontânea. Parece haver, porém, pelo menos 5 Barroso et al. indicam 2.000 espécies para o mundo e 180 para Brasil. Estes dados parecem estar errados e foram corrigidos para 12.000 e 1.800 respectivamente ? próximo de outras estimativas.

Hydrangeaceae 0 em Saxifragaceae 170 0,00 Hydrophyllaceae 4 250 1,60 275 1,45 Icacinaceae 28 450 6,22 320 8,75 Juglandaceae 0 * * 59 0,00 Krameriaceae 6 30 20,00 15 40,00 Lacistemataceae 8 40 20,00 14 57,14 Lamiaceae 232 2800 8,29 5600 4,14 Lauraceae 390 1900 20,53 2200 17,73 Lecythidaceae 105 450 23,33 280 37,50 Leeaceae 0 * * 34 0,00 Lentibulariaceae 60 300 20,00 245 24,49 Limnanthaceae 0 * * 8 0,00 Linaceae 36 250 14,40 300 12,00 Loasaceae 18 300 6,00 260 6,92 Loganiaceae 108 500 21,60 600 18,00 Loranthaceae 149 1400 10,64 940 15,85 Lythraceae 143 500 28,60 580 24,66 Magnoliaceae 4 210 1,90 200 2,00 Malpighiaceae 300 800 37,50 1100 27,27 Malvaceae 200 2300 8,70 1550 12,90 Marcgraviaceae 24 120 20,00 108 22,22 Melastomataceae7 1480 3500 42,29 4750 31,16 Meliaceae 58 1400 4,14 575 10,09 Mendonciaceae em Acanthaceae 60 Menispermaceae 106 400 26,50 520 20,38 Menyanthaceae 1 40 2,50 40 2,50 Mimosaceae 580 2800 20,71 3100 18,71 Molluginaceae 3 15 20,00 100 3,00 Monimiaceae 84 350 24,00 450 18,67 Moraceae 336 1850 18,16 1400 24,00 Moringaceae 0 * * 14 0,00 Myristicaceae 56 400 14,00 440 12,73 Myrsinaceae 61 1000 6,10 1250 4,88 Myrtaceae 820 3500 23,43 3850 21,30 Nyctaginaceae 70 300 23,33 350 20,00 Nymphaeaceae 8 50 16,00 60 13,33 Ochnaceae 100 400 25,00 460 21,74 Olacaceae 58 230 25,22 200 29,00 Oleaceae 10 300 3,33 900 1,11 Onagraceae 43 650 6,62 650 6,62 Opiliaceae 7 60 11,67 28 25,00 Oxalidaceae 144 950 15,16 575 25,04 Papaveraceae 1 400 0,25 210 0,48 Passifloraceae 83 600 13,83 530 15,66 Pedaliaceae 0 50 0,00 95 0,00 Phytolaccaceae 27 120 22,50 65 41,54 6 Barroso et al. não fornecem estimativa do número de espécies no Brasil, embora indiquem como distribuição geográfica ?Todo o Brasil?. Pelo menos Duckesia, Humiria e Humiriastrum ocorrem no Brasil 7 Barroso et al. indicam 480 espécies para o Brasil. Este número parece ser um erro e foi corrigido para 1.480, bem mais perto de outras estimativas.

12. Apêndice 2 Famílias de Monocotiledôneas e número de espécies conhecidas (fonte : diversas estimativas). Flora Brasiliensis ? no. de espécies no Brasil segundo Martius (1840-1906); Brasil - no. de espécies no Brasil; Mundo - no. de espécies conhecidas no mundo estimado por Mabberley (1987); % Brasil - porcentagem das espécies encontradas no Brasil.

Apêndice 5 Sugestão de conjunto mínimo de dados para intercâmbio (fonte: Workshop ?Bases para a conservação da biodiversidade do estado de São Paulo? - Serra Negra, 30 Jul.-2 Ago., 1997) Identificação ? reino, filo, classe, família, gênero, espécie, variedade Dados do coletor ? nome, número coleção Data Dados de localização ? coordenadas, altitude, localidade, município, estado, país Precisão (?accuracy?) em metros Descrição do ambiente ? ecossistema (padrão ?ficha?), ? habitat (texto livre) Fonte ? espécime, observação visual, som etc.